A filosofia moral utilitarista de stuart mill

  • 6,362 views
Uploaded on

 

More in: Education
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
No Downloads

Views

Total Views
6,362
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
4

Actions

Shares
Downloads
67
Comments
0
Likes
1

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide
  • 10º A ficou neste ponto da matéria

Transcript

  • 1. Filosofia 10.º Ano Professora Isaura Silva
  • 2. O que é que faz com que uma acção seja boa? O que é que, segundo Stuart Mill, torna as acções boas ou más? Qual o critério para as avaliar? Ela é boa porque, uma vez realizada, promove o bem de alguém?
  • 3. História O utilitarismo moderno, associado aos ideais liberais e democráticos, foi fundado por Jeremy Bentham (1748-1832) e Stuart Mill (1806-1873) e tornou-se uma das teorias morais e políticas mais importantes do século XIX Stuart Mill (1806-1873)
  • 4. Consequencialismo Concepção ética de índole utilitarista que considera que a moralidade de uma acção depende unicamente das suas consequências. Defende que devemos escolher a acção que tem as melhores consequências globais. Utilitarismo Teoria que propõe o Princípio da Maior Felicidade como único critério de moralidade.
  • 5. O princípio moral em que se baseia o utilitarismo é o princípio da Utilidade ou da Maior Felicidade. Chama-se hedonismo (grego hédonê, prazer) a este tipo de concepção (prazer entendido como felicidade para o maior número de pessoas).
  • 6. Dizer a verdade e trair o amigo Mentir e ajudar o amigo + Consequências positivas - Consequências negativas - Consequências positivas + Consequências negativas Acção correcta porque traz mais vantagens do que desvantagens para todos os que estão envolvidos na acção.
  • 7. O credo que aceita a Utilidade ou o Princípio da Maior Felicidade como fundamento da moral sustenta que: As acções são justas na proporção em que tendem a promover a felicidade e injustas enquanto tendem a produzir o contrário da felicidade. Entende-se por felicidade o prazer e a ausência de dor; por infelicidade a dor e a ausência do prazer. O prazer e a ausência de dor são as únicas coisas desejáveis como fins; e todas as coisas desejáveis são-no pelo prazer inerente a elas mesmas, ou como meios para a promoção do prazer e a prevenção da dor. Stuart Mill
  • 8. Uma acção é boa quando promove a felicidade. A felicidade é “única coisa desejável como fim” e, por isso, boa em si mesma. A felicidade é um estado de bem-estar, de prazer e ausência de dor ou sofrimento. Pág.168
  • 9. Mas O que é que causa maior felicidade ou prazer? Stuart Mill distingue:  prazeres físicos  prazeres espirituais
  • 10. Prazeres físicos / prazeres espirituais Prazeres físicos Os prazeres sensoriais ligados às necessidades somáticas, como beber, comer, sexo. Prazeres espirituais Ligados a necessidades intelectuais, sociais, morais estéticas (ex.: apreciar um pôr-do-sol, uma obra de arte, descobrir e criar, partilhar afectos ou conhecimentos, ajudar os outros)
  • 11. “É preferível um Homem insatisfeito a um porco satisfeito É melhor um Sócrates insatisfeito do que um tolo satisfeito” Stuart Mill
  • 12. Alguns críticos argumentaram que a teoria utilitarista era uma teoria que defendia o egoísmo ético que só procurava a felicidade própria. Págs. 171 a 175
  • 13.  A distinção presente no texto é fundamental, porque: Permite que S. Mill se distancie de um hedonismo egoísta e de um egoísmo ético  A procura da felicidade tem um sentido altruísta e voltado para os outros  Ao defender como única regra directiva da conduta da humanidade o princípio da máxima felicidade, recusa toda a actuação que se exerce em função exclusivamente das disposições e interesses individuais (egoísmo ético)
  • 14. a) Propõe um ideal moral: a felicidade de todos os Homens, e não apenas a própria b) Identifica o imperativo moral utilitarista com o mandamento cristão não faças aos outros o que não gostarias que te fizessem a ti e ama o teu próximo como a ti mesmo c) Indica um ideal jurídico-político: o bem comum ou a felicidade global d) Sugere um ideal pedagógico: a formação de indivíduos solidários, empenhados em promover o bem comum e a felicidade de todos
  • 15.  A finalidade da moralidade é a felicidade  O critério de moralidade das acções (o que torna uma acção boa) é a sua utilidade, o seu contributo para criar a maior felicidade  Fazer uma opção moral exige inventariação e avaliação das consequências possíveis para se poder escolher a que previsivelmente produzirá mais felicidade ou bem-estar
  • 16. Organograma conceptual A ética utilitarista de Stuart Mill Princípio da Utilidade ou Princípio da Maior Felicidade É boa a acção que trouxer maior felicidade para o maior número A felicidade é o prazer e a ausência de dor, os únicos fins desejáveis Concepção qualitativa do prazer prazeres espirituais ligados à inteligência e ao conhecimento prazeres sensoriais ligados ao corpo Princípio da imparcialidade ter em conta a felicidade própria e a de todos os outros Imperativo moral age sempre de modo a produzir a maior felicidade para o maior número de pessoas Critério de moralidade as consequências previsíveis da acção Acção moral ou boa é a acção que traz mais felicidade ao maior número de pessoas