Your SlideShare is downloading. ×
Acoi Expert Network Quarterly Q1 2013
Acoi Expert Network Quarterly Q1 2013
Acoi Expert Network Quarterly Q1 2013
Acoi Expert Network Quarterly Q1 2013
Acoi Expert Network Quarterly Q1 2013
Acoi Expert Network Quarterly Q1 2013
Acoi Expert Network Quarterly Q1 2013
Acoi Expert Network Quarterly Q1 2013
Acoi Expert Network Quarterly Q1 2013
Acoi Expert Network Quarterly Q1 2013
Acoi Expert Network Quarterly Q1 2013
Acoi Expert Network Quarterly Q1 2013
Acoi Expert Network Quarterly Q1 2013
Acoi Expert Network Quarterly Q1 2013
Acoi Expert Network Quarterly Q1 2013
Acoi Expert Network Quarterly Q1 2013
Acoi Expert Network Quarterly Q1 2013
Acoi Expert Network Quarterly Q1 2013
Acoi Expert Network Quarterly Q1 2013
Acoi Expert Network Quarterly Q1 2013
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Acoi Expert Network Quarterly Q1 2013

266

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
266
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
2
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. ACOI EXPERT NETWORK Quarterly review – Q1 2013
  • 2. Boas vindasBoas vindas Caro Parceiro, Temos a satisfação de enviar-lhes nossa segunda edição do Quarterly Review. Além da abordagem dos principais indicadores econômicos nacionais e internacionais, incluímos um rico artigo que trata dos riscos e oportunidades do setor de infraestrutura no Brasil escrito por um dos nossos especialistas da Acoi Expert Network. Esperamos que possam apreciar nosso material e contribuir para a sua contínua melhora. Atenciosamente, Fernando Moura – Diretor de Negócios
  • 3. AgendaAgenda Fusões e Aquisições - Brasil Brasil: PIB, inflação, juros e expectativas Crédito e Inadimplência Mercados Internacionais Internacional – Os “MIST´s” Artigo: Risco e oportunidade na infraestrutura brasileira AEN na Mídia: Programa Conta Corrente - Globonews
  • 4. Conjuntura Econômica Brasil: PIB, inflação, juros e expectativas Conjuntura Econômica Brasil: PIB, inflação, juros e expectativas Na nossa publicação anterior, no final do 3º. Tri de 2012, expusemos um cenário que não apresenta muitas mudanças para a atual conjuntura. Vínhamos de reduções nas projeções do crescimento do PIB, pressões inflacionárias já preocupantes e uma taxa de juros (SELIC) chegando ao final do seu ciclo de quedas. Pois bem, o que podemos citar como mudanças significativas? Na realidade, pouca coisa. Segundo o IBGE, o PIB brasileiro cresceu, em 2012, 0,9%. Com o desempenho negativo da indústria e agropecuária, por exemplo, pudemos contar apenas com o setor de serviços, que se expandiu 1,7%. Apesar do resultado insatisfatório, o Governo justificou que, ainda que marginalmente, o País foi prejudicado pela forte crise financeira e pelo consequente quadro de retração de boa parte das maiores economias mundiais. Em contrapartida, nosso ministro da fazenda, Guido Mantega, segue afirmando que seguimos em trajetória de crescimento e que esforços fiscais não serão medidos para “garantir” um melhor desempenho da economia brasileira. Já com pouco espaço para manobras na política monetária, o Banco Central conduziu a taxa SELIC à sua mínima histórica, 7,25%a.a.. Tal nível é mantido desde a reunião de outubro de 2012, mas analistas já especulam que o Governo terá que , pelo menos, cogitar uma subida do indicador. Pressões inflacionárias vindas de diversos setores da economia, além do câmbio, já preocupam a cúpula econômica do País. O afastamento do IPCA do centro da meta de inflação, mostra claramente que um ajuste, por mais que fora mínimo, deveria ocorrer no médio prazo. Enfim, os números são bastante conflitivos quando se pensa em impulsionar o crescimento do País. Mais uma vez, nos deparamos com a questão que tira o sono de qualquer policy maker: como manter a inflação sob controle sem prejudicar muito o crescimento econômico? Se o Bacen pretende seguir à linha o seu manual de sistema de metas de inflação, entraríamos no curto ou médio prazo num período de subida de juros, objetivando índices de preços mais próximos ao centro da meta. Porém, haveria vontade “política” para iniciar-se um ciclo altista de juros em um ano pré-eleitoral? O Bacen tem a sua autonomia, desde que ela não entre em rota de colisão com os anseios vindos do Planalto. O Boletim Focus, do Banco Central, exemplifica muito bem o viés de estabilidade e/ou provável piora do cenário para 2013 e 2014. Ainda podemos observar que o mercado espera níveis elevados de preços, já projetando a alta dos juros básicos e projeções do PIB que fatalmente serão ajustadas durante o ano. Quanto ao câmbio, não devemos ter muitas novidades com relação à atuação do BACEN para mantê-lo num patamar de R$2,00. Este número é o ponto de equilíbrio das contas do Governo. O mesmo, através de intervenções massivas no mercado, busca uma proteção contra a inflação e um nível que favoreça as exportações brasileiras. Fonte: IBGE – Fev/13 IPCA (Acumulado 12 meses) Fonte: BACEN – Fev/13 0% 1% 2% 3% 4% 5% 6% 7% 8% ago/10 out/10 dez/10 fev/11 abr/11 jun/11 ago/11 out/11 dez/11 fev/12 abr/12 jun/12 ago/12 out/12 dez/12 Teto da Meta Centro da Meta Boletim Focus 2013 2014 IPCA 5,70% 5,50% IGP-M 5,18% 5% Câmbio (R$/USD) 2,02 2,05 SELIC 7,25% 8,25% PIB (% cresc.) 3,08% 3,65% Expectativas de Mercado
  • 5. Conjuntura Brasileira Crédito & Inadimplência Conjuntura Brasileira Crédito & Inadimplência Fonte: BCB – Fev/13 A preocupação com a inadimplência teve seu auge no ano passado. Após um considerável período de aumento (inadimplência do consumidor foi 15% maior em 2012), os indicadores tem apresentado uma tendência estável. Segundo o Serasa, a perspectiva de manutenção de um nível baixo das taxas de juros, a tendência de aceleração do crescimento econômico interno, ainda que muito branda, e a predominância de um cenário externo mais positivo contribuirão para o estabelecimento de um quadro mais favorável para a queda da inadimplência das empresas e pessoas físicas em 2013. Além dos fatores citados, há que se considerar os aumentos de salários, em sua maioria, superiores à inflação e a manutenção de taxas de desemprego em níveis de quase “pleno emprego” (abaixo dos 6%). Do lado das instituições financeiras, várias delas têm estruturado e incentivado renegociações de débitos em atraso. Tais campanhas promovem condições muito atrativas para que empresas e pessoas físicas quitem suas dívidas e voltem a ter acesso mais consciente ao crédito. Bancos e agências de fomento também têm melhorado seus critérios para concessão de crédito. As “agressivas” baixas nas taxas de juros promovidas, principalmente, pelas instituições financeiras públicas (BB e Caixa), vêm acompanhadas de condições mais seguras para a concessão de crédito, leia-se garantias. Como destaques para 2013, as principais instituições nacionais apontam, novamente, o crédito imobiliário. Esta modalidade subiu do 5º. para o 2º. lugar nas carteiras de concessão à pessoas físicas entre os anos de 2008 a 2012, atingindo a expressiva marca de R$270bi, algo próximo a 25% do total concedido. Na ponta descendente, temos as carteiras de veículos que caíram da 1ª. colocação no final de 2008 para a 3ª. , com um volume R$202bi, 18,9% do total. Inadimplência 15 a 90 dias por categoria - Pessoas Físicas 0% 2% 4% 6% 8% 10% 12% jan/08 abr/08 jul/08 out/08 jan/09 abr/09 jul/09 out/09 jan/10 abr/10 jul/10 out/10 jan/11 abr/11 jul/11 out/11 jan/12 abr/12 jul/12 out/12 CDC Fin. Imob. - PF Veículos - PF Inadimplência CDC x Desemprego 0% 2% 4% 6% 8% 10% 12% 14% jan/03 jul/03 jan/04 jul/04 jan/05 jul/05 jan/06 jul/06 jan/07 jul/07 jan/08 jul/08 jan/09 jul/09 jan/10 jul/10 jan/11 jul/11 jan/12 jul/12 Tx. Desemprego Inadimplência CDC Linear (Tx. Desemprego) Linear (Inadimplência CDC) Nos gráficos acima, podemos observar a evolução da inadimplência das pessoas físicas nas principais modalidades de crédito e a sua tendência à estabilidade, conforme a taxa de desemprego se acomoda em níveis historicamente baixos. Apesar de estarem niveladas em patamares diferentes, as 3 categorias apontam para uma melhora nos atrasos de contratos, tendendo a atingir suas médias dos últimos anos.
  • 6. Conjuntura Econômica Mercados Internacionais Conjuntura Econômica Mercados Internacionais Últ. Ano 12m 19.501 -1% 7% SENSEX Mumbai Fonte: Yahoo Finance – Fev13 Últ. Ano 12m 43.871 -1% 16% IPC México Últ. Ano 12m 14.128 5% 9% Dow Jones NY Últ. Ano 12m 6.346 5% 7% FTSE 100 London Últ. Ano 12m 7.692 -1% 12% DAX Frankfurt Últ. Ano 12m 2.273 0% -4% SSE Shanghai Últ. Ano 12m 11.395 7% 21% Nikkei 225 Tokyo Últ. Ano 12m 56.499 -10% -15% Ibovespa
  • 7. Apesar da lentidão na recuperação econômica mundial, as operações de fusões e aquisições seguem ocorrendo com grande frequência no Brasil. Segundo a PWC, no ano passado, mais de 700 negócios foram concluídos e/ou pelo menos encaminhados para um fechamento. De acordo com a Thomson Reuters, entre os meses de janeiro e setembro de 2012 as Companhias anunciaram cerca de USD54bi em operações no País. O número é 10% menor do que o mesmo período de 2011. Mesmo assim, o mercado acredita na plena recuperação deste tipo de operações. Fato é que, temos observado uma quantidade de negócios fechados com interessantes ganhos financeiros para vendedores e de estratégia para compradores. Podemos citar o exemplo da operação envolvendo a americana CVS Caremark que adquiriu cerca de 80% da rede de drogarias Onofre, numa operação que movimentou R$670mi. Isto equivale a 26 vezes o EBITDA da Drogarias Onofre do ano passado. Segundo o Valor Econômico, há dois anos atrás, no início do processo de consolidação do setor, o múltiplo pago nestas operações giravam em torno de 13 a 15 vezes o EBITDA. Uma diferença significativa. O exemplo da aquisição da Onofre, reflete a análise de custo de oportunidade que o investidor estrangeiro faz com relação aos níveis de preços que chegou-se no Brasil: É um mercado que pode ser considerado caro, mas que ainda permanece atraente. O Goldman Sachs reafirma as boas perspectivas para a recuperação das transações de M&A. O banco divulgou que os fundos de private equity tem, aproximadamente, USD6,3bi para aplicar em empresas brasileiras. Dentre os diversos setores em potencial da economia brasileira, destacam-se o varejo, infraestrutura e bens de consumo. Comprada Comprador Valor R$ 410mi R$ 670mi R$ 688mi Fonte: http://fusoesaquisicoes.blogspot.com.br Conjuntura Econômica Fusões e Aquisições no Brasil Conjuntura Econômica Fusões e Aquisições no Brasil
  • 8. Conjuntura Econômica Fusões e Aquisições no Brasil Conjuntura Econômica Fusões e Aquisições no Brasil Fonte: ANIBIMA
  • 9. Conjuntura Econômica Fusões e Aquisições no Brasil Conjuntura Econômica Fusões e Aquisições no Brasil Fonte: ANIBIMA
  • 10. Conjuntura Econômica Internacional – Os “MIST´s” Conjuntura Econômica Internacional – Os “MIST´s” O conceito de “MIST” é composto pelas iniciais dos futuros novos grandes mercados emergentes (México, Indonésia, Coréia do Sul – South Korea e Turquia). O termo surgiu da estratégia de investimentos do criador de outra expressão, esta sim amplamente reconhecida, “BRICS” – que inclui Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul – South Africa – o presidente do conselho Goldman Sachs Asset Management, Jim O’Neill. A estratégia de buscar alternativas de mercados é, em parte, consequência do enfraquecimento do grupo de emergentes mais famoso, os BRICS. Com resultados, análises e perspectivas significativamente menos atraentes, os BRICS perderam parte da sua atratividade e um montante considerável do fluxo de capitais externos que eram destinados à eles. Como principais fatores, podemos citar os baixíssimos números que vem apresentando o PIB brasileiro e as tendências de arrefecimento da economia chinesa. Nos quadros que mostramos a seguir, apontamos, de forma bem sintética, os indicadores gerais para a comparação entre os grupos e quais são os pontos fortes e/ou estratégicos dos MINT´s (slide seguinte). A análise destes países em conjunto é relativamente nova, tendo suas primeiras publicações em 2011. Em contrapartida, os componentes do novato grupo têm demonstrado números e fatos contundentes, como crescimento do PIB acima da média mundial, avanços políticos e dinamismo econômico. Vale a pena acompanhar esta batalha que poderá se configurar entre os campeões de audiência “BRICS” contra os novatos do “MINT´s”! Indicador BRICS MIST PIB (USD bi) 13,7 3,9 Cresc. PIB 6,0% 4,6% PIB per capita (USD mil) 10,1 16,5 Taxa de pobreza 19% 15,90% Desemprego 7% 6,40% Inflação 6,9% 5,3% Dívida Pública s/ PIB 39,6% 34,4% Faixa etária média (anos) 34,4 30 Aumento populacional 0,6% 0,9% Fonte: http://www.razon.com.mx X
  • 11. Conjuntura Econômica Internacional – Os “MIST´s” Conjuntura Econômica Internacional – Os “MIST´s” México Indonésia Coréia do Sul Turquia Geografia Proximidade dos EUA Localiza-se entre o sudeste asiático e Austrália Proximidade da China Entreposto comercial entre ocidente e oriente Política Baixa intervenção na economia Avanços democráticos e estabilidades política Abertura aos investimentos estrangeiros Benefícios da recuperação americana Enorme mercado consumidor em desenvolvimento Alta qualidade profissional, riqueza, bom nível de consumo Bancos privados sólidos, dívida pública em níveis confortáveis Encarecimento do custo CHINA (maior exportadora aos EUA) Atração de empresas (baixos custos) Setores: educação, serviços financeiros, seguros, bens de consumo Taxa de Juros (a.a.) 4,00% 5,75% 2,75% 5,50% PIB 2012 (Expectativa) 2,00% 6,23% 2,00% 3,00% Key Points Economia Fonte: Revista Veja – Ago12 International Monetary Fund
  • 12. Artigo Risco e oportunidade na infraestrutura brasileira Artigo Risco e oportunidade na infraestrutura brasileira O Relatório Global de Competitividade 2012-2013 do Fórum Econômico Mundial mostrou a percepção sobre a qualidade da infraestrutura brasileira em 107º lugar no mundo, entre 144 nações. No relatório anterior, 2011-2012, o país ocupava o 104º lugar. Basicamente, a percepção sobre a qualidade da nossa infraestrutura piorou em quase todos os segmentos em relação ao ano anterior. Somente dois itens melhoraram: a oferta de assentos no transporte aéreo e o acesso às telecomunicações, notadamente no segmento de telefonia celular. O quadro abaixo, que resume os indicadores, destoa completamente da percepção internacional sobre o futuro do país: é possível, para um país, pensar em ter um futuro brilhante com uma percepção global tão ruim sobre a qualidade da sua infraestrutura? Global Competitiveness Report 2012-2013, World Economic Forum, 144 países: BRA Qualidade da infraestrutura geral 107º Qualidade das rodovias 123º Qualidade da infraestrutura ferroviária 100º Qualidade da infraestrutura portuária 135º Qualidade da infraestrutura aérea 134º Assentos disponíveis na aviação kms/semana, milhões 7º Qualidade da oferta de eletricidade 68º Linhas telefônicas fixas/100 habitantes 55º Assinantes de telefonia móvel/100 habitantes 41º A situação da infraestrutura é um elemento crítico da competitividade do país. Por exemplo, devido à precariedade na área de transportes, os custos de logística chegam a níveis médios bastante elevados em comparação aos demais países. Segundo uma estimativa de Jose Luis Guasch e Joseph Kogan, o custo de logística médio como percentual do valor dos produtos no Brasil é de 26%, contra uma média de 9% nos países da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), ou 18% no Chile. Assim, a produção de qualquer item no território brasileiro é fortemente penalizada frente aos seus concorrentes, devido ao custo da logística, não bastasse o elevado peso da tributação que grava os produtos brasileiros relativamente à média dos demais países. As deficiências nos demais setores de infraestrutura trazem implicações dramáticas para o desenvolvimento econômico, incluindo a redução da pobreza, a sustentabilidade ambiental e a promoção de um salto de produtividade na economia. Avanços e desafios Apesar da situação crítica de sua infraestrutura, o Brasil tem boas notícias para comemorar. Na década de 90, o país iniciou transformações macroeconômicas e institucionais que abriram um caminho para um salto na sua infraestrutura, ainda nos anos 2000.
  • 13. Artigo Risco e oportunidade na infraestrutura brasileira Artigo Risco e oportunidade na infraestrutura brasileira Os principais elementos dessas transformações foram: • a introdução de marcos regulatórios para todos os setores de infraestrutura, com criação de entidades reguladoras e de vários mecanismos de promoção de concorrência; • a introdução de um aparato legal e institucional para a participação privada nos serviços de infraestrutura, com a Lei das Concessões de 1995 e a Lei das PPP de 2004, e que vem amadurecendo, com um número crescente de projetos de boa qualidade entre os entes subnacionais; • o ambiente fiscal contribuiu significativamente, com reformas que, desde os anos 90, melhoraram sensivelmente a perspectiva de solvência de todos os entes da federação sendo que, nos últimos anos, o maior crescimento relativo da economia brasileira e, portanto, da arrecadação, criou um espaço para que os entes aumentassem os investimentos em infraestrutura sem comprometer um crescimento ainda maior do custeio; • o custo de capital declinante, refletindo o menor risco, que se deve tanto aos marcos regulatórios e contratos mais estáveis quanto à transição política de 2002/2003, que reduziu significativamente o risco de expropriações e de mudanças bruscas na política econômica. Com estas transformações, o Brasil está pronto para um salto em infraestrutura, e desta vez será inevitável contar com forte participação do setor privado, local e internacional. A legislação que rege a participação privada no país já está bem preparada para dar suporte aos novos modelos necessários. Os marcos regulatórios, ainda que longe de perfeitos, já atribuem papel relevante à competição e à entrada de novos players em diversos segmentos, favorecendo o investimento com risco relativamente mais baixo. O Estado brasileiro esgotou sua capacidade de investimentos e, mesmo o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), do governo federal, não trouxe grandes melhorias, apenas aproveitando, com um selo, o melhor ambiente criado no país e também se beneficiando da folga fiscal do período de crescimento mais elevado. Em alguns casos, o PAC chegou a deslocar investimentos privados, atrasando-os e reduzindo sua eficiência. Mesmo assim, vários níveis de governo vêm melhorando sua tecnologia institucional na área de infraestrutura, criando projetos interessantes, principalmente através de concessões e parcerias. Dores do crescimento? Tornou-se comum, no Brasil, apontar o forte crescimento da demanda como o responsável direto pela severa deterioração da qualidade no sistema aeroportuário, uma evolução que, apesar de evidente aos usuários frequentes do sistema, é também detectada pelos relatórios internacionais de competitividade. Entretanto, a experiência mundial desmente essa associação entre crescimento e piora da qualidade, de forma veemente. Há um bom número de países, grandes e pequenos, que experimentaram explosão de crescimento da sua demanda aérea nos últimos anos e, ao mesmo tempo, conseguiram entregar mais qualidade. O próprio crescimento relativo do transporte aéreo brasileiro não está entre os mais espetaculares do mundo, tomando-se um horizonte razoável.
  • 14. Artigo Risco e oportunidade na infraestrutura brasileira Artigo Risco e oportunidade na infraestrutura brasileira Trata-se de um crescimento significativo. No começo dos anos 2000, o número de passageiros transportados no Brasil era semelhante, em ordem de grandeza, ao de países como a Itália, Austrália e Coréia. No fim da mesma década, já transportávamos pelo menos o dobro do que qualquer um desses países, com um crescimento de 125% no período. Entretanto, há um bom conjunto de países que mostraram taxas de crescimento ainda mais impressionantes. Por exemplo, entre 2001 e 2010, segundo dados do IMD, Índia e China experimentaram crescimento de mais de 270% no número de passageiros. O Peru experimentou crescimento de 172% e a Turquia, de 352%, no mesmo período. Um indicador da relação entre melhora/piora da qualidade e o crescimento dos serviços pode ser obtido no ranking de competitividade do World Competitiveness Yearbook do Institute for Management Development. A análise desmente o mito de que não é possível expandir mantendo a qualidade. Tome-se o diagrama de dispersão a seguir, elaborado com dados do O diâmetro das esferas representa a população do país. No eixo horizontal, tem-se o crescimento do mercado de transporte aéreo, os mesmos dados comentados alguns parágrafos acima. Quanto mais à direita, maior o crescimento no período entre 2001 e 2010. É fácil ver que há muitos países mais à direita que o Brasil, portanto que tiveram maior crescimento. Depreende-se que o transporte aéreo brasileiro não é uma estrela do crescimento mundial. No eixo vertical, os dados do IMD medem a melhoria da percepção de qualidade sobre o transporte aéreo de cada país, avaliada entre os executivos. Quanto mais para cima, maior a variação de qualidade, entre os anos de 2002 e 2010. O resultado é surpreendente: o Brasil foi o país que teve a maior piora na qualidade percebida de seu transporte aéreo no período. A nossa nota, em 2010, era de apenas 3,7 enquanto em 2002 obtivemos nota 7! No mesmo período, o México caiu de 6,2 para 5,8. A China subiu de 5,5 para 7. Ou seja, a China conquistou, há poucos anos, a nota que o Brasil tirou em 2002, mas quando a China atingiu este patamar. Países próximos à avaliação brasileira incluem a Venezuela, com nota 2,7 e a Argentina que obteve 4,3. Até a Grécia melhorou em meio à severa crise que vem experimentando, de 6,1 para 7,4. Países desenvolvidos, também em crise, melhoraram sua nota no período: EUA de 8 para 8,3; Alemanha de 8,7 para 9.
  • 15. Artigo Risco e oportunidade na infraestrutura brasileira Artigo Risco e oportunidade na infraestrutura brasileira Riscos e oportunidades Os ativos de infraestrutura são geralmente considerados como ativos defensivos, tipicamente por apresentarem correlação relativamente baixa em relação à economia. Entretanto, esta baixa correlação com a economia não significa que tenham baixo risco, sendo que em vários casos ocorre justamente o contrário. Embora se possa dizer que a fonte dos riscos do setor de infraestrutura não é o movimento típico de flutuação da economia, há outros importantes riscos que devem ser levados em consideração. O elevado custo fixo envolvido nas operações de infraestrutura, derivado de grandes investimentos caracterizados por significativas economias de escala, está associado a alta alavancagem operacional das empresas de infraestrutura. Note-se que nem tudo que faz parte da cadeia de produção da infraestrutura é, rigorosamente, infraestrutura. Há vários serviços que não compartilham das características típicas de alto custo fixo, especificidade de ativos e alta alavancagem operacional. Um exemplo é o segmento de comercialização de energia elétrica, que faz parte da cadeia mas não tem as características de monopólio natural dos segmentos de transmissão e distribuição. Até mesmo a geração elétrica opera com características bem diferentes dos segmentos intensivos em fio. Assim, a abordagem regulatória difere sensivelmente entre os segmentos. Nas áreas mais competitivas da energia elétrica as oportunidades abundam, inclusive em nichos. O mesmo vale em telecomunicações: apesar da elevada concentração típica nos principais mercados, há um grande número de empresas atuando em nichos lucrativos e ainda promissores. Nos segmentos com alto custo fixo, a recuperação dos investimentos, tipicamente realizada a longo prazo com paybacks longos, depende de estabilidade política e regulatória. Em termos políticos, foi justamente a transição de 2002/03 e a subsequente manutenção das políticas econômicas ortodoxas que correspondeu a uma redução apreciável no risco dos investimentos em infraestrutura. Contudo, apesar do melhor ambiente político propiciado por esta transição, o grau de manipulação discricionária de marcos regulatórios e de intervenção governamental na ordem econômica com objetivos mais ligados ao ciclo eleitoral são elementos que adicionam preocupação e já afetam os preços no mercado de capitais. O anúncio de grandes pacotes sem a devida preocupação regulatória e concorrencial ilustra bem essa tendência. Oportunidades setoriais Há diferentes oportunidades nos diversos setores da infraestrutura. A cadeia da energia, tanto petróleo e gás quanto a energia elétrica, oferecem negócios de grande volume, assim como nichos em expansão. Neste momento, os segmentos de transportes estão em destaque, com os programas federais de participação privada, ainda que os anúncios recentes padeçam de problemas de desenho que podem sacrificar resultados, considerando o esforço político que o governo parece estar decidido a fazer para recuperar parte do tempo perdido.
  • 16. Artigo Risco e oportunidade na infraestrutura brasileira Artigo Risco e oportunidade na infraestrutura brasileira O saneamento básico tende a oferecer mais possibilidades, com investimentos elevados. As telecomunicações, um grande gargalo do desenvolvimento brasileiro, sofrem com a baixa promoção da competição, mas ainda assim tendem a manter um ritmo de crescimento forte, com novos nichos de mercado em expansão. De fato, este foi o único segmento que mostrou melhora no último relatório de competitividade do World Economic Forum, ainda que seja uma melhoria mais circunscrita à área móvel, e mais quantitativa que qualitativa. Neste novo ambiente, há significativas oportunidades para investimentos diretos e para alocação de carteiras nos setores de infraestrutura no Brasil. Esta classe de ativos oferece, neste momento, um retorno razoável frente a um risco relativamente baixo, mesmo considerando a preocupação recente com o aumento das práticas de intervenção e de seleção discricionária. Em um mundo de baixos retornos, os ativos brasileiros nesta área são, no mínimo, uma alternativa a ser considerada. É claro que o desenvolvimento e a adequada regulação dos segmentos puros de infraestrutura é que propiciam o maior desenvolvimento dos nichos. Há, entretanto, oportunidades que nascem justamente do contrário: as ineficiências presentes em vários segmentos da infraestrutura brasileira, e as deficiências regulatórias fazem surgir negócios que se aproveitam dos problemas. Embora tenham horizonte limitado, estas oportunidades acabam viabilizando a entrada de novas empresas, possibilitando que estas percorram a curva de aprendizado íngreme que caracteriza a atuação nos negócios altamente especializados da infraestrutura. Apesar do aumento das intervenções discricionárias e das incríveis aberrações ainda existentes ou que ainda surgem, os avanços das últimas décadas criaram espaço para o aparecimento de projetos de boa qualidade, com relação risco-retorno altamente atrativas. Em suma, a classe de ativos de infraestrutura, no Brasil, merece ser avaliada com atenção por quem busca boas oportunidades de investimento, assim como pelos investidores interessados em participar diretamente do crescimento do país. • Este artigo foi gentilmente cedido por um especialista da nossa base de profissionais Frederico Turolla p/ Quaterly AEN Doutor em Economia de Empresas (FGV- SP); Mestre em Economia de Empresas (FGV-SP) com intercâmbio em Economia Internacional e Finanças na Universidade de Brandeis (Estados Unidos); Economista (UFJF). Professor do Programa de Mestrado em Gestão Internacional da ESPM, professor de MBA da FGV-SP. Foi economista do Banco WestLB. Sócio da Pezco Microanalysis (Empresa Brasileira de Consultoria Econômica), onde tem participado de projetos em diversos setores regulados. É um especialista da Acoi Expert Network desde junho de 2012.
  • 17. AEN na Mídia Globonews: Programa Conta Corrente 17/09/12 AEN na Mídia Globonews: Programa Conta Corrente 17/09/12 Participamos do programa Conta Corrente do canal por assinatura Globonews, Nele, o sócio-fundador da Acoi Expert Network, destacou pontos de extrema importância para a gestão de novos negócios, dicas e oportunidades para empreendedores e gestores de startups. Segue o link da nossa participação: http://g1.globo.com/globo-news/conta-corrente/videos/t/todos-os-videos/v/brasil-e-o- terceiro-pais-com-mais-empreendedores-no-mundo/2143402/ Esperamos que apreciem nossa apresentação.
  • 18. www.acoiexpert.com.br / contato@acoiexpert.com.br
  • 19. www.acoiexpert.com.br / contato@acoiexpert.com.br
  • 20. Entre em contato com a ACOI Expert Network www.acoiexpert.com.br contato@acoiexpert.com.br +55 11 3567 3384 Através das redes sociais:

×