Indicadores da Economia Brasileira: Confiança e Expectativas 2016

883 views

Published on

Relatório produzido pelo Observatório de Políticas Econômicas da FDC.

Published in: Economy & Finance
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
883
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
3
Actions
Shares
0
Downloads
3
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Indicadores da Economia Brasileira: Confiança e Expectativas 2016

  1. 1.  www.fdc.org.br  Indicadores da Economia Brasileira: Confiança e Expectativas Observatório de Políticas Econômicas|2016
  2. 2. Material de responsabilidade do Observatório de Políticas Econômicas Indicadores da Economia Brasileira: Confiança e Expectativas IR  Quadro-Resumo  Índice de Confiança do Consumidor e Expectativas de Inflação do Consumidor  Índice de Confiança do Comércio e Índice de Confiança dos Serviços  Índice de Confiança da Indústria de Transformação e Índice de Confiança da Construção Civil  Relatório Focus: Expectativas de Crescimento do PIB  Relatório Focus: Expectativas de Inflação Publicação completa na NOTA DE CONJUNTURA BRASILEIRA, disponível em: http://www.fdc.org.br/professoresepesquisa/nucleos/Paginas/centro-de-referencia.aspx?Nucleo=Estrat%C3%A9gia%20e%20Neg%C3%B3cios%20Internacionais&Info=Materiais&CR=33 IR IR IR IR IR
  3. 3. Material de responsabilidade do Observatório de Políticas Econômicas Quadro-Resumo (com relação ao período imediatamente anterior) Março Abril Variação ÍNDICE DE CONFIANÇA DO CONSUMIDOR 67,10 64,40 -4,02% EXPECTATIVAS DE INFLAÇÃO DO CONSUMIDOR 11,10 10,70 -3,60% ÍNDICE DE CONFIANÇA DO COMÉRCIO 66,1 66,6 0,75% ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS SERVIÇOS 68,9 69,3 0,58% ÍNDICE DE CONFIANÇA DA INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO 75,1 77,5 3,19% ÍNDICE DE CONFIANÇA DA CONSTRUÇÃO CIVIL 66,8 67,0 0,29% EXPECTATIVA DE CRESCIMENTO PIB 2016 (FINAL DO MÊS) -3,66% -3,89% -0,24% EXPECTATIVA DE CRESCIMENTO PIB 2017 (FINAL DO MÊS) 0,35% 0,40% 0,05% EXPECTATIVA DE VARIAÇÃO IPCA EM 2016 (FINAL DO MÊS) 7,31% 6,94% -0,34% EXPECTATIVA DE VARIAÇÃO IPCA EM 2017 (FINAL DO MÊS) 6,00% 5,72% -0,26% VOLTAR
  4. 4. Material de responsabilidade do Observatório de Políticas Econômicas Índice de Confiança do Consumidor e Expectativa para Inflação 12 Meses (IBRE/FGV 2011-2016) 6,0 7,0 8,0 9,0 10,0 11,0 60 70 80 90 100 110 jan/14 abr/14 jul/14 out/14 jan/15 abr/15 jul/15 out/15 jan/16 abr/16 ICC EXPECTATIVAS DE INFLAÇÃO (eixo secundário)  ÍNDICE DE CONFIANÇA DO CONSUMIDOR (ICC)  Em abril de 2016, o ICC atingiu o valor mais baixo da série histórica, recuando 2,7 pontos com relação a março. Esse resultado implica também que o indicador trimestral de confiança (visto nas linhas pontilhadas) volta a assumir inclinação negativa, ou seja, a tendência do ICC é piorar, a médio prazo.  EXPECTATIVAS DE INFLAÇÃO DO CONSUMIDOR  Embora a Confiança do Consumidor esteja caindo, nota-se que a trajetória de expectativas do consumidor sobre a inflação, bem como sua tendência trimestral, tem trajetória negativa. Nesse sentido, pode-se notar que, a despeito da situação atual, os consumidores esperam que a economia se estabilize no longo prazo VOLTAR
  5. 5. Material de responsabilidade do Observatório de Políticas Econômicas Índice de Confiança do Comércio e Índice de Confiança dos Prestadores de Serviços (IBRE/FGV 2011-2016)  ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS COMERCIANTES (ICOM)  Em abril de 2016, o ICOM foi de 66,6 e seguiu à tendência observada em março e recuou recuando 0,5 ponto com relação a março. Já a média móvel trimestral consolidou a mudança de inclinação, assumido tendência ligeiramente negativa. Entretanto, vale ressaltar que embora os comerciantes indiquem piora na confiança, suas expectativas mostram redução do pessimismo no médio prazo.  ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PRESTADORES DE SERVIÇOS (ICS)  O ICS de abril de 2016 foi de 69,3 (crescimento de 0,4 ponto com relação a março). Apesar desse resultado, o indiciador trimestral apresentou tendência decrescente, o que pode indicar que, embora a confiança dos empresários desse setor estar apresentando recuperação no curto prazo, a transmissão desse efeito para o médio e longo prazo ainda é incerta. 60 65 70 75 80 85 90 95 100 105 jan/14 abr/14 jul/14 out/14 jan/15 abr/15 jul/15 out/15 jan/16 abr/16 ICOM ICS VOLTAR
  6. 6. Material de responsabilidade do Observatório de Políticas Econômicas Índice de Confiança da Indústria de Transformação e Índice de Confiança da Construção Civil (IBRE/FGV 2011-2016) 60 65 70 75 80 85 90 95 100 105 jan/14 abr/14 jul/14 out/14 jan/15 abr/15 jul/15 out/15 jan/16 abr/16 ICI ICST  ÍNDICE DE CONFIANÇA DA INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO (ICI)  Desde o terceiro trimestre de 2015, o ICI tem apresentado estabilidade com ligeira tendência de recuperação. Nesse sentido, pode-se notar que o pessimismo parou de avançar nesse mercado, de modo que se esperam que a situação atual se mantenha a médio e longo prazo. No curto prazo, esse indicador apresentou o melhor resultado dos últimos doze meses, assim, em abril de 2016 o ICI avançou 2,4 pontos e fechou em 77,5 pontos, o que mostra melhora nas expectativas de curto prazo.  ÍNDICE DE CONFIANÇA DA CONSTRUÇÃO CIVIL (ICST)  Fechando abril de 2016 a 67 (crescimento de 0,2 pontos com relação a março), o ICST mostra estabilidade em curto prazo. Não obstante, a média trimestral desse indicador permaneceu decrescente, o que sugere que os construtores esperam que, a médio prazo, a situação atual da economia tenha tendência a piorar. VOLTAR
  7. 7. Material de responsabilidade do Observatório de Políticas Econômicas Variação das estimativas semanais do PIB (2016 e 2017) Relatório Focus: estimativas semanais -4,00 -3,00 -2,00 -1,00 0,00 1,00 31/dez 07/jan 14/jan 21/jan 28/jan 04/fev 11/fev 18/fev 25/fev 03/mar 10/mar 17/mar 24/mar 31/mar 07/abr 14/abr 21/abr 28/abr 2016 2017  EXPECTATIVA DE CRESCIMENTO 2016  Mesmo a despeito da política macroeconômica atual, em 2016, o indicador de expectativas do mercado quanto ao crescimento anual do PIB tem apresentado resultados adversos. Ao somar o cenário econômico e político, nota-se que os mercados esperam que 2016 ainda apresente performance de estagflação. No fim do mês de abril as expectativas foram de 2016 acumular queda de 3,89% no crescimento do PIB (deterioração de 0,24% com relação às expectativas de crescimento do PIB do mês de março).  EXPECTATIVAS DE CRESCIMENTO 2017  Assim como as expectativas de curto prazo, as expectativas de mercado sobre o crescimento do PIB no longo prazo (final de 2017) mostram que o mercado espera que o possível arrefecimento da crise política e com o processo de ajuste macroeconômico em curso levem à economia para o estágio de baixo crescimento (0,4% a.a.), de modo a encerrar o período e estagflação. VOLTAR
  8. 8. Material de responsabilidade do Observatório de Políticas Econômicas Variação das estimativas semanais do IPCA (2016 e 2017) Relatório Focus: estimativas semanais 5,00 5,50 6,00 6,50 7,00 7,50 31/dez 07/jan 14/jan 21/jan 28/jan 04/fev 11/fev 18/fev 25/fev 03/mar 10/mar 17/mar 24/mar 31/mar 07/abr 14/abr 21/abr 28/abr 2016 2017 Lim. Sup. 2016 Lim. Sup. 2017  EXPECTATIVA DE INFLAÇÃO 2016  Embora o cenário de incertezas quanto ao cenário político e econômico tenha elevado a incerteza dos mercados quanto à taxa de inflação no ano de 2016, o fim dos ajustes nos preços administrados de energia, reduziu o pessimismo dos mercados. Isto é, dado o fim do período de forte intervenção do governo central, esperam-se que a transmissão crescente de preços arrefeça ainda a curto prazo. Nesse sentido, se esperam que 2016 acumule 6,94% de inflação (queda de 0,34% com relação às expectativas em março).  EXPECTATIVA DE INFLAÇÃO 2017  Já no longo prazo (2017), com a nova margem de tolerância da inflação (3,0 p.p. em torno da meta) somada ao processo de ajuste macroeconômico e o fim da intervenção nos preços administrados, os mercados revisaram suas expectativas para 5,72% a.a., portanto, ficando dentro da margem superior da meta de inflação para 2017. VOLTAR
  9. 9. Material de responsabilidade do Observatório de Políticas Econômicas  www.fdc.org.br  Campus Aloysio Faria Av. Princesa Diana, 760 Alphaville Lagoa dos Ingleses 34000-000 – Nova Lima (MG) Campus Belo Horizonte Rua Bernardo Guimarães, 3.071 Santo Agostinho 30140-083 – Belo Horizonte (MG) Campus São Paulo Av. Dr. Cardoso de Melo, 1.184 Vila Olímpia – 15º andar 04548-004 – São Paulo (SP) Campus Rio de Janeiro Av. Afranio de Melo Franco, 290 2º andar – Leblon 22430-060 – Rio de Janeiro (RJ) atendimento@fdc.org.br 0800 941 9200 Associados em todo Brasil

×