Your SlideShare is downloading. ×
  • Like
Aspectos constitutivos da enunciação
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×

Now you can save presentations on your phone or tablet

Available for both IPhone and Android

Text the download link to your phone

Standard text messaging rates apply

Aspectos constitutivos da enunciação

  • 647 views
Published

Linguística 3, letras, 4na,

Linguística 3, letras, 4na,

Published in Education
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
647
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0

Actions

Shares
Downloads
32
Comments
0
Likes
0

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. ASPECTOS CONSTITUTIVOS DA ENUNCIAÇÃO Baseado na perspectiva de José Luiz Fiorin, especialmente na sua análise da Pragmática como constitutiva do discurso.
  • 2. Palavras iniciais • É a enunciação, ou seja, o ato de produzir enunciados que são as realizações linguísticas concretas. • Os dêiticos, que são os elementos linguísticos que indicam o lugar ou o tempo em que o enunciado é produzido ou então os participantes de uma situação de enunciado, ou seja, de uma enunciação
  • 3. Para entender a ENUNCIAÇÃO • A enunciação é a colocação em funcionamento da língua por um ato individual de utilização, ou seja, é a instância constitutiva do enunciado, a “instância linguística pressuposta pela própria existência do enunciado, o qual comporta seus traços e suas marcas” (GREIMAS, 1979, p. 126). • A enunciação enunciada é o conjunto de marcas identificáveis no texto que remetem à instância de enunciação, o enunciado que é a sequência enunciada desprovida de marcas de enunciação.
  • 4. Aspectos da enunciação enunciada e do enunciado • Por enunciação enunciada entendemos as marcas da enunciação que estão presentes no enunciado e se remete à instância de enunciação. • Por exemplo, quando se diz “Eu pensava que tomate era legume, mas a minha professora falou que ele é uma fruta.”, os itens eu e a minha professora são elementos da enunciação instados no enunciado, ao passo que ele, por exemplo, não o é, pois tem referência no próprio enunciado e retoma tomate. • O enunciado é a sequencia enunciada desprovida de marcas da enunciação. • Por exemplo, quando se diz “Tomate é uma fruta, não um legume.” não temos qualquer marca de enunciação.
  • 5. Hierarquia enunciativa • 1 – enunciador x enunciatário (eu/tu): acontece na constituição intelectual do discurso, pois o enunciador imagina um enunciatário e realiza o enunciado a partir desta premissa/concepção. • 2 – narrador x narratário (eu/tu) o narrador é aquele se se apresenta no texto como “falante”, o narratário, por sua vez, não se confunde com o leitor, pois é um simulacro com quem o narrador dialoga. É um tu imaginário, sempre implícito no texto. • 3 – interlocutor x interlocutário: se dá no momento em que o narrador dá voz aos personagens de que trata.
  • 6. Noção de pessoa em enunciação • Para Benveniste, a categoria de pessoa em enunciação assume duas correlações: • A) de pessoalidade: opõe pessoa (eu/tu) de não-pessoa (ele) que são participantes do enunciação e do enunciado. • B) de subjetividade: opõe eu x tu, a primeira pessoa subjetiva, a segundo, objetiva. • A classe dos pronomes ditos pessoais não comporta a noção de pessoa, pois a pessoalidade só é válida para eu e tu, os quais pertencem à instância discursiva e validam a doutrina de Benveniste, que é justamente o fato de a enunciação ser um ato inédito. Cada situação, sempre, consiste em um enunciado novo, pois, no momento em que o locutor (eu) implica um tu ele está marcado na língua. Essa trajetória de locutor a sujeito – do discurso – instiga-nos a refletir sobre a particularidade dos pronomes pessoais (eu, tu) e como essa perspectiva constitui por excelência a linguagem como condição para a comunicação humana.
  • 7. Noção de pessoa em enunciação • Pessoa enunciativa: trata-se do eu e do tu que participam da enunciação e são auferíveis do/no enunciado. Como o “mim”, o você e o eu, que se refere a Armandinho e o “minha senhora”, que se refere à pessoa com quem ele fala. • Pessoa enunciva: trata-se do ele, que participa exclusivamente do enunciado. No caso, os termos sapo e cachorro são enuncivos.
  • 8. A noção de tempo em enunciação • O enunciador, ao tomar a palavra, instaura automaticamente um tempo, o agora, momento da enunciação. Em contraposição a este agora, cria-se um então. É esse agora que é o fundamento das relações temporais da língua. Os momentos de referenciação entre esse agora e o passado e o futuro precisam ser marcados no enunciado, pois o tempo linguístico comanda as marcações cronológicas referidas no texto. • É o tempo que marca se um acontecimento é concomitante, anterior ou posterior a cada um dos momentos de referência (presente, passado, futuro) estabelecidos em função do momento da enunciação.
  • 9. As categorias de tempo • Tempos enunciativos: tem como referência o presente e se ordenam em concomitância com esse presente ou em oposição a ele em relação de anterioridade e de posterioridade. • Observe: • Agora, sim, estamos acabando. (concomitância) • Ontem, pensei que acabaríamos. (anterioridade) • Amanhã, com certeza, acabamos. (posterioridade)
  • 10. Tipos de tempo enunciativos concomitantes • Presente pontual: quando existe coincidência entre o Momento da enunciação e o Momento de Referência: • Um relâmpago fulgura no céu. • Presente durativo: quando o momento de referência é mais longo do que o momento da enunciação: • Nesta semana, a gente aprende enunciado e enunciação. • Presente omnitemporal ou gnômico: quando o momento de referência é ilimitado. • Alunos sentem certa rejeição a Teoria da Enunciação.
  • 11. Tipos de tempo enunciativos • De anterioridade: • Pretérito perfeito: marca relação de anterioridade à enunciação • De posterioridade: • O futuro do presente: marca a relação de posterioridade à enunciação.
  • 12. Tempos enuncivos • Os tempos enuncivos são aqueles cuja relação de concomitância, anterioridade e posterioridade se dá com base no enunciado. É, portanto, ordenado em relação ao passado e futuro instalado no próprio enunciado. • O momento de referência do enunciado é marcado e, em relação à este momento, os elementos do texto se situam. • Na véspera da quinta-feira, dia 23, Antonio disse que iria ao cinema na sexta, mas no sábado, disse que não pode ir porque no dia de ir, perdeu a carteira. – Véspera= dia 22, quarta feira. (anterioridade) – Na sexta = amanhã do dia 23, dia 24. (posteroridade) – No sábado = dia depois de amanhã o dia 23, amanhã da sexta, 3 dias após ter dito que iria ao cinema. (posteroridade) • Contribuem para a relação temporal tanto os advérbios do sistema enunciativo (ontem, hoje, amanhã) quanto os do sistema enuncivo (na véspera, no dia x, no dia seguinte)
  • 13. Espaço em Teoria da Enunciação • O espaço linguístico se ordena a partir do lugar do ego, do eu, pois todos os elementos são localizados em relação a “impressão” que o falante tem de sua posição no mundo. Sua real posição na realidade é circunstancial para a relação de compreensão espacial do falante. • São utilizados para estabelecer essas relações especialmente os pronomes demonstrativos e os advérbios de lugar.
  • 14. Função espacial em enunciação • dos pronomes demonstrativos • Função dêitica (de designar ou mostrar) • Esta casa é muito cara. • Aquele menino é muito bagunceiro. • Função de lembrar (anafórica/catafórica) • Quebrou copos e pratos ao lavar. Todos estes itens eram novinhos. (anafórico) • Isto que estou bebendo é vinho mesmo. (catafórico) • Função coesiva • Eu lhe dei essa informação, que sua casa iria a leilão. • Dos advérbios de lugar (de designar o espaço da enunciação propriamente dito) • Venha cá. • É bem ali que Maria mora.
  • 15. Instauração de pessoas, espaços e tempos no enunciado • Segundo Fiorin (1995b, 1996), a debreagem e a embreagem. • A debreagem é a operação em que a instância de enunciação se desprende de si e projeta para fora • de si, no momento da discursivização, determinados termos ligados a sua estrutura de base, buscando a constituição dos elementos fundadores do enunciado, quais sejam: pessoa, tempo e espaço. Há a debreagem actancial, espacial e temporal. • A debreagem tira da instância de enunciação a pessoa, o espaço e o tempo e projeta no enunciado um não-eu, um não-aqui e um não-agora. • Existem dois tipos de debreagem. • A primeira é a enunciativa, em que se instalam no enunciado os actantes da enunciação (eu/tu), o espaço da enunciação (aqui) e o tempo da enunciação (agora), isto é, em que o não-eu, o não-aqui e o não-agora são enunciados • como eu, aqui, agora. • A segunda é a enunciva, em que se instauram no enunciado os actantes do enunciado (ele), o espaço do enunciado (em algum lugar) e o tempo do enunciado (então).
  • 16. Instauração de pessoas, espaços e tempos no enunciado • A debreagem enunciativa e a enunciva produzem dois efeitos de sentido: • a) o de subjetividade: instalação dos simulacros do eu/aqui/agora enunciativos, com suas apreciações dos fatos; • b) o de objetividade: eliminação das marcas de enunciação do texto, ou seja, da enunciação enunciada, fazendo com o discurso se construa somente com enunciado enunciado.