Your SlideShare is downloading. ×
Cuidados Básicos de Saúde e Medicinas Alternativas
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×

Introducing the official SlideShare app

Stunning, full-screen experience for iPhone and Android

Text the download link to your phone

Standard text messaging rates apply

Cuidados Básicos de Saúde e Medicinas Alternativas

423
views

Published on


0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
423
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
7
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Apresentação daAtividade Integradorasobre Cuidados Básicosde Saúde e Medicinas Alternativas
  • 2. O colesterol pode ser considerado um tipode gordura produzido no nosso organismo.Ele está presente em alimentos de origemanimal (carne, leite integral, ovos, etc.). Nonosso organismo, o colesterol desempenhafunções essenciais, como a produção dehormonas e a vitamina D. No entanto, oexcesso de colesterol no sangue éprejudicial e aumenta o risco de desenvolverdoenças cardiovasculares.
  • 3.  No nosso sangue, existem dois tipos de colesterol: LDL: É conhecido como “mau colesterol“. Este tipo de colesterol pode depositar-se nas artérias e provocar o seu entupimento. Designa-se vulgarmente por “colesterol baixo”. HDL: É conhecido como "bom colesterol“. Este tipo de colesterol retira o excesso de gordura das artérias, impedindo o seu depósito e diminuindo a formação da placa de gordura. Designa-se usoalmente por “colesterol alto”.
  • 4. Figura que representa uma molécula decolesterol, com 4 anéis aromáticos, 3 delessolúveis no sangue e um não solúvel.
  • 5.  Muitos fatores podem contribuir para o aumento do colesterol, como tendências genéticas ou hereditárias, obesidade e actividade física reduzida. No entanto, um dos fatores mais comuns é a dieta alimentar. A dieta rica em colesterol inclui grandes quantidades de alimentos de origem animal: óleos, leite não desnatado e ovos. As gorduras, sobretudo as saturadas, contribuem grandemente para o problema do colesterol elevado.
  • 6. O colesterol elevado não apresentasintomas; por isso, quem tem obesidade,quem possui um historial de mortes porenfarte na família e quem se alimenta comquantidades exageradas de gordurassaturadas, tem mais possibilidades de tercolesterol elevado.
  • 7.  Os níveis ideais de colesterol no sangue devem ser:  Colesterol Total: abaixo de 200 mg/dl de sangue  Bom Colesterol (HDL): acima de 35 mg/dl de sangue  Mau Colesterol (LDL): abaixo de 130 mg/dl de sangue.
  • 8.  Existem formas de evitar o aumento do “mau colesterol” e, até mesmo, de diminuí-lo: Fazer exercício físico: a atividade física pode ajudá-lo a emagrecer e a diminuir as tensões. Controlando o peso, fazendo exercício ou praticando desporto, sente-se melhor e diminui o risco de enfarte. Fazer uma alimentação com baixos níveis de gordura e de colesterol: seja rigoroso no controlo da sua alimentação.
  • 9. Evitar o stresse: uma vida com menos stressetambém diminui o risco de enfarte. Procuretransformar as suas atividades diárias em algoque lhe dê satisfação.Não fumar: o cigarro é um fator de riscopara as doenças coronárias. Aliado aocolesterol, multiplica esses riscos.Sugestões de hábitos:Comer frutas e legumes, ter uma alimentaçãoà base de grelhados, evitar comer gema deovo, fígado e sobretudo, fritos; evitaralimentos ricos em colesterol.
  • 10. ALIMENTOS QUE AJUDAM A REDUZIR O MAU COLESTEROL Couve-de-bruxelas Ameixa preta Couve-flor Amora o Pão integral Damasco o Pêra Ervilha o Cenoura o Pêssego o Cereais integrais o Figo
  • 11. A hipertensão arterial, conhecida popularmente como “tensão alta” é uma das doenças com maior predomínio no mundo moderno e é caracterizada pelo aumento da tensão arterial, máxima e mínima, durante várias medições feitas com o aparelho de medir a tensão (esfigmomanómetro). Se a “tensão alta” ocorreruma só vez, isso não ésignificativo.
  • 12. Considera-se hipertenso oindivíduo que mantém umatensão arterial acima de140 (máxima) ou de 90(mínima) milímetros demercúrio durante mediçõesseguidas em diferenteshorários e condições(repouso, sentado oudeitado).Esta situação inspiracuidados e atenção médicapelo risco cardiovascularque a pessoa corre.
  • 13. Categoria PA diastólica PA sistólica A finalidade da (mmHg) (mmHg) classificação da tensão arterial é determinar Tensão <120 grupos de ótima < 80 pacientes que Tensão tenham 80-84 120-129 características normal comuns, quer em Tensão normal alta 85-89 130-139 termos de diagnóstico quer em termos de Hipertensão 90-99 140-159 prognóstico e de grau 1 tratamento. Hipertensão grau 2 100-109 160-179 Classificação da Hipertensão Sociedade Europeia de grau 3 ≥110 ≥180 Hipertensão e Sociedade Europeia de Cardiologia. Hipertensão sistólica <90 ≥140 isolada
  • 14.  As principais causas são: hereditariedade obesidade sedentarismo alcoolismo stresse fumo A sua incidência aumenta com a idade, mas também pode ocorrer na juventude.
  • 15.  Idade:  Nível socioeconómico: Com o avançar da idade, Classes de menor nível aumenta o risco. socioeconómico têm maior possibilidade de desenvolver hipertensão por causa da Sexo: alimentação. Até aos cinquenta anos, mais homens que mulheres  Consumo de Sal, de Álcool e desenvolvem hipertensão. Após obesidade: os cinquenta anos, mais O consumo elevado de sal, mulheres que homens álcool e a presença da obesidade desenvolvem a doença. estão associados ao aumento de risco de hipertensão. Etnia:  Sedentarismo: Mulheres afro descendentes apresentam um risco maior de O baixo nível de atividade hipertensão que as física aumenta o risco da doença. mulheres caucasianas.
  • 16.  A hipertensão arterial é considerada uma doença silenciosa, pois, na maioria dos casos, não são observados quaisquer sintomas no paciente. Quando estes ocorrem, são vagos e comuns a outras doenças, por exemplo, dor de cabeça. tonturas, cansaço, enjoos, falta de ar e sangramentos nasais.
  • 17.  A tensão arterial elevada provoca alterações nos vasos sanguíneos e na musculatura do coração. Isto pode provocar: → doenças cardíacas; → doenças cerebrais; → doenças renais; → doenças oculares; → morte súbita…
  • 18.  Angina de peito: dor no peito. Enfarte: ataque cardíaco morte de parte do tecido muscular do coração. Cardiopatia hipertensiva: alteração na estrutura e funcionamento do coração. Insuficiência cardíaca: o sangue não chega em quantidade suficiente ao coração.
  • 19.  Acidente vascular cerebral (AVC) Nefropatia hipertensiva Insuficiência renal
  • 20.  Doença ocular hipertensiva: lesão da retina causada pela tensão alta.
  • 21.  Embora não exista cura para a Hipertensão Arterial, é possível um controle eficaz, baseado quer na reformulação de hábitos de vida quer em medicação, permitindo ao paciente uma melhor qualidade de vida. Medidas não farmacológicas Medidas farmacológicas
  • 22. oAlimentação saudável;oConsumo controlado de sal;oConsumo controladode álcool;oAumento do consumo dealimentos ricos em potássio(castanha, cenoura, banana,chocolate, espinafre);oEvitar o sedentarismo;oEvitar o tabagismo;oManutenção do peso ideal.
  • 23. MEDICAMENTOS (alguns exemplos): Diuréticos Inibidoresdo sistema nervoso simpático Medicamentos que atuam no sistema nervoso central Medicamentos para diminuir a tensão arterial Medicamentos vasodilatadores
  • 24. A diabetes mellitus é um síndromecaracterizado por hiperglicemiacrónica, ou seja, o nível de açúcar nosangue (glicemia) está aumentado paralá dos valores normais, devido a umaperturbação no funcionamento dahormona insulina. Glicosímetro
  • 25.  Normalmente, o que a insulina faz é facilitar a entrada da glicose que está em circulação nas células, que a vão utilizar na produção de energia para o seu funcionamento. Se a insulina não existe ou não funciona, a glicose mantém-se no sangue e dá-se uma hiperglicemia.
  • 26.  Esta perturbação tem 2 formas distintas e por isso há 2 tipos de diabetes: - tipo I, que se chama vulgarmente diabetes insulinodependente - tipo II, que se chama vulgarmente diabetes não-insulinodependente.
  • 27.  Na diabetes tipo I, o que acontece é uma falta de insulina. A causa para a falta de insulina é uma lesão nas células do pâncreas que a produzem. Estas produzem insulina e glucagon (hormona), substâncias que agem como importantes reguladores do metabolismo de açúcar. Geralmente essa lesão dá-se porque o sistema imunitário do indivíduo reage contra essas células, destruindo-as.
  • 28.  Na diabetes tipo II, as células não respondem ou respondem mal à insulina - diz-se que têm resistência à mesma. - Geralmente, existe uma predisposição genética para essa resistência. Por isso é mais provável desenvolver diabetes, se tiver um ou mais diabéticos na família. - A obesidade é outro fator que facilita o desenvolvimento de resistência à insulina.
  • 29. SINTOMAS DA DIABETES
  • 30. O diabético sofre alterações vascularesnos rins (que podem levar a insuficiênciarenal) e na retina (que podem levar acegueira) e tem tendência para aaterosclerose, ou seja, a doença dos vasosque faz com que eles fiquem maisestreitos, dando origem a enfartes devários órgãos, desde o coração até aocérebro.
  • 31. O diabético também sofre alteraçõesdos nervos e pode perdersensibilidade tátil nos pés epernas. A complicação mais frequentedesta alteração nervosa é o “pé-diabético”.
  • 32. O que acontece é que o diabético nãosente os traumatismos no pé e podeandar com feridas enormes sem dar porisso. As feridas infetam, têm dificuldadeem cicatrizar e muitas vezes, énecessário proceder a amputações paraque a infeção não chegue ao sangue(septicemia) e provoque a morte (porchoque sético).
  • 33. COMO SE TRATA A DIABETES?
  • 34. A diabetes trata-se formas:  Com antidiabéticos orais ;  Com insulina injectável .Geralmente, os diabéticos do tipo I têm poucainsulina e por isso, precisam de tomar insulinainjectável desde muito novos.Mas pode haver, durante algum tempo, insulinasuficiente no seu organismo, por isso, nessaaltura, ainda não são insulinodependentes..
  • 35. Os diabéticos do tipo II costumam terinsulina suficiente, por isso não precisam dea tomar. A maior parte das vezes, os doentesvêem-se obrigados a recorrer aosantidiabéticos orais, que facilitam a acção dainsulina nas células. Mais tarde, o pâncreas destes diabéticospode começar a não funcionarbem e é aí que se precisa deinjectar insulina,passando a serinsulinodependente.
  • 36. O QUE É QUE O DIABÉTICO PODE FAZER PARA EVITAR ESTAS COMPLICAÇÕES?
  • 37. Ou seja, a pessoa com diabetes tem de evitar a todo o custo que exista hiperglicemia. Para isso, tem de seguir o tratamento que o médico lhe aconselhar. Essa dieta deve contemplar: O aumento de:A redução de:  Hidratos de Açúcares carbono complexos Gorduras (como no arroz, saturadas, massa, cereais, principalmente, etc.) gorduras animais  Fibras Sal  Legumes e frutas  Peixe
  • 38. OS PACIENTES COM HISTÓRIA FAMILIAR DEDIABETES DEVEM SER ORIENTADOS PARA:-Manter peso normal-Praticar atividade física regular-Não fumar e evitar o álcool- Combater o stresse-Controlar a tensão arterial-Evitar medicamentos que potencialmentepossam agredir o pâncreas, como osdiuréticos.
  • 39. OBRIGADO PELAVOSSA ATENÇÃO