Your SlideShare is downloading. ×
0
Gestão da inovação no contexto brasileiro
Gestão da inovação no contexto brasileiro
Gestão da inovação no contexto brasileiro
Gestão da inovação no contexto brasileiro
Gestão da inovação no contexto brasileiro
Gestão da inovação no contexto brasileiro
Gestão da inovação no contexto brasileiro
Gestão da inovação no contexto brasileiro
Gestão da inovação no contexto brasileiro
Gestão da inovação no contexto brasileiro
Gestão da inovação no contexto brasileiro
Gestão da inovação no contexto brasileiro
Gestão da inovação no contexto brasileiro
Gestão da inovação no contexto brasileiro
Gestão da inovação no contexto brasileiro
Gestão da inovação no contexto brasileiro
Gestão da inovação no contexto brasileiro
Gestão da inovação no contexto brasileiro
Gestão da inovação no contexto brasileiro
Gestão da inovação no contexto brasileiro
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Gestão da inovação no contexto brasileiro

661

Published on

O relatório anual é uma avaliação do Núcleo de Inovação e Empreendedorismo da FDC sobre as práticas de gestão da inovação nas empresas associadas ao Centro de Referência em Inovação de São Paulo.

O relatório anual é uma avaliação do Núcleo de Inovação e Empreendedorismo da FDC sobre as práticas de gestão da inovação nas empresas associadas ao Centro de Referência em Inovação de São Paulo.

Published in: Education
0 Comments
2 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
661
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
34
Comments
0
Likes
2
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014
  • 2. INTRODUÇÃO   Sobre o Relatório O relatório anual é uma avaliação do Núcleo de Inovação e Empreendedorismo da FDC sobre as práticas de gestão da inovação nas empresas associadas ao Centro de Referência em Inovação de São Paulo. Empresas Associadas Sua Relevância O presente estudo é importante, pois compreende as práticas de inovação por empresas relevantes no contexto econômico brasileiro, sendo um ótimo guia para as demais empresas que atuam em território nacional e que objetivem alcançar novas metodologias de gestão da inovação.
  • 3. METODOLOGIA   Elaboração O Relatório atual foi realizado através de pesquisas qualitativas, ao longo de 2013 e 2014, envolvendo líderes em cargo de gerência e diretoria nas empresas participantes. Processo de Análise A pesquisa foi conduzida através das reuniões do Centro de Referência em Inovação Nacional (CRI Nacional) e visitas as empresas associadas. Através destas reuniões, análises das estratégias de inovação, de projetos de inovação, indicadores de resultado e equipe foram contemplados. A técnica sugerida pela FDC para a elaboração das análises foi o mapa de contexto, em que as estratégias empresariais são avaliadas, juntamente aos projetos de inovação. A proposta do mapa de contexto consiste em explorar as relações processuais das unidades de negócio, possíveis gargalos e desdobramentos em melhorias de gestão.
  • 4. Como avaliamos a inovação com as empresas? Usualmente, a inovação é interpretada como Pesquisa e Desenvolvimento (P&D), desenvolvimento de produto, cooperação universidade-empresa e/ou aspectos tecnológicos. No entanto, diversas organizações apresentam inúmeros desafios para inovar, entre eles: •  Alinhamento com a estratégia corporativa; •  Alinhamento de processos com outras unidades de negócio; •  Adoção de indicadores de desempenho; •  Elaboração de projetos; •  Busca por aumento das receitas por novos produtos, processos e serviços; •  Desenvolvimento de lideranças. Para tanto, utilizou-se do método de resolução de problema, em que as empresas associadas foram estimuladas a identificar prioridades, metas, causas potenciais para a inovação e na elaboração de planos de ação. Foi proposto um pensamento de fronteira para a inovação, em que a gestão seja um diferencial competitivo, somando a questões associadas à incentivos fiscais e políticas de fomento governamentais. METODOLOGIA  
  • 5. Perfil das Empresas As empresas estudadas possuem mais de 1000 colaboradores, com perfil industrial e de serviços. A maior parte das empresas é multinacional, concentrando a gestão corporativa na região sudeste. Setores de Atuação Mineração Serviços Automobilístico Governamental Telecomunicações Tecnologia da Informação Alimentício PERFIL  DAS  EMPRESAS   Óleo e Gás Aeroespacial Químico
  • 6. VISÃO  SOBRE  A  GESTÃO  DA  INOVAÇÃO   Inovação Estratégica Projetos de Inovação GESTÃO DA INOVAÇÃO Indicadores de Resultado Sincronismo Gestão 1 2 3 4 5 6 (Diagnósticos) Capturando Oportunidades Benefícios Fiscais Geração de Valor ao Negócio
  • 7. 1 2 3 1.  Qual a estratégia empresarial, desdobrada nas perspectivas financeira, pessoas, processos e mercado? 2.  Qual a estratégia de inovação? Quais são os indicadores de resultado? 3.  Como promover a inovação em toda a organização: unidade de negócio ou líderes empresariais? 4.  Quais são os projetos de inovação e plano de ação para o efetivo resultado? (Diagnóstico) FOCO GIT REPORT 1 | STUDY OBJECTIVES AND WORKING MODULESPROBLEMAS     Inovação Estratégica Projetos de Inovação Sincronismo Gestão GESTÃO DA INOVAÇÃO Ø Análises da estratégia empresrial Ø  Análises da estratégia de inovação Ø Sincronismo de processos para a inovação Ø Inovação: processo ou unidade de negócio Ø Projetos e liderança METODOLOGIAS
  • 8. GESTÃO DA INOVAÇÃO Indicadores de Resultado 4 5 6 4.  Como promover a excelência operacional e resultados de curto prazo? 5.  C o m o s e a n t e c i p a r e / o u r e a g i r a o desenvolvimento de novas tecnologias e inovações de ruptura? 6.  Como gerar maior valor agregado no relacionamento perante aos clientes e ao mercado? Capturando Oportunidades FOCO Geração de Valor ao Negócio Benefícios Fiscais METODOLOGIAS Visão  Gestão     Estratégia  Empresarial   Visão  Inovação     Como  alinhar  a  estratégia   de  inovação,  processos  e   pessoas  para  o  resultado?     Como  obter  bene;cios   fiscais?   PROBLEMAS    
  • 9. Observações Principais Estratégias Empresariais Apesar da melhor percepção das empresas para o tema inovação, há uma grande necessidade para institucionalir a estratégia de inovação, dado a centralização de recursos e processos para as práticas de P&D. A percepção das estratégias corporativas para o ano de 2014 é para um direcionamento de resultados financeiros. Neste caso, o ambiente para a inovação seria desafiador, dada a redução de recursos e maior exigência para resultados. Um dos desafios impostos para as equipes de inovação é a melhoria dos processos internos e alocação de pessoal, dado ambiente para melhores resultados financeiros empresariais. As empresas que vem adotando a inovação como uma opção estratégica, vem direcionando os seus esforços para temas como produtividade, gestão de processos, indicadores de resultado e inovação tecnológica para redução de custos. RESULTADOS  
  • 10. Observações Principais Estratégias de Inovação Em muitas empresas, a estratégia de inovação ainda está associada aos processos de P&D. No entanto, percebe-se o desenvolvimento de uma nova visão pautada em gestão de processos de inovação, com o envolvimento de outras unidades de negócio. Os processos de inovação normalmente vem contemplando a execução de tarefas entre equipes de engenharia, desenvolvimento de produtos, financeiro, comercial e financeiro. Em todos os casos observados, as metas de desenvolvimento de novas soluções de negócio vem da estratégia corporativa. Um dos temas de fronteira das empresas é a produtividade, estando associado ao aumento de receita, redução de custos, adequação da força de trabalho e na melhoria dos processos em toda a cadeia de valor. Dadas as observações acima, um dos grandes desafios apresentados é a formação de gente com o perfil adequado para o novo modelo de gestão da inovação. Há a necessidade de gente focada em ciência e tecnologia, mas com visão empreendedora e de gestão. RESULTADOS  
  • 11. Observações Principais Sincronismo de Processos Um dos maiores desafios apresentados é a busca pelo sincronismo de processos entre as unidades de negócio. Em muitos casos, percebe-se a busca pelo resultado comercial, dado as incertezas para o ano de 2014. No entanto, o estimulo ao processo de vendas, poderia resultar em operações mais caras e recursos menores para as práticas de P&D. O Isolamento das equipes de P&D é um grande desafio, tanto na gestão de processos, na questão da adoção de indicadores ou para a cultura destas equipes. As análises para a redução dos gargalos de processos, o que poderia reduzir a redução no tempo de desenvolvimento de novos produtos ou tecnologias é apontando como um grande desafio. RESULTADOS  
  • 12. Observações Principais Definição de Projetos de Inovação A definição de projetos para a inovação está associada aos seguintes temas: 1.  Aproximação das unidades de P&D, junto ao desenvolvimento de produto, engenharia, operações, finanças e comercial. 2.  Desenvolver uma análise sistêmica de inovação, com foco em modelos de negócio e cadeia de valor. 3.  Busca por benchmarking e aumento do processo de aprendizagem. 4.  Formação de equipes de inovação e uma nova cultura para liderança. 5.  Desenvolvimento de aspectos de criatividade nas equipes e ambientes favoráveis para práticas de inovação. 6.  Aproximação com fundos de investimentos para financiamento de novos produtos. 7.  Novas práticas de gestão do conhecimento e repositório de ideias. 8.  Inovação e práticas sustentáveis. RESULTADOS  
  • 13. Observações Principais Indicadores de Resultado A definição dos indicadores de inovação envolve as seguintes análises: 1.  Número de novos negócios gerados, quando a análise é o contexto estratégico da inovação. 2.  Aumento da margem de contribuição, quando o foco é a inovação de produto. 3.  Aumento do nível de serviço, quando o foco é a inovação de processos. 4.  Redes de inovação, avaliando a interação com fornecedores, clientes e universidades. 5.  Gestão do conhecimento e inteligência competitiva, buscando constante processo de benchmarking. 6.  Melhoria da qualidade de produtos. 7.  Gastos com P&D e desenvolvimento de novos produtos junto as equipes operacional e comercial. 8.  Registro de patentes. RESULTADOS  
  • 14. Observações Principais Cultura Organizacional e Lideranças A agenda das equipes de inovação é uma consequência das estratégias empresariais e condições do mercado. Para 2014, percebe-se um aumento da incerteza de mercado e maiores dificuldades para a gestão do fluxo de caixa. Um adas áreas afetadas é a inovação, com redução de recursos. Dado o cenário econômico, percebe-se o aumento da demanda pela formação de equipes de alto desempenho para a gestão da inovação, contemplando aspectos relacionados ao empreendedorismo e proatividade. A cultura das equipes de inovação, outrora voltada para P&D e uma visão endógena, vem sendo trabalhada para um modelo para mercado, através do desenvolvimento de produtos para os clientes. A nova cultura de gestão da inovação favorece o desempenho em alto nível, isto é, com a adoção de indicadores de resultado e retorno sobre o investimento. RESULTADOS  
  • 15. Observações Principais Benefícios Fiscais e Universidades A obtenção de benefícios fiscais ainda é um grande desafio, dado o processo burocrático e em muitos casos, desconhecimento dos fundos setoriais para a inovação. Apesar do nome “benefício fiscal” para a inovação, em muitos casos sugere-se que os recursos destinados para o desenvolvimento de novas produtos ou tecnologias vem sendo empregado para redução de custos operacionais. O Estímulo para um ambiente favorável para as práticas de inovação é melhor percebido, do que a própria utilização dos benefícios fiscais. O “ambiente favorável” consiste em cenário econômico favorável, maior proximidade com universidades e gente qualificada (destacando maior formação de engenheiros, dado o perfil tecnológico). RESULTADOS  
  • 16. Observações Principais Competências para o Profissional da Inovação 1.  Visão da estratégia e da arquitetura organizacional. 2.  Compreender os aspectos relacionados ao planejamento de longo prazo. 3.  Liderança e criatividade em ambientes de equipes de alta performance. 4.  Estar em constante envolvimento com outras empresas ou pesquisas, buscando novas tendências e networking. 5.  Formação de alto nível, destacando o profissional de engenharia e suas competências técnicas para as práticas de P&D. 6.  Compreender os aspectos relacionados a produtividade, isto é, gestão de processos, custos e qualidade da mão de obra alocada, ambas no curto prazo. 7.  Adotar análises financeiras em seu processo decisório, dadas as constantes pressões por resultados. 8.  Compreender em profundidade os aspectos da legislação brasileira quanto a benefícios fiscais e inovação. 9.  Adotar técnicas de gestão de projetos. 10.  Adotar indicadores de resultado para os projetos em desenvolvimento. 11.  Saber trabalhar em equipes multidisciplinares. 12.  Conhecer as práticas de gestão do conhecimento, estimulando a disseminação da informação e seus resultados. RESULTADOS  
  • 17. ONDE  ESTAMOS?   Inovação Estratégica Projetos de Inovação GESTÃO DA INOVAÇÃO Indicadores de Resultado Sincronismo Gestão 1 2 3 4 5 6 (Diagnósticos) Capturando Oportunidades Benefícios Fiscais Geração de Valor ao Negócio 1.  Definição da estratégia de inovação, para toda a organização. 2.  Formar líderes e não unidades de negócio para a inovação. 3.  Propiciar uma visão de gestão de negócios para a inovação, contemplando toda a cadeia de valor empresarial. 4.  Flexibilidade estratégica e operacional para a gestão da inovação, dado tempos de incerteza. 5.  Estabeler uma política clara para a inovação, com metas, indicadores e o comprometimento de pessoal. DESAFIOS
  • 18. Proposições Dado o cenário, um dos aspectos centrais percebidos é a contribuição das lideranças empresariais para a formação de uma nova cultura de gestão da inovação. O entendimento do tema “liderança” está associado ao comportamento dos diretores e gerentes, tanto na formulação das estratégias, quando da sua execução e transmissão de ideias para as equipes técnicas. O foco no desenvolvimento de equipes é um aspecto essencial para uma nova postura empresarial, ainda mais, quando a inovação em modelo de negócios vem ganhando cada dia mais espaço nas agendas dos executivos. A percepção para o desenvolvimento de lideranças para a gestão da inovação advém do isolamento das áreas de P&D e da busca por um modelo mais processual para a inovação, sendo um dos principais desafios para o estágio atual das empresas. CONCLUSÕES  
  • 19. Benchmarking para Melhores Práticas Proposta para Projetos de Inovação Indicadores de Resultado Diagnóstico da Estrutura de Gestão Atual Avaliar a Gestão de Processos e o Sincronismo Organizacional Proposta para Comitê Gestor de Inovação Projeto Piloto para Validar Ações de Curto de Longo Prazo Implementação Modelo Inovação Compreender a Opção Estratégica COMO  INOVAR  MAIS?   Cada empresa possui as suas particularidades. No entanto, sugere-se um modelo que possa atender as necessidades para o desenvolvimento de um processo de inovação. Abaixo, propõe-se o modelo:
  • 20. SOBRE  O  NÚCLEO  DE  INOVAÇÃO  E  EMPREENDERISMO  DA  FDC     O Núcleo de Inovação e Empreenderismo da FDC apresenta uma série de atividades técnicas e relacionadas a geração do conhecimento, sempre trabalhando junto as empresas, governo e universidades. Maiores informações sobre as nossas práticas de inovação e como poderíamos ser úteis para a sua organização, acesse os links abaixo: Site: www.fdc.org.br/inovacao Contato: hugo.tadeu@fdc.org.br Referências     TIDD,   Joseph;   BESSANT,   J.   R.;   PAVITT,   Keith.   Gestão   da   inovação.   3.   ed.   Porto   Alegre:   Bookman,   2008.  600  p.     TIGRE,   Paulo   Bastos.   Gestão   da   inovação:   a   economia   da   tecnologia   no   Brasil.   Rio   de   Janeiro:   Elsevier,  2006.  282  p.      

×