Coesão e corencencia

309 views
205 views

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
309
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
1
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Coesão e corencencia

  1. 1. A construção de um texto A COESÃO E A COERÊNCIA
  2. 2. Coesão: definição Tomasi pg. 197 Fenômeno que diz respeito ao modo como os elementos lingüísticos presentes na superfície textual se encontram interligados, por meio de recursos também lingüísticos, formando seqüências veiculadoras de sentidos.Prof. Alan Victor - Relações Públicas & Marketing
  3. 3. Coesão: ideia geral É a estrutura do pensamento. A co-relação das ideias em um texto. São os links que deixam o texto coeso e com sentido. Diz respeito ao uso de nexos lingüísticos e para isso é preciso por exemplo o conhecimento do uso correto dos porquês e do mas e mais.Prof. Alan Victor - Relações Públicas & Marketing
  4. 4. Coesão: exemplo prático “Choveu, mas fez frio.”Compreende-se: Se choveu, é provável que se faça frio. O uso da conjunção mas dá ideia de adversidade. Chover e fazer frio não passa a ideia de adversidade. Mais correto seria o uso da conjunção aditiva “e”.Prof. Alan Victor - Relações Públicas & Marketing
  5. 5. Coerência: definição Tomasi pg. 231 A coerência é uma característica textual que depende da interação do texto, seu produtor e aquele que procura compreendê-lo.Prof. Alan Victor - Relações Públicas & Marketing
  6. 6. Coerência: ideia geral Diferente da coesão, a coerência diz respeito ao ordenamento das ideias e não simplesmente ao uso devido e correto de links lingüísticos. É compreender, por exemplo as causa e as conseqüências de um fato narrado em um texto.Prof. Alan Victor - Relações Públicas & Marketing
  7. 7. Coerência: exemplo prático “Jogamos na defesa para podermos atacar mais.”Compreende-se : Jogar na defesa compreende se defender. Jogar na defesa compreende não atacar ou no máximo contra-atacar. Jogar na defesa não compreende atacar mais.Prof. Alan Victor - Relações Públicas & Marketing

×