Your SlideShare is downloading. ×
Saresp   LíNgua Portuguesa.23.11.09
Saresp   LíNgua Portuguesa.23.11.09
Saresp   LíNgua Portuguesa.23.11.09
Saresp   LíNgua Portuguesa.23.11.09
Saresp   LíNgua Portuguesa.23.11.09
Saresp   LíNgua Portuguesa.23.11.09
Saresp   LíNgua Portuguesa.23.11.09
Saresp   LíNgua Portuguesa.23.11.09
Saresp   LíNgua Portuguesa.23.11.09
Saresp   LíNgua Portuguesa.23.11.09
Saresp   LíNgua Portuguesa.23.11.09
Saresp   LíNgua Portuguesa.23.11.09
Saresp   LíNgua Portuguesa.23.11.09
Saresp   LíNgua Portuguesa.23.11.09
Saresp   LíNgua Portuguesa.23.11.09
Saresp   LíNgua Portuguesa.23.11.09
Saresp   LíNgua Portuguesa.23.11.09
Saresp   LíNgua Portuguesa.23.11.09
Saresp   LíNgua Portuguesa.23.11.09
Saresp   LíNgua Portuguesa.23.11.09
Saresp   LíNgua Portuguesa.23.11.09
Saresp   LíNgua Portuguesa.23.11.09
Saresp   LíNgua Portuguesa.23.11.09
Saresp   LíNgua Portuguesa.23.11.09
Saresp   LíNgua Portuguesa.23.11.09
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Saresp LíNgua Portuguesa.23.11.09

4,921

Published on

Published in: Technology, Education
0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
4,921
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
44
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. SARESP - LÍNGUA PORTUGUESA AVALIAÇÃO DAS REDAÇÕES
    • A Proposta de Redação do Saresp 2009, caracteriza-se pela proposição de um tema em determinado gênero, que define um provável leitor para o texto produzido, esfera de circulação e finalidade social.
    • Sua compreensão é essencial na medida em que estabelece parâmetros para a produção do aluno e para aplicação dos critérios de correção pelo professor.
  • 2. O QUE É MATRIZ DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO? Lista hierarquizada dos conteúdos de uma disciplina a serem aprendidos numa determinada série ou ciclo. Associadas a esses conteúdos são indicadas as competências cognitivas envolvidas, das quais os alunos farão uso para adequada construção do conhecimento.
  • 3.
    • O “cruzamento” dos conteúdos
    • com as competências (operações
    • mentais) envolvidas, nos seus
    • diferentes níveis de
    • complexidade, gera as
    • associações desejadas e, em
    • cada uma delas, temos a
    • indicação das habilidades.
  • 4. Competências Cognitivas
    • Entende-se por competências
    • cognitivas as modalidades estruturais
    • da inteligência, ou melhor, o conjunto
    • de ações e operações mentais que o
    • sujeito utiliza para estabelecer
    • relações com e entre os objetos,
    • situações, fenômenos e pessoas que
    • deseja conhecer.
  • 5.
    • A concepção de competência prende-se a
    • uma compreensão da inteligência humana
    • que atua ou opera como uma estrutura de
    • conjunto não sendo possível destacar uma
    • única operação mental como responsável
    • por um determinado desempenho ou
    • aprendizagem, mas um conjunto ou
    • agrupamento delas que atuam
    • simultaneamente na construção de
    • conhecimentos.
  • 6. O que são Habilidades?
    • • As habilidades traduzem as associações
    • entre conteúdos e competências.
    • Funcionam como indicadores ou
    • descritores do que o aluno deve
    • demonstrar como desempenho e permite
    • concluir se houve de fato aprendizagem e
    • em que nível ela ocorreu.
  • 7. Matrizes de Referência para Avaliação - 2009
    • Conceitos estruturantes da
    • Avaliação
    • As competências e
    • habilidades a serem
    • avaliadas no SARESP por
    • série e disciplina.
  • 8. COMPETÊNCIAS E HABILIDADES- PRODUÇÃO TEXTUAL
    • Reconhecer texto expositivo junto com texto em outra tipologia
    • -Reconhecer traços argumentativos, revisar textos, reconhecendo a importância das questões linguísticas para a organização coerente de ideias e argumentos
    • -Conhecer e saber utilizar adequadamente os textos como fontes de informação
    • -Saber selecionar informações de acordo com os objetivos ou intencionalidades da situação comunicativa
    • -Organizar informações sobre um mesmo tema, retiradas de textos ou fontes diferentes
  • 9.
    • -Selecionar informações e fazer anotações em fichas ou listas
    • -Relacionar em diferentes textos – opiniões, temas, assuntos, recursos linguísticos, identificando o diálogo entre as ideias e o embate dos interesses existentes na sociedade
    • -Identificar a presença de valores sociais e humanos atualizáveis e permanentes no patrimônio literário.
    • -Identificar as diferenças entre arte popular e arte literária.
    • -Perceber a intertextualidade temática
  • 10. SARESP – LÍNGUA PORTUGUESA COMPETÊNCIAS COMUNS A TODAS AS SÉRIES – PRODUÇÃO TEXTUAL
    • 1- Reconstrução das condições de produção e recepção de textos :
    • Interpretar textos relacionando-os aos seus contextos de produção e de recepção (interlocutores, finalidade, espaço e tempo em que ocorrem a interação), considerando fatores como gênero, formato do texto, tema, assunto, finalidade, suporte original e espaços próprios de circulação social.
    • 2- Reconstrução dos sentidos do texto :
    • - Recuperar informações em textos
  • 11.
    • 3- Reconstrução da textualidade:
    • -Analisar os elementos que concorrem para a progressão temática e para a organização e estruturação de textos.
    • 4- Reconstrução da intertextualidade e relação entre textos:
    • -Avaliar criticamente os discursos e confrontar opiniões e pontos de vista em diferentes textos.
    • 5- Reflexão sobre os usos da língua falada e escrita:
    • - Analisar fatos linguísticos para compreender os usos da linguagem em textos.
    • 6- Compreensão de textos literários:
    • - Compreender o texto literário como objeto artísitico, cultural e estético gerador de significação e integrador da organização do mundo e da própria identidade.
  • 12. CAPACIDADES DE LINGUAGEM DOMINANTES
    • Refere-se à discussão de questões sociais controversas, exige sustentação, refutação e negociação nas tomadas de posição
    • ARGUMENTAR
    • GÊNEROS TEXTUAIS
    • Editorial, carta de reclamação, artigo de opinião, ensaio argumentativo, debate regrado, resenha crítica
  • 13. CAPACIDADES DE LINGUAGEM DOMINANTES
    • Voltado à construção e transmissão da saberes, exige apresentação textual para organização das ideias e dos conceitos
    • EXPOR
    • GÊNEROS TEXTUAIS
    • Conferência, palestra, resumo de texto expositivo, seminário,
    • verbete de enciclopédia, comunicação oral, relatório científico.
  • 14. CAPACIDADES DE LINGUAGEM DOMINANTES
    • Refere-se às instruções e prescrições de ações voltadas à regulação mútua de comportamento
    • INSTRUIR
    • GÊNEROS TEXTUAIS
    • Receita, regulamento, regra de jogo, manual de instrução, regimento, mandamento...
  • 15. CAPACIDADES DE LINGUAGEM DOMINANTES
    • Voltado à cultura literária ficcional e à
    • recriação da realidade, caracteriza-se pela intriga no campo verossímil.
    • NARRAR
    • GÊNEROS TEXTUAIS
    • Lenda, romance, fábula, novela, biografia, conto de aventura, conto de fada, crônica literária, adivinha, piada, ficção científica, biografia romanceada, epopeia...
  • 16. CAPACIDADES DE LINGUAGEM DOMINANTES
    • Refere-se à documentação e memorização de ações humanas que representam pelo discurso de experiências vividas situadas no tempo e no espaço.
    • RELATAR
    • GÊNEROS TEXTUAIS
    • Notícia, reportagem, anedota, caso, diário íntimo, testemunho, currículo, relato histórico, de viagem e policial...
  • 17. ENSINO DE GÊNEROS TEXTUAIS NA ESCOLA
    • O que são gêneros textuais???
    • São modelos comunicativos que nos possibilitam gerar expectativas e previsões para compreender um texto e, assim, interagir com o outro.
  • 18.
    • Os gêneros surgem de acordo com sua função na sociedade; seus conteúdos, seu estilo e sua forma estão sujeitos a essa função.
    • Conhecer um gênero não é apenas conhecer as suas características formais, mas, antes de tudo, entender a sua função e saber, desse modo, interagir adequadamente.
  • 19. O ARTIGO DE OPINIÃO
    • ESCREVER E CONVENCER PARA MUDAR
    • Escrever o que se pensa sobre algo, querendo convencer o leitor, exige argumentos. É preciso defender, exemplificar, justificar ou desqualificar posições. Essa é a regra geral para um bom artigo de opinião .
  • 20. ARTIGO DE OPINIÃO
    • Partir de uma questão polêmica
    • Tomar posição em relação à questão polêmica
    • Trazer argumentos, ora de autoridades, ora de exemplificação, ora baseados em princípios, dados de pesquisa ou em relação de causa e consequência
    • Incluir opiniões de adversários
  • 21. Continua ....o artigo.....
    • Concluir o texto reforçando a opinião tomada
    • Usar elementos articuladores como:
    • Anunciam a posição do autor:”do nosso ponto de vista, penso que, pessoalmente, acho que”
    • Indicam certeza: “sem dúvida, está claro que, é indiscutível”
    • Introduzem argumentos: “porque, pois, mas”
  • 22.
    • Chegam à conclusão: “então, consequentemente, por isso, assim”
    • Marcam as diferentes vozes presentes no artigo: “ como dizem os economistas,segundo alguns empresários, muitas pessoas dizem que, há pessoas que negam, alguns afirmam, para muitos é importante...”
  • 23.
    • Os artigos de opinião são importantes instrumentos para a formação do cidadão. Aprender a ler e a escrever esse gênero contribui para desenvolver a capacidade de participar das discussões, formar opinião sobre elas,contribuir para resolvê-las e praticar cidadania.
  • 24. DIRETORIA DE ENSINO NORTE 1
    • OFICINA PEDAGÓGICA
    • PCOP DE LÍNGUA PORTUGUESA:
    • MÁRCIA DI GIAIMO MECCA
    • “ Todo ponto de vista é a vista de um ponto”
    • Leonardo Boff
  • 25. Referências Bibliográficas
    • São Paulo Faz Escola
    • Manual de Redação Saresp 2009
    • Cenpec – Pontos de vista

×