• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
04392a
 

04392a

on

  • 756 views

 

Statistics

Views

Total Views
756
Views on SlideShare
754
Embed Views
2

Actions

Likes
0
Downloads
1
Comments
0

1 Embed 2

http://w3.comvir.org:6 2

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    04392a 04392a Document Transcript

    • Nº143 Ano14 Junho/2009 – JORNAL DA ASSOCIAÇÃO DOS SERVIDORES DO PRODERJ – ASCPDERJ – http://ascpderj.sites.uol.com.br Sem pressão, não tem revisão! FOTOS: VANOR CORREIA Após assembléia geral, os servidores do Proderj ocuparam os corredores da Autarquia para pressionar o presidente Paulo Coelho que dê mais agilidade nas negociações da revisão do Plano de Cargos dos trabalhadores. Com muita disposição, cobraram que a comissão criada pelo presidente do órgão apresentasse seu estudo para resolver a de forma Editorial Especial imediata a situação que tem Os efeitos da crise na vida Campanha em defesa causado muitos problemas ao dos trabalhadores. Pág 2 da Petrobrás. Pág 7 corpo funcional. Pág 4 e 5
    • 2 • Junho/2009 • J O R N A L D A A S S O C I A Ç Ã O D O S S E R V I D O R E S D O P R O D E R J J O R N A L D A A S S O C I A Ç Ã O D O S S E R V I D O R E S D O P R O D E R J • Junho/2009 • 3 Editorial Aposentados Governo brasileiro quer ressuscitar o FMI Aposentados vivem no sufoco! Expediente vários outros em diversos lugares. A “facilidades” dos empréstimos, porque H Jornal da ASCPDERJ ouve um tempo em que perior aos investimentos em vida de Vítor estava sendo guiada des- não é salário. Caí nessa armadilha. O os trabalhadores brada- reforma agrária. sa forma. Quando não conseguia fechar meu alerta é para que ninguém caia. Associação dos Servidores vam aos plenos pulmões A sangria anunciada pelo o mês com o pagamento das contas, Todos nós temos que continuar lutando do Centro de Processamento em todos os atos, passeatas governo dá conta ainda que pegava um empréstimo. No mês se- para conseguir conquistar os nossos de Dados do Estado do Rio de Janeiro e greves, nas ruas do país, a através desse singelo “em- guinte, a mesma coisa. De imediato, direitos. Esse ano tem que ser o basta seguinte palavra de ordem: préstimo”, o Banco Central esse procedimento não parecia ter para essa situação. Chega dessa polí- ENTIDADE DE UTILIDADE “Fora daqui o FMI!”. vai adquirir títulos do FMI que grandes conseqüências. De repente, tica da embromação do governo com o PÚBLICA ESTADUAL Recentemente, o presidente renderão apenas 0,46% ao esse círculo fechou, já que para renovar nosso reajuste. Temos que ter salário R. São Francisco Xavier, 524/2º Luiz Inácio Lula da Silva, em ano,aumentando com isso o o financiamento por mais 60 meses, digno para todos os servidores e assim and. Maracanã – CEP 20.550-013 pronunciamento num ato insti- endividamento interno. você tem que pagar mais de cinqüenta o Proderj sair fortalecido na sua estru- Tel: 2569-5480/2568-0341 tucional no Nordeste, disse que É necessário lembrar que por cento da dívida. Nessa época, mais tura operacional, oferecendo o que tem ascpderj.secretaria@uol.com.br o Brasil deveria se orgulhar de durante os últimos anos, as de 50% do seu contracheque já era en- de melhor para a população”. ascpderj.imprensa@uol.com.br hoje não pedir mais emprésti- reformas neoliberais, patroci- tregue aos banqueiros. Mas ele ainda mos ao FMI, mas de ser um “credor”, anunciando a destinação nadas pelo governo FHC e, depois, pelo próprio presidente tinha uma reserva no Fundo de Ações Edição fechada em: de R$ 10 bilhões ao quase falido fundo. Seria cômico, se não Lula, só serviram para retirar direitos dos trabalhadores, para ser utilizada numa situação de 30/06/2009 Sintuperj realiza fosse trágico! Considerando que o Brasil passou décadas como no caso da reforma da previdência – que retirou dos emergência. Com a crise do capitalismo congresso e aprova pagando juros extorsivos, justamente a esse banco agiota do aposentados; a reforma tributária – que manteve a CPMF e a o dinheiro evaporou. Recorreu às finan- Presidente: grande capital internacional, em detrimento do sofrimento, da DRU; e outras medidas que aprofundaram cortes de direitos ceiras e ao final, no desespero para Plano de Lutas LEILA DOS SANTOS fome e do desemprego de milhões de brasileiros. e perdas, não apenas nos salários, mas em conquistas de garantir os pagamentos de luz, água Foi realizado nos dias 23, 24 e 1º Vice-presidente: Essa política de emprestar dinheiro à bancos, sejam eles décadas, como a aplicação, já em vigor em vários estados e alimentação, recorreu aos agiotas. 25 de junho, o VII Congresso do JÚLIO CÉSAR FAUSTINO estrangeiros ou “nacionais”, é uma prova cabal de que o e municípios, das famigeradas PPP´s (Parcerias Público- Hoje, sua dívida está em torno de R$ Sintuperj. Na opor tunidade, os 2º Vice-presidente: governo brasileiro continua mantendo os “compromissos” Privadas) e as Fundações Estatais de Direito Privado, como 60.000,00. Passou a constar no SPC servidores tiveram oportunidade Victor Santos é um retrato fiel da situação de abandono dos servidores aposentados JOSÉ JOAQUIM P. DE C. A. NETO e mantendo o país em completa dependência econômica pomposo nome de choque de gestão. e SERASA, sem direito a obter mais de debater os temas que envol- H 1º Secretário: das corporações financeiras internacionais, que enxergam O resultado é que o Brasil vem mergulhando na recessão á 14 anos sem reajuste salarial cartões de crédito, cartões de super- vem a luta dos trabalhadores da ELIZABETH SILVA MARTINS UERJ. Participaram do congresso os países do Terceiro Mundo, como um enorme potencial econômica, os trabalhadores vivem um momento de arro- os servidores do estado do mercado, etc. O sistema financeiro ofi- 2º Secretário: para retirada de vultosas quantias, por causa de um governo cho em seus salários muito grande e os serviços públicos Rio de Janeiro embarcaram cial não lhe concede mais crédito, está 75 delegados, que entre as prin- ULYSSES DE MELLO FILHO cipais decisões está um Plano de vacilante e uma classe dominante inteiramente ligada aos vão de mal a pior, sem infra-estrutura e com os serviços na onda do empréstimo consig- fechado. Os agiotas, também. Esses, 1º Tesoureiro: Lutas da categoria. O congresso interesses do grande capital. precarizados. nado. A história do aposentado então, são uma situação mais compli- MARCOS VILLELA DE CASTRO cobrou uma atitude mais transpa- Porém, apesar da crise econômica mundial do capitalismo Nesse período, o lucro dos ricos e poderosos só aumentou Vítor Souto não difere da maioria cada, porque eles ameaçam a vida do 2º Tesoureiro: rente do Reitor Ricardo Vieiralves ANTONIO A. ALMEIDA FILHO ainda não ter atingido o Brasil de forma implacável, como e os privilégios das classes dominantes são maiores. Para o desses trabalhadores que se devedor e a de seus familiares. vem acontecendo nos paises centrais da economia mundial, povo, aumento dos itens de maior necessidade, como vem afundaram em dívidas para manter nas negociações com a catego- Redação e Edição: o chamado G-8, tendo à frente, os Estados Unidos, os princi- ocorrendo nos setor de supermercados, que obteve um lucro certo padrão de vida. Agiotagem ao invés de reajuste ria e cobraram do governador FERNANDO ALVES pais países da União Européia, e o Japão, isso não significa em 2008 muito elevado, com um faturamento de R$ 158,5 bi- Analista de sistema, aposentado O valor recebido da aposentadoria não Sérgio Cabral Filho, que cumpra DENISE MAIA dizer, que as reservas brasileiras devem ir parar nas mãos dos lhões, um aumento de 16,3% em relação ao ano de 2007. do Proderj desde 1994, com resi- paga o montante das inúmeras dívidas os compromissos assumidos Diagramação bancos. Muito menos deve ser motivo de orgulho para nenhum Tal situação é uma política dos monopólios econômicos, dência no Méier, financiada pela CEF, contraídas nesse período de 14 anos publicamente com os servidores ESTOPIM COMUNICAÇÃO da UERJ, além de maiores inves- brasileiro servir a um propósito tão vil e humilhante. da indústria e do comércio, de jogar sobre os trabalhadores, um carro que ainda paga as presta- sem reajuste. 2518-7715 timentos na Universidade. Os fatos demonstram que de janeiro à maio de 2009, o peso da crise. ções, 5 filhos, esposa e neta. Esse Em entrevista ao jornal Divulgando, Ilustração: A ASCPDERJ saúda os servidores LATUFF a dívida pública (dívida externa e interna) consumiu um O Estado, por outro lado, vem sendo a salvação dos ban- servidor que ao se aposentar foi tra- Vítor reflete a sua trajetória como tra- montante de R$ 81,5 bilhões do orçamento federal. Uma cos e instituições financeiras, com desvio de recursos das balhar como assessor da Procuradoria balhador, em seguida, num tom de per- da UERJ por mais esse passo, Fotolitos & Impressão: conta muito cara para a população brasileira, já que esses áreas sociais para “salvar” aqueles que sempre lucraram, do Estado e chegou a receber, por mês, plexidade, declara emocionado - “ajudei que, certamente, vai fortalecer GRAFNEWS valores representam 10 vezes mais do que se gastou em sejam em momentos de crise ou de crescimento econômico. quase o dobro da sua aposentadoria a construir essa Autarquia, que a luta de todos os ser vidores 3852-7166 Livros educação, 5 vezes mais de gastos em saúde pública, 8 Diante desses problemas, os trabalhadores se levantam em integral, embarcou nas “facilidades” s sempre foi uma escola, onde públicos estaduais e,também, Na Internet http://ascpderj.sites.uol.com.br/ vezes mais do que foi investido em Assistência Social, 35 grandes lutas e greves em todas as partes do mundo. Não dos empréstimos consignados que o publicados e existem os melhores profissio- a defesa de uma universidade vezes do que se gastou com agricultura e 135 vezes su- há de ser diferente no Brasil! levaram a uma situação de completo por Victor n nais de informática. O Proderj pública de qualidade e melhores desespero financeiro. é o detentor das informações salários para os trabalhadores mostram que da UERJ. Em 2001, ao deixar o trabalho de do estado, por isso não pode o assessor, contraiu o primeiro emprés- ele continua accabar. Como pode o governador timo, destinado a reformar sua casa. na ativa quuerer entregar essas informa- O governo do estado, com sua política çõões para empresas privadas? A extinção da de não reajustar o salário, resolveu Nó funcionários e aposentados ós, Gerência Comercial aumentar o crédito de financiamento do Proderj, não podemos aceitar o Conforme denunciamos na edição para 36 meses, depois para 60 meses. es situação. Essas cadeiras onde ssa anterior do jornal Divulgando, O empréstimo acabou por substituir o o presidente do Proderj e seus dire- estamos colhendo informações e reajuste salarial que não acontecia. As to ores sentam, foram os servidores conversando com os servidores dívidas contraídas viraram uma bola de do Proderj que construíram”. o para saber os motivos da extinção neve. Empréstimo de 60 meses são M Mais adiante enfatiza “esse é um da gerência, para publicação de cinco anos. Uma vida. Durante esse deesabafo que faço em relação aos matéria, objetivando esclarecer o período muita coisa pode acontecer. prroblemas ocorridos na minha vida, corpo funcional sobre a situação O pior dessa “facilidade” em adquirir qu seja útil, para que as pessoas ue dos trabalhadores lotados naque- empréstimo é a possibilidade de obter p possam refletir e não se iludir com as le setor.
    • Campanha Salarial 2009 J O R N A L D A A S S O C I A Ç Ã O D O S S E R V I D O R E S D O P R O D E R J • Junho/2009 negociações Indignação é geral por que negociações se arrastam g Estado tem dinheiro para reajustar salários P ara quem alimentou ilusões Comissão não cumpriu prazos e o presidente do PRODERJ, Paulo Coelho, ainda quer mais tempo para a revisão do Plano de Cargos, Carreiras e Salários m com a eleição de Sérgio Cabral Filho para governar o Rio de FOTOS: VANOR CORREIA Janeiro, já deve ter se arrependido salarial em forma de gratificações, e profundamente. Principalmente, correm o risco daqui a 3 ou 4 meses de par te do funcionalismo público terem seus ganhos rebaixados, por que estadual. O resultado da política terão seu desempenho avaliados, por de “valorização dos ser vidores” critérios até desconhecidos. Outro gra- está em um estudo elaborado pelo ve problema, diz respeito aos aposen- DIEESE, a partir de cálculos dos tados, que desde 2003 não receberam investimentos em pessoal do Poder nenhum ganho salarial. Além de muitos Executivo, divulgado pelo SEPE. terem sofrido perdas salariais com Num quadro comparativo com os a Reforma da Previdência. Também, gastos realizados pelo Estado em figuram entre os problemas, o fato de 2004 e 2008, o atual governo é o que desde 2003 não há progressão que menos paga aos ser vidores vertical na tabela de vencimentos, o públicos. Para quem imaginava que que impede parte considerável dos tra- o inferno vivido durante os gover- balhadores de se aposentarem dentro nos Marcello Alencar, Garotinho e dos prazos devidos. Rosinha poderia passar, a situação ficou pior ainda. Todos os governos Mobilização e participação citados se caracterizaram por uma estão maiores! política de arrocho salarial aos Assembléia dos Trabalhadores aprova pauta de mobilização para cobrar agilidade na revisão do PCCS A participação dos trabalhadores nas reuniões e assembléias está cada vez maior Várias reuniões ocorreram nos qua- servidores. tro andares do Proderj no Banerjão e, Com Sérgio Cabral Filho não é existia a Lei 701 - proposta que não foi também, na UERJ. Com uma partici- diferente, pois a política neoliberal Farinha pouca, aceita pela Direção. Se é de transpa- pação em massa do corpo funcional, continua sendo aplicada com mais rência que o Governo tanto fala, deveria todas as questões relevantes sobre a requinte, agora, através do famige- meu pirão, partir da própria Direção a proposta de revisão do Plano foram debatidas. Vá- rado Choque de Gestão, que nada mais é do que o aprofundamento primeiro! uma comissão paritária. Outro problema que tem impedido os rias iniciativas e idéias para fortalecer da terceirização e privatização dos a luta surgiram, como por exemplo, Essa é a lógica do presidente avanços anunciados na última edição abaixo-assinados exigindo que as pes- serviços públicos. do Proderj, Paulo Coelho. O do Divulgando, é que Paulo Coelho não quisas sejam divulgadas para tornar o Enquanto em 2004, o governo de maior exemplo disso, é que o comunicou nem apresentou, até o mo- processo das negociações mais ágil, Rosinha apresentou investimento em Analistas recém-contratados pelo PRODERJ analisam documento sobre reformulação do PCCS presidente levou seis meses para mento, ao Secretário do Gabinete Civil, que garanta mais rapidez na revisão do Pessoal na ordem de 31,25% sobre resolver o reajuste de seu salário Régis Fichter, nada sobre o processo PCCS, manifestações na Alerj, realizar a Lei de Responsabilidade Fiscal, no E em 27,5%, além de garantir os de negociações entre os trabalhadores contatos com o secretário do Gabinete governo de Sérgio Cabral, em 2008, o m reunião com o presidente do a atitude do presidente de cercear a dos diretores e de seus asses- do Proderj e a Direção. O presidente do Civil (já que Paulo Coelho está encon- índice caiu para 21,91%. Atualmente Proderj, Paulo Coelho, realizada imprensa da Associação e censurar sores, todos extra-quadros. Por Proderj alega que é necessário encon- trando muitas dificuldades para falar está em 32,5%. O limite prudencial no dia 18, a representação dos o trabalho do fotógrafo. A resposta esses motivos, não têm o direito trar “a melhor oportunidade” para falar com o Secretário!), paralisação branca, é de 45,5%. Pior ainda é saber que trabalhador es de Paulo Coelho foi de tratar as reivindicações e os com o secretário. entre outras propostas para fortalecer nos primeiro trimestre de 2009, o deu continuidade às dizer, então, que a direitos conquistados pelos tra- Diante desses fatos, a representação a luta e aumentar o nível das mobili- Rio de Janeiro é o estado com menor discussões sobre a reunião estaria encer- balhadores com tanto descaso. dos trabalhadores insistiu para que se zações. Essas iniciativas serão funda- investimento em todo o país, segun- revisão do Plano de Servidores aguardam rada ali. Os trabalhadores têm direito a estabelecesse um do matéria publicada pelo jornal O mentais para garantir Cargos, Carreiras e estudo que reúne A situação foi con- Corredor da presidência foi ocupado pelos servidores após a assembléia um salário digno e à revisão do prazo para sistema- êxito nessa batalha. Globo, em 30 de abril passado. A Salários (PCCS) para cesta de empresas tornada pelos demais PCCS. tização e apresenta- Como sempre é lem- Secretaria de Planejamento (SEPLAG) readequar o plano à diretores da Asso- garantiria que, na volta das férias do tempo ainda, após a conclusão deste Além de que, a tramitação para ção da pesquisa. Mas Secretário ainda brado, seja através apresentou que o Estado teve um com Serpro, IPLAN-Rio realidade e permitir ciação presentes no presidente, um dos pontos centrais trabalho pela Comissão Proderj, o que resolver os salários dos traba- isso ficou num im- não foi comunicado do jornal Divulgando, crescimento de 67% em 2008 na o pleno desenvolvi- e mais 10 ligadas encontro, garantindo da reunião com a representação dos faz com que essa situação se arraste lhadores passa por um caminho passe e o presidente arrecadação, em relação ao ano de sobre a proposta dos dos panfletos, dos mento das diversas à ABEP que a reunião pros- trabalhadores, seria a apresentação há mais de três meses, entrando já no longo e burocrático, pois, além não quis definir prazo. cartazes, e debatido 2007. Portanto, Cabral é um governo do Gabinete Civil, tem que ir para trabalhadores de arrocho salarial! carreiras e categorias seguisse. do estudo, que inclui uma cesta com quarto mês. Diante dessa postura, em todos os momen- de trabalhadores da O presidente retor- 10 empresas de Estados diferentes Está nas mãos da Comissão as ta- a Secretaria de Planejamento, a reunião passou a tos decisivos da luta Por fim, de acordo com o próprio autarquia. nava de suas férias e por esse motivo ligadas à Abep, o Serpro e o Iplan-Rio, belas das empresas pesquisadas pelo PGE, retorna ao Gabinete Civil, debater as propostas dos trabalhadores do titular da SEPLAG, Sérgio Ruy Bar- Logo no início, um clima de tensão as negociações ficaram congeladas com os valores para a revisão do Plano menos há dois meses. A representação vai para o governador, depois de alteração na lei do PCCS. Proderj e, pelo seu histórico de campa- bosa, para o Orçamento de 2010, ficou no ar, com a proibição, por par- durante 20 dias. Nesse período, de de Cargos. dos trabalhadores entende que uma para a Alerj, volta ao governador O motivo para que os prazos aconte- nhas, quando a participação aumenta o governo estadual tem recursos te do presidente, que o fotógrafo da acordo com o entendimento da repre- Para surpresa da representação dos pesquisa desse tipo para montar um para ser sancionado. çam dentro de um tempo curto deve-se e as mobilizações se intensificam, o suficientes para reajustar o fun- associação, Vanor Correia, exercesse sentação dos trabalhadores, a comis- trabalhadores, a pesquisa não estava quadro geral requer tempo. Foi por isso Enquanto que para reajustar à necessidade de solucionar imediata- resultado é sempre de vitórias; quando cionalismo público. Só não disse livremente sua atividade de jornalista são criada pelo presidente do Proderj pronta. Um dos integrantes da Comis- que a ASCPDERJ propôs que a comis- seu salário o presidente depende mente vários problemas. Como o caso a unidade e participação do corpo fun- em quanto. Uma pergunta para o fotográfico, ao impedi-lo de registrar o teve tempo necessário para terminar são Proderj disse que será preciso mais são fosse paritária, por que, inclusive, apenas de uma canetada do go- dos analistas recém-ingressos, que cional são maiores, os trabalhadores governo: Quanto o Estado gasta encontro. Nesse momento, o diretor da as pesquisas e apresentar um quadro 15 ou 20 dias para que isso aconteça. essa é uma tradição nas negociações vernador! Os servidores já estão têm seus vencimentos na ordem de mostram sua força, as conquistas são com equipamentos e serviços de ASCPDERJ, Marcos Villela, questionou sistematizado das mesmas. O que Paulo Coelho requereu para si mais salariais da autarquia, desde quando cançados dessa demora. R$ 1.500,00 e recebem complemento grandes. informática?
    • 6 • Junho/2009 • J O R N A L D A A S S O C I A Ç Ã O D O S S E R V I D O R E S D O P R O D E R J J O R N A L D A A S S O C I A Ç Ã O D O S S E R V I D O R E S D O P R O D E R J • Junho/2009 • 7 Geral Especial Saquarema q Monopólios atacam Petrobrás Muito trabalho para ser realizado Lobby de empresas estrangeiras do setor tem apoio até de integrantes do governo Em fase de levantamento orçamentário, sede continua fechada A recente instalação da CPI da Petrobrás pelo abocanhassem algumas das principais bacias petro- a criação da Petrobrás pelo governo Getúlio Vargas. FOTOS: ARQUIVO ASCPDERJ Senado Federal reacendeu o debate sobre os líferas da costa brasileira, especialmente, no litoral Essas manifestações vêm sendo coordenadas pelos interesses públicos ou privados na economia. norte do estado do Rio de Janeiro, em Campos e sindicatos dos petroleiros de diversos estados e, tam- De um lado, os setores que lutam pela defesa dos Macaé, e, também, nas bacias próximas à cidade de bém, pela FUP (Federação Única dos Petroleiros), com ser viços públicos de qualidade, de mais investi- Santos, no litoral paulista. o apoio de várias entidades do movimento popular. mentos do governo nas áreas de Saúde, Educação, Como isso, e com a ampliação da terceirização de Entre as principais bandeiras apresentadas pelos USP é ocupada pela PM Moradia, Previdência públicas e pela ampliação dos importantes setores da Petrobrás, a empresa deixou manifestantes está a que defende um novo marco No último dia 1º de junho, a Polícia Militar programas sociais, de outro, os grandes monopólios de ser estatal, já que hoje o controle 53% de suas regulatório para a política de produção energética no do Estado de São Paulo, ocupou o campus da financeiros e industriais que querem a privatização ações se encontra em mãos de empresas privadas. Brasil e que a Petrobrás seja totalmente estatal. Em Universidade de São Paulo (USP). A ocupação das áreas estratégicas da economia, sob o controle declaração dada à Rádioagência NP, José Antônio de foi solicitada pela Reitoria da Universidade, já dos interesses privados. O que defende a ANP Moraes, coordenador da Federação Única dos Petro- que alguns dias antes os servidores, em greve Com a descoberta de uma imensa área de reser- Segundo o ex-deputado Haroldo Lima, diretor-geral leiros (FUP), disse: fizeram um bloqueio na entrada do prédio da va de petróleo, o Pré-sal, a euforia generalizada do da Agência Nacional do Petróleo, não há viabilidade “Nós propomos uma Petrobrás 100%, com controle reitoria protestando por melhorias salariais. Ao governo Lula, despertou ainda mais a ganância dos de reestatizar a Petrobrás, fazendo-se, por tanto, social, para explorar todo o petróleo e gás do Brasil. A invés de negociação, a reitoria e o governo José setores privatistas que já se articulam para aboca- necessário criar uma nova empresa estatal capaz de utilização dos recursos oriundos da renda petrolífera Muro lateral precisa ser reconstruído urgentemente Infiltrações são constantes e tornam o ambiente insalubre Serra, responderam com a violência. nhar as estratégicas reservas petrolíferas e de gás cuidar especialmente da área do Pré-sal. Segundo deve ir para as questões sociais – saúde, educação, O tiro saiu pela culatara e, até os docentes, do Brasil. informações publicadas na Agência Petroleira de No- reforma agrária.” que não estavam em greve, paralisaram. O O pior dessa situação é que empolgados com a tícias, Haroldo declarou que “a Petrobrás é a nossa Outra opinião importante é a do diretor do Sindicato movimento se propagaou e até um Ato plítico descoberta, setores governistas já adotam um tom de empresa exploratória. Uma nova empresa teria fina- dos Petroleiros do Rio de Janeiro, Francisco Soriano, foi realizado, contando com a participação de conciliação com os grandes monopólios privados do lidade financeira-contábil de defender integralmente que denuncia como uma jogada política a proposta intelectuais e ilustres professores, como a setor, com o debate ganhando fôlego até na Câmara os interesses do povo brasileiro”. de criação de uma nova estatal para explorar o Pré- filósofa Marilena Chauí e o professor Antônio dos Deputados, onde grande parte dos deputados Aparentemente, as “belas” palavras de Haroldo sal: “Não é verdade que o desempenho da empresa Cândido. Os estudantes também protestaram defende junto com a Agência Nacional do Petróleo enganam, fazendo entender à opinião pública e aos melhorou com sua privatização. Tudo o que somos e deram apoio aos servidores da USP. (ANP), a criação de uma nova empresa estatal, que mais desavisados, que ele defende o monopólio esta- hoje no ramo de petróleo se deve ao monopólio estatal O Sintusp exige reposição inflacionária de seja detentora da exploração das reservas do Pré-sal, tal o petróleo. Na verdade, esse modelo de empresa, que precisamos reconquistar.” 6,1%, reajuste de 10% e a readmissão do ex- retirando da Petrobrás o direito à manter o controle supostamente estatal, já existe em funcionamento Ao invés de fazer lobby para atacar o direito funcionário Claudionor Brandão, demitido em da exploração dessas reservas. em países como a Noruega, um grande produtor de da população de controle público à produção 2008. A USP oferece reajuste de 6,05% a partir Infelizmente, no ano de 1997, em pleno governo petróleo, e na prática funciona com menos de 60 de petróleo e gás, os deputados e senado- dos vencimentos de maio e aumento de 16%, de FHC, ocorreram mu- danças significativas na funcionários e só responde pela gestão financeira dos res, deveriam instituir uma CPI para analisar Danos na cumeeira e na calha colocam o terraço em risco em média, nos benefícios. Constituição Federal, com o governo impon- recursos, terceirizando todo o processo de exploração as privatiza- ções fraudulentas, pagas do o fim do monopólio estatal do petróleo. do petróleo e do gás. Portanto, a proposta de criação com dinheiro público, doadas ao capital A sede praiana de Saquarema segue fechada. Isso abriu espaço para que os principais de uma nova “estatal” para cuidar do Pré-sal não estrangeiro, e retomar para reestatização Acabamos de receber um relatório minucioso das monopólios privados do setor, como a passa de uma mentira para enganar o povo. as empresas privatizadas. necessidades para reforma da sede. A atual eta- Mantenha-se Esso, a Shell e outras pa é de pesquisa de preços e a diretoria está fazendo empresas do ramo Petrobrás 100% pública e estatal sempre bem informado! o levantamento dos orçamentos. A diretoria se reunirá petrolífero no mundo, Um forte movimento em defesa da reestatização da Visite o nosso site: para reavaliar os prazos para a realização das obras, Petrobrás toma conta das ruas das principais cidades pois tem reformas urgentes a serem feitas. http://ascpderj.sites.uol.com.br brasileiras. Recentemente, ocorreram grandes atos Um primeiro orçamento de R$ 184,00 mil foi enca- que reuniram cinco mil pessoas no Rio de Janeiro e minhado para a ASCPDERJ. Estamos buscando outras Lá você pode ficar por dentro dos três mil em São Paulo, tendo como lema a campanha propostas de valores para realização das obras, den- acontecimentos que realmente “O Petróleo tem que ser nosso!”, inspirado na vito- tro das prioridades por nós estabelecidas, em função interessam. riosa campanha “O Petróleo é nosso!”, ocorrido há das nossas disponibilidades de verba. Forro danificado por causa de infiltrações e goteiras mais de sessenta anos atrás, que teve como marco As obras vão desde o prédio principal até o muro, passando pelos quartos e toda infra-estrutura elétrica que estiverem danificadas. Na sala de jogos, também ças deverão acontecer. e hidráulica da sede. O efeito da maresia sobre as é preciso realizar várias obras de recuperação de vigas Uma preocupação da diretoria da Associação é construções é a causa dos principais problemas, o e, principalmente, solucionar o problema crônico do conseguir realizar as obras com um orçamento que que torna necessário a realização de manutenção mofo, causado pela falta de ventilação e da maresia. caiba e seja adequado às condições de arrecadação permanente no local. Isso fez com que a diretoria Nos quartos, localizados na área inferior do prédio prin- existente hoje na entidade. Esse é um grande desafio da ASCPDERJ tivesse que decidir por fechar a sede, cipal, várias obras deverão ser feitas. A área externa a ser vencido, pois o cobertor está curto. Com grande com a ameaça de algum acidente que viesse à causar apresenta um quadro de preocupação por causa do parte dos associados se aposentando e a queda do danos aos associados ou seus familiares. desgaste das telhas pela ação da maresia e do ma- orçamento, a situação financeira é delicada. Inclusive, Na cozinha do prédio principal há necessidade de deirame, que é o principal responsável de infiltração os valores pagos pelos associados nas diárias são recuperar as vigotas da pré-lage moldada, de retirada e umidade. O mesmo cuidado deverá ocorrer com os irrisórios para a manutenção. de todo o concreto desagregado, de escovamento dos quartos, assim como a da área da churrasqueira. Importante esclarecer que a estrutura dos prédios ferros aparentes, de aplicação de adesivo nas emen- Por fim, os muros, deverão ser reconstruídos, como não está comprometida. O que é necessário é fazer das e recuperação do concreto com argamassa de também, os muros laterais e muretas ao redor do obras de reformas periódicas e garantir a manutenção cimento. Na parte elétrica, é necessário uma revisão campo. A alimentação de energia de toda a área da permanente da sede praiana. geral, com a troca de fiação, de distribuidores, tomadas sede, incluído a instalação de quadro de distribuição, Os orçamentos serão disponibilizados na página da e interruptores, inclusive, das lâmpadas e luminárias transformação da rede em trifásica e outras mudan- ASCPDERJ para consulta dos associados.
    • 8 • Junho/2009 • J O R N A L D A A S S O C I A Ç Ã O D O S S E R V I D O R E S D O P R O D E R J Cultura Memórias de um talentoso compositor Roberto Martins: Músico, maestro e grande virtuose da MPB recebe homenagens E FOTO: A. C. JÚNIOR m 2009, a cultura popular bra- sileira comemora o centenário do compositor Roberto Martins. Intérpretes como Francisco Al- ves, Carlos Galhardo, Nelson Gonçalves, Carmem Miranda, Aracy de Almeida, Orlando Silva, entre outros, emprestavam sua voz as belas melodias do compositor carioca, que tocavam nas rádios nas décadas de 40 e 50. Canções que sacudiam e levantavam o grande público nos espetáculos ocorridos no “Pedreiro “Pedreiro d i Brasil e no mundo. Suas músicas voltam ao cenário nacional no Século 21, nas in- Waldemar” terpretações de Zeca Pagodinho, Moacyr Voce conhece o pedreiro Luz, Zélia Duncan e os diversos artistas Waldemar? que tocam, cantam e se apresentam no Não conhece? boêmio bairro da Lapa. Roberto Martins, com Alcir Pires Vermelho, à sua direita, Lamartine Babo, Paulo Barbosa e Ataulfo Alves à sua esquerda Mas eu vou lhe apresentar Vida e obra De madrugada toma o Roberto Martins nasceu no estado trem da Circular do Rio de Janeiro, em 29 de janeiro Faz tanta casa e não tem casa de 1909. Ficou órfão de pai com um pra morar ano de idade. Começou a trabalhar aos Leva marmita embrulhada doze anos em uma fábrica de manteiga, no jornal no bairro da Tijuca. Foi empalhador da Se tem almoço, nem sempre Fábrica Ortiz, em São Cristóvão. Aos 15 tem jantar anos, começou a compor suas primeiras músicas. Trabalhou depois no comércio O Waldemar que é mestre de calçado, atividade em que perma- no oficio neceu até os 20 anos de idade. Foi Constroi um edificio guarda-civil até 1941, quando passou a E depois não pode entrar dedicar-se exclusivamente à música. Voce conhece o pedreiro Sua estrada artística foi composta por Waldemar? sambas, marchinhas carnavalescas e valsas, com obras que compreendem Não conhece mas eu vou gêneros musicais do fox ao samba, do lhe apresentar baião à valsa, assim como também De madrugada toma o choros. trem da Circular O compositor foi um gigante da música, Faz tanta casa e não numa época em que surgiam os grandes tem casa pra morar ídolos do rádio. As canções, feitas com Foto rara no interior do lendário Café Nice. Roberto Martins (sentado à esquerda em primeiro ROBERTO MARTINS parceiros como Mário Lago, Frazão, plano) mostra ao grupo a sua batucada “Cai, cai”. Também aparece o compositor e parceiro Jorge Ataulfo Alves e Lamartine Babo, foram Faraj (com cigarro na boca); logo atrás, de pé, o cantor Roberto Paiva, ao lado dele, o compositor gravadas por Carmem Miranda, Francisco Newtom Teixeira. Atrás, o maestro Carioca e os compositores Marino Pinto e Humberto Porto Alves, Aracy de Almeida, Nelson Gonçal- ves e Orlando Silva, entre outros. As composições mais conhecidas de de utilizar. Recentemente, Zeca Pagodinho re- Roberto Martins são: “Beija-me”, “Fa- Roberto Martins faleceu em 1992. gravou “Beija-me”, samba de Roberto vela”, “Meu consolo é você”, “Cordão Em 2009, é o ano de memória de seu Martins e Mário Rossi, este seu parcei- dos Puxa Sacos”, “Renúncia”, “Cai centenário. Por isso, o seu trabalho ro mais constante e com quem compôs Cai”, “Bodas de Pratas”, “Pedreiro artístico reaparece na voz de vários também o fox “Renúncia”, regravado Valdemar”, dentre outras. intérpretes. Suas melodias fazem por Zélia Duncan. O samba “Pedreiro Valdemar”, em par- parte do repertório de artistas popula- Como um dos fundadores da União ceria com Wilson Batista, reflete a sua res, como também, de vários jovens, Brasileira de Compositores, entidade visão de classe, pois nela expõe a ex- mostrando que continua presente na que surgiu para representar os com- ploração que passa os trabalhadores, cultura popular. positores e defender seus direitos, Ro- precisamente, a classe operária. Por berto Martins revelou que se importava serem os que constroem os prédios, Fontes: Ricardo Cravo Albin; Elizabeth com a organização dos artistas e com as escolas, os hospitais etc. Mas não Martins – Filha do compositor e diretora a solução de suas dificuldades. tem o direito de freqüentar, de possuir, da Ascpderj; Jornal O Globo.