Acoi expert network   quarterly review - set12
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Acoi expert network quarterly review - set12

on

  • 256 views

 

Statistics

Views

Total Views
256
Views on SlideShare
256
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
0
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Acoi expert network   quarterly review - set12 Acoi expert network quarterly review - set12 Presentation Transcript

  • AEN - Quarterly review 13 de Setembro de 2012
  • Boas vindas Caros(as) Especialistas, No intuito de estreitar ainda mais o contato entre a Acoi Expert Network, seus clientes e sua base de profissionais, criamos este Quarterly Review. Nele incluímos indicadores econômicos do Brasil e das principais economias mundiais, bem como artigos relevantes elaborados pelos nossos especialistas. Adicionalmente tomamos a liberdade de adicionar algumas de nossas publicações na mídia (jornais, revistas especializadas, sites, eventos). Nós da Acoi Expert Network acreditamos que a soma de experiências é fundamental para a criação de conhecimento. Esperamos que vocês apreciem nossa primeira edição e possam colaborar com sugestões, ideias de pautas, análises dos setores aos quais estão envolvidos, etc. Atenciosamente, Fernando Moura – Diretor de Negócios
  • Conjuntura Brasileira Economia PIB Composição PIB 2º.tri / 1º.tri 2012O mercado segue reduzindo suas previsões para o crescimento do Produto Interno Bruto para o presente ano. Noúltimo boletim Focus do BACEN, analistas projetam apenas um pequeno avanço de 1,62% para 2012. Já para o ano que Importação 1,88%vem, as previsões seguem estáveis ao redor de 4%, segundo o consenso do mercado. Exportação -3,93%No 2º.trimestre de 2012, o PIB brasileiro apresentou leve avanço de 0,40%, mais uma vez salvo pelo bom rendimento da Capital Fixo -0,72%agropecuária (+4,90%), mas influenciado negativamente pela constante retração industrial (-2,50%) e pelo discreto Governo 1,06%aumento do consumo das famílias, apenas 0,60%. Quanto ao investimento no País, tivemos uma retração de 0,70%. As Famílias 0,63%apostas de reversão deste quadro estão nas últimas medidas anunciadas do PAC II que não devem surtir grandes efeitos PIB 0,41%no curto e médio prazos. Mas, a esperança é que, juntamente com o incremento do investimento público, a iniciativa Vlr. Adicionado 0,37%privada reveja suas projeções e antecipe e/ou ponha em prática projetos que foram temporariamente postos de lado Serviços 0,70%com a piora do cenário internacional. Todos os dados do 2º.tri. são relativos ao 1º.tri. de 2012. Indústria -2,50% Agropecuária 4,90% -6,0% -4,0% -2,0% 0,0% 2,0% 4,0% 6,0% Fonte: IBGE – Set/12 Inflação IPCA (Acum. Mensal 12 meses)Em contrapartida à redução das expectativas de crescimento, observamos aumentos nas projeções dos índices de 8,0%inflação, como IPCA, IGP-M e IPC. Mesmo assim, o Governo se mostra tranquilo quanto ao regime de metas de inflação 7,0%e afirma que não haverá um estouro do teto de 6,50%,. Sem embargo, os recentes sinais de elevação de alguns grupos de 6,0%preços, como alimentação, aluguel residencial e educação acenderam a famosa e temida luz amarela no painel de controledo Planalto. A questão é que mais uma vez o País se depara com um cenário, onde já não há mais grandes margens de 5,0%manobra para estimular o crescimento no curto / médio prazo e brotam, por todos os lados, sinais de aquecimento 4,0%inflacionário. Enfim, tem-se um belo desafio para domar a alta dos preços e achar o caminho para o crescimento 3,0%econômico na atual conjuntura, utilizando as ferramentas básicas das políticas monetária e tributária. 2,0% 1,0% 0,0% ago/10 out/10 abr/11 jun/11 ago/11 out/11 abr/12 jun/12 ago/12 dez/10 fev/11 dez/11 fev/12 Fonte: IBGE – Set/12
  • Conjuntura Brasileira Economia Juros & Câmbio Taxa Selic vs. CâmbioA tendência dos juros segue apontando para abaixo. Na reunião desta semana, o COPOM reduziu mais 50bps da taxa 13,0% 2,20SELIC, levando o indicador para os 7,50%. Apesar de termos atingido um recorde na era do regime de metas de 12,0% 2,00inflação,, especula-se que o COPOM não tem mais muito espaço para dar continuidade ao ciclo de cortes. A maior parte 11,0% 1,80do mercado acredita que a SELIC possa chegar aos 7% até o final do ano. No entanto, seria o fim do movimento de baixa 1,60 10,0%e entraríamos num período de neutralidade, manutenção da taxa. O que reforça tal tese é que, na última ata da reunião 1,40 9,0%do COPOM, observa-se claramente que cortes futuros devem ocorrer com extrema parcimônia. 1,20 8,0% 1,00A redução não deve ter grande impacto no consumo interno no curto prazo, visto que o Governo já havia tomada 7,0% 0,80algumas medidas de estímulo à economia nos meses passados, como a redução de IPI de várias categorias de bensduráveis. Ademais, com o endividamento crescente das famílias e o aumento da inadimplência, o Governo deve ficar 6,0% 0,60 dez/10 fev/11 abr/11 dez/11 fev/12 abr/12 ago/10 out/10 jun/11 ago/11 out/11 jun/12 ago/12atento à luz amarela se acendera quanto a estes aspectos.Já o câmbio parece ter encontrado seu patamar de acomodação na faixa dos R$2,00. O mercado não vê, nestemomento, motivos suficientes para grandes alterações, exceto por eventuais “surpresas” vindas do cenárioexterno.Portanto, não devemos observar grande volatilidade nos próximos meses. Selic (% a.a.) Câmbio (méd. mensal) Fonte: BCB – Set/12 Crédito & Inadimplência Crédito InadimplidoOs recentes anos de crescimento econômico, maior facilidade de acesso ao crédito e a enxurrada de estímulos aoconsumo interno trouxeram à tona uma questão que está sendo amplamente debatida: a inadimplência. Considerando 50.000 4,3% 4,1%um cenário onde houve uma forte entrada de novos tomadores de crédito, classes C e D, é normal que o nível de 40.000 3,9%inadimplência apresente uma trajetória ascendente. O tema tem sido abordado constantemente no noticiário econômico 3,7%nacional, ainda que o Brasil tenha uma relação Crédito x PIB mais baixa que alguns países desenvolvidos. Alguns analistas 30.000 3,5%projetam uma estabilização do aumento da inadimplência que já teria início até o final de 2012. A desaceleração 3,3%econômica, a conjuntura internacional ainda muito nebulosa e uma maior restrição a concessão de crédito a empresas e 20.000 3,1%famílias devem ser os principais responsáveis por frear esta crescente. 10.000 2,9% 2,7% - 2,5% Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Jan Fev Mar Abr Mai NPL (E-H) % total de crédito concedido Fonte: BCB – Jul/12
  • Conjuntura Internacional Economia Decisão política nos Estados Unidos Variação PIB Países Desenvolvidos - 2º. Tri. (anualizada)Com a economia americana alternando bons e maus números sobre sua recuperação, o foco do noticiário tem sido as 0,8%eleições presidenciais em novembro do presente ano. A disputa entre o democrata Obama e o republicano Romney 0,4%deve apresentar um “algo mais” nos próximos dias, quando ocorre a convenção do partido republicano, em meio àsameaças do período de furacões e tempestades que podem atingir fortemente o sul do País. Lembrando que, há 7 anos, 0,0%os estragos causados pelo furacão Katrina e a negligência do Governo Bush na assistência à região foram pontos muito -0,4%decisivos na queda de sua popularidade e, consequentemente, de seu partido. -0,8%No front econômico, os EUA têm apresentado taxa de crescimento positiva, mas ainda muito tímida para confirmaruma trajetória de recuperação mais forte. O mercado imobiliário tem apresentado um leve avanço, com os indicadores -1,2%de vendas de imóveis usados e novos voltando ao campo positivo. O PIB norte-americano cresceu 1,70%, quando -1,6%comparado ao 1º.tri de 2012 e a perspectiva é que a economia do País cresça algo acima de 2,00% no ano. BÉLGICA EUA ALEMANHA HOLANDA ÁUSTRIA FRANÇA ESPANHA ITÁLIA JAPÃO PORTUGAL ZONA DO EURO REINO UNIDOUm ponto negativo que voltou a ser discutido, é a possível crise na produção agrícola americana, que sofre com a forteestiagem que abateu o País este ano. Mais uma vez, organismos internacionais exigem uma redução da utilização de grãospara fins não alimentares, vide etanol do milho. A crescente dos preços de commodities nos mercados internacionaispodem ter impacto negativo na oferta de alimentos, gerando picos de inflação, um problema que os países desenvolvidosem crise realmente não gostariam de ter que enfrentar neste momento. Fonte: Eurostat Ago/12 Crise Europeia Variação PIB BRICS 2º. Tri. (anualizada)O velho continente segue afundando na sua crise econômica e, por que não, política. Os impasses e a demora para 8,00%tomada de decisões importantes vão jogando países como Espanha, Itália e Portugal cada vez mais para uma profunda e 7,00%dura recessão. Muitos analistas já não contam mais com a Grécia na zona do euro para os anos que virão. Agora, tenta-se calcular o tamanho do custo da saída grega. O governo alemão segue apertando o cerco aos maus vizinhos da União 6,00%Europeia. O comando de Angela Merkel não abre mão das medidas de austeridade, mas os países que necessitam de 5,00%possíveis resgates não querem e/ou não conseguem adequar as contas públicas. E, mesmo com a recente trégua dos 4,00%mercados de dívida, os países mais afetados pela crise ainda se financiam a custos altíssimo e insustentáveis. O que não 3,00%ocorre com Alemanha, Reino Unido e os Países Escandinavos. 2,00% Dúvidas sobre a China 1,00% 0,00%Sobre a China o que se tem são dúvidas sobre o quanto a sua economia desacelerará e/ou se isso realmente ocorrerá de BRASIL RÚSSIA ÍNDIA CHINA Á. DO SULforma mais intensa ou brusca. Talvez, no curto prazo, o país não mantenha as exuberantes taxas bem acima dos 7%, masanalistas acreditam que o PIB chinês deve apenas sofrer alguns leves ajustes, o que ainda sustentaria taxas de crescimentomuito superiores aos países desenvolvidos e aos demais países dos BRICS. Para garantir a trajetória do crescimento Fonte: Jornal Estado de São Paulo Ago/12chinês, o Governo deve adotar medidas de estímulo ao consumo das classes mais baixas, através do incentivo e subsídioao crédito. Também, cogita-se uma melhor alocação de recursos para investimentos e um possível reposicionamentodas exportações. O mundo inteiro observa o País da Grande Muralha, pois nele estão contidas as esperanças derecuperação de diversas economias.
  • AEN na MídiaEstado de Minas – Julho de 2012Link: http://www.em.com.br/app/noticia/economia/2012/07/27/internas_economia,308461/juros-voltam-a-subir-em-julho.shtmlJuros voltam a subir em julhoPara especialistas, a alta pode ser consequência dos índices de inadimplência ou mesmo dos resultados das instituiçõesVictor Martins -Publicação: 27/07/2012 06:00 Atualização: 27/07/2012 08:28Brasília – Pressionados por uma inadimplência resistente e pela crise internacional, os bancos voltaram a pesar a mãosobre o bolso do consumidor. Segundo dados do Banco Central, o custo do crédito para as famílias aumentou 1,3 pontopercentual no início de julho: a taxa média saiu de 36,5% ao ano — o menor valor desde 1994 —, para 37,8%. A alta éuma resposta das instituições aos fracos balanços apresentados no primeiro semestre do ano, sobretudo depois dealguns bancos, pela primeira vez em dez anos, amargarem retração no lucro — o Santander, ontem, divulgou recuo de35,2% no segundo trimestre. Os banqueiros, de acordo com esses dados preliminares, mexeram justamente onde ogoverno não queria, nos spreads (diferença entre o que o banco paga para captar recursos e o que ele cobra paraemprestar).Balanço do Santander, divulgado ontem, mostra recuo de 53,2% no lucro do segundo trimestre de 2012Os números divulgados ontem pela autoridade monetária se referem à média dos primeiros 11 dias úteis de julho. Noperíodo, os spreads registraram incremento de 1,6 ponto percentual, passaram de 28,5 pontos percentuais para 30,1.“Essa alta pode ser um reflexo da maior aversão ao risco em função da crise internacional e por uma maior seletividadenas concessões de crédito”, avaliou Newton Rosa, economista-chefe da gestora de recursos Sul América Investimentos.Para Fernando Moura, gestor da consultoria Acoi Expert Network, o percentual ainda alto de inadimplência tem levadoos bancos a buscar soluções para melhorar os resultados. “Os bancos estão preocupados com os calotes. As despesasrecém publicadas pelo Bradesco, por exemplo, com provisão para devedores duvidosos, foi 40% maior que no mesmoperíodo do ano anterior, atingindo R$ 3,4 bilhões”, observou.
  • AEN na Mídia (continua)CorreçãoTúlio Maciel, chefe do Departamento Econômico do Banco Central, defende que os motivos sejam outros. “É sazonal.Toda época, nesse período, há um aumento”, garantiu. Segundo ele, depois de uma queda expressiva nas taxas, também é“natural alguma correção” para cima. Pelo menos até junho os indicadores mostram que o crédito tem respondido aosestímulos dados pelo governo. A carteira de veículos, por exemplo, registrou avanço de 1,4% no mês passado, atingiu R$202,7 milhões. Na avaliação de especialistas, o crédito automotivo cresceu puxado pela redução de Imposto sobreProdutos Industrializados (IPI) para os carros. “O consumo segue evoluindo positivamente e o crédito tem papelrelevante nisso”, disse Maciel.As concessões diárias para os consumidores, na média, cresceram de maneira robusta, segundo a avaliação deespecialistas. Em junho, avançaram 6,4%. O segmento veículos expandiu 22,8%, o cheque especial, 3,1%. Apenas o créditopessoal, o que acumula o maior volume do sistema financeiro, apresentou recuo, caiu 1% no mês. “O crédito continuatendo papel importante no crescimento econômico. Vai contribuir para a aceleração da atividade econômica no segundosemestre do ano”, afirmou Maciel. Ainda assim, técnicos do governo e o mercado esperam um incremento “moderado”no crédito total em 2012. O BC projeta que em dezembro os empréstimos e financiamentos representem 52% doProduto Interno Bruto (PIB, soma das riquezas do país). Em junho, essas operações alcançaram 50,6%.Calote dá sinais de estabilizaçãoDepois de um ano e meio em escalada, a inadimplência deu os primeiros sinais de que irá recuar. Pelos dados do BancoCentral, a diminuição ainda é tímida, o calote caiu apenas 0,1 ponto percentual entre as famílias e as empresas. O índicedos consumidores, porém, ainda é considerado alto pelo mercado, passou de 7,9% para 7,8%. A melhora foicomemorada pelo governo. O presidente do Banco Central, no início da semana, já havia antecipado, durante discursode apresentação das novas cédulas de R$ 10 e R$ 20, que o indicador havia arrefecido. Especialistas, porém, afirmam queé cedo para celebrar e explicam que o número mostra apenas que a inadimplência bateu no teto.Queda dos índices de inadimplência é o primeiro passo para a retomada do consumo e do crescimento
  • AEN na Mídia (continua)Túlio Maciel, chefe do Departamento Econômico do BC, avaliou os dados como positivos porque os atrasos de 15 a 90dias, que ainda não são considerados um calote, também recuaram — entre maio e junho houve diminuição de 0,2 pontopercentual na taxa geral. Em veículos, o recuo foi de 0,5 ponto percentual, uma queda que também foi motivo decomemoração para os técnicos do BC: pela primeira vez desde dezembro de 2010 o indicador cedeu. Para o chequeespecial, o recuou foi de 0,2 ponto percentual, para o CDC, 0,3.Questionado se a redução dos juros não deveriam ter impacto maior sobre a inadimplência, como haviam projetado oseconomistas do governo, Maciel argumentou que há uma defasagem, mas que ao longo do segundo semestre essemovimento deve ficar mais evidente. Ele disse ainda que as estatísticas não captam com clareza os pedidos derenegociação em função das reduções de juros. “As estatísticas não são muito sensíveis para esse tipo de movimento”,afirmou.Para Flávio Serrano, economista do Espirito Santo Investment Bank, o número divulgado ontem pelo BC é apenas umprimeiro indício de que o calote vai recuar. “Precisamos de mais um ou dois meses para definir se isso é uma tendência”,disse. Especialistas lembram ainda que a resistência da inadimplência é favorecida pelo elevado endividamento das famílias,que bateram no nível recorde em maio, em 43,43% da renda acumulada em 12 meses. Para o Banco Central, no entanto,os dados são favoráveis e as famílias ainda têm espaço para se endividar. “O crédito cresceu de acordo com a capacidadede pagamento e com a renda das famílias”, ponderou Maciel. (VM)