0
Comportamentos de risco<br />Gravidez, IST's, VIH<br />E<br />consequências<br />Por vezes…<br />Não paramos para pensar, ...
ÍNDICE <br />. O que é um comportamento de risco <br />. Quando corremos riscos<br />. Tipos de riscos<br />. Adolescência...
Comportamentos de risco<br />O QUE É<br />Comportamento de risco, é um comportamento que pode ter consequências inesperada...
QUANDO CORREMOS RISCOS<br />Na adolescência, e em outros períodos da nossa vida, podemos correr riscos a todo momento, com...
ADOLESCÊNCIA <br />  Sendo a adolescência um período de mudanças, de novas experiências e de alargamento <br />dos context...
Tipos de Riscos<br />Comportamentos de risco<br /><ul><li>SIDA
SÍFILIS
CANDIDÍASE
GONORREIA
HERPESGENITAIS
HEPATITE-B
GRAVIDEZ
ETC </li></li></ul><li>Comportamentos de risco<br />S I D A<br />O QUE É?<br />  A SIDA é uma doença provocada pelo vírus ...
Comportamentos de risco<br />S I D A<br />PREVENÇÃO<br /> Como é obvio, a única prevenção é não ter relações sexuais com p...
SÍFILIS<br />O QUE É?<br />  Apesar de ser contagiosa e perigosa, é curável se for tratada a tempo. A Sífilis ataca qualqu...
SÍFILIS<br /> FORMAS DE CONTÁGIO <br />Quase exclusivamente por contacto sexual. Um simples beijo em qualquer zona que ten...
Comportamentos de risco<br />CANDIDÍASE<br /> <br />O QUE É?<br />Doença causada pelos fungos Candidaalbicans, que se dese...
Comportamentos de risco<br />CANDIDÍASE<br /> <br /> FORMAS DE CONTÁGIO<br />Contacto sexual ou proliferação do fungo.<br ...
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Comportamentos de risco

4,985

Published on

Educaçao sexual.
Trabalho Area de projecto

0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
4,985
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
72
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Transcript of "Comportamentos de risco"

  1. 1. Comportamentos de risco<br />Gravidez, IST's, VIH<br />E<br />consequências<br />Por vezes…<br />Não paramos para pensar, deixamo-nos ir e corremos riscos desnecessários <br />Filipe Souza nº3<br />Jaime Pinto nº7<br />Nuno Almeida nº12<br />
  2. 2. ÍNDICE <br />. O que é um comportamento de risco <br />. Quando corremos riscos<br />. Tipos de riscos<br />. Adolescência <br />
  3. 3. Comportamentos de risco<br />O QUE É<br />Comportamento de risco, é um comportamento que pode ter consequências inesperadas. Uns podem ser bastante inofensivos, outros podem colocar em risco a tua saúde física e psicológica. Quanto mais arriscares mais hipóteses tens da experiência dar para o torto ?<br />
  4. 4. QUANDO CORREMOS RISCOS<br />Na adolescência, e em outros períodos da nossa vida, podemos correr riscos a todo momento, com a convivência. Mas principalmente a maioria das vezes os maiores risco estão no ato sexual.<br />Podemos ser contagiados a qualquer momento, em um hospital por exemplo, com seringas já utilizadas, ou com infecções por contacto humano.<br />Ao fazer uma tatuagem por exemplo, com máquinas não utilizadas.<br />
  5. 5. ADOLESCÊNCIA <br /> Sendo a adolescência um período de mudanças, de novas experiências e de alargamento <br />dos contextos, torna-se fundamental perceber quais os riscos a que estes jovens estão expostos e <br />quais os factores que aumentam a sua vulnerabilidade. <br /> Esta fase desenvolvimental situa-se entre o intervalo <br />correspondente à transição da infância para a idade adulta, com diversas implicações para o adolescente, por exemplo, em termos das mudanças físicas, psicológicas, emocionais e espirituais<br />
  6. 6. Tipos de Riscos<br />Comportamentos de risco<br /><ul><li>SIDA
  7. 7. SÍFILIS
  8. 8. CANDIDÍASE
  9. 9. GONORREIA
  10. 10. HERPESGENITAIS
  11. 11. HEPATITE-B
  12. 12. GRAVIDEZ
  13. 13. ETC </li></li></ul><li>Comportamentos de risco<br />S I D A<br />O QUE É?<br /> A SIDA é uma doença provocada pelo vírus VIH . Este vírus introduz-se no organismo humano, podendo permanecer “inactivo” (as pessoas chamam-se seropositivas), ou “activo”, destruindo o sistema imunitário da pessoa. Um indivíduo infectado com este vírus pode contrair e desenvolver infecções muito variadas ou mesmo certos tipos de cancro. A SIDA ainda não tem cura, sendo mesmo mortal.<br />SINTOMAS<br /> Apenas alguns desenvolvem, ao serem contagiados, os primeiros sintomas, muito parecidos com a gripe (febre, transpiração e debilidade geral) alguns dos casos verifica-se também um inchaço dos gânglios de pescoço, axilas e virilhas. Estes pacientes não associam este mal-estar com a SIDA, pensam que se trata de um forte resfriado ou esgotamento. Se o inchaço dura 3 meses, quase podemos estar seguros que essa pessoa é portadora do vírus.<br /> <br /> <br />
  14. 14. Comportamentos de risco<br />S I D A<br />PREVENÇÃO<br /> Como é obvio, a única prevenção é não ter relações sexuais com portadores do vírus da SIDA. Como isto é impossível de se saber, na maioria dos casos - por vezes, nem o próprio portador sabe que a tem - a única prevenção possível é utilizar sempre o preservativo.<br />FORMAS DE CONTÁGIO <br /> Partilhar seringas infectadas, relações sexuais com portadores, sexo oral, transmissão ao feto pela mãe, tatuagens com agulhas não esterilizadas, partilhar objectos cortantes e pessoais (lâminas, escovas de dentes, máquinas de barbear...).<br /> <br /> <br />
  15. 15. SÍFILIS<br />O QUE É?<br /> Apesar de ser contagiosa e perigosa, é curável se for tratada a tempo. A Sífilis ataca qualquer tecido desde a pele aos ossos, fígado, órgãos genitais e olhos. O seu maior perigo é alcançar a sistema nervoso e o coração, o que pode levar à morte. A bactéria da sífilis, para sobreviver, precisa de um ambiente quente e húmido.<br />SINTOMAS<br /> No local da infecção, na região genital, um pequeno nódulo rosado que evolui para uma úlcera indolor. Na segunda fase da doença, há uma erupção cutânea com sintomas de mal-estar, fadiga, dores de cabeça e nos ossos. Até esta altura a doença é muito contagiosa, mas curável.<br /> <br />Comportamentos de risco<br />
  16. 16. SÍFILIS<br /> FORMAS DE CONTÁGIO <br />Quase exclusivamente por contacto sexual. Um simples beijo em qualquer zona que tenha uma pequena ferida, é arriscado. Não há contágio através dos sanitários, toalhas e outros objectos.<br /> <br />PREVENÇÃO<br /> O preservativo é muito eficaz e a mulher pode aplicar irrigações vaginais com líquidos desinfectantes suaves. Fazer análises antes do casamento e durante a gravidez.<br />Comportamentos de risco<br />
  17. 17. Comportamentos de risco<br />CANDIDÍASE<br /> <br />O QUE É?<br />Doença causada pelos fungos Candidaalbicans, que se desenvolvem num local quente e húmido da vagina.<br />SINTOMAS<br /> No homem verifica-se uma inflamação acompanhada de pontinhos vermelhos no pénis e ardor. A mulher sofre de inflamação e irritação nos lábios da vulva, acompanhado de um fluxo espesso e esbranquiçado. Pode haver complicações, como é o caso da ureterite.<br /> <br />
  18. 18. Comportamentos de risco<br />CANDIDÍASE<br /> <br /> FORMAS DE CONTÁGIO<br />Contacto sexual ou proliferação do fungo.<br /> <br />PREVENÇÃO<br /> Abstinência sexual logo após o aparecimento da infecção e durante o tratamento. Algumas doenças, como a diabetes ou o hipotiroidismo, favorecem o aparecimento de candidíase, assim como a gravidez, irrigações vaginais e os tratamentos com cortisona e antialérgicos.<br />
  19. 19. Comportamentos de risco<br />GONORREIA<br /> <br />O QUE É?<br /> Uma infecção das vias genitais provocada por bactérias, designadas genericamente por gonococos. Pode afectar o colo do útero da mulher e também a uretra do homem, podendo expandir-se para a região anal. A gonorreia não tratada pode conduzir à esterelidade em ambos os sexos.<br />SINTOMAS<br /> Aparece um ardor e um pus acinzentado ou esverdeado, através do pénis ou da vagina, entre 15 a 30 dias após o contágio. Também se pode sentir dor ao urinar. <br />
  20. 20. Comportamentos de risco<br />GONORREIA<br /> <br />FORMAS DE CONTÁGIO<br />Contacto sexual directo; durante o parto.<br />PREVENÇÃO<br />É muito eficaz o uso do preservativo e/ou a lavagem da vagina com desinfectantes adequados ao corpo humano.<br />
  21. 21. HERPES GENITAIS<br />O QUE É?<br /> Afectam os órgãos genitais e as zonas envolventes. É uma doença que não tem cura e é causada pelo vírus Herpes Simplex. Apenas existem medicamentos que aliviam as dores.<br />SINTOMAS<br /> O herpes caracteriza-se por vesículas, em forma de cacho, que aparecem 4 - 5 dias após o contágio, que acabam por rebentar e deixar a carne a descoberto. São acompanhadas por um ardor intenso.<br />FORMAS DE CONTÁGIO<br /> Transmite-se por contacto sexual<br />PREVENÇÃO<br /> Abstenção de relações sexuais enquanto durem os sintomas.<br />Comportamentosde risco<br />
  22. 22. HERPES GENITAIS<br />O QUE É?<br /> Afectam os órgãos genitais e as zonas envolventes. É uma doença que não tem cura e é causada pelo vírus Herpes Simplex. Apenas existem medicamentos que aliviam as dores.<br />SINTOMAS<br /> O herpes caracteriza-se por vesículas, em forma de cacho, que aparecem 4 - 5 dias após o contágio, que acabam por rebentar e deixar a carne a descoberto. São acompanhadas por um ardor intenso.<br />Comportamentosde risco<br />
  23. 23. Comportamentos de risco<br />HEPATITE B<br />FORMAS DE CONTÁGIO<br /> Transmissão ao feto pela mãe, através do sémen e secreções vaginais, suor, lágrimas e saliva.<br />PREVENÇÃO<br /> É possível prevenir esta doença através da vacinação.<br />
  24. 24. Comportamentos de risco<br />GRAVIDEZ<br /> Os comportamentos de risco na adolescência envolvem principalmente o uso de, drogas, tabaco, álcool e a actividade sexual. Estes quatro “factores” podem de muitos modos alterar a nossa vida para sempre, há quem os consiga ultrapassar, mas a maioria não, ficam “agarrados”.<br />A gravidez na Adolescência é um dos riscos que ocorre com mais frequência.<br />SINTOMAS<br />. Peito sensível, aumentado<br />. Cansaço<br />. Muitas idas à casa-de-banho<br />.Sentido de odor mais aguçado <br />. Aversão a alimentos <br />. Enjoos ou vómitos <br />. A temperatura basal do corpo mantém-se elevada<br />. Hemorragia ou pequenas perdas de sangue <br />SUGESTÃO<br /> Por mais tentador que pareça, aguarde para usar um teste de gravidez em casa. A grande maioria só funciona bem uma semana após a falta do período, pelo que usá-lo agora será apenas um desperdício de dinheiro e de tempo.<br />
  1. A particular slide catching your eye?

    Clipping is a handy way to collect important slides you want to go back to later.

×