Brincadeiras de mau gosto
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Brincadeiras de mau gosto

on

  • 624 views

O caro leitor ri muito? Tem bom sentido de humor?...

O caro leitor ri muito? Tem bom sentido de humor?
     Há um velho ditado que reza assim: "O coração alegre serve de bom remédio".
E não há dúvida que as pessoas que sabem rir têm uma grande vantagem na vida.
A sua boa disposição serve, de facto, como um remédio para os seus males.
Gostam de brincar em vez de chorar.
    

Statistics

Views

Total Views
624
Slideshare-icon Views on SlideShare
624
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
1
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Brincadeiras de mau gosto Brincadeiras de mau gosto Presentation Transcript

    • O caro leitor ri muito? Tem bom sentido de humor? Há um velho ditado que reza assim: "O coração alegre serve de bom remédio".E não há dúvida que as pessoas que sabem rir têm uma grande vantagem na vida. A sua boa disposição serve, de facto, como um remédio para os seus males. Gostam de brincar em vez de chorar.
    • Mas, prezado amigo, nem sempre faz bem brincar. Há também aquelas brincadeiras de mau gosto que só conseguem amargurar em vez de alegrar. Estou a pensar neste momento num caso que se deu há uns anos atrás na Inglaterra.
    • Se de um motorista de caminhão que se orgulhava muito do seu aparelho de rádio CB. Um dia, durante uma tempestade, ele viu-se impossibilitado de guiar mais,portanto parou e, encostando o seu gigantesco veiculo à beirra da estrada, ligou orádio para a sede da sua empreza. Pegou no microfone e, brincando, gritou em voz agitada: "Alô! Alô! Emergência! Emergência! Fui apanhado por uma terrível tempestade. Tenho que desistir. Adeus! Adeus!
    • A mensagem foi apanhada nãosó pela empresa (que conheciamuito bem o feito brincalhão do seu empregado) mas também pelos serviços de socorro da região e, conseqüentemente,naquela noite houve um alerta geral dos serviços deemergência no mar, em terra eno ar. Andaram toda a noite embusca de sobreviventes de umsuposto desastre de aviação. E durante todo esse tempo o nosso homem dormia tranquilmente na sua cama, ignorando por completo a confusão que esta sua brincadeira tinha causado...
    • E não é brincadeira nenhuma, caro leitor, por em ação desnecessáriamente, os serviços de emergência, porque, assim desviados em resposta a uma chamada falsa, ficam sem recursos paraatenderem a quaisquer apelos genuinos que, por acaso, venham a seguir. Mas, que pensaria você de alguém que, estando em apuros no alto mar, por exemplo, recusa, egoisticamente, pedir auxílio a estes mesmos serviços?
    • Parece que foi isto mesmo que aconteceu num caso que vamos relatar. Trata-se de um barco de pesca que, inexplicavelmente, desapareceu há uns anos. Ahistória veio relatada na imprensa diária de então mas, por razões óbvias, mudamos os nomes do barco e das pessoas envolvidas. Eis, então, a história da "MARIA CATARINA", a embarcação que, simplesmente, desapareceu: Era domingo à noite quando a "MARIA CATARINA" saíu para a pesca, e o seu mestre João Pereira da Costa, comunicara às 10 horas da segunda-feira que iaregressar porque, disse: "Já tinha recolhido bastante camarão".
    • No entanto, apesar de ter marcado uma segunda comunicação com os familiares através do aparelho CB, para as 16 horas daquela tarde, mais nenhum sinal de vida seria emitido da embarcação... O desaparecimento da "MARIA CATARINA" foi um mistério. Eraum barco novo, de mais de 12 metros de comprimento, Possuia um motor de 160 cavalos e era dotado de sonda, radar, e dois rádios bastante potentes, sendo um dos melhores barcos da frota pesqueira no Norte. Segundo os meios pescatórios da área, o mestre da "MARIA CATARINA" era um pescador atrevido que tinhao hábito de carregar ao máximo a sua embarcação , sendo por isso possível que, depois de ter obtido êxito na pesca do camarão setenha decidido a completar seu trabalho com mais uma pescaria, e que o barco, assim sobrecaregado, tivesse um acidante fatal. Um hipótese, mas quem sabe?
    • O ambiente que se vivia no bairro onde moravam os pescadores desaparecidos e os seus familiares era de desespero e inconformismo. Ninguém quis acreditar que o irremediável tinha acontecido. Agarrados aos rádios CB, através dos quais os pescadores usalmente estabelecem contacto com a terra, os familiaresconcentraram-se em casa da mulher do mestre da "MARIA CATARINA" pendentes dasempre esperada e nunca chegada resposta às repetidas chamadas enviadas para o mar. Chamam... chamam, mas em resposta só ouvem... silencio!
    • Familiares clamaram contra a falta de apoios, contra a aventura que é uma ida ao mar, contra os meios de socorro ineficazes ou insuficientes. Mas, segundo dizia o jornal, a verdade era que a frota pesqueira da costa teria de ser mais disciplinada, os pescadoresteriam de aprender a não abusar das possibilidades das embarcações, terão de prescindir do individualismo feroz que os leva a estabelecerem quase exclusivamente comunicações com o receptor instalado em casa dos familiares, desprezando as frequências internacionais de socorro quando estão em dificuldades, etc.
    • Aí está, prezado amigo. Existe um serviço internacional de socorros, sempre pronto a movimentar todos os seus vastos recursos em resposta ao apelo de qualquer embarcação em apuros. Só que, para isso, seria necessário utilizar as frequências internacionalmente reconhecidas. O que, comenta o jornal, alguns pescadores não queriam fazer, ou por ignoráncia ou por simples individualismo. Imagine, caro amigo, estar em grandes dificuldades no alto mar, sabendo que basta ligar o rádio para aproveitar este meio de salvação, e não aproveitar.
    • Ora, esta vida é, muitas vezes, como um mar agitado e tempestuoso onde uma pessoa pode necessitar de socorro. Mas onde buscar este socorro? Eis uma promessa da Bíblia,prezado ouvinte, feita por Deus e dirigida precisamente aqueles que se sentem em apuros:"Invoca-me (isto é, chama-Me) no dia da angústia; Eu te livrarei".
    • Deixe-nos fazer-lhe uma pergunta, caro amigo? Quando está angustiado onde vai buscar socorro? Quando a tristeza invade a sua alma, onde encontra a consolação? E, no fim da jornada, quando a morte se aproxima, qual será a sua esperança?Ou, para utilizar uma linguagem, digamos, radiofônica, para quem vai transmitir a sua chamada de socorro? Não seja como aqueles pescadores individualistas que desprezam os serviços de socorro.
    • Uma coisa aprendi durante a minha vida, sofrer nao e a pior coisa que existe. Desobedecer a Deus e a pior de todas as coisas. Sinceramente, Fernanda Torres/2010 fftorres65@hotmail.com
    • 9)Livra-me das redes que os perversos estendem para me pegarem, livra-me das armadilhas dos que fazem o mal. 10) Que os maus caiam nas suas próprias armadilhas, e que eu consiga escapar são e salvo! Salmo 141:9-10