Your SlideShare is downloading. ×
Ronaldo magalhaes petrobras portuguese
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Ronaldo magalhaes petrobras portuguese

519
views

Published on

Ronaldo Magalhaes Presentation from General Assembly

Ronaldo Magalhaes Presentation from General Assembly

Published in: Technology

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
519
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
15
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide
  • Inluir o mapa aki OK
  • Parametros de rede: impedancia, terminação da rede, niveis de tensao, inspeção visual, aterramento...
  • Transcript

    • 1. Annual General Assembly of Members and User Conference Fieldbus Foundation General Assembly São Paulo, 7 de março de 2012 Ronaldo de Magalhães 1
    • 2. Agradeço sinceramente o convite para fazer esta apresentaçãode abertura, num evento de significativo valor para a automaçãoindustrial. Sinto-me honrado por isso.Essa apresentação traduz o ponto de vista de grande parte dosprofissionais que trabalham com automação na Petrobras.Espero que essa apresentação contribua para o desenvolvimentoda tecnologia FOUNDATIONTM Fieldbus , e gostaria de agradecera todos que direta e indiretamente colaboraram na elaboraçãodeste trabalho. 2
    • 3. “In a World of Choices,FOUNDATIONTM Brings it all together” If... 3
    • 4. As soluções tecnológicas adotadas pelas grandes empresas, nas maisdiversas áreas de negócio, devem estar alinhadas com os respectivosobjetivos estratégicos, agregando valor para os stakeholders. O uso datecnologia FOUNDATIONTM Fieldbus está inserido nesse contexto.Na PETROBRAS a tecnologia FOUNDATIONTM Fieldbus pode ser umaaliada na consecução dos seus objetivos estratégicos. No entanto, hágrandes desafios, como mostram os slides seguintes.
    • 5. PETROBRASMissãoAtuar de forma segura e rentável, com Responsabilidade Social eambiental, nos mercados nacional e internacional, fornecendoprodutos e serviços adequados às necessidades dos clientes econtribuindo para o desenvolvimento do Brasil e dos países ondeatua.Visão 2020Seremos uma das cinco maiores empresas integradas de energiado mundo e a preferida pelos nossos públicos de interesse. 5
    • 6. Investimentos no período 2011-2015 6
    • 7. PETROBRASDesafios para TecnologiaAcelerar o desenvolvimento tecnológico da companhiaatravés da ampliação da capacidade nacional de inovação,baseada na atuação em rede com fornecedores de bens eserviços e com instituições de ciência, tecnologia einovação, no Brasil e no exterior. 9
    • 8. 10
    • 9. DesafiosRecursos críticos (bens e serviços, recursoshumanos): fortalecer a cadeia de fornecedoresnacionais de materiais e serviços e atrair, retere capacitar os recursos humanos necessáriossão desafios fundamentais para sustentar ocrescimento da Petrobras no longo prazo.
    • 10. AUTOMAÇÃO NO REFINO Evolução Tecnológica 12
    • 11. Tecnologia FOUNDATION Fieldbus na PETROBRASREFINARIAS E&P RECAP o UO-AL REDUC o UO-ES o UO-SE REFAP o UO-BC REGAP RNEST * REPAR TRANSPETRO REPLAN  CARAGUATATUBA RLAM  CATU/SANTIAGO COMPERJ *  MADRE DE DEUS SIX  MANATI PREMIUM I *  PILAR PREMIUM II * REMAN * Quantidade de devices FF na Petrobras ≈ 70.000 (inclui *) Quantidade de segmentos ≈ 10.000 Devices por segmento ≈ 7
    • 12. DESAFIOS eLIÇÕES APRENDIDAS
    • 13. DESAFIOA adoção crescente da tecnologia FF Bus depende dacapacitação e treinamento contínuos dos desenvolvedores,fornecedores, usuários e integradores. 15
    • 14. Consequências da falta de capacitação na Tecnologia FF Dificuldades de comunicação entre as partes envolvidas (EPCistas, Montadores, Fabricantes, Projetistas e Mantenedores) para entender as necessidades do FF (usa-se uma nova tecnologia com procedimentos antigos - “raciocínio em 4 ~20mA”). Documentos de projeto e montagem deficientes para a tecnologia FF (ETs, MDs, e outros) Montagem inadequada (erros de montagem e erros de projeto) Aplicação de materiais inadequada (cabos não certificados e acessórios inadequados) Aplicação inadequada dos conceitos de instalação em área classificada específicos da tecnologia FF (FISCO, FNICO) Deficiências de fiscalização 16
    • 15. Consequências da falta de capacitação na Tecnologia FFRETRABALHO !
    • 16. Consequências da falta de capacitação na Tecnologia FF Spur Trunk Cabos internos à JB FF não são FF RETRABALHO !
    • 17. LIÇÕES APRENDIDAS Verificações em Redes Fieldbus FOUNDATION• Avaliação documental (certificados dos materiais)• Inspeção visual de campo• Teste Estático (rede sem alimentação) – Capacitância, resistência elétrica, aterramento• Teste Dinâmico (rede alimentada e ativa) – Terminação da rede, LAS ativo, macrociclo real, nível de ruído dispositivos ativos na rede, tensão em cada dispositivo• Testes de malha na console do SDCD com auxílio de software de gestão de ativos• Evitar o uso de programador de campo (pode gerar conflitos na configuração, assume um endereço de rede FF, não possibilita gerenciamento centralizado entre várias EPC)
    • 18. Etapas de um Empreendimento Sintonias de MalhasAtividades Relacionadas às Malhas de (malha fechada) Controle num Empreendimento Testes de Malhas (malha aberta)
    • 19. LIÇÕES APRENDIDAS Utilizar ET baseada no FF Engineering Guidelines (AG-181) que defina as premissas a serem adotadas, incluindo as fases: projeto, padronização de materiais, montagem, comissionamento, testes. Utilizar padrões para comissionamento e teste de malha. Ex.: certificação de cada segmento de rede como critério de verificação de montagem previamente ao teste de cada malha. Treinar previamente na tecnologia todo o pessoal envolvido (engenharia, montagem, fiscalização e manutenção). Usar apenas blocos e funcionalidades certificados. Usar a ferramenta do SDCD para gestão centralizada, inclusive para carregar e gerenciar a parametrização nos dispositivos, com controle de atualização. 21
    • 20. LIÇÕES APRENDIDAS Usar os recursos dos dispositivos (simular entrada) para fazer o teste de malha => mudança da filosofia tradicional de teste visando redução de tempo (aumento da produtividade). Atuar junto aos fornecedores do sistemas de controle (SDCD) para resolver os problemas de homologação dos dispositivos de campo, visto que a homologação junto a FF não é suficiente. Montar plataforma de testes de comunicação (host x dispositivos) para avaliar previamente os dispositivos antes da sua instalação no campo. Articular a melhoria de atendimento por parte dos fornecedores. As equipes de atendimento no Brasil não estão suficientemente preparadas (quantidade, qualificação e experiência) para atender a atual demanda do mercado 22
    • 21. LIÇÕES APRENDIDASGestão mais complexa: requer mudança cultural profunda Homologação de dispositivos limitada a poucos blocos pelos próprios fornecedores, apesar da “propaganda” dos muitos blocos disponíveis. Homologação de Host ainda não existe. Padronização (versão de firmware!) 23
    • 22. LIÇÕES APRENDIDASGestão mais complexa: requer mudança cultural profunda Sobressalentes: exige trabalho de engenharia maior na substituição de dispositivos por outro modelo ou por uma versão mais recente. Não é “plug and play”, requer etapas adicionais para instalação de driver, comissionamento e testes. Sobressalentes: Organização e controle de versões de software para permitir a troca. Exige maior habilidade nas intervenções: mais cuidados, mais tempo (mais interação, verificação e testes) e mão de obra mais capacitada. 24
    • 23. PROPOSTA Promover a disseminação da organização Fieldbus Foundation no Brasil Criar fóruns e encontros específicos sobre a tecnologia Foundation Fieldbus no Brasil para discutir e difundir boas práticas, recomendações de melhorias e lições aprendidas (Exemplo: End User Council - Brasil) Disponibilizar documentação técnica em português Criar uma ferramenta, tipo software livre, para cálculo de macrociclo com base de dados de instrumentos homologados pela FF 25
    • 24. LEADAtravés do LEAD, estimular a certificação de novos profissionais noprojeto, operação e manutenção da tecnologia FF.
    • 25. FF BUS INICIATIVAS LEADA criação do LEAD teve como objetivo suportar a aplicação datecnologia FF nos projetos e modernizações das Unidades deOperações da PETROBRAS. Dentre as demandas esperadas estão:capacitação e certificação de pessoal próprio e do mercado; apoio naavaliação de novas soluções na tecnologia; prover uma plataforma detestes similar as existentes nas unidades do REFINO, e consultoriatécnica para solução de problemas. 27
    • 26. FUTUROÉ fundamental, para a sustentabilidade da tecnologia, que todoinstrumento homologado pela Foundation se comunique comqualquer HOST, utilizando apenas as informações disponíveisno site da Fieldbus Foundation.Além disso, esperamos: Redução dos custos de aquisição e implantação. Gestão de ativos eficiente, do projeto à manutenção. Padronização de interfaces operacionais. Padronização da gestão de alarmes. 28
    • 27. FIM Obrigadope ate ! la nçãoRonaldo de MagalhãesABASTECIMENTO-REFINOAutomação, Instrumentação e Elétricamagah@petrobras.com.br 29