Your SlideShare is downloading. ×
Fraturas (SONAFE GO)
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×

Saving this for later?

Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime - even offline.

Text the download link to your phone

Standard text messaging rates apply

Fraturas (SONAFE GO)

434
views

Published on

Apresentação de casos clínicos sobre fraturas realizado em reunião científica da SONAFE - GO.

Apresentação de casos clínicos sobre fraturas realizado em reunião científica da SONAFE - GO.

Published in: Health & Medicine

0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
434
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
2
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Fraturas  em  MMII   Esp.  Felipe  M.  Campos   SONAFE  360  
  • 2. Caso  Clínico  1   Pte   18   anos,   sexo   masculino,   militar   (nadador)   com  queixa  principal  de  dor  no  tornozelo  direito   após  trauma  no  tornozelo  combinado  de  flexão   plantar  eversão  (3  dias  antes).   Totalmente  incapaz  de  suportar  o  peso  sobre  o   membro   inferior   direito   devido   à   dor.   Apresentava   edema,   diminuição   de   ADM   em   todos   os   planos   devido   à   dor.   Sensibilidade   à   palpação  no  aspecto  posterior  da  Qbia  distal.  
  • 3. Caso  Clínico  1   Conduta?     •  Paciente   foi   imediatamente   encaminhado   para   um   cirurgião   ortopédico,   que   recomendou   um   tratamento   conservador   da   fratura,   que   incluiu   o   uso   de   um   elenco   de  suporte  de  peso  durante  6  semanas,  seguido  por  um   andador  por  6  semanas  adicionais.     •  O  paciente  retornou  à  natação  2  meses  mais  tarde  e  foi   capaz   de   realizar   descarga   de   peso,   sem   dor,   4   meses   depois.  
  • 4. Caso  Clínico  2   •  Pte   sexo   feminino,   21   anos   de   idade,   que   foi   matriculada   em   um   programa   de   treinamento   militar   das   forças   de   segurança.     •  Apresentava   história   de   1   mês   de   agravamento   da   dor   no   quadril   esquerdo   anterior,   de   natureza   insidiosa   e   limitando  sua  capacidade  de  executar  movimentos.     •  A   paciente   havia   sido   previamente   avaliado   por   um   médico,   que   ordenou   as   radiografias   convencionais   dos   quadris  e  da  pelve,  que  foram  interpretadas  como  normal.   •  A   paciente   foi   diagnosZcada   como   tendo   uma   inflamação   de   quadril   esquerdo,   prescrito   AINH,   redução   das   aZvidades  e  encaminhada  para  um  fisioterapeuta.  
  • 5. Caso  Clínico  2   •  Ao   exame   sico:   apresentando   marcha   antálgica   e   i n c a p a c i d a d e   d e   s u p o r t a r   o   p e s o   unilateralmente  (MIE)  devido  à  dor.     •  ADM   aZva   e   passiva   de   coxofemoral   dolorosa   e   limitada.     •  Dor   à   palpação   da   região   do   quadril   esquerdo   anterior  até  o  trocânter  maior.     Conduta?  
  • 6. Caso  Clínico  2   •  O  paciente  foi  instruído  a  executar  a  marcha  sem   descarga  de  peso  com  muletas  axilares.   •  A  ressonância  do  quadril  esquerdo  foi  obZda.   •  A  paciente  foi  encaminhada  para  um  cirurgião   ortopédico  e  posterior  fixação  intramedular  no   mesmo  dia.     •  Após  um  período  de  convalescença  e  conclusão   de  um  programa  de  reabilitação,  o  paciente   retornou  com  sucesso  para  o  serviço  militar   completa  sem  limitações.  
  • 7. Caso  Clínico  3   •  Soldado,   34   anos   de   idade,   com   uma   queixa   de   dor  na  canela  (SIC)  anterior  bilateral  nas  úlZmas  8   semanas.   •  O   paciente   relatou   um   início   insidioso   dos   sintomas   associados   com   um   aumento   recente   nos  treinos  de  corrida.     •  Enquanto   o   paciente   apresentava   marcha   normal,   apresentava   dor   apenas   à   palpação   do   terço   médio   da   região   anterior   da   Qbia   bilateralmente,  acentuadamente  no  MID.  
  • 8. Caso  Clínico  3   • Conduta?   •  Embora   a   fratura   de   estresse   tenha   sido   facilmente   percepQvel  nas  imagens  desse  paciente,  radiografias   nem   sempre   podem   detectar   uma   fratura   por   estresse,   especialmente   nas   fases   iniciais   após   o   início  dos  sintomas.    
  • 9. Caso  Clínico  4   •  Paciente  do  sexo  masculino,  15  anos  de  idade,  com  queixa   principal   de   dor   bilateral   na   perna   pósterolateral,   acentuadamente  na  extremidade  inferior  direita.   •  O   início   dos   sintomas   ocorreu   insidiosamente,   3   meses   antes,   durante   a   época   de   treino   em   pista   coberta,   agravando  quando  iniciou  as  aZvidades  de  sprint.   •  Os   sintomas   melhoravam   temporariamente   com   breves   períodos   de   descanso,   mas   retornavam   imediatamente   com  reinício  das  aZvidades  de  corrida.   •  Ao   exame:   apresentava   dor   na   região   póstero-­‐inferior   da   perna   a   eversão   e   flexão   plantar   resisZdas,   e   dor   a   palpação  ao  longo  do  terço  médio  da  bula  bilateralmente.   Conduta?  
  • 10. Caso  Clínico  5   •  Pte   sexo   masculino,   15   anos   de   idade,   referindo   dor   na   face   medial   do   pé   direito,   tendo   começado   de   forma   insidiosa   há   6   meses,  durante  2  semanas  de  parZcipação  em   um  campeonato  de  basquete.   •  Apesar   da   queixa,   o   pte   conZnuou   a   praZcar   aZvidades  sicas  nos  úlZmos  6  meses.  
  • 11. Caso  Clínico  5   •  Paciente   apresentava   marcha   e   corrida   normais,   não   havia   sinais   de   derrame   ou   eritema   no   pé   direito  ou  tornozelo.     •  ADM   e   força   estavam   dentro   da   normalidade,   exceto   para   dorsiflexão,   que   foi   ligeiramente   diminuída  bilateralmente.   •  A   queixa   principal   era   dor   à   palpação   da   face   medial  do  navicular  direito.   •  Conduta?  
  • 12. Caso  Clínico  5   •  Paciente  passou  por  tratamento  conservador,   permanecendo   imobilizado   por   2   semanas   sem   descarga   de   peso   e   mais   4   semanas   uZlizando  disposiZvo  auxiliar.   •  O   retorno   às   aZvidades   esporZvas   aconteceu   após  5  meses.  
  • 13. Caso  Clínico  6   •  Pte   sexo   masculino,   28   anos   com   história   de   fratura   da   base   do   quinto   metatarso,   6   meses   antes,   como   resultado   de   uma   lesão   traumáZca   de  inversão  no  tornozelo  esquerdo.     •  A  dor  paciente  foi  melhorando  até  quatro  meses   após   a   lesão   inicial,   ele   tentou   correr.   Mais   especificamente,   ele   experimentou   um   aumento   de  dor  na  face  lateral  do  pé  esquerdo  e  perna.  
  • 14. Caso  Clínico  6   •  1   mês   antes   de   exacerbação   dos   sintomas,   o   exame   radiológico   demonstrava   quase   completa   cicatrização   da   fratura   na   base   do   quinto  metatarsal.   •  Ao   exame   sico:   apresentava   marcha   levemente   antálgica,   a   dor   com   eversão   contra   resistência,   e   sensibilidade   à   palpação   na  base  do  quinto  metatarso.  
  • 15. Caso  Clínico  6     • Conduta?   •  Encaminhado  para  tratamento  conservador.   •  Após   3   semanas   de   fisioterapia   os   sintomas   álgicos   reduziram   significaZvamente   e   uma   nova   radiografia   mostrou   consolidação   completa  da  fratura.  
  • 16. Caso  Clínico  7   •  Pte  sexo  masculino,  33  anos,  com  queixa  de  dor   no   joelho   esquerdo,   depois   de   uma   crise   epilépZca.     •  Presença   de   dor   na   região   medial   do   joelho,     descrita   como   uma   dor   de   constante,   profunda,   que  piorava  com  sustentação  de  peso.   •  História   de   acidente   cerebrovascular   dois   anos   antes   deste   incidente,   que   resultou   na   negligência   hemicorpo   esquerdo   e   hemiparesia,   sendo  necessário  o  uso  de  uma  bengala  de  ponto   único  para  a  deambulação.  
  • 17. Caso  Clínico  7   •  Exame   sico:   2   semanas   após   o   início   de   sua   dor   no   joelho,  o  paciente  só  foi  capaz  de  percorrer  distâncias   curtas  com  uma  bengala  de  4  pontos,  devido  a  dor  no   joelho.     •  Seu   exame   no   joelho   era   normal   e   não   reproduzia   a   sua  queixa  principal  de  dor  no  joelho  esquerdo.   •  O   exame   de   seu   quadril   esquerdo   revelou   ADM   acentuadamente  diminuída,  com  a  reprodução  de  dor   do  paciente  joelho  esquerdo.   •  Após  exame  de  raio-­‐x  foi  encaminhado  para  cirurgia  2   dias  após.  
  • 18. Convite   14  a  17  de  novembro    -­‐  www.sonafe2013.com      
  • 19. Convite  
  • 20. Obrigado!   felipe@labormednet.com.br   (62)  8123  3854   http://br.dir.groups.yahoo.com/group/SONAFE-­‐GO/     Yahoo  grupos  –  SONAFE-­‐GO   Facebook  –  SONAFE  -­‐  GOIÁS