Your SlideShare is downloading. ×
Características e perspectivas de mercados emergentes
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×

Saving this for later?

Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime - even offline.

Text the download link to your phone

Standard text messaging rates apply

Características e perspectivas de mercados emergentes

572
views

Published on

A partir dos anos 1990, quando o mundo entrou definitivamente na era da globalização, diversos paradigmas …

A partir dos anos 1990, quando o mundo entrou definitivamente na era da globalização, diversos paradigmas
foram alterados para fazer frente à nova realidade econômica, política e social que tomou conta do planeta.
Entre eles, um novo conceito passou a interessar diretamente a diversos públicos, em especial empresários do
setor privado e autoridades da esfera pública – o de mercados emergentes.
O termo já fazia parte do vocabulário dos negócios desde os anos 1980, em substituição à preconceituosa
expressão “países subdesenvolvidos” dos anos 1970. Diante das rápidas e inéditas mudanças do mundo global,
o termo foi revisitado por especialistas e passou a ser motivo de análises e reflexões em todo o mundo.
Nesse contexto, mais recentemente, a Fundação Dom Cabral (FDC) decidiu criar este estudo devido a essa
crescente importância dos mercados emergentes no ambiente de negócios. Também no Brasil, muitos clientes
da instituição vêm demonstrando grande interesse em saber mais sobre esses mercados – e, especialmente,
como eles se comportam e como se desenvolveram no futuro de médio e longo prazos.
Vale ressaltar que essa importância é ainda maior na medida em que o Brasil é um dos principais mercados
emergentes. O estudo, cuja síntese é o tema desta edição do FDC Executive, oferece um análise panorâmica
e consistente desses mercados e apresenta considerações interessantes sobre as perspectivas de futuro de
algumas importantes nações que compõem tais mercados.
Este estudo foi realizado pelo Núcleo de Estratégia e Economias Emergentes da Fundação Dom Cabral e tem
como desafio, portanto, oferecer uma ferramenta de planejamento estratégico para companhias operando em
mercados emergentes.

Published in: Education

0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
572
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
10
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. FE1305 Características e perspectivas de mercados emergentes Paulo Vicente dos Santos Alves e Aldemir Drummond A partir dos anos 1990, quando o mundo entrou definitivamente na era da globalização, diversos paradigmas foram alterados para fazer frente à nova realidade econômica, política e social que tomou conta do planeta. Entre eles, um novo conceito passou a interessar diretamente a diversos públicos, em especial empresários do setor privado e autoridades da esfera pública – o de mercados emergentes. O termo já fazia parte do vocabulário dos negócios desde os anos 1980, em substituição à preconceituosa expressão “países subdesenvolvidos” dos anos 1970. Diante das rápidas e inéditas mudanças do mundo global, o termo foi revisitado por especialistas e passou a ser motivo de análises e reflexões em todo o mundo. Nesse contexto, mais recentemente, a Fundação Dom Cabral (FDC) decidiu criar este estudo devido a essa crescente importância dos mercados emergentes no ambiente de negócios. Também no Brasil, muitos clientes da instituição vêm demonstrando grande interesse em saber mais sobre esses mercados – e, especialmente, como eles se comportam e como se desenvolveram no futuro de médio e longo prazos. Vale ressaltar que essa importância é ainda maior na medida em que o Brasil é um dos principais mercados emergentes. O estudo, cuja síntese é o tema desta edição do FDC Executive, oferece um análise panorâmica e consistente desses mercados e apresenta considerações interessantes sobre as perspectivas de futuro de algumas importantes nações que compõem tais mercados. Este estudo foi realizado pelo Núcleo de Estratégia e Economias Emergentes da Fundação Dom Cabral e tem como desafio, portanto, oferecer uma ferramenta de planejamento estratégico para companhias operando em mercados emergentes. Os desafios dessa análise E ste texto tem três objetivos – desafios – centrais: •• Analisar o que constitui um Mercado emergente e como eles se classificam. •• Fazer uma análise focada nos mercados emergentes mais importantes. Eles foram estudados em termos de geografia, economia, barreiras ao crescimento e política. •• Fazer uma previsão sólida e de longo prazo para os mercados emergentes mais importantes em relação à sua lógica interna de expansão e em relação ao mundo. Como se classificam os mercados emergentes O crescimento dos mercados emergentes levou a muitas classificações e denominações do que eles se constituem. Há também certa confusão entre mercados muito grandes, como Índia e China, e muito pequenos, como Peru e Chile. O surgimento de termos como BRICs, E-7 e G-20 se refere a grupos específicos de nações que são consideradas grandes economias ou economias com grande potencial futuro. A entrada de grande quantidade de consumidores nas classes médias e com acesso a produtos e serviços de massa tornou-se, em particular, um importante indicador de crescimento desses mercados para os próximo anos.
  • 2. Entretanto, tais classificações são muito imperfeitas e não rigorosas do ponto de vista metodológico. Podese argumentar, por exemplo, que as nações do grupo do BRICs têm poucas características em comum. Recentemente, a África do Sul foi considerada como parte dos BRICS. Acreditamos, porém, que México, Turquia e Indonésia têm mais relevância para serem incluídos, o que ocorre quando se referem ao E-7. Desta forma, nossa pergunta inicial é: o que constitui um mercado emergente e que subtipos deles existem? Para nós, a classificação que busca resposta para essa questão deve ter como metodologia central a análise de conglomerado. Esse método tem sido usado na biologia para diferenciar a morfologia de espécies e classificar a diferença entre e dentro de espécies. Para preparar nossa análise, escolhemos três amostras de estados-nação para comparação, envolvendo, respectivamente, 70%, 80% e 90% da economia mundial. Isso inclui, respectivamente, 14, 24 e 45 países em cada amostra, escolhidos segundo os dados da Tabela 1. Para visualizar a tabela1, acesse o link http://www.fdc.org. br/hotsites/mail/fe1305_tabela1.pdf. Ela lista os dados principais para cada um dos 45 países escolhidos. Essas variáveis foram empregadas sob diversas combinações utilizando a análise de conglomerados. A decisão lógica ao analisar mercados é a de priorizar os mercados maiores e aqueles onde a população e a renda per capita são maiores. Entretanto, para comparar dois mercados, é preciso utilizar o Poder de Compra Equiparado (PPP em inglês: Purchasing Power Parity), ou o IDH (Índice de Desenvolvimento Humano). Nosso principal desafio foi comparar o PIB em suas duas componentes principais (de população e per capita) e, na sequência, levar em conta também a taxa de fertilidade do país. Desta forma, foi possível analisar quais mercados são emergentes ou desenvolvidos no momento atual – e também numa perspectiva de futuro. As 14 maiores economias que representam 70% do PIB mundial Esse grupo inclui os seguintes países: EUA, China, Japão, Índia, Alemanha, Rússia, Reino Unido, Brasil, França, Itália, México, Coreia do Sul, Espanha e Canadá. Dessa forma, ele engloba tanto o G-8 quanto os BRICs. Esse conjunto é composto, portanto, por quatro conglomerados ou clusters, a saber: o cluster 1 é composto somente do EUA como potência hegemônica mundial; o cluster 2 inclui os demais países desenvolvidos; o cluster 3 engloba jovens nações emergentes, e o cluster 4, os velhos gigantes da Ásia. Características e perspectivas de mercados emergentes Os clusters 3 e 4 revelam os BRIMCs (Brasil, Rússia, Índia, México e China) como sendo os emergentes desse grupo. As 24 maiores economias que comandam 80% do PIB Mundial Esse grupo inclui Argentina, Austrália, Brasil, Canadá, China, França, Alemanha, Índia, Indonésia, Irá, Itália, Japão, México, Holanda, Polônia, Rússia, Arábia Saudita, Coreia do Sul, Espanha, Taiwan, Tailândia, Turquia, Reino Unido e EUA. Por sua vez, ele pode ser dividido em oito conglomerados ou clusters. O cluster 1 inclui somente os EUA, a maior potência hegemônica. Já o cluster 2 inclui somente a Arábia Saudita, um país que tem particularidades únicas. O cluster 3 inclui França, Alemanha, Japão, Taiwan e Reino Unido, ou seja, todos países desenvolvidos. Por sua vez, o cluster 4 inclui a China, Índia e Indonésia, ou seja, os gigantes da Ásia. O cluster 5 tem Austrália, Canadá e Holanda, ou seja, pequenos países em termos de população, mas muito desenvolvidos. O cluster 6 conta com e Polônia a Rússia, que são países relativamente jovens do leste europeu. O cluster 7 tem Itália, Espanha e Coreia do Sul. Este é, provavelmente, um cluster temporário, uma vez que Itália e Espanha passam por uma crise e a Coreia vem se desenvolvendo rapidamente. Por fim, o cluster 8 inclui Argentina, Brasil, Irã, México, Tailândia e Turquia, que perfazem um grupo de países emergentes. Fica claro que os países emergentes estão nos clusters 4, 6 e 8. A Arábia Saudita está na fronteira, podendo, ou não, ser considerada um país emergente. Os países desses clusters têm sido denominados E-11. O cruzamento dessa classificação com as taxas de fertilidade resultaram na Tabela 2. Para visualizar a tabela 2, acesse o link http://www.fdc.org.br/hotsites/ mail/fe1305_tabela2.pdf . É possível, ainda, classificar os países de acordo com o perfil etário da população: jovem, estável ou velha. Há uma exceção, chamada de casos especiais, formada pelo grupo da Índia, China e Taiwan. Podemos aferir que os mercados mais interessantes, sob o ponto de vista do investimento de longo prazo, são formados pelo grupo dos países jovens (Y-7). Comparação de mercados selecionados O estudo original realizou uma série de comparações entre mercados selecionados, visando identificar o 2
  • 3. conjunto de nações que possam merecer atenção especial por parte de investidores. Foram realizados vários cortes nas análises, como diferenças territoriais, potencial de mercados consumidores (B2C), perspectivas de mercados corporativos (B2B) e barreiras ao crescimento. Nela, percebe-se que os ciclos preveem um século que pode ser dividido em quatro atos: Por questão de espaço, não vamos apresentar aqui o detalhamento dessa parte do estudo, destacando que ele aponta o grupo dos BRIMCs (Brasil, Rússia, Índia, México e China) como o mais promissor e atraente na perspectiva dos mercados emergentes. Ato 4 – A nova hegemonia dos anos 2090 Ato I – A crise dos anos 2020 Ato 2 – A revolução tecnológica dos anos 2040 Ato 3 – As guerras mundiais dos anos 2070 e 2080 Tabela 3 – Projeção dos Ciclos Hegemônicos e de Kondratieff Vale destacar que as principais barreiras ao crescimento desses países estão relacionadas, em maior ou menor intensidade, principalmente com as seguintes questões: geração de energia, infraestrutura de transporte, educação, pesquisa e desenvolvimento (P&D) e dependência de exportações. Ciclo Período Subfase Hegemonia 5o Ciclo 2012-2018 Exaustão EUA/USA 5o Ciclo 2018-2030 Crise EUAUSA 6o Ciclo 2030-2042 Recuperação EUA/USA No âmbito geral, ainda em relação aos gargalos, podemos destacar que a melhor posição é a da Rússia, seguida do Brasil, México, Índia e China, nessa ordem. A Rússia tem a vantagem de ter a energia necessária para seu crescimento. A China e a Índia têm desafios maiores devido ao tamanho de suas populações, tanto em termos de energia quanto de educação. 6o Ciclo 2042-2055 Expansão EUA/USA 6o Ciclo 2055-2067 Exaustão EUA/USA 6o Ciclo 2067-2080 Crise Transição 7 Ciclo 2080-2092 Recuperação Transição 7o Ciclo 2092-2104 Expansão Nova potência México e Índia, por sua vez, por terem menores extensões geográficas, apresentam desafios de infraestrutura de transporte menos graves. O México investe pouco em P&D, e a China tem o problema de limitação da liberdade de pesquisa e excessiva orientação do Estado nesse sentido. Por fim, Rússia e México dependem mais de exportações de gás e petróleo, respectivamente. Projeções para o futuro Na parte final do estudo, analisa-se como o desenvolvimento dos BRIMCS deve se dar ao longo das próximas décadas. Metodologicamente, essa análise foi feita de duas maneiras. A primeira leva em conta um cenário com base global montado a partir da teoria dos ciclos hegemônicos e dos ciclos de Kondratieff. A segunda foi realizada a partir de uma análise pormenorizada de cada um dos países por meio de tendências consolidadas, em que procuramos identificar uma tendência ou característica predominante de cada nação dos BRIMCS para a construção de cenários. o Fonte: ALVES, 2012. É importante ressaltar que as previsões tornam-se menos confiáveis à medida que se avança para o futuro – e, portanto, menos certeza se tem sobre uma predição baseada numa série histórica. Podemos elencar cinco grandes causas para a crise prevista para os anos 2020: fundos de aposentadoria insustentáveis; alta nos preços de energia; aumento dos preços de água e comida; gestão pública ineficiente e ineficaz; e aumento dos gastos com segurança pública e nacional. Enquanto os três primeiros itens apontam para uma inflação em aceleração no futuro, os dois últimos indicam uma maior taxação tributária. Quanto à possível revolução tecnológica que se seguirá como reação às crises, podemos apontar três blocos de potenciais tecnologias ao analisarmos as perspectivas de investimentos em P&D: 1. Robótica e inteligência artificial 2. Genética, biotecnologia e medicina avançada Os Ciclos Hegemônicos de Kondratieff 3. Energia verde e tecnologia espacial A Tabela 3 mostra o quadro geral da projeção global. FDC Executive 3
  • 4. Cenários das nações emergentes do BRIMCS Como dito, identificamos para as nações em foco uma característica distinta que simboliza as principais mudanças estruturais em processo em cada uma delas: Brasil: a integração da América do Sul A expansão demográfica e econômica do Brasil está levando o país a se integrar com seus vizinhos da América do Sul. Até o momento, essa integração tem sido demográfica, lenta e pacífica. Rússia: a nova região central A Rússia vem se movimentando para o Leste desde o século XIII. No século XX, contudo, a região ao longo da ferrovia trans-siberiana vem se transformando num novo centro agrícola e industrial. Índia: o Marajá do Oceano Índico A Índia é limitada em sua expansão demográfica e econômica de maneira que a África representa a sua região natural de expansão. Para isto, ela precisará dominar as rotas de comércio do Oceano Índico. México: a fusão com os Estados Unidos Os EUA e o México entraram em confronto pela região de fronteira no século XIX e hoje começam a se integrar econômica e demograficamente. À medida que o tempo avança, os dois países passam, na prática, a operar em bloco para fins comerciais. China: a Nova frota do tesouro A China quase dominou o mundo no século XV e, atualmente, volta a apresentar grande potencial de crescimento, na medida em que expande seus negócios para o resto do mundo, em particular para a África. A construção de uma nova “frota do tesouro” é o tema central da expansão chinesa. É importante salientar que, após essa breve síntese das perspectivas dessas nações, muitos conflitos econômicos, demográficos e militares ainda devem advir dessa expansão. Eles podem ocorrer entre elas próprias, assim como com países vizinhos, também numa nova corrida colonial na África ou mesmo com países desenvolvidos. Algumas conclusões relevantes Como destacado inicialmente, nosso estudo foi dividido em três partes distintas: •• análise classificatória de mercados emergentes; •• análise aprofundada dos BRIMC; e •• estudo de projeções e cenários. Na primeira parte, concluímos que se podem fazer inúmeras classificações globais para tais tipos de análise. Contudo, cortes de grupo representando 70%, 80% e 90% da economia mundial, acompanhados de análise de conglomerados, revelam três grupos de países emergentes que contam, respectivamente, com cinco, doze e vinte e sete países emergentes em cada uma das camadas. Os emergentes da primeira camada são Brasil, Rússia, Índia, México e China (os BRIMC). Sob diversos aspectos, Brasil, México e Rússia apresentam similaridades, enquanto China e Índia formam um segundo grupo com semelhanças. Existem cinco grandes barreiras ao crescimento desses países, que são energia, infraestrutura viária, educação, pesquisa e desenvolvimento (P&D) e a dependência de mercados exportadores. O país com menores barreiras é a Rússia, seguida de Brasil, México, Índia e China. Finalmente, foi simulada uma projeção de futuro na qual se dividiu o século XXI em quatro atos, baseando-se nos ciclos hegemônicos e de Kondratieff. Além disto, foram criados cenários específicos para cada um dos BRIMC, de maneira a entender melhor as dificuldades, dilemas e desafios que cada uma dessas nações irá enfrentar num futuro próximo. Características e perspectivas de mercados emergentes 4