Cartazes de informação na Escola Secundária do Cartaxo

752 views
666 views

Published on

Published in: Education
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
752
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
22
Actions
Shares
0
Downloads
2
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Cartazes de informação na Escola Secundária do Cartaxo

  1. 1. A mulher ideal em 1948<br />(retirado da Revista Menina e Moça, Nº 9, Janeiro 1948, A Mulher Ideal)<br />“Há homens que desejariam casar-se, mas hesitam, têm medo… (…) Ouçamos um, que vai dizer-nos os defeitos que teme e as qualidades que sonha na companheira da sua vida (…)<br />Desejaria uma mulher capaz de dirigir um bom jantar ou até de o fazer (…) Mas que não me massacrasse com queixas por causa do racionamento e dificuldades do mercado: (…) o preço das batatas. Nem me contasse indetermináveis histórias domésticas: a criada que namora um polícia (…)<br />Uma mulher que me deixasse ler o jornal em paz, sem me interromper (…) ou ficando amuada porque não lhe presto atenção…<br />Uma mulher que quando eu estivesse a trabalhar soubesse fazer silêncio à minha roda (…) <br />Uma mulher que não olhasse para a minha mãe com olhos de nora ciumenta (…)<br />Uma mulher que não me esgotasse a paciência fazendo-me esperar… Que estivesse pronta a tempo (…)<br />Uma mulher que não me desequilibrasse o orçamento com contas da modista (…)<br />Uma mulher sincera e leal (…)<br />Uma mulher que não fizesse questão de tudo, mal humorada e agressiva como um gato assanhado…<br />Uma mulher capaz de compreender a doce sujeição que a esposa deve ao marido (…)<br />Uma mulher que não continuasse a flirtar depois de casada (…)<br />Uma mulher que não fosse desconfiada como um detective amador que revista os bolsos, cheira a roupa (…)<br />Uma mulher que não fosse inquisitorial com as suas perguntas: “Onde estiveste? Com quem falaste? Que fizeste? Porque te demoraste?” <br />Uma mulher que não fosse uma máquina falante, tagarelando sem descanso (…)<br />Uma mulher que não me fizesse sair para a rua marcado como um palhaço quando à saída de casa me desse um beijo de despedida…<br />Por conseguinte, a mulher ideal deverá ser boa dona de casa (…) compreensiva (…) afectuosa para a família do marido, pontual (…) económica, sincera e leal, com bom génio, dócil, séria, confiante, pouco tagarela e sem usar “baton”. Será alguma de vós ó melro branco?!...”<br />A verdadeira história da mulher Conta uma lenda que, no princípio do mundo, quando Deus decidiu criar a mulher, viu que havia esgotado todos os materiais para fazer o homem. Diante do dilema e depois de uma profunda meditação, fez o seguinte: Agarrou a forma arredondada da lua, As suaves curvas das ondas, A terna aderência das bromélias, O trémulo movimento das folhas, A forma esbelta da palmeira, A nuance delicada das flores, O amoroso olhar do cervo, A alegria do raio de sol, As gotas do choro das nuvens, A inconstância do vento, A fidelidade do cão, A vaidade do pavão, A suavidade da pena do cisne, A dureza do diamante, A doçura da pomba,A crueldade do tigre, O ardor do fogo, E a frieza da neve. Misturou ingredientes tão diferentes e formou a mulher! E colocou-a ao lado do homem.Depois de uma semana, o homem veio e disse-Lhe : - Senhor, a criatura que concebeu para estar ao meu lado dá cabo de mim, quer toda a minha atenção, nunca me deixa sozinho, fala sem parar, chora sem motivo e diverte-se fazendo-me sofrer. Venho devolvê-la porque não posso viver com ela. - Está bem, respondeu Deus, segurando a mulher. Uma semana passou e o homem voltou e disse-Lhe: - Senhor, estou muito sozinho desde que devolvi a criatura que fizeste para mim, ela cantava e brincava ao meu lado, olhava-me com ternura e o seu olhar era uma carícia, ria e o seu riso era música, era bonito de se ver e suave ao tacto. Devolva-ma! Não posso viver sem a mulher!!!<br /> HYPERLINK "http://femininisses.blogspot.com/2011/02/curiosidades-sobre-as-mulheres.html" Curiosidades sobre as mulheres! <br />          A revista Happy (destinada ao público feminino) de Fevereiro de 2011 publicou um artigo muito interessante, onde reunia alguns estudos sobre as mulheres. Estes estudos foram feitos por psicólogos, cientistas e antropólogos de diversas universidades de diversos países.<br />          Querem saber o que dizem estes estudos incríveis? <br />Rivalidade feminina <br /> Quando as mulheres estão férteis, compram roupas mais sexy e ousadas, para impressionar outras mulheres, de forma a superar as mulheres rivais. <br />Meninas, então?! Não é preciso guerra!<br />Homens de vermelho <br />Este estudo revela que as mulheres são mais atraídas por homens de vermelho, pois a cor vermelha, está ligada ao sexo. <br />Concordam?<br />O café torna o peito mais pequeno <br />É verdade… Estes estudos demonstram que as mulheres que consomem muito café podem ficar com o peito mais pequeno, pois metade das mulheres tem um gene que faz ligação entre o tamanho do peito e o consumo de café! Neste estudo, acrescenta-se ainda que o café reduz também o risco do cancro da mama.<br />Gossip! <br />Está comprovado cientificamente que o tão famoso “gossip” faz bem à saúde das mulheres! Isto porque aumenta o nível de progesterona (hormona que reduz os níveis de ansiedade e stress)<br />Estudar aumenta o consumo de álcool <br />Ao que parece, as mulheres universitárias têm mais tendência a meterem-se nos copos. Estas pesquisas demonstram que quanto mais instruída for uma mulher, mais tendência tem a consumir álcool.<br />Curiosidades sobre as mulheres! (Parte 2)<br />          A revista Happy (destinada ao público feminino) de Fevereiro de 2011 publicou um artigo muito interessante, onde reunia alguns estudos sobre as mulheres. Estes estudos foram feitos por psicólogos, cientistas e antropólogos de diversas universidades de diversos países.<br />          Querem saber o que dizem estes estudos incríveis? <br />Virgens mais tarde <br />Este estudo revela que as mulheres com irmãos mais novos têm tendência a perder a virgindade dois anos mais tarde do que a média. Só revela o lado protector da mulher! <br />Pesadelos assustadores <br />Surpreendentemente, são as mulheres que têm pesadelos mais assustadores em comparação aos homens! Isto está comprovado pelo estudo, que se serviu da temperatura do corpo que muda devido ao ciclo menstrual.<br />Será ela uma ameaça? <br />Afinal as mulheres não têm “faro” para detectar possíveis ameaças, mas sim “ouvido”! Vários antropologistas acreditam que as mulheres conseguem descobrir através das vozes mais agudas das outras mulheres, as que possam representar uma ameaça para o seu relacionamento. Meninas, estejam atentas e de “ouvidos bem abertos”.<br />Quando se faz mais compras <br />Se sempre quiseram saber quando é que as mulheres gastam mais dinheiro nas compras de forma impulsiva, aqui têm a resposta: no final do período menstrual! É verdade! Agora já sabem quando é que têm que esconder as carteiras para não resistirem à tentação.<br />Quanto é que uma mulher chora? <br />Em toda a sua vida, uma mulher é capaz de estar 16 meses seguidos a chorar. Desde que nasce, até aos 78 anos, chora cerca de 12 mil horas. Não se esqueçam que as lágrimas diminuem o desejo sexual do homem!<br />Diz-me onde habitas… Dir-te-ei quem és!<br />(retirado da revista “Menina e Moça” nº 78, Janeiro de 1954)<br />Em tempos, vimos como determinado artista catalogava as parisienses conforme a casa que residiam. Segundo ele, o género da casa deixa adivinhar os hábitos, manias e preferências dos seus moradores. Numa adaptação, alterando textos e ilustrações, apresentamos às nossas leitoras as particularidades das lisboetas… consoante o prédio onde moram. Evidentemente que há muito de arbitrário, e ainda mais de fantasia, nesta “catalogação”, mas nem por isso deixa de ter a sua graça.Habita:Uma casa antiga apalaçadaUm andar num prédio modernoUm estúdio género americanoUm quarto andar sem elevadorLancha:Na BenardNo ImpérioNa Brasileira do ChiadoNuma pastelaria recatadaJanta:Às 9Às 8 12A qualquer horaÀs 8Passa as férias:Na Granja e no seu solar da provínciaNo Estoril, na FigueiraEm parte nenhuma. Vai nos fins-de-semana a qualquer praiaNa outra BandaDesporto favorito:Ténis e equitaçãoNatação e automobilismoFumar nos intervalos em que não trabalhaCiclismoPenteado:Cabelos curtos mas não em excesso. Vai de mês a mês ao cabeleireiroCabelos curtíssimos. Vai todas as semanas ao cabeleireiroCabelos compridos e lisos. Nunca vai ao cabeleireiroCabelos nem curtos nem compridos. Vai de seis em seis meses ao cabeleireiro fazer uma permanente que “dure”Jóias:Estão sempre no cofre. Usa apenas o anel de brasão.Pulseiras que oiro com berloques, broche de diamantes, anel de pedra volumosa. Às vezes põe tudo isso.NenhumaAnel de diamantes pequeninos. Brincos de fantasiaBebida preferida:CháAperitivosCaféVinho tinto ou brancoNão casa com:Um rapaz que não seja de boa ascendênciaUm rapaz de situação instávelUm burguêsUm boémioNão perde:Um concerto em S. CarlosA estreia duma fita Uma exposição de pinturaUm saldo numa lojaA sua ambição:Que nada se modifiqueSer convidada para recepções diplomáticasIr a Paris e conhecer MontparnasseTer um automóvel<br />Frases retiradas de Revistas Femininas das décadas de 50 e 60:<br />“Não se deve irritar o homem com ciúmes e dúvidas".(Jornal das Moças, 1957)<br />“Desordem na casa de banho, desperta no marido vontade de ir tomar banho fora de casa". (Jornal das Moças, 1965)<br />"Se o seu marido fuma, não discuta pelo simples facto de deixar cair cinza no tapete.Espalhe cinzeiros por toda a casa".(Jornal das Moças, 1957)<br />"Sempre que o marido sair com os amigos e chegar a altas horas da noite, espere-o linda, perfumada e dócil".(Jornal das Moças, 1958)<br />"O lugar de mulher é no lar.O trabalho fora de casa masculiniza".(Revista Querida, 1955)<br />Origem do Dia Internacional da Mulher<br />O dia 8 de Março é, desde 1975, comemorado pelas Nações Unidas como Dia Internacional da Mulher<br />Neste dia, do ano de 1857, as operárias têxteis de uma fábrica de Nova Iorque entraram em greve ocupando a fábrica, para reivindicarem a redução de um horário de mais de 16 horas por dia para 10 horas. Estas operárias, que recebiam menos de um terço do salário dos homens, foram fechadas na fábrica onde, entretanto, se declarara um incêndio, e cerca de 130 mulheres morreram queimadas.<br />Em 1903, profissionais liberais norte-americanas criaram a Women's Trade Union League. Esta associação tinha como principal objectivo ajudar todas as trabalhadoras a exigirem melhores condições de trabalho.<br />Em 1908, mais de 14 mil mulheres marcharam nas ruas de Nova Iorque: reivindicaram o mesmo que as operárias no ano de 1857, bem como o direito de voto. Caminhavam com o slogan "Pão e Rosas", em que o pão simbolizava a estabilidade económica e as rosas uma melhor qualidade de vida.<br />Em 1910, numa conferência internacional de mulheres realizada na Dinamarca, foi decidido, em homenagem àquelas mulheres, comemorar o 8 de Março como "Dia Internacional da Mulher".<br />Por Araújo Pereira, no poema Martírios de Santa diz:<br />(...)<br />A moda te martiriza<br />Como dura aquisição<br />Cria a consciência lisa.<br />Não espelhes imitação<br />Larga tudo, tem juízo,<br />Deixe a moda tresloucada,<br />Deita os sapatos, vá, fora,<br />Andas melhor descalça.<br />(...)<br />E os sapatos<br />Com saltos<br />Tão altos<br />Plo jeito<br />Parecem<br />Torres<br />De, ao longe,<br />Observar.<br />E depois são feios<br />E fazem-te mau andar.<br />Não reparas, se caminhas,<br />Que te trepidam os seios?<br />“A maneira como a mulher é tratada indica que lhe são atribuídas, pelo senso comum, um conjunto de características como a vaidade, a futilidade, a falta de inteligência ou as “ cabeças vazias”, o seguidismo cego face à moda, a bisbilhotice e a maledicência, a falta de pontualidade, a incapacidade de manter um segredo, o serem volúveis, etc.”<br />Preços de cabeleireiro feminino<br />ServiçosPreçosCorte de cabelo de Senhora5$00Ondulação “Marcel”7$50Ondulação IndesfrisávelDesde 100$00Aplicações de tinturasDesde 20$00Massagens e Manicure5$00<br />(Fonte: ABC, 05/04/1928 : 26)<br />Porque é que as mulheres vão juntas à casa de banhoO grande segredo de todas as mulheres a respeito da casa de banho é que, quando eras pequenina, a tua mamã levava-te à casa de banho, ensinava-te a limpar o tampo da sanita com papel higiénico e depois punha tiras de papel cuidadosamente no perímetro da sanita.Finalmente instruía-te: "nunca, nunca te sentes numa casa de banho pública!" E depois ensinava-te a "posição", que consiste em balançar-te sobre a sanita numa posição de sentar-se sem que o teu corpo tenha contacto com o tampo."A Posição" é uma das primeiras lições de vida de uma menina, importante e necessária, que nos acompanha para o resto da vida. Mas ainda hoje, nos nossos anos de maioridade, "a posição" é dolorosamente difícil de manter, sobretudo quando a tua bexiga está quase a rebentar.Quando “TENS” de ir a uma casa de banho pública, encontras uma fila enorme de mulheres que até parece que o Brad Pitt está lá dentro. Por isso, resignas-te a esperar, sorrindo amavelmente para as outras mulheres que também cruzam as pernas e os braços, discretamente, na posição oficial de “estou aqui estou-me a mijar!”. Então verificas por baixo de cada cubículo para ver se não há pernas. Estão todos ocupados.Finalmente, abre-se uma e lanças-te lá para dentro, quase derrubando a pessoa que ainda está a sair.Entras e vês que a fechadura está estragada (está sempre!). Não importa… Penduras a mala no gancho que há na porta… QUAAAAAL? Nunca há gancho!Inspeccionas a zona, o chão está cheio de líquidos indefinidos e fétidos, e não te atreves a pousá-la lá, por isso penduras a mala no pescoço enquanto vês como balança debaixo de ti, sem contar que a alça te desarticula o pescoço, porque a mala está cheia de coisinhas que foste metendo lá para dentro, durante 5 meses seguidos, e a maioria das quais não usas, mas que tens no caso de…Mas, voltando à porta… como não tinha fechadura, a única opção é segurá-la com uma mão, enquanto com a outra baixas as calças num instante e pões-te “na posição”…AAAAHHHHHH… finalmente, que alívio… mas é aí que as tuas coxas começam a tremer… porque nisto tudo já estás suspensa no ar há dois minutos, com as pernas flexionadas, as cuecas a cortarem-te a circulação das coxas, um braço estendido a fazer força na porta e uma mala de 5 quilos a cortar-te o pescoço!Gostarias de te sentar, mas não tiveste tempo para limpar a sanita nem a tapaste com papel. Interiormente achas que não iria acontecer nada, mas a voz da tua mãe faz eco na tua cabeça “nunca te sentes numa sanita pública”, e então ficas na “posição de águiazinha”, com as pernas a tremer… e por uma falha no cálculo de distâncias, um finííííssimo fio do jacto salpica-te e molha-te até às meias!!Com sorte não molhas os sapatos… é que adoptar “a posição” requer uma grande concentração e perícia.Para distanciar a tua mente dessa desgraça, procuras o rolo de papel higiénico, mas nãooooo háááá!!! O suporte está vazio!Então rezas aos céus para que, entre os 5 quilos de bugigangas que tens na mala, pendurada ao pescoço, haja um miserável lenço de papel… mas para procurar na tua mala tens de soltar a porta… ? Duvidas um momento, mas não tens outro remédio. E quando soltas a porta, alguém a empurra, dá-te uma trolitada na cabeça que te deixa meio desorientada mas rapidamente tens de travá-la com um movimento rápido e brusco enquanto gritas OCUPAAAAAADOOOOOOOOO!!E assim toda a gente que está à espera ouve a tua mensagem e já podes soltar a porta sem medo, ninguém vai tentar abri-la de novo (nisso as mulheres têm muito respeito umas pelas outras).Encontras o lenço de papel! Está todo enrugado, tipo um rolinho, mas não importa, fazes tudo para esticá-lo; finalmente consegues e limpas-te. Mas o lenço está tão velho e usado que já não absorve e molhas a mão toda; ou seja, valeu-te de muito o esforço de desenrugar o maldito lenço só com uma mão.Sem contar com o galo da marrada da porta, o linchamento da alça da mala, o suor que te corre pela testa, a mão a escorrer, a lembrança da tua mãe que estaria envergonhadíssima se te visse assim… porque ela nunca tocou numa sanita pública, porque, francamente, tu não sabes que doenças podes apanhar ali, que até podes ficar grávida… Estás exausta! Quando páras já não sentes as pernas, arranjas-te rapidíssimo e puxas o autoclismo a fazer malabarismos com um pé, muito importante!Depois lá vais pró lavatório. Está tudo cheio de água (ou xixi? lembras-te do lenço de papel…), então não podes soltar a mala nem durante um segundo, pendura-la no teu ombro; não sabes como é que funciona a torneira com os sensores automáticos, então tocas até te sair um jactozito de água fresca, e consegues sabão, lavas-te numa posição do corcunda de Notre Dame para a mala não resvalar e ficar debaixo da água.Nem sequer usas o secador, é uma porcaria inútil, pelo que no fim secas as mãos nas tuas calças – porque não vais gastar um lenço de papel para isso – e sais…Nesse momento vês o teu namorado, ou marido, que entrou e saiu da casa de banho dos homens e ainda teve tempo para ler um livro de Jorge Luís Borges enquanto te esperava.“Mas por que é que demoraste tanto?” - pergunta-te o idiota.“Havia uma fila enorme” - limitas-te a dizer.E é esta a razão pela qual as mulheres vão em grupo à casa de banho, por solidariedade: uma segura-te na mala e no casaco, a outra na porta e a outra passa-te o lenço de papel debaixo da porta, e assim é muito mais fácil e rápido, pois só tens de te concentrar em manter “a posição” e “a dignidade”.<br />

×