• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
O funcionalismo em linguística
 

O funcionalismo em linguística

on

  • 737 views

 

Statistics

Views

Total Views
737
Views on SlideShare
737
Embed Views
0

Actions

Likes
4
Downloads
25
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    O funcionalismo em linguística O funcionalismo em linguística Presentation Transcript

    • O FUNCIONALISMO EM LINGUÍSTICA Prof. Ms. Silvio Luis da Silva
    • Pertinentes são as palavras de Maria Helena de Moura Neves (2004: 1), que assim se expressou: • “Caracterizar o funcionalismo é uma tarefa difícil, já que os rótulos que se conferem aos estudos ditos “funcionalistas” mais representativos geralmente se ligam diretamente aos nomes dos estudiosos que os desenvolveram, não a características definidoras da corrente teórica em que eles se colocam. Prideaux (1994) afirma que provavelmente existem tantas versões do funcionalismo quantos lingüistas que se chamam funcionalistas, denominação que abrange desde os que simplesmente rejeitaram o formalismo até os que criam uma teoria. A verdade é que, dentro do que vem sendo denominado – ou autodenominado – “funcionalismo”, existem modelos muito diferentes”. (grifo nosso)
    • A base corrente funcionalista • A linguagem é um instrumento de comunicação e interação social; • Estabelece um objeto de estudo baseado no uso real da língua; • Assim, não pode haver separação entre o sistema da língua e seu uso pelos falantes. • A linguística funcional encontra bases explanatórias na função que exercem as unidades estruturais e em processos diacrônicos recorrentes que tem motivação funcional.
    • A explicação linguística • O princípio de toda explicação deve encontrar-se na relação entre linguagem e uso em contexto social. Por isso, a explicação linguística deve ser feita com base nas relações contraídas pelos falantes, ouvintes e a informação pragmática de ambos, para revelar a instrumentalidade da língua. • A análise funcional deve descrever a língua como um requisito pragmático para a interação verbal.
    • O conceito de função • • • • A função pode designar as relações A) entre uma forma e outra - função interna; B) entre uma forma e seu significado – função semântica; e C) entre o sistema de formas e seu contexto – função externa. • Segundo van Dijk, uma gramática funcional deve atentar para três princípios: • - adequação pragmática; • - adequação psicológica; e • - adequação tipológica.
    • As adequações: • Pragmática: revelar as relações das propriedades linguísticas em relação à descrição de regras que regem a interação verbal. • Psicológica: dizem respeito tanto ao modo como os falantes constróem e formulam expressões linguísticas (modelos de produção) quanto ao modo como o ouvinte processa e interpreta essas expressões (modelos de compreensão). • Tipológica: deve explicar as semelhanças e diferenças entre os sistemas linguísticos e fornecer gramáticas para línguas tipologicamente diferentes.
    • O modelo funcional • O uso comunicativo da língua envolve funções humanas de nível mais elevado do que a função linguística, assim, um usuário de língua natural deve possuir: • - capacidade linguística: produzir e interpretar sentenças; • - capacidade epistêmica: construir, manter e interpretar uma base de conhecimento organizado; • - capacidade lógica: derivar conhecimentos adicionais com princípios de lógica dedutiva e probalística; • - capacidade perceptual: perceber o ambiente e derivar conhecimentos a partir dele; • - capacidade social: saber como dizer e o que dizer em determinada situação.
    • Interação social = atividade estruturada • A análise linguística envolve: • - as regras que governam a constituição das expressões linguísticas (semânticas, sintáticas, morfológicas e fonológicas) • - as regras que governam os padrões de interação verbal em que as expressões linguísticas são empregadas (regras pragmáticas) • O sistema de regras é: • - visto como instrumental com relação aos objetivos e propósitos do sistema de regras e • - deve entender que as expressões linguísticas são descritas e explicadas pela organização (framework) estabelecido pelo sistema de interação verbal
    • Os níveis das relações funcionais • - funções semânticas: especificam os papéis estabelecidos dentro de um estado de coisas designado pela predicação em que ocorrem tais como Agente, Paciente, recipiente etc; • - funções sintáticas: a perspectiva do estado de coisas dentro da expressão linguística, ou seja, a perspectiva da sintaxe – sujeito, objeto, advérbios etc. • - função pragmática: especificam o estatuto informacional dos usuários no contexto em que ocorrem: a noção de tópico e foco.
    • A sentença • A sentença contém o ponto de partida, a noção inicial, e o objetivo do discurso, sendo o primeiro o ponto de encontro entre falante e ouvinte, e o segundo a informação que deve ser partilhada com o ouvinte: o movimento da noção inicial em direção ao objetivo do discurso revela o movimento da mente. • ORDEM: • TEMA – TRANSIÇÃO – REMA = não emotivo • REMA – TRANSIÇÃO – TEMA = emotivo, marcado
    • A perspectiva funcional da sentença • De acordo com a exigências do contexto, as unidades lexicais adquirem significados específicos, e a sentença, que gramaticalmente consiste de sujeito e predicado, divide-se em tema e rema. • Assim, as noções de tema e rema são definidas em termos da estrutura informacional do enunciado, como sendo, respectivamente, sua porção que constitui a informação previamente dada, ou inferível, portanto não (ou menos) relevante para a comunicação (o tema) e a parte que corresponde a sua informação central, nova (o rema, ou foco).
    • A perspectiva funcional da sentença Noção de tema-rema • • • • • • • • • • • • • 1) [Quais as novidades?] [José pintou o muro ontem]R (2) [O que José fez?] [José]T [pintou o muro ontem]R (3) [O que José pintou?] [José pintou]T [o muro ontem]R (4) [Quando José pintou o muro?] [José pintou o muro]T [ ontem]R (5) [Quem pintou o muro ontem?] [José]R [pintou o muro ontem]T (6) [Que houve com o muro ontem?] [José pintou]R [o muro ontem]T (7) [O que foi feito ontem?] [José pintou o muro]R [ ontem]T
    • DINAMISMO COMUNICATIVO: O movimento da mente • João escreveu um poema. • PADRÃO SEMÂNTICO: Agente-Ação-Objeto • PADRÃO SINTÁTICO: Sujeito-Verbo-Objeto • PADRÃO COMUNICACIONAL: Tema-Transição-Rema. • O objeto contextualmente carrega um Dinamismo Comunicativo maior do que o verbo e este, por sua vez, maior do que o sujeito; ou seja, o rema (a informação nova) é a parte mais importante da sentença porque apresenta a novidade.
    • As funções, segundo Halliday • A função ideacional: diz respeito à interpretação e a expressão de nossa experiência acerca dos processos do mundo exterior e dos processos mentais materiais abstratos de todo tipo: a sentença é entendida como um processo. • A função textual: nos habilita a criar um texto de maneira que as sentenças sejam entendida como uma mensagem. • A função interpessoal: nos habilita a participar da situação de fala, utilizando-se da linguagem para expressar um julgamento pessoal.
    • O estatuto informacional: dado e novo • O dado (ou informação velha) é o conhecimento que o falante assume que o interlocutor possui a respeito do tema a ser tratado. • O novo (ou informação nova) é a informação que o falante acredita não possuir o interlocutor e, por isso a introduz na sentença (o rema). • Obs: a informação velha é transmitida de forma mais “baixa” na fala, ao passo que a informação nova tem tom mais alto.
    • Texto: conjunto de instruções do falante Familiaridade presumida Nova Novíssima Ancorada Inferível Não usada Não ancorada Inferível Evocada Inferível contida Textual Situacional
    • A familiaridade presumida Entidades novas: o que é introduzido pela primeira vez no discurso. São de dois tipos: • a) Novíssima: o ouvinte tem de criar uma nova entidade; • b) Não usada: o ouvinte pode presumir a entidade correspondente. • Entidades Inferíveis: o falante presume que o ouvinte pode inferir o que está sendo dito. • Entidades Evocadas: aquelas que já ocorreram no discurso e são recuperáveis.
    • O conceito de tópico • O tópico deve ser sempre definido, ao passo que o sujeito, não. • O sujeito necessita, sempre, ser um argumento do verbo. • O tópico tem sempre um papel funcional e especifica o domínio em que se mantém a predicação: é o centro de atenção e anuncia o tema do discurso. • O tópico aparece sempre no início da sentença: • Ex: Casa, o Pedro comprou uma nova.
    • Ponto de vista e fluxo de atenção • Há um fluxo de atenção e um ponto de vista, de ordem natural, que se referem às estratégias perceptuais, e um fluxo de atenção e um ponto de vista de ordem linguística. Do ponto de vista linguístico, os marcadores temporais, e a ordem dos elementos são os principais marcadores do fluxo de atenção. • Ex: João comprou um carro novo. • Carro, o João comprou um novo. • Novo, o João comprou um carro. • Comprou, João, um carro.
    • Transitividade e relevância discursiva • O pensamento e a comunicação humana registram o universo individual como uma hierarquia de graus de centralidade/perifericidade a fim de facilitar tanto a representação interna quanto a exteriorização para as pessoas. • Por isso, os usuários constroem sentenças de acordo com os seus objetivos comunicativos e com sua percepção da necessidade do ouvinte, pois há parte da comunicação mais relevantes do que as outras.
    • Estrutura argumental e fluxo de informação • Empacotamento – articulação entre as frases de uma mesma fase (pode ser de ligação (justaposição ou coordenação) ou de encaixamento (subordinação)). • Du Bois: • 1 – regra de um único argumento novo: evite mais de um argumento novo por oração; • 2 – regra de Argumento dado: evite argumento novo. • protagonistas humanos tendem a ser participantes centrais de narrativas e devem a ser mantidos como tema em sucessivas orações, são definidos como dado.
    • Gramaticalização • Gramaticalização é um processo pelo qual um item lexical, ou uma estrutura lexical passa, em certos contextos, a exercer função gramatical ou um item gramatical passa a exercer essa função com mais ênfase. A gramaticalização é um processo dinâmico, unidirecional e diacrônico mediante o qual, na evolução temporal, um item lexical adquire um estatuto gramatical.
    • Em suma: • • • • A interação por meio da linguagem depende: - da intenção do falante; - de sua informação pragmática; - da antecipação que ele faz da interpretação do ouvinte, com base na informação pragmática que o falante acredita ter o ouvinte. • • • • A interpretação do ouvinte depende: - da expressão linguística; - de sua informação pragmática; - da hipótese do ouvinte sobre a intenção do falante.