Your SlideShare is downloading. ×
0
Apresentação KMBrasil 2011
Apresentação KMBrasil 2011
Apresentação KMBrasil 2011
Apresentação KMBrasil 2011
Apresentação KMBrasil 2011
Apresentação KMBrasil 2011
Apresentação KMBrasil 2011
Apresentação KMBrasil 2011
Apresentação KMBrasil 2011
Apresentação KMBrasil 2011
Apresentação KMBrasil 2011
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Apresentação KMBrasil 2011

441

Published on

"A influência dos estilos de liderança no uso de redes sociais digitais", apresentado no XI Congresso Brasileiro de Gestão do Conhecimento - KMBRASIL, São Paulo, 2011.

"A influência dos estilos de liderança no uso de redes sociais digitais", apresentado no XI Congresso Brasileiro de Gestão do Conhecimento - KMBRASIL, São Paulo, 2011.

Published in: Education
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
441
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
0
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  1. A Influência dos Estilos de Liderança no uso de Redes Sociais Digitais Felipe Amaral Borges Marcon Perez¹ Terezinha Angeloni² Flavia Panazzolo Maciel³ Rafael Ávila Faraco 4 1, 3 – Programa de Pós-graduação em Administração - UFSC; 2 – SG – Educação Empresarial 4 – Universidade do Sul de Santa Catarina – UNISUL Florianópolis – SC – felipe@felipeperez.net
  2. Organizações, Redes e Incubadoras de Empresas <ul><li>REDE – de armadilha a conexão digital </li></ul><ul><ul><li>Pesquisa social sobre redes sociais se iniciam ao fim da II Guerra Mundial e ganham fôlego após o fim da guerra fria (MARTELETO, 2001) ; </li></ul></ul><ul><li>Castells (2003) define como um conjunto abrangente de conexões entre elementos que têm relação de fato ; </li></ul><ul><li>Granovetter – Sociologia Econômica </li></ul><ul><li>DiMaggio e Powell – relacionando com práticas organizacionais </li></ul><ul><li>Mizruchi – Sociologia Estrutural (remonta a Durkheim, Marx e Simmel) </li></ul>
  3. Organizações, Redes e Incubadoras de Empresas <ul><li>Destaca-se a relevância dos relacionamentos entre as organizações – capital de relacionamento (EDVINSSON, 2003) </li></ul><ul><li>Incubadoras empresariais </li></ul><ul><ul><li>Têm o potencial de fomentar este relacionamento </li></ul></ul><ul><ul><li>Abrigam PMEs – que formam redes de cooperação na busca de objetivos comuns (BALLESTRIN; VARGAS, 2004) </li></ul></ul><ul><ul><li>Devem favorecer a aproximação entre empresas e universidades (LIMA; TEIXEIRA, 2001) </li></ul></ul><ul><ul><li>Empresas graduadas (após a incubação) devem manter o vínculo com as redes formadas na incubadora – mas estes laços são frequentemente rompidos (SERRA et al, 2008) </li></ul></ul>
  4. Uso das Redes Sociais Digitais em Organizações <ul><li>Intraorganizacional </li></ul><ul><ul><li>Comunicação Interna </li></ul></ul><ul><ul><li>Formação de uma cultura compartilhada </li></ul></ul><ul><ul><li>Conectar profissionais de alto desempenho e com boas práticas </li></ul></ul><ul><ul><li>Formar comunidades virtuais </li></ul></ul><ul><li>Interorganizacional / Extraorganizacional </li></ul><ul><ul><li>Conectar profissionais, especialistas, pesquisadores em busca de soluções e inovação </li></ul></ul><ul><ul><li>Promover a colaboração com universidades, institutos de pesquisa, clientes e fornecedores com vistas à inovação aberta – Open Innovation </li></ul></ul><ul><ul><li>Marketing e relacionamento com o cliente – parte do controle está na mão dos clientes </li></ul></ul><ul><ul><li>Recrutamento e seleção – localização de especialistas, indicação e referências </li></ul></ul><ul><ul><li>(CROSS; THOMAS, 2009; MARTÍNEZ-TORRES et al ., 2010; ARCHIBALD; MCDERMONT, 2010; HASGALL; SHOHAM, 2007; PEREIRA, 2009; TERRA, 2009; BUGHIN et al , 2008; ALMIRAL; CASADESUS-MASANELL, 2010; BAIRD; GONZALEZ-WERTZ,2011; CARMICHAEL, 2011) </li></ul></ul>
  5. O papel das lideranças nas organizações <ul><li>Todas as ações adotadas, todas as decisões a que um gestor está sujeito, são influenciadas por seu estilo de liderança </li></ul><ul><li>Blake e Mouton (1975) – Grid de Liderança </li></ul><ul><ul><li>Estilos : Autoridade-obediência; empobrecido; meio de estrada; country club </li></ul></ul><ul><li>Likert (1979) </li></ul><ul><ul><li>Estilos : autoritário-rígido; autoritário-benevolente; participativo-consultivo; participativo-grupal </li></ul></ul><ul><li>Atkins e Katcher (1973) – LIFO: Life Orientation </li></ul><ul><ul><li>Estilos : dá e apóia; toma e controla; mantém e conserva; adapta e negocia. </li></ul></ul><ul><li>Hesey e Blanchard (1986) – Liderança Situacional </li></ul><ul><ul><li>Posturas : Determinar; Persuadir; compartilhar; delegar </li></ul></ul>
  6. Método <ul><li>Analisar a relação entre os estilos de liderança e o uso das redes sociais digitais nas organizações. </li></ul><ul><li>Abordagem quantitativa </li></ul><ul><li>Levantamento nas empresas incubadas física ou virtualmente no MIDI – Tecnológico, incubadora mantida pela Associação Catarinense de Empresas de Tecnologia – ACATE </li></ul><ul><li>Coleta de dados por meio de questionários eletrônicos com 15 questões fechadas e 6 abertas (não obrigatórias) </li></ul><ul><li>População: 20 empresas incubadas (2010); obtendo-se 17 questionários respondidos . </li></ul><ul><li>Dados quantitativos analisados por meio de estatística descritiva – teste Qui-quadrado (χ²) e qualitativos por análise de conteúdo </li></ul>
  7. Análise dos resultados <ul><li>Incentivam relacionamentos informais e reconhecem o seu valor (65% - 77%) </li></ul><ul><li>Sabem que os colaboradores usam RSD (82%); não incentivam o uso profissional (35%);não orientam (70%); líderes usam para fins pessoais (60%) </li></ul><ul><li>O acesso só é restrito ou bloqueado em 6% das empresas; </li></ul><ul><li>Líderes caracterizam as empresas como democráticas e participativas; </li></ul><ul><li>Mas apresentam estilos rígidos, autoritários e coercitivos: “autoritário-rígido” / “autoritário benevolente”; “toma e controla” / “mantém e conserva”; “determinar”, e “persuadir” </li></ul>
  8. Análise dos resultados - Ferramentas- <ul><li>LinkedIn – site de redes sociais mais utilizado (sendo usado somente pelos gestores); </li></ul><ul><li>Wikis (de uso interno): ferramenta mais comum (60%); </li></ul><ul><li>Fóruns (externos) (53%); blogs (47%). </li></ul><ul><li>A maior parte das empresas submente as publicações à aprovação prévia; </li></ul><ul><li>Os líderes acreditam que as Redes Sociais Digitais: </li></ul><ul><li>aumentam o compartilhamento de conhecimento (82%); </li></ul><ul><li>diminui a concentração dos colaboradores (47%); </li></ul><ul><li>prejudica a produtividade (24%); </li></ul><ul><li>pode colocar em risco informações estratégicas (35%); </li></ul>
  9. Conclusões <ul><li>Líderes autoritários, mas efetiva utilização: evidencia o potencial de ação das Redes Sociais Digitais; </li></ul><ul><li>O uso se dá mediante regras, restrições e medidas procedurais, condizentes com estilo autoritário; </li></ul><ul><li>Muito embora o relacionamento por meio de RSD supere as restrições impostas, é duramente marcado pelas características de controle e dominação dos líderes; </li></ul>- O que tudo isso significa? A comunicação e o relacionamento por meio da Internet são capazes de subverter as normas e regulamentos, bem como os modelos instituídos de concentração de poder. (CASTELLS, 2001) O uso de RSD no contexto corporativo é inexorável, todavia, organizações onde prevaleçam posturas autocráticas e hierárquico-funcionais dificilmente poderão aproveitar todos os benefícios destas ferramentas, podendo comprometer o seu futuro (TERRA, 2009).
  10. REFERÊNCIAS <ul><li>ALMIRALL, E.; CASADESUS-MASANELL, R. Open Versus Closed Innovation: A Model of Discovery and Divergence. The Academy Of Management Review (AMR) , v. 35, n. 1, p.27-47, jan. 2010. </li></ul><ul><li>ARCHIBALD, D; MCDERMOTT, R; ARCHIBALD, D. Harnessing your staff’s informal networks. Harvard Business Review , v. 88, n. 3, p.82-89, mar. 2010. </li></ul><ul><li>BALESTRIN, A.; VARGAS, L. M. A dimensão estratégica das redes horizontais de PMEs: Teorização e evidências. Revista de Administração Contemporânea : Edição Especial, São Paulo, p.203-227, 2004. </li></ul><ul><li>BLAKE, R. R.; MOUTON, J. S. O Grid Gerencial. São Paulo: Pioneira, 1975. </li></ul><ul><li>______. O Novo Grid Gerencial. São Paulo: Pioneira, 1986. </li></ul><ul><li>BUGHIN, J. et al. The next step in open innovation. Mckinsey Quarterly , New York, v. 4, p.112-122, 2008. </li></ul><ul><li>CROSS, R. THOMAS, R. Redes Sociais . São Paulo: Gente, 2009. </li></ul><ul><li>EDVINSSON, L. Longitude Corporativa: Navegando pela Economia do Conhecimento. São Paulo: M. Books do Brasil, 2003. </li></ul><ul><li>GRANOVETTER, M. Ação econômica e estrutura social: O problema da imersão. In: MARTES, Ana Cristina Braga. Redes e Sociologia Econômica. São Carlos: Edufscar, 2009. Cap. 1, p. 31-68. </li></ul><ul><li>______. The Strenght of Weak Ties. The American Journal of Sociology. Vol. 78, n. 6, p. 1360-1380, maio de 1973. </li></ul>
  11. REFERÊNCIAS <ul><li>HEDIN, H. Market Intelligence Is Now More Socially Engaged. Information Today , [s.l.], p.20, abr. 2010. </li></ul><ul><li>HEDIN, Hans. Market Intelligence Is Now More Socially Engaged. Information Today , [s.l.], p.20, abr. 2010. </li></ul><ul><li>HERSEY, P.; BLANCHARD, K. H.. Psicologia para administradores: a teoria e as técnicas da liderança situacional. São Paulo: EPU, 1986. 254 p. </li></ul><ul><li>HERSEY, P.; BLANCHARD, K. H.. Psicologia para administradores: a teoria e as técnicas da liderança situacional. São Paulo: EPU, 1986. 254 p. </li></ul><ul><li>MARTÍNEZ-TORRES, M. R. et al . The role of Internet in the development of future software projects. Internet Research , [s.l.], v. 20, n. 1, p.72-86, 01 jan. 2010. Disponível em: <www.emeraldinsight.com/1066-2243.htm>. Acesso em: 17 mar. 2011. </li></ul><ul><li>MIZRUCHI, M. S. Análise de redes sociais: Avançoes recentes e controvérsias atuais. In: MARTES, Ana Cristina Braga. Redes e Sociologia Econômica. São Carlos: Edufscar, 2009. Cap. 4, p. 131-159. </li></ul><ul><li>POWELL, W. W.; SMITH-DOERR, L.. Networks and Economic Life. In: SMELSER, N. J.; SWEDBERG, R. (Comp.). The Handbook of Economic Sociology. 2. ed. Princerton, Nj: Princeton University, 2003. p. 379-402. </li></ul><ul><li>SERRA, F. R. et al . Inovação e redes de relacionamento na geração de conhecimento em incubadoras . globADVANTAGE Working Paper. N.º 14, p. 1-33, 2008. </li></ul><ul><li>TERRA, J. C. C. Gestão 2.0 . São Paulo: Campus Elsevier, 2009. </li></ul>

×