• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
ESTUDO SOBRE O BEM-ESTAR NO TRABALHO DE UMA AMOSTRA DE ENFERMEIROS HOSPITALARES
 

ESTUDO SOBRE O BEM-ESTAR NO TRABALHO DE UMA AMOSTRA DE ENFERMEIROS HOSPITALARES

on

  • 478 views

Os tempos atuais tornam particularmente pertinente e relevante o estudo da prática da enfermagem a partir da perspetiva do bem-estar no trabalho dos enfermeiros. ...

Os tempos atuais tornam particularmente pertinente e relevante o estudo da prática da enfermagem a partir da perspetiva do bem-estar no trabalho dos enfermeiros.
Com este objetivo foram recolhidos dados relativos a uma amostra de enfermeiros hospitalares, com o apoio da Ordem dos Enfermeiros, cujos resultados globais se reuniram num relatório que agora divulgamos, com os nossos agradecimentos a todos os participantes.
Autoras:
Alda Santos - Escola Superior de Saúde do Instituto Politécnico de Setúbal
Maria José Chambel - Faculdade de Psicologia da Universidade de Lisboa

Statistics

Views

Total Views
478
Views on SlideShare
478
Embed Views
0

Actions

Likes
1
Downloads
2
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

CC Attribution License

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    ESTUDO SOBRE O BEM-ESTAR NO TRABALHO DE UMA AMOSTRA DE ENFERMEIROS HOSPITALARES ESTUDO SOBRE O BEM-ESTAR NO TRABALHO DE UMA AMOSTRA DE ENFERMEIROS HOSPITALARES Document Transcript

    • ESTUDO SOBRE O BEM-ESTAR NO TRABALHO DE UMA AMOSTRA DE ENFERMEIROS HOSPITALARES RELATÓRIO Autoras: Alda Santos - Escola Superior de Saúde do Instituto Politécnico de Setúbal Maria José Chambel - Faculdade de Psicologia da Universidade de Lisboa Estudo realizado com a divulgação da Ordem dos Enfermeiros
    • Este relatório tem como objetivo apresentar os resultados globais obtidos no "Estudo sobre o bem-estar no trabalho dos enfermeiros hospitalares", divulgado pela Ordem dos Enfermeiros e cuja recolha de dados decorreu de Outubro de 2012 a Julho de 2013. 1. Introdução As tendências atuais, no sentido da prestação de cuidados em enfermagem de acordo com um modelo biopsicossocial, deparam-se com uma necessidade institucional simultânea no sentido da otimização de serviços e economia de custos o que, muitas das vezes, se reflete em cortes de pessoal e no acesso dificultado aos recursos, colocando os enfermeiros face a situações dilemáticas cujos efeitos negativos poderão fazer-se sentir tanto a nível individual como organizacional. Torna-se, deste modo, importante o estudo de variáveis que a literatura tenha revelado como estando associadas a resultados positivos tanto para as organizações como para os indivíduos que nelas desenvolvem o seu trabalho. Tratando-se a enfermagem de uma área profissional onde existe uma forte componente relacional, revela-se particularmente pertinente o seu estudo à luz dos conceitos das características relacionais do trabalho, do trabalho emocional e do compromisso organizacional afetivo, tendo este último evidenciado relações consistentes com resultados positivos tanto a nível organizacional como individual, revelando-se um índice de bem-estar organizacional. O presente estudo teve, assim, como objetivo investigar as relações existentes entre: - os efeitos psicológicos das características relacionais do trabalho, que envolvem o impacto percebido do trabalho dos enfermeiros na vida das pessoas que têm sob os seus cuidados1 e o compromisso afetivo para com essas pessoas2; 1 Definido como o grau em que os enfermeiros estão conscientes que o seu trabalho afeta a vida das pessoas (Grant, 2007). 2 Definido como a preocupação e a dedicação emocionais para com as pessoas que os enfermeiros têm sob os seus cuidados (Grant,2007). Estudo sobre o bem-estar no trabalho dos enfermeiros hospitalares - Relatório Alda Santos & Maria José Chambel - 2013 1
    • - o trabalho emocional 3 , composto pelas dimensões de dissonância emocional 4 , exigências de expressão de emoções positivas e exigências de expressão de emoções negativas; - e o compromisso organizacional afetivo5. Escolhemos igualmente estudar as relações entre estas variáveis, numa amostra de enfermeiros hospitalares portugueses, como forma de reduzir a grande variabilidade de contextos de exercício da enfermagem. A originalidade deste estudo residiu no facto de utilizar pela primeira vez uma versão portuguesa de uma escala relativa às dimensões dos efeitos psicológicos das características relacionais do trabalho, sendo igualmente original, que seja do nosso conhecimento, investigar estas referidas dimensões com uma amostra de enfermeiros hospitalares, o que nos pareceu uma lacuna a preencher tendo em conta o papel fundamental da vertente relacional nesta profissão. 2. Procedimento Os dados foram recolhidos através de um questionário preenchido on-line e que foi divulgado pela Ordem dos Enfermeiros junto dos seus membros (através do seu site e numa das suas newsletters). Este questionário era constituído por várias escalas, relativas às variáveis estudadas, já utilizadas em estudos anteriores ou, no caso dos efeitos psicológicos das características relacionais do trabalho, por itens traduzidos e adaptados a partir de estudos internacionais. 3. Caracterização da amostra Os gráficos 1 a 9 ilustram a constituição da amostra (N=335), em termos de género, nível etário, antiguidade no hospital, antiguidade na profissão, desempenho de funções 3 Definido como o processo psicológico necessário para regular as emoções consideradas adequadas, pela instituição e/ou pela profissão, numa dada situação (Zapf, 2002). 4 Ocorre quando, numa dada situação, um enfermeiro deve expressar emoções que não sente (Zapf, 2002). 5 Definido como a vinculação, a identificação e o envolvimento emocionais do enfermeiro face à organização (Meyer & Allen, 1991). Estudo sobre o bem-estar no trabalho dos enfermeiros hospitalares - Relatório Alda Santos & Maria José Chambel - 2013 2
    • de supervisão, acumulação de mais de um emprego (pluriemprego), detenção do estatuto de trabalhador estudante e ausência por motivos de doença ('baixa'). Gráfico 1 - Género (N=335) Masculino 22,4% Feminino 77,6% Gráfico 2 - Distribuição por grupos etários (%) 18-28 anos 29-38 anos 39-48 anos 49-58 anos > 58 anos 41,8 21,5 19,1 17 0,6 Gráfico 3 - Antiguidade no hospital (%) 1-5 anos 27,5 6-10 anos 11-15 anos 16-20 anos > 20 anos 27,5 20 14 11 Estudo sobre o bem-estar no trabalho dos enfermeiros hospitalares - Relatório Alda Santos & Maria José Chambel - 2013 3
    • Gráfico 4 - Antiguidade na profissão (%) < 5 anos 5-10 anos 11-20 anos 21-30 anos 31,9 27,8 26,9 13,4 Antiguidade na profissão Gráfico 5 - Funções de supervisão Não 36,7% Sim 63,3% Gráfico 6 - Pluri emprego Sim 29,1% Não 70,9% Gráfico 7 - Trabalhadoresestudantes Sim 18,9% Não 81,1% Estudo sobre o bem-estar no trabalho dos enfermeiros hospitalares - Relatório Alda Santos & Maria José Chambel - 2013 4
    • Gráfico 8 - 'Baixa' nas últimas duas semanas Sim 4,2% Não 95,8% Gráfico 9 - 'Baixa' no último ano Sim 17,6% Não 82,4% 4. Resultados A tabela 1 apresenta as médias da amostra relativas a cada uma das variáveis das características relacionais do trabalho, do trabalho emocional e do compromisso afetivo face ao hospital. Assim, verificamos que, no que diz respeito às características relacionais do trabalho, os enfermeiros participantes neste estudo percebem como elevado o impacto que o seu trabalho tem na vida das pessoas sob os seus cuidados e mostram igualmente um elevado grau de compromisso afetivo face a estas, uma vez que apresentam médias de 5,85 e 5,46 respetivamente (numa escala de 7 pontos) e desvios-padrão pouco acentuados. Estudo sobre o bem-estar no trabalho dos enfermeiros hospitalares - Relatório Alda Santos & Maria José Chambel - 2013 5
    • Tabela 1 - Médias e desvios-padrão das variáveis relativas às características relacionais do trabalho, ao trabalho emocional e ao compromisso afetivo face ao hospital Variável Média Desvio-padrão Impacto percebido 5,85 0,81 Compromisso afetivo face às pessoas 5,46 1,10 Dissonância emocional 3,04 1,03 Evidência de emoções positivas 4,17 0,56 Evidência de emoções negativas 1,91 0,74 Compromisso afetivo face ao hospital 4.97 1,23 No que diz respeito às dimensões do trabalho emocional (respondidas em escalas de 5 pontos), os enfermeiros reportam um sentimento neutro de dissonância emocional (3,04), mas com um desvio-padrão superior a um ponto. Por seu lado, a evidência de emoções positivas revela a média mais elevada (M=4,17) e o menor desvio-padrão destas dimensões, o que mostra que os enfermeiros tendem a sentir que, com frequência, na prática da enfermagem lhes é exigida a evidência de emoções positivas ou que têm de gerar emoções positivas nas pessoas sob os seus cuidados. As exigência no sentido da expressão de emoções negativas, contudo, é bastante menos frequente, com uma média de 1,91 e um baixo desvio-padrão. Estes resultados são congruentes com a ideia generalizada que os enfermeiros, no seu trabalho, tendem a evidenciar com maior frequência emoções positivas, comparativamente a outras profissões, como por exemplo inspetor das finanças, nas quais é expectável um grau mais elevado de evidência de emoções negativas. Os enfermeiros revelaram igualmente um bom nível de compromisso afetivo face ao hospital, com uma média de 4,97 (numa escala de 7 pontos). Uma análise comparativa das médias destas variáveis tendo em conta as características demográficas revela que, no que diz respeito ao género, as enfermeiras tendem a evidenciar, em média, um grau mais elevado de emoções positivas. Estudo sobre o bem-estar no trabalho dos enfermeiros hospitalares - Relatório Alda Santos & Maria José Chambel - 2013 6
    • Relativamente ao nível etário, os enfermeiros com idades compreendidas entre os 49 e os 58 anos tendem a reportar um compromisso afetivo mais elevado face às pessoas do que os enfermeiros de 29-38 anos, bem como um compromisso afetivo face ao hospital mais elevado do que os colegas com idades situadas entre 18 e os 38 anos. Estes enfermeiros de um nível etário mais elevado reportam igualmente níveis de dissonância emocional significativamente mais baixos do que os seus colegas com idades situadas entre os 18 e os 28 anos, bem como a necessidade de uma menor evidência de emoções negativas do que os colegas com idades situadas entre os 18 e os 38 anos. Também ao nível da antiguidade no hospital se encontram diferenças significativas entre as médias evidenciadas pelos diferentes grupos. Assim, os enfermeiros com uma antiguidade no hospital superior a 20 anos revelam: um compromisso afetivo face às pessoas sob os seus cuidados mais elevado do que os seus colegas com uma antiguidade situada entre 6 e os 10 anos; uma necessidade mais baixa de evidenciar emoções negativas do que os colegas de 1 a 10 anos de antiguidade; um menor grau de dissonância emocional do que os colegas com 1 a 5 anos de hospital; e um nível de compromisso afetivo face ao hospital significativamente mais elevado do que os colegas com antiguidades situadas entre 1 e 10 anos e entre 16 e 20 anos. O grupo de enfermeiros com antiguidades situadas entre os 11 e os 15 anos evidenciaram igualmente diferenças significativas relativamente aos colegas de outros níveis de antiguidade, reportando: uma menor evidência de emoções negativas do que os colegas com antiguidades situadas entre os 6 e os 10 anos; e um menor grau de dissonância emocional e um compromisso afetivo face ao hospital mais elevado do que os seus colegas com antiguidades compreendidas entre 1 e 5 anos. No que diz respeito à antiguidade na profissão, os resultados evidenciam tendências semelhantes, com os enfermeiros com mais de 20 anos de profissão a evidenciarem um compromisso face às pessoas significativamente mais elevado do que os colegas com 5 a 10 anos de profissão, bem como menor dissonância emocional, menor evidência de emoções negativas e maior grau de compromisso afetivo face ao hospital do que os colegas com menos de 10 anos de antiguidade na profissão. Os enfermeiros Estudo sobre o bem-estar no trabalho dos enfermeiros hospitalares - Relatório Alda Santos & Maria José Chambel - 2013 7
    • com antiguidade na profissão situada entre 10 e 20 anos revelam igualmente menor evidência de emoções negativas e maior grau de compromisso afetivo face ao hospital do que os colegas com antiguidades situadas entre os 5 e os 10 anos, bem como um menor grau de dissonância emocional do que os colegas com menos de 10 anos de antiguidade na profissão. Figura 1 - Resumo dos resultados obtidos Compromisso afetivo dos enfermeiros face às pessoas Β=0,18 Compromisso afetivo dos enfermeiros face ao hospital Β=0,12 Β=0,11 Evidência de emoções positivas na prática da enfermagem Os resultados obtidos neste estudo, relativos às relações entre as variáveis das características relacionais do trabalho, do trabalho emocional e do compromisso afetivo face ao hospital encontram-se resumidos na Figura 1. Estes evidenciaram a existência de relações positivas entre o compromisso afetivo dos enfermeiros face às pessoas sob os seus cuidados e o seu compromisso afetivo face ao hospital e a evidência de emoções positivas. Revelaram igualmente relações positivas entre a evidência de emoções positivas na prática da enfermagem e o compromisso afetivo face ao hospital. 5. Conclusões e implicações práticas No que concerne às implicações práticas dos resultados obtidos no presente estudo, estes sugerem que, de forma a aumentar o compromisso organizacional afetivo dos Estudo sobre o bem-estar no trabalho dos enfermeiros hospitalares - Relatório Alda Santos & Maria José Chambel - 2013 8
    • seus enfermeiros, os hospitais devem procurar fomentar o compromisso afetivo destes profissionais face às pessoas sob os seus cuidados e, de igual forma, encorajar a expressão de emoções positivas no exercício da prática da enfermagem. Estes resultados chamam igualmente atenção para os potenciais benefícios, tanto para os hospitais como para os enfermeiros, de manter estes profissionais "próximos" das pessoas que se encontram sob os seus cuidados. Desta forma é dada oportunidade aos enfermeiros para desenvolverem um vínculo afetivo face a estas, bem como para ter maior oportunidade de testemunhar o impacto do seu trabalho nas vidas destas. De igual forma, a criação ou manutenção de ambientes de trabalho nos quais a evidência de emoções positivas seja encorajada e valorizada, de acordo com os resultados obtidos neste estudo, poderá contribuir positivamente para o compromisso afetivo dos enfermeiros, tanto relativamente ao hospital como às pessoas sob os seus cuidados. Este envolvimento afetivo destes profissionais no trabalho poderá refletir-se não só na qualidade e segurança da prestação de cuidados, como também no bemestar organizacional dos próprios enfermeiros, contribuindo para "cuidar do cuidador", aspeto que se torna particularmente importante nos tempos atuais. De acrescentar ainda que os resultados, de um modo geral, revelaram que os enfermeiros com menor tempo na profissão poderão evidenciar maiores dificuldades na ligação às pessoas que têm sob os seus cuidados, bem como na gestão das suas emoções e na expressão de emoções positivas na prática da enfermagem, o que chama a atenção para a necessidade de ser dada especial atenção a estes aspetos na formação e na integração de jovens enfermeiros em contexto hospitalar. Bibliografia Grant, A.M. (2007). Relational job design and the motivation to make a prosocial difference. Academy of Management Review, 32, 393–417. doi:10.5465/AMR.2007.24351328 Meyer, J.P., Stanley, D.J., Herscovitch, L., & Topolnytsky, L. (2002). Affective, Continuance, and Normative Commitment to the Organization: A Meta-analysis of Estudo sobre o bem-estar no trabalho dos enfermeiros hospitalares - Relatório Alda Santos & Maria José Chambel - 2013 9
    • Antecedents, Correlates, and Consequences. Journal of Vocational Behavior, 61, 20–52. doi:10.1006/jvbe.2001.1842 Zapf, D. (2002). Emotion work and psychological well-being: A review of the literature and some conceptual considerations. Human Resource Management Review, 12, 237-268. Acedido em http://dx.doi.org/10.1016/S1053-4822(02)00048-7 Estudo sobre o bem-estar no trabalho dos enfermeiros hospitalares - Relatório Alda Santos & Maria José Chambel - 2013 10