Your SlideShare is downloading. ×
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
A Kiss in Time - Alex Flinn
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

A Kiss in Time - Alex Flinn

2,693

Published on

Published in: Education
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
2,693
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
6
Actions
Shares
0
Downloads
22
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Alex FlinnA Kiss in Time Créditos: Comunidade Traduções de Livros [http://www.orkut.com.br/Main#Community?cmm=25399156] Tradução: Bruna [http://www.orkut.com.br/Main#Profile?uid=3851553126331061200] Tradução: Sabrina [http://www.orkut.com.br/Main#Profile?uid=10408905219891603142] Para Joyce Sweeney. Obrigado por tudo!
  • 2. Talia foi colocada sobre um feitiço...Jack quebrou a maldição. Falaram-me para ter cuidado com o fuso amaldiçoado, mas era tãoencantador, tão hipnótico... Eu estava procurando por uma pequena aventura no dia que eu abandoneimeu grupo de turistas. Mas encontrar uma cidade em coma, com uma garota quentedormindo nela, não era o que eu tinha em mente. Eu acordei no mesmo lugar, mas em outro tempo - com um suave beijo de umestranho. Eu não pude evitar beijá-la. Algumas vezes você apenas tem que beijaralguém. Eu não sabia que isso iria acontecer. Agora eu estou em sérios apuros porque meu pai, o rei, diz que eu trouxe aruina sobre nosso país. Eu não tenho escolha a não ser fugir com esse plebeu! Agora eu estou preso com uma princesinha malcriada e uma mala cheia dejoias... As boas noticias: Meus pais vão surtar! Acha que tem problemas de namoro? Tente trancar seus lábios com umaatraente dorminhoca que acaba por ter 316 anos. Pode um beijo transcender tudo —mesmo o tempo?
  • 3. Parte 1 Talia
  • 4. Capítulo 1 Se eu escutar uma sílaba mais sobre fusos de roca, eu vou com certezamorrer. Da minha memória mais antiga, o assunto tem sido usado até a morte nocastelo, ou melhor, em todo o reino. Foi dito que fuso, em vez de Mama ou Papa, foiminha primeira palavra na infância, e eu não tenho dúvida nenhuma que isso sejaverdade, pela palavra que ilumina com mais frequência que qualquer outra sobre osmeus ouvidos mais teimosos. “Talia, querida, você nunca deve tocar um fuso,” Mamãe diria enquanto elame colocava na cama a noite. “Eu não vou, mãe.” “Vous devez ne jamais toucher un axe,” meu tutor dizia durante minha aula defrancês. “Eu não vou,” eu disse para ele em inglês. “Se vós espiar um fuso, deveis deixá-lo sozinho,” a empregada do andar debaixo disse enquanto eu saia do castelo, sempre com minha governanta, a qual nuncame permitia um momento sozinha. Todo principezinho, princesa, ou pelo menos nobre que vinha para jogarTothe no castelo era falado sobre a restrição sobre fusos — para aqueles que não têmum secretado sobre eles em algum lugar, ou para aqueles que acreditavamerroneamente que eu era normal. Cada servente era revistado na porta, e linhas eramcompradas fora do reino. Mesmo camponeses eram proibidos de ter fusos. Foibastante inconveniente para todos os interessados. Eu tenho que dizer que eu não tenho certeza que eu reconheceria um fuso seeu visse um. Mas parece improvável que alguma vez veja. “Por que eu tenho que evitar fusos?” eu perguntei para minha mãe, na minhamemória mais antiga. “Você simplesmente tem,” ela replicou, para não me assustar, eu suponho. “Mas por quê?” eu persisti.
  • 5. Ela suspirou. “Crianças devem ser vistas, não ouvidas.” Eu perguntei varias vezes antes que ela se desculpou, alegando dor de cabeça.Tão cedo quanto ela partiu, eu comecei com minha governanta, Senhora Brooke. “Por que eu nunca posso tocar um fuso?” Senhora Brooke parecia ofendida. Não era aprovado, ela sabia, censurar umacriança real. Meu pai era um líder humano que nunca recorreu à decapitação. Ainda,ela ainda tinha o trabalho dela para considerar, se não seu pescoço. “É proibido,” ela disse. Bem, eu bati meu pé e chorei e gritei, e quando aquilofalhou produzir o resultado desejado, eu disse, “Se você não responder, eu vou contarpro meu pai que você me bateu.” “Sua malvada, menina malvada! Deus lá em cima vai te punir por essamentira!" “Ninguém pune princesas." Minha voz estava calma. Eu já tinha acabado comos gritos, agora que eu tinha descoberto uma nova moeda de troca. “Nem mesmoDeus.” “Deus se importava não por classe ou privilegio. Se você contar uma mentiratão horrível assim, você com certeza vai ser amaldiçoada." “Então você tem que me proteger de cometer tal pecado me contando o queeu desejo saber." Mesmo com quatro ou cinco, eu era precoce e determinada. Finalmente, suspirando, ela me contou.Eu tinha sido um bebê desejado-por-muito-tempo (isso eu sabia, por que isso tinhasido contado quase tão frequente quanto o discurso do fuso), e quando eu nasci, meuspais convidaram a maior parte do reino para o meu batismo, incluindo várias mulheresque segundo rumores tinham poderes mágicos. “Você quer dizer fadas?" Eu interrompi, sabendo que ela não iria falar apalavra. Senhora Brooke era altamente religiosa, o que parecia significar que elaacreditava em bruxas, que usavam as mágicas delas para o mal, mas não em fadas, queusavam seus poderes para o bem. Ainda, mesmo com quatro anos, eu sabia sobre asfadas. Todo mundo sabia. “Não há coisas como fadas," Senhora Brooke disse. “Mas sim, pessoas falavamque elas eram fadas. Seu pai deu boas vindas para elas, pois ele esperava que elas
  • 6. trouxessem presentes mágicos para você. Mas houve uma pessoa que seu pai nãoconvidou: a bruxa Malvolia.” Senhora Brooke começou a descrever, longamente e em detalhes exaustivos,a beleza do dia, a altura do sol no céu, e a importância do serviço de batizado. Fecheios olhos. Mas quando ela tentou me levar para meu quarto, eu acordei e perguntei, "Eo fuso?" “Oh! Eu pensei que você estava dormindo.” Eu continuei a demandar de saber sobre o fuso, o que levou a uma longarecitação dos presentes que eu havia recebido de vários convidados. Eu lutava para memanter atenta, mas eu me animei quando ela começou a descrever os presentes dasfadas “Violet te deu o presente da beleza, e Xanthe deu o presente da graça,embora certamente tais qualidades não podem ser dadas.”Eu não vi por que não. As pessoas frequentemente comentavam sobre minha beleza egraça. “Leila deu o presente de talento musical...” Eu pensei, comigo mesma, que eujá era bastante habilidosa em cravo*. *Cravo é a designação dada a qualquer dosmembros de uma família europeiade instrumentos musicais de tecla. “... enquanto Celia deu o presente da inteligência...". Isso continuou sem dizer. . . . Senhora Brooke continuou. “Flavia estava quase chegando mais perto paradar o presente da obediência — o que seria muito bem vindo, se eu mesma dissesse."Ela piscou para mim, mas a piscadela teve uma sugestão de aborrecimento que não foi— eu devo dizer — apreciado. “O fuso?” Eu a lembrei, bocejando.“Apenas quando Flavia estava pronta para dar um passo para frente e oferecer omuito-desejado presente da obediência, a porta da sala de grandes banquetes se abriu.A bruxa Malvolia! Os guardas tentaram a parar, mas ela forçou caminho por eles. “‘Eu exijo ver a criança! ela disse.
  • 7. “Sua babá tentou bloquear o caminho dela. Mas mais rápido que uma batidade um cílio, a babá estava no chão e Malvolia estava em cima do seu berço. “‘Ah.’ Ela te levantou e te segurou alto para todos verem. O bebêamaldiçoado.’” “Sua mãe e seu pai tentaram acalmar Malvolia com contos de convitesperdidos, mas ela repetiu a palavra amaldiçoada, várias vezes, e em seguida, ela fez amaldição em si. “‘Antes do aniversario de dezesseis anos, a princesa deve furar seu dedo comum fuso e morrer! ela rugiu. E então, tão rápido quanto ela tinha chegado, ela tinhaido. Mas o dia bonito estava arruinado, e uma chuva caiu livremente do céu.” “E então o que?” eu perguntei, longe de estar interessada no tempo agoraque eu entendia que eu poderia morrer tocando um fuso. Por que ninguém mecontou? “Flavia tentou salvar a situação com o presente dela. Ela disse que desde queos poderes de Malvolia eram imensos, ela não podia reverter o feitiço, mas ela tentoumodificá-lo um pouco." “‘A princesa não deve morrer,’ ela disse. Mas enquanto todos estavamsuspirando em alivio, ela acrescentou, ‘Embora, a princesa deva dormir. Todos oscidadãos de Euphrasia devem dormir também, protegidos do mal por esse feitiço, e oreino deve ser escurecido pela visão de um bosque gigante, despercebido pelo resto domundo, e removido dos mapas e memórias ate...’ As pessoas estavam ficando maisnervosas com cada pronunciamento. ‘... um dia, o reino deve ser redescoberto. Aprincesa deve ser acordada pelo beijo do amor verdadeiro, e o reino deve ser acordadoe se tornar visível para o mundo de novo.’” “Mas isso é estúpido!” Eu explodi. “Se todo o reino estiver dormindo eesquecido, quem vai sobrar para me beijar?” Senhora Brooke parou de falar, e então ela na verdade coçou a cabeça, comoas pessoas nas histórias fazem quando estão tentando resolver algum grande enigma.No final disso, ela disse, “Eu não sei. Alguém vai. Isso é o que Flavia disse.” Mas mesmo na minha tenra idade, eu sabia que isso era improvável.Euphrasia era pequena, limitada em três lados pelo oceano e no quarto pelo deserto.Os Belgas, os nossos vizinhos mais próximos, mal sabiam que nós existíamos, e seEuphrasia desaparecesse de vista e dos mapas, os Belgas iriam se esquecer totalmentede nós. Outras questões saltaram à mente. Como iríamos comer se estávamos todos
  • 8. dormindo? E nós não eventualmente morreríamos, como pessoas de idade morriam?Na verdade, a cura parecia pior do que o castigo original. Mas a cada pergunta sucessiva, Senhora Brooke apenas disse, "Isso é o porquêvocê nunca deve tocar um fuso." E é a noite antes do meu aniversário de dezesseis, e eu nunca toquei em umainda.
  • 9. Capítulo 2 Amanhã é meu aniversário de dezesseis anos. Eu não acho que seja necessárioexplicar a agitação que essa ocasião causou no reino. Essa é uma grande ocasião. Cadaano no meu aniversário, convidados chegam de todo o mundo para celebrar — e elestrazem presentes! Diamantes da África, cristal da Irlanda, e queijo da Suíça. Claro, omeu décimo sexto aniversário é de especial importância. Há rumores de que um navionavegou em todo o mundo, coletando itens e pessoas para o meu prazer. Eles dizemque ele ainda visitou a colônia britânica no outro lado do mundo. Eu acredito que échamada de Virgínia. Mas mais do que convidados, mais até do que os presentes, é a esperança realde que todo esse negócio do fuso vai terminar hoje. Antes do seu aniversário dedezesseis anos. Isso é o que a bruxa Malvolia tinha dito. Então, amanhã, minha mãe emeu pai se alegrarão por ter concluído a tarefa hercúlea de manter sua filha estúpidalonge um objeto doméstico comum por dezesseis anos, e então eu posso viver a vidanormal de uma princesa comum. Eu estou pronta para isso. Não é apenas evitar o fuso que tinha dificultado minha vida até agora. Em vezdisso, por isso, eu tinha sido efetivamente desligada do mundo. Outras jovens donzelasda minha estação tinham viajado para França, Índia, e mesmo as florestas da Virginia.Mas eu não fui permitida nem de fazer a menor viagem para o reino mais perto, paraum que o povo desejasse me atacar com um fuso. No castelo, as tapeçarias parecemzombar de mim com suas fotos de lugares que eu nunca vi. Eu quase não sou permitidade ir para fora, e quando eu vou, é apenas sobre a chata companhia da chata SenhoraBrooke ou alguma igualmente monótona dama-de-companhia. Eu tenho quinze anos, eeu nunca tive um único amigo. Quem quer ser amigo de uma estranha que nunca viunada ou fez nada e é guardada dia e noite? Do mesmo modo, uma jovem princesa da minha idade teria normalmentedezenas de pretendentes pedindo pela mão dela. A beleza dela seria o assunto demúsicas e histórias. Duelos seriam brigados por ela. Ela podia ate causar uma guerra,se ela fosse bonita o suficiente, e eu sou. Mas apesar de falarem da minha beleza, falam muito, não houve nem umpedido para minha mão. Meu pai diz que é porque eu ainda sou nova, mas eu sei que éuma mentira. O motivo é a maldição. Qualquer príncipe sensato preferiria uma noiva
  • 10. com sarda ou um nariz curvo que alguém como eu, a que vai entrar em coma emqualquer instante. Há uma batida na porta. Senhora Brooke! “Sua Alteza, os vestidos estãoprontos para visualização,” ela chama do lado de fora. Os vestidos! Eles foram preparados especialmente para amanhã. Vai ser amaior festa de todas. Os convidados vão chegar no palácio em carruagens ou no portoem navios. Vai haver um grande jantar a noite, e amanhã um baile com uma orquestrapara dançar e uma segunda orquestra para quando a primeira se cansar. Vai haverfogos de artifícios e garrafas de um vinho borbulhante especial feito por mongesbeneditinos na França, então uma semana de festas menores a seguir. Vai ser umfestival, um Festival da Talia. Eu vou estar no centro disso, claro, sendo cortejada portodos os príncipes e rajás, e antes que termine, eu vou ter me apaixonado — e vou terdezesseis, curada da maldição. “Sua alteza?” Senhora Brooke continuou a bater. Os vestidos — eu preciso de um para hoje à noite e vários para o baile deamanhã e uma dúzia ou mais para a semana que vem — têm que ser perfeitos. Eentão, meu pai vai falar com o alfaiate que desenhou o mais bonito e mandá-lo criarcinquenta ou mais para minha viagem de casamento pelo globo. Verdade seja dita, é a viagem, ao invés do casamento, que me atrai. Eu nãome importo de casar pelo capricho de outra pessoa. Mas é minha sorte na vida, e umacruz que eu tenho que suportar para ganhar a viagem de casamento. Eu estou maisque pronta para deixar Euphrasia, tendo sido presa aqui por dezesseis anos. E, claro,meu marido deve ser bonito, e um príncipe. Eu arremessei a porta aberta. “Bem? Onde eles estão?” Senhora Brooke fez um mapa do castelo. Eu o pego dela. Alguém tem que admirar a sua organização. Eu vejo agora queSenhora Brooke tinha marcado os quartos que vão ser usados para abrigar os nossosnumerosos convidados reais. Outros quartos estavam marcados com uma estrela. "Oque é isso?" “Na ocasião do seu ultimo aniversario, você disse para o seu pai, que naocasião desse aniversário, você iria querer o vestido mais perfeito de todo o mundo.Seu pai pegou esse pedido um pouco literalmente e mandou chamar alfaiates ecostureiras em todo o mundo. Lenços de seda da China foram colocados para essatarefa. Crianças foram tiradas de seus chalés e cabanas para girar, costurar e seremescravos, tudo pelo prazer da Princesa Talia de Euphrasia.”
  • 11. “Muito bom, Senhora Brooke.” Eu sei que ela pensa que eu sou boba emimada. Eu não fui presenteada com inteligência? Eu também sei que esse não é ocaso. Como eu posso ser mimada quando eu nunca consegui fazer uma coisa que euqueria? Eu não pedi para aquelas crianças serem puxadas de seus berços paratrabalhar para mim, mas desde que elas tinham sido, não é apenas cortesia olhar paraos seus esforços e, esperançosamente, achar um ou dois vestidos que sejamaceitáveis? Posso já imaginar o vestido na qual eu devo fazer minha entrada no baile.Vai ser verde. "O mapa?" “Sim, o mapa. Foi pedido para cada alfaiate trazer suas vinte melhorescriações, todos nas suas exatas medidas. Seu pai acredita que você pode ficarconfundida, olhando para tantos vestidos de uma vez. Portanto, ele decretou que elescolocassem em vinte e cinco salas do castelo. Desse jeito, você pode vaguear,escolhendo enquanto você vai olhando." Vinte vestidos vezes vinte e cinco alfaiates! Quinhentos vestidos! Eu fiqueitonta. “É melhor a gente começar,” eu digo para Senhora Brooke. Começamos a caminhar pelo corredor de pedra. Os primeiros quartos estãono andar em cima de nós, e enquanto a gente subia a escada, Senhora Brooke diz,“Posso te perguntar o que você vai fazer com os vestidos que não encontrarem suaaprovação?" Essa era uma pergunta com um truque, eu sabia, como todas as perguntas daSenhora Brooke, destinadas a provar que eu sou uma pirralha horrível. Por que eu meimporto com o que Senhora Brooke pensa? Mas eu me importo, pelo tanto que eu adetesto, ela é minha única companhia, e a coisa mais perto que eu tenho de umaamiga. Então eu cansei meu cérebro para uma resposta aceitável. Dar para ela? Claroque não. Os vestidos foram feito exatamente para as minhas medidas, e SenhoraBrooke, que não foi abençoada com o presente da beleza, é uma desajeitada, meiacabeça maior que eu, e robusta. “Dar eles para os pobres?” eu digo. Quando ela franze a testa, eu penso denovo. “Ou, melhor ainda, fazer um leilão e dar o dinheiro ganhado para os pobres. Paracomida." Isso! Aquilo devia satisfazer a morcega velha! E talvez não. Pelo menos, ela esta quieta enquanto nós entramos no primeiroquarto. Uma pequena desaprovação é o melhor que eu posso esperar da SenhoraBrooke.
  • 12. Vestidos cobriam as paredes, cobriam mesmo as janelas. Vinte deles, emdiferentes tecidos, diferentes formas, mas cada um deles azul! “Não foi comunicado para os alfaiates que meus olhos são verdes?” eupergunto para Senhora Brooke em um sussurro alto o suficiente para o alfaiate ouvir.Eu quero que ele ouça. De toda a estupidez! Ele escuta. “Você quer um vestido verde?” Ele tem um sotaque de algum tipo,e quando ele chega mais perto, vejo gotas de suor formando sobre sua testa. Eca. Eurealmente espero que ele tenha aparado o suor sobre seu trabalho, o que faria otecido cheirar. “Não todos verdes,” eu digo. “Mas eu não teria esperado todos azuis." “Azul, é a moda do ano,” o alfaiate suado diz. “Eu sou uma princesa. Eu não sigo modas—eu as faço.” “Eu tenho certeza que um dos vestidos azuis é aceitável.” Senhora Brooketenta acalmar as coisas com este camponês enquanto olha para mim “Talia, essehomem veio todo o caminho da Itália. Seus desenhos são os melhores do mundo.” “O que?” eu digo, querendo dizer, o que isso tem a ver comigo? “Eu disse... ah, esquece. Você não vai olhar para os vestidos agora? Porfavor?" Eu olho. Os vestidos são todos feios. Ou talvez não feios e sim chatos, combabados chatos. Chato, como tudo mais na minha vida. Ainda, eu consegui sorrir entãonão receberia outro discurso da Senhora Brooke. “Adoráveis, obrigado.” “Você gosta?” ele entra no meu caminho. Eu não teria dito se eu gostasse? Mas eu disso para ele, "Eu vou pensar sobreisso. Essa é o primeiro quarto que eu visitei." Isso parece satisfazê-lo. Pelo menos, ele tira seu suor fora do meu caminho, eeu sou posso passar para o próximo quarto. Esse quarto e os próximos dois são um pouco melhor. Eu achei um vestido,um rosa, que deve ser aceitável para um evento menor como piquenique na sexta,algum evento que eu não me importaria de parecer com a sobremesa, mas nada paravestir na Noite Mais Importante da Minha Vida.
  • 13. “Talia?” Senhora Brooke diz depois do terceiro quarto. “Talvez se você dermais que uma olhada superficial—” “Talvez se eles não fossem todos tão horríveis!” Eu estou devastada e ferida, eSenhora Brooke não entende. Como ela poderia? Quando ela era mais nova, ela podiair fazer compras e escolher a própria roupa, mesma fazer elas se ela gostasse. Eu nuncavou ser normal, mas tirando isso, eu gostaria de ser anormal em um lindo vestidoverde sem frescuras demais. “Aqui esta um verde,” Senhora Brooke diz no próximo quarto. Eu olho ameaçadoramente para ele. Os babados atingiriam meu nariz. "Issoserviria... para minha avó." “Os babados podem ser removidos?” Senhora Brooke pergunta para oalfaiate. “Você pode criar um vestido que não é inteiramente horrível?" eu acrescentei. “Talia...” “Não é nada mais que a verdade." “Pardonez moi,” o alfaiate diz. “O vestido, eu posso consertá-lo.” “Non, merci,” eu digo, e saio da sala. Na próxima, eu espio um veludo lavanda com um decote em formato decoração. Eu levanto a mão para tocar o tecido suave. “Bonito, não é?” Senhora Brooke pergunta. Eu puxo minha mãe de volta. Estou completamente farta da Senhora Brooke evestidos e minha vida. Eu tenho certeza que ela me despreza também e, de repente, acompanhia de mesmo Malvolia parece preferível à da detestável Senhora Brooke. “Você tem algo melhor?” “Talia, você esta sendo terrível.” “Eu estou sendo sincera, e eu agradeceria se você lembrasse que você está aserviço do meu pai." “Eu sei. Isso não seria o caso, por eu estar envergonhada de estar em suapresença quando você esta se comportando como uma horrível pirralha."
  • 14. Ela diz isso com um sorriso. O alfaiate, também, sorri estupidamente. Eu oencaro. “Há alguns vestidos que são menos propensos de me fazer vomitar do queesse?" O homem continua a sorrir e acena. “Ele não fala inglês,” eu digo. “Então por que você se importa do que eu falopara ele?" “Eu me importo porque eu sou forçada a ouvir você. Você ficou mais e maisinsolente nas semanas recentes. Eu estou com vergonha de você." Ela acena e sorri. Eu sinto algo como lágrimas brotando dos meus olhos. Senhora Brooke meodeia, embora ela seja obrigada a gostar de mim. Provavelmente todos os outros meodeiam, também, e meramente fingem por causa de papai. Mas eu seguro as lágrimasde volta. Princesas não choram. “Então por que não me deixa sozinha?” Eu pergunto, sorrindo como eu fuitreinada. "Por que ninguém nunca me deixa por um pequeno, solitário momento?" “Minhas ordens—” “Onde estão suas ordens para gritar para mim e me chamar de pirralha?" Eucomecei a andar para trás e para frente como um animal enjaulado. Eu sou um animalenjaulado. “Amanhã eu vou ter dezesseis. Meninas camponesas da minha idade estãocasadas com dois ou três bebês, e eu ainda não sou permitida andar por um corredordo meu próprio castelo sem supervisão." “A maldição—” “Você nem mesmo acredita na maldição! E ainda isso se tornou verdadeiro,não a parte do fuso, mas a morte... eu estou vivendo minha morte, pouco a pouco,cada dia. E quando eu tiver dezesseis e a maldição acabar, eu devo ser dada para ummarido que outra pessoa escolheu, que vai me dizer o que fazer e dizer e comer evestir para o resto da minha vida. Eu posso apenas rezar para ele ser pequeno, rezarpara a independência abençoada da sepultura. Eu vou sempre estar embaixo dasordens de alguém." Eu comecei a chorar de qualquer jeito, soluçar. Quão diferença issofaz? “Eu não posso simplesmente andar por um corredor sozinha?" Por tudo isso, o alfaiate sorri e acena. A expressão da Senhora Brooke amolece. “Eu suponho que vai estar tudocerto. Depois de tudo, os alfaiates foram exaustivamente revistados e as regelações dofuso explicadas para eles."
  • 15. “Claro que eles foram.” Eu suspiro. Senhora Brooke vira para o homem e fala com ele em francês. “Obrigado!” eu soluço. Eu aponto para o vestido lavanda e digo, em francês,"É bonito! Eu devo pegar aquele, e aquele também." Eu aponto para um cetimescarlate encantador com um decote largo nos ombros em um estilo Rainha Mary daInglaterra, um vestido que eu tinha propositalmente ignorado antes, que agora pareciabem atraente. “Muito bem.” Senhora Brooke me dá o mapa. "Apenas aponte para o quevocê quer, então eles vão separar." Eu acenei e peguei o papel dela. Eu estou livre — pelo menos por uma hora!
  • 16. Capítulo 3 Livre do estorvo que é a Senhora Brooke, eu pulei bastante pelos corredoresde pedra. Gostaria de rodar dos candelabros, eu poderia alcançá-los, mas eu mecontentei com pular em volta a eles. Minha vida não é menos horrível do que antes,mas pelo menos não há nenhuma Senhora Brooke rígida para observar o quanto éhorrível. Em pouco tempo, escolhi cinco vestidos, nenhum azul, mas nenhumsuficientemente especial para a minha entrada triunfal no meu baile de aniversário.Embora um seja verde, ele não corresponde exatamente o tom dos meus olhos. "Ele vai parecer encantador em você," diz o alfaiate, que é de Inglaterra. Claro que ele pensa assim. Eu sei o que ele esta pensando. Tendo seu vestidousado por uma princesa em uma ocasião de tanta importância, vai aumentar a suafama. Para o resto de sua vida, ele poderia chamar-se "Alfaiate de Talia, Princesa deEuphrasia". Mas seu aprendiz diz, "De fato. Pode não ser o mesmo tom de seus olhosnotáveis, mas ele vai destacá-los." O alfaiate o calou rapidamente, para que a desgraça do menino não caia sobreambos por falar assim com uma princesa. Mas eu virei para ele e sorri. Ele é da minhaidade, não mais, talvez o filho do alfaiate. E — Eu acho difícil não notar — ele é bonito.Para um plebeu. Seus olhos são da cor de centúrias. "Você acha?" Ele olha para baixo, corando. "Eu não pretendia desrespeitar, Alteza. Mas sim.Ele irá parecer encantador em você, como seria qualquer vestido." Eu imaginei como seria ser uma garota comum, que poderia flertar com umaprendiz de alfaiate tão bonito com impunidade. Ou, melhor ainda, ser o aprendiz, serum garoto, tão jovem, ainda viajando para longe de casa. E aprender alguma coisacomo fazer um vestido. Em toda minha vida, eu nunca criei nada, nunca fiz nada quenão sejam figuras bobas de flores para o meu mestre de arte, Signor Maratti. Meu paipendurou-as no seu quarto, onde elas não seriam vistas por ninguém. É o suficiente seruma princesa, quando ser uma princesa não significa nada?
  • 17. Eu acenei e virei relutantemente para o alfaiate velho. “Eu vou usar ele para ojantar dessa noite. Muitas mulheres nobres vão estar presentes, e se elascumprimentarem meu vestido, eu vou falar para elas seu nome." Eu comecei a ir para a porta. O alfaiate se curvou, mas o garoto não se moveu.Ele estava me encarando, encantado com a minha beleza. Eu tenho a sensação decalafrios pelo meu braço. Claro que ele pensa que eu sou bonita, mas eu gosto que eleme veja. Eu imagino se vai ser assim quando eu encontrar meu príncipe. Talvez nãoseja tão ruim. Cinco quartos mais, então dez, e ainda o vestido que eu desejava não foiencontrado. Parecia uma tarefa pequena, com certeza um dos melhores alfaiates domundo deveria ser capaz de realizar. E ainda eles não tinham feito. Eu suspiro. Talvezeu vista o vestido do alfaiate Inglês para o baile depois de tudo. Eu alcanço o final do corredor. Eu nunca estive nessa parte do castelo antes.Incrível. Esses quartos quase não foram usados, mas certamente uma criança - umacriança normal - teria explorado todos os quartos alguma vez. Mas eu não fui umacriança normal. Eu espio uma escada nas sombras. Essa não é a escada que eu estouacostumada a usar para chegar no quarto andar, e quando eu checo o mapa daSenhora Brooke, eu vejo que ela não foi incluída. Que estranho. Eu sou preenchidacom uma súbita necessidade de correr seus degraus, até deslizar pelo corrimão. Masisso é bobo, e se eu fizer isso, eu vou estar atrasada. E então Senhora Brooke vai vimprocurar por mim. Eu viro de volta para o corredor. De repente, eu escuto uma voz. Era uma moça e seu amante, Com um ei, e um ho, E um Hey Nonny não... Um amante. Na primavera, o único tempo realmente bonito... A voz de uma mulher, cantando. Extasiada, quase, eu começo a subir a escada. Quando os pássaros cantam, Hey ding um ding, ding! Amantes doces amam a primavera!No topo das escadas, há uma porta aberta. Eu paro. Não há nenhum alfaiate. Eu sabiaque não haveria. Mas ao invés, há uma mulher velha sentando sobre um banco. Eu não
  • 18. vejo o que ela esta fazendo, pois ela esta rodeada de vestidos, tantos vestidos, muitomais que vinte. Mas essa não é a coisa notável. Cada um e todos os vestidos são exatamente o mesmo tom de verde dosmeus olhos. “Lindos!” O grito vem de mim espontaneamente. Eu corro para o quarto. “Boa tarde, Sua Alteza." A velha mulher começa a tentar levantar da cadeiracom muito esforço. Ela começa a reverência. “Oh, por favor, não!” eu digo. Ela é, depois de tudo, muito velha. “Ah, mas eu devo. Você é uma princesa, e respeito deve ser concedido emcertas posições. Aqueles que não prestam atenção vão pagar o preço." Ela esta quase no chão, e eu imagino quanto tempo vai demorar para ela seendireitar. Ainda, eu digo, “Muito bem.” Eu desejo por um segundo — mas apenas umsegundo — que Senhora Brooke estivesse aqui então ela poderia ver como eu segui asinstruções dela sobre não argumentar com os mais velhos. Eu dou um passo para trás para estudar os vestidos. Parece que lá há todos osestilos e todos os tecidos: cetim, veludo, brocado de todos os desenhos, e um tecidoluminoso que eu nunca tinha visto antes, que vai flutuar atrás de mim como umanuvem de borboletas. Finalmente, a mulher se levanta. “Você gostou de alguma coisa?” Eu tinha quase esquecido que ela estava lá, de tão encantada que eu estavacom os vestidos. Eu suspiro. “Sim, eu gostei de tudo! São todos perfeitos.” Ela riu. “Eu estou honrada que você acredita que sim. Porque você vê, eu soude Euphrasia. Eu vi você por toda sua vida, Sua Alteza, e eu me imaginei que eu saberiamelhor que qualquer estrangeiro o desenho que serviria para minha própria princesa." “Certamente.” Tento lembrar se eu já a vi antes, talvez no meio da multidãoem um desfile. Mas por que eu teria percebido uma velha mulher que parece tantocomo qualquer outra? Apenas os olhos dela são incomuns. Eles não estavam vidradoscom uma película da cor branca, como tantas outras pessoas muito velhas estão. Aoinvés, eles são vivos, pretos e brilhantes como um corvo. “Você tem um favorito em especial?” ela pergunta.
  • 19. “Esse.” Eu começo a chegar mais perto do vestido leve. "Eu devo rivalizar asfadas com esse!" “É meu favorito também. Você se importa, Sua Alteza, se eu me sentar? Eu seique não é o jeito correto, mas eu estou um pouco velha, e meus joelhos não são o queeles foram quando eu era uma jovem mulher como você, dançando em festivais." “Claro.” Eu estou inundada de gratidão com essa estranha que sabe o que euquero, que me entende como meu pai e minha mãe e a miserável Senhora Brooky não.Eu aproximo o vestido. A velha mulher tinha resolvido voltar para seu banquinho ecomeçou uma espécie de bordado. Há uma engenhoca em sua mão, alguma coisa queparece com o topo que a crianças brincam. Está quase coberto de lã que foi pintadoem um profundo rosa. “O que é isso?” eu pergunto para ela. “Oh, é a minha costura. Eu faço o meu próprio segmento. Quer tentar?” Costura? Eu chego mais perto. A engenhoca é um pedaço de madeiraponderada no final com uma espiral de madeira escura. Um gancho segura o fio nolugar, e quando o segmento esta terminado, isso gira em volta do pedaço de madeiraem baixo da espiral, para ser usado para costura. Há uma quantidade de lã inacabadado topo. “Oh, eu não deveria." “Claro que não. Eu errei. Seria inadmissível para uma jovem moça como vocêfazer vestidos. Você nasceu apenas para vesti-los. Almas humildes como eu foramfeitas para criar." Eu acenei, me aproximando dos vestidos de novo. “Só...” “O que é isso?” eu estou tocando o tecido, mas eu olho de volta para ela. “Eles dizem que isso é sorte. Foi dado para mim pela minha mãe e a mão delaantes dela, e todos que entram em contado com ele tem direito a um desejo." “Um desejo?” Eu sei que a Senhora Brooke diria no assunto. Seuspensamentos com desejos são muito parecidos com seus pensamentos em mágica.Superstição é o oposto de Deus. Ainda, eu digo, “Você alguma vez já desejou algo?” “Sim.” Ela acena. “Eu tenho desejado na verdade, quando eu era mais jovem.Eu desejava uma vida longa."
  • 20. Eu a encarei. Seu rosto é como seda amassada, e o cabelo dela da cor de umpapel. “Há quanto tempo foi isso?” “Quando eu tinha sua idade, quinze. Perto de duzentos anos." Eu me sobressalto, mas a velha mulher segura meu olhar. “O que você deseja, Sua Alteza? Eu sei que você deve ter desejos, presa comovocê esta no castelo, desejando casar-se apenas para sair, não ousando ter esperançasde liberdade." Sua voz é quase hipnótica. “Não tenha medo. O que você deseja?” Minha liberdade. Ou amor. Ou...viajar. Eu desejo viajar pelo mundo, não seruma princesa presa em uma existência protegida, mas uma garota humana.Pensamento bobo. Eu não posso fazer isso. “Eu acho...” eu digo, “eu vou tentar.” Ela acena e se move para o lado para dar espaço para mim no banco. Omovimento dela é menos trabalhoso do que antes. Ela bate no espaço ao lado dela.“Sente, Princesa.” Ela me entrega o objeto, primeiro o pedaço de madeira. “Esse nasua mão esquerda. Então tome o segmento na sua esquerda, e gire no sentido horário.Quando a linha começar a girar, você faz seu desejo." Eu pego a madeira. Eu estou distraída, pensando no meu desejo, minhaliberdade, em ver o mundo. Quando eu alcanço a linha, eu sinto uma pontada de dorno meu dedo. O gancho no final tinha perfurado o meu dedo anular esquerdo. Quandoeu olho para baixo, eu vejo uma gota de carmesim na minha saia. Sangue. É só então que eu percebo qual objeto é. Um fuso. A princesa deve picar o dedo em um fuso. Eu escuto a risada da velha mulher enquanto eu começo a afundar. Malvolia! Meu último pensamento quando eu bato no chão foi, Eu deveria ter escutadoa Senhora Brooke.
  • 21. Parte 2 Jack
  • 22. Capítulo 1 O que não te dizem sobre a Europa é como ela é completamente idiota. Eu deveria ter imaginado, no entanto. Foi ideia dos meus pais. Eles não sãoexatamente famosos por suas ideias legais. Eles me mandaram para esse tour naEuropa, supostamente para minha educação, mas na verdade era só para me tirar dopé deles por um mês, enquanto simultaneamente eles podem dizer para os amigosdeles que "Jack está em um tour pela Europa, pegando algo interessante para escrevernas redações de faculdade." Uma dolorosa confissão aqui: eu não me importava totalmente porque minhanamorada, Amber, me deixou como lixo de gato do ano passado quando algum cara defaculdade a chamou pra sair. Pelo menos estando aqui me impede de vê-la com essecara de novo, e também me forçava a parecer como se eu tivesse algum orgulho e nãoligava para ela. E quem sabe? Talvez eu conheça alguém. Eu estava imaginando clubes com nobreza Eurotrash, montando em Vespas,descansando em cafés franceses e tavernas gregas, e, claro, um topless ocasional napraia (embora seja um fato bem conhecido que as mulheres europeias não são grandesfãs de raspar um, uma, área peculiar — eu planejava olhar para outro lugar). Eu penseique, pelo menos, haveria alguns jardins legais, algo do lado de fora. Eu nunca imagineia merda que estava para experimentar - um grande ônibus de turismo que ia paratodos os museus que ofereciam uma taxa de grupo. Em Miami, de onde eu sou, nóstemos, talvez, cinco museus, se você contar o zoológico. Aqui na Europa, cada cidadepequena tem uns dez ou vinte. O ônibus para em frente ao um museu e deixa a gentesair. Nossa guia turística, Mindy, tem esta pequena bandeira azul-e-branca com umaimagem de um pássaro, o que faz andar atrás dela ser o máximo da humilhação. Elaanda atrás de qualquer grande obra de arte pela qual o museu seja famoso. Osgrosseirões reunidos olhavam abobados por dois minutos inteiros. Então isso paravapara ir à loja para gastar os nossos Euros em coisas que eu não pagaria nem doiscentavos se fosse em Walgreens de volta para casa. Não esta fazendo algo para tirar minha mente de Amber. Pelo menos meu amigo Travis está aqui. Acho que os pais dele queriam selivrar dele, também. Eu nem mesmo sei em que país nós estamos agora. Um daquelesidiotas sobre os quais você não aprende muito em geografia, como a Bélgica, ou talvezum daqueles com "L". Eu não presto muita atenção em Mindy, mas ontem eu a ouvi
  • 23. dizer a palavra mágica: costa. Nós estamos perto da praia. Foi quando eu comecei aformular meu plano. Eu balancei Travis para ele acordar. “O quê... que horas são?” “Cinco e trinta, homem.” “Da manhã?” “Não, da noite. É quase a hora do jantar.” Aquilo o levanta. Mas quando ele vê como está escuro, ele se enterra de voltana cama. “Ainda está escuro.” Não posso contar para nada com Travis, pelo menos não quando comida oudormir estão envolvidos. “Tudo bem, eu menti. Mas eu preciso sair desse Tour dos Malditos e medivertir um pouco. Que não vai acontecer a não ser que a gente consiga fugir doencontro das sete horas." “Sabe o que poderia ser divertido?” “O que, Trav?” Eu estou esperando que talvez ele tenha algumas ideias, desdeque eu sei que seus pais o amarraram nesse Tour, igual os meus. “Dormir.” “Não é como se eles fossem deixar você dormir, de qualquer jeito. Logo elesvão bater na porta, dizendo para ficarmos prontos. Desse jeito, você pode dormirquando chegarmos na praia." “Praia?” Em casa em Miami, Travis é um verdadeiro deus do sol. Agora ele está da corde marshmallows. “Claro, a praia. Pense nisso, Travis. Garotas francesas fazendo topless.” “Nós não estamos na França.” “Tudo bem, garotas Alemãs fazendo topless. Isso faz diferença?”
  • 24. “Vai ter comida lá?” “Claro. Tem um café do outro lado da rua. Nós vamos pegar o café da manhã ealguns sanduíches, mas primeiro a gente tem que sair daqui.” Finalmente, eu consegui tirá-lo da cama. Eu na verdade meio que queria olharesse Jardim Botânico Nacional da Bélgica (Bélgica! É onde a gente esta!) que a gentepassou no caminho para o Museu Número Três. Eu pude ver essa gigante sequoia daestrada. Claro, a gente não teve tempo de olhar para isso. Mas eu sabia que era maisprovável Travis ir à praia comigo. Pelo menos não é outro museu de arte poeirento, etalvez a gente possa parar no jardim no caminho de volta. Eu arrastei Travis para a portaria para pedir orientações. “Você não poderia ter feito isso enquanto eu estava me preparando?" Travisperguntou. “Você teria voltado a dormir.” “Você sabe, algumas vezes é como se você trabalhasse em ser umpreguiçoso.” “Eu prefiro não gastar meu verão trabalhando em nada.” Nós tivemos que ficar lá por um tempo, enquanto o cara da portaria passa otempo com o recepcionista. Se ele não vier logo aqui, Mindy pode pegar a gente. “Ei, uma ajudinha aqui...” Eu olhei para a plaqueta dele. “Jacks?” Ele ignora a gente. “Ei! Você não quer tomar tempo da nossa agenda ocupada.” Quando ele finalmente percebe que nós não estamos indo embora, ele vem. “Qual é o caminho para a praia, Jacks?” eu pergunto. “É Jacques.” Ele me dá aquele olhar especial que os porteiros dos hotéissempre dão quando eles percebem que você é Americano ou que você não fala alíngua deles, como se ele tivesse comido uma salada niçoise ruim. Como se eu tivesseque falar todas as línguas da Europa. Eu tive espanhol na aula. Claro, nós nãoestivemos na Espanha ainda. Pelo menos, eu acho que não estivemos. “A praia?” Eu repito. “La playa?” “Le plage,” Travis tenta.
  • 25. “Ah, oui. La plage.” Nós apertamos um botão mágico, e de repente o porteiroé nosso melhor amigo e agora fala inglês perfeitamente. “O ônibus sai às nove etrinta.” “Nós não podemos esperar até as nove e trinta, Jacks.” Jacques encolhe os ombros. “É quando ele sai.” Se tivermos que esperar até as nove e trinta, nós vamos ser pegos, e eu vouser colocado em outro museu. Minha namorada me chutou, minha viagem de verãoestá arruinada, e esse cara não pode nem mesmo me ajudar a ter um dia decente? Nãoé, tipo, o trabalho dele ser útil? “Há outro ônibus, talvez? Esse é, tipo, o país maisidiota da Europa?" Travis me da uma cotovelada. "Jack, você vai deixar ele com raiva." “Quem se importa? Ele não me entende, de qualquer jeito. Todo mundo nessepaís é—” “Ah, você esta certo, monsieur,” Jacques interrompe, “e eu estou errado. Euacabei de lembrar que há outro ônibus, uma rota diferente. Uma praia diferente." Eu dei a Travis um olhar tipo, viu? “Você poderia escrever isso para nós?" Travis pergunta. “Por favor?” “Mas é claro.” O porteiro nos dá os horários de ônibus e circula as horas e as rotas. “Vocêdeverá sair daqui e então andar para o leste." Ele esboça um mapa. Parece um poucocomplicado, mas pelo menos o ônibus sai em vinte minutos. “Obrigado,” Travis diz. “Escuta, tem algum lugar para conseguir sanduíches?” Meu celular toca. Eu olho o número: Mindy, procurando por nós. Eu agarro obraço de Travis. "A gente tem que ir." “Mas eu estou com fome.” “Mais tarde.” Eu o puxo para longe. “Obrigado,” ele grita para Jacques. “Vejo você mais tarde.” Jacques acena, e ele está na verdade sorrindo. Ele diz alguma coisa que soacomo "Eu duvido disso," mas é provavelmente apenas alguma frase francesa esquisita.Eu puxo Travis para a porta bem na hora que eu vejo Mindy saindo do elevador.
  • 26. Com sorte, ela já esta andando para trás e não vê a gente.
  • 27. Capítulo 2 “Que bom que a gente pegou a comida primeiro,” Travis diz no ônibus. “Sim, você mencionou isso.” Na verdade, Travis tinha mencionado aquilo sete vezes, uma vez a cada dezminutos que nós passamos neste ônibus. “Mas isso é uma boa coisa. De outra maneira, nós estaríamos morrendo defome. Na verdade, eu estou pensando em pegar um dos sanduíches agora." Travis trouxe sanduíches e cerveja suficiente (a idade legal para beber aqui édezesseis!) para uma família de quatro por uma semana. Ele também comeu umaomelete de quatro ovos, uma pilha de panquecas, e dez tiras de bacon (a garçonetechamou isso de "Café da manhã americano"). Extra, desde que ele pegou isso paraviagem, ele na verdade terminou de comer mais ou menos vinte minutos atrás. “Esqueça a comida por um minuto. A viagem desse ônibus não parece umpouco longa para você? Eu quero dizer, esse é um país pequeno. Eu trouxe meupassaporte, mas eu não estava planejando usá-lo." “É longa,” Travis concorda, olhando para a sacola com os sanduíches. Eu a pego e mantenho fechada, então ele tem que me ouvir. “E não está indo — eu não sei - meio que na direção oposta do caminho quevocê tinha pensando que a praia estaria?" “O cara disse que era uma praia diferente, mas talvez ele tenha mentido.” “Eu acho que aquele bagunçou com a gente de propósito.” “Você disse que o país dele era idiota." “É idiota. Então você acha que nós estamos indo para o caminho erradotambém?” “Talvez.” Trav está olhando para a sacola com os sanduíches. “É difícil pensardireito quando você esta com fome.” Eu estou quase dando o sanduíche para ele, apenas assim eu posso pensar,quando o motorista do ônibus anuncia que nós chegamos à parada do Jacques.
  • 28. “Finalmente. Hora de sair.” “Isso significa que eu não posso ter meu sanduíche?” “Pense em quão bom vai ser o gosto quando você estiver sentando na praia."Vinte minutos mais tarde, não apenas não encontramos a praia, como também nemmesmo encontramos a primeira rua que Jacques escreveu no mapa dele. “Isso diz para andar três quarteirões, então virar em St. Germain,” Travis diz.“Mas isso foi mais de três quarteirões. Foi tipo, seis. Talvez nós devêssemos voltar.” Eu estou quase concordando quando eu vejo uma rua chamada St. Germain.“Tem que ser essa.” Mas a outra rua não está onde deveria estar, também, mesmo quando nós játínhamos andado três vezes tão longe quanto o mapa dizia. "Talvez você esteja certo,”eu digo. Quando nos viramos, nada parece do jeito que era no começo. No começo,havia casa e lojas e bicicletas. Agora não há nada a não ser árvores e, bem... naturezaem todos os lugares que eu olho. “O que aconteceu?” eu digo. “Com o que?” Travis está mastigando um sanduíche. “Com tudo — a cidade, as pessoas?” Travis limpa a boca dele na manga. “Eu não percebi.” Eu vejo uma pequena estrada suja que eu não tinha visto antes. Eu me viropara ela, gesticulando para Travis me seguir. “Vamos.” Mas isso não é onde nós estávamos antes, também. É como se tudo tivessedesaparecido para dentro de uma névoa. Travis não tinha percebido, até por que eleestava em sua própria névoa, criada pelo sanduíche. Mas então nós entramos em algoque ele não podia ignorar. Uma parede sólida de silvas. “Agora o quê?” eu digo. “Voltar.”
  • 29. Voltar para onde? Nós estamos perdidos. Isso não é onde estávamos antes.Além do mais, olhe.” Eu gesticulei em volta de mim. “Toda essa coisa natural. EmMiami, se você tivesse toda essa natureza em volta, você estaria definitivamente pertoda praia." Na verdade, a cerca parecia muito com os espinheiros de Miami. Tinha floresfúcsias um pouco como as buganvílias que crescem lá. A coisa estranha é que essadeve ter cerca de três ou quatro andares de altura. “Então onde está a praia?” Travis pergunta. Eu encolho os ombros. “Não lá atrás.” “Mas essa estrada é um beco sem saída." “Eu sei. Mas escuta.” Eu coloco minha mão no meu ouvido. "O que vocêouve?” “Mastigação,” Travis diz. “Bem, pare de mastigar.” Travis termina a última mordida. “Tudo bem.” “Agora, o que você ouve?” Travis ouve realmente cuidadoso. “Eu não escuto nada.” “Exatamente. O que significa que não deve ter nada do outro lado dessa cerca— nenhuma cidade, nenhum carro, só nada. A praia." “Então você esta dizendo que quer ir através da cerca?" “O que nós temos a perder?” “Que tal sangue? Aqueles arbustos parecem espinhosos.” É verdade. Mas eu digo, "Não seja um covarde.” “Posso ter outro sanduíche pelo menos?” Eu pego a sacola dele. "Depois da cerca.”Quinze minutos depois, não há nada em qualquer lado a não ser silvas.
  • 30. “Eu aposto que eu pareço uma vitima em um filme de terror,” Travis diz. “Qualé a palavra francesa para serra elétrica?" “Não é tão ruim assim. As flores meio que cheiram bem.” Eu inalei. “Certo. Você fica e cheira as flores. Eu estou voltando.” Eu agarro o pulso dele. “Por favor, Trav. Eu quero ir pra praia. Eu não possoaguentar outro dia do tour.” Ele puxa para longe. “E qual é a grande coisa? Meus pais vão me perguntar oque eu fiz hoje.” “Essa é a coisa. Meus pais não. Eles não vão me perguntar o que eu fiz nasemana passada. Eles não se importam com o que eu estou fazendo. E eu odeio ir paratodos esses museus estúpidos. Olhar para toda aquela arte chata faz minha mentevagar, e quando minha mente vaga, tudo que eu posso pensar é em Amber beijandoaquele cara da fraternidade.” Traviz parou de puxar. “Uau. Isso realmente te acertou forte, ein?” “Sim.” Eu achei que eu estava apenas fazendo drama para Trav fazer o que euqueria, mas eu tenho esse tipo de sentimento doentio no meu estômago. Eu estoudizendo a verdade. Meus pais não tinham ligado em duas semanas, exceto uma vezpara me perguntar se eu tinha me inscrito para o AP Government* no próximo ano daescola, e essa viagem não está ajudando em nada para me fazer esquecer de Amber.Eu vejo o rosto dela em todas as pinturas em todos os museus — especialmente aquelecara Degas, que pintava garotas sem rosto e tudo. Eu não posso ficar longe dela. “Sim.Eu apenas quero ir para a praia por um dia. Eu preciso estar ao ar livre.” *É um curso,que tem os melhores professores no mundo, que se você quiser ser alguém tem quefazer... “Tudo bem, amigo. Apenas se você for à frente.” Então eu fui à frente, pegando todos os espinhos das silvas por outros vinteminutos — vinte minutos em que eu não penso nos meus pais ou em Amber, masapenas no fato que se eu perder muito sangue, não vai haver ninguém aqui paraajudar. Quando nós finalmente chegamos do outro lado, eu paro. “Uau,” eu digo. “O que é?” Travis ainda está atrás de mim. “Definitivamente não é a praia.”
  • 31. Capítulo 3 Quando eu era criança, na época em que a minha família ainda fingia gostarum do outro, nós fizemos uma viagem para Colonial Williamsburg. É esse lugar ondetudo é como os tempos coloniais — cavalos e charretes em ruas não pavimentadas. Hácoisas como lojas de ferreiro, também. Minha irmã, Meryl, e eu nos divertíamos comos empregados porque se você perguntar coisas para eles tipo qual é o caminho para aStarbucks, eles agem como se não soubessem do que você está falando. Mas isso ficouestranho depois de um tempo. Você imagina se eles seriamente não sabem que isso éo século vinte e um. Eu estava pronto para ir para casa no final do dia. O lugar do outro lado da cerca era desse tipo. Quero dizer, não apenas velho.Quase tudo na Europa é velho e está caindo aos pedaços e é presunçoso, mas esselugar leva preservação da historia para um nível totalmente novo. “Você acha que isso é, tipo, um parque temático?” eu digo para Travis. “Não há ninguém aqui.” “Talvez apenas não esta aberto ainda. Ou fechado. Hoje é sábado?” As ruas não são pavimentadas, e mesmo se elas fossem, elas são apenaslargas o suficiente para acomodar um daqueles pequenos carros europeus. Mas otransporte aqui são cavalos, julgando por quantos estão amarrados em postes,dormindo. Não há um Mcdonalds ou uma Gap em lugar nenhum, apenas um prédiocom CERVEJARIA escrito numa letra fora de moda, descascando. E as plantas pareciamruins. Algumas estão grandes demais, mas muita coisa está nua, como se a gramativesse morrido anos atrás. “Definitivamente não é a praia.” Travis começa se passar pelas silvas. As silvas se instalaram na forma em que estavam antes de nós passamos porelas. Eu não quero passar por esses arbustos novamente. Travis deve pensar a mesma coisa porque ele da um passo para trás. “Talvez agente devesse almoçar primeiro.” Algo sobre esse lugar está realmente me deixando esquisito. “Vamos esperarum pouco. Quem sabe quando tempo vai demorar para voltarmos para a civilização... esanduíches.”
  • 32. Travis pensa sobre isso e fica com esse olhar preocupado em seu rosto. “Tudobem. Então nós deveríamos sair daqui." Ela começa a se empurrar pelas silvas de novo. “Espera! Talvez nós devêssemos começar procurando por um caminhodiferente ou pelo menos ver se alguém por aqui tem uma serra." “Você vê alguém aqui?” “Há cavalos. E eles estão amarrados. Isso significa que há pessoas em algumlugar.” A coisa estranha é que, eu meio que quero olhar em volta um pouco. Esse lugaré mais legal que qualquer outra coisa que eu vi nessa viagem. Pelo menos está do ladode fora, e Mindy não está nos dizendo o que pensar. “Nós deveríamos procurar poreles.” Travis olha em volta. “Se há pessoas aqui, eles não gostam de aparar ecapinar. Mas se você diz...” “Eu digo.” Ele encolhe os ombros mas me segue. Nós andamos pela rua, o que naverdade é mais um caminho com ervas daninhas e outras coisas que crescem emambos os lados. Eu aponto para a cervejaria. "Vamos tentar lá." Ele acena. “Não parece o tipo de lugar onde tem cartão." A cervejaria tem degraus na frente. Quando eu coloco meu pé em um, eleguincha e se move em baixo de mim. Eu piso em um melhor, menos podre, masmesmo assim, ele agita e treme. “Isso é realmente estranho, Jack. Você acha que talvez toda a cidade morreuou alguma coisa, e não há nada a não ser um bando de corpos mortos?" Eu lembro quando a nós fomos para o Colonial Williamsburg, eles noscontaram todas as doenças que as pessoas pegavam nesses dias, tipo febre amarela,peste negra, escarlatina. Meryl e eu brincávamos que todas as doenças antigas soavamrealmente coloridas. Mas agora é meio que estranho pensando sobre algumas doençaspegando toda a cidade. Talvez Travis esteja certo, não necessariamente que todomundo morreu, mas talvez muitos tivessem morrido e o resto decidiu sair do lugar. Mas eu digo, “Isso é estúpido. Não há nenhuma cidade abandonada naEuropa. Se houvesse, alguém teria tornado ela em um museu. Eles teriam ampliado asruas e trariam pessoas aqui em ônibus cheios e torturariam crianças em tours." “Eu acho que você está certo.”
  • 33. “Claro que eu estou.” E para provar quão certo eu estou, eu ando para a porta. Mas eu ainda nãoconsegui entrar, então eu olho pela janela. É fácil porque não há nenhum vidro nela, eeu lembro que um monte de lugares não tinham vidros nas janelas antigamente,apenas persianas para puxar para baixo à noite se ficasse frio. Eu não posso ver muito.Não há nenhuma luz dentro e nada se movendo. Nós ficamos lá por tanto tempo queeu estava quase esperando alguém - possivelmente um fantasma - vim atrás de nós eperguntar o que estávamos fazendo aqui. Então, quando Travis diz, “Vamos!” Eu puleiquase um metro. Ele ri. “Não está com medo de corpos mortos, ein?” “Não.” Eu empurro a porta aberta. A sala é escura. Há lanternas, mas nenhuma está ligada. Mesmo assim, eu vejoque há pessoas lá, sentando em bancos no bar, mas eles estão realmente quietos.Nenhuma música, nenhuma risada, nenhuma conversa, e quando minhas pupilasfinalmente dilatam, eu percebo que as pessoas não estão se movendo, como se elesestivessem mortos. Mas eles não podem estar mortos. Se eles morreram a muito tempo atráscom alguma praga ou massacre, os cavalos deles não estariam ainda amarrados lá fora,e eles teriam sido reduzidos a esqueletos. A menos que eles tenham sido mumificados. Eu vi esse filme uma vez que essecara matava alguém. Ele mumificou o corpo dela e a sentou em uma janela no alto.Você não podia falar a diferença a menos que você visse o rosto dela. Eu dei uma respiração profunda e soltei bem devagar, me preparando paraandar em volta e olhar para o rosto deles. Então é quando isso acontece. Um deles ronca. “O que foi isso?” Travis diz. Ele está abraçando a porta. “Isso perece como um ronco.” “Um ronco? Como se eles estivessem dormindo? Todos eles?” “Eu acho que sim.” Eu ando para o lado de um cara. Ele ronca, e eu vejo oestômago dele se movendo para dentro e para fora. Ele está vivo. Ele estádefinitivamente vivo. Eu estou salvo! Eu não toquei um corpo mumificado! Eu bato no ombro dele. “Ei, amigo.”
  • 34. Ele não responde. Eu balanço ele mais forte e grito mais alto. “Ei! Cara! Ei,você!” Agora que é obvio que eles não são zumbis ou alguma assim, Travis anda paradentro e começa a balança um cara diferente. “Nós sentimos muito de te incomodar,mas nós estamos procurando por informações." Nada. Há quatro caras em bancos e o balconista dorme no chão. Trav e eu gastamoscinco minutos balançando, gritando, empurrando, e praticamente dançando com eles.Eles estão definitivamente vivos, mas eles estão dormindo totalmente. “Eu acho que nós temos que tentar outro lugar,” eu falo para o Trav. Há apenas uma pessoa na próxima loja, uma velha dama dormindo com ummonte de chapéus caindo aos pedaços nas estantes. Nós a balançamos, mas ela nãoacorda. Nós tentamos mais três lugares, e eles são todos iguais. "Esquisito,” Travis diz quando saímos do verdureiro. Não havia nada nascaixas, nem uma uva ou cenoura. O vendedor estava dormindo no chão. “Nóspodemos ir agora? Uma loja de comidas sem comidas é apenas... errado.” Eu suspiro. “Eu acho que sim.” Mas quando eu viro a esquina, eu paro. “Uau!”
  • 35. Capítulo 4 É um castelo. Não um com aparência moderna tipo o Palácio Buckingham,com eletricidade e toaletes (quando nós o visitamos, o encanador estava lá — ocaminhão dele dizia O DIPLOMATA DE DRENAR E LIMPAR ESGOTO — e Trav e eu nosdivertimos brincando sobre o que a rainha tinha feito para parar os canos), mas umcastelo real, do tipo que vem com um monte de cavaleiros de plásticos e cavalos.Poderia ate mesmo ter um calabouço. “Olha isso.” Eu comecei a andar para ele. “Ei, caminho errado. Eu quero voltar.” “Faça o que você quiser.” Eu andei mais rápido. “Mas eu tenho ossanduíches.” “Ei!” Travis começou a correr atrás de mim, mas ele está de chinelo. Eu estoude tênis, e eu estava no time de corrida na escola, então eu posso ir mais rápido doque ele. O castelo é mais longe que eu achei porque é maior do que eu pensei. Égrande o suficiente para por uma cidade inteira dentro. Eu finalmente o alcanço maisou menos dez minutos depois. Há um fosso em volta cheio de água marrom lamacenta. “Oops. Não pode entrar,” Trav grita de atrás. Eu ando em volta do perímetro até que vejo onde a ponte levadiça está. Estáaberta, e há uma porta do castelo no final dela. Eu comecei a atravessar. “Você tem certeza que deveria fazer isso? Alguém pode decapitar você.” “Vamos, Travis. O que nós vamos fazer, ir rastejando de volta para Mindy?Esse é a primeira coisa interessante que nós vimos nessas três semanas passadas. Euapenas quero olhar em volta.” Na porta, eu vejo dois guardas. Surpresa — eles estão dormindo. Eu pego aalça e a puxo. A porta abre com um alto guincho. Eu vou para dentro. Nós estamos nessa enorme sala com um teto de três andares.
  • 36. “Uau, parece a sala do baile em Shrek 2,” Travis diz. Eu aceno e dou para eleum sanduíche. Isso ilumina a sacola, e nós ainda temos mais seis ou sete. Para estar asalvo, eu seguro a cerveja. “Ei, olha.” eu aponto para uma armadura em pé no canto. “Vamosexperimentar.” “Pode ter alguém dentro.” Eu pulo de volta. Eu não tinha pensado naquilo. Eu não achei que as pessoasdormindo em volta daqui pareciam dos tempos medievais, mas melhor prevenir queremediar. Eu lentamente, delicadamente levanto a mascara no rosto do cavaleiro. Está vazio. Eu respiro. “Talvez esse lugar não seja tão esquisito quanto o resto.” Isso é tão legal. Todos os castelos e torres que nós fomos, você ou não épermitido olhar do lado de dentro, ou se você é, você apenas tem que ficar atrás decordas de veludo e ver as coisas em caixas com temperaturas controlados. Esse lugar éreal, mesmo se é um pouco empoeirado. Eu começo a descer um corredor que sai parao lado. Eu olho na primeira sala. “Ei.” “O que é? A cozinha?” “Melhor.” É uma sala de trono real como nos filmes, e há pessoas nela, camponesestalvez, esperando para ver o rei ou algo assim. O rei não está lá, no entanto. “Eles estão dormindo como todos os outros nessa cidade,” Travis diz. “Mas olha.” Dois guardas dormem em um lado. Cada tem um travesseiro em seu colo. Emcada travesseiro está uma coroa incrustada com diamantes, esmeraldas, e rubis. Écomo aquelas coisas que nós vimos na Torre de Londres, só que está fora onde nóspodemos tocar. “Eu vou experimentar uma,” eu digo. “Você tem certeza que deveria? E se eles acordarem?” “Nós praticamente pisamos nessas pessoas, e eles não acordaram.”
  • 37. Ainda assim, quando eu pego a coroa do seu travesseiro de veludo, eu quaseespero que um alarme toque ou algo assim. Nada acontece, e eu coloco a coroa naminha cabeça. “Como eu pareço?” Travis ri. “Meio estúpido.” “Você está apenas com inveja. Tenta a outra.” “É uma coroa de garota.” Ainda, ele a coloca. Nós brincamos, sentando nostronos e passando a mão nas cabeças dos camponeses. Depois de um tempo, Travisdiz, “Nós deveríamos levá-las." Eu balanço minha cabeça. Eu não gosto da ideia de roubar alguma coisa."Vamos olhar em volta primeiro e ver o que mais têm." Nós colocamos as coroas de volta e entramos em mais cômodos. No terceiroandar, há um monte de quartos com nada neles a não ser vestidos. “Você não acharia que essas coisas serviriam de comida para ratos e insetos?”Travis diz. “Você vê alguns ratos e insetos? Talvez eles estejam dormindo também.” Quando nós alcançamos talvez o décimo quarto com vestidos, Travis diz, “Issoé chato. Vamos experimentar a armadura.” Eu estou quase dizendo ok quando eu percebo essa pequena esquisita escadaindo para o lado. Eu vi uma torre quando nós estávamos do lado de fora. Eu imagino sea escada vai até ela. “Vamos lá primeiro,” eu digo. Antes que Travis pudesse protestar, eu começo a subir. Eu não achei que aescada fosse muito alta, mas ela se curva e vai mais alto. Então se curva de novo e denovo. Quando nós finalmente alcançamos o topo, a porta está fechada. Eu a abro eacho um quarto com nada a não ser uma garota, dormindo no chão. Ela é a garota mais bonita que eu já vi.
  • 38. Capítulo 5 Eu a encaro. Eu nunca havia visto um ser humano que se parece com ela, e eusou de Miami, onde pessoas com boa aparência se reproduzem. Mas essa garota não éapenas bonita. Ela é perfeita em um jeito que é surreal, tipo uma das bonecas Barbiede Meryl. O que eu estou dizendo, essa garota é... “Uau, ela é gostosa,” Travis diz quando ele finalmente alcança a porta. Sim. Isso. Ela está deitada no chão com esses cachos dourados em volta dela,como se alguém os tivesse arrumado daquele jeito. O corpo dela, eu posso dizer comseu vestido longo, é totalmente perfeito. Ela é mais alta que quase todo mundo aqui, emagra em todos os lugares certos com essas ótimas... "Você olharia para ela?” Travis interrompe meus pensamentos de novo. Eu olharia. Eu encaro o topo do vestido dela, que ela está realmentepreenchendo, deixe-me te dizer. Eu sinto essa incrível urgência de tocá-la, mas eu seique é errado porque ela está dormindo. Mas a coisa esquisita é que, não é o corpo dela que eu mais percebo. É o rostodela. A pele dela é da cor de leite com apenas uma minúscula parte de Nesquik demorango misturado. Os olhos dela estão fechados, mas eu posso dizer que eles sãoenormes, com longos cílios que se curvam para cima. E a boca dela. É cheia e vermelha, e os lábios dela definitivamente nãoparecem como lábios que não foram umedecidos por centenas de anos. Por alguma razão, olhar para ela me faz pensar em Amber. Não que ela separeça com Amber, porque ela não parece. Amber é bonita de uma forma humananormal. Mas comparada com essa garota, Amber é totalmente uma pessoa sem graça. E de algum jeito, apenas olhando para ela, e sei que ela não é como Amber.Ela não iria se desfazer de alguém por um cara com um carro mais legal. “O que você está fazendo, se apaixonando por ela?” Travis diz. “Você estáencarando-a igual um idiota.”
  • 39. A coisa esquisita é que, eu acho que estou. Estúpido. “Ela está dormindo. Você poderia...” Travis olha para a porta. “...fazerqualquer coisa.” “Isso é doente.” “Você sabe que você estava pensando nisso.” “Não, eu não estava. Isso seria errado.” “Certo e errado está começando ficar meio impreciso para mim. Foi erradoescapar do tour? Foi errado mentir para Mindy? Foi errado entrar aqui?” “Eu acho.” Eu continuei olhando para a garota. Eu não posso parar de olharpara ela. “Vamos. Eu te desafio a tocar nela." “Tudo bem.” Eu quero isso de qualquer jeito. Eu me inclino para ela,desejando que ela acordasse. Eu abaixo minha mão e toco um dos seus cachos. Suave. Tão suave. Eu escovo meus dedos através deles para fazer isso durar.Ela se agita em seu sono, e eu imagino que ela está gostando do meu toque, mas claro,isso é impossível. “Não o cabelo dela, tapado. Ela não pode nem mesmo sentir o cabelo dela.” “Ela não pode sentir nada. Ela está dormindo como o resto deles." “Então por que não tocar uma parte importante?” Não é por que Travis diz. É porque eu quero. Eu movo minha mão do seucabelo para seu rosto. Parece como — Deus, isso é piegas — pétalas de flores. Rosas,talvez. Eu movo meu dedo pela bochecha dela, para a boca dela, seus lábios. Eles estãopartidos ligeiramente, e de repente, eu não posso deixar de admitir isso: eu querobeijá-la. Doido, porque dez minutos atrás eu ainda estava pensando completamenteem Amber, mas eu realmente quero beijar essa garota em coma. Eu me inclino maisperto. “Não a bochecha dela, idiota!” Travis se inclina para baixo. “Deus, saia docaminho.”
  • 40. “Não!” Eu bloqueio ele. É impossível dizer que eu totalmente, tipo, respeitoessa garota mesmo que eu não a conheça. Eu posso apenas dizer que ela é alguémespecial. Deus, eu imagino se ela é uma princesa! Eu me levanto. “Olha, eu quero beijá-la, mas não na sua frente. Por que vocênão desce e rouba aquelas coroas? A princesa e eu precisamos de algum temposozinhos." “De verdade?” “Claro.” Eu posso fazê-lo devolvê-las mais tarde. “Mas me de dez minutos.” "Tudo bem, mas eu vou voltar logo.” Ele começa a ir para a porta e então virade volta. “Ei, você não acha que é roubo de verdade quando eles, tipo, nunca vãoacordar?” Eu meio que acho, mas eu não sou o que está fazendo o roubo, e eu queroque Travis saia. “Claro que não.” “Tudo bem. Vejo você depois.” E ele saiu. Eu estou sozinho no quarto exceto pela garota. Eu a toco de novo, nabochecha dela, agora eu posso fazer isso sem Travis zombando de mim. Ela suspirasuavemente em seu sono. Ela é tão bonita, eu desejo que ela acorde então eu poderiafalar com ela. Mas é provavelmente melhor desse jeito. Se ela estivesse acordada, elanão estaria na minha. Então é quando eu penso na Branca de Neve. Branca de Neve era o conto de fadas favorito de Meryl. Claro, sendo umgaroto, eu achei que era idiota. Ainda, ela assistiu o DVD talvez umas mil vezes, entãoeu não podia não saber a história, que é sobre uma princesa que come uma maçãenvenenada. Todo mundo pensa que ela está morta. Mas então o príncipe a beija. Elaacorda, e ela e o príncipe vivem felizes para sempre. Talvez eu pudesse acordá-la. Exceto, claro, eu não sou um príncipe. E há todas aquelas outras pessoas dormindo. Isso não acontecia em Branca deNeve.
  • 41. Ainda, não ia machucar beijá-la. Eu me sentiria menos como um psicopata seeu pensasse que estava tentando acordá-la.. Eu a levanto para mim. O corpo dela está quente, e é quase como nadalevantá-la. O vestido dela é feito desse veludo suave, e quando eu a puxo mais perto,eu posso sentir as batidas do seu coração. Eu desejava poder ver os olhos dela, mas o rosto dela... os lábios dela... É meio estranho beijar uma garota se você não conhece o nome dela. Mastalvez eu possa passar por isso. Talia. O nome apenas vem para mim. Eu não sei de onde eu o peguei. Eu nuncaconheci uma Talia. Ainda, eu tenho certeza que é o nome perfeito. “Talia,” eu sussurro. Ela suspira em seu sono. “Oh, Talia.” Eu a puxo mais perto de mim, uma mão em seu cabelo,sustentando sua cabeça. Eu levo meu rosto perto do dela, e é como se eu pudesse vera vida dela inteira, estando aqui nesse castelo, isolada, desejando por algo mais. Eunão sei como eu sei isso, talvez do mesmo jeito que eu sei o nome dela. Talia. Meus lábios estão nos dela. É um beijo longo. Eu seguro ela mais perto,sentindo seu cabelo, seu corpo, sua boca, e então as mãos dela no meu cabelo. O quê—? Eu não quero parar de beijá-la, especialmente desde quando ela me beijou devolta, mesmo se for em seu sono. Ainda assim, finalmente, eu tenho que me puxar longe dela para respirar.Então eu me puxo. “Você é tão bonita, Talia.” Eu olho direto para seus olhos grama verde. Eu nunca tinha visto olhosdaquela cor antes. “Obrigada, meu príncipe,” ela suspira. Então os olhos verdes se ampliam.
  • 42. “Quem é você?”E então é quando ela grita.
  • 43. Capítulo 6 Ela está acordada! É realmente igual Branca de Neve! Puta merda! Mas eu nãosou um príncipe. Eu sou apenas esse cara normal da América — um país totalmentelivre de príncipes — e ela ainda está acordada. Ela abre a boca dela para gritar de novo. “Não grite.” Eu coloco meus dedos em cima dos lábios dela, não como umsequestrador ou algo assim. “Eu não vou te machucar. Por favor, não grite.” Não que iria importar se ela gritasse. Eu quero dizer, não tem ninguémacordado para ouvi-la. Ela empurra minha mão longe. “Explique-se! Quem é você? Por que você estava... me beijando?” “Sou Jack. Eu não estava beijando você, exatamente. Você estava desmaiada.Eu estava fazendo respiração boca-a-boca.” Eu menti porque eu não queria que elapensasse que eu estava atacando ela ou alguma coisa assim. “Respiração... o quê? O que você está dizendo? O que é isso?” Nossa, ela é estúpida. Bonita, mas estúpida. Não é sempre assim? A não ser que eles não tenham boca-a-boca de onde — ou quando—ela é. “Jack? Você é um dos alfaiates? O que é isso que você está vestindo?” Eu olho para baixo. Eu estou com uma roupa meio velha, uma camiseta deQuatro de Julho* da Old Navy** do último verão, e jeans. A camiseta está toda rasgadade andar pelos arbustos. Pelo menos eu puxei meus jeans para cima da minha sungano último minuto. “É uma camiseta de bandeira." *Dia da independência dos Estados Unidos. **Uma loja de roupa. Ela parece confusa com a palavra camiseta e pisca para ela. “Bandeira? Dequal país?” “Os Estados Unidos. América. Yo soy Americano.” “Onde é isso?” “Do outro lado do oceano? Para o leste?” Talvez ela tenha batido a cabeça.
  • 44. Os olhos dela se iluminam com reconhecimento. “Oh! Você quer dizerVirginia?” O que é estranho. Colonial Williamsburg é em Virginia. Talvez todas essaspessoas que fingem ser figuras históricas se conheçam, como uma espécie de clube.“Sim, mais ou menos. Não Virginia, exatamente. Flórida. Mas as duas estão naAmérica.” “E essa é sua bandeira? É uma fantasia, então, vestir ela no seu peito?” Isso parece um pouco estranho quando você coloca desse jeito. “Nemsempre.” “Eu vejo. Então você veio da...?” “Flórida.” “Então você deve estar aqui para me mostrar vestidos, você certamente nãoestá visitando a realeza.” Eu não estou certo se eu gosto do jeito que ela diz “certamente,” mas eudeixo isso para lá. Essa garota tinha definitivamente tido um dia ruim. "Que vestidos?”Ela fica meio com um olhar longe em seu rosto, então se arruma. "Agora eu lembro. Antes que eu... desmaiasse, eu suponho, eu estava olhandovestidos, vestidos tão bonitos, cada um no tom exato dos meus olhos.” Ela olha para mim, e eu percebo de novo aqueles olhos maravilhosos que elatem. Eu imagino como seria ter aqueles olhos focados em mim. “Eles sumiram,” ela diz. “Eu não vi nenhum vestido. Eu juro.” “Mas você não estava aqui, também. Era apenas eu e outra pessoa. Umgaroto." Ela sorri. “Não. Isso foi antes. Mas então tinha uma senhora, uma velhamulher. Foi ela que trouxe os vestidos verdes. Ela estava girando um fio. Ela me disseque eu poderia fazer um desejo.” Ela para de falar e vira para longe de mim, para a janela. “Mas por que eu nãoposso lembrar? Isso acabou de acontecer.” “Talvez eu possa ajudar,” eu digo, ajoelhando ao lado dela. “Feche seusolhos.”
  • 45. Ela me da um olhar, como se talvez eu estivesse enganando-a, mas ela osfecha. Com os olhos dela fechados, é como se as luzes tivessem sido apagadas, e agoraé noite. “Tudo bem,” eu digo. “Agora, tente imaginar isso. Você está olhando para osvestidos bonitos, e há uma velha mulher lá. Como ela se parece?” “Eu posso dizer que ela já foi bonita uma vez. Ela tinha olhos pretos quebrilhavam como ônix.” “Ela disse que você poderia ter um desejo, então o quê?” Ela coloca a mão dela sobre os olhos. “Oh, eu estou com dor de cabeça.” “Qual é a próxima coisa que você lembra?” Ela respira profundamente, então suspira. Finalmente, ela diz, “Um sonho.Isso tem que ser, porque eu estava beijando um príncipe, meu príncipe. Ele estava medizendo o quanto eu era bonita." “Seu namorado?” “Não! Eu não tenho amigo, com certeza nenhum que seja garoto*. Eu nuncaestive em lugar nenhum, não encontrei ninguém." Ela balança a cabeça. “Era umsonho. Então eu abri meus olhos, e você estava me beijando." Ela olha para baixo porum momento, examinando algo em sua saia. Parece uma gota de sangue. *Namoradoem inglês é boyfriend: amigo garoto, por isso ela fala isso. E de repente, os olhos dela se abrem totalmente, maior e mais verde queantes. “Oh, meu Deus!” “O quê?” Eu me afasto. “O que é?” “Um beijo! Você disse que eu estava dormindo, e você passou em cima demim?” “Sim.” “Sim. E você achou que eu era bem bonita?” Eu faço careta, e ela diz, “Oh,esquece. Claro que você achou. Todo mundo concorda que eu sou absolutamentedeslumbrante.” “Modesta, também.”
  • 46. Ela me ignora. “Então você me viu, e eu era tão bonita que vocêimediatamente se apaixonou por mim." Essa garota é bem cheia de si mesma, mas não está longe da verdade. “Bem,não—” “Você se apaixonou por mim, e você se inclinou e me beijou. Primeiro beijo deamor. E quando você me beijou, eu acordei imediatamente. Isso é verdade?” “Sim.” E de repente, ela começa a chorar. "Ah, não. Ah, não. Eu sou uma tola. A velhaSenhora Brooke com cara pudim estava certa. Eu sou uma garota estúpida e nuncadeveria ter sido confiada com nem mesmo um minuto sozinha." “Do que você está falando?” Eu quero por meu braço em volta dela ou algumacoisa, mas eu tenho o pressentimento de que isso não seria boa ideia. “A maldição, estúpido!” “Agora eu sou estúpido? O que acontece com você sendo estúpida, e quemaldição?" "A maldição. A maldição. Todo mundo sabe sobre a maldição de Malvolia. Oh,meu pai vai me matar. Eles vão provavelmente me trancar em um convento!" Elacomeça a soluçar de novo, e então vendo que eu ainda não estou com o programa, eladiz, “Antes do aniversário de dezesseis anos dela, a princesa deve picar o dedo dela emum fuso e morrer." “Mas você não está morta.” “Não. A fada Flavia mudou a maldição então eu iria meramente dormir. Todoo reino iria dormir, para acordar só quando eu fosse acordada pelo primeiro beijo deamor verdadeiro.” “Uh-huh.” Ela é louca. “A velha senhora era Malvolia, você não vê? Ela veio com os vestidos, ganhouminha confiança. Ela esteve provavelmente me assistindo por toda a minha vida. Elatrouxe com ela um fuso. Ela sabia que eu faria um desejo, e quando eu fiz..." “Você está dizendo que ela furou você com esse negócio de fuso?" "Exatamente. É a maldição. Eu fiz a maldição se tornar realidade." E ela começa a chorar mais forte.
  • 47. “Ei, calma,” eu digo. “Vai ficar tudo bem." Agora ela levanta e começa a andar. “Eles me avisaram tantas vezes. Épraticamente o único assunto que eu conversava com meus pais. Era o maior medodeles, e isso se tornou realidade." Eu tento pensar em qual é o maior medo dos meus pais — eu não entrando nafaculdade talvez. Ou ter que ir a um dos colégios comunitários que ficam próximos deuma escola boa, assim eles poderiam simplesmente dizer a todos "Jack foi paraBoston" ou tanto faz. Eles morreriam. Mas eu digo, “Exatamente. Acabou. Você foi dormir, e você está acordadaagora por causa de mim e meu beijo mágico. Seus pais provavelmente vão estar tãofelizes que você está bem que eles nem vão ficar com raiva." “Você realmente acha isso?” “Claro. É como da vez que eu bati meu carro. Minha mãe estava dirigindoperto, e ela viu os destroços. Ela estava tão feliz que eu estava vivo que ela nemmesmo..." Eu parei. A princesa está olhando para mim como se eu estivesse falandooutra língua. “De qualquer jeito, eu tenho certeza que eles vão estar bem com isso.Você é a princesinha deles, certo?" Ela tinha parado de chorar, e agora ela acena. "Talvez você esteja certo." “Eu sei que eu estou.” “Qual é a data? Eu preciso saber quanto tempo em dormi.” Eu olho a data no meu relógio de pulso. “É vinte e três de junho." “Oh, não é tão ruim assim então. Um mês. Eu perdi minha festa deaniversário, o que é uma vergonha, e eles vão ter que explicar para os convidados, masainda..." Os olhos dela caem para o meu relógio. “O que é isso?” “Um relógio.” Ela pega meu pulso, examina-o, então leva ele para o ouvido dela. “Umrelógio? No seu pulso? Que estranho.” Ela vai para trás e examina minhas roupas,minha camiseta de bandeira. “O que é isso?” Ela aponta para os números na camiseta.
  • 48. “O ano. Old Navy coloca o ano em todas as camisetas de bandeiras deles. Étipo uma extorsão, eu acho - você tem que comprar uma nova todo ano.” “Esse... é... o... ano?” Ela parece meio doente. O rosto dela está de repentequase da mesma cor verde dos olhos dela. “Bem, eu comprei essa ano passado. Nós sempre as compramos para quandonós vamos assistir os fogos de artifício. Mas eu provavelmente não vou comprar umaesse ano, eu pensei nisso, porque—” “Esse é o ano? O ano!” “Bem, ano passado.” Ela começa a tremer. “Oh, meu... oh, não.” Ela cai de volta para o chão, comoela estava quando eu a vi pela primeira vez. “Isso não pode ser verdade. Não pode." Eu ajoelho ao lado dela. “Qual é o problema agora? Eu achei que você estavabem.” Ela olha para mim, então começa a gritar. “Bem? Bem? Eu dormi por quasetrezentos anos!" Do lado de fora, nas escadas, eu ouço uma comoção, pessoas correndo, entãogritando. “Pare! Ladrão!” Travis aparece na porta. “Jack, a gente tem que ir. Eles estão todos acordados,e eles estão atrás de mim por roubar a coroa!"
  • 49. Capítulo 7 As coisas ficam um pouco loucas então. Lá estava Travis na porta e então doisguardas com espadas de verdade. Quando eles entram, Travis começa a gritar, “Eu nãoas tenho! Reviste-me se você não acredita em mim — só não me decapite!” Uma dasespadas girou em volta, e ele pula. "Ponha essas coisas longe de mim!” Então um monte de gente aparece. A maioria deles está vestindo chiquesvelhos vestidos. Perto está uma mulher, quem eu estou adivinhando que é a que a princesachamou “Senhora Brooke com cara de pudim,” porque o rosto dela parece tão bege esuave quanto pudim de baunilha. Talia corre para ela, gritando com angustia. “SenhoraBrooke! Eu fiz isso! Eu fiz isso!” “Fez o que, querida?” Senhora Brooke diz. “Estraguei tudo. Eu sinto tanto.” Travis conseguiu ir para longe dos guardas na confusão quando os alfaiatesapareceram. Agora, ele puxa meu braço. "Vamos, cara.” Eu começo a ir, olhando de volta para a princesa, que ainda está lamentando. “Espera!” a princesa grita, alto o suficiente para fazer todo mundo na salaparar o que estavam fazendo e olhar para ela. Tudo está em silêncio, e eu percebo queninguém a não ser Talia e eu sabe que eles dormiram por centenas de anos.Finalmente, Senhora Brooke com cara de pudim diz, “O quê agora, querida?” A princesa aponta para mim. “Ele não pode sair.” “Por que não?” “Por que ele me beijou!" Todos os olhos na sala viram para mim. Os guardas percebem Travis de novo,mas agora eles nos agarram. “Você desonrou a princesa?” um dos guardas demanda, chegando mais pertocom a espada. “Não... Eu quero dizer, eu acho que não.”
  • 50. “Não!” Talia diz. “Eu não fui desonrada no mínimo. Mas ele deve ficar.” “Quem é você?” Senhora Brooke diz. “Eu sou Jack O’Neill... Da Flórida... Eu acho que eu quebrei algum feitiço. Nãoprecisa me agradecer. Se você apenas tirar seu guarda antes que ele remova algo, euvou embora.” A princesa se apressa para mim. "Você não pode ir. Você quebrou o feitiço.Você sabe o que isso significa?” Quando eu não respondo, ela diz, “Isso significa quevocê é meu amor verdadeiro." “Doida! Doida!” Travis sussurra. Eu o ignoro. “Amor verdadeiro? Mas eu nem mesmo sei o seu nome.” “Meu nome?” Ela parece surpresa. “Ah, bem, isso é bastante fácil. Todomundo sabe.” “Exceto eu.” Quando você me disser, eu posso sair? “Muito bem. É provavelmente melhor ter uma apresentação adequada.” Elaolha para Cara de Pudim e diz, “Senhora Brooke.” Senhora Brooke acena, embora ela não parecesse feliz sobre isso, e faz umgesto para mim. “Jack O’Neill, da Flórida, você é apresentado para Sua Alteza Real,Princesa Talia.” Talia. “É um costume fazer uma reverência nesse tempo,” Talia diz. “Seu nome é Talia? Eu não sabia...” “E ainda, foi assim que você me chamou quando você...” “Eu sei.” Eu balanço minha cabeça. “Eu quero dizer, eu não sabia seu nome,mas de algum modo eu adivinhei ou algo assim. Foi esquisito, como se alguém tivessecontado para mim." Ela acena. “Amor verdadeiro. Foi feito para ser.” “Olha,” eu digo, “Eu posso querer sair com você alguma hora, mas tão longequanto amor verdadeiro—”
  • 51. “Mas você me acordou! E eu só posso ser acordada por beijo do amorverdadeiro. E além do mais, eu sou uma princesa bonita. Como você não pode meamar?” Fácil. Travis olha para Talia, então para as mãos dos guardas que estão segurandoele, e então de volta para Talia. "Então, hum, Sua Alteza, você acho que talvez vocêpoderia deixar a gente ir?" “Sim, está — eh — ficando tarde.” É na verdade só meio dia e trinta, masquem sabe se essas pessoas mesmo sabem falar as horas. “Nosso grupo do Tour estáesperando por nós.” “Alteza, esse aqui é um ladrão!” o guarda atrás do Travis diz. “E se essa pessoaestá com ele, ele pode ser um cúmplice.” “Eu não sou um ladrão,” eu digo, “e nem Travis.” “A coroa estava nas mãos dele!” o guarda diz. “Ele não pegou nada, e eu sou o que quebrou a maldição e salvou vocês. Issonão conta alguma coisa?” “Que maldição?” Senhora Brooke diz. “Do que ele está falando?” Talia a ignora. “Sim. Guardas, vocês devem soltar esse cavalheiro de uma vez.Ele é um convidado de honra e um amigo do meu futuro marido. Vocês dois fiquempara a ceia.” Futuro marido? Ela queria dizer eu? “Desculpa, mas eu não sou—” “Talia...” Senhora Brooke diz. “Você não está querendo convidar esse... esse...plebeu para ceiar. É a véspera do seu baile de aniversário.” Talia começa a chorar de novo. “Não, Senhora Brooke. Você não entende? Eutoquei um fuso! Um fuso! Nós todos dormimos por um bom tempo, e esse..." Ela fazum gesto para mim. “Esse plebeu me acordou.” “Você tocou um fuso, você diz?” A mandíbula de pudim da Senhora Brookeestá pendurada. Talia acena. “Um fuso, você diz?”
  • 52. “Sim!” Senhora Brooke embala a testa dela em suas mãos. “Eu deixei você sozinhapor dez minutos, e você toucou um fuso e dormiu por... por...” “Trezentos anos.” “Ah!” Senhora Brooke parece como se ela tivesse sido esfaqueada. “Ah, denovo não, de novo não...” Ela se recupera. “E você foi acordada por um... um...” “Um cara realmente ótimo?” eu voluntario. Talia acena. “Ele vai ficar para a ceia.” Ela olha para mim. “Você vai ficar para aceia?” Eu aceno. Eu posso aguentar isso se isso é o que é preciso para me deixarem ir- mesmo que provavelmente eles vão servir esquilo ou algo assim. “Isso está bom.Apenas me deixe ligar para o hotel e dizer para eles onde nós estamos.” Eu tiro meucelular. “O que é isso?” Princesa Talia diz. “Um telefone.” Ela continua a encarar ele. Na verdade, todos param o queestão fazendo, se reúne em volta, e encara. “Você pode, um, falar com pessoas nele.” Exceto que eu não tenho sinal. Duh. Não há nenhuma torre aqui. De repente,desce em mim o que Talia disse: Eu dormi por quase trezentos anos! Se isso é verdade,esse lugar é tipo uma aberração do tempo. Princesa Talia realmente ferrou as coisas. E tudo no que eu estou pensando é, Como eles duraram tanto tempo semcomer ou fazer xixi? Todos estão ainda encarando o telefone, que clareia e faz sons de bip. Euimagino como eles ficariam excitados se realmente funcionasse. “Nós temos que ir lá," eu digo. "Eles vão estar esperando por nós." “Mas com certeza seus amigos devem saber da sua jornada," Talia diz. "A gente meio que fugiu.” “Então nós temos que mandar uma mensagem,” Talia diz. “Simplesmente mediga o nome da estalagem que vocês estão ficando, e isso deve ser feito."
  • 53. Problema número um: eu não tenho nem ideia onde o hotel fica. Problemanúmero dois: Há uma enorme cerca em volta de todo o país. Problema número três: Eunão vou — e eu quero dizer não — casar com essa princesa. “Isso ajuda?” Travis puxa um cartão postal do bolso dele. Tem uma foto dafrente do nosso hotel. Isso causa outro espasmo de atividade enquanto todo mundo sereúne em volta da foto. Finalmente, Travis diz, “O endereço está na parte de trás, euacho.” Talia o entrega para a Cara de Pudim, que parece perigosamente perto dedesmaiar. Ele o examina por um momento, então diz, “Isso é uma jornada de doisdias.” Parecia bem longa, mas não dois dias. “Nah,” Travis diz. “Foi quase duas horas no ônibus." Cara de Pudim olha intrigado. "Ônibus?” "Eh. É como uma espécie de carro só... vocês têm Roda aqui? Já tinha sidoinventado?" Talia endireita os ombros, e até mesmo Senhora Brooke parece terrecuperado o suficiente para a gracinha de Travis. "Eu acho que eles têm," afirma Travis. "Bem, um ônibus é uma espécie decoisa que roda com um motor, e rápido." Ele olha para elas. "Ok, eu posso ver vocêsnão entenderam a coisa do ônibus. Talvez eu possa, tipo, levar os seus guardas emostrar a eles se, hum, eles me deixassem ir e tirassem suas espadas da minha bunda." Talia acenou. "Faça o que ele diz." Os guardas parecem decepcionados, mas eles soltam Travis, e gesticula paraque o seguissem. "Ei, vocês têm uma serra elétrica?" Travis está dizendo enquanto elessaem. Quando ele se foi, Talia se vira para mim. "Bem, então, temos de encontraralguma roupa adequada para você. Se queremos casar, você deve conhecer o meupai." Então, no caso de eu não entender, ela acrescenta, "O Rei. Assim, podemosorganizar o casamento." Senhora Brooke finalmente desaba no chão. Estou muito perto de me juntar aela. Eu deveria ter ficado com o tour!
  • 54. Parte 3 Jack E Talia
  • 55. Capítulo 1: Talia Minha vida está arruinada. Eu despachei a Senhora Brooke para achar um quarto e algumas roupas paraJack. Então eu volto para a tarefa que eu comecei, eu pensei, essa manhã, masaparentemente quase trezentos anos atrás - escolher vestidos para o baile. Não hánenhuma razão para não ter um baile. Sim, eu tenho trezentos e dezesseis anos (dê outire um ano) ao invés de dezesseis anos, mas já que eu não morri de fome, nem morride sede enquanto dormia, parece como se meu corpo foi de algum jeito suspenso notempo em todos esses anos. Além do mais, Jack não teria me beijado se eu fosse umavelha. Portanto, amanhã ainda vai ser meu décimo sexto aniversário, e eu ainda tenhodireito a minha festa, então eu ainda preciso de vestidos. A notícia ruim é que os vestidos mais bonitos foram feitos por alguém queagora eu sei era uma bruxa má que queria me destruir porque ela estava chateada pornão ter sido convidada para uma festa anterior (Eu vou dizer, Papai e Mamãe foramum pouco míopes em simplesmente não tê-la convidado — o que teria custado, umfaisão extra e talvez alguns nabos?), então eu vou precisar continuar minha procura. Eu me aventuro no primeiro, então no segundo cômodo. Eu sei que eu deveriaprocurar por minha mãe e meu pai, mas eu simplesmente não posso encará-los ainda.Eu não quero contar a eles o que eu fiz. Eles nunca vão me perdoar. É no terceiro cômodo que eu vejo meu pai. Ele parece distraído. “Talia, eu estou tão feliz de ter te encontrado.” Embora, sinceramente, que ele não pareça feliz no fim. “Eu tenho noticias terríveis,” ele continua. “O baile deve ser cancelado.” “Mas por quê?” Embora eu tenha alguma ideia do por que. Ele descobriuminha tolice com o fuso, e ele quer me punir. Eu me preparo para berrar,possivelmente chorar. Eu sou ótima chorando. Mas meu pai diz algo ainda mais surpreendente. “Eu não sei, minha querida. Parece que não há convidados.”
  • 56. “Não há convidados? O que você quer dizer?” “É a coisa mais estranha. Os olheiros viram os primeiros navios à distância asnove horas. Por volta das dez e meia, alguns estavam prestes a entrar no porto. Masentão eles simplesmente desapareceram.” “Desapareceram?” eu repito o que ele disse para ter mais tempo para pensar. Meu concorda. "Tenho medo, minha filha, que há algo em andamento aqui,que nós possamos estar a beira de uma guerra, ou pior, que eu possa ter sido vítima demagia negra, a arte escura da bruxa Malvolia.” Malvolia. Oh, não. Eu um instante, eu entendo o que aconteceu com osnavios. Eles não viraram, nem foram enfeitiçados, não realmente. Eles podem tertentado entrar no nosso porto. Mas quando eles tentaram, ele não estava lá. O reinofoi ocultado da visão por uma floresta gigante, como Flavia disse em seu feitiço idiota.Eles pensaram que tinham ido ao lugar errado. Os convidados, as visitas reais, mesmoo príncipe especial que poderia ter sido meu marido, eles devem ter se tornado poeirafaz séculos, e eu sou apenas uma princesa com trezentos-e-dezesseis-ou-mais-anos,com absolutamente nenhuma perspectiva qualquer. Vou precisar de muita habilidade para explicar isso pro meu pai. “Sinto muito, minha filha querida.” Ele sente muito. Seria possível simplesmente fingir ignorância de toda asituação? Fingir que eu não tenho nenhuma ideia do que aconteceu com os navios,sem compreensão de que causou — eu estou certa — inúmeras alterações para oreino? Mas eu me lembrei da roupa de Jack e do objeto estranho que ele carregavacom ele, a conversa de Travis sobre ônibus. Certamente o mundo mudou durantenossos trezentos anos de hibernação, tão certo como tudo mudou durante ostrezentos anos antes disso, e tão cedo quanto meu pai vai perceber as mudanças, elevai entender suas causas. Se ele não perceber, Senhora Brooke vai estar certa decontar para ele. “Pai?” Eu toquei o ombro dele. “Sim, minha princesa?” “Eu acredito...” eu pego o braço dele, tão doce quanto eu posso, e guio-o parauma cadeira. “Eu acredito que você deveria se sentar." Ele senta, e quando ele senta, eu começo a contar minha história.
  • 57. “Eu toquei o fuso, e então no momento seguinte, esse plebeu chamado Jack estava meacordando,” eu concluí. Meu pai está silencioso. “Pai? Você está... está tudo bem?” “Você diz que tocou um fuso, Talia? Um fuso?” “Não foi culpa minha.” “Não foi sua culpa? Foi tudo culpa sua.” Ele parece, de repente, como avingança de Deus contra o assassinato. “Será que nós não te ensinamos nada? Quantasvezes nós te contamos — advertimos você — sobre fusos? Foi a primeira palavra quevocê aprendeu, a última coisa que você ouvia antes de dormir a noite, a lição de maisimportância: Não toque em fusos. E você esqueceu isso — ignorou isso?” “Eu disse que sentia muito." “Sente muito? Você não entende que nós estamos arruinados?” “Arruinados?” Pai está fazendo um bom barulho. “Certamente é uminconveniente, mas—” “Inconveniente! Talia, você não entende? Como você pode ser tão estúpida?” Eu sinto lágrimas brotando dos meus olhos mais uma vez. Ele nunca tinhafalado comigo dessa maneira. “Pai, sua voz. Todos vão ouvir você.” “O que isso importa? Se, como você diz, nós todos dormimos esses trezentosanos, nós estamos arruinados, destruídos — você, eu, todo o reino. Nós não temosnenhum reino. Nós não temos nenhum comércio. Nós não temos aliados para nosdefender. Marque minhas palavras, não vai demorar muito até todos perceberem queminha filha é a garota mais estúpida da Terra." “Mas... mas...” Eu não pude conter minhas lágrimas mais tempo, e quando euolhei para meu pai, eu vi algo horrível. Ele está lutando para se segurar. Meu pai, o rei,o homem mais poderoso de toda a Euphrasia, está chorando, e é minha culpa, tudominha culpa. “Isso foi um erro!” “Você não se importa com ninguém a não ser você mesma, Talia, e nósestamos pagando o preço. Teria sido melhor se você se envolvesse em qualquer outra
  • 58. indiscrição da juventude – escapar, até mesmo fugir — do que isso. Isso afetou todos, eisso é imperdoável.” As palavras do meu pai me atingiram como punhais. Ele preferia me ver indoembora a ter feito o que eu fiz. Ele me odeia. “Eu sinto muito, Papai.” Ele olha para o chão. “Talvez, Talia, você devesse ir para o seu quarto." Sim. Talvez eu devesse ir e nunca mais sair — o que é provavelmente o queestá planejado para mim de qualquer jeito. Eu aceno e começo a ir para a porta. Entãoeu lembro de algo que eu devo contar para ele, apesar de que nesse ponto, eupreferisse que não. Ainda, se o meu pai me despreza, eu não tenho nada a perder. Eujá arruinei tudo. “Pai?” “O que agora, Talia?” “O garoto, o que me acordou do meu sono... eu o convidei para ficar nocastelo e ceiar conosco." Meu pai me encara. “Ceiar?” “Sim. Parecia a coisa apropriada a se fazer.” Ele faz uma tentativa de endireitar seus ombros, mas falha. “Sim.” A palavrasai como um suspiro. “Sim, eu suponho que é.” E então, antes que eu possa dizer algo mais, meu pai vira as costas e sai. Euespero um minuto para ter certeza que ele já foi antes de sair do quarto.Eu estou passando pela câmara de hospedes no caminho para o meu quarto quandoeu escuto uma voz. “Com licença? Talia? Um, Sua Alteza.” Eu paro. Jack! Eles devem ter colocado ele nesse quarto. Eu me aproximo da porta. “Sim?” Na verdade, é ele. Esse plebeu, esse garoto com quem supostamente eu voucasar, esse ninguém que arruinou tudo.
  • 59. E ainda... ele está vestindo roupas mais apropriadas, e ele parece bonito, masmuito desconfortável ao mesmo tempo, como convém a um membro da nobreza. “Eh,desculpa te incomodar, Princesa.” “Não incomoda.” Embora, na verdade, eu preferisse ficar sozinha com minhador. Meu rosto queima. Logo, todos vão saber da minha estupidez e humilhação, queeu arruinei o reino, e logo eu vou ser a mais arruinada de todos. “Seu pai parecia chateado.” Eu acenei, incapaz de falar. Então ele escutou. “Mas o que ele disse,” Sr. Jack O’Neill continua, “sobre o sono de cem anos?” “Trezentos.” “Certo. desculpa.” “Trezentos! Nós dormimos por trezentos anos, e nós estamos arruinados, e étudo minha culpa.” Eu tento não soluçar de novo. Se eu fosse alguns anos (ou algumascentenas de anos) mais nova, eu podia me jogar no chão com impunidade, mas comoisso é, eu simplesmente fiquei em pé lá, ofegante. Jack fica lá também, olhando para baixo. Eu imagino se ele escutou meu paime chamar da garota mais estúpida na Terra. Provavelmente o castelo inteiro ouviu.Finalmente, ele diz, “Posso te pegar alguma coisa, tipo um Kleenex?” Eu não tenhonenhuma ideia do que um Kleenex é, mas ele coloca a mão no bolso e pega um pedaçode papel, uma espécie de lenço de papel. Eu pego e fungo nele. Eu tento não fungar muito alto. No entanto, tenhochorado muito. Então finalmente, eu tenho que entregar para ele e respiro igual a umdos cavalos, então assim, além de ser a garota mais estúpida de toda Euphrasia — não,do mundo—eu posso também ser a mais nojenta. Para seu crédito, Jack finge não perceber, e sua bondade envia uma torrentede lágrimas que eu tenho tentado evitar. Quando eu termino, ele diz, “Meu pai pode ser uma espécie de idiotatambém. Mas eu não achava que princesas tinham que lidar com isso.” “Eu nem estou certa que eu ainda sou uma princesa. Eu posso ainda ser umaprincesa se Euphrasia não é mais um país? É tudo minha culpa! Eu sou tão estúpida!” “Você não é estúpida. Você bagunçou as coisas. Eu bagunço as coisas todo otempo.”
  • 60. Bagunçou? Eu me movo para longe dele, me perguntando se meu rosto estámanchado, se eu estou horrível agora, além de ser estúpida e nojenta. Mas eu vejo umpouco do meu reflexo no espelho da parede. Não, o presente de Violet continuouverdadeiro. Eu ainda sou bonita. Perfeita, em todos os sentidos a não ser um. Elecontinua. “Do que eu estou entendendo, você tinha uma maldição colocada sobre você— que antes do seu aniversário de dezesseis anos, você picaria seu dedo em um fuso.Certo?” Eu aceno. “Certo.” “Meu pai, ele é um homem de negócios, e ele está sempre procurando aformulação das coisas. Então foi assim que foi formulado? ‘Antes do aniversário dedezesseis anos dela, a princesa pode picar seu dedo em um fuso...’ não ‘a princesadeve picar seu dedo’ ou ‘se ela não for cuidadosa, ela vai’?” Eu aceno. “Mas era para eu ter cuidado. Minha Mãe e Pai sempre disseram—” Ele levanta a mão dele. “Não querendo desrespeitar deles, também. Eu achoque eles estavam tentando proteger você, mas eu não acho que você podia serprotegida de ser picada pelo fuso se isso era parte da maldição. Isso tinha queacontecer." “Mas...” Eu paro. Eu prefiro o jeito que esse jovem homem está pensando. Naverdade, ele é muito bonito para um camponês. “Você realmente acha isso?” “Eu acho.” Há convicção em seus olhos. “Essa bruxa colocou essa maldição emvocê, e era isso — você estava indo tocar. Talvez ela até mesmo te encantou para tefazer você tocar no fuso. Era o seu destino.” “Destino.” Eu gosto do som disso, particularmente porque isso significa quetodo esse fiasco não é minha culpa. “Sim, destino, tipo como era o destino de Anakin Skywalker ser Darth Vader.” Eu não tenho nem a mínima ideia do que ele está falando. “Mas isso nãomuda o fato que meu pai acredita que eu sou uma boba e pensa que é minha culpaque o país dele está arruinado.” Eu me lembro do que meu pai disse mais cedo, sobrecomo ele preferiria que eu tivesse fugido. Eu olho para o Sr. Jack O’Neill. Ele é alto, eseus olhos castanhos são muito intoxicastes, e naquele momento, eu vejo a minhafuga. “Você acha que talvez...?” Eu não posso perguntar isso. Mas ele diz, “O quê, Sua Alteza?”
  • 61. Os olhos dele são gentis também. “Talia. Chame-me de Talia, pois eu estou prestes a te pedir para você... melevar com você.” “O quê?” Ele dá três passos para trás, como se ele tivesse sido empurrado.Quando ele se recupera, sua voz é um sussurro, e ele olha para a porta. “Eu nãoposso.” “Por que não? Se é porque eu sou uma princesa e você é um camponês, issonão importa. Eu sou uma pária agora. Meu pai me despreza. Todos eles...” Eu faço umgesto para a janela, indicando o chão em baixo, o terra, as pessoas. “Todos eles devemme odiar logo. Suas plantações estão mortas. A comida deles apodreceu. Eles deviamestar mortos há muito tempo e apodrecidos, mas por minha causa, eles ainda estãovivos, só que o mundo inteiro mudou em volta deles." “Mas eu tenho apenas dezessete. Eu não posso ser responsável por umaprincesa. Eu mal posso terminar meu dever de casa.” “Por que não? Dezessete é um homem adulto. Claro, você deve estaraprendendo uma profissão — como um ferreiro ou fazendo sapatos.” “Tipo assim. Eu vou para a escola. Isso é o que todos fazem agora.” Agora. Tudo está diferente agora. Mas eu devo mudar isso. Eu fui destinada apicar meu dedo em um fuso, e eu piquei. Mas havia outra parte da maldição. Era paraeu ser acordada pelo primeiro beijo do meu amor verdadeiro. O beijo foi do Jack.Portanto, ele deve ser meu amor verdadeiro, mesmo que ele pareça um poucopreguiçoso e desagradável, e eu imagino como ele pode ter passado pela floresta parao reino. Ele não parece apreciar a ótima oportunidade que foi dada a ele, casar com aque foi presenteada pelas fadas com beleza e graça e talento musical e inteligência. Eutenho que fazê-lo perceber isso. Eu tenho que fazer dele meu amor verdadeiro, se euvou cumprir meu destino. “Bem,” eu digo, “em qualquer caso, você deve se juntar a nós para a ceia." “Tudo bem,” ele diz. “Ceiar está bem. Casar — nem tanto.” Eu finjo concordar, mas eu sei que eu devo fazer ele se apaixonar por mim, seele quer ou não.
  • 62. Capítulo 2: Jack Eu estou vestindo algo entre calças e leggings, um casaco vermelho, umacamiseta com babados, tudo muito pequeno. Pelo menos eles não vestem saioteescocês nesse país. Eu estalo a porta (que tem dois metros de altura) aberta e olho para ocorredor. Um guarda corre para mim. “Posso te ajudar, sir?” “Um, tem alguma comida por aqui?” O cara olha para baixo. “Eu devo checar, sir.” Ele não se move. Eu fecho a porta, meu estômago roncando tipo um quadricíclo andando pelalama. Já faz quatro horas que eu beijei a princesa. Eu sei disso de checar o meu celular,o que só serve agora como um relógio. E desligo-o de novo para salvar bateria. Não écomo se houvesse algum lugar para recarregá-lo. Claro, Travis pegou os sanduíches com ele quando ele me abandonou para irpara o hotel. Aposto que ele não volta. Eu fiquei com a cerveja, mas provavelmentenão é boa ideia beber com estômago vazio. E imagino se isso é apenas um calabouçorealmente chique. Eu vou para a janela pela décima vez. Não há nenhuma chance de escaparpela porta. O corredor está cheio de gente esperando para fazer meus pedidos. Masninguém quer me ajudar a escapar (e, realmente, onde eu poderia ir nessas calças?). Ajanela não é muito melhor. É pelo menos no quarto andar e feita desse vidro grossocomo em igrejas. Não, minha melhor aposta é jantar, então fugir quando eles todosvoltarem a dormir. Claro, depois desses trezentos anos, eles provavelmente estão muito bemdescansados. Eu devia ter ficado com o grupo do tour. Claro, os museus eram chatos, maspelo mesmo as pessoas eram desse século. Alguém bate na porta.
  • 63. “Entra!” Eles batem de novo. A porta é tão grossa que eles não podem ouvir por ela. Euando pelo quarto e abro-a. “O que?” “Imploro seu perdão, sir.” É algum cara servente em uma roupa que é — eutenho que mencionar — muito menos babada que a que eles me deram para vestir.“Sua majestade pede desculpa pela demora em conseguir a ceia. Houve...dificuldades.” Meu estômago ronca alto. Eu estou com medo de descobrir o que essas pessoas comem. Minha mãe érealmente pirada com germes e salmonela, e esse não parece o tipo de lugar quedispõe de instalações sanitárias de cozinha ou até mesmo um forno decente. Aspessoas não costumavam morrer com, tipo, trinta anos nos anos 1700, ou mesmo maisjovem? E eles não têm praga com ratos e essas coisas? Se eu tenho morrer, eu espero não morrer nessas calças.O que nós temos para jantar é carne. Muita carne e cogumelos e morangos. Os pais Talia de estão lá. O pai dela — o rei — é um cara magro com cabelovermelho, e ele na verdade parece meio que o Burger King, só que o Burger Kingparece muito mais amigável e feliz sobre hambúrgueres e coisas assim. “Eu peço desculpa pela comida,” ele está dizendo para o grupo. Além de Taliae eu, há a Cara de Pudim, a rainha (uma versão mais velha de Talia), e um monte deoutras pessoas apresentados como lordes e damas. Há também duas mulheres queTalia diz que são fadas, mas eu devo ter escutado ela errado. “Mas, vocês veem, todanossa colheita morreu quando minha filha nos colocou para dormir por trezentos anos,e a comida que nós tínhamos já estragou há muito tempo.” Talia olha para longe, mas eu posso ver que as mãos dela estão tremendo. Ela parece ótima, embora, especialmente nesse vestido que ela está vestindo,um verde que você pode ver em baixo. Ela parou de chorar. Ela sentou ao meu lado efica me encarando com esses olhos dela. “Desculpa, pai,” ela diz. Quando o rei não responde, eu a vejo olhar para aporta.
  • 64. Eu decido mudar o assunto. “Então onde você pegou os cogumelos... eh, SuaAlteza?” “Sua Majestade,” Talia sussurra. Uma das mulheres fada vira para a outra, e quando ela faz, eu vejo que háasas brotando das costas dela. Ela sussurra, “Ele? Ele é o destino dela?” “Shh,”sussurra a outra. “Está tudo bem, Talia,” o rei diz. “Eu tenho certeza que esse jovem homemnão está acostumado a jantar com a realeza na... Flórida, é isso?” Eu aceno. “Uma colônia espanhola, se bem me lembro, e uma terra estéril. Mudoumuito nesses trezentos anos?” “Um, um pouco.” “Os caçadores acharam os cogumelos na floresta,” o rei continua. “Eles estão bons para comer?” Eu pergunto. É provavelmente uma perguntarude, e realmente um cogumelo alucinógeno podia atingir o local agora. O rei encolhe os ombros. “Isso realmente importa nesse ponto?” Talia recuaquando ele diz isso. O rei pega uma grande garfada de cogumelos, mastiga, entãoengole eles. Todos nós assistimos. Ele não cai ou vomita ou qualquer coisa assim. “Eles estão aceitáveis,” ele diz finalmente. Eu não pergunto o que é a carne, mas Talia diz, “O pavão não está excelente?" “Um pouco duro depois de ter dormido trezentos anos.” O rei olha para Talia.“Mas vai ter que servir.” Ah, cara. E eu pensei que meus pais eram duros. Esse cara está agindo comouma criança mimada. Mas então, assim é como a filha dele é, também. De novo, eu tento mudar o assunto. “Isso é pavão?” “Certamente,” a rainha diz.
  • 65. “Uau.” Eu experimentei agora, e é meio duro e com cheiro ruim, tipo pato emum restaurante chinês realmente ruim. Eu o movo pelo meu prato. "Você não tem pavões de onde você veio?” Talia parece ainda mais ansiosa demudar o assunto que eu. “Nós temos pavões. Nós não os comemos, no entanto.” “O que vocês comem, então?” Talia pergunta. Eu penso sobre isso. “Muitas coisas. As pessoas na América são de todos oslugares, então nós comemos pizza da Itália...” Talia suspira alto. “Eu nunca estive na Itália.” “... hambúrgueres...” “Eu nunca estive na Alemanha, também.” “... batatas francesas (batata frita)...” “Nunca estive na França.” “...tacos do México ...” “Eu nem mesmo sei onde isso é. Não seria grande, Jack, sair e ver o mundo?”Ela olha para mim, sorrindo. “Talia...” O rei parece estar tendo problemas em mastigar o pavão e emmastigar os cogumelos. Ainda assim, ele abre a boca para falar com ela. “Isso já é osuficiente.” “Suficiente de quê? Toda minha vida, você me fez ficar nesse castelo, fazendonada, tudo pelo medo de fusos.” “Obviamente, nós não fizemos o suficiente pelo medo dos fusos. Talvez nósdevêssemos ter trancado você em uma jaula.” “Louis...” A voz da rainha está sussurrante. “É a verdade.” “Não, não é!” Talia explode. “Não havia nada que você ou eu pudesse fazerpara prevenir isso. A maldição disse, ‘deve picar o dedo dela.’ Foi predestinado—meudestino. Você teria feito melhor se tivesse picado meu dedo você mesmo, tendo
  • 66. certeza que um príncipe estava a mão para me beijar. Isso é tudo sua culpa! Suaculpa!” Uau, foi estranho ouvi-la me citando, como se eu fosse um advogado ou algoassim. Nah. Eu nunca seria um advogado. “Se esse é o caso,” o rei diz, “você teria sido acordada pelo seu amorverdadeiro. Onde está ele, então?” Talia aponta para mim. “Aqui! Jack. Ele me ama. Ele tem que me amar.” Há silencia. Os lordes e damas param de mastigar. O rei obviamente não estáacostumado de gritarem com ele. Das fadas, eu escuto uma pequena voz dizer, “Elenão pode ser o amor verdadeiro dela. Mas como meu feitiço poderia dar tão errado?”Com um pequeno suspiro, ela vira uma pequena criatura parecida com um pássaro, evoa para longe. A outra segue. “Ei,” eu digo para o Rei Louis, “você quer ouvir o meu iPod?” O rei parece chocado. “O quê — ou quem — é um iPod?” “É uma coisa do século vinte e um. Você pode ouvir música nele. Você gostade musica?” “Eu adoro música,” Talia diz. O rei suspira. “Eu costumava—trezentos anos atrás." Ele olha para Talia denovo. “Aqui.” Eu pego-o. Eu estou feliz que essa roupa que eles colocaram em mimtenha bolsos e que eu pensei em colocar o iPod em um deles. Eu gostaria de teralguma coisa clássica, talvez canto Gregoriano. A coisa mais próxima que eu tenho érock clássico, algumas músicas dos Beatles que minha irmã gosta. Eu encontro“Yesterday.” “Você coloca isso nos seus ouvidos.” “Nos meus ouvidos?” “Claro. Desse jeito, você pode ouvir música e ninguém mais ouvir.” O rei parece como se ainda não tivesse entendido, mas ele coloca os fones deouvido. “Agora o quê?” “Você aperta isso. Aqui. Eu vou fazer isso para você.” Eu me inclino e apertopara ele. Obviamente, essas pessoas são desafiadas pelo botão.
  • 67. “Ele pode nos ouvir?” Talia sussurra. Quando eu digo não, ela vira para arainha. “Mãe, por favor, faça-o parar de ser tão cruel. Isso não é minha culpa.” A rainha balança a cabeça dela. “Oh, Talia.” “Então você está contra mim, também? Eu odeio isso! Eu gostaria de podersimplesmente fugir.” Ela vira para mim. “Como você chegou aqui? Em Euphrasia?” “Eu já te contei, eu vim pela cerca.” “Não. Antes disso. Como você chegou na Europa da... Flórida?” O Rei Louis tira os fones. Ele suspira. “Como eu sinto falta de ontem.” Que é um verso da música dos Beatles. “Você quer dizer, jovem homem,” ele continua, “que no seu século, elesacharam um jeito que preservar esse homem cantando e colocaram em uma caixaminúscula, tudo para que uma pessoa possa ouvir música sem se incomodar de ter emuma apresentação, sem ter que se vestir e se reunir e dançar, que no seu tempo—que,por um acidente infeliz, é agora meu tempo também — cada homem pode viverinteiramente em seu próprio mundo?” Eu aceno. “Legal, não é?” O rei me entrega o iPod. O lorde na minha frente parece como se quisesseescutar um pouco, mas ele não ousa pedir. “Eu deveria ter morrido trezentos anosatrás,” o rei continua. “Eu deveria ter...” Ele olha para Talia de novo “...e eu teria, sevocê meramente tivesse se mantido longe de fusos como te falaram.” “Por todos os santos!” Talia chora. “Talia,” a mãe dela adverte. “Não jure em vão.” “Eu vou jurar, Mãe. Eu estou farta de ser obediente. Obediência não me feznenhum bem. Papai pode ser impertinente a mim, mas eu não vou ficar a vê-lo sendoassim com o nosso convidado. Estamos muito em dívida com Jack. Se ele não tivesseme beijado—” “Ele o que?!” o rei berra. Uh-oh. Ele não sabia disso? “Me-Me beijou. Foi como aconteceu de eu acordar. Certamente você deve—”
  • 68. “Você!” O rei aponta um dedo trêmulo para mim. “Você, um camponês,ousou tomar vantagem do estado de sono da minha filha...” “Eu não sabia que ela era uma princesa, Sua Alteza... Majestade... Senhor!” Euempurro minha cadeira para o lado. “Desculpa. Eu deveria ir.” Eu dou alguns passospara trás e tropeço em um servente segurando uma bandeja de cogumelos. É melhoreu sair daqui antes que eles venham com a ideia de — ah , eu não sei —me apedrejaraté a morte. “Não! Você não vai a lugar nenhum. Você desonrou minha filha.” “Eu não! Foi um beijo. Um pequeno.” “Sim, você está certo pai,” Talia diz. “Ele me desonrou.” “O quê?” eu grito. “Eu não... Eu mal te toquei!” Eu quero gritar com ela, maseu tento manter o controle. Gritar insultos provavelmente só iriam me colocar em maisproblemas que eu já estou. “Conte a verdade, sua... pirralha!” Oops. Isso escapou. Ela olha para mim, então continua. “É verdade. Eu estou manchada. Não hánada para eu fazer a não ser casar com esse jovem homem e ir para Flórida com eleimediatamente.” “Casar com você? Ca—” “Impossível!” O rei declara. “Por que não?” Talia diz. “Todos os príncipes que eu poderia casar estãomortos há muito tempo. Você não me deseja na sua presença.” O rei acena para os guardas atrás de mim, e eu sinto mãos nos meus braços.“Esse jovem homem é um criminoso do tipo mais desprezível, um trapaceiro que iriatirar vantagem do estado de sono de uma jovem — uma princesa — dama para...profanar ela. Morte é muito bom para tal criminoso.” Ai está. Morte. “Mas eu não... Eu não teria tocado ela se você me pagasse!” “Ele deve ser levado para o calabouço real e esperar uma punição adequada.” Eu peço para Talia, apesar de quase não conseguir olhar para ela, eu estoucom tanta raiva. “Você pode dizer algo para ele? Por favor.” Ela encolhe os ombros. “Eu não sei o que dizer.”
  • 69. “Que tal, ‘ele não me manchou’? Isso seria um bom começo.” “Ele não vai me escutar. Ele pensa que eu sou uma tola.” Ela começa a fazerbeicinho. “Você é uma tola!” o rei berra. “Em pensar que nós esperamos e rezamos eprotegemos você, apenas para ter você estupidamente arruinado o reino! Eu gostariaque nós tivéssemos permanecido sem filhos!” Para o guarda, ele diz, “Levem-nodaqui!” E a próxima coisa que eu percebo, três caras que parecem como se pudessemtrabalhar para WWE estão me carregando para baixo por uma longa, escada escura. Para o calabouço.
  • 70. Capítulo 3: Jack Minha mãe vai estar feliz. Eu estou vendo algo que muitas pessoas não podemver na Europa. Um calabouço de verdade. Não é como se eu pudesse olhar de verdade o calabouço. Talvez é porque estátão escuro que eu não posso nem mesmo ver minhas calças com babados, muitomenos algumas camas de pregos ou os chicotes, ou aquela coisa que eles esticam aspessoas. Apenas aparece como um frio, úmido, escuro quarto, como o porão da minhaavó em Nova York. E é quieto. Eu nunca realmente pensei sobre quietude antes, mas em casa, hásempre o liga e desliga do ar condicionado, o zumbido do computador. Mas não hánada a não ser silêncio aqui, e eu não tenho nada pra fazer a não ser pensar nisso. Asparedes são espessas em volta de mim, e o teto é espesso em cima de mim, comoestar morto. Não há ninguém aqui a não ser eu. E os ratos. Quanto mais eu me sintonizo com o silêncio, mais eu percebo que há barulhosdepois de tudo. Pequenos. Pequenos como pés. Pés correndo. Eu aposto que os ratos estão realmente com fome depois de dormir portrezentos anos. Não pense sobre isso! Os guardas não levaram meu iPod, então eu o ligo. Começa na mesma músicaque o rei estava ouvido. Eu disse algo errado, agora eu sinto falta de ontem. Ah, cara, eu disse. E eu fiz algo errado. Eu beijei alguma estúpida princesapirralha mimada que não podia nem mesmo se importar de dizer ao pai dela que eunão a "desonrei". E agora eu estou preso aqui, apodrecendo, talvez para sempre. Eu por que eu fiz isso? Porque ela era parecia gostosa. Você pensaria que euaprendi com Amber. Eu mudo para outra música. Rap. Alto. Uma dessas músicas é sobre o que umcara vai fazer com a namorada de algum outro cara. Coisa boa.
  • 71. Talvez eles me deixem sair amanhã. Talvez eles me decapitem. Não. Há regras sobre como você tem que tratar prisioneiros. Eu li sobre issona escola. Convenção de Genebra. Exceto que eu não tenho certeza se a Convenção de Genebra já foi inventadaaqui. Também, isso é apenas para prisioneiros de guerra. Eu sou um prisioneiro do amor. Eu fecho meus olhos e tento dormir. Mas eu não posso, então eu apenasfecho meus olhos e tento não ouvir os ratos na escuridão. Soa como se um grandeestivesse subindo. Eu sinto um liquido quente no meu braço. “Ai!" Eles estão me torturando? Fervendo-me em óleo? “Fica quieto!” uma voz sussurra. É Talia. “Mas isso machuca.” “Não é nada além de uma vela. A cera pingou. Não seja tão bebê.” “Eu estou em um calabouço!” De repente, ela está toda, “Oh, pobre, pobre querido... sim, eu peço desculpaspor isso. Meu pai está em um humor ruim.” “Nem diga. Como você chegou aqui?” “Todos estão dormindo, exceto o guarda. Ele me deixou passar.” “Mas você é autorizada a vir aqui em baixo?” “Eu sou uma princesa. Eu sou autorizada a ir para qualquer lugar que eudeseje ir.” “É melhor você ir,” eu digo. “Eu sei como isso é. Você vem aqui, então em unspoucos minutos sua dama-de-espera ou tanto faz, percebe que você sumiu. Vocêmente sobre o que aconteceu... e de repente eu não tenho uma cabeça.”
  • 72. “Você quer escapar?” “Isso seria um sim.” “Então você tem que falar comigo. Se não, eu devo ser forçada a—” “Não...” “Eu vou. Eu devo ser forçada a gritar, e todos vão vim correndo. Eu vou dizer aeles que esse patife abusou de mim gravemente. O beijo não vai ser nada emcomparação. Eu vou ser lamentada, e talvez isso possa afetar as perspectivas do meucasamento, mas elas eram poucas de qualquer jeito. Você, entretanto, deve serapedrejado ao amanhecer... mas apenas se você não me deixar ficar e falar com você.” Um calafrio corre por mim quando ela diz "apedrejado no amanhecer.” Elesfazem realmente isso? De qualquer jeito, ela claramente não vai pará-los. “Você sabe, você não é tão doce quanto eu pensei que você era,” eu digo. “Eu sou doce.” “Poderia ter me enganado.” “Eu sou. Doce e complacente. Ou eu era, nos meus primeiros dezesseis anos, amais dócil, maleável criatura que alguém possa imaginar. Eu teria sido uma boa esposa.Mas então tudo mudou. Ou melhor, nada mudou. Eu sou crescida, e ainda estou sendotratada como uma criança, ou um animal. Você sabe como é ser tratada como ummóvel?” Eu nem mesmo sei o que é um móvel*. “Desculpa. Eu estava muito apanhadona coisa toda ser-trancado-em-um-calabouço.” *Ela fala uma palavra que não é muitousada na língua inglesa, por isso ele não entendeu. “Ser tratado como se você não tivesse nenhuma escolha no que fazer em suavida?” “Meu pai quer que eu pegue os negócios dele quando eu crescer. Ele éconstrutor, ele constrói comunidades onde todas as casas parecem iguais. Eu odeioisso, mas ele não vai aceitar um não como resposta. Eu acho que é irrelevante, porém,se eu vou morrer aqui " “Você quer ir embora então?" Quando eu não respondo, ela diz, “Bem?” “Isso foi uma pergunta? Claro que eu desejo ir embora.” “Então eu devo ajudar você a sair, mas sobre uma condição.”
  • 73. Eu acho que sei qual é a condição. “Você deve me levar com você.” Ela paga minha mão e a aperta. E nós temos um vencedor. Eu sei que eu devo manter minha boca fechada, mas eu digo, “Sim, sobre isso.Eu sei que eu supostamente vou ser seu amor verdadeiro e casar com você e tudo, maseu só tenho dezessete. Pode ser perfeitamente normal casar com dezessete no seutempo—seu velho tempo. Mas ninguém casa tão novo assim agora.” Ela ri. “Casar? Eu não quero casar com você!” Ela ri tanto que eu estoupreocupado que coisas comecem a voar pra fora do nariz dela. Ela não precisa rir tanto assim. “Você não quer?” “Dificilmente. Não vamos esquecer que você foi quem me beijou.” “Oh, eu entendi. É porque eu não sou um príncipe.” Ela suspira. "Isso não significa nada. Não quero me casar com você, e você nãoquer se casar comigo, mas eu gostaria que você me levasse com quando fosse.” “Olha, princesa... Sua majestade..." “Talia vai funcionar.” “Talia não vai funcionar. Não me entenda mal. Você é bonita, e há um montede caras que amariam levar você pra qualquer lugar onde eles estejam indo.” “Não.” “Não?” “Não. Esses outros caras estão todos mortos. Cada consorte adequado estámorto e tem estado assim há quase trezentos anos." “Mas seu pai nunca vai deixar você ir embora comigo, especialmente se vocênão estiver casada.” “Não, claro que ele não vai.” “Tudo bem, então a gente se entendeu.” Eu tento tirar minha mão, o que édifícil com ela apertando a minha. “De qualquer jeito, foi bom encontrar você. Boasorte com a coisa de princesa. Agora, se você apenas pedir para o seu pai me deixarsair daqui—”
  • 74. “Não!” Ela ainda está segurando minha mão. “Eu não to pedindo para casarcom você, também não vou pedir a permissão do meu pai para deixar você ir ou eu irembora com você. Eu quero fugir, sob a cobertura da escuridão, e deixar Euphrasia. Euquero ir com você, não como homem e esposa, mas meramente como amigos,companheiros de viagem, do tipo boa-sorte-vão-felizes companheiros que as velhasbaladas escrevem.” Ela segura minha mão ainda mais forte. “Você me deve isso.” “Eu te devo? Como você descobriu?” “Você me acordou. Você arruinou tudo. Se você não tivesse vindo com seuslábios intrusivos, alguma outra pessoa teria me acordado, alguém que me amasse epudesse me salvar e salvar Euphrasia. Um príncipe. Ou talvez nós teríamos dormidopara sempre.” “E isso seria uma boa coisa?” “Isso parece preferível do que acordar amanhã e ter todo mundo sabendo queeu sou a ruina do meu reino, para ter o meu pai me desprezando. Jack, você desejaescapar. Eu desejo fugir. Eu achei que nós poderíamos nos ajudar. E se você nãoajudar...” A voz dela se arrasta. “E se eu não ajudar?” “Bem, então eu devo fugir sozinha, me aventurando no frio, mundo cruelcheio de ônibus e telefones e outros assuntos que eu não sei nada. Eu não tenhonenhum mapa e nenhum dinheiro, salvo uma larga quantidade de joias de valorinestimável.” Ela disse joias? “Sem você,” ela continua, “Eu posso ser roubada ou... pior.” “E eu... ?” Eu sinto os ombros dela subirem. “Eu suponho que você dever apodreceraqui... apesar de que uma vez que meu pai descubra que eu sumi, ele poder colocarvocê montado em uma égua de três pernas.” “O quê?” “A forca. Ele pode ordenar que você seja enforcado.” Ela tinha que dizer a palavra com E. E é assim que eu acabo fugindo com a Princesa Talia.
  • 75. Capítulo 4: Talia Ajudar Jack escapar é um trabalho simples. Primeiro, eu penso em enganar oguarda dizendo que eu vi um rato e pedir para ele pegar, então Jack pode escapar, outalvez subornar ele com um dos muitos colares na minha mala com joias. Mas quandoeu vejo quem é o guarda, eu sei o que fazer. Uma das vantagens de estar sempre na custodia dos meus pais é que eu estivea par de muitos segredos do castelo, segredos discutidos na minha presença,simplesmente porque eu estava sempre lá. A partir disso, eu sei que boatos como qualempregada está juntando miúdos com qual lacaio, qual cocheiro foi preso por baterem sua esposa com um pau muito grosso, e que noivo é acusado de fraudar cervejainglesa. Eu também sei que o guarda no calabouço é um bêbum. Eu suspeito que a bolsa que o Jack mantinha tão perto mais cedo podia contercerveja. “O que têm na sua bolsa?” Eu pergunto quando ele finalmente concorda emaceitar minha ajuda. “N-nada.” “Esse não é o momento de ter segredo. Você está preso, e eu suspeito quevocê têm o item, mais precioso que joias, que pode comprar sua liberdade. Dá-me acerveja.” Ele me diz onde achar a bolsa, e encontro o que é preciso — seis garrafascheias. Quando o guarda compreende o que é o conteúdo, ele chora de alegria, e eusei que vai ser um trabalho pequeno. Eu apenas preciso esperar até que ele tenhaconsumido a bebida, e então, quando embriaguês fizer a mandíbula dele cair em seuamplo peito, eu roubo a chave para garantir a liberdade do Jack. “Levou tempo o suficiente para você!” Jack diz quando nós passamos pelaporta do castelo. “Shhh!” eu sussurro. “E anda mais rápido.”
  • 76. “Fácil para você dizer,” ele sussurra de volta. “Você não está carregandonada.” É verdade. Eu tomei o cuidado de pegar os outros bens de Jack e eles, juntocom minhas roupas e a mala de joias, apresentam um fardo pesado. Mas eucertamente não vou carregar nada. Ele é o homem, e eu sou a princesa. “Vai tãodevagar quanto você desejar, mas me falaram que sono induzido por cerveja não duramuito. Se o guarda acordar—” “Ok, ok.” Jack caminha mais rápido. Quando ele foi um curto caminho, ele diz,“O que têm aqui, de qualquer jeito?” “Apenas os itens necessários para nossa jornada.” “Quais são?” “Vestidos... e as minhas joias. Eu não tenho nenhuma moeda, então eu trouxeo conteúdo da minha caixa de joias.” Ele murmura algo. Eu não consigo entender, algosobre cartões de credito. “Desculpe-me? Você preferiria voltar para o castelo… para o calabouço?” “Não. Tudo bem.” Agora que eu fiz minha fuga e ajudei Jack na dele, eu devo fazer com que elese apaixone por mim - mesmo ele me detestando. Eu menti quando eu disse que nãoqueria casar com ele. Uma mentira necessária. Casar com Jack é meu destino, apenascomo era meu destino picar meu dedo em um fuso. Eu tinha esperado que meudestino me faria feliz. Contudo, Jack não está sendo muito cooperativo. Por isso, amentira. Eu pensava que seria um pequeno trabalho fazer Jack me amar. Afinal detudo, eu sou muito bonita. Mas o fato é, eu nunca fiz ninguém se apaixonar por mimantes. Ainda, eu devo me casar com Jack. Por que se eu fizer, isso vai mostrar queestava tudo predestinado — meu dedo picado no fuso, o beijo, e nosso inevitávelfelizes-para-sempre. Uma vez que Jack caia no meu feitiço e nós casarmos, meu pai vaiter que reconhecer que o que aconteceu não foi minha culpa. Talvez então ele me amede novo. Mas, por outro lado, se Jack não se apaixonar por mim, então—bem—meu paideve estar certo. Nada disso era meu destino. Foi minha culpa. Oh, eu prefiro não pensar sobre isso!
  • 77. “Você quer que eu te ajude a carregar alguma dessas coisas?” Eu pergunto,para convencê-lo de que eu sou legal, embora eu pense que é inteiramente razoávelesperar que uma princesa não carregue nada. Mas ele diz, “Isso seria ótimo.” “Certo. Eu apenas pensei que desde que você era tão grande e forte, vocêseria capaz de lidar com tudo isso.” Eu coloco minha mão sobre o ombro dele. “Bem, você pensou errado. Aqui. Carrega a caixa de joias. É pesada.” Ele empurra a caixa nas minhas mãos e continua a andar.
  • 78. Capítulo 5: Jack Eu passo pela décima quinta vez nas árvores enormes e arbustos. (e, uma vez,um porco). “Deus, esse é o lugar mais escuro que eu já estive.” “Está de noite,” Talia aponta inutilmente. “Sim, mas de onde eu venho, nós temos luz a noite.” “Nós temos também. Elas são chamadas estrelas. Elas são muito românticas.” Como se eu quisesse ficar romântico com ela. Quando eu parei para mudaraquela roupa de macaco que eles me deram, ela passou todo o tempo choramingandosobre como era impróprio eu tirar a roupa na presença dela, mesmo eu indo para osarbustos me trocar. E eu estou de novo carregando a caixa de joias, porque quando elaestava carregando, ela diminuiu para um rastejar. “Não. Não estrelas, melhor queestrelas. “Luzes nas casas e do lado de fora, nas ruas.” “Fogo? Nós o temos a muito tempo aqui também. Nós Euphrasianos nãosomos tão primitivos como você deve acreditar.” Pelo menos eles tinham descoberto o fogo. “Eletricidade,” eu falo para ela. “Veja, houve esse cara, Benjamin Franklin. Eleera um pouquinho depois do seu tempo, talvez cinquenta anos, e ele era Americano.Ele descobriu eletricidade um dia quando ele estava fora empinando uma pipa nachuva.” Ela ri. “O que é tão engraçado?” “Isso soa um pouco bobo empinar uma pipa na chuva.” “Ele fez isso de propósito. Ele estava tentando descobrir eletricidade.” “Se ele não tinha descoberto isso ainda, como ele sabia que ele iria descobririsso empinando uma pipa na chuva? Ele deve ter ficado muito molhado, e ele soamuito bobo.” Essa garota é totalmente irritante, e eu nem mesmo realmente lembro toda ahistória sobre Ben Franklin. Nós aprendemos isso na quarta série. Ainda, eu digo, “Ele
  • 79. não era bobo. Ele descobriu eletricidade, e uma centena de anos depois, um carachamado Edison - outro Americano — inventou a lâmpada. Então agora nós temoseletricidade, e se você estivesse fugindo do castelo no cair da noite, você teria pelomenos uma-” “Cuidado!” Talia grita logo que eu bato em algo grande e de madeira. Umaárvore? Sim. Raízes. Casca de árvore. Tronco realmente grande. É uma árvore. Euacabei de bater numa árvore. Eu esfrego minha testa. “Como você sabia que estava lá? Estava lá na suaépoca?” “No na minha época, nós podemos ver à nossa frente. Eu suponho que nósestamos acostumados com a escuridão.” Ela ri. “Não é engraçado.” “Ah, eu sinto muito. No meu tempo, um homem correndo para uma árvoreera considerado o auge da diversão, na verdade.” Ela ri. “Mas eu suponho que tudo émelhor no seu tempo.” Eu esfrego minha testa de novo, para mostrar que ainda dói e eu não aprecioa risada dela. “Bem, sim. Vamos ver... nós temos eletricidade, água encanada, fastfood,carros, aviões, computadores, filmes, televisões, iPods. Sim, eu acho que é muitomelhor.” “Você acha?” A voz dela aumenta uma oitava. “Bem... nós temos coisas emEuphrasia que são melhor que o que você tem agora” “Tipo o que? Penicos? Servos? Peste bubônica? Nomeie-me uma coisa quevocê tinha no seu tempo que seja melhor do que nós temos.” “Amor!” ela chora. “Respeito para os outros. No meu tempo, as pessoas nãoandavam por ai beijando outras pessoas que eles não amavam e não tinham interessede casar. No meu tempo, um homem que fizesse tal coisa seria considerado um mal-educado e jogado no calabouço pelo crime dele. No meu tempo, damas eramrespeitadas!” “Se o seu tempo é tão maravilhoso, você devia voltar lá!” “Eu não posso. Você arruinou tudo com seus lábios egoístas, egoístas!” “Eu sou egoísta? Eu não sou a pessoa que tocou o fuso.” “Você disse que não foi minha culpa!”
  • 80. “Isso foi antes de eu te conhecer. Eu mudei minha opinião depois que eu vique egoísta pirralha você é! Você provavelmente fez isso de propósito, só para estragaras coisas para todo mundo! " “Oh!” Ela bate o pé. “Isso está certo. Bata o pé! Pirralha!” “Eu nunca devo falar com você de novo!” “Bom! Eu vou apreciar a quietude.” “Eu devo... Eu devo ir para casa!” “Bom! Vai! Isso é exatamente o que eu quero!” Ela para de andar por um segundo, e eu acho que ela vai se virar, que eu vourealmente me livrar dela. Eu continuo andando. Talvez eu deva atirar a caixa de joia nochão. Se eu não jogar, ela vai provavelmente me acusar de roubar. Mas um momentomais tarde, eu escuto os passos dela, correndo para me alcançar. “Esqueceu alguma coisa?” Eu digo. “Eu não posso ir para casa. Você sabe que eu não posso.” “Por que não? Eles vão passar por isso. Você é a princesinha deles.” “Eles não vão ‘passar por isso’! Tudo está arruinado! Eu tenho que ir com você- apesar de a perspectiva possa ser meio desagradável.” Ela começa a andar. Eu sou desagradável. Eu gosto daquilo. Eu não sou a pessoa que implorou paraela vir comigo. “Eu poderia apenas largar você, sabia? Eu não tenho que te levarcomigo.” Ela engasga. “Um cavalheiro levaria.” “Um cavalheiro do seu tempo, talvez. Eles soam idiotas. No meu tempo, nósnão pensamos que garotas são flores frágeis. Nós pensamos que elas deveriam serresponsáveis se elas bagunçarem tudo — apenas como os rapazes.” “Tudo bem, então. Você vai me levar com você porque, se você não levar, eudevo gritar. Eu devo correr para a casa mais próxima e chorar para as pessoas lá —meus súditos — e eles vão sair com tochas e forcados. Eles vão te segurar até meu paichegar.”
  • 81. Ela tem um bom ponto, eu acho - mesmo ela colocando isso como umapirralha. Eu olho em volta, e eu posso ver casas cheias de pessoas — pessoasextremamente bem descansadas que vão provavelmente correr para defender aprincesa deles, já que eles não sabem como ela realmente é. E, o fato é, eu não devia tê-la beijado. Eu sei que é errado tirar vantagem degarotas que estão desmaiadas. Se eu não tivesse feito isso, eu não estaria nessaconfusão. Então, tudo bem, eu vou levar ela através da cerca. É só isso, embora. Depoisdisso, ela estará por conta própria. Então eu digo, “Tudo bem. Vamos. Mas pegue de volta a caixa de joias. Eu nãoquero que ninguém pense que eu roubei se eles nos pegarem juntos. E vá maisrápido.” Ela começa a protestar, mas então diz, “Oh, tudo bem.” Nós continuamos andando. Eu imagino quão longe nós estamos da borda ouque quer que a gigante cerca viva seja. Eu estou quase perguntando para Talia quando ela diz, “Por que você mebeijou?” “Olha, eu sinto muito. Eu não sabia que eu ia te acordar.” “Isso não é o que eu quis dizer. Eu quero dizer, por que você me beijou?Supostamente era para eu ser acordada pelo beijo do meu amor verdadeiro, e entãoera para supostamente nós nos casarmos.” “Eu entendi.” “Então se você não me ama, por que você me beijou? Alguém mais poderiater feito, se você não tivesse.” Eu escuto a implicação dela, alguém melhor. Eu encolho os ombros. “O que isso significa?” Eu esqueço que ela pode ver no escuro. “Eu não sei. Eu apenas queria. Nomeu tempo, nós às vezes apenas beijamos por diversão.” Ela não responde por um minuto. Então nós dois dizemos, “Eu gosto mais donosso jeito.” Ela levanta a mão para tocar minha testa. A mão dela é legal e suave. “Dóimuito, onde você bateu na árvore?”
  • 82. Eu empurro longe. Eu não a quero me tocando, mesmo que a sensação sejaboa. “Ai.” Eu quero perguntar para Talia por que ela me beijou de volta, se isso foi tãohorrível, mas eu não estou falando com ela. Além do mais, talvez alguém vai escutar.Alguém com um cachorro grande. Ou um dragão ou algo assim. Então nós andamosjuntos, e o único som que eu posso ouvir é dos meus pés batendo na sujeira e a sujeirabatendo no meus pés, de novo e de novo com nenhuma luz a vista. Após cerca de mil passos mais, nós alcançamos a cerca.
  • 83. Capítulo 6: Talia Estou presa em uma cerca com espinhos e estive assim pela última hora! Euestou machucada. Eu estou arranhada. Estou sangrando. Eu não consigo ver nada emminha volta. Eu não ouço nada além dos meus pensamentos. E Jack não está mais perto de se apaixonar por mim do que antes.Provavelmente é pior. Quando tentei tocar a sua testa – sua testa! - ele se afastou. Eledeve me achar uma jovem garota muito boba. Eu sou uma jovem garota muito boba! Meu pai me detesta. Minha mãe está decepcionada. Meus pretendentes estãomortos. E agora estou presa em uma moita com um menino de um país do qual eununca ouvi falar, que está vestindo um traje suspeitamente semelhante a roupas debaixo coloridas. E eu tenho motivos para acreditar que todos os outros para onde vamosestarão vestidos assim. Um espinho quase bateu no meu olho. “Ouch!” “Eu disse que era espinhoso. Você tem que ir na direção que os ramoscrescem.” Jack foi empurrando os galhos na minha frente, fazendo o pobre trabalho detirar os galhos para que eu pudesse passar. O pateta obviamente não fazia ideia decomo uma princesa deveria ser tratada. "Eles nem estão tão grandes como estavam quando eu passei a primeira vezpor eles. Eles parecem estar diminuindo. " "Sim". Isto fazia parte da magia de Flavia. Ela disse que, depois que o encantofosse quebrado, o reino se tornaria visível para o mundo novamente. Atrevo-me a dizerque a cerca está encolhendo ". Jack não respondeu nada. Eu acho que ele não acredita em fadas. Ou feitiços.Ou, certamente, que ele é o meu destino. Ainda assim, ele me trouxe com ele. Eu devoser paciente, para que ele não me deixe no meio disso tudo. E ele será meu amorverdadeiro, não importa o que ele pense.
  • 84. “Eu peço desculpas por reclamar”, eu digo. “É só que – esta cerca – eu nãoestou acostumada com isso.” “Eu acho que você deveria voltar.” Eu percebo que ele não diz que nós devemos voltar, só eu. Ele deseja se livrarde mim, como todo mundo. “Você sabe”, continua ele, "não será ser fácil lá fora. Seria melhor se vocêfosse para casa." Eu suspiro. "Vai ser difícil em qualquer lugar, mas eu prefiro ir para algumlugar onde ninguém me conhece. Eu quero ir para algum lugar princesas não existem. " "Sim, claro que sim," diz ele. "É verdade." Pelo menos, eu acho que é, embora possa ser difícil de ser umplebeu. Eles têm que fazer um ótimo acordo de trabalho, e às vezes têm mau cheiro."Eu quero ir para um lugar onde todo mundo não esteja com raiva de mim, então.” Ele ri. "Eu entendo. As pessoas estão sempre com raiva de mim, também. Elestêm essa ideia estranha que eu sou preguiçoso." E então, de repente, ele para de meempurrar. "Ei!" “O que foi?” Jack se afasta e puxa a minha mão na direção dele. "Nós conseguimos." Eu saio da moita. Eu posso ver seu rosto, porque, embora ainda seja noite, háluzes ao longe, luzes parecidas com a luz do dia, porém cintilantes como estrelas. É como ele disse. É maravilhoso!Nós andamos por pelo menos uma milha desde que saímos da cerca. Ao invés de trazerminhas joias, seria melhor se eu tivesse roubado um par de botas resistentes. Mas nãoouso reclamar. Finalmente, chegamos à beira da selva, e Jack diz, "Nós devemosencontrar um lugar para escondê-la até de manhã." "Esconder? Por quê? " "Isso pode ser um choque para você, mas no século XXI, as meninas não sevestem assim. Vai assustar as outras pessoas." Examino o traje de Jack e tremo só deimaginar o que moças devem usar em seu tempo. Espartilhos brilhantes e coloridos,talvez?
  • 85. "Eu não posso esperar aqui," eu digo. "E se eles me verem?" "Se você ouvir alguém chegando, você tem que se esconder." Com nenhum outro argumento, eu digo – meu verdadeiro – medo. "Como eusei que você não vai me abandonar aqui?" Ele dá de ombros. "Você não vai. Eu estava pensando nisso, realmente. " "Você estava?" Não há nada que eu possa fazer se ele sair. Nada. Agora quenós escapamos, não posso fazê-lo ficar. "Sim, mas eu não estou te deixando. Se eu quisesse, eu poderia ter deixadovocê nos arbustos. Ou lá atrás, quando estava andando tão lentamente por causa deseus sapatos. Mas eu não deixei. " "Por que não?" Ele dá de ombros. "Não sei. Eu sinto uma espécie de pena de você, eu acho.Além disso, esta é a maior aventura que eu tive desde que cheguei à Europa." "Verdade?" Apesar disso, eu me emociono com essa bajulação. Passei poucotempo na companhia de rapazes. Mas e se isso for apenas um truque para se livrar demim? Ele está sendo bom agora, mas eu ainda me lembro que ele me chamou depirralha. "Eu não vou te deixar. Sinto-me mais ou menos... responsável." Ele pensa emalguma coisa e enfia a mão no bolso. "Aqui. Leve isto.". Um presente! Eu tomo o objeto dele. "É um telefone," diz Jack. "Você pode falar com as pessoas com ele." Eu reconheço de antes. “Mas ele não funcionou.” “Funcionará agora. Olhe.” Ele pega de mim mais uma vez e pressiona váriosnúmeros. Ele espera. "Travis", diz ele. "Sua Alteza Real quer falar com você." Uma pausa. "O quê?Diga-lhes que estou vomitando meus miolos. Que eu comi crème brûlée estragado nanoite passada... Eu preciso dizer a você, eu estou com Talia... nós fugimos depois queela me libertou do calabouço... calabouço... não é como se você tivesse feito muitopara me ajudar quando eu estava preso em uma masmorra... Logo. Certo. Apenas...aqui. Fale com ela. Eu estou mostrando-lhe como usar o telefone." Ele me entregou oobjeto... o telefone.
  • 86. "Ei, Talia". Eu grito e deixo-o cair. Ele salta uma vez, então cai no chão. Jack agarra-o. "Qual é o problema?" Jack diz. "Seu telefone! Seu amigo Travis está dentro dele. " Jack balança a cabeça. "Nossa". "Isto é... bruxaria? Eu esperava que ele soasse distante, mas ele está dentrodela! " Jack fala no telefone. "Você ainda está aí, Trav? Ela se assustou." Ele olha paramim. "Ele não está no telefone." "Ele está". "Nah." No telefone, ele diz: "Diga a ela onde você está, Trav." Ele entrega-opara mim. "Estou de volta ao hotel, tentando dormir um pouco. Eu escapei dos seushomens na noite passada. Eles não poderiam me pegar através da cerca com acarruagem. E então, quando eu tentei dizer à polícia para voltar e buscar Jack, eles nãoacreditaram em mim sobre Euphrasia." "Eles não sabiam nada sobre Euphrasia," eu digo. Eu olho para Jack, e ele dáde ombros, então pega o telefone de mim. "Me dê cobertura, Trav, hun? Eu estou deixando-a com o telefone. Não deixeque ninguém ligar para mim. Ok?" Uma pausa. "Poucas horas... Ei, você pode ligar umavez, para que eu possa mostrar-lhe como ele funciona?" Ele entrega-o de volta para mim. Um instante depois, o telefone começa a saltar sobre a minha mão, e a voz deoutro homem - não a de Travis - começa a gritar com ela. Ele soa tão irritado. "Faça comigo! Faça comigo!" Eu não posso ajudá-lo. O telefone dá saltos na minha mão, e comecei a gritar."Quem é esse? O que ele está dizendo." Jack pega. Ele fala com o telefone. "Trav, você está aí? Sim, ela é um poucoassustada com tecnologia. Chame de volta em um segundo e eu vou colocá-lo paravibrar... sim, eu sei. "
  • 87. Tenho a nítida impressão de esses jovens estão fazendo piadas às minhascustas. "É preciso aliviar," diz Jack. "Aliviar? Nada é tão pesado." "É uma expressão. Significa relaxar... não levar tudo tão a sério." Jack faz algopara o telefone, então deu de volta para mim. "Tudo bem. Vai se mover. Quando fizerisso, não deixe cair. Basta abri-lo, dizer Alô, e não deixe ele cair. Ok? Eu aceno com a cabeça. "O que você não vai fazer?" "Derrubá-lo." Eu sorrio. Ele acha-me um idiota. Talvez eu seja. A coisa abençoada começa a vibrar e, mais uma vez, eu tenho vontade dejogá-lo para o alto. Contenho-me. “E agora?” “Abra-o.” Eu abro. “Agora coloque perto da sua orelha e diga ‘Alô’” Eu coloco perto da minha orelha. “Alô?” “E aí Talia? Você pode dizer para o Jack que ele me deve uma?” Eu repito isso a Jack, embora eu não tenha a mínima ideia do que issosignifica. Ele dá de ombros e verifica seu relógio. “Devemos ir. Diga tchau a Travis.” “Tchau” “Agora, feche-o” Jack me encontrou um lugar próximo às arvores. Ele enterra minhas joiasembaixo de algumas folhas, em caso de ladrões. Deve ser muito perigosa a época emque Jack vive, se uma princesa não pode sair em segurança com seu vestido e suasjoias. “Não atenda o telefonema de ninguém mais.” "Como eu vou saber?"
  • 88. Jack começa a explicar algum conceito novo e difícil que, aparentemente, atémesmo um palhaço como Travis dominou na época de Jack. Olhei para meu esmalte,como faço quando a Senhora Brooke lê-me os Sermões do Reverendo Phelps paraMoças. Jack percebe, pois ele diz: "Esquece. Ninguém vai se chamar, de qualquermaneira." E então ele vai embora. Sem nenhum livro ou outra forma de entretenimento, eu espero o tempopassar ouvindo o canto das aves. Quando eu era pequena, Papai me ensinou a escutara canção de um pardal. De manhã a canção de uma cotovia. Eu sinto falta de Papai eMamãe. Mesmo assim, quando eu vejo o Sol subindo mais alto no horizonte, eucompreendo que, apenas pela segunda vez na minha vida inteira, eu estou sozinha,finalmente sozinha, sem ninguém para me dizer o que fazer ou o que vestir. Ninguémcom quem eu tenha que ser educada. Nada. Mas eu não quero estar sozinha, não inteiramente. Agora que eu estoufinalmente sozinha, eu me sinto... sozinha. Logo, o canto da cotovia cessa. Hyperion* continua sua jornada através docéu, e tomo consciência de outros sons, não apenas aves, mas uma cacofonia de algocomo metal batendo em metal. Não é como se nada que eu já ouvi em Euphrasia. Derepente, eu percebo que eu tenho medo de saber o que é. (*Da mitologia grega, deusSol). Eu nunca tive medo antes. Eu sinto falta de casa. Sinto falta até da SenhoraBrooke. Eu poderia voltar. O castelo está acordando, percebendo que eu não estou lá. Logo, eles vãoenviar um grupo de busca. Haverá pânico, acusações serão feitas, recompensasoferecidas pelo retorno seguro da sua muito-amada princesa. É como se fosse algo emum livro. E se eu me arrastasse de volta através dos arbustos e fosse encontrada,arranhada e abatida após uma ausência de várias horas, papai pode ficar mais aliviadodo que com raiva. Todos serão perdoados. E vou passar o resto dos meus dias sob a supervisão constante dedicadaapenas para as crianças pequenas e os débeis mentais. Não. Eu não poderei voltar, só ir adiante. Devo ir para a Flórida, para o meudestino.
  • 89. Eu fico olhando para o horizonte mais uma vez, e minha visão embaça. Euestive de pé a noite toda, resgatando Jack, lutando contra os arbustos. Talvez não fosseuma má ideia de fechar os olhos como um feitiço. . . . Eu sou acordada por vibrações. Primeiro, eu salto, acreditando que alguém meencontrou. Então eu me lembro. O telefone. Não jogue longe. Eu pego, abro. Eu vejouma palavra. Amber. Amber? O que é Amber? Uma joia? Eu pressiono o botão. "Alô?" "Quem fala?" Exige uma voz feminina. Certamente não é o Jack. O que devo fazer? "Olá?" A voz se repete. Eu me recupero. "Sim?" "Quem fala?" "Talia," digo, deixando de fora a parte da princesa. "Onde está Jack?" "Eu não sei, exatamente. Ele foi comprar roupas para mim, veja você, e -" "Ele foi para comprar roupas para você?" "Sim". "Que horas são aí?" Essa moça nervosa telefona para Jack apenas para perguntar as horas? "Vocênão tem relógio?" "Ouça". A voz é extremamente alta, e eu sou obrigada a segurar o telefonelonge da minha orelha. "Eu não sei quem você é, ou porque você está com o telefonede Jack, mas ele é meu namorado, e-" Namorado? O que é um namorado? Talvez seja algo parecido com um noivo."Ele é comprometido com você, então?" Espero que não. "O quê? Não. Claro que não. " "Oh, que alívio. Ele é o meu amor verdadeiro, e você não parece muitoagradável."
  • 90. "O quê? Ouça, você..." E depois, estranhamente, ela me chama de cadela. Ela continua falando. Ela é vil e grosseira. E então eu percebo que Jack medisse para não falar com ninguém, e aqui estou eu, falando. "Eu imploro pelo seu perdão, como você disse que era o seu nome?" "Eu não sabia. É Amber." "Amber, eu não posso continuar sendo insultada por você. Jack pode estartentando me ligar." "Por que ele faria isso?" "Temos que fugir juntos. Eu devo ir." Eu fecho o telefone como Jack me ensinou. Um momento depois, ele começa a vibraram novamente. Desta vez, porém,vejo o nome Amber e sei como não lhe responder. Estou muito orgulhosa de mimmesma por ter aprendido isso. É perto do meio-dia agora. Eu não posso voltar a dormir, e o sol está emchamas. Por que nós usamos tantas roupas? Jack não ligou. Talvez ele tenha me abandonado para ser comida por lobos ou o que quer queesteja fazendo esse barulho. Talvez eu devesse sair. Talvez eu devesse ir para a cidade e encontrar um ônibus – o que quer queisso seja – e vender minhas joias eu mesma e viver por conta própria. Talvez eu – "Ei." É ele. "Oh, graças a Deus! Eu pensei que você tinha me deixado para morrer!" "Eu não faria isso." Ele me entregou um pequeno saco com alguma coisa,feitos de um material liso azul. Tem escrito sobre ele algo que eu não entendo. GAP.
  • 91. "O que é isso?" "Suas roupas." "Elas cabem aqui dentro?" É mais horrível do que eu imaginava. Jack ri. "As meninas não usam mais vestidos de baile, Princesa, nem mesmopara os bailes." Abro o saco. O horror continua. Calças de homem, um pedaço de tecidoverde, e dois objetos que podem bem ser algum tipo de ferramenta. Como eu voufazer Jack se apaixonar por mim quando eu estiver vestida com roupas feias assim? "Eu vou estar disfarçada como um homem, então?" Eu pergunto, segurandoas calças. Jack olha no meu colo e balança a cabeça. "São roupas femininas. Experimente-as. Você vai se sentir quente." "Com tão pouco tecido, é mais provável sentir frio." Mas eu odeio ferir seussentimentos, por isso eu digo: "Muito bem. Onde está o meu vestiário?" Ele gestos em direção às árvores. "Vou me virar para o outro lado." "Veja o que você fez." É muito difícil se vestir sem uma servente. Há tantos botões a desabotoar,espartilho para desatar, e é claro que eu não posso pedir ajuda para Jack. Quando eufinalmente estou pronta, estou completamente sem fôlego. Vesti a camiseta (pelomenos é verde), então a calça. Por último, coloquei as ferramentas, queaparentemente são como sapatos. Eu paro um momento, permitindo que a brisa toque em meus braços nus. Euestava bem confortável, não estava preocupada se Jack vestiu-me como umaprostituta da cerca. "Você tem certeza que isso é tudo?" Eu pergunto. "Posso ver?" Eu suspiro. "Eu suponho que sim." Ele se vira. "Uau, você está ótima. A maioria das meninas usariam su-ah-sutiãcom isso, mas eles não vendem no Gap."
  • 92. "O que é um sutiã?" "É para o seu... ah..." Ele ficou com o rosto corado e fez gestos em direção aoseu peito. "Um..." "Deixa para lá. Eu entendo. "Lembro-me das minhas maneiras. Eu preciso serbom para este menino, assim ele pode se apaixonar por mim. "Eu... Agradeço-lhe aroupa. " Ele acena. "Nós devemos ir." Ele começa a caminhar, sem olhar para mim denovo. Os sapatos são ainda piores do que os meus chinelos velhos. Eles tapamcontra o meu pé com cada passo e beliscam meus dedos. Eu ainda estou carregando aminha caixa de joias e agora a minha roupa velha, também, já que Jack não queria quealguém a encontrasse abandonada. Mas logo chegamos a uma clareira. "Princesa Talia, bem-vindo ao mundo"."O mundo" parece ser um transporte bastante alto e muito mal cheiroso chamadoônibus. Estamos em que era conhecida como a Holanda espanhola no meu tempo, masJack me disse que agora é chamada de Bélgica. Há muitas pessoas no ônibus,camponeses, sem dúvida, a caminho do mercado. Eles estão todos vestidos como euou pior. Nenhum colete! Nenhum vestido! Nem um único espartilho! Eu vejo quatromulheres cujos seios são revelados de uma forma mais adequada para um salão debaile do que à luz do dia ... Embora o meu próprio traje seja modesto em comparação com os outros,todo mundo olha para mim. "Por que eles estão olhando para mim?" Eu sussurro para Jack. "Duh. Porque você é tão bonita," ele sussurra de volta. Pelo menos ele percebeu que eu sou bonita. Não há lugares disponíveis no ônibus, e nenhum cavalheiro (e eu uso o termovagamente) oferece a poltrona dele. Um homem, no entanto, bate no colo dele e diz:"Sente-se comigo, meu anjo." Eu olho para Jack para verificar se este é agora um novo costume. Estoualiviada quando ele balança a cabeça e diz: "Não, obrigado. Vamos ficar aqui".
  • 93. Uma vez andando, o ônibus é mais rápido que o transporte mais rápido, maisselvagem que o cavalo mais selvagem. Eu resisto à vontade de gritar, mas é difícil. Eutento ver as ruas e casas e pessoas, mas tudo passa muito mais rápido do que eu possoacompanhar. Tem coisas escritas em toda parte. A maioria dos camponeses emEuphrasia não pode nem mesmo escrever seus nomes. Todas as pessoas no tempo deJack sabem ler? Pergunto a Jack. "Claro," diz ele. "Mas como se pode ensinar a todos? E por que todos eles precisam ler, se vãoapenas ser trabalhadores do campo e tal? " "Bem, isso é porque você tem de aprender a ler - assim você não é obrigado aser um trabalhador do campo." "Mas o que mais eles desejam além de ser trabalhadores do campo?" "Por que alguém iria querer um trabalho árduo e de baixo salário?" "Mas os camponeses em Euphrasia sempre pareciam tão felizes." "Você gasta muito tempo com os camponeses, então? "Não, mas eu os vi em festivais e tal." Paro. É claro que eles estavam felizesem festivais. Pois então, eles não estavam trabalhando no campo. Por que elesdesejariam ser trabalhadores do campo? Eu fui levada a acreditar que os trabalhadoresem Euphrasia estavam felizes, mas provavelmente, os trabalhadores de campo emEuphrasia nasceram para serem trabalhadores do campo e foram condenados à suasorte, como eu nasci para ser uma princesa e fui condenada à minha. Posto nesta perspectiva, ser uma princesa não parece de tudo ruim. "Maravilhoso," eu digo para Jack. Eu olho ao redor do ônibus com novorespeito. É bastante impressionante pensar que todos e cada um dos camponeses aquipodem ler. O ônibus faz muitas paradas e pessoas entram e saem. Finalmente, é nossavez de sair em uma espécie de lugar cinza, ruas cinzas, edifícios cinzentos, pessoascinzentas. "Onde está a grama?" Pergunto a Jack.
  • 94. "Em algum outro lugar, diz ele, rindo. Ele cutuca o saco que diz que GAP, noqual ele colocou minha caixa de joias. "Qual é a menor coisa que você tem aí?" "Nenhuma das minhas joias são pequenas." "Um anel, talvez?" Eu começo a tirar da caixa, mas Jack me para. "Não aqui." Ele me leva paratrás de um pilar e me bloqueia de vista enquanto eu extraio a menor bugiganga, umanel de tanzanite que ganhei no meu décimo segundo aniversário. "Esse é o menor? A pedra é maior do que meu globo ocular. " Um pequeno exagero. Eu não estou mais entusiasmada do que ele. Jack temque vendê-lo. Ainda assim, eu entrego a ele, e ele me leva em uma loja com todos ostipos de coisas, armas, joias (nada de tão lindo como o meu anel), e outros objetos quenão posso identificar, embora eu veja algo que se assemelha ao tocador de música doJack. Jack se aproxima do lojista, uma espécie de pessoa peluda e um poucoassustadora, e mostra meu anel. "Precisamos vender isto. Sua mãe, hum, está doente eprecisa de remédio." O urso-que-virou-homem olha para nós um pouco estranho, então pergunta:"Parlez-vous français?" Jack não responde. Ah! Ele acha que é tão esperto, mas o bobonão fala francês! "Oui. Je parle Français," eu digo. Volto-me para Jack. "Diga-me o que eu tenhoque dizer." “Ok. Mas não concorde com sua primeira oferta.” Eu aceno com a cabeça, em seguida me volto para o homem e digo emFrances: “Nós precisamos vender isso.” “Cinquenta Euros,” ele diz, mesmo antes que eu pudesse adicionar a partesobre minha mãe estar precisando de medicação. Eu adicionei isso. “Eu não me importo se você precisa dele para comprar drogas,” rosna ohomem. “Cinquenta.” Eu repito isso para o Jack. “Você está brincando?” ele diz. “Isto vale milhares.” O homem deve ter entendido por que ele me diz, “Eu não posso vendercoisas extravagantes como essas. Esta não é uma loja de antiguidades.”
  • 95. Eu estou prestes a lhe dizer que o meu anel não é antigo. Então eu perceboque é. Na verdade, eu sou uma antiguidade. “Pergunte se ele pode fazer algo melhor,” Jack disse. Eu pergunto, e ele diz, “Duzentos. Isso é tudo.” Eu dou-lhe o meu olhar doce, aquele que quase sempre convenceu meu pai afazer minhas vontades, e eu digo: "Por favor, senhor. Você poderia fazer isso porquatrocentos euros para minha pobre, querida mãe." E quando eu penso em Mamãe,minha mãe que eu nunca poderei ver novamente, a quem eu decepcionei, meus olhoscomeçam a ficar molhados. "Você sabe que é uma pechincha." "Trezentos e cinquenta", o homem rosna. "Agora, se você estiver à venda, eu pagaria mil." Todas as mulheres estão à venda agora? Na minha roupa atual, eu possocertamente ver como alguém imaginaria que eu era uma mulher. Mas eu digo: "Voulevar trezentos e setenta e cinco euros, monsieur". O homem abre uma caixa de dinheiro debaixo do balcão, me dá um maço dedinheiro, que ele não se preocupa em contar, então leva o meu precioso anel antesque eu tenha tempo de dizer adeus. Noto que ele está rindo, satisfeito com seunegócio. Eu mordo meu lábio e resisto à vontade de chorar. “Ei, você não foi um desastre total lá dentro,” Jack disse, contando o dinheiroquando nós saíamos. Eu entendo isso como um elogio, eu arrumo um sorriso, aceitando-o.Nossa próxima parada é uma porta de tinta verde descascando. Jack bate nela, e umhomem que poderia ser o irmão gêmeo do último homem responde. “O que vocês querem?” ele pergunta em francês. Eu olho para Jack. “Julie nos mandou,” ele diz em inglês. O homem acena e nos deixa passar. “Vocês têm dinheiro?” ele diz em inglês.
  • 96. “Quanto por um passaporte?” ele pergunta. “Para ela?” O homem da o preço, o que é quase tudo que a gente tem, então diz, “Vamosver isso.” “Eu sinto muito, senhor, mas nós temos apenas cento e cinquenta,” eu digopara ele. Ele acena. “Se vocês tivessem pelo menos duzentos, eu poderia ser capaz defazer isso. Vocês podem achar isso?” Eu prefiro barganhar com o ultimo cavalheiro. Isso me fez sentir como meupai negociando tratados, então eu digo, “Eu posso achar duzentos.” “Muito bem,” o homem diz. Eu olho para Jack. Ele acena e entrega o dinheiro para ele, tomando cuidadode não mostrar tudo que nós temos. O homem o pega com mãos sujas. “Qual é o seu nome?” “Meu nome? Meu nome é Sua Alteza Real, Princesa Talia Aurora AugustaLudwiga Wilhelmina Agnes Marie Rose de Euphrasia.” “É Talia...” Jack interrompe. “Talia... um...” Eu entendo o que ele quer dizer. “Brooke. Talia Brooke.” “Essa é sua decisão final?” o homem rosna. “Claro,” eu digo. “É o meu nome. O outro nome foi brincadeira.” Eu rio. “Ha,ha!” “Fiquei aqui.” Ele me empurra em direção a um quadro de papel penduradona parede. Quando eu estou de pé diante dele, ele pega um objeto pequeno equadrado, lembrando um pouco de telefone de Jack. “O que é...?” Um luz brilhante pisca. “Bom! Espere aqui.” Ele desaparece em outra sala. Eu fico muito parada, tentando não tocar em nada na sala escura, apertada esuja. “Ludwiga?” Jack pergunta.
  • 97. “Meu pai estava triste por não ter um herdeiro masculino, então ele tentoume nomear depois de vários ótimos reis Euphrasianos—Augustus, Ludwig, e Wilhem,alfabeticamente, então ninguém ficaria ofendido. Os outros nomes—Agnes, Marie, eRose— foram rainhas Euphrasianas.” “E Aurora?” “Ela era minha avó do lado materno, e ela foi nomeada para a deusa doamanhecer.” Eu olho em volta, espionando uma centopeia fazendo o seu caminhoatravés da parede, perigosamente perto de parar no meu cabelo. Eu me aproximo deJack. "Por que estamos aqui?" “Pegando um passaporte.” No meu olhar em branco, ele acrescenta, "Osdocumentos de viagem. Assim, você pode se locomover, viajar. Eu peguei o nomedesse cara de uma menina que conheci através de um cara que eu conheci na Gap." Viajar! A ideia é maravilhosa e terrível ao mesmo tempo, estar a bordo de umbarco para um lugar novo e estranho com esse estranho, jovem homem de cabelobagunçado que conheci ontem. Eu tremo um pouco. “Então eu vou com você?” eu pergunto para Jack. “Comigo? Olha, eu estou te ajudando, te ajudando a se arrumar. Mas depoisdisso, você está por si mesma.” “Por mim mesma? Mas como eu posso… o que eu vou fazer?” “Venda mais joias. Eu não sei.” Eu não posso fazer isso. Como eu vou saber aonde ir, como as vender? Comoeu vou obter comida ou mesmo saber o que vestir? Mesmo em Euphrasia, eu nãocuidava de nenhum dinheiro. Eu nem mesmo sei como Jack pagou o ônibus. E se euestiver por mim mesma, eu nunca posso fazer Jack se apaixonar por mim. "Você vai me ajudar um pouco, apenas pegar o dinheiro e um bilhete para onavio e coisas assim?" Depois que ele me ajudar com isso, vou falar com ele para apróxima coisa. E então a seguinte. Certamente, quando ele vê o quanto eu precisodele, ele vai me deixar ficar com ele. Mamãe sempre dizia que os homens gostam de sesentir necessários. Eu olho em seus olhos, deixando meu lábio inferior ir para frenteapenas um pouco. Não é difícil. Ele suspira. "Eu acho que posso te ajudar um pouco." Agora que eu alcancei meu objetivo, eu bato palmas para mostrar que euestou mantendo meu queixo para cima. "Obrigado! É o meu maior desejo viajar! "
  • 98. Capítulo 7: Jack Assim que pegamos o passaporte e saímos pela porta, meu telefone toca. É a minha mãe. “Jack, onde você está? Eles disseram que você fugiu do Tour.” “Quem é?” eu pergunto. “Você sabe muito bem quem é.” Talia está comigo. Eu me sinto mal com a concentração dela, mas o que euposso fazer? Neste momento, ela está olhando para a fotografia do passaporte. Emcada passo, ela toca em seu rosto, como se ela estivesse tentando ver se ele realmenteainda está lá. “Bem,” eu digo, “parece com a minha mãe, mas minha mãe nunca telefona.” “Muito engraçado. Não mude de assunto. Onde você está? Amber disse quete ligou mais cedo e alguma menina atendeu o telefone.” “Amber? Ela não me ligou. Nós terminamos. Ela terminou comigo.” Eu vejo amão de Talia voar até a sua boca. “Aguarde um segundo, mãe.” Para Talia, eupergunto, “Alguma coisa que você precisa me dizer?” Ela franze os lábios pensando antes de dizer, “Eu estou terrivelmentearrependida... na empolgação, eu esqueci. Uma pessoa chamada Amber ligou. Elaparecia irritada.” Amber? Na minha mão, a voz da minha mãe está buzinando. “Jack? Jack?Onde você está? Jack, você poderia falar comigo?” Eu a deixei esperar. “Amber ligou? O que você disse?” “Eu disse a ela que fugimos juntos,” Talia disse. “Você disse o quê?” Na minha mão, a voz da minha mãe diz: “Essa menina disse a Amber quevocês fugiram juntos.”
  • 99. Talia parecia que ia estourar em lágrimas. “O que tem de errado em dizerisso? Eu não estou familiarizada com telefones!” Ahh, você acaba de arruinar totalmente qualquer possibilidade de voltar comAmber. Mas ela parece tão bonita, como uma menina que tem medo de ficar emapuros. “Não, claro que não.” “Jaaaaaaaack!” o telefone grita. É a voz do meu pai, mais objetiva do que o usual. “Jack, fale comigo nesteinstante.” “Desculpe, pai.” “Desculpa? Sua mãe está chorando.” “Por que ela está fazendo isso?” “Porque ela pensa que você fugiu com uma garota que você acabou deconhecer!” Pensamento engraçado. “Oh, eu acho que eu fiz isso.” “O que?” Eu estou me divertindo com isso. É a primeira vez que eu tenho toda aatenção desde que eu reprovei em ciências e bati o carro na mesma semana. Pode serdivertido mexer com eles um pouco mais. “Sim, eu a conheci ontem. Você vai gostar dela, pai. Ela é muito bonita. Oh, elaé uma princesa. Nós fugimos.” Isso vai chamar a atenção deles. Sem respostas do meu pai. Talvez a chamada tenha caído. Talvez ele tenhadesmaiado. Mas não. Mamãe está no telefone agora. “O que você quer dizer com fugiu?Eu quero você em um avião de volta para casa neste minuto. Neste minuto.” “Ok. Mande-me algum dinheiro, e eu vou comprar a passagem.” Isso édivertido. Mas assim que eu lhes der o que eles querem, eles vão começar a meignorar novamente. “Não dê uma de esperto comigo, jovem rapaz.” “Eu não estava-”
  • 100. “Vou transferir o dinheiro, e você vai comprar a passagem no próximo voo.” Não foi isso que eu acabei de dizer? O que aconteceria se eu continuassebrincando com eles? “Tudo bem. Mas estou trazendo Talia comigo.” Eu não tinha planejado dizerisso, mas saiu. Eu vou deixá-los malucos. Quando eu desligo o telefone, Talia diz, “Obrigado.” “Pelo quê?” “Por dizer que eu posso ir com você.” Eu dou de ombros. “Ao menos eu estou indo para casa. Quem quer viajar poraí e ver todas essas coisas velhas.” “Você não gosta de viajar?” Eu balanço a minha cabeça, e sorrio, pensando nisso. “Rapaz, meus pais vãoenlouquecer quando virem você.” “Tanto quanto meus pais, eh, enlouqueceram quando viram você. Será umaviagem longa? Quantas semanas vão demorar? Eu tenho muitas perguntas. Nósprecisamos adquirir mais roupas para fazer esta viagem com estilo? E se o navioafundar? E se tiver um surto de cólera? Eu posso nunca mais ver minha família.” Eu começo a rir. “O que é tão engraçado?” “Semanas? Tente um dia.” “Que tipo de navio pode viajar para o outro lado da terra em um dia?” “O tipo que pode voar.” Mamãe trabalha como um viciado quando ela está pirando. Dentro de vinte equatro horas, Talia e eu estamos no aeroporto. “Lembre-se do que eu lhe disse,” eu digo a Talia, enquanto nós esperamos nafila da segurança. “Meu nome é Talia Brooke. Eu sou da Bélgica. E se alguém perguntar sobre asminhas joias, eu devo dizer que são parte da nova linha Real Euphrasiana... como sechama mesmo?”
  • 101. “Bijuteria.” “Bijuteria, e que eu estou indo para South Beach, Flórida, para modelá-las.Mas como alguém vai acreditar que essas lindas joias são falsas?” “Por que ninguém usa joias de verdade tão grandes, nem mesmo a Rainha daInglaterra.” Nós tivemos que vender mais um anel de Talia para comprar sua passagemde avião, mas isso não ajudou muito com o peso. “Você pode se lembrar disso?” “Sim. Bijuteria.” Poucos minutos depois, chegamos à frente da fila. Acho que vou segurarminha respiração até entrarmos no avião. Eu mostro o meu passaporte. A mulher apenas olha para ele. Apenas mais umestudante americano. Ela começa a olhar o de Talia, examina com mais cuidado ecomeça a falar com Talia rapidamente em Francês. Ela sabe que o passaporte de Talia éfalso? Talia responde em Francês, um monte de coisa. O que ela está dizendo? Porque eu não fiz francês? O que eu sou, brincando comigo mesmo? Se eu tivesse tido aulas de Francêseu só teria aprendido palavrões, como eu fiz com o espanhol. A conversa prolonga-se por aproximadamente oito horas, mas finalmente afuncionária deixa Talia ir. "O que foi aquilo?" Eu pergunto-lhe depois de passar com segurança. "Ela percebeu que o meu passaporte era novo. Ele só tem um carimbo, dequando eu cruzei a França. Então ela perguntou se é a minha primeira viagem fora daEuropa." “O que você respondeu...?” “Eu disse, sim, como de fato é. Eu estive dormindo por trezentos anos, entãoeu nunca andei de avião antes. Oh, e a propósito, eu sou herdeira do trono deEuphrasia.” Ela vê o olhar no meu rosto. “Anime-se. Eu estava brincando.” “Não faça piadas sobre isso. Não é engraçado.” “É sim.” Eu sussurro, “Eu tinha certeza que ia ser preso... hum, e enviado para asmasmorras.”
  • 102. “Mas você não iria, em todo caso. Apenas eu estava em apuros.” “Você pensa que eu iria deixar você assumir essa culpa, e apenas deixar você eir para casa?” “Nós quase não nos conhecemos. E você me odeia.” “Ainda assim, eu não faria isso. Eu não poderia.” Eu não tinha percebido isso antes, mas é verdade. Eu estava me apaixonandopor Talia? Não. Isto é apenas por que eu me sinto responsável por ela, desde que eu abeijei e arruinei a sua vida e a de todos. Eu aponto para dois lugares pelo nosso portão, mas Talia está olhando paramim. "O que foi?" Eu pergunto? "Você é uma pessoa maravilhosa", diz ela. "Em Euphrasia, todo mundo erabom para mim porque eu era uma princesa. Mas eu sempre desejei…" Ela para e sesenta. “O quê?” "Senhora Brooke costumava me levar em longos passeios pelo campoEuphrasianos, já que eu não tinha permissão para ir a lugar nenhum sozinha. Uma vez,num dia de muito frio, me aconteceu para espionar um casal de camponeses. Cada umusava uma manta fina e tênue, e a mulher estremeceu. O homem tirou o própriocasaco e colocou sobre os ombros dela, mesmo isso o deixando muito exposto.Quando a mulher tentou detê-lo, ele se recusou a pegar de volta. Ele deixou o casacocair no chão, em seguida, colocou-o novamente sobre os ombros da mulher, até que,finalmente, ela aceitou. Eu podia ver que ele estava tentando andar mais rápido parachegar ao abrigo, mas ele não reclamou.” “Nossa. O que você fez?” “O que eu fiz foi sem importância.” “Mas você fez alguma coisa?” “Eu suponho que sim.” Ela olha para baixo. “Eu fiz o motorista parar acarruagem e perguntei para Senhora Brooke se poderíamos dar nossas capas para ocasal.” “Isso foi bom.”
  • 103. "Foi um pequeno sacrifício para mim. Eu tinha várias capas em casa. O homemfez um sacrifício muito maior. Eu sempre quis alguém que se sacrificasse por mim,como o homem se sacrificou por aquela mulher, não porque eu era da realeza, massimplesmente porque ele me am... gostasse de mim. E você fez isso." Eu balanço meus ombros. “Não é um sacrifício.” E é verdade. Não era. Eu queria voltar para casa mais cedo, queria tentarreatar com Amber, ou pelo menos, poder gastar meu verão dormindo e indo à praia aoinvés de visitar o Museu com os pelos do nariz de Napoleão. Talia me deu uma ótimadesculpa. Se eu soubesse que fugir ia funcionar, eu teria tentado isso antes. O fato dos meus pais estarem completamente irritados é apenas um bônusextra. Claro, eles não vão acreditar na verdade sobre Talia. “Jack, isso não é engraçado”, disse mamãe quando eu lhe disse para sepreparar para a visita da realeza. “Eu não estou tentando ser engraçado.” Foi quando meu pai pegou o telefone novamente. “Isso já foi longe de mais, Jack. Sua mãe está completamente chateada.” “É verdade, pai. Ela é uma princesa. Por que eu faria uma coisa dessas?” “Eu não tenho ideia, mas eu não acho que-” "Ok, papai, você venceu. Ela é uma garota que eu peguei na rua. Você nuncadeveria ter escolhido um tour adolescente que passou por Amsterdam - o distrito-da-luz-vermelha." (Amsterdã é bem famosa por causa dos bordeis legalizados.) Isso praticamente acabou com a conversa. Desde então, eu decidi que é provavelmente melhor eu não contar a ninguémque Talia é uma princesa. Quero dizer, quem iria acreditar? Agora eles estão nos chamando para embarcar no avião. Eu verifico para tercerteza de que Talia está com o seu cartão de embarque. Ela está, e ela está fazendoum exame minucioso no código de barras. Eu falo pra ela. "É hora de entrar." Seus olhos crescem. “No navio voador?” “No avião. É chamado de avião.”
  • 104. Ela para, então olha para todas as pessoas disputando o espaço na fila. "Seráque o navio... er, avião, vai embora sem todos eles?” "O que você quer dizer?" "Quero dizer, é necessário empurrar e entrar, como essas pessoas estãofazendo, ou podemos esperar com paciência?" Eu nunca pensei sobre isso. As pessoas costumam apenas empurrar e entrarno avião, mas depois que você acaba de entrar tem que esperar na pista, de qualquermaneira. "Podemos esperar," eu digo. Eu tinha imaginado que ela esperava ser aprimeira a entrar, sendo uma princesa e tudo mais. "Bom. Eu não gosto de empurrões”. Ela toma seu lugar no final da fila, atrás de uma mulher idosa. "Esta é minhaprimeira vez em um avião," diz ela. "Você está com medo, querida? "Estou animada." E a mulher parece animada por ela. Nós finalmente chegamos aos nossos lugares. Eu dou a Talia o da janela,mesmo que isso signifique que eu estou preso no centro. "O que é isso?" Talia pergunta, segurando um pacote embrulhado em plástico. "Chinelos. Eles são para manter seus pés quentes." "Que bom!" Ela começa a colocá-los. Ela tem lindos pezinhos. Eles parecemque nunca andaram em qualquer lugar. Provavelmente, ela tem servos que espalharcreme sobre eles todos os dias. Ela olhou estranhamente para a bolha que se formouquando estava caminhando. Um momento depois, ela se volta para outro pacote. "Oque é isso?" “Uma máscara. É para cobrir os seus olhos para que você possa dormir.” Talia tira a máscara e a examina. “Estive dormindo por tempo suficiente.” Elaguarda no bolso da poltrona. Oh-cara. Lembro-me de ontem à noite, no hotel em Paris – um hotel com duascamas Queen-size com edredons – Talia se recusou a dormir, e ficou correndo para ajanela de novo e de novo para olhar as luzes da cidade. “Bem, algumas pessoas gostamde dormir,” eu disse a ela, “sendo assim, você vai ter que ficar quieta.”
  • 105. Ela fez um beicinho por uns dez segundos antes de segurar outra coisa. “E estes?” “Fones de ouvido, para que você possa ouvir música ou assistir um filme.” Ela franze os lábios desse jeito estranho que ela faz. “O que é um filme?” “É como a televisão.” Ela assistiu Tv na ultima noite no hotel. “Você assistepara matar o tempo no avião.” Por favor, por favor, permita que ela assista ao menos ao filme. “Matar o tempo?” “Você sabe, fazê-lo passar mais de pressa.” “Por que você quer fazer isso?” “Porque é chato, ficar sentado sem fazer nada.” “Mas você está fazendo nada no céu. Como isso pode ser chato?” Eu dou de ombros. “Para a maioria das pessoas, é.” “Tente passar trezentos anos dormindo. Então você vai saber o que é chato.” Eu não digo nada. Eu sou uma daquelas pessoas que quer dormir. “Tudo é chato para você, não é?” ela diz. “Isso não é verdade.” É? “Ah, não?” Ela levanta os pés para olhar os chinelos do avião de novo. “Deixe-me ver... seus pais te enviaram para uma excursão para a Europa por... quantotempo?” "Um mês. Estive aqui por três semanas. Mas eu não sei o que isso tem a vercom -" "Três semanas custam caro. E durante esse tempo, você visitou quantospaíses?" Eu conto nos dedos - Inglaterra, Holanda, França, Bélgica... "Eu não tenhocerteza. Cinco ou seis, talvez. É tudo confuso."
  • 106. "É tudo confuso," ela imita, então ri. "Mas de qualquer forma, você deve tervisto grandes obras-primas, maravilhas da arquitetura, monumentos históricos, e vocêgeralmente acha, no conjunto, bastante chato. É esse o caso?" Quando ela coloca as coisas dessa a maneira, ela me faz parecer um idiota.Mas ela não compreende a razão pela qual eu não posso esperar para ir. "Olha, você não entende. Meus pais, eles só me enviaram para cumprir umafantasia que eles têm de ter um filho que participa dessas coisas. Eu nunca tivequalquer escolha sobre o que eu vou fazer no verão. Depois que eu chegar em casa,eles vão querer que eu faça um curso SAT e consiga um emprego. É tudo sobre eles.” "Eu não entendo como não nos dão a chance de escolher como viver nossaprópria vida?" Eu dou de ombros. “Além disso, o ônibus de turismo era lixo.” “Ah. Assim, para fugir da lixeira do ônibus de turismo-” “Lixo.” “Como?” “Lixo. Você diria que o ônibus de turismo era um lixo. Isso é o que osamericanos diriam.” "Obrigado. Assim, para fugir do ônibus de turismo, você deu uma fugidinha,encontrou um reino perdido, entrou em um castelo, beijou uma princesa - umaincrivelmente bela princesa que dormia há séculos, devido a uma maldição colocadasobre ela em nascimento por uma bruxa má - causou uma briga, foi jogado em umcalabouço, escapou, e viajou através de uma trilha com essa mesma incrivelmente bela-" "Sem falar modesta." Eu sei que não deveria interromper-la ou eu nuncapegaria meus fones de ouvido, mas era tentador. "Princesa Incrivelmente bonita e inteligente. E ainda, você está muitoaborrecido, Jack, tão entediado que você não pode esperar para colocar seu fone deouvido e acabar com esta conversa e esta viagem. Eu mexo meus fones de ouvido culposamente. “Eu tenho uma pergunta para você, Jack, tem algo que você não ache tãochato?”
  • 107. Ela para de falar e me olha. Eu olho para ela. Se outra pessoa, meus amigos daescola, até mesmo Amber quando estávamos namorando, me fizesse uma perguntacomo, eu teria suspirado, e dito algo como, "festa" ou "bebedeira", apenas paraterminar a conversa. Mas com Talia, eu sei que não vai funcionar. Ela não vai pensarque isso é engraçado. Ela vai pensar que eu sou estúpido. Então, ao invés de dizer que a primeira coisa que vem à mente, eu pensosobre isso, penso em qual foi realmente a última vez que eu não estava aborrecidocom alguma coisa, a última vez que eu estava animado. Ela está certa. Tem sido assimhá algum tempo. Minha vida tem sido essa longa série de obstáculos para saltar - daescola, das atividades que meu pai acha que ficariam bem no meu currículo para afaculdade, de qualquer forma, então eu tenho que pensar mais atrás por um longotempo. "Peço desculpas." Talia interrompe meus pensamentos. "As pessoas não falamuns com os outros em seu tempo, então? "Não é isso. Eu estava tentando pensar." "Obviamente, uma atividade de grande dificuldade para você." Ela ri. Dificuldade. Isso me faz lembrar alguma coisa. Quando eu era criança, eu costumava ser escoteiro. Eu parei no ano papaicomeçou a falar sobre como seria bom ter essa atividade no meu currículo para afaculdade. Mas quando eu ainda estava nos Escoteiros, um dos projetos que fizemosfoi um parque. “Eu gosto de plantar coisas,” eu digo. Ela olha surpresa. “Plantar? Quer dizer, como um agricultor?” "Mais como um jardineiro. Houve uma vez quando eu era escoteiro, fizemosum projeto, um parque em um bairro ruim. Tudo estava coberto de ervas daninhas, enós as arrancamos e plantamos flores e árvores. A maioria dos caras ficava enrolando,sem fazer muita coisa, mas eu..." Parei, lembrando-me. "Eu realmente gostei de fazercom que ele parecesse melhor. Eu gostei do trabalho, colocando minhas mãos no chãoou em todo o resto." Eu dou de ombros. “Eu não acho que já tenha sujado minhas mãos em terra. Como você se sentecom isso?”
  • 108. “Limpo,” eu digo. “Quero dizer, não limpo como se tivesse acabado de sair dalavanderia, mas... honesto. E quando finalmente terminei e vi como ficou, senti-merealmente - eu não sei - orgulhoso." Era verdade. Eu voltei para dar uma olhada para esse parque depois que eutirei minha carteira de motorista, mesmo depois que eu tinha deixado os escoteiros. Euaté mesmo arranquei algumas ervas daninhas. "Eu acho que eu realmente gostaria de ser um jardineiro ou talvez umpaisagista." Eu nunca tinha pensado nisso antes, mas eu percebo que é verdade.Quando penso no que meu pai quer que eu faça - vestir um terno todos os dias e sesentar em uma mesa – são coisas que me fazem ter vontade de chorar. "Seria legalpassar todos os dias ao sol, fazendo as coisas parecerem bonitas." Ela sorri. "Então eu acho que você deveria fazer isso." Eu sorrio. "Sim, claro. Eu posso me ver dizendo para o meu pai que eu queroplantar coisas para sobreviver. Ele acha que a jardinagem é para perdedores. Elecontrata pessoas para cortar a grama". Certa vez, depois da coisa de escoteiro, eu disse que eu pensei que seria legalarranjar um emprego de verão na Disney World, trabalhando em seus jardins. Eles têmesses belos jardins com topiarios*. Papai disse que trabalhar ao ar livre era para osestrangeiros ilegais. (*Jardins podados em forma de animais ou edifícios.) "Você tem que dizer a ele que isso é o que você deseja fazer." “É mesmo? Como seria esse trabalho para seus pais? " Ela dá de ombros, então sorri. "Eles não podem manter um olho em nós todoo tempo, podem?" Então ela boceja. "Nossa! Talvez seja o poder da sugestão, com oschinelos e a máscara de dormir, mas eu sou, de fato, um pouco cansada." Ela coloca a máscara de dormir sobre os olhos e, em um momento, ela estárespirando baixinho, a cabeça dela caindo de lado no meu ombro. Eu sei que eudeveria aproveitar a oportunidade para uma tirar uma soneca, mas instantaneamenteeu tiro uma folha de papel e lápis e começo a desenhar um plano para um jardim. Essefoi o problema com a viagem: muitos edifícios e pinturas, mas nenhum jardim. Eudesenho um grande jardim com rosas e hera. Um jardim perfeito o suficiente para o castelo de Talia em Euphrasia. O avião começa a taxiar. Talia acorda com o balanço.
  • 109. "Jack? Jack?" Ela olha para fora da janela, então para mim, então para fora dajanela. "Nós estamos voando. Oh, nossa!" "Está tudo bem. Está apenas decolando. Eles fazem isso o tempo todo." "Isso é o que você me diz. Mas eu preciso saber algo mais." Eu deixo o meu lápis. “O quê?” "Onde está Euphrasia?" Eu olho para fora. O avião está subindo mais. É um dia claro, então eu possover bem longe, mas eu não tenho ideia de qual a localização de Euphrasia. "Eu não sei". “Tem certeza... nós podemos ver tão longe.” “Eu não sei.” Mas então eu vejo, um pouco de deserto perto da costa, quase fora da vista.Eu sei que é Euphrasia porque, através das árvores, apenas visível porque eu sei queela está lá, tem uma torre. O castelo. “Eu acho que está ali.” “Aquilo.” Ela olha para onde estou apontando. “Tão pequeno?” “Claro. Tudo parece pequeno de dentro de um avião. Você não pode se querver as pessoas daqui. Não é grande coisa.” “Mas isso é impossível. Não pode ser tão pequeno! Era o meu mundo inteiro.” Então ela encosta sua testa contra a janela e não diz nada por um longotempo, apenas olha para a pequena torre até estarmos mais altos do que as nuvens.
  • 110. Capítulo 8: Talia Eu acordo com Jack me cutucando. “Nós estamos aqui,” ele diz. “Na América? Seu país?” “Em Miami.” Eu não posso falar. Ele quer dizer que nós completamos toda nossa jornada?Parece só um pouco mais de tempo que nós gastamos andando na cerca de Euphrasia.Eu imagino... se tudo pode ser feito em tão pouco tempo, isso significa que as pessoasvivem mais tempo? “Quanto tempo eu dormi então? Três meses? Seis?” Jack ri. “O voo foi longo, mas não tão longo - umas poucas horas.” Ele meentrega um objeto enrugado, que agora eu que é uma sacola plástica. “Aqui. Eu pegueialguns pretzels pra você.” Eu não tenho ideia do que é um pretzel, mas eu pego a sacola. “Obrigada. Éadorável.” Eu olho para isso. É azul e diz AMERICAN AIRLINES. “Eu devo entesourar issopara sempre.” Ele encolhe os ombros. “Eu achei que talvez você comeria.” Então eu faço. Leva algumas tentativas abrir a sacola, mas uma vez que euconsigo, os pretzels são crocantes e salgados. Eu imagino se toda comida Americana éassim. Se é, é um pouco seca. Ainda assim, eu os como educadamente. “Adorável.” Jack aponta para a janela. “Ai está.” Eu olho. Há alguns tipos estranhos de árvores, altas com nenhuma folha a nãoser por pequenos chapéus no topo, e há água em todo lugar. Eu lembro que nós temosvoado no ar todo esse tempo, dez horas, e deveria ser de noite, ainda é de dia,glorioso, dia ensolarado, e eu sou livre para sair nisso se eu quiser. E de repente, os pretzels não têm gosto de sal, mas de liberdade. “Eu preciso da minha escova de cabelo,” eu digo para Jack. “Pra que?” Ele abre a mala de viagem dele.
  • 111. “Nós devemos nos encontrar com sua família, não devemos?” Quando meupai retorna de uma viagem, minha mãe e eu e todos os membros da corteencontramos o navio dele com flores. Se isso é pra ser assim, eu devo pentear meucabelo. Em qualquer caso, uma princesa deve manter as aparências. Eu tiro a escova mais simples que eu tenho, prateada com quase nenhumajoia. Jack ficou horrorizado quando ele viu. Escovas modernas, ele diz, são feitas deplástico. Eu sei o que é plástico agora, e eu devo dizer que não tem nenhum atrativocomo a prata. Eu joguei fora os sapatos de plástico que Jack comprou para mim, queapertavam meus pés tanto que eu quase não conseguia andar. Agora, eu tenhosapatos de pano que amarram na frente. Ainda assim, eu anseio pelos meus própriossapatos, feitos do material mais fino e que cabiam exatamente no meu pé. Eu sinto falta da minha criada, que escovava meu cabelo cem escovadas demanhã e de noite. Eu sinto falta de ser uma princesa. Mas então eu me lembro da raiva do meu pai. Isso eu não sinto falta nenhumpouco. “Nah, ninguém vai estar lá,” Jack diz, me recordando do tempo e do lugar. “Desculpe-me, como disse?” “Minha família. Eles estão todos ocupados. Você vai encontrá-los mais tarde,eu acho.” “Mas certamente alguém—” “Não. Nós vamos pegar um taxi.” Eu peguei um taxi no aeroporto na França, e o máximo que eu posso dizerdisso é que não é um ônibus. Eu balanço minha cabeça, mas mantenho uma línguacivilizada dentro dela. Parece incrível que um jovem homem podia viajar através dooceano e vir para casa sem alarde algum. Eu examino o rosto de Jack. Os lábios deleestão franzidos, a testa dele está franzida, e eu suspeito que os pensamentos dele noassunto são similares aos meus. Eu percebo que Jack e eu sofremos de problemasopostos: Enquanto meus pais me mantêm ao alcance da mão, os do Jack não o matemao alcance nenhum pouco. De repente há um gigante choque que faz meu assento, meu corpo, todos osmeus ossos pularem, e há um som como um trovão. “O que foi isso?” Eu choro.
  • 112. Jack ri. “Relaxa, boba. Nós acabamos de aterrissar. Nós estamos no chão.” Eletira o telefone dele e o liga. “Nós estamos?” Eu olho na janela. É verdade. Nós estamos. As árvores e ooceano não são mais visíveis, substituídos por terra cinza sem graça. Mas um momentoatrás, eu estava nas nuvens! Eu. Talia. Depois de trezentos e dezesseis anos isolada emum castelo, separada de todos, em três dias eu encontrei um garoto, fugi, e cruzei ooceano em uma maquina voadora mágica. Quem teria acreditado isso possível? Certamente não meu pai.
  • 113. Capítulo 9: Jack Demora um pouco sair do avião com os 50 quilos de bagagem que Taliacarrega. Mas finalmente nós conseguimos. Adoro quando você entra no aeroporto comercial de Miami, e recebe aquelaprimeira explosão de ar quente através das frestas que te lembra que você está emcasa. Eu observo o rosto de Talia enquanto ela caminha para fora do avião. “Ohh! Tão quente!” Eu sorrio. Eu disse a ela que ninguém estaria ali para nos pegar no aeroporto,principalmente porque eu não queria que ela passasse uma hora no banheiro doaeroporto, penteando seu cabelo com uma escova de 10 libras e beliscando suasbochechas para fazê-las ficarem coradas ou algo assim. Mas eu acho realmente queninguém está vindo. Eu verifico meu celular para ter certeza de que está ligado, e verifico se tenhomensagens, embora eu saiba que não tenho. Eu enviei mensagens de texto para meupai e minha mãe quando comecei a sair do avião. Nada ainda. Nós abaixamos a cabeça em direção à esteira de bagagens. Talia parece umpouco tonta, e eu pergunto a ela. “Você está bem?” Ela encosta a mão em meu braço. “Estou feliz por você estar aqui. Eu acho quenunca vi tanta gente em minha vida como vi hoje.” “Sem problemas. Sua mão continua lá. É estranho porque eu meio que gostoda maneira como ela se sente, seu jeito de depender de mim. ” Ela aponta para o carrossel de bagagens. “Ohh! Que divertido!” “Eh! Não toque aí. Temos que procurar nossas malas.” Meus pais ainda não estão aqui, então eu ligo para casa. Minha irmã atende. “Ei, Mer, onde está a mamãe?” “Saiu para afogar suas mágoas por ter um filho tão ruim.” “É mesmo?”
  • 114. “Eu acho que ela está jogando tênis.” “Eu estou no aeroporto.” Eu me viro para Talia não me ouvir. “Alguém estávindo?” “Humm... Eu imagino que não. Isso é estranho. Ela veio e me pegou noacampamento semana passada. Eles devem me amar mais – mas veja, eu não fugi doacampamento.” “Muito engraçado.” Eu ligo para meu pai. Sua secretária atende. O nome dela é Marilyn, o que eusei por que me fazer trabalhar no escritório é a outra forma favorita do meu pai dearruinar meu verão. Na verdade, essa foi uma condição para a viagem pela Europa. “Oh, mas justo hoje?” ela diz quando eu digo a ela que eu estou no aeroporto. “Hum, sim. ” “Ele está em Houston agora. Você quer que eu chame um taxi para você? ” De jeito nenhum. Se meus pais se esqueceram de me buscar no aeroportodepois de eu ter ficado fora por quase todo o tempo que eu tinha que ficar, elestinham que enviar um táxi. Eu vejo minha mala, e agarro-a. Mas estou mais preocupado com o que eunão vejo, que é Talia. Para onde ela foi? Ela estava segurando meu braço, mas agoranão está mais. O que me faz pensar em todas as coisas que poderiam acontecer com ela.Como, por exemplo, se ela decidiu dar uma volta no carrossel de bagagens e acabouem algum tipo de escritório de bagagens esquecidas? Ou talvez ela decidiu mostrar para a agradável segurança seu porta-joias. Ou alguém lhe ofereceu alguns doces, se ela o ajude a encontrar seu cachorroperdido. Ela iria. Isso é o que ela faria. Mantenha a calma. Há um monte de gente aqui. Ela é provavelmente estápresa na multidão. Onde ela está? "Jack?" Um sussurro me interrompe. Talia!
  • 115. "Jack?" Eu olho de novo, e eu a vejo. Ela está pressionada contra uma parede, o capuzverde que eu lhe dei cobrindo todo seu cabelo loiro e a maior parte do seu corpo. "Venha," eu digo. "Peguei as malas." Ela olha por cima do ombro, e não realmente para mim, mas para fora doaeroporto. "Será que ela ainda está aí?" ela sussurra. "Será que ela ainda está aí?" "Shh! Havia uma senhora, uma velha senhora em um vestido preto. EraMalvolia." Malvolia? Tento me lembrar quando eu ouvi esse nome antes. A fada. Bruxa.O que quer que seja. A pessoa que lançou o feitiço em Talia e fez dormir todos aquelesanos. Eu dou risada. "Ela não poderia estar aqui. Ela estava viva centenas de anosatrás, em Euphrasia." "Eu estava viva centenas de anos atrás em Euphrasia, e eu estou aqui." Bem colocado. "Mesmo assim..." Eu olho em volta e vejo a senhora de quemTalia está falando, uma velha senhora em um vestido preto. Um hábito negro, naverdade. "Essa não é Malvolia," eu digo. "Ela é uma freira." "Não ela. Ela foi..." Ela se vira para o resto do caminho ao redor, usando ocapuz para proteger o rosto. "Ela desapareceu." "Bom. Então nós podemos ir." "Eu suponho que sim". Talia fica olhando, caminhando como se esperasse quealgo ou alguém caísse em cima dela, vindo do teto. "Ah, se ela ainda está viva, ela provavelmente se esqueceu de você poragora." Tomo-lhe o braço para levá-la para a saída. "Por quanto tempo alguém podeficar bravo por não ter sido convidada para uma festa?" "Talvez. Mas ela era uma mulher. As mulheres nunca se esquecem dessascoisas. E eu aprendi as consequências de se ignorar os avisos. Isso não vai acontecernovamente.”
  • 116. Capítulo 10: Talia O taxi é quente e quase mais rápido que um cavalo, devido ao que Jack chamade “tráfego.” No meio disso, eu estou vendo o rosto de Malvolia. O que eu não contei para Jack, para que ele não pense que eu sou insana, foique ela falou comigo. “Ah, Princesa.” Os olhos negros dela cintilaram. “Você tem sido uma meninamalcriada, de fato.” Ela não está como ela estava aquele dia no quarto da torre, uma doce velhadama. Agora ela estava mais jovem, mais alta, mais reta. Mas os olhos dela eram osmesmos, pretos e cintilantes, e também a voz dela. “Você despertou sob falsos pretextos,” ela disse. “Falsos pretextos?” “Sim.” Ela se afastou para permitir um homem com bagagem passar. “Essegaroto não é seu amor verdadeiro. Você não deveria estar acordada. Mas eu vouconsertar isso, como eu sempre faço. Aqueles que me contrariam sofrem asconsequências.” Ela levantou a mão, dedos com garras escovaram minha manga. Eu comecei acorrer pela multidão, colocando tantas pessoas entre nós quanto era possível. Eu meescondi. Foi quando Jack me achou. Mas talvez Jack esteja certo. Eu estou doida. Na minha mente, os eventos comos vestidos, o fuso, tudo, aconteceu dias atrás, não centenas de anos atrás. A Malvoliapoderia estar viva? Mesmo se ela estiver, certamente ela teria esquecido o pequenofato de não ser convidada para minha festa de batismo tantos anos atrás. Claro. Foi minha imaginação. Tem que ter sido. Minha imaginação insana. Ainda, eu imagino o que ela queria dizer por consequências. Ou o que minha imaginação queria dizer, desde que ela não era real. Ela nãoera real. Eu olho para Jack, dormindo no banco. Eu suspiro. Ele vai ser meu marido,apesar de não ter percebido isso ainda. Eu posso amá-lo? Ele é egoísta e imaturo, eainda ele me trouxe com ele quando ele poderia facilmente ter me abandonado. Porque ele fez isso? Por amor, ou por pena? Pena pode ser transformada em amor? Eu
  • 117. não sei. Eu também não sei se a gratidão que eu sinto por esse garoto bobo por metrazer com ele pode se tornar amor no meu lado. Mas então, eu provavelmente nãoteria amado meu marido escolhido se eu tivesse ficado em Euphrasia. Não, o importante não é o que eu sinto por ele, mas o que ele sente por mim.Eu devo fazer Jack me amar, fazer minha mentira virar verdade. Se ele é meu amorverdadeiro, nem Malvolia pode reclamar. E, quase tão importante, eu devo fazer ospais dele me amarem, porque nenhum casamento pode ser feito sem a aprovaçãodeles. Eu posso ser muito doce quando eu quero, sem mencionar bonita. Eu tiro minha escova de cabelo. Está tão quente que eu sinto que meu rostopode derreter, mas eu posso trabalhar no meu cabelo.A casa do Jack não é nem de perto tão grande quanto o castelo. Mas é muito maiorque as casas dos camponeses em Euphrasia. Certamente a família que mora aquificaria encantada do filho deles casar com a realeza. Jack bate e bate na porta. “Acho que ninguém está em casa, também,” ele diz. Eu relaxo um pouco. Uma corrente de ar frio nos cumprimenta, assim como a visão de uma garotasombria de cerca de treze anos. Esta deve ser a irmã dele, Meryl. Ela é alta, tão altacomo eu, e um número de manchas marcam o rosto dela. Eu nunca tive uma mancha,claro, mas uma das minhas criadas teve várias, e elas pareciam muito dolorosas. Meryltambém tem objetos metálicos conectados aos dentes dela. Em uma mão, ela agarraum bloco de papel. Ela faz carranca. "Ah. Você está aqui ". “Hey, por que você não atendeu a porta?” Jack diz. Ela encolhe os ombros. “Não escutei.” Jack ri. “Você não está feliz de ver seu irmaozão?” “Depende. Você trouxe algo para mim?” “Nada,” Jack diz. “Essa é Talia.” Eu levanto minha mão para ela. “Encantada de te conhecer.” Ela mostra a língua dela para o Jack e não oferece a mão para balançar minhamão, muito menos faz uma reverência. “Você é de verdade? Você trouxe para casa
  • 118. uma garota da Europa? Oh, você vai estar tãoooo encrencado.” Ela sorri um pouco,antecipando isso. “Jack,” eu digo, “nós trouxemos um presente para ela. Lembra?” Eu quero queessa garota esteja do meu lado, se ela vai ser minha futura cunhada. Eu tiro um colarde camafeu da minha caixa de joias. É a menor coisa lá, mas eu não vendi para ohomem na Bélgica porque era muito precioso para mim. É um retrato da minha bisavóAurora. Nele, ela está ligeiramente virada para o lado, com os cabelos em cascatasobre o ombro dela, e ela tem mais que uma pequena semelhança comigo. “Eugostaria que você ficasse com isso. É do meu país.” Ela olha para ele, então para Jack. “Oh, uau, eu posso usar isso na escola.” Elarola os olhos dela. Não a reação que eu tinha esperado. “Um obrigado seria legal,” Jack diz. “Sim, eu acho que seria.” Ela não me agradece. “Esse objetos nos seus dentes? O que são eles?” Eu pergunto para ela. Ela faz carranca. “Com licença?” “Você tem alguns metais na sua boca. Isso é um acessório de moda?” Ela rola os olhos dela de novo e começa a subir sem responder. Jack encolhe os ombros. “Minha irmã não... gosta... de pessoas.” Então elepega meu cotovelo. “Vamos, Talia. Eu estou morrendo de fome.” Eu o sigo para um cômodo que deve ser a cozinha, apesar de não estar certa,porque eu nunca estive dentro de uma cozinha antes. Nós temos uma no castelo,claro, mas era de domínio exclusivo da cozinheira, Senhora Pyrtle, e as garotasserventes dela, e ela não recebia gentilmente intrusos. A cozinha na casa de Jack é bastante agradável. As paredes são revestidas comarmários de madeira brilhante, e no centro é um grande objeto de metal que Jackabre. “Parece que mamãe não fez muitas compras ultimamente,” ele diz. “Nóstemos sobras chinesas, sobras mexicanas, sobras de frango...” Ele vira para mim. “Oque parece bom?” “Desculpa. Isso é comida?” Eu sei o que é galinha, mas o resto não é familiar.
  • 119. “Mais ou menos.” Ele fecha a porta e grita para o outro cômodo. “Hey, Meryl,quão velho está essa comida chinesa?” Nenhuma resposta. Jack pega um recipiente com uma foto vermelha. Ele cheira. “Cheira bem.Nenhum cabelo.” Jack vai pegar um prato em um dos armários. Ao mesmo tempo, duas meninasde aproximadamente a mesma idade de Meryl entram na sala. Mais irmãs? Jack nãotinha mencionado irmãs adicionais. Não. Elas devem ser amigas de Meryl. Estas garotassão menos desagradáveis do que Meryl, talvez um pouco mais atraentes. E ainda háalgo que eu não gosto nelas. Por um lado, ambas usam blusas que mostram suasbarrigas e seios. Por que a jovens mulheres dessa época não usam roupas que servem? “Oi, Jack,” uma das garotas, umas pequena loira, diz, se agitando na direçãodele. Ela me ignora totalmente. “Ei.” Jack me dá um prato. Nele, ele começa a colocar uma estranha comidada caixa, que agora eu vejo que tem um foto de um pagode (prédios orientais) nele. Euaprendi sobre pagodes no meu estudo sobre o Oriente. Eu sempre desejei ver um empessoa. “Vocês estão aqui para ver Meryl?” A morena torce o nariz dela. “Nós estamos aqui para te ver. Ouvi que você foipara Europa.” “Sim.” Jack me da a comida e faz um gesto para eu sentar em uma mesa dooutro lado da cozinha. É quando Meryl entra. Ela olha para as duas garotas, como se comparandoelas com ela mesma e achando que falta algo nela. “Ei, então que vocês estão fazendohoje?” A garota loira não olha para ela mas diz para Jack, “Gaby e eu estamos indopara a praia. Quer vim?” Jack não responde, mas continua a comer a “comida chinesa”. Eu dou umamordida cautelosa. Salgado, mas bem interessante. Reconheço alguns dos vegetais,mas outros, como uma espiga de milho não maior que meu dedo, me confundindo. Otelefone de Jack faz seu barulho. Ele atende. A garota morena se joga em volta dele, muito parecido como uma mãe degato persa. “Por favor, Jack, por favor vem com a gente.” A outra garota segue. “Por favor, Jack. Vai ser divertido.”
  • 120. Jack continua a falar no telefone. “Ei,” Meryl diz, “eu posso provavelmente falar com meu irmão e fazer ele—” “Tanto faz.” Os olhos da garota loira nunca deixam Jack. Finalmente, Jack diz, “Espera um segundo.” Ele desce o telefone e tira as duasgarotas. “Ei, JaliBait*, você se importa? Eu estou tentando ter uma conversa.” *Jailbaité uma gíria para uma pessoa que é mais jovem que a idade legal de consentimentopara a atividade sexual, mas fisicamente madura o suficiente para parecer um adulto. As duas garotas parecem ofendidas, então fazem um show elaborado saindodos ombros do Jack. A garota morena parece propositalmente estar empurrando oamplo seio dela na frente dos olhos do Jack. As mães dessas garotas sabem que elas secomportam dessa maneira? Finalmente, as duas saem, e Meryl segue. Eu ainda possovê-las através da porta um pouco. “Ei, Jennifer,” eu escuto ela dizer. “Eu posso fazer Jack pegar a gente na praiaoutro dia. Talvez nós possamos ir de bicicleta para o shopping ou algo assim.” Eu assisto através da porta da cozinha. Uma das garotas ri, então as duas, asbarrigas expostas saltando para dentro enquanto elas fazem. “Por que a gente iriaquerer fazer isso?” a garota loira diz. “Sim, realmente,” a morena ecoa. “Não é como se nós pudéssemos encontraralgum cara gostoso como você junto.” “Mas eu poderia...” Meryl gagueja. “Eu tenho dinheiro. Eu poderia compraralmoço para gente no shopping ou algo assim.” “Ei, o que é isso?” A loira levanta a mão para o objeto na mão de Meryl. “Seudiário?” “Não é nada,” Meryl diz, segurando o objeto longe delas. A morena continua a zombaria. “Deixa eu ver.” Ela puxa isso da mão de Meryl,então abre. Eu vejo que é um caderno de esboços. “Olha, Jen. Meryl é uma artista.” Jennifer pega o caderno de esboços. Ela abre em um retrato de uma sereia emuma pedra. “Ooh, essa é sua namorada?” “Me devolve!” Meryl parece perto das lágrimas. “Eu estou só olhando. É uma arte tão bonita.” Apesar das palavras, o tom delaé nojento. “Jen, me devolve!”
  • 121. “Por que eu deveria?” “Porque eu disse que é para devolver,” eu interrompo. Eu nem tinhapercebido que eu tinha deixado a cozinha, mas agora eu estou em pé na frente dasgarotas, com minha mãe levantada. “Por favor, devolva isso.” Eu dou a elas meu melhor olhar de princesa. Embora eu não esteja mais emEuphrasia, eu ainda sou uma princesa, e essas garotas ainda são camponesas. Eu voufazer com que elas me obedecerem. “Quem é você?” Jennifer diz, mas ela me entrega o caderno. “Eu estavaapenas olhando.” “E agora você parou de olhar. Obrigado.” Eu entrego o caderno para Meryl evolto para a cozinha. “O que acontece com a bunda dela?” a loira diz. “Me avise se seu irmãoestiver livre mais tarde.” “Mas... tudo bem...” Meryl olha enquanto as duas garotas saem. Antes que a porta se feche, eu escuto uma dizer para a outra, “Você podeacreditar que um cachorro igual a esse tem um irmão tão gostoso?” Coisas horríveis! Meryl sem duvida escutou, porque ela olha para baixo etorce a boca dela de um jeito estranho. Eu não sei o que dizer. Apesar de ter passadomeses aprendendo sobre diplomacia, nós nunca discutimos o que fazer se alguém édeliberadamente cruel com outra pessoa na presença dela. Jack continua no telefone. Por que ele não veio ao resgate da irmã dele? Meryl ainda está em pé perto da porta. Ela olha para mim, e eu percebo queela deve estar envergonhada com meu testemunho nessa troca. Eu pego uma mordidamuito grande da minha comida chinesa. Um pouco do molho pinga na minha garganta,me fazendo tossir, então lançar a comida no chão. “Ai meu Deus!” Eu tussonovamente. Meryl se ilumina, rindo. “Comendo bem?” Eu tento pegar o pedaço — um dos milhos em miniaturas — com o meuguardanapo. “Não, não muito bem.” “É o que parece.” Eu levanto meu prato. “Você quer um pouco? Isso parece não combinarcomigo”
  • 122. Ela começa a balançar a cabeça dela, então acena. “Tudo bem.” Ela pega umprato para ela e pega um pouco da comida do meu prato e coloca no dela. Ela senta.Nós comemos em relativo silêncio, apesar da conversa de Jack. Eu queria pensar emalgo a dizer. Finalmente eu digo, “Essas garotas são suas amigas?” Ela olha para baixo. “Nós éramos amigas... antes que elas virassemcompletas...” Ela diz uma palavra que eu não entendo. “Vaa... Desculpa, mas eu não conheço esse termo.” “Oh, eu esqueci que você é Holandesa.” Ela suspira. “É meio, tipo safada?Puta?” Vendo minha confusão, ela diz, “Vocês não tem putas no seu país?” Eu começo a entender, particularmente do jeito que as jovens plebeiasestavam vestidas... sem mencionar do jeito que elas se pressionavam no Jack. Euaceno. “Jennifer — essa é a loira — ela mora aqui do lado. Ela é doida pelo Jack, e elaestá sempre tentando pular nele.” “Eu entendo.” Eu aceno e pego outra mordida da comida chinesa. E começo agostar. Meryl pega um pouco também. Eu olho para fora pela janela. As duas garotasainda estão do lado de fora, olhando para dentro da janela, possivelmente para Jack.Quando a morena me vê olhando para ela, ela cutuca a amiga dela, então faz umacara. Eu não gosto dessas garotas. Eu lembro de que quando eu tinha sete ou oito,havia uma garota, a filha de uma das damas-de-compania da minha mãe, que meimportunava implacavelmente por eu não ter permissão de ir para fora, dizendo queela ia me picar com um fuso. Eu a desprezava. “Bem, então,” eu digo para Meryl, “por que você as deixa entrar, se elas sãotão grosseiras?” A pergunta parece pegar ela de surpresa. Ainda, ela consegue engolir acomida antes de dizer, “Eu não sei, por que nós costumávamos ser amigas, eu acho.Parece que se você conhece alguém desde o nascimento, ela deveria ser pelo menosgentil com você.” Eu aceno. “Por que elas não são, então?” Meryl rola os olhos dela como se eu fosse a pessoa mais estúpida que ela jáviu e pega outra mordida da comida dela. Ela não responde. Jack continua com a
  • 123. tagarelice no telefone, nem uma vez suspeitando que eu estou me fazendo decompletamente idiota na frente da irmã dele. Finalmente, Meryl diz, “Eu prefiro não falar sobre isso, Barbie.” “Meu nome é Talia.” “Tanto faz. Você não entenderia. Você provavelmente tem um bilhão deamigos. Você é totalmente deslumbrante.” Eu suspiro. “Não, na verdade eu tenho estado muito sozinha.” Eu não tenho a chance de elaborar essa declaração, quanto Jack finalmentefecha o telefone dele. “Boas noticias — nós fomos convidados para uma festa na casado Stewy Stewart hoje à noite.” “Uma festa!” Eu olho para baixo, para meu vestuário, calças azuis e o que Jackchamou de top. “Eu devo vestir meu vestido azul?” Eu pergunto para Jack. “Ou o meuvermelho?” Eu estou quase pulando para cima e para baixo, porque eu amo festas.Essa talvez possa compensar pela festa de aniversario que eu perdi em casa. Naverdade, talvez seja como minha festa de aniversario com uma importânciaparticular—que vai ser o dia que meu amor verdadeiro vai me achar. Quando Jack meolhar sobre a pista de dança, ele certamente vai— “Whoa, whoa...” ele diz. “Não é esse tipo de festa.” Eu olho para Meryl. Ela está rindo para mim. “De que tipo é então?” “Do tipo legal.” Eu nunca ouvi sobre uma festa sem vestidos. Esse está se tornando um séculomuito decepcionante. Em alguns minutos, Jack tinha invadido o quarto de Meryl (sob os protestosdela) e pegado para mim uma camiseta com as palavras ABERCROMBIE & FITCH*estampado no peito. Havia uma família Fitch em Euphrasia, mas eles foramatormentados pela insanidade. Eu decido não mencionar isso. Ele também tenta mefazer vestir algo chamado maiô, que consiste em um pano pequeno amarelo. *Loja deroupas. “Eu não posso vestir isso,” eu digo. "É indecente. É... obsceno." Eu tenho uma breve noção de que Jack está jogando um truque em mim, queesta peça é apenas uma roupa íntima e sua insistência de que eu use é apenas uma
  • 124. estratégia para me ver sem roupa. Embora ele esteja dentro de seus direitos paraexigir privilégios depois do nosso casamento, não posso consentir antes. "É uma peça única," diz Jack. "Uma peça de quê?" Eu exijo. "Eu não posso usar isso." "Eu não quero que ela pegue emprestado, de qualquer maneira," diz Meryl."Continua, garota! Diga para ele que você não vai usar." "Não está ajudando," diz Jack. Para mim, ele diz, "Isso é o que as pessoasusam para nadar nos dias de hoje... neste século." "Bem, então, é muito simples, então," Eu digo, "porque eu não sei nadar." Jack suspira, e eu sei que ele está com raiva. Para isso, eu sinto muito,enquanto ele tem sido amável e eu quero agradar ele. Quero casar com ele, naverdade. "Você pode sair do meu quarto agora?" Meryl pergunta. Eu percebo que elaestá novamente apertando seu caderno. "Algumas pessoas estão tentando trabalhar." "Sinto muito", digo para Jack. "Talvez jovens damas Americanas usem roupasassim e nadam e...” Penso nas jovens garotas— eu não iria chamá-las de damas — queacabaram de sair. "... e pulam em jovens homens de maneira tão desavergonhada. Maseu não sou uma jovem dama americana. Há certas concessões não estou disposta afazer. Eu aprecio a sua gentileza." Se Jack é realmente o meu destino, ele deveria me entender e me amar pormim mesma. Claro, no momento, ele não me ama nem um pouco.
  • 125. Capítulo 11: Jack Eu estou sentado no sofá com Talia, comendo Doritos e assistindo JudgeJudy*. Meryl está em seu quarto, emburrada. *Seriado de TV americano. "Isso é fascinante". Talia lambe o queijo do Doritos de seus dedos. "O que é fascinante?" Eu lhe pergunto agora. "Eu?" "Não." Ela ri. "Quero dizer, sim, claro. Mas eu estava falando sobre o Sistemade Justiça Americano". Nós estávamos assistindo duas mulheres discutindo se o Pit Bull da primeiramulher havia danificado o carro da segunda mulher quando este subiu em cima docarro para tomar sol. A mulher do Pit Bull está vestindo um tomara que caia e suasunhas eram maiores do que as dos dedos da maioria das pessoas. A outra mulherestava com lantejoulas. “O que há de fascinante nisso?” “O que não há?” Os olhos de Talia se ampliam. “Esta mulher, Judge Judy. Ela émuito sábia.” Eu dou de ombros. “Eu acho que sim.” “E eles a deixam decidir sobre todo o caso – eles deixam isso para ela?” “Ela é a juíza.” "Sim! Mas ela é uma mulher, e ainda assim eles confiam em seu parecer. Seeu tivesse permanecido em Euphrasia, um dia eu iria ser rainha. Eu seria responsávelpela nomeação de todos os magistrados em Euphrasia. Mas as mulheres não podiamtornar-se magistrados, pois o seu julgamento é deformado. Eles seriaminconsistentes." Eu penso em Amber e como ela agia algumas vezes, totalmente apaixonadapor mim um dia e depois como se eu não estivesse apto a carregar sua bandeja dealmoço usada. Não soa como um sistema totalmente terrível da justiça para mim. Nãoé que eu vou dizer que a Talia. "Mas se você fosse rainha, não poderia nomear quem quer que vocêquisesse? Isso não faz parte de ser rainha?"
  • 126. Talia franze a testa. "Eu não sei." Judge Judy está condenando a primeira mulher a pagar os danos do Pit Bull.Talia bate palmas com prazer. "Isso é exatamente o que eu teria feito." Ela parece tão bonita que eu sinto vontade de beijá-la. É quando a minha mãe entra.Mamãe aparentemente usou a oportunidade por eu estar na Europa e Meryl em umacampamento para conseguir algum trabalho. Pelo menos ela está "descansada,"código para o fato de que seu rosto está congelado em um sorriso duro. "Jack, querido!" diz ela através de lábios que não se movem para os lados."Você está em casa!" Ela me sopra um pequeno beijo pelo de ar. Meryl, que veio de baixo das escadas para presenciar a cena, imitá-la. "Sim,você está em casa, meu rapaz!" Minha irmã está vestindo uma camisa que diz: Eu sou multitalentosa. Eu possofalar e irritá-lo, ao mesmo tempo. Um eufemismo. Exceto pelo fato de que a minhairmã na verdade não fala muito. Ou ela está de mau humor ou faz coisas tentar mepegar. Neste momento, ela está carregando esse bloco de desenho estúpido pelo qualela é completamente obcecada e nunca mostra a ninguém - provavelmente porque elaestá desenhando nossos corpos mutilados. Eu lanço um olhar furioso para ela, e ela memostra a língua. "Você não vai apresentar para mamãe a sua amiga, Jack?" “Você nunca penteia o seu cabelo?” eu a provoquei. “Só para as pessoas que valem o esforço.” Eu decido que é hora de dar a minha mãe um grande abraço. "Mãe! Você estáótima! Eu tinha esquecido como você era jovem." Eu aponto para Talia. "Esta é Talia, agarota que eu conheci na Bélgica." Uma coisa sobre a minha mãe - ela está sempre tranquila, como quando anopassado, quando Travis e eu fomos pegos jogando ovos em carros no cruzamento daAvenida Oitenta com a Segunda. Mamãe permaneceu tão calma, calma o suficientepara que eu me perguntasse se ela se importou. Você precisa saber realmente quando ela está pirando. Eu sei. Seu sorriso ficamaior do que quando ela está realmente feliz, e sua voz fica mais elevada.
  • 127. Agora ela sorri cegamente. Segurando a mão com as unhas feitas, elaguinchou, "É adorável conhecer você. Jack disse-nos bem, na verdade, ele não nosdisse nada sobre você. Você está aqui visitando a família?" Talia olha para mim, então diz: "Não, senhora." Mãe continua a sorrir. "Ah, amigos, então?" Outro olhar para mim de Talia. "De certo modo." Eu cortei a conversa. "Eu disse a você, mamãe. Ela está ficando com a gente."Silêncio. Em seguida, Meryl diz: "Eu acho que há uma maratona de Naruto no CartoonNetwork." Minha irmã não assistiu a um episódio de Naruto em pelo menos dois anos,mas eu acho que é como os pássaros e os esquilos desaparecem antes de um furacão.O instinto de voo apenas os chuta para dentro. Mamãe não parece mesmo a perceber que ela se foi. "Sério, Jack, onde estáhospedado Talia?" Eu olho-a diretamente nos olhos. "Sério, Mãe, aqui." "Jack foi tão gentil comigo," Talia diz em sua voz mais princesa "ajudando-mevir para a América e tudo mais." As sobrancelhas de mamãe se levantaram. "Talia, querida, você se importariade se juntar Meryl na sala da família por um momento?" "Você não tem que fazer isso," digo a Talia. Talia olha para mim e para minha mãe. "Eu acredito que eu possa, Jack. Suamãe me pediu, e isso só seria cortês." Ela faz uma mesura para minha mãe, então sai. Mamãe olha ela sair, então se vira para mim. "O que você quer dizer com isso,Jack? Em primeiro lugar, deixando o passeio, o que nos custou muito dinheiro para lheenviar?" "É sempre sobre o dinheiro, não é?" "...e depois traz para casa uma estranha que conheceu na Europa?" "Você está sempre atrás de mim para ampliar meus horizontes".
  • 128. "Ao visitar um museu ou algo parecido, não trazendo para casa umavagabunda Holandesa." Mamãe ainda não levantou a voz, mas sua voz baixa estáficando um pouco tensa. "Ela é da Bélgica." Limito-me com isso porque isso é o que diz seu passaporte."E ela tem maneiras perfeitas - eu pensei que você gostaria disso." "Esse tipo tem sempre boas maneiras". "Que tipo?" "Imorais, malandros. Eles nos levam com os seus bons costumes, e então elesenganam você. Ela poderia nos roubar, até mesmo nos assassinar em nosso sono." Eu ri. "Talia não faria isso." "Como você sabe, Jack?" Eu paro e penso sobre isso. Claro, eu sei por que eu sei Talia é realmente umaprincesa, herdeira de um trono, que teve a maldição de uma bruxa colocado sobre elae dormiu trezentos e tantos anos até que eu a acordei procurando pela praia. Mas eunão acho que essa explicação vai exatamente colar com a minha mãe. Ela iria chamar oFBI antes que você pudesse dizer "chão até a graduação," ou ela não iria acreditar emmim. Então, ao invés, digo: "Ela é uma pessoa muito simpática." "Eu aposto que ela não é nem mesmo uma adolescente. Ela é provavelmentealguma mulher de meia idade predando os meninos mais novos..." Na verdade, ela tem trezentos anos. ... nessas roupas indecentes..." "São roupas de Meryl!" “Ela pegou roupas das Meryl?” Eu começo a andar. "Será que ela parece de meia idade?" "Eu tenho cara de meia idade? É irrelevante. Ela não pode ficar aqui. " Eu paro de andar. Por que eu concordei em trazer Talia para a Américacomigo? Ah, sim, porque se eu não fizesse, eu ainda estaria apodrecendo em umcalabouço. Mas isso não explica por que eu não a abandonei na borda da floresta.Definitivamente eu poderia ter feito isso. Então, por que eu não fiz isso?
  • 129. Ah, sim, porque eu sou um cara legal... que se traduz como "otário". Então, por que me importa se a minha mãe chutá-la agora? Eu não tenho nenhuma ideia, mas eu faço. Se a minha mãe não deixá-la ficar,ela vai ficar sozinha na América, um país estrangeiro ao dela, sem família, sem amigos,nem mesmo as habilidades para usar GoogleMaps para encontrar algum lugar para ir.E ela é tão confiante. E bonita. Deus, ela estaria morta em uma semana. "Você não pode jogá-la na rua,” eu disse. "Ela é apenas uma criança. Você nãogostaria que alguém me chutasse para fora, você gostaria?" Mamãe olha para baixo. "Ela pode chamar a família dela." “É, são tipo, três horas da manhã em Eu... Bélgica. Ela não pode chamarninguém.” “Amanhã, então. Ela pode ficar esta noite, no colchão de ar.” "Ela não pode chamar amanhã, de qualquer forma." "Por que não?" Boa pergunta. Na sala de família, Meryl colocou o som da TV super alto. Eurastreio o meu cérebro para qualquer possível razão aceitável para a mamãe de queTalia não pode telefonar, uma outra razão é o fato de que a família de Talia não possuium telefone. Poderia dizer-lhe Talia era um prisioneiro político se ela voltou para casa?Exceto pelo fato de que eu tenho certeza que a Bélgica é uma democracia. Minha Mãecostumava ser uma voluntária em um abrigo para crianças abusadas, então talvez eupudesse dizer-lhe que o pai de Talia vai bater-lhe se ela voltar... só que eu estousupondo instinto de caridade de mamãe não incluem a tomada aleatoriamentecrianças abusadas em nossa casa. Por último, digo: "Olha, seus pais estão viajando naAmérica, para o Grand Canyon." "Tenho certeza que eles têm telefones celulares. Ela pode chamá-los ". "Eu não acho que os telefones funcionem lá em baixo." Estou pensandorápido e estúpido agora. "É tudo deserto." Mamãe não engoliu essa. "Eu vou falar com ela." Ela começa a ir para a sala dafamília.
  • 130. Como você pode chutar uma princesa para fora de sua casa? Minha mãe vaidescobrir uma maneira. Eu a segui até a sala da família. Quando chegarmos à porta, nós paramos. Taliaestá sentada no sofá ao lado de Meryl, que tem seu bloco de desenho com ela, e elaestá realmente mostrando para Talia. Minha irmã diz: "Uau, isso é incrível. Elerealmente não parece muito melhor dessa forma."
  • 131. Capítulo 12: Talia Eu sou banida para a outra sala para cuidar da irmã mal humorada de Jackentão Jack e a mãe dele podem sussurrar sobre mim. Hospitalidade mudou muito nos últimos trezentos anos. Em Euphrasia,quando visitantes vêm para o castelo, nenhum problema ou despesa era poupada — acomida mais fina servida sobre pratos com bordas de ouro, lençóis de linho em camasde penas. Por que, mesmo quando Jack veio até nós, no meu país, na hora maissombria, meu pai ordenou que matassem um pavão para seu jantar (isso é, antes dejogá-lo no calabouço). O camponês mais pobre iria oferecer uma cama para umviajante cansado, mesmo se fosse de sua própria cama que ele estivesse desistindo. Agora não. Provavelmente, a mãe de Jack acha que eu vou cortar suasgargantas se me permitirem dormir aqui. Eu vi isso no rosto dela: medo. As pessoasestão com muito medo estes dias. No aeroporto, fomos cutucados e exibiram mais deum metro das nossas vidas, nossos sapatos removidos, nossos troncos colocadosdentro de uma máquina especial que pode ver dentro deles, uma intrusão nãorazoável. E é nesse tempo que eu devo agora viver, devido à maldição da Malvoliamalvada. Eu entendo, mas eu não gosto disso. A irmã de Jack, Meryl, senta sobre o sofá, olhando para a coisa chamadatelevisão, que está explodindo como uma faixa de metal. Os personagens da peça queela está assistindo — eles todos são estranhamente desenhados ao invés de pessoasde verdade — parecem muito bravos. Pelo menos, eles estão socando e chutando umao outro. Meryl, eu percebo, da pouca atenção a ele. Ao invés disso, ela encara ocaderno de desenho dela. Ela não olha para cima quando eu entro. Eu devo seramigável com ela. Nossa conversa mais cedo não foi muito boa, mas eu tinhaobservado meu pai vezes o suficiente para saber que aliados são importantes. Eu devofazer de Meryl uma aliada. Eu ando nas pontas dos pés até ela e espio sobre seu ombro. O desenho é o mesmo de antes, o que a horrível vizinha fez brincadeiras.Agora eu posso estudar ele ainda mais.
  • 132. Os detalhes são impressionantes. O oceano ao redor da sereia, emboraapenas em lápis preto, é tão real que parece agitar, as criaturas do mar em volta dela— enguias, tubarões, polvos — parecem realmente nadar, e a própria sereia é tãomaravilhosamente viva que eu posso imaginar os peixes do mar e os crustáceosfazendo o que ela pede. No palácio, meu professor de desenho, Signor Maratti, me ensinou a desenhartemas adequados para jovens senhoras — uma tigela de fruta ou uma paisagem. Mas,infelizmente, habilidade artística não foi nenhum dos presentes das fadas. Meryl tem talento. Embora eu fosse fingir admiração pelo trabalho dela, eunão preciso. Com traços hábeis, ela adiciona uma curva no sorriso da sereia. Eu soltoum suspiro. Meryl pula. “O que você está olhando?” Ela leva o caderno de desenho paralonge, fazendo um arranhão desagradável sobre o desenho com o lápis dela. “Agora vêo que você me fez fazer?” Eu balanço minha cabeça. “Eu peço desculpas.” Eu sento no lado oposto dosofá em que ela está. Ela comprime o corpo dela em uma bola, como se protegendo ocaderno dela de mim. Ela não o abre nem começa desenhar de novo. Ela também nãoassiste à televisão. Eu tento assistir, mas eu não sei o que está acontecendo. Eu limpominha garganta. Meryl faz carranca. “Você está aqui para falar comigo de novo?” Eu gostaria de falar com ela. Primeiro de tudo, eu estou entediada, e segundo,eu gostaria de conhecer a irmã de Jack melhor. Mas eu percebo que isso seria a coisaerrada a dizer, então invés, eu combino a carranca dela com uma minha. “Não se ache.” Eu aprendi essa frase de Jack. “Sua mãe me mandou aqui paramatar o tempo com você, então ela e Jack podem discutir sobre mim.” “Oh, sim?” Meryl quase sorri. “Ela é assim. Ela não iria dizer o que ela pensana cara dar pessoas. Ela é muito legal para isso. Mas quando você está de costas,cuidado.” “Eu conheço algumas pessoas assim.” Meryl abre o caderno de desenho dela, levando um cuidado elaborado paradesenhar longe de mim. Ela continua com o desenho dela. Não há nada para eu fazer, mas assistir o show na televisão, que parece ser detrês amigos, dois meninos e uma menina, que desejam ser algo chamado ninjas. A
  • 133. menina tem cabelo rosa, o que é adorável. Ninguém em Euphrasia tinha cabelo rosa.Eu não sei o que é um ninja, e não me atrevo a perguntar a Meryl, por isso eu me sentoem silêncio e assisto. Partes disso são engraçadas, pelo menos, e eu dou risada. Meryl olha para cima, então de volta para baixo. Um momento depois eu dou risada de novo. “Você gosta de anime?” Meryl pergunta. Eu levo isso como uma permissão para olhar para ela, o que eu faço. Com umolhar em branco. “Anime?” ela repete. “Desenhos Japoneses?” Eu balanço minha cabeça. “Eu nunca vi um.” “Você está assistindo um agora.” “Oh.” Eu olho para a tela. A garota com o cabelo rosa está batendo emalguém, muito forte. “Perece muito adorável. Eu gosto de como a garota, Sakura, vai setornar uma lutadora, também, como os garotos. Ela é um pouco como Judge Judy, nãoé?” “Judge Judy?” Eu balanço minha cabeça. “Esquece.” “Sakura é minha favorita,” Meryl diz. Ela volta a desenhar, um pouco menos sombria. O programa na televisãoacaba, mas outro igual começa. Meryl da pouca atenção para ele, absorta na arte dela.Eu posso ouvir Jack e a mãe dele conversando na outra sala, mas o barulho da televisãonão me deixa entender o que eles estão dizendo. Eu escondo um bocejo. Meus olhoscomeçam a fechar. Se eu não falar, eu vou começar a dormir. Finalmente, eu digo, “Eu sinto muito por olhar o seu caderno antes.” Meryl desenha algumas linhas, então diz, “Tanto faz.” “É apenas,” eu digo, “lá no meu país, eu estudei com um mestre Italiano,Signor Carlo Maratti.” “Woo-woo pra você.”
  • 134. “Oh, não estou me gabando. Eu não tenho talento algum, eu te asseguro.Signor Maratti me despreza. Ele disse para o meu pai que me ensinar era uma perda dotempo dele, e ele voltou para Itália para pintar.” Meryl ri. “Muito embaraçoso, ser expulsa de arte.” “Muito. Mas você tem talento, o tipo de talento que eu gostaria de ter.” Agora ela está segurando o caderno de desenho então eu posso ver um poucodele, mas eu não tento ver. Ao invés, eu aponto para a televisão. “Eu gosto do cabelodela. Isso é comum no seu país?” Mas Meryl move o caderno mais perto. “Eu não acho que é muito bom. Euposso desenhar pessoas e coisas assim, mas então eu tenho problemas com coisasestúpidas como o céu.” Eu tiro meus olhos da televisão. “Posso ver?” Quando ela levanta, eu dou umaolhada no desenho. Como ela diz, o céu parece falso contra a pessoa realista e osanimais. “Ah, eu vejo do que você está falando, embora isso seja realmentemaravilhoso. Você já estudou o conceito de espaço negativo?” “Eu não estudo arte, na verdade. Meu pai diz que é um desperdício de aula. Oque é espaço negativo?” “Signor Maratti estava bastante entusiasmado com isso— é a ideia que aoinvés de observar o espaço positivo de um objeto, você deveria desenhar a forma doespaço em volta do objeto —a sereia, por exemplo, ou essa gaivota.” “Eu tentei fazer isso, desenhar o céu primeiro. Ainda sai ruim.” Eu olho mais perto. “Isso é porque você desenhou primeiro o esboço. O quevocê deve fazer é desenhar o objeto primeiro, então desenhar o objeto de trás. Possover o seu caderno?” Ela me da o caderno, e eu viro para a primeira página branca. Então eu tentoesboçar o céu em volta da forma de um pássaro. “Está muito ruim, eu sei, mas oconceito é real.” Meryl tenta fazer o mesmo. Eu tento encorajar acenando sem parecercondescendente. Quando eu tinha idade dela — trezentos e três anos atrás—eu mesentia protegida por todos. Mas não, ela parece genuinamente contente pelo meuinteresse na arte dela. Finalmente, ela termina o pássaro, um pássaro muito melhor doque o meu, envolto por um céu muito melhor, e mostra para mim.
  • 135. “Uau, isso é incrível,” ela diz, sorrindo. “Parece realmente muito melhor dessejeito.” É quando Jack e a mãe dele entram. “Talia,” Jack diz, “Eu estou com medo que minha mãe tenha alguma noticiaruim.” “Espera um segundo,” a mãe de Jack diz. “Meryl, era você falando logoagora?” Meryl encolhe os ombros. “Sim.” “E esse é o seu caderno de desenho?” Ela tenta pegar o caderno. Meryl seguraatrás. A mãe de Jack diz, “Devo entender, Meryl, que você permitiu essa… essa...garota...” “Talia,” Jack diz ajudando. “...que você permitiu Talia ver o seu caderno de desenho?” Meryl colocou o caderno atrás dela de novo. “Ela estudou com um mestreItaliano. Isso não é legal?” A mãe de Jack acena. “Sim.” Ela olha para Jack. “Você diz que os pais dela vãovoltar para pegá-la em uma semana?” Jack acena. “E você realmente conheceu os pais dela?” Jack ri. “Cara, como eu conheci!” “Tudo bem. Ela pode ficar uma semana. Mas ela tem que dormir na sala deestudos lá em baixo, no colchão de ar.” Eu desejava saber o que é um colchão de ar.
  • 136. Capítulo 13: Jack "Um colchão de ar é uma coisa estranha, na verdade," Talia diz. "É deborracha," eu digo. E a sala de estudo é muito pequena para ele. Talia ter que ficarentre a mesa e a porta da garagem, mas eu não poderia falar com minha mãe paradeixar Talia ficar no quarto de hóspedes. Muito perto de nossos quartos. Para a minhaprópria segurança. Então, estamos colocando uma princesa em um colchão de ar. Nagaragem. "É engenhoso que as pessoas de seu tempo tenham encontrado tantos usospara essa substância desagradável." Ela sentou em cima. "Não é possível colocar outracoisa dentro dele, como penas?" "Olha, me desculpe. Minha mãe, ela é um pouco estranha com essas coisas.Nós não vamos dormir muito, de qualquer maneira. Temos que ir a uma festa hoje ànoite." Eu olho para ela. "Rapaz, Amber vai ficar louca quando te ver." "Amber?" Talia diz. "Sim, você sabe, a menina com quem você falou ao telefone. Minha ex-namorada." "Ela não parecia muito agradável." Eu dou de ombros. "Ela é geralmente mais agradável." Eu nem sei se isso éverdade. Eu percebo que talvez Talia não soubesse que Amber ia estar lá hoje à noite."Mas de qualquer maneira, você é tão bonita, ela vai pirar quando te ver." "Pirar? Lamento, mas o que isso significa?" "Isso significa que ela vai ficar muito ciumenta quando nos ver juntos." Talia põe as mãos nos quadris. "É por isso que nós vamos, então? Para veresta menina, Amber, para fazê-la ficar com ciúmes?" Eu não digo nada. Quero dizer, sim, é a razão, mas quando ela coloca dessaforma, parece que eu estou usando Talia. O que eu estou fazendo, eu acho. Mas estafesta é a chance que eu tenho esperado por todo o verão. Trazer Talia para casa eraapenas para confrontar meus pais no início - mas vai ser incrível quando Amber nos vere perceber que não estou só esperando ao redor para ela. Finalmente, eu digo, "Ei, eu
  • 137. te trouxe para cá. Eu falei a minha mãe em deixá-lo a ficar. Eu pensei que o mínimovocê que podia fazer era-" "Está bem." Ela desvia o olhar. "Mas você não deveria estar gastando suaprimeira noite de volta com seus pais?" Eu dou de ombros. "Minha mãe tem uma reunião hoje à noite, e meu pai estáfora da cidade. Como de costume." Talia acena como se ela entendesse, mas eu duvido que ela entenda. Voltandoem seu tempo, as mães não vão às reuniões, e os pais trabalhavam na fazenda, comseus filhos ao seu lado. Mas ela está sendo legal com nisso. Na verdade, ela está sendoagradável com tudo, a comida chinesa que ela engasgou - eu acho que eles não têmmolho de soja, de onde ela vem, minha mãe estranha e minha irmã estranha, e agora ocolchão de ar. Eles não têm nada disso de onde ela vem, e ela pensa que é tudoincrível. Eu mudo de assunto. "Então, você estava realmente conversando com minhairmã?” "Um-hmm. Ela parece encantadora." Eu dou risada, e ela diz: "O que éengraçado?" "É apenas... minha irmã e eu na maior parte apenas nos insultamos." "Você já tentou conversar com ela sobre algo que lhe interessa?" Talia cutucao colchão de ar com o dedo. Eu dou de ombros. "Eu realmente não acho tenhatentado." Talia tenta se sentar, mas o colchão de ar escapa sobre ela. Eu vou ajudá-la asubir. "No meu tempo", diz ela, "não havia muito a fazer além falar. Nós não tínhamostelevisões. Nós não tínhamos nem telefone com o tipo em seu bolso, nem o tipo emuma mesa. Nós não tínhamos filmes ou carros. Então, nós conversamos. Eu aprendique é possível ter uma conversa com qualquer pessoa, se você descobrir o que elesdesejam discutir." Eu me lembro de como Talia começou a falar comigo sobre a coisa dejardinagem. Eu nunca disse a ninguém sobre isso, mas com esta menina, eu meio quesinto que posso ser eu mesmo sem se preocupar em parecer um chato. Afinal, ela nemsabe o que "legal" significa. Mas o problema em ter alguém visitando a sua casa e estar com você o tempotodo é que você começa a ver como a sua vida é como através dos seus olhos. Como,porque não providenciar alguém para me buscar no aeroporto, ou pelo menos ligar
  • 138. para mim para dizer que eles não estavam vindo? Por que minha mãe não temqualquer comida de verdade em casa? Não é como comida podre deles quandoestavam dormindo durante trezentos anos, mas é assim que as coisas parecem. E porque não fazer a minha irmã para falar comigo? "Sim?" digo. "E o que você descobriu sobre Meryl?" "Que ela está sozinha, tem poucos amigos. Ela tenta fazer amizade com amenina vizinha, que só faz brincadeiras com ela." "Jennifer foi uma escolha de Meryl?" Talia revira os olhos. "Você não vê o que é certo diante de você. Mas Meryl éuma artista talentosa e encontra consolo nisso. Foi sobre isso é o que falamos. Arte". Eu não sei o que dizer sobre isso. Eu nunca percebi que ela tinha talento. Elanunca me mostrou seus desenhos ou qualquer coisa. "Whooo! Isto é divertido! "Talia ficou de pé sobre o colchão de ar agora. Estácheio, e ela está tentando andar por ela, que é um pouco como andar em umaprancha. "Pare. Você vai cair ". "O que vai acontecer? Bater com a cabeça e dormir trezentos anos? " "Talvez. Por que não? " "Ah, você é apenas um velho chato! Senhora Brooke estava sempre tentandome parar quando eu estava me divertindo. Bem, você não pode! " "Ah, é?" E se eu agarrar a bomba de ar e transformá-la em uma explosão de arem seu rosto. "Que tal isso?" Ela grita e cobre seu rosto. "Melhor!" Mas no momento seguinte, ela cai. Eu apego, e por um momento, enquanto a segurava, e penso em como seria beijá-la. Beijá-la novamente. Mas isso é bobagem. Eu nem mesmo gosto dela, e ela vai embora em umasemana. Então eu nunca vou vê-la novamente. O que eu realmente quero é fazer comque Amber volte, então beijar Talia não faz parte do meu plano. Ela pega a bomba de ar para fora da minha mão. "O Ataque dos ninjas!" Elamira no meu rosto e, ao mesmo tempo, chuta as pernas debaixo de mim. Eu caio naminha bunda. "Oh, eu estou aprendendo com a sua televisão."
  • 139. Eu não a beijei. Mas eu acho que vou sentir falta dela quando ela se for.
  • 140. Capítulo 14: Talia Uma festa! Eu estou vestindo a camiseta “Abercrombie & Fitch” da Meryl e umpar de jeans azul, ambos são relativamente modestos. A roupa de banho, eu colocodentro da minha bolsa, para nunca ver a luz do dia. Jack está vestindo uma “regata” e sua própria roupa de banho, que é de algumjeito ainda mais modesta do que aquelas para mulheres. Ainda, isso revela muito maiscarne do que eu estou acostumada a ver revelada por um cavaleiro na corte. Eu tento focar meus olhos apropriadamente atrás da cabeça de Jack ou,talvez, no chão enquanto a gente atravessa as escadas e o corredor no caminho até ocarro de Jack. E ainda meus olhos continuam a viajar para cima, para baixo, ou emgeral longe do destino próprio deles — para o destino que eles procuram atrás daspernas de Jack e outras regiões inferiores que estiveram corretamente cobertas nosúltimos dias pelas calças dele. Eu me lembro daquele momento delicioso na sala de estudos—aquela salinhahorrível perto do lugar que eles mantinham os carros, onde eu estou colocada nessaspróximas sete noites — quando eu cai do colchão de ar, e eu pensei que Jack iria mebeijar. Ele iria? Ele irá? Eu espio outra vez a perna de Jack. Signor Maratti tinha um livro preenchido com placas coloridas de assuntosapropriados para jovens damas, flores e frutas e outras vegetações. Esse, ele memostrava frequentemente, o melhor para revelar minhas próprias deficiências comouma pintora. Mas um dia, quando Signor tinha saído para limpar os pinceis, eu meaventurei a dar uma olhadinha no livro. Caiu no chão, e na minha pressa de recuperá-lo, eu vi uma placa que me fez arfar. Eu soube imediatamente por que o Signor Maratti não tinha me mostradoaquela página em particular. Alguém poderia pensar que quando eu percebesse aquelefato, teria sido tudo que era necessário para me fazer desviar os olhos de uma maneiraelegante. Alguém poderia ter pensado errado. A imagem era de um jovem homem, completamente nu mas com algumasfolhas onde teria um tapa-sexo. Eu assegurei para mim mesma que se não fosse poressas folhas, eu teria virado a página. O que me impressionou sobre a imagem foi o
  • 141. quão diferente o corpo desse jovem homem era do meu: muscular onde o meu erasuave, angular onde o meu era redondo. Eu não conseguiria conter a emoçãomomentânea no pensamento — eu sabia que era um impróprio — de contemplar,mesmo tocar um corpo assim um dia em pessoa — quando eu estivesse propriamentecasada com um consorte adequado, é claro. Então Signor Maratti entrou, e eu fui forçada a fingir que eu estive olhando asflores. Eu temo que não tenha me concentrado no resto da lição, e era uma bençãoque Signor fosse velho e gordo, o melhor para acalmar meu coração e menteacelerados. Ele nunca me deixou sozinha de novo. Mas agora, centenas de anos mais tarde, eu estou contemplando um corpomasculino, um corpo que não era nem mesmo um desejo da previsão de um sonhonaquele dia muito tempo atrás, e ainda eu senti a mesma excitação em pensar nisso, amesma imaginação de como seria tocá-lo.Nós alcançamos a festa em uma boa velocidade, graças aos serviços do carro de Jack.Há vários outros carros estacionados na área com grama na frente da casa. A quemeles pertencem? Os donos deles vão gostar de mim? Nas festas no castelo do meu pai,eu estava sempre acompanhada da Senhora Brooke e outras Damas de Companhia,que estavam sob ordens restritas para me manter entretida, como se eu fosse umbebê agitado. Não vão haver ordens assim aqui. E se eles me odiarem? Eu fiquei muito perturbada ao descobrir que Jack estava me usando para fazeressa pessoa Amber ficar com ciúmes. Por outro lado, é gratificante saber que ele meacha tão bonita. De repente, Jack está ao meu lado, batendo na janela do carro. “Você vem?” Eu consigo tirar meu olhar dos braços musculosos dele por tempo o suficientepara dizer, “Eu estou com medo.” Ele olha para o relógio de pulso dele. “Todos eles vão te amar.” Isso parece improvável, mas Jack abre a porta do carro e pega meu pulsofirmemente na mão dele. É tão quente, e eu lembro que ele é meu objetivo, meudestino. Há apenas um obstáculo, Amber, para passar.
  • 142. “Você realmente acha?” Eu me inclino para ele mais perto que eu já ouseiantes. “Claro.” Ela está perto o suficiente para que eu possa sentir a respiração delesobre mim, e com a mão livre, ele empurra uma mecha de cabelo do meu rosto. “Vocêé tão bonita, Talia. Como alguém não poderia te amar?” Eu espero que isso seja verdade, para ele. Eu estou, na verdade, acostumadade ser adorada. Eu era adorada porque e era uma princesa. Eu ainda vou ser adorávelquando eu sou meramente Talia? Eu começo a segui-lo até a porta. “Mas e se eu disser algo... bobo?” Eupergunto antes que a gente entra. “Acredite em mim, as pessoas vão estar muito bêbadas para perceber.” Ninguém responde quando Jack bate na porta, então, finalmente, nósabrimos. Isto é chocante para mim. Não há nenhum guarda? Nenhum servente paranos anunciar? Mas quando nós entramos, eu já não estou surpresa. É o caos. Há uma música mais alta do que qualquer outra que eu já ouvi antes.Eu percebo que Jack estava certo que eu não precisava me preocupar em dizerqualquer coisa tola. Ninguém ouviria. Dezenas de pessoas conversam e riem e dançamna maneira mais imprópria, e cada jovem dama na festa está vestida com uma roupade banho semelhante a que Jack me deu. Em muitos casos, elas são ainda menosmodestas. "Vamos," Jack diz. "Eu vou te apresentar por ai." Eu estou feliz que ele não libera seu aperto sobre minha mão. Seria terrível seperder aqui. O pátio, como Jack chama, quase não é mais silencioso do que a casa eainda mais lotado. Aqui, a multidão se centra em um largo lago artificial — a piscina—onde as pessoas estão nadando. Todos os meus músculos me falam para parar — ou melhor, fugir — masminha mente me faz ir em frente. Esses são os amigos de Jack. Eles devem gostar demim. Ele deve gostar de mim e não pensar que eu sou uma desajustada de outrotempo. Um garoto corpulento nos recebe. “Ei, Jacko, você conseguiu.” “Stewy!” Jack bate na mão do garoto. “Essa é Talia. Ela é da Bélgica.”
  • 143. “Wow, você não estava brincando quando você disse que ela era bonita.” Eletoca meu ombro com uma mão que é molhada e gelada, e não a remove. “Isso significaque a Amber está disponível?” “Você vai ter que perguntar para o namorado dela.” Jack me guia na direçãodele, o que tem o efeito de separar meu ombro da mão fria do Stewy. “Vamos pegaruma bebida.” “Sinta-se à vontade! Meus pais estão pagando por isso.” Stewy se inclina naminha direção. “Eu estou ansioso para conhecer você melhor, Talia.” Ele olha maliciosamente para mim. Eu tento pensar em uma respostaadequada. Como uma princesa, eu poderia ter lhe dado um tapa ou chamado osguardas. Agora, eu simplesmente viro. "Tão gentil da sua parte." Logo, Jack e eu colocamos várias cadeiras e pessoas entre nós e Stewy, e euestou feliz com isso. Jack empurra um objeto cilíndrico frio na minha mão. “Obrigado!” Eu digo, encarando isso. “É uma cerveja.” Ele olha em volta do pátio. “Eu estou familiarizada com cerveja,” eu digo, embora eu nunca tivessebebido uma e certamente nunca tivesse visto esse tipo de recipiente para uma. Euassisto enquanto Jack abre a própria cerveja dele, então coloca o cilindro nos lábiosdele, os olhos ainda olhando em volta. Eu faço o mesmo. É tão gelado que, por ummomento, meus dentes começam a doer. Quando eu me recuperei, eu disse, “Stewy éum bom amigo seu?” Eu tenho que dizer isso duas vezes antes dele me olhar, mas ele finalmenteolha. “Ele é legal. Nós vamos para a escola juntos, e...” Ele para. Os olhos dele derepente se fixam em algum outro lugar. Eu sigo olhar dele para o seu destino. Eu vejo oque ele esteve procurando. É uma garota. Ela emerge da piscina, e ela não é — eu gostaria de acreditar —muito mais bonita que eu, mas ela veste uma roupa de banho mais reveladora que oresto — tão reveladora, na verdade, que eu imagino se alguma parte do tecidoencolheu na água, ou se alguém fez uma brincadeira com ela. Seu cabelo ruivo é longoe encaracolado e, embora sua pele tem um tom de bronzeado que as senhoras dacorte assiduamente evitavam através do uso incessante de chapéus e pó, eu suspeitoque esse não é mais o caso, por que todos os olhos do sexo masculino no pátio estãode repente em cima dela
  • 144. Mas os olhos dela procuram apenas uma pessoa.“Jack! Você está aqui!”Jack jura sob a respiração dele. “É a Amber.”
  • 145. Capítulo 15: Jack Eu pensei que eu poderia me controlar ao ver Amber novamente, mas isso foiantes de vê-la. Eu tinha esquecido como ela fazia eu me sentir - como naquelemomento em que eu era uma criança e enfiei o meu dedo entre um plugue e umatomada. Por um segundo, todo o meu corpo formiga, impotente. "Jack!" Ela sussurra, procurando alguma forma de inserir o seu corpo entreTalia e eu, antes que eu possa me mexer muito menos falar. "Você está aqui". "Ei, Amber," eu me viro, recuando um passo. Não é fácil. "Legal... o... maiô."Pareça legal. Não babe. "Você gostou?" Ela chega ainda mais perto. Eu dou uma risada. "Parece que você o encontrou na seção da Barbie na lojade brinquedos." Dãah. "Isso é uma reclamação?" Amber desliza a mão no meu braço, parando uminstante para acariciar os músculos, e por um segundo, é muito fácil esquecer que elame deixou, em uma festa como esta, na frente de todos meus amigos - porque alguémcom um carro legal que veio à festa também. "É legal," eu digo. Ao meu lado, Talia limpa a garganta, lembrando-me da sua existência. Estoucontente por Talia estar aqui. Ela é tão bonita que Amber vai saber que eu não estouapenas sentado esperando por ela... mesmo eu estando. "Ei, Amber, este é Talia". Amber franze a testa, então aproxima a mão como se fosse apertar a mão deTalia. Quando Talia ergue a sua própria mão, Amber coloca uma lata vazia na mesma."Você se importaria de me conseguir uma nova? Eu acho a minha voz. "Amber, ela não vai ficar esperando na-" "Quero dizer, se você estivesse indo pegar um, também." Talia olha perplexa, mas drena sua cerveja. "Acho que estou um poucosedenta".
  • 146. "Obrigado." Amber lhe dá um grande e falso sorriso. Talia vai para o refrigerador, e eu encaro Amber. "Isso não foi legal." Amber ri. "Então eu tenho que ser boa?" Eu olho para Talia de costas. Talia é legal. Pelo menos, ela está interessada emoutras pessoas. Eu olho para trás, para Amber. "Algumas pessoas são." "Você quer alguém legal ou alguém divertido?" As unhas de Amber estão parafora, arranhando minhas costas onde eu nem sabia que eu tinha uma coceirinha. Elasestão longas e vermelhas, e uma parte de mim quer gritar, "Vá embora, bruxa!" Aoutra parte quer rolar como um cachorrinho, aproveitando. "Eu não posso ter as duas coisas?" Eu pergunto. Amber se aproxima. "Vou tentar ser agradável." Ela me arranha mais forte, eeu posso sentir sua perna contra a minha. Ela se inclina em direção ao meu ouvido. "Euperdi você, Jack." "Você o quê?" Eu paro de olhar para Talia. Não é como se estivéssemos emum encontro, depois de tudo. Ela está apenas ficando conosco. E ela sabia Amberestaria aqui. "Uh-huh. Você sabia que eu faria." "Eu não sabia disso. Você terminou comigo. Você saiu com outro cara antes determinar comigo." “Você ainda está furioso com isso?” Amber diz. “Ainda? Foi o que aconteceu” "Ainda! Foi há um mês." Ela inclina-se mais para perto, para que eu possasentir sua respiração contra meu pescoço, e arranha mais forte, até eu me perguntarse eu poderia começar a sangrar. Se eu sangrar até a morte, ela vai se importar? "Olhe,eu estava errada, ok? Mas você estava indo viajar pela metade do verão, e eu iria ficaraqui tão solitária. Eu não queria ficar presa aqui, sem namorado e desesperada,enquanto você vagabundeava por toda a Europa, fazendo como um pintinho francês." "Assim você saiu com aquele outro cara porque você iria ficar solitária?" Eudigo.
  • 147. "Você estava saindo. Eu não poderia ficar pensando no quanto eu sinto suafalta. "Ela inclina-se contra mim, tão quente. "Ei, eu liguei o celular no outro dia. Issomostra que eu estava pensando em você, certo? " "Acho que sim." Ela é totalmente mentirosa, e eu estou me deixando levar porela. O outro rapaz, provavelmente, deixou a cidade, e ela me quer, porque eu estouaqui agora. Eu me lembro quando eu enfiei o meu dedo na tomada, meu pai gritoucomigo por eu ser estúpido. E é assim que me sinto próximo de Amber. Estúpido. Amenina me faz de estúpido. "Que tal se eu me desculpasse?" Ela para de coçar e coloca as duas mãos emmeus ombros. "Isso seria uma boa..." Eu não consigo terminar porque sua boca me interrompe. Tipo, ela está notopo da minha boca, tornando-me incapaz de falar. Eu tinha esquecido como ela beija, também. Quando ela finalmente terminou, diz: "Você aceita o meu pedido dedesculpas?" Eu sei o que deveria dizer. Não. Absolutamente não. Eu estou em outra. Estouaqui com Talia, e estar aqui com alguém significa algo para mim, mesmo que isso nãosignifica nada para você. Em vez disso, eu digo: "Uh...” Ela me beija novamente, as unhas longas no meu cabelo agora, e eu sou ofogo e a água, e Talia foi trezentos anos atrás, ou mil. Amber é o agora. "Eu perdi você, Jack", diz ela. Será que ela perdeu realmente? Eu quero acreditar nisso. É bom ouvi-la dizerisso, de qualquer maneira. "Deus, eu perdi você, também", eu digo. Estávamos lá, colocando tudo para fora, até alguém nos dizer para arranjarum quarto. Amber diz: "Nós poderíamos ir a algum lugar. Seus pais estão em casa estanoite? " Que é quando eu me lembro. Talia. O que estou fazendo?
  • 148. Ela foi buscar a cerveja, e ela nunca mais voltou. "Eu preciso encontrar Talia," Eu digo a Amber. "Não se preocupe com ela", disse Amber. "Tenho certeza que ela vaiencontrar o caminho de casa." Casa. Eu dou uma risada. "Você não entende nada sobre Talia. Ela... elapoderia ter se perdido ou algo assim." "O que é ela, estúpida?" "Não. Ela não é estúpida. Ela é... legal... inocente." Lembro-me de Taliasurfando no colchão de ar, conversando com minha irmã, me perguntando sobrejardinagem. Amber nunca me perguntou sobre coisas assim, porque, agora percebo,ela não se importou. Eu nunca poderia falar com Amber da maneira que eu falei comTalia. Ela ia rir de mim. Ela ri agora. "Inocente? Ela esteve aqui há dez minutos e, em seguida... elasaiu com Robert Hernandez." “Com o Robert?” Amber revira os olhos. "Ela não vai ser inocente por muito tempo." Dez minutos atrás. Eu calculo. Isso significa que ela apareceu com as cervejas,viu Amber colocando sua língua na minha garganta, e saiu fora, apenas para cair nasgarras do maior jogador da escola. Ele provavelmente vai tentar levá-la a um quartoou... alguma coisa assim. Eu me afasto de Amber. "Eu a trouxe aqui. Ela é minha responsabilidade." Eufico na ponta dos pés, tentando ver através da multidão. Amber parece irritada e pisa no meu pé. "Então, você vai procurar-la em vezde ficar comigo?" "Eu preciso". "Mas ela saiu com outra pessoa. Encare isso, Jack. É exatamente isso em vocêque faz com que as garotas queiram sair com outros rapazes.” Eu me viro de volta para Amber. "O que você acabou de dizer?" "Eu não quis dizer isso dessa forma. Eu estava brincando. " "Engraçado." Eu dou risada. "Você pensa que eu sou um perdedor, não é?"
  • 149. Ela dá de ombros, mas ela diz: "Claro que não, baby. Você está apenas sefazendo de bobo. Ela provavelmente foi para casa com Robert." "Sim, é disso que eu tenho medo", eu digo. Viro as costas e começo a procurarno meio da multidão. "Você não vai ter outra chance comigo, Jack!" Amber grita. "Eu não quero uma!" É difícil para mim dizer isso. Eu sei que isso não é sobreela e eu. É sobre a conquista, sobre o vencimento, sobre provar a todos que ela podeme ter de volta a qualquer momento. E ainda parte de mim realmente quer tocá-la umpouco mais, quer que ela seja comigo como eu sou com ela. "Estou cansado de serfeito de estúpido por você." Então eu ouvi um grito.
  • 150. Capítulo 16: Talia Jack não é meu destino. Eu vim para essa festa para fazer Jack feliz. Isso o fez — um pouco felizdemais, se você me perguntar, porque eu o dirigi diretamente para o abraço em esperada Amber. Voltei após buscar as bebidas (eu, buscando bebidas como uma ajudante decozinha comum!) para encontrá-los trancados em um beijo tórrido. Jack apenas beijaqualquer um e todos, eu vejo agora. Não foi nem um pouco especial quando ele mebeijou. Os lábios dele estão em todos os lugares. Eu virei para fugir. Foi então que eu percebi que eu não tinha nenhum lugar para correr. Euestava em uma terra estrangeira, em um tempo estranho, sozinha e sem amigos, tudoporque eu acreditei que Jack — Jack horrível — era meu destino. Mas Jack estava beijando alguma mulherzinha chamada Amber. Malvoliaestava certa! Ele não é meu amor verdadeiro. Eu nem deveria estar acordada. Eudeveria estar de volta ao castelo, esperando um beijo de um príncipe respeitável! “Uma dessas é para mim?” uma voz diz enquanto eu considero isso. Eu viro para me encontrar olho-no-olho com um bonito, jovem rapaz decabelo escuro. “Como?” Ele aponta para as latas que eu estou segurando. “Uma para você, e uma paramim?” Eu rio, porque isso parece preferível do que explodir em lágrimas. “Por quenão?” Eu entrego a ele a lata de Amber. Ele pega e bebe tudo. “Posso pegar outra para você?” Finalmente! Um jovem homem que sabe como tratar princesas, por buscar elevar para elas. Mas eu digo, “Eu tenho ainda que terminar essa.” “Então termina.” Eu faço, sob o olhar observador dele. É frio e azedo e efervescente. Eu aindanão sei como as pessoas desse século conseguem manter tudo tão deliciosamente
  • 151. gelado, mesmo nos dias mais quentes, mas é adorável, quase vale a pena vivertrezentos anos. Então eu penso em Jack. Quase, mas não muito. “Adorável!” Eu digo. Ele ri. “Essa é uma boa garota.” Ele pega a lata da minha mão, então vai pegaroutra. Quando ele volta, ele diz, “Eu vi que você veio com o O’Neill.” Há uma pergunta na voz dele. Eu respondo. “Eu não estou com o Sr. O’Neill.” Ele olha para onde Jack e Amber Malvada ainda estão presos juntos. “Sim, euposso ver. Cara estúpido. Se eu tivesse vindo com você, eu nunca teria deixado vocêfugir.” Eu gosto do tom da voz dele quase tanto quanto eu gosto do tom da conversa.Uma jovem mulher vestida em uma roupa escandalosa passa, segurando uma bandejade objetos coloridos parecidos com joias, que parecem ser algum tipo de confecção. “Quer uma?” o garoto diz. “O que são?” “Doses de Jell-O*.” (*drinks em forma de gelatina) Eu não tenho nem ideia do que uma dose de Jell-O é, mas muitas pessoasestão ingerindo-as. Então, para não revelar minha ignorância, eu digo, “Elas parecemadoráveis.” “Sim, adoráveis!” Ele pega duas. Eu vejo outras pessoas engolindo-as comouma bebida em um copo, então eu faço o mesmo. É frio, como todo o resto, e tão docecomo morangos. “Delicioso!” Eu digo. “Delicioso!” Ele ri. “Aqui—pega a minha também.” Eu não argumento. Eu comi pouco, e minha cabeça está girando. Eu esperoque essa dose de Jell-O vá acalmá-la. “Qual é o seu nome, linda?” ele pergunta. “Talia... Talia Brooke.” “Bem, Talia Talia Brooke, eu sou Robert, e eu acho que você é definitivamentedeliciosa. Você trouxe alguma roupa de banho?”
  • 152. Eu trouxe, claro, com nenhuma intenção de vestir isso. Eu percebo que váriasoutras jovens damas também parecem incapazes de nadar e estão simplesmente empé na água, conversando, quase como se a piscina fosse uma pista de dança. Mas eunão vou vestir uma roupa tão imodesta. “Eu não tenho uma comigo,” eu minto. Ele franze a testa. “Sinto ouvir isso. Não suponho que você queira ir nadarpelada?” Eu não sei o que isso significa.Talvez ele possa ver pela expressão no meurosto, porque ele parece perturbado, então longe. Mas eu não posso deixar ele ir,porque então eu estaria totalmente sozinha enquanto Jack beija outra garota. Minhacabeça está girando como um turbilhão, eu suspeito das cervejas eu bebi. Sinto-meprestes a lançar minhas contas, como um bêbado comum. Ainda assim, mantenhoRobert comigo. "É uma noite adorável", eu digo. "Talvez nós pudéssemos dar um passeio." Ele olha para mim, sorrindo. "Em algum lugar escuro?" Eu pisco meus olhos cansados. "Escuro seria bom, na verdade." Quando eudigo isso, eu tropeço em cima de meus próprios pés. Robert me firma com sua mão. "Você é tão gentil e prestativo." Olho para o Jack. "Eu não tenho ideia do queeu faria sem você." “Esse sou eu—Sr. Cavaleiro em Armadura Brilhante.” Ele ri. “É verdade.” Nós passamos pela jovem dama com as doses de Jell-O. Há uma restando nabandeja, e Robert pega e me entrega. “Para você, milady.” “Oh, não,” eu protesto. “Você não pegou nem mesmo uma.” “Eu insisto.” Ele segura para mim. É tão azul quanto penas de pavão. Eu pego."Obrigada. Estou excessivamente grata pela sua ajuda." “Talvez nós possamos achar um jeito de você mostrar sua gratidão maistarde.” “Eu estou certa que nós podemos.” Ele parece tão feliz com isso que eu comece de imediato a fazer um plano.Claro que, lá em Euphrasia, o que ele está fazendo é pouco mais do que civilidadecomum, mas este parece ser um século completamente desprovido de boas maneiras
  • 153. e consideração. Portanto, civilidade comum deve ser recompensada como heroísmo.Se eu voltar para casa (pois parece que eu posso fazer exatamente isso, se Jack não épara ser meu marido — Jack horrível!), eu poderia arranjar um título para este jovemhomem, ou, no mínimo, uma medalha de algum tipo. Jack será decapitado. Mas é difícil pensar sobre isso, com minha própria mente tão leve e flutuando.A única vez que eu me senti assim antes foi uma vez, quando meu pai recebeu umacaixa daquele vinho especial borbulhante da França. Eu consumi quase toda a garrafae, no final, me senti maravilhosa e terrível e nada como eu mesma. “Ah, você não tem que fazer isso,” Robert está dizendo. “Fazer o que?” “Arranjar uma medalha para mim. Eu estou feliz em ajudar uma garota bonitacomo você, especialmente quando o malvado velho Jack te abandonou.” Eu disse aquilo alto? O que a cerveja fez comigo? Nós caminhamos pela multidão de pessoas, a mão do Robert ainda firmandomeu cotovelo. Eu engulo a dose de Jell-O, permitindo-a brincar com a minha línguaenquanto cai pela minha garganta. “De onde você é?” Robert segura mais firme. “Seu sotaque é realmentequente.” “Eu sou de Euph... Europa. Bélgica.” Minha cabeça está girando, e eu quasenão sou capaz de colocar um pé na frente do outro. Se o Robert não estivesse medando suporte, eu certamente cairia. Eu começo a cair, de qualquer jeito, ou talvezseja mais como flutuar, voar, pular de um avião e aterrissar em uma nuvem coloridaigual a joias. E então eu sinto a boca dele sobre a minha, a boca do Robert, esse estranhoque eu quase não conheço. A boca dele sobre a minha! Eu começo a manifestar o meu desagrado, mas com a língua dele na minhaboca, sai como um gemido. Estamos em pé no outro lado da piscina, longe dosmeninos e meninas jogando bola. Robert me beija novamente. Meu cérebro está emuma névoa, como o momento, — agora eu lembro — o momento depois que eu toqueio fuso quando eu estava caindo e impotente para impedir isso. "Você é tão bonita, Talia." Outro beijo. É muito difícil lutar contra ele no meuestado embriagado. Ele me beija, e então eu sinto sua mão percorrendo dentro daminha calça para minhas regiões inferiores.
  • 154. "Não! Pare com isso!" Meus gritos são praticamente silenciosos. Ele quer medesonrar! "Não!" Eu grito, embora no meu nevoeiro, temo que o meu grito é fraco."Não!" Na verdade, ele ignora meus gritos, as quentes mãos rudes dele procurandoonde elas não devem procurar. Eu escuto sons em volta de mim, pessoas conversando.Ninguém percebe ou se importa que ele está me desgraçando na frente deles? “Não!” Eu me empurro livre dele, levantando minha mão para dar um tapanele, e então eu estou caindo, caindo para o frio choque da água. Água! “Socorro!” Eu grito. A água gelada me deixa um pouco mais sóbria, masnão o suficiente. Eu não posso tocar o fundo. "Socorro! Eu não sei nadar! " Chego para a parede, mas na minha confusão encharcada de cerveja, meusdedos escapar dela, de novo e de novo, raspando. Então eu não posso ver. Tudo quevejo é Robert acima de mim, uma expressão de surpresa no rosto dele. Será que elenão entende que eu estou me afogando? "Eu estou me afogando, seu tolo!" Eu grito, mas as últimas palavras se perdemenquanto minha boca se enche de água. Eu consigo emergir novamente, lutando nomeu caminho para cima. "Eu estou..." Eu afundo. Esse é o meu fim, então, o fim daPrincesa Talia de Euphrasia? Devo encontrar uma sepultura de água trezentos anosmais tarde, mas não é um momento muito cedo? Será que vou deitar para sempre nofundo desse lago artificial, sem ninguém para lamentar por mim, ninguém para saber oque será de mim? Eu afundo a terceira vez, e que acredito será a ultima vez. Me falta a forçapara lutar o meu caminho de volta. Este é o fim. Este é o fim. E então, de repente, eu sinto um aperto forte no meu braço, alguém mepuxando para cima. Mais uma vez, eu posso respirar. Eu posso respirar! Então eu sou derrubada sem cerimônias em cima do pátio. Eu tomo grandes eofegantes respirações. Eu me inclino para frente, tossindo uma grande quantidade deágua com gosto estranho. Há uma mão nas minhas costas, me batendo. Eu sufoco einalo, sufoco e inalo várias vezes antes de me sentir bem o suficiente para olhar paracima nos olhos do meu salvador. “Vamos, Talia, vamos para casa.” Eu abro meus olhos. Jack.
  • 155. Eu me desfaleço contra ele, sentindo o calor dele contra minha pele fria.
  • 156. Capítulo 17: Jack “Venha, Talia. Você está bêbada.” Eu estou fazendo um esforço muito grandepara não bater em Robert. Eu já tenho problemas suficientes sem voltar para casa comum olho roxo de uma festa. “Eu nãoestoubêbada,” Talia disse injuriada. “Foramsótrêscervejas. Nósbebíamos vinho todasasnoites em casa.” “Viu isso?” Robert disse quando Talia caiu no chão. “Ela não está bêbada.” “Bem, ela está indo para casa, de qualquer forma. Vou levá-la para casa.” “Casa!” Com essa palavra, Talia começa a soluçar. “Eunãoqueroirparacasa!”Ela se agarra nas cadeiras da varanda. “Viu?” disse Robert. “Ela não quer ir para casa.” “Você realmente sabe como escolhe-las, não sabe?” Amber chega por trás demim. “O que ela...” “Cale-se.” Eu olho para ela. “Você realmente pensa que tudo gira em torno devocê?” Ela dá de ombros. “De quem mais?” Eu me abaixo até o nível de Talia e começo a tirar seus dedos da cadeira. “Eunão quis dizer casa – sua casa. Eu disse para casa comigo, a casa dos meus pais.” “Ela está ficando na sua casa?” Amber grita. “O que isso te importa?” Eu digo. “Maseles meodeiam. Elesmefizeramdormirnocochãodear.” Finalmente, eu consigo levantar Talia e vou em direção da porta. Um montede gente está ao redor, tomando doses de Jell-Os, e Talia diz, “Ooh! Eu quero maisuma!” “Outra dose de Jell-O?” “Sim. Faminta.”
  • 157. “Você pegou uma dessas antes?” “Três,” ela diz, tombando sobre a garota que as carregava. Bem, isso explica tudo. Eu faço um calculo rápido – três cervejas e três dosesde Jell-O. Tento me lembrar do filme que vimos sobre intoxicação alcoólica nas aulasde saúde. “Eu vou pegar algo para você comer.” Eu a puxo para longe do grupo e paraa porta. “Se você sair daqui, estará acabado tudo entre nós!” Amber grita atrás demim. Eu me viro para ela. “Isso já aconteceu há muito tempo atrás!” Eu coloco o meu braço em volta de Talia e a levo para fora da porta. Estou me sentindo muito sóbrio, considerando que passei a maior parte dotempo com a língua de Amber em minha garganta. Assim, eu dirijo em direção aoMcdonald’s. “O que estamos fazendo aqui?” Talia diz. Ela não está falando tão embolado,mas ela está muito, muito alta. “Isso se chama drive-thru. Você pede a comida por aqui.” “Você pede a comida de dentro do seu carro?” Ela grita tão alto que oatendente do drive-thru pede para eu repetir o meu pedido. Depois disso, ela começa a gritar de novo, “Você pode dirigir o seu carro atéuma janela e pedir a sua comida? Nós não temos nada em Euphrasia! Nada! É umadroga! Péssimo, eu te digo!” Eu me estico até a janela e o atendente me passa meushambúrgueres, as batatas fritas e dois grandes copos de café preto, quando Taliacomeça a pular na cadeira. “Isso é tão legaaaaal! Você gostou como eu usei essa suapalavra americana? Legaaaaal! E droga, também.” Eu dou uma risada. Ela é tão fofa. “Sim, você é uma verdadeira americana.Beba um pouco de café.” Mas ela já estava comendo batatas fritas. “Isso é tão legal, também! Como sãochamadas?” “Batatas fritas ou batatas francesas.” “Elas definitivamente não são uma droga.”
  • 158. Enquanto chegamos em casa, ela come as suas batatas e as minhas também,deixando-me apenas com os hambúrgueres, e cai no sono rapidamente. Eu dou sorte, por que os meus pais estão dormindo, também. Eu tento ajudá-la com o colchão de ar. É bom saber: Não é fácil colocar uma pessoa bêbada em um colchão de ar,especialmente quando este não está cheio o suficiente. Mas finalmente, eu consigocolocá-la em cima e ela ficou. Ela fechou os olhos de novo, e parecia tão bonita einocente, como um pequeno anjo, e não como uma garota que tomou três, pelasminhas contas, três doses de Jell-O com cerveja. Eu fiquei lá por um tempo, apenasolhando para ela. Então eu me dirijo para a porta. “Jack?” Sua voz me seguiu até a porta. “Shhh,” Eu digo. “Não acorde os meus pais.” “Desculpe,” ela sussurrou, um sussurro bem alto. “O que foi?” Eu pergunto, chegando mais perto dela para que ela não tivesseque gritar. “Eu sinto muito,” ela sussurrou de novo. “Você já disse isso.” “Não. Eu me refiro a hoje à noite. Sobre a beber demais e sair com essegaroto, Robert, e por quase deixar ele... quase deixar ele...” “Isso não foi sua culpa. Ele é imoral.” "E que tipo de festa foi essa, afinal? Não havia comida, não havia dança!Quando o meu Pai dava festas, havia uma grande celebração! Eu não gosto do seu tipode festas." Eu dou risada. "Eu também não." "Mas eu gosto das suas batatas francesas. Elas são realmente da França?" "Eu não sei." Eu me apoio para beijá-la na testa. "Sinto muito por esta noite,também." E comecei a sair da sala. "Jack?" Ela me para novamente. "Você ama Amber?" "Não." Eu sei que tenho certeza. "Não. Eu terminei completamente com essacoisa de Amber".
  • 159. "Bom. Ela não é uma garota simpática." Eu abro a porta, então começo a fechá-la novamente. Foi quando eu ouvi asua voz, realmente pequena, como ela estivesse tentando ser boazinha e não acordaros meus pais. "Você me ama?" Mas eu finjo que não a ouvi, porque eu realmente não sei.
  • 160. Capítulo 18: Talia Eu estou dormindo em um colchão de doses de Jell-O. Ele se agita e secontorce, mas quando eu tento mordê-lo, tem um gosto muito ruim. Ainda, eu o vejo,laranja, vermelho, amarelo, e azul, e ele começa a quebrar em vários Jell-Osindividuais, que dançam na minha frente, rindo e cantando. Princesa, nos seus sonhos nos entramos, Para dançar na luz da lua. Embora o seu sono nós perturbamos, Você vai dormir para sempre logo! De novo e de novo, mais alto e mais alto, dançando perigosamente em voltade mim. Eu desejo abrir meus olhos, correr da sala, pará-los. Mas meus olhoscontinuam teimosamente fechados. O colchão de Jell-O me segura rápido. Osmovimentos circulares deles me fascinam, se tornando um borrão de luz e cor. E através disso, eu vejo Malvolia. Eu sei que é Malvolia porque ela aparece exatamente como eu a vi trezentosanos atrás, uma velha corcunda em roupas pretas, segurando um fuso em uma mãoenrugada. Mas gradualmente a espinha dela fica reta e ela está jovem. O fusodesaparece, e a sala em volta dela muda. Não é um castelo mas uma cabana de umcamponês feita de pedra com um teto de palha. Através das janelas, eu vejo umafloresta e um único arbusto sagrado. Eu conheço aquele arbusto sagrado! Eu sei ondeela está, profundo nas colinas de Euphrasia, onde eu e a Senhora Brookecostumávamos a fazer piquenique quando eu era pequena. A Malvolia poderia estartão perto? Ela poderia ter estado me assistindo todo aquele tempo? “Ah, Princesa, nos encontramos de novo! Você está bem, intoxicada?” Eu não, não posso, responder. Ela é real ou meramente um sonho? “Gato mordeu sua língua, Sua Alteza? Não importa. Estou ciente de quegrosseria é comum em sua família." Por isso, eu não tenho resposta, também. A mulher, Malvolia, chega maisperto até que seu rosto é a única coisa que eu posso ver. “Você estava se perguntando se eu te assistia quando você veio fazer umpiquenique com a sua governanta perto da minha cabana na mais alta colina.” Ela ri
  • 161. com a minha surpresa. Ela é real, não um sonho. Eu estou certa disso, porque eu possosentir a quente, azeda respiração dela no meu rosto. “Claro que eu assisti, Princesa. Eute assisti da janela em baixo dos beirais. Aqueles que colocam maldições estão semprecuriosos para ver se o amaldiçoado está ficando bem. Mas aquela não foi a única vezque eu assisti. Eu também assisti quando você estava no castelo. Eu te assisti enquantovocê estudava desenhos de pessoas nuas nos costas do seu professor de arte. Eu soubedaquilo que você não seria imune a tentação — a tentação do fuso — e naquele diafatal, quando você veio para mim na sua procura por mais e melhores vestidos, eusabia que você estaria sozinha.” Eu arquejo. Foi minha culpa enganar a Senhora Brooke. Mas ainda, eu nãoposso dizer nada através do meu sonho, intoxicação e desespero. É como se eu tivessemorrido e sou meramente um fantasma, assistindo aqueles que ainda estão vivos. “Não se preocupe, Princesa.” A voz da bruxa da suave. “Você não vai ter queretornar pra o seu pai cruel. Eu devo estar lá logo.” E então ela se foi. Os rodopiantes, demônios cantores de Jell-O, a camabalançando de Jell-O, voltam. Eu não posso me mover. Eu quase não posso respirar. Naluz da janela, eu tento examinar meus braços e pernas. Os demônios Jell-O meamarraram? Ele vão me levar para longe? Então, de repente, há uma batina na porta. É Malvolia! Não. Não é Malvolia. Malvolia não iria bater. “Talia, você está bem?” Jack! Os demônios de Jell-O somem, não querendo ser vistos por ninguém, a nãoser eu. “Talia?” Eu obrigo meus lábios formarem palavras. “Sim?” “Posso entrar?” Eu arrumo a camiseta e a calça que me deram para dormir. “Sim, por favor.”
  • 162. A porta abre. Ainda está escuro no corredor, escuro em todo lugar. Que horassão em Euphrasia? Quando Malvolia apareceu, parecia de manhã. Eu podia ver a luz dosol. “Eu te acordei?” ele pergunta. “Não. Eu quero dizer, sim, mas eu estou feliz que você tenha me acordado.” “Sim?” Ele acende um abajur. Eu tento virar para longe dele, para ele não vermeu rosto, mas é muito tarde. Ele vê. “Hey, o que está errado?” “Eu a vi de novo!” “Quem? Amber?” “Pior. Malvolia. A bruxa Malvolia. Ela estava aqui nessa sala.” Ele ajoelha do meu lado e pega minha mão. “Nah, isso é impossível. Meus paistêm alarmes e sensores de vidro quebrado, e funciona. Nem uma bruxa vai entrarnesse quarto, não senhora.” Eu não tenho nem ideia do que um sensor de vidro quebrado pode ser, e apalavra alarme quer dizer os guardas do palácio falando sobre a presença de umintruso. Não há nenhum guarda em volta da casa de Jack, entretanto. “Isso nãoimporta. Malvolia pode passar por qualquer coisa. Ela já passou antes. Era ela. Ela estávindo por mim!” “Foi a sua imaginação.” “Ela estava na cabana dela. Ela disse que ela iria me levar para lá. Ela temestado me assistindo sempre. Ela sabia tudo sobre mim, e eu podia vê-la, mesmo elanão estando aqui. Ela estava se comunicando comigo através de mágica.” “Ela estava na sua cabeça.” “Exatamente. Ela está na minha cabeça!” “Não. Eu quero dizer, ela está na sua mente. Está tudo na sua mente. Vocêbebeu cervejas e doses de Jell-O, então você está sonhando sobre bruxas e fadas ou oque quer que elas sejam.” “Demônios de Jell-O!” “Demônios de Jell-O?” Eu aceno. “Eles pareciam tão reais.”
  • 163. “Isso é porque você nunca bebeu antes. Acredite em mim, ano passado, Travise eu bebemos um pouco tequila do armário de bebidas dos pais dele, e eu estavavendo macacos roxos.” Ele afaga meu ombro. “Eu suponho.” Então Jack me pega nos braços dele, e embora eu ainda esteja um poucoperturbada, eu não posso evitar notar quão bem eu encaixo neles, minha cabeçaperfeitamente certa na curva do ombro dele. Eu me aconchego mais perto,desfrutando de sua proximidade de uma forma que teria sido escandalosa no meutempo. Os braços dele são seguros, quentes, e fortes, e ele sussurra, “Eu não voudeixar ninguém te levar.” “Mas sua mãe disse que eu podia ficar só uma semana.” “Eu vou lidar com a minha mãe. Nós vamos achar outro lugar pra você ficar.Você não tem que voltar para os seus pais se você não quiser.” Mas se ele não me ama... Eu lembro das palavras da Malvolia. “Não sepreocupe, Princesa. Você não vai ter que retornar para o seu pai cruel.” Eu sinto um friosúbito do ar condicionado soprando em mim. Eu não sei o que fazer. “Nós vamos achar um jeito,” Jack continua. “Você poderia vender suas joias ecomprar um apartamento. Ou você podia ser uma modelo, como em South Beach.Você sabe, a mãe de Stewy Stewart trabalha em uma agência de modelos. Talvez eupossa te levar lá.” Eu seguro ele mais apertado. “Eu não quero falar sobre isso.” “Tudo bem. Está tudo bem.” Ele me abraça por um longo tempo antes de dizer, “Hey, esse colchão de arpoderia usar algum ar de verdade, huh? Deve ter um vazamento.” Eu dou risada. “É isso? Eu pensei que talvez seus pais tivessem me colocadoem uma câmara de tortura.” Ele ri. “Como os seus fizeram? Eu não diria isso para eles, mas não. Não é paraser assim. Eu vou pegar a bomba.” Ele pega a bomba de ar, então instala no lugar apropriado do colchão. E ocolchão salta para a vida. Ele usa um travesseiro para cobrir. Ele vira para mim. “Olha, sobre hoje à noite, eu sinto muito.” “Pelo quê?”
  • 164. “Por te usar para fazer Amber ficar com ciúmes.” Embora eu saiba que isso era o que ele estava fazendo, e ainda me senti umpouco com raiva sobre isso. “Então, funcionou?” “Oh, sim. E foi totalmente estúpido. Eu nem sei o que eu vi na Amber.” Eu aceno. “Nem eu.” “Eu provavelmente deveria ir. Minha mãe iria pirar se ela me pegar no seuquarto. Mas nós vamos achar um jeito para você ficar.” Depois que ele vai embora, eu deito no colchão de ar. É certamente nadacomo eu estou acostumada, mas não é ruim, e eu estou confortada em saber que Jackse importa comigo. Em qualquer caso, eu consigo dormir eu pouco. Os demônios nãoretornam.
  • 165. Capítulo 19: Jack Eu realmente não sei por que eu desci para verificar Talia. Eu tinha esse tipode sentimento estranho de que algo estava errado – não que Talia estivesse recebendoa visita da bruxa Malvolia e seus Jell-O em miniaturas, mas apenas... alguma coisa. E eu me sinto responsável por ela estar aqui. Eu nunca realmente me senti responsável por ninguém. Muitas coisas mudaram desde que eu conheci Talia. Estou ainda trabalhandono esboço de um jardim, o que eu comecei no avião, para mostrar a ela antes que elavá. Mas eu não quero que ela se vá em uma semana. Eu quero que ela fique. Talvez – provavelmente – isso é só o efeito da cerveja falando em minhacabeça, mas se assim for, ela está falando muito alto. E continua falando bobagens. Eu não consigo dormir, então eu pego meurascunho e começo a trabalhar no meu projeto do jardim novamente. Eu até pesquiseina internet para saber tipo de plantas que crescem na Bélgica, a partir dos jardins deEuphrasia. Parece muito bom. Não que eu vá mostrar para alguém, exceto talvez Talia. Eram três horas quando eu fui dormir.Eu acordo totalmente em estado de choque, ao som da faxineira limpando o meuquarto. O relógio marcava onze horas. “Com licença?” Eu puxo os lençóis para cobrir minha cueca boxer e emseguida percebo que eu dormi com as minhas roupas. Os eventos da última noitevoltam a minha mente – Talia, Amber, doses de Jell-O, cerveja, batatas fritas, pensavaque eu era apaixonado por Amber – eu não estou apaixonado. Eu também não estoude ressaca, mas me sinto como se estivesse. Quase posso ouvir os demônios Jell-O deTalia dando risada na minha cabeça. Mas, claro, eles não eram reais. Eles foram fruto da imaginação de Talia. Talia! Ela pode não ter dormido até tarde como eu. Afinal, ela é bem maisdescansada do que eu, considerando que ela dormiu por trezentos anos.
  • 166. Se ela estiver acordada, ela pode estar lá embaixo com a minha família. Elapode estar dizendo a eles sobre o seu décimo sexto aniversário, sobre a maldição,sobre a bruxa e como ela viu a mesma em nossa casa noite passada. E mesmo que a minha mãe seja muito boa em ignorar meus amigos, essa elanotaria. Ou ela poderia estar contando a eles sobre a sua experiência com as doses deJell-O, o que acabaria com a minha moral, com certeza. Ou como eu a deixei com esse pervertido, Robert. Mas, a essa altura, eu já estou fora da cama, correndo pelas escadas,abotoando a camisa no caminho. Quando eu chego no meu destino, eu paro. “A minha governanta não me deixaria ler aquele livro – você pode acreditarnisso? Alegou que era impróprio para os olhos de jovenzinhas. Mas eu o tirei dabiblioteca escondido e guardei debaixo do meu colchão. Eu fui muito desobediente, eutemo.” “Desobediente?” A voz da minha mãe, a voz que ela usava com seus amigos.“Quem iria impedir uma criança de ler Don Quixote? É um clássico.” “Tinha algo a ver com Dulcineia ser… ehh… uma mulher de má reputação.Nem mesmo me deixou ler os Contos de Canterbury. Mas eu li O príncipe.” “Maquiavel – um título estranho para uma mocinha ler.” “Era sobre diplomacia. E, claro, me ajudou a trabalhar meu italiano.” “Você leu em Italiano?” Mamãe estava impressionada. “Talia teve um mestre de pintura italiano também, mãe,” disse Meryl. “Qualera o nome dele?” “Carlo Maratti. Isso não foi nada,” disseTalia. Elas estão falando sobre livros. Minha mãe adora falar sobre livros, mas Talia étão antiga que não deve ter lido a maioria dos livros que a minha mãe conhece. A bíbliade King James era um livro novo no tempo de Talia! Mamãe suspira. “Eu era uma grande aluna na universidade, mas eu nãoconsigo fazer Meryl ler nada além de revistinhas em quadrinhos—”
  • 167. “Mangá, Mãe.” “— e Jack não lê nada do quê possamos conversar.” “Bem, Jack… ele é mais como um vigoroso homem do campo, não é?” “Oh, eu não sei.” “Sim. Bem, ele me contou que gosta de… plantas.” Eu limpei a minha garganta, para impedir que Talia conte a minha mãe meussegredos mais profundos e sombrios. “Bom dia, dorminhoco.” Diz Talia. “Jack, você está acordado.” Minha mãe sorri. “Você sabia que Talia fala quartoidiomas e que ela leu As Mil e Uma Noites em francês. Talia olha para baixo, toda modesta. “Isso não foi nada. Eu estava estudandopara ser uma diplomata.” Ela é uma diplomata, eu percebo, pela forma que ela conquistou a minha mãe. “Hei.” Eu paro perto de Talia. “Eu estava pensando que talvez depois do caféda manhã, nós poderíamos ir a South Beach e dar uma olhada em algumas agências demodelo.” Meryl solta o ar impaciente, e minha mãe diz, “Nós tomamos café da manhãhá várias horas atrás, Jack.” “Sua mãe fez algo chamado panquecas. Elas se parecem um pouco com umcrepe, um prato da Bretanha.” “Minha mãe não faz panquecas desde que eu tinha cinco anos. Você nãoodiava panquecas?” Talia encolhe os ombros. “Às vezes, quando uma pessoa se comunica comoutra, produz resultados.” Como eu disse, uma diplomata. “Como eu estou fazendo, enquanto Talia me ajuda no meu Francês,” Merylsobrou.
  • 168. “Exactement,” disseTalia. “Ou como quando eu consegui que você metrouxesse aqui e me apresentasse à sua adorável família. Você deveria tentarconversar mais algum dia.” Eu dou de ombros. “Talvez sim.” Mas é estranho. Talia não é uma bruxa, e ainda assim, parece que de algumaforma ela colocou todo mundo sobre um encantamento, seu encantamento. Merylestá falando mais do que monossílabas. Mamãe está fazendo panquecas. E eu, meesqueci completamente de Amber.
  • 169. Capítulo 20: Talia “Então uma modelo é alguém que veste roupas e é fotografada vestindo-as?”Eu pergunto para Jack enquanto nosso carro atravessa uma ponte. A água nos doislados é um azul profundo, e por um momento ela me lembra das safiras da minha avó,então a visão do castelo em Euphrasia. O que está todo mundo fazendo lá? Elessentem muito por eu ter partido? A luz da água entra nos meu olhos, e eles ardem. “Sim,” Jack diz. “E elas recebem dinheiro por isso?” “Muito dinheiro, dinheiro doido.” "É degradante, na verdade," diz Meryl do banco traseiro. Ela nos acompanhouna viagem de carro, aparentemente para servir como pseudo governanta, protegendoa minha moral. “Não é,” diz Jack. “Eu li esse livro sobre uma garota que virou uma modelo, e ela tinha que posarnua!” “Verdade?” Eu olho para Jack. “Ninguém está posando nu,” Jack diz. “Não. Ninguém está.” Embora eu preferisse não posar de jeito nenhum. Mas de que outro jeito euposso ficar aqui? Se eu desejar ficar. No outro lado da ponte, as ruas são estreitas e cheias de pessoas, e os prédiossão pintados cada um de uma diferente e brilhante cor. “Tantas cores! Signor Maratti iria adorar isso!” “Hey,” Meryl diz, “você sabia que Maratti é o nome de um artista italiano doséculo XVII? Depois que você me contou sobre seu professor, eu procurei no Google onome dele.” Eu não sei o que Google significa, mas eu digo, “Sim. Signor Maratti era—”
  • 170. Eu paro quando Jack me da uma cotovelada nas costelas. Rapidamente, eudigo, “Era o irmão do Signor, er, tio-avô... tataravô ou algo assim.” Finalmente, Jack acha um lugar para o carro dele. “Acho que vamos deixar eleaqui.” “Eu vou ficar aqui.” Meryl olha para um bonito jovem homem em uma roupade banho muito pequena. “Eu vou desenhar.” Eu dou risada. “Você vai trabalhar no espaço negativo? Ou no espaço positivodaquele jovem homem?” “Os dois.” Ela senta na frente do carro do Jack com o caderno de desenhodela. Partimos para a agência de modelos. Todas as mulheres em South Beach sãoextremamente altas, incrivelmente magras. Talvez tenha havido uma fome ou umaepidemia de escarlatina. Eu procuro a reveladora erupção no peito e abdômen (queestão todos expostos), mas não vejo nada. Apesar de sua magreza doentia, as moçasparecem bastante satisfeitas com suas formas, se pavoneando como pavões pelas ruasbrilhantes. Finalmente, chegamos a uma porta que diz Winifred agência de modelos. “Eu tinha uma prima Winifred,” eu digo. “Ela era uma viscondessa.” “Sim. Não a mencione, tudo bem?” Ele abre a porta. Dentro, há uma árvore em um vaso e uma segunda porta, uma com janelas devidro. Nós passamos por aquela porta. Jack pressiona um botão e ela fecha. “Essa é uma sala muito estranha,” eu digo. Um momento mais tarde, a porta abre. A árvore no vaso sumiu! O chão dolado de fora é de um tom diferente! “Nós fomos tele transportados para outro lugar!” Eu bato minhas mãos. Jack ri. “Relaxa. É chamado elevador. Ele te leva para os andares de cima.Olha.” Ele faz um gesto para uma janela. Eu olho para fora. Do lado de fora o céu é deum azul cegante, e nós estamos mais perto dele do que antes. Eu olho para baixo, mesentindo de repente tonta. Jack pega meu braços e me leva para uma porta. “Nós estamos aqui para ver Kim Stewart,” Jack diz. “Nós temos um encontromarcado.” Ele diz nossos nomes.
  • 171. A esquelética jovem mulher na mesa quase não olha para nós. “Podem sesentar.” Um momento mais tarde, um jovem homem entra na sala. Ele se move comose ele estivesse dançando em um baile, e o cabelo dele é um verde brilhante. Euimagino se sempre houve pessoas com cabelo colorido em outras partes do mundo.Ele nos leva para uma sala com flores brancas cintilantes e paredes brancas revestidascom janelas de vidros. “Então, qual de vocês quer ser um modelo?” Jack faz um gesto para mim. “Ela. Quem é você?” Ele dá um olhar como se para dizer que não é nada do nosso interesse, masfinalmente diz. “Rafael. Eu sou a mão direita da Srt. Stewart.” Ele olha para mim decima a baixo. Eu sinto um frio correr por mim, como se eu estivesse sem roupas, maseu não ponho meus braços em volta de mim para me manter quente. Na verdade, eutenho medo de me mover sob o olhar dele. Finalmente, ele terminou. “Não, obrigado.” “Como?” Eu não sei sobre o que, ou para quem, ele está falando. “Não. Nós não podemos oferecer representação dessa vez. Obrigado.” Ele começa a andar para longe, e de novo eu sinto que posso me mover. “Oh.Tudo bem. Obrigado.” Eu não entendo muito bem o que ‘oferecer representação’significa, também, mas eu entendo que o nosso encontro está terminado. “Espere um segundo,” Jack diz. “Era para nós nos encontrarmos com a KimStewart.” O garoto com o cabelo verde encolhe os ombros. “Eu olho por Kim para queela não tenha que ver ninguém inaceitável." “E por que ela não é aceitável?” “Jack...” eu toco a manga dele. “Nós devíamos ir embora.” O garoto de cabelo verde vira então ele está de novo nos encarando, mas nãoolhando muito para os meus olhos. Como uma princesa, eu não estou acostumada deser ignorada desse jeito, mas eu começo a suspeitar que isso ocorre muitofrequentemente.
  • 172. “Para ser brutalmente sincero,” ele diz para o ar, “ele é muito baixa. E muitogorda.” “Gorda?” Jack e eu dizemos juntos. “Esses...” Ele chega mais perto e faz um gesto desconfortavelmente perto dosmeus seios “...estão fora de questão. Tyra tinha que por para baixo os dela quando elaestava modelando. Havia designers que não queriam contratá-la por causa do quadrildela — que eram menores que o seu.” “Então deixa eu ver se entendi isso direito,” Jack diz. “Garotas não podem terpeitos? Ou quadril? Mas peitos e quadris são legais.” O garoto torce o nariz dele. “Se você diz... mas você não pode fazer umaedição da SI Swimsuit* com ela, e adolescentes com tesão não estão comprando altacostura. Talvez ela devesse tentar Playboy.” *Revista que fala sobre roupas de banho. Jack balança a cabeça dele. “Acho que não.” “Então tem o cabelo dela. Esse...” Ele pega um cacho como se minha cabeça éuma peruca a mostra. “O cabelo Little House on the Prairie** está completamenteultrapassado. E há algo a respeito da pele dela também.” **Serie de televisão muitovelha “O que tem minha pele?” eu pergunto. “É apenas... esquisito. Você hidratou alguma vez? Sua pele parece como sevocê não tivesse feito nada por ela em dez anos.” Tente trezentos. “Jack!” A porta abre, e Meryl corre para dentro. “Com licença. Meu irmão estáaqui?” Eu me assusto ao a ver nesse estado primitivo. Alta e esguia, braços e pernasvoando para todos os lugares, dentes de metal, cabelos retorcidos, manchas...manchando. Quanto cruel esse homem seria com ela, na verdade, se ele me acha feia?Ela coloca as mãos dela em quadris não existentes e diz, “Vamos. Você tem que pagaro estacionamento e tem um policial na esquina.” Jack procura no bolso dele, voltando vazio. “Nós temos que ir.” Ele começa a irpara a porta e, aliviada, eu o sigo. “Espera!” O garoto de cabelo verde começa a correr depois de nós. “E quem éessa?” Ele está gesticulando para Meryl.
  • 173. Jack ri. “Minha irmã mais nova.” “Ela é de tirar o fôlego. Tão fresca! Tão... magra! Esse é o tipo que nóspodemos usar.” “Usar para que?” Meryl franze a sobrancelha. “Como uma modelo? Ela?” Jack diz. “Sim. Bem, uma vez que ela tire os aparelhos e comece a fazer um tratamentopara acne — embora nós possamos tirar a maioria. Mas ela é de morrer. Olha para opeito — como um garotinho!” Meryl olha para baixo, cabelo caindo no rosto dela. “Sim, certo.” “E a postura é perfeita.” Meryl ri. “Não, obrigado.” E ainda, eu posso dizer que ela está sorrindo umpouco sob a careta dela. Por que ela não estaria? Essa... pessoa acabou de dizer queeu, Princesa Talia, que foi agraciada pelas fadas com beleza sem imperfeições, não soubonita enquanto ela é a visão da graciosidade. Mas ela olha para Jack. “Você não me escutou? Eles estão quase rebocandoseu carro.” E nós vamos embora. Nós decidimos pegar as escadas, porque o elevador me assusta. Meryl estáandando de costas e de frente nas escadas na nossa frente. “Você poderia acreditarnele? Aquele peito… como um garotinho!” Ela começa a rir. “Doido.” “Eu acho que não,” Eu digo enquanto a gente chega à rua e ainda outraenormemente alta, incrivelmente esbelta jovem mulher— uma modelo sem duvida—sorri para mim. “Você é na verdade muito adorável.” Meryl faz uma cara, mas então isso vira um sorriso. “Bem, eu sei de uma coisa— Jen e Gaby iriam pirar se elas soubessem. Como foi com você?” Eu encolho os ombros. “Eu sou muito gorda.” “Como é?” “Ah, eles são apenas loucos,” Jack diz. “Padrões de beleza mudam o tempotodo. A maioria das pinturas que eu vi na Europa, as mulheres eram, tipo, obesas.”
  • 174. Eu sei em quais pinturas ele está pensando, e eu estou indignada. “Eu nãopareço com um Botticelli!” “Isso não era o que eu queria dizer.” “O que você queria dizer?” Ele começa a dizer algo, então muda de opinião. “Eu queria dizer que você ébonita, e aquele cara é doido. Nós vamos achar outra agência.” Eu balanço minha cabeça. “Eu acho que não.” “Tudo bem. Então nós vamos para a praia.” “Depois que você pagar o estacionamento,” Meryl diz.Nós cruzamos a rua para a praia. É quente e branca e cheia de corpos marrons vestindomuito pouca roupa. É maravilhoso que ficar bronzeado é considerado atrativo nessestempos. No meu dia, só as mãos dos campos eram bronzeadas! Ainda, quando nós alcançamos uma parte vazia e Jack tira sua camisa paraadorar o sol, não posso deixar de olhar para ele. Uma coisa é certa: ele é bonito. Eu fui persuadida a vestir short e um top. O melhor para ser cobiçada por essejovem homem. Jack estende uma toalha, e eu me arranjo decentemente sobre ela efinjo olhar para o oceano. Meryl senta ao meu lado, desenhando o céu. Eu olho paraJack. Ele, também, está trabalhando em algo. Eu desejo perguntara a ele, mas eu nãoouso me intrometer. Eu olho de volta para o oceano. Não é nada como o mar emEuphrasia, que eu me lembro de ver meu Pai saindo para as jornadas dele. Pai! O oceano é tranquilo e azul, e eu sou embalada em um transe assistindo suasondas branco gelo baterem na costa. Eu poderia quase ir dormir. Dormir. De repente, a cena de antes gira comigo dentro. As ondas levantam e tocamas nuvens, e dela sai Malvolia. “Ah, Princesa.” A forma escura dela joga uma sombra sobre a praiaensolarada. “Ainda sem sorte no amor?” Eu olho para Jack e estou feliz em saber que ele está olhando para mim. Paraminhas pernas, para ser especifica. Ele me admira, não admira?
  • 175. Malvolia lê meus pensamentos. “Sim. Um garoto admirando uma garotabonita. Uma coisa rara eu tenho certeza. Mas amor— amor verdadeiro —é outracoisa.” Mas eu só preciso de mais tempo. Eu sei que eu posso fazer ele me amar. “Era para você ser acordada pelo primeiro beijo de um amor verdadeiro. Issonão aconteceu, e eu acredito que é hora de você vir comigo.” Não. Ela não pode me pegar agora. Apenas um pouco mais. “Venha comigo.” As ondas saltam. As nuvem sobre elas escurecem, e eu vejoa mão da Malvolia, vindo na minha direção, escuto a voz dela, suave. “Venha comigo.Vai ficar tudo bem. Você sabe que ele não te ama.” É verdade. Eu sei que Jack não me ama, nunca vai me amar. “Então o que resta para você? O que resta para você se ele não te ama?” Nada. “Sim, nada. Nada a não ser uma família que te odeia, um reino arruinado.Princesa, o que você tem para viver?” Nada. “Venha comigo.” A mão de Malvolia chega mais perto. “Eu vou com você.” Eu levanto da toalha e começo a ir na direção da mãodela. “Talia?” Outro passo. “Talia!” Eu olho para baixo. É Jack, Jack me chamando. As ondas, as nuvens, Malvolia,tudo desaparece, como se fosse sugado por um redemoinho. Ao invés, lá está Jack,meio de pé na minha frente, uma expressão de perplexidade em seu rosto. “Onde você está indo?” Eu olho para baixo. Eu dei vários passos em direção ao oceano. Malvolia se foi. “Eu pensei que eu poderia — ah — colocar meus pés na água.”
  • 176. Jack ri. “Tire os sapatos antes.” Ele ajoelha na minha frente como se ele estivesse quase me propondo emcasamento. Mas ao invés, ele desfaz o nó do primeiro, então do outro cadarço. Eulembro de uma historia popular do meu tempo, sobre uma garota chamada Cendrillon,que foi para um baile vestindo sapatos de vidro. Mas, claro, Jack nunca conheceria essahistória. Foi contada trezentos anos atrás! Ainda, quando a mão de Jack toca no meutornozelo, eu tremo no sol de meio-dia. Ele fica de pé. “Vamos, então.” Ele estende a mão dele e envolve na minha,então me guia em direção da água safira. Jack poderia me amar? E eu posso fazer ele me amar antes que Malvolia meleve para longe?
  • 177. Capítulo 21: Jack “E agora?” Talia fala no carro no caminho de volta de South Beach para casa.“Se eu não sou bonita o suficiente para ser modelo…” “Você é muito bonita,” eu digo. “Você não gostaria de ser uma modelo, de qualquer forma,” diz Meryl. “Éestúpido e inútil.” Mas eu noto que ela puxou o seu cabelo do rosto desde que o louco do Rafaeldisse que ela poderia se tornar uma. E ela está olhando no retrovisor do carro durantetodo o caminho de casa, também. “Mas, o que mais eu posso fazer?” Talia lamenta. “Bom, você fala quarto idiomas,” Meryl disse. “Você sabe tudo sobre arte, evocê é especialista em diplomacia.” “Mas para uma garota de dezesseis anos de idade, sem um diploma de ensinomédio,” eu digo, “é difícil conseguir um emprego fazendo essas coisas.” Talia olha para fora para a água por um longo tempo, sem dizer nada. Quandoela o faz, ela diz: "A água aqui é tão azul, como as safiras de um dos colares da vovó. Eucostumava me esgueirar para os aposentos de mamãe quando eu era pequena eexperimentá-lo. Eu sonhava em crescer um dia para usá-lo eu mesma. Agora eu nuncao farei." Ela olha para mim. "Talvez eu deva retornar a Eufrásia.” "Para onde?", diz Meryl. "Casa", Talia diz. "Para... Bélgica". "Por que você veio embora, em primeiro lugar?" Talia troca um olhar comigo. "É uma longa história." Eu olho de volta tentando dizer, Não conte nada. "Eu quebrei uma regra," Talia diz, consolidando uma longa história em umaúnica frase. "Havia consequências terríveis, e meu pai estava muito desapontadocomigo. Ele disse que desejava que eu nunca tivesse nascido."
  • 178. "Durão," diz Meryl. "Que tipo de regra foi – tipo um toque de recolher ouperder de ano na escola? Esquece isso, você nunca iria falhar na escola." "Não exatamente", ambos, Talia e eu, falamos juntos. "Você, tipo, escapuliu de noite com alguém?" "Não," Talia diz. “Eu nunca escapuli. Eu era observada o tem... -constantemente, pois estavam preocupados que eu pudesse me picar em um fuso."Dou-lhe um olhar, e ela diz: "Eu quero dizer, que minha pureza fosse comprometida." "Você destruiu o carro de seus pais?", diz Meryl. Talia ri. "Definitivamente, não foi isso." "Fumou maconha? Ficou bêbada?" "Não," eu digo a ela. "Pare de perguntar." Mas Meryl continuou, ignorando-me. "Você não matou ninguém, não é?" "Claro que não, Meryl," eu digo. "Porque Jack fez todas essas coisas - exceto matar alguém - e os meus paiscontinuam perdoando-o, de qualquer maneira." "Isso é verdade?" Talia diz. "Uma vez, Jack e Travis foram pegos pela polícia por estarem jogando ovos emcarros na Avenida Oitenta com a Segunda. E um dos carros em que ele estava atirandoera o da presidente do clube de jardinagem da mamãe." "Meryl," eu digo. "Nós não precisamos falar sobre isso." "Então, a campainha tocou à meia noite," Meryl continua. "Mãe abre em seuroupão, e havia dois policiais parados ali. Eles tinham uma chamada de uma atendentede caixa de um grande supermercado onde alguns adolescentes tinham passado,comprando dez dúzias de ovos. A atendente não achava que eles estivessem fazendoum suflê com eles, então ela chamou a polícia." "Meryl, você pode, por favor, se calar-" "Você jogou comida nos carros que estavam passando?" Talia disse. "Apenas os ovos," eu digo, olhando para Meryl. "Todo mundo faz coisas dessetipo."
  • 179. "Mas cento e vinte ovos poderiam alimentar dez famílias ou afastar a fome noinverno, quando o alimento é escasso. Você tem alguma ideia de quantas galinhas sãonecessárias para pôr dez dúzias de ovos?" "Sim, Jack," Meryl diz, sorrindo. "Você sabe quantas galinhas?" Talia continua. "Parece um desperdício terrível e imprudente jogá-los fora,particularmente na propriedade de outra pessoa." "Esse é o meu irmão Jack, o Sr. Desperdício e Imprudente". "Eu não os tomei de nenhuma pessoa passando fome," eu digo para Talia. "Euos comprei." Eu nunca pensei sobre os ovos sendo comida por alguém antes. Como éque Talia pensou isso? Nenhuma outra pessoa que eu conheço pensa no desperdíciodos ovos - nem mesmo meus pais. Quando você pensa dessa maneira, ele faz tipo umde som... "Ok, foi estúpido." “Muito,” Talia concorda. "Jack está sempre fazendo coisas estúpidas", diz Meryl. "E os meus paissempre o perdoam." “Perdoam-me?" Eu dou risada. "Eles nem mesmo percebem isso. Eles nuncapercebem nada do que faço." "Eles percebem muito," diz Meryl. "Você não tem um quarto ao lado do deles,então você não os ouviu todas as noites durante uma semana, discutindo apossibilidade de enviá-lo a um psicólogo infantil ou a uma escola militar." "A escola militar?" A ideia me faz estremecer. "E cada vez que mamãe se encontrava com a Sra. Owens, que é a mulher cujocarro Jack atirou ovos, ela perguntava a mamãe se ela estava dando a Jack ‘a ajuda queele precisa e merece’. Mamãe foi totalmente humilhada." "Eu posso imaginar", Talia diz. "Pobre senhora." "Isso foi há muito tempo," digo. "Não podemos falar sobre as coisas estúpidasque você fez?" Por que ela tem de me envergonhar na frente de Talia? Eu não aenvergonho na frente dos seus amigos. Pelo menos eu não o faria, se ela tivesseamigos. "Eu nunca fui pega pela polícia."
  • 180. "Você é jovem. Ainda há tempo. Além disso, você está aprendendo com meuserros." "Você tem orgulho de ser um mau exemplo?" "Fique quieta." Mas ainda assim é estranho. Eu sempre pensei que os meus pais não seimportavam muito com o que eu fazia, só queriam me tirar do seu caminho. Poderia euter estado tão errado sobre isso? "Os pais sempre o perdoam," diz Meryl. "Como às vezes, você vê pais em umareportagem, em que o seu filho foi preso pelo assassinato um atendente de caixa daloja 7-Eleven, e eles dizem algo como, ‘Mas meu Bubba é um bom rapaz. Ele nuncamachucaria uma mosca.’ Então, eu tenho certeza que seus pais te perdoam por tudo oque você faz." Talia olha pela janela. Nós cruzamos a ponte, e agora não há nadainteressante para olhar, apenas os edifícios de escritório cinzentos em ambos os lados.Lembro-me do belo castelo e do cenário de Eufrásia. Finalmente, ela diz: "Você achaisso, Jack?" "Eu não tenho certeza." O pai de Talia parecia um perigoso defensor real,mesmo sendo um rei, e ele disse todas essas coisas ruins para ela. Mas talvez Merylesteja certa (tem que haver uma primeira vez para tudo). Talvez ele a perdoe, mesmopor ter arruinado o país inteiro. Eles estão provavelmente muito preocupados com ela- especialmente considerando que eles não têm nenhum telefone ou e-mail ou atémesmo um rádio. Então é como se ela realmente tivesse desaparecido em um buraconegro. Mas eu não quero que ela volte. Talia pode ter sido um pouco chata no início. Ok, ela era completamenteimpossível. Mas eu percebo que foi apenas porque ela não é como alguém que eutenha conhecido antes. Ninguém que eu conheço pensaria dos ovos como... tipo, ovos. Se ela fosse embora, eu sentiria falta dela. E eu acho que estou me sentindoum pouco egoísta quando digo: "Eu não sei. Mas nós temos mais seis dias, então talvezvocê deva pensar um pouco mais sobre isso." Talia acenou. "Eu suponho que você esteja certo."
  • 181. Capítulo 22: Talia Eu sou uma covarde. Eu sou covardemente covarde, cheia de covardice. Parte de mim sabe que Meryl está certa, que eu deveria entrar em contatocom meus pais, voltar para casa, que eles estão preocupados comigo. Mas eu tenho menos certeza do que Meryl de que meu pai vai me perdoar. Amãe de Jack parece ser uma pessoa adorável, e eu estou certa que o pai de Jack deveser também. Mas eles não são da realeza. Eles também não chamaram uma naçãointeira para proteger Jack dos perigos, apenas para ele se levar a cometer algum errosem pensar. Seja qual for o tanto de ovos que Jack jogou, ele não trouxe ruina para afamília dele, muito menos para o país dele. Eu falo isso para o Jack enquanto nós comemos batatas fritas e arrancamoservas daninhas. Nós fomos, ao meu pedido, para o parque onde Jack já tinha plantadoum jardim. É uma visão triste, cheia de espinhos e poucas flores. Mas, com a nossaajuda, parece um pouco melhor. Eu até mesmo toquei sujeira agora! Jack está certo.Cheira mesmo a coisa limpa, como o ar. Depois de uma hora, nós andamos para oMcDonald’s perto e pegamos batatas fritas! “Quem sabe se Euphrasia é mesmo um país ainda?” Eu puxo uma larga ervadaninha. “E se não é um país, então meu pai não pode ser rei. Ele nunca poderia meperdoar por isso.” “Talvez ele possa fazer alguma outra coisa,” Jack diz. “Tipo, fazer um curso decomputação.” Mas ele não parece convencido. Ele coloca uma mão cheia de batatasfritas na boca. No outro lado do parque, crianças brincam um jogo. Eles estão vestidoscom camisetas combinando e calças curtas douradas e rubi e esmeralda e laranja. Oobjetivo do jogo deles parece ser chutar uma bola manchada em um lugar enquantoimpede o outro time de fazer isso. No palácio, eu frequentemente ficava na janela e assistias as criançascamponesas. A vida deles parecia consumida por trabalho. Garotos ajudavam os paisdeles nos campos. Garotas tiravam leite das vacas e juntavam os ovos. Mas elesbrincavam, quando o trabalho estava terminado. Eu os assistia algumas vezes dasjanelas, e eu desejava que pudesse me juntar a eles. Há uma grande árvore perto, uma velha com musgo pendurando dela. Eucutuco Jack. “Ensine-me a escalar aquela árvore! Eu nunca escalei uma.”
  • 182. Jack olha para a árvore, duvidoso. “Essa é uma difícil.” “Seria difícil para você?” “Não, eu...” “Então me mostre. Eu sou mais forte do que pareço.” Ele acena e anda para a árvore. “Você tem que pegar um bom apertoprimeiro. Não há nenhum tronco baixo, então você usa seus dedos. Então, suba com osseus pés.” Eu tento. É muito mais difícil do que eu imaginei. “E se eu cair?” “Eu estou atrás de você. Eu vou te pegar.” Isso parece ajudar, porque eu sou de repente capaz de subir meus pés eescalar um pouco. “Bom,” Jack diz. “Agora, pegue esse tronco em cima de você e se puxe paracima.” Eu faço. Eu faço! E a próxima coisa que eu percebo, é que estou sentada sobreo tronco. “Agora, pegue o próximo e levanta nele,” Jack diz. Mas eu já estou fazendo isso. É fácil, agora que eu comecei, e logo eu estoutão alta que o parque parece nadar sob mim, e Jack está escalando atrás de mim.Quando nós alcançamos o tronco mais alto que eu ouso, eu sento sobre ele e olho parabaixo. A terra gira em baixo de mim, e ainda está bem, como tudo esteve hoje. E daise eu não posso ser uma modelo, se eu não sou mais considerada bonita, se Malvoliaestá tentando me pegar. Eu estou escalando uma árvore! E eu estou escalando comJack. Ele sobe atrás de mim. “Você conseguiu.” Eu aceno. Nós sentamos lá um momento, assistindo as crianças brincarem. “Por que você acha que isso aconteceu?” Eu pergunto para Jack. “O que aconteceu? “Você. Eu. Você me achando depois de todos esses anos. De todas as pessoasque poderiam ter tropeçado sobre Euphrasia, por que você?”
  • 183. “Eu disse que eu sentia muito sobre não ser um príncipe.” “Não. É apenas… estranho quando você pensa sobre isso. Se você e Travis nãoestivessem na Bélgica, e se você não tivesse ficado entediado e procurado pela praia epegado o ônibus errado... Eu poderia estar ainda dormindo. Ou algum garoto belgapoderia ter me encontrado. De qualquer jeito, eu não estaria aqui.” “É estranho quando você coloca desse jeito,” ele disse. “Sim. Você conhece a historia do Rei Arthur e a Espada na Pedra?” “Eu vi o filme com a Keira Knightley. Mas eles não se concentraram na parteda pedra — a maioria era sobre Keira em uma armadura de couro. Ela era Guinevere.” Guinevere em uma armadura de couro? Que interessante. “Arthur era o filhodo rei que morreu,” eu digo. “Ele foi criado por Sir Ector, um cavalheiro. Ninguém sabiaque ele era o herdeiro do trono. Então, um dia, uma estranha pedra apareceu em umcemitério. Na pedra estava uma espada brilhante, e escrito nela, em letras em ouro,‘Quem tirar essa espada dessa pedra e bigorna é por direito de nascimento o rei detoda a Inglaterra.’” Eu balanço meus pés um pouco e continuo. “Muitos cavalheiros tentaram pegar a espada, mas nenhum pode movê-la.Então um dia foi escolhido que todos podiam tentar, e torneiros foram feitos. Sir Ectore o filho dele, Kay, e Arthur também vieram. Mas quando foi a hora do torneio, Kaypercebeu que ele tinha quebrado a espada dele. Ele pediu para o Arthur cavalgar devolta para pegar outra. Quando Arthur retornou ao castelo, ele não pode pegar aespada. Foi quando ele se lembrou da espada que ele tinha visto no cemitério. Osguardas estavam longe, e a espada estava lá, sozinha. Pensando apenas em pegar aespada para o irmão, o jovem Arthur pegou o punho e tirou a espada da pedra. Eu amo essa parte! “Por que ele podia tirá-la quando ninguém mais podia?” Jack pergunta. “Ele nasceu para ser rei. Destino. Você acredita em destino, Jack?” “Eu não tenho certeza.” “Você acha, Jack, que talvez foi destino, você ir para o castelo? Você acha quevocê estava destinado para ser o que me acordaria?” Eu espero. Se ele acredita em destino, talvez ele acredite que ele é meudestino. Eu sento sentindo o vento sobre o meu rosto. Em baixo, os meninos pararam
  • 184. de brincar. Eles correm para todos os lados, alguns parando no novo jardim sem ervasdaninhas. “Ei, olha para isso?” um deles diz. “Sim. Alguém tirou todas as ervas daninhas.” “Legal.” O que Jack vai dizer? O que ele vai dizer? Finalmente, ele diz, “Eu não sei.” “Você não sabe?” As palavras explodem de mim como fogo de canhão, ealgumas das crianças olham para nós. "Mas o que você acha? Certamente você deveachar alguma coisa, alguma vez, seu garoto bobo?” Não adianta. Foi errado acreditar que Jack poderia ser meu destino, meuamor. Ele não se importa comigo nem um pouco. Ele não pensa em nada a não ser umjogo. “Não importa,” eu digo. “Não tem nenhuma importância.” “Mas você não me deixou terminar. Eu estava indo dizer que eu não sei sobredestino. Eu nem mesmo sei se houve mesmo um rei Arthur, ou se é apenas algumahistoria boba.” Eu suspiro, não meramente porque eu adorava Morte d’Arthur, mas tambémporque Jack está deixando de lado meu ponto inteiramente. “Mas o que eu sei é que tudo é diferente desde que eu estive com você. Euestou diferente. Como estando aqui. Eu poderia ter pensado em subir aqui, mas eu nãoteria subido. Eu estaria por ai festejando. Você me fez lembrar. Eu não sei se eu fuidestinado a te acordar, ou se foi apenas pura sorte. Mas eu estou feliz que issoaconteceu desse jeito.” “Você está?” eu pergunto. Ele acena. “Antes, eu diria que eu não queria fazer o que meu pai queria, maseu sabia que eu acabaria fazendo isso, de qualquer jeito. Eu iria para a faculdade e eume especializaria no que ele quer que eu me especialize e fazer o que ele quer que eufaça, e um dia eu acordaria e teria sessenta e com todas minhas decisões feitas pormim.” A voz dele está suave, e ele cheira a sujeira e o ar sobre nós, e é um cheirolimpo.
  • 185. “E agora?” Eu digo. “Agora, talvez eu não faça.” Eu aceno. Aqui é onde ele deveria dizer que ele está apaixonado por mim, queeu mudei a vida dele, que ele me ama por isso. Mas ele não diz. É porque ele é tímido?Ou porque ele é muito novo para dizer algo assim? Muito assustado depois de Amber?Ou isso é meramente porque ele não me ama? O pior disso, eu estou me apaixonando por ele. Antes, eu estava meramentetentando fazer ele me amar. Meus próprios sentimentos eram sem importância. Masagora, eu, Princesa Talia, estou apaixonada com um garoto, um garoto que não meama de volta. Jack pega o telefone do bolso dele e olha para ele. “Eu acho que a gentedeveria ir. Meryl acabou de me mandar um mensagem que meu pai está na verdadevindo para jantar.” “Sério?” Eu tento engolir meu desapontamento. “Eu quero conhecê-lo, e vocêpode discutir alguns problemas com ele também.” “Alguns problemas,” querendo dizer, é claro, as esperanças dele e ambições.Eu sou alguém para falar, tendo fugido do meu próprio pai. Ainda, eu suspeito que pelomenos algumas coisas são mais fáceis para aqueles que não nasceram em uma castelo.Enquanto o pai de Jack pode ficar com raiva se Jack falhar em seguir o caminho dele, étradição de só uma geração ou algo assim, não o direito divido de reis. E Jack vai estarapenas desapontando a família dele, não um reino inteiro. Jack diz, “Sim, talvez. Você pode descer?” Eu olho, e eu estou tonta de novo, mas eu digo, “Eu acho que sim.” “Eu vou te pegar se você cair. Ou você pode cair em mim.” Ele começa adescer. Quando nós alcançamos o fim, eu digo, “Jack, o que é um clube dejardinagem?” Quando ele me dá um olhar questionador, eu digo, “Meryl disse quevocê jogou ovos em um carro que era da presidente do clube de jardinagem da suamãe.” Jack encolhe os ombros. “Eu acho que é um clube para damas que gostamde... jardinagem.” “Então sua mãe é interessada em plantas também?” “Eu acho.”
  • 186. “E você nunca falou para ela do seu interesse compartilhado?” “Eu nunca...” Ele troca os joelhos. “Eu quero dizer, ela não iria se importar.Meu pai quer que eu vá para os negócios dele. Ele está no comando.” Eu rio. “Você não sabe sobre a primeira coisa sobre mulheres, sabe?” “O que isso quer dizer?” “Mesmo no meu tempo, nós sabíamos que os homens não estavam nocomando. Oh, eles poderiam fazer muito barulho como se fossem. Mas quando seaprofunda nisso, nós mulheres temos muita influência. Muitas vezes, meu pai iria fazerum grande pronunciamento a noite. E na manhã seguinte, ele mudou de ideia. Depoisde um tempo, eu percebi que era minha mãe que tinha mudado isso, discretamente, ànoite. " Jack parece pensar sobre isso. “Então você está dizendo...” “Eu estou dizendo que talvez sua mãe pudesse ser sua aliada. Seriadiplomacia.”Quando nós retornamos, Meryl está do lado de fora no quintal da frente, sentando embaixo de uma árvore. Ele segura o caderno dela apertado claramente interrompida noato de desenhar pela Jennifer, a garota malvada da outra casa. Enquanto Jack eu nosaproximamos, eu escuto a palavra “esquisita.” “Olá, Meryl,” eu digo, alto suficiente para interromper a conversa cruel deJennifer. A garota imediatamente para com Meryl, mas não devido a alguma conscienteculpa perturbando-a. Não, ela tinha outros motivos. “Oi, Jack,” Jennifer diz, jogando o peito dela para fora e se apressando paraagarrar o braço de Jack na maneira mais territorial e não princesa. No entanto, avagabunda corre a mão dela pelo braço dele. Para o credito dele, Jack parecedesconfortável com a atenção. “Meryl,” eu digo, “como está aquele novo desenho indo? Eu estou morrendopara ver.” Ela sorri. “Sério?” “Sério. Eu pensei em outras coisinhas.” Isso não é verdade, porque eu estavapensando em como fazer Jack se apaixonar por mim. Mas Meryl não tem que saberisso, nem Jennifer, que parece uma versão júnior da Amber.
  • 187. “Eu estive trabalhando nele o dia todo.” Meryl levanta o desenho para memostrar. Jennifer ri. “Esse lixo. Eu já a vi desenhando. Eles são uma droga.” Eu começo a defender Meryl, mas ela fala, “Você sabe muito. Talia acha queeles são bons, e ela estudou arte com Carlo Maratti!” “Quem é esse?” O escárnio de Jennifer se mostra no rosto dela. “E você sabe o que mais, Jennifer?” Meryl continua. “Meu irmão não vaigostar de você, não importa o quanto você grude seus peitos no rosto dele. Certo,Jack?” Jack meio que acena. A boca de Jennifer assume a aparência de uma dasarmaduras no hall do castelo, quando as dobradiças enferrujam e o rosto da máscarapendura aberto. "Venha, Talia." Meryl faz um gesto para eu a seguir. Eu sigo, sem olhar para trás para Jack, mas eu estou espantada. Eu mudei ascoisas. Eu ajudei Meryl a enfrentar a Jennifer. Tenho a certeza disso. Eu mudei Jacktambém. Eu sei disso. Mas isso é suficiente? Talvez se eu puder ajudar Jack falar comseu pai, isso faça ele me amar.
  • 188. Capítulo 23: Jack Talia agarrou o meu braço por todo o caminho descendo as escadas. Eu nãosei se é porque ela está nervosa com o jantar com meus pais (ambos, aqui para o jantarno mesmo dia!) ou se foi apenas por que os caras estendiam os braços para ajudar asgarotas em seu tempo. Eu meio que gosto de tê-la segurando-se em mim. Mas euaposto que se meu pai a ver segurando meu braço, ele vai entender de outra maneira."Pegajosa," ele vai dizer. Isso é o que ele dizia sobre Amber. Mas talvez estivesse tudo bem se fosse ideia do cara. Então, um pouco antesde entrar na cozinha, tomo a mão de Talia que está no meu cotovelo e coloco-a minhamão. Dou-lhe um aperto. Ela aperta de volta. "Vai ficar tudo bem," eu digo. "Eu poderia dizer o mesmo a você." Então nós caminhamos para a cozinha. Meu pai está lá em seu terno egravata, como em qualquer outro dia da minha vida, e isso é tão estranho que eutenho essa vontade de jogar meus braços em torno dele, como eu fiz quando eu tinhatrês anos e ele voltou da cidade, para dizer, "Papai." Mas eu não faço. "Papai, esta é Talia, a menina que eu conheci na Europa. Ela vai ficar conosco". "Prazer em conhecê-la, Talia. Sente-se." Assim que ela o faz, ele se volta paramim. "Então, Jack, foi uma sorte, você voltar para casa mais cedo. Ed Campbell estavame dizendo que ele está procurando um estagiário de verão para o seu escritório." Estou dividido entre o incômodo e o aborrecimento – incomodado por quemeu pai nem sequer vai se incomodar com a desaprovação de Talia. Ao contrário, elevai ignorá-la completamente. E aborrecido com a ideia de um estágio de verão. Comose ele não pudesse dizer um Olá, pelo menos, antes de começar a tentar metransformar nele? Eu sei o que isso significa - meu pai falou com um dos seus companheiros degolfe para me oferecer um emprego tirando cópias e buscando cafezinhos para "teruma ideia dos negócios" e fazer bonito no meu currículo para a faculdade. Chato. Taliadiz que eu devo contar aos meus pais que eu quero. Mas ela não sabe como isso équando você é uma pessoa normal, não uma princesa. "Hum, eu acho que não, Pai. Eu meio que tenho outros planos para o verão."
  • 189. "Festas e ir à praia?" "Não. Não exatamente." Embora, o que tem de tão ruim nisso? Quero dizer, eutenho dezessete anos com a minha vida inteira para trabalhar. "Bom, então. Então eu vou dizer a Ed que você pode ir na segunda-feira." É quinta-feira. Eu provavelmente deveria estar feliz por ele, pelo menos, medar um fim de semana antes que ele destrua o meu verão. Mas Talia vai ficar umasemana. Papai está falando sobre como isso é uma grande oportunidade e, blah, blah,blah... "Sr. ONeill", Talia diz, "eu acredito que Jack estava tentando dizer é que temoutros planos para uma ocupação durante o verão." "Com licença?" Papai fica com aquela linha que sempre tem entre os olhosquando ele fala comigo. "Jovenzinha, eu não acredito que eu tenha pedido-" "Ela está certa, papai", eu digo. "Eu estava pensando em colocar algunspanfletos na mercearia, sobre serviços de jardinagem. Seria, assim, começar meupróprio negócio". "Jardinagem?" Papai ri. "Jack, você não tem mais oito anos, e nós não somospobres, também. Este estágio ficará muito bem em seu currículo para a faculdade." Aqui vamos nós com o currículo para a faculdade. "Eu gosto de plantas, ok?" "Bem, isso é apenas ridículo. O que você vai fazer – trabalhar na HomeDepot*? *grande cadeia de lojas que vende produtos para casa e jardim. Mamãe está segurando uma tigela de feijões. "Feijões?" Quando eu balanço aminha cabeça, ela diz: "Basta de falar sobre trabalho. Conte-nos sobre a sua viagem,Jack." Então ela começa a falar sobre isso ela mesma. Ela memorizou todo o meuitinerário, começando com Primeiro Dia, Primeiro Museu e segue a partir disso. Eurespondo, tentando evitar as palavras chato e ruim e também tentando não olhar parao papai. Estamos conversando e rindo como se tudo estivesse bem, mas eu sei que nãoestá.
  • 190. Quando eu termino, o pai diz: "Então, eu vou ligar para Ed e vou dizer a eleque você pode começar na segunda-feira?" "Eu disse para Talia que você nunca me ouve." "Isso foi ideia de Talia, então?" Diz papai. "Eh. Quero dizer, não... Quer dizer, o negócio de jardinagem foi ideia minha.Tentar falar sobre isso, como se você realmente se importasse com o que eu quero, foiideia de Talia.” "Nós só queremos o que é melhor para você," diz mamãe, "e para a suafaculdade-" "Eu não quero ir para a faculdade." Isso a para por cerca de dois segundos. Então ela se vira para Talia. "Talia,você deve ter ido a muitos museus crescendo na Europa. Qual é o seu favorito?" "Posso ser dispensada?", Diz Meryl. "Sim, querida." Mamãe volta à Talia. "Agora, como eu estava dizendo...” Eu digo, "Você não pode simplesmente mudar de assunto e esperar que ascoisas caminhem sozinhas." Ela para no meio da frase, olhando para a tigela de arroz como se estivessetentando decidir se tenta mudar de assunto mais uma vez. Mas, finalmente, ela olhapara mim. "A razão para eu mudar de assunto, Jack, é porque isso me ajuda a ignorar ofato de que meu filho, a criança que eu dei a luz e cuidei desde a infância, não teminteresse em nada do que queremos, sem respeito-" "Isso não é verdade,” Talia interrompe. Tanto minha mãe quanto meu pai lançam um olhar fixo para Talia, mas elacontinua. "Eu conheço Jack apenas há uma semana, mas já posso dizer o quanto suaopinião significa para ele. Quando estávamos viajando pela Europa, você estava emseus pensamentos e conversa o tempo todo." Será isso verdade? "Mocinha", diz meu pai, "eu não acredito que isso seja de sua conta."
  • 191. "Não, não é. Mas, talvez, como eu esteja vendo de fora eu possa ver maisclaramente. Jack respeita a sua opinião. Ele anseia por sua aprovação. Mas ele senteque a única maneira que ele pode obtê-la é negando sua verdadeira natureza efazendo exatamente como você diz." Mamãe olha para mim. "Isso é verdade?" Eu concordo. Talia continua. "Foi ideia minha que Jack lhes dissesse onde se encontram seusverdadeiros interesses, na jardinagem, em estar com a terra. Eu disse que tinha certezaque pais cuidadosos como vocês iriam entender." "Mocinha," diz meu pai. "Eu não sei quem você é ou de onde você é, mas vocênão tem ideia do tipo de pressão que um garoto como Jack terá de enfrentar, acompetição..." "Pai," eu digo. Talia estende a mão. "Você está certo. Eu não tenho nenhuma ideia, e issonão é da minha conta, e eu fui ensinada a obedecer a meus pais. Mas às vezes ésimplesmente impossível obedecer cegamente. Às vezes uma criança deve tentar por simesma. Uma criança não pode ser uma criança para sempre, mesmo que issosignifique não tocar em um fuso... ou... ou..." Eu sei, é claro, que ela não está pensando só em mim, mas em si mesma eseus próprios pais. Eu acho que o que ela está dizendo é muito profundo. Papai olha para longe. "Eu vou dizer a Ed que você estará lá na segunda-feira." "Eu não vou estar lá." Eu me levanto. "Venha, Talia." "Jack!" Minha mãe tenta me seguir. "Desculpe, eu arruinei nosso jantar de família," eu digo. Talia me segue. "Isto não anda bem." "Não é culpa sua. Isso nunca anda bem." Ela franze os lábios daquela maneira bonitinha que ela faz. "Isso certamenteme faz pensar sobre a minha própria situação."
  • 192. Na manhã seguinte, Talia me espera no andar de baixo de novo. Quando eu finalmentefaço o café da manhã, Talia sussurra: "Eu tenho um trabalho!" Então, mais alto, elaacrescenta: "Sua mãe estava me contando sobre um belo jardim nas proximidades,onde ela é voluntária. Você pode me levar a ele?" "Sinto muito," digo, "Eu sinto que entrei na sala errada. Minha mãe estáfalando com você sobre jardinagem?" "Sobre Fairchild*, Jack", diz minha mãe. "Você deve se lembrar. Eu costumavalevá-lo lá o tempo todo comigo quando você era mais jovem, e você adorava. Mas eununca pensei que você teria algum interesse nele, agora que você cresceu." * Fairchildé uma vila localizada no estado norte-americano de Wisconsin. "Jack está muito interessado," Talia diz. "Certo, Jack?” "Eh. Isso seria legal." Lembro-me de ir lá com a mamãe, e então simplesmente parou. Eu imagineique ela não queria mais ser vista em público comigo, quando eu era um adolescentecheio de espinhas de treze anos de idade. Poderia ela ter simplesmente pensado queeu não queria ir? Posso ter sido tão estúpido? Mãe balança a cabeça, como se estivesse respondendo sim à última pergunta."Estou feliz que você queira ir. Faz um tempo desde que eu vi você tomando uminteresse real em alguma coisa, que não seja uma festa." "Ele tem alguns outros interesses, dos quais você não tem conhecimento,"Talia diz. "Ok, chega de falar sobre como eu não tenho quaisquer interesses," eu digo,querendo terminar o assunto. "Por que nós não tomamos o café da manhã, e vamosem seguida?" Talia ri. "Mais uma vez, você estava dormindo durante o café da manhã."
  • 193. Capítulo 24: Talia De almoço, nós comemos algo chamado Cachorro quente, que a mãe de Jackmuito gentilmente se voluntariou para preparar. Ela deve ter trabalhado a noite toda,porque parece uma mistura muito elaborada de especiarias e salsichas em umespecialmente feito pão longo, e há vários molhos disponíveis. Eu experimento umpouco de cada, vermelho, verde e amarelo. O amarelo é o meu favorito, e eu estoumaravilhada que a mãe de Jack passou por tantos problemas para fazer isso, e tambémpor que Jack disse que a mãe dele podia não cozinhar. “Eu poderia, por favor, ter umcom apenas o molho mostarda?” “Wow,” Jack diz. “A maioria das garotas que eu conheço apenas comem alfacee molho diet. Elas tem medo de engordar.” “Eu nunca engordo,” eu digo, “embora eu saiba que o homem da agência demodelo disse que eu estava gorda. Na verdade, parece que eu estou emagrecendo.” Eupuxo o cós de um dos pares de jeans que Jack comprou na Europa. Ficava bom então,mas agora está muito grande. Eu imagino privativamente se isso é parte dos presentesdas fadas. Ideais modernos de beleza mudaram, então talvez possa ser que eu tenhamudado com eles. No meu tempo, era considerado preferível para uma mulher tercarne nos ossos dela, o melhor para mostrar que ela podia comprar comida e provarsaúde para a gravidez. No meu tempo, as jovens damas na festa da piscina, ou astorturadoras de Mery, Jennifer e Gaby, teriam sido achadas que eram muito pobres edoentes. Só os camponeses eram tão magros. Eu não menciono nada disso para o Jack. Falar sobre cintura para gravidezapenas iria assustá-lo. Isso pode ser o porquê que os homens preferem jovens damasmagras agora. Eles não desejam mais se casar e ter filhos em uma jovem idade.Senhoras da idade da mãe de Jack são mais gordas. Eu também percebo que ospadrões de beleza e “gostosura” masculina mudaram um pouco. Eu olho para Jack. Ele teria sido achado muito bonito no meu tempo. Eu suspiro. Muito bonito. “Hey,” Jack diz. “Terra para Talia. Volta, Talia.” Eu não sei o que isso significa, então eu olho para Jack. “E ai?” ele diz, o que é o jeito dele de perguntar o que eu estou pensando. Eudificilmente posso dizer a ele que eu estava pensando o quão bonito ele é ou como
  • 194. seria bom carregar uma criança dele, então eu digo a primeira coisa que vem paraminha mente. “Sua mãe e Meryl vão nos acompanhar para o jardim?” “Duvido.” Jack pega o molho vermelho. “Minha mãe nunca me acompanhapara lugar nenhum.” A mãe de Jack não diz nada, mas levanta os olhos e olha para Jackpor um longo tempo. “Bem, eu sei que eu não estou indo,” Meryl diz. “Quem iria querer ir a umachata caminhada pela velha natureza?” Eu estou feliz pela recusa de Meryl. Eu gosto de Meryl, mas ela iriameramente apresentar um impedimento para fazer Jack se apaixonar por mim. Jáontem a noite ela o irritou muito cantando uma música sobre “Jack e Talia, sentandoem uma árvore.” Isso provavelmente não ajudou muito já que nós realmente sentamosem uma árvore naquela mesma tarde. “Eu desejo que a senhora vá,” eu digo para a Senhora O’Neill. “Eu imagino quevocê tem grande experiência e poderia ensinar a Jack e a mim uma coisa ou duas sobrejardinagem.” Eu sorrio para ela. “Que adorável e educada garota você é.” “Ela quer dizer não como aquela garota Amber,” Meryl diz com uma bocacheia de cachorro quente “Sim,” Senhora O’Neill diz. “Isso é exatamente o que eu queria dizer.” Eu tento corar e olhar para baixo como eu fui ensinada, mas secretamente euestou checando a expressão de Jack com a menção do nome da Amber e sentandosobre espinhos para ver a resposta dele. Para o meu alívio, Jack não parece perturbadopelo comentário de Meryl. Na verdade, ele nem fala para ela calar a boca. “Obrigado. Me falaram para respeitar as pessoas mais velhas, mesmo oscamponeses.” Percebendo meu erro, eu cubro minha boca. “Eu quero dizer, não quevocês são camponeses, apenas você é mais velha que eu... ou melhor... eu querodizer...” “Saia enquanto você está na frente,” Jack sussurra atrás do cachorro quentedele. “Na frente?” Meryl diz. “Ela acabou de chamar a Mamãe de camponesavelha.”
  • 195. “Está tudo bem,” a mãe de Jack diz. “Eu não vou com vocês, mas eu esperoque você se divirta, já que você só vai estar aqui por alguns dias mais.” Oh, eu estraguei as coisas agora. A mãe dele me odeia. Ela vai embora. Jack está sorrindo para mim. “Não se preocupe com isso.” Ele toca meuombro. Eu me sinto corar e olho para longe, quase virando minha água no processo.Mas eu olho de lado para ele, através dos meus dedos então ele não vai adivinharmeus motivos. No meu tempo, seria esperado que eu casasse com o homem que meu paiescolhesse. Mas agora, esse homem — qualquer homem que ele poderia ter escolhido— está morto. Eu posso escolher quem eu quiser. Eu escolheria Jack, se ele não fossemeu destino? Ele é bonito. Eu já estou acostumada com as roupas estranhas agora vestidaspelos cavalheiros nesse tempo, e o cabelo. No meu tempo, os cabelos dos homenseram muito mais longos, com cachos flutuando muito abaixo dos ombros ou mesmoperucas com o estilo de Louis, Delfim da França (que o filho, Louis, costumava visitarnosso palácio até que ficou noivo de uma princesa da Sardenha). Era muito elegantequando comparado com o estilo desgrenhado favorito dos garotos da idade de Jack ouo estranho corte curto dos mais velhos. E Jack é gentil. Verdade, eu o forcei a me trazer com ele. Mas depois que nósfizemos bem nossa escapada, nada o impedia de me abandonar na Bélgica ou naFrança. Na hora, eu assumi que ninguém deixaria uma princesa, mas agora eu perceboque muitos deixariam. Nada a não ser a gentileza fez com que Jack me trouxesseatravés daqueles países, comprasse roupas para mim, obtivesse um passaporte paramim, voasse comigo atravessando o oceano, ou me trouxesse para conhecer os paisdele. Ele fez isso por mim — tanto quanto aquele homem deu o casaco dele para aesposa dele. E ainda, ele é meramente um garoto, não pronto para o amor, talvez, ecertamente não preparado para casar. Não. Ele é bonito e gentil. Ele é maravilhoso e engraçado e agradável de terpor perto. Eu me lembro de estar com ele em cima daquela árvore. E há umformigamento no meu ombro onde ele tocou. Se eu pudesse apenas fazer ele me amar.
  • 196. E eu estou começando a perceber que ser uma princesa não significa que euvou ter tudo que eu quero. Não, depende de mim.No jardim, Jack paga nossa entrada, então pergunta pela direção para algo chamado“bonde do tour”. Nós atravessamos um caminho de terra e pedras, e Jack direcionaminha atenção para várias plantas e flores. Esse é um lugar bonito, com o tipo de floresexóticas que eu imaginei ver em viagens para a Índia ou China. Flores roxas, amarelas,fúcsia, e vermelhas preenchem meus olhos como as vestes das noivas em umcasamento de fadas. “Tão bonita,” eu digo meia dúzia de vezes, em parte para expressar minhafelicidade no que Jack ama — jardinagem — mas também porque é de verdade bonito,como nada que eu já vi antes. No bonde do tour — o bonde sendo um tipo de ônibus aberto — eu sentomais perto dele do que estritamente necessário. “Eu estou com um pouco de medo,”eu digo, embora seja uma mentira. “Você se importa se eu sentar mais perto docentro?” Jack balança a cabeça dele. “Eu te seguro, se você quiser.” Emocionada, eu apresento minha mão, mas ele não a pega. Ao invés, elecoloca o braço dele em volta do meu ombro. Ele está tão perto que eu posso sentir obatimento do coração dele. Ele vira o rosto na minha direção e olha para mim. “Tudo bem?” “Sim!” A palavra é um suspiro porque naquele momento, com o rosto dele apoucos centímetros do meu, eu acho — eu espero — que ele vai me beijar. E eu queroque ele me beije, não meramente por causa da maldição ou meu pai ou querer provarque ele é meu amor verdadeiro, mas porque eu quero, de novo, sentir os lábios delesobre os meus. Ele se move mais perto. Mas então, o bonde para. Jack e eu somos jogados para frente e nosseparamos, e ao mesmo tempo, uma velha mulher diz, “Nada desse comportamentosem vergonha aqui.” Jack e eu saímos do bonde, colocando uma distancia conveniente entre nós,então nós não ofendemos os olhos da velha mulher, mas Jack estava indo me beijar. Eusei que ele ia. Talvez mais tarde.
  • 197. E então nós alcançamos uma piscina com a mais maravilhosa flor. Meus olhosse ampliam. “É alguma coisa, não é?” Jack diz. “Sim. Alguma coisa.” Eu ainda posso sentir a sensação de Jack se inclinandopara mim, nossos lábios quase se encontrando em um beijo. Jack pega minha mão. Na minha frente, flutuando em água rasa, está a flor mais enorme que eu já vi.Não um tímido botão de rosa, essa. A planta é maior que uma criança de oito anos e,embora fechada, é maior que meus ombros e franzida como uma enorme boca rosacoberta com espinhos cada um tão longo quanto meus dedos. “Magnífica!” Eu digo. “Vitória régia,” Jack lê. “Diz aqui que ela pode chegar a dois metros e meio.” “Oh, meu Deus.” “Nada assim em Euphrasia, ein?” “Não. Nada mesmo.” Eu olho para longe, e quando eu olho de volta, é quasecomo se a coisa se movesse. Um homem perto interrompe. “Você tem que vir de manhã, no entanto. Équando está aberta.” “Sério?” Eu mantenho meus olhos grudados na vitória. As pétalas delaparecem balançar. “Sim. Ela abre de noite e fecha as dez de cada manhã.” Jack ri. “Então eu nunca vou vê-la aberta, certo Talia?” Ele me cutuca. Eu não olho para ele. Eu olho apenas para o broto porque, apesar das palavrasdo homem, apesar da hora tarde, ela está, na verdade, parece estar se abrindo, não,não meramente abrindo. Ela parece estar... falando. “Querida Princesa, a hora chegou,” o broto aberto fala. A voz dele é profunda,como se vindo do fundo da lagoa. “Quem … o que é você?” Embora eu saiba. “Oh, Princesa.” A voz da planta muda. “Você sabe exatamente quem eu sou.” Malvolia!
  • 198. “O que você quer de mim? Por que você continua...?” “Eu quero meu feitiço completo.” “Foi completo. Ele me ama. Eu sei disso.” “Você não sabe tal coisa.” A voz da flor está zombateira. “Eu não acho. Eu fuienganada. Você disse para si mesma que ele não te ama.” “Eu não disse nada disso.” “Você pensou isso. É a mesma coisa.” “Talia?” Eu escuto a voz de Jack, longe à distancia. Eu tendo responder, maseu não posso. Agora a flor parece ter crescido, levantando-se através da água escura. “Talia! Diga algo!” “Venha, Princesa.” Folhas verdes enchem minha visão. “O que você quer de mim?” “Eu quero minha parte.” A flor se transformou em uma videira. Cada espinhovirou um tentáculo curvado, vindo para mim. As folhas verdes não são mais as folhasverde de Miami, mas árvores das colinas de Euphrasia. Eu estou em Euphrasia. “Venha, Princesa, venha comigo.” E então tudo fica preto.
  • 199. Capítulo 25: Jack “Talia? Talia!” Eu tento pegá-la quando ela começa a cair. Ela está doente? Passou mal porcausa do calor? Incapaz de suportar a visão de uma gigante e sensual vitória régia? “Talia?” Eu a cutuco, suavemente a princípio, então mais forte quando eupercebo que seu corpo está mole. Ela está morta? Será que seu coração percebeu que têm trezentos anos deidade e parou de bater? Não! Ela não pode estar morta. Não! “Talia? Diga alguma coisa!" Meu corpo inteiro está tremendo, mas eu tenhoque mater a calma. Eu tenho que ajudá-la porque ela é a única pessoa que pode meajudar. Agora, outras pessoas estão se aglomerando ao redor, perguntando se elaestá bem, dizendo que vão chamar a emergência, empurrando e puxando, agarrando eapalpando, até que eu não conseguir respirar. Respirar! Eu sinto meu coração batendo para fora do meu peito, quase como se ele nãoestivesse preso embaixo. "Alguém sabe fazer respiração boca a boca?", diz uma mulher. Eu empurro os espectadores se reuniam para longe e me ajoelho ao lado deTalia. O que eu quero fazer é respiração boca a boca, como eu aprendi no meu cursode salvamento júnior, mas de alguma forma, quando eu me ajoelho ao seu lado,quando eu a seguro em meus braços, minha boca perto de sua boca, osacontecimentos da semana passada - Talia no castelo, no cárcere, no avião, na festa,no jantar, mesmo Talia olhando para a vitória régia - tudo percorre diante de mimcomo um rio, uma cachoeira, e como naquele dia no castelo, eu a agarro. Eu apertomeus lábios contra os dela. Eu a beijo. Eu a beijo longamente e forte, como se ambas as nossas vidas dependemdisso, talvez elas dependam.
  • 200. "Não vá, Talia," eu murmuro. Ir? Eu não quero dizer morrer? Eu a beijo novamente, fortemente. Mas desta vez, eu digo: "Por favor, Talia,eu te amo". Ela de mexe. Eu me afasto, olhando para ela. Ela olha de volta, os olhos abrindo. "Jack"? "Você está bem?" Sua mão branca tremula até a testa ainda mais branca, e ela diz: "Eu estavavoando." "Voando?" Eu estou ciente das pessoas ao redor, uma mulher com cara depreocupada, um homem oferecendo uma garrafa de água, que eu pego, mas eu meconcentro em Talia. "Onde você estava voando?" "Não onde." Ela estremece com a água que eu espirro em seu rosto. "Nãoonde, mas quando. Eu estava voando de volta no tempo, voando no avião de voltapara o oceano, para a Europa, então a Euphrasia, para o quarto da torre onde eu estivepor trezentos anos. Eu realmente vi os trezentos anos, Jack. Euphrasia era invisível parao mundo, mas ela estava lá. Eu estava lá. Eu vi a mudanças das estações através dajanela. E então eu vi a véspera do aniversário, e cada aniversário antes dele, cada Natalou evento importante. E, finalmente, eu era uma menininha, brincando nos morros deEuphrasian com Senhora Brooke, e havia uma casa de campo. Jack - uma cabana depedra com um arbusto sagrado ao lado, uma cabana que eu sempre vi mas que eununca prestei muita atenção." Ela faz uma pausa para respirar, agitando-se. "E nobeiral da cabana havia uma janela, e na janela havia um rosto, o rosto da bruxaMalvolia. Ela estava me chamando, dizendo que eu tinha que voltar e fazer tudonovamente. Eu estava de volta. Ela me levou para a casinha na colina mais alta emEuphrasia, onde eu costumava fazer um piquenique com a Senhora Brooke. Eu estavalá." "Não. Você estava aqui. " "Eu estava lá. Eu podia ouvi-lo dizer, ‘Talia, Talia, diga alguma coisa’, mas eunão podia responder, porque eu não estava aqui. Eu tenho que fazer tudonovamente." "Por quê? Isso não faz sentido."
  • 201. "Porque o feitiço devia ter sido quebrado por um beijo de amor verdadeiro -eu sabia disso. É por isso que está tudo errado. Você não me ama, e é por isso queMalvolia me puxa de volta para ela." "Porque eu não te amo?" Talia balança a cabeça. "Mas eu te amo. Será que você não me ouviu dizer isso, também?" E quando eu digo isso, eu percebo que é verdade. Eu amo Talia, não só porqueela é bonita (mesmo ela sendo), e não só porque é amável e atenciosa e inteligente,mas porque ela me torna todas essas coisas quando estou ao seu redor. "Eu sou umapessoa melhor quando estou com você. Eu não quero parar de ser essa pessoa. Eu nãoquero que você vá." "Verdade?" "Será que é suficiente para ela, para Malvolia, para fazer você parar de teresses sonhos assustadores?" Na verdade eu não acredito que Malvolia estáaparecendo para Talia, mas eu sei que Talia acredita, e eu quero fazer o melhor paraela. "Será que importa se eu te amo?" Vejo-a pensar sobre isso, realmente pensando como se ela estivesse fazendoum jogo de palavras cruzadas ou sudoku, não apenas tentando pensar em umaresposta para um cara que disse que a ama. Digo a mim mesmo que é porque eladesmaiou, porque ela está enlouquecendo ou doente. "Talia?" Eu tento encontrar seus olhos, que estavam vidrados de novo. Seráque ela vai desmaiar de novo? Mas ela se balança, acordando. "Sim?" "Você me ama também?" Porque talvez esse seja o problema. Provavelmente.Provavelmente ela acha que eu sou um idiota em comparação com os príncipes que elapoderia ter tido. Ela olha para longe por cima do meu ombro. Ela sorri. "Sim, Jack, eu te amo". Sinto-me sorrindo, mesmo que o amor de Talia fosse algo que eu nuncapensei que queria. Agora, porém, parece tão perfeito. Talia conversa comigo. Talia meconhece. Ela não acha que eu sou um garoto estúpido. Ela ainda gosta da minha irmãcaçula.
  • 202. "Eu também te amo, Talia.”Ela sorri. "Eu sei".
  • 203. Capítulo 26: Talia Eu o amo. Eu o amo e ele me ama; pelo menos ele diz que ama. Isso ésuficiente para a Malvolia? Deve ser. Não é como se o mundo fosse cheio de consortes adequados,morrendo para casar com uma princesa de trezentos e dezesseis anos. E além disso,Jack é o que eu quero, o que eu amo. “Eu amo você também,” eu disse, e eu queria dizer isso. Isso vai ter que ser suficiente, porque nos momentos antes de Jack me reviverpela segunda vez com o beijo dele, eu vi o que Malvolia queria dizer quando ela disse,“Venha comigo.” “Venha comigo, Princesa.” A voz dela era tão suave, me acalmando como asondas do oceano do lado de fora do castelo e Euphrasia. Eu quase queria ir. “Venhacomigo.” E simultaneamente, eu senti meu corpo caindo e parte de mim — algumaoutra parte, eu ouso dizer minha alma? — flutuando na frente dela, no centro daVitoria régia, então através da água e para baixo, para baixo, até que finalmente euestava de volta em Euphrasia. Malvolia estava comigo, se elevando na minha frente,um fuso na mão dela. “Você vai me matar?” Eu perguntei, não como se isso fosse uma ideia terrível— porque meu corpo estava suave e flutuando, como se eu tivesse alguma opinião —mas meramente como um fato. “Não, Princesa.” A voz dela era a mesma, mas eu podia ver que o sorriso delaera falso, como se os lábios dela estivessem tentando expressar uma emoçãoenquanto os olhos dela mostravam outra. Os olhos eram verdadeiros, e eles eramcruéis. “Não ainda.” Foi quando Jack me beijou, e eu acordei para a declaração de amor dele. Elefoi meu salvador de novo. E ainda, mesmo enquanto Jack declarava seu amor por mim, eu pensei que euouvi a voz da Malvolia na distância, me chamando de volta.
  • 204. Capítulo 27:Jack Talia e eu passamos as próximas horas andando por Fairchild, olhando para asplantas e se beijando. É um lugar legal, e eu pego um monte de boas ideias para meuprojeto de jardim, que eu pretendo mostrar a Talia. Eu conto a ela sobre isso, e ela dizestá realmente ansiosa para vê-lo. Ela não pensa em ver Malvolia novamente. Espero que agora que eu lhe disseque a amo, talvez ela supere essa sensação de culpa que ela tem sobre não ter sido obeijo do amor verdadeiro que acordou, e ela pare de pensar que Malvolia vai levá-lavoltar para Euphrasia. "Parecia tão real", ela diz. "Ela ainda segurava um fuso." "Está tudo acabado agora." "E então eu estava em sua cabana." "A cabana dela?" "Sim, eu te falei sobre isso antes – uma cabana de camponeses em cima domonte mais alto de Euphrasia". "Não, Talia." Eu acariciava sua mão. "Você estava aqui o tempo todo, emFairchild. Eu vi você. Foi um sonho." "Eu espero que sim." Depois de Fairchild, voltamos para casa e nos beijamos um pouco mais ediscutimos o quê fazer com o enorme problema de ela não poder ficar aqui depois deuma semana. Nós decidimos pensar nisso amanhã. Papai está trabalhando até tarde,mamãe está fazendo compras com a Meryl. Então nós pedimos pizza, em seguida,assistimos televisão. Tudo se desmorona quando começa o noticiário das onze horas. Oapresentador está dizendo algo sobre um pai à procura de sua filha desaparecida. Elafoi vista pela última vez com um jovem norte-americano. Talia arqueja. "Pai!" Eu olho. É o rei. Ele está parado em uma esquina. Ele usa uma coroa e suasroupas de rei. Ele tem uma pintura de uma linda garota loira.
  • 205. Talia. A tela manchete diz MENINA DESAPARECIDA. Talia olha, horrorizada, para a tela. Então ela se aproxima, como se ela tivesseesquecido a diferença entre a televisão e realidade. "Pai", diz ela. É uma choradeira. "Talvez não seja tão ruim assim," eu digo. Mas eu sei que é. Eles mostram o rei novamente, parecendo mais torturadodo que quando ele comeu o pavão duro. "Há quanto tempo a garota estádesaparecida?", pergunta o repórter. "Ela não é uma garota,", diz o rei. "Ela é uma princesa. A herdeira do trono deEufrásia." "Ah, uma princesa. Eu vejo." O sorri jocosamente o repórter. "De Euphrasia". "Eles não acreditam nele", Talia diz. "Eles acham que é um louco." "E ela está desaparecida há vários dias, uma semana", diz o rei. "Teve uma discussão?" Pergunta o repórter. "Poderia a princesa ter fugido?" Eles estão piscando um número 0800 sobre a cabeça do rei, para ligações compistas. "Discussão, sim", diz o rei. "Você poderia dizer isso. Mas a minha Talia, elanunca iria fugir. Ela estava protegida, inocente dos caminhos do mundo. Ela nãopoderia sair sozinha. Ela poderia... ela poderia..." Ele parecia que ia chorar. "Ela era aluz da minha vida! De todas as nossas vidas! Não importa. Se ela foi sequestrada, oupior, não sei o que vou fazer." "Você suspeita de um crime, então?" O repórter pergunta. "Eu não sei," diz o rei. "Talvez. Havia um garoto..." Eu dou um gemido. "Ele acha que eu a sequestrei.” O noticiário vai para uma outra história, uma história sobre a queda súbita deuma floresta na fronteira belga, mas Talia ainda olha para a televisão. "Está tudo bem, Talia. Nós vamos corrigir tudo isso."
  • 206. "Tudo bem? Isso certamente não está bem. Enquanto eu estava brincando naAmérica, os meus pais, que perderam tudo, acreditam que me perderam também. Euestava brincando, Jack! E bebia e festejava. E meus pais estão em tal agonia que o meupai - que nunca viu um carro ou um ônibus, muito menos uma câmara de televisão - dealguma forma saiu de Eufrásia e encontrou esse canal de notícias belga, tudo naesperança de me encontrar, sua mais amada filha. A luz de sua vida." "Éh." Soa muito ruim quando ela diz que maneira. "Devemos ligar." "O quê?" Eu estou pensando no que eles chamam de jogo sujo. Eu nãosequestrei Talia, mas às vezes as coisas estão desarrumadas. E se eles pensam que eufiz? "Eu não-" "Devemos ligar. Meu pai está sofrendo." "Espere!" Ela está partindo. Ela vai pegar um avião, e eu nunca vou vê-lanovamente. "Eu entendo. Você está certa. Você tem que ligar." "Eu sou terrivelmente egoísta e leviana." Ela tenta pegar o telefone de mim. "Não, você não é." Eu o mantenho longe dela. "Você é legal. Você vai ligaragora que você sabe que eles querem você de volta. Mas não podemos apenas esperaraté de manhã?" "Amanhã?" "Estamos no meio da noite. É tarde lá. Todo mundo provavelmente estádormindo. Essa notícia não era ao vivo. Não poderia ter sido. E eu só estou um poucopreocupado se eles vão pensar que eu a sequestrei.” "Mas você não o fez. Eu lhes direi que não." "Mas eles podem não acreditar em você. Eles podem pensar que você tem..."Tento lembrar o nome disso, essa coisa que eu ouvi falar na televisão, onde as vítimascriam vínculo com seus raptores. "...Síndrome de Estocolmo." "Impossível. Eu nunca sequer fui para a Suécia." "Ainda assim, o seu pai me jogou em um calabouço vez. O que garante que elenão iria... interpretar errado novamente? Não poderíamos simplesmente esperar atéamanhã, quando o meu pai está em casa?"
  • 207. Parece loucura, mas eu estou pensando que talvez Meryl estivesse certa.Meus pais me livraram um monte de vezes quando eu estraguei tudo. Não, eles nãoforam perfeitos. Às vezes, eles foram totalmente idiotas. Mas eles são os únicos paisque eu tenho, e eu não quero passar por isso sozinho. "Eu prometo", eu digo, "Eu não estou tentando te impedir de ligar para eles.Eu sei que é a coisa certa a fazer. É apenas... que eu quero o meu pai aqui, também." Talia concorda. "Tudo bem. Amanhã, então."
  • 208. Capítulo 28: Talia Amanhã. Amanhã eu vou falar com o meu pai, talvez mesmo voltar para Euphrasia. Vaiser a mesma Euphrasia que eu sempre conheci, ou vai estar irreversivelmentemudada? Isso não importa. Tão cedo quanto eu vi aquele querido rosto do meu painaquela televisão, todo pensamento sobre qualquer coisa evaporou, substituída porapenas uma noção: eu devo achá-lo. Eu devo deixá-lo saber que eu estou bem. Eu sento no colchão de ar. Finalmente, tem a consistência certa, a quantidadecerta de ar, e agora eu estou indo embora. Eu lembro daquela primeira noite quandoeu fui visitada pelos demônios de Jell-O e Jack veio para me confortar. Querido Jack... Eu vou o ver de novo alguma vez? No meu tempo, se alguém fosse fazer uma jornada de Euphrasia para aAmerica, essa pessoa poderia nunca retornar. Mas agora, há aviões, telefones celular,mesmo algo chamado e-mail. Certamente eu vou ser capaz de ver Jack de novo. Depoisde tudo, nós nos amamos. Pela primeira vez desde que eu acordei do meu longo sono, eu sou capaz dedescansar.Os demônios de Jell-O não retornam. Ao invés disso, quando eu abro meus olhos, é demanhã e Malvolia está em pé na minha frente. “Você fugiu,” ela diz. “Eu fui resgatada,” eu replico, “pelo beijo do meu amor verdadeiro.” “Resgatada? Você não pode ser resgatada.” Ela agarra minha mão, e eu vejo um fuso na outra mão dela.
  • 209. “Não!” Eu grito, mas nada sai. Ainda assim minha garganta dói como se eutivesse gritado. Parece que está queimando e em carne viva. As garras da velha mulherafundam na minha mão. “Não!” Eu consigo dizer. “Eu devo voltar para o meu pai.” É provavelmentemelhor que Malvolia não saiba disso, porque não é um sentimento destinado aconquistar ela. Ainda assim, eu luto. O quarto está escuro, e eu posso ver pouco. Avelha mulher me puxa, e embora eu tente levantar e lutar contra ela, eu sou incapaz deencontrar estabilidade no apertado colchão de ar. Eu caio para trás. Meus braçosdoíam como se as veias estivessem sendo arrancadas deles, e eu bati minha cabeça emalgo, uma cadeira. Então tudo foi de preto para mais preto ainda.
  • 210. Capítulo 29: Jack "Jack!" Meryl estava batendo na minha porta. Eu olho para o relógio digital, eo número queima meus olhos. Sete horas. Da manhã? Sete da manhã não deveriasequer existir, especialmente no verão. "Vá embora!" Eu grito. "É importante! Mamãe quer você no andar de baixo." "E eu estarei lá em uma hora ou três." "É sobre Talia!" Talia. Eu tinha esquecido sobre Talia e as notícias, mas agora tudo inunda devolta - a euforia de amá-la, a agonia por ela estar indo embora, que vou perdê-la. "Jack!" "Dê-me um segundo, ok?"Quando eu chego lá embaixo, minha mãe e o meu pai estão lá juntos. Ambos. "Onde está Talia?" Mamãe segura um jornal. Está aberto em um artigochamado "Equipe de busca em caso de Menina belga desaparecida." "É Talia," diz Meryl. "Ela é uma fugitiva." "Você sabia, Jack?" Mamãe pergunta. "Não. Quero dizer, sim, de alguma forma. Quero dizer, não exatamente." "Como, exatamente, Jack?" Papai pergunta. "Você ajudou essa menina a fugirde sua família? Você não... a sequestrou?" "Não foi dessa forma," eu digo. "De que maneira foi?" pergunta meu Pai. "Esse tipo de coisa poderia arruinara sua vida inteira, mantê-lo fora da facul-”
  • 211. "Tudo o que fazemos é para a faculdade, Evan?" Mamãe diz. "A meninaclaramente não foi sequestrada. Ela pareceu sequestrada para você? Ela estava sedivertindo muito." Eu dou-lhe um olhar agradecido, e ela diz: "Por que você simplesmente nãonos diz o que aconteceu, Jack?" Eu aceno. Eles vão descobrir, de qualquer maneira. "Mas vocês tem quesentar, e vocês têm que acreditar em mim." Pai reclama sobre não ter certeza de que ele pode acreditar em mim sobrequalquer coisa agora, mas minha mãe faz gestos para ele se sentar. Eu coloco para foratoda a história de Talia e de mim, e como nos conhecemos, e como escapamos. Nofinal, ele diz: "Isso é impossível." "Eu não iria acreditar em mim, também, se eu não tivesse estado lá e vistocom meus próprios olhos. Mas é verdade. Havia um castelo e um rei e uma rainha, eTravis queria experimentar as coroas, e lá estava a princesa. Era Talia. "Não é que não confie em você, Jack", diz minha mãe. "É apenas que pareceassim-" "Olhe!" Eu prendo o jornal. "Esta imagem que eles colocaram dela. Não é umafoto. Eles não têm fotos lá. É uma pintura a óleo. E olha que ela está vestindo.” Eu aponto. No retrato, Talia está usando uma coroa. "Ei," diz Meryl. "Aqui está a história outra vez." O Canal seis está passando a entrevista de ontem à noite, porém o repórterestá dizendo, "O homem, louco de dor, está dizendo que ele vem de outro mundo,outra vez." E lá está o pai de Talia. Ele está sem a coroa, mas fora isso, ele parece muitobonito, como o Grande Rei de novo, especialmente em sua túnica. É de um materialvermelho e dourado que se usa apenas em imagens da realeza. Viro-me para o meu pai. "Não são muitos os caras que você vê sair vestidoassim? Eu estou lhe dizendo, ele é um rei. Quando Talia e eu o vimos na reportagem danoite passada-" "Na noite passada?" Mamãe diz. "Você viu a reportagem na noite passada?" "Oh-oh,” diz Meryl.
  • 212. "Você sabia sobre isso ontem à noite, e você não fez nada?" Exige papai. "Jack,eu sabia que você era irresponsável, mas-" "Eu não sou irresponsável, não desta vez. Talia queria ligar para seu pai, e euconcordei que ela devia. Mas eu estava com medo, também. Eu estava preocupado seeles iriam pensar ma mesma forma como você pensou, que eu a raptei ou algo assim.Então, eu queria esperar até que você estivesse aqui a perguntar o que fazer.” "Você queria o quê?" "Eu acho que isso soa ridículo agora, não fazendo a coisa certa, mas você ouveo tempo todo sobre adolescentes sendo interrogados pela polícia sem pais lá e atémesmo confessando coisas que não fizeram apenas porque a polícia acha que eles sãoculpados, e eu não sei, eu apenas pensei que talvez você soubesse a coisa certa a fazer.Você costumava saber. Então eu disse Talia que deveríamos esperar." "Você pensou que eu poderia ajudá-lo? Bem, isso é... alguma coisa." Papaiolha surpreso, e pela primeira vez desde que me levantei esta manhã, talvez pelaprimeira vez em um ano, essa linha que fica entre as sobrancelhas quando ele estáfalando comigo desaparece. Ele olha para a televisão, onde, mais uma vez, o Rei Luísestá chorando. As linhas retornam. "Mas agora, acredito que devemos ligar e reunireste homem com sua filha." Mamãe acena. "Por que você não vai chamar Talia? Eu começo a ir para a sala de estudo. Estou surpreso por Talia ainda não estaracordada, considerando que ela estava sempre de pé para comer panquecas horasantes de mim todos os dias. Mas talvez, como eu, ela está tentando adiar a ligaçãopara o pai pelo maior tempo possível. Talvez ela não queira ir. Eu bato na porta da sala de estudo. "Talia? Nenhuma resposta. Eu bato mais forte. "Talia? Acorda, dorminhoca!" Nada. "Talia? Nada. "Talia? Eu tento a porta. Trancada. Por que trancada? Ela não trancava. Eu nemmesmo tenho certeza se ela sabe como usar a trava. Bati na porta, gritando, "Talia!Talia! Talia!" Nada. Nada. Nada!
  • 213. Ela desmaiou ontem. E se isso aconteceu de novo? Ou ela engasgou?Desmaiou? "Talia!" Finalmente, mamãe aparece com um grampo de cabelo. Nós levantamos atrava, e eu abri a porta. A sala está vazia.
  • 214. Capítulo 30: Talia Eu estou na escuridão. Não é como dormir, mas como estar dentro de umcaixão, longe de todo mundo, de tudo, fechada com nenhuma luz em lugar nenhum. Era assim quando eu dormi antes? Eu estou dormindo de novo? Não. Eu estou certa que não havia sonhos no meu sono de trezentos anos.Mas houve visitantes? As fadas me checaram ou a Malvolia checou por si mesma? Elasme viram? Na escuridão, parada e com nada, eu retorno a dormir.
  • 215. Capítulo 31: Jack "Ela deve ter saído," diz a minha mãe. "Ela provavelmente estava ansiosa parafalar com seu pai, e ela trancou a porta para impedi-lo de descobrir que ela tinha idoembora." "Ela não faria isso, e ela iria me dizer se fosse fazer isso." Mas eu me perguntose isso é verdade. Talia estava ansiosa para ligar para seu pai, e eu a parei porqueestava com medo. Mas talvez ela tenha achado que esperar era tão ruim que ela saiufurtivamente e encontrou um telefone público. Afinal, ela já fugiu uma vez. Eu ouço meu celular tocando no meu quarto. Penso que é Talia, e saiocorrendo pela porta. “Talia?” "Cara, você está em uma grande encrenca." Travis! Travis, ligando a Europa. "Onde está você? Sabe alguma coisa sobre a Talia? "Eu sei que o King Kong e seus capangas me seguiram com a excursão, e elesestão tentando me torturar para obter informações. Eu continuo dizendo que eu nãosei de nada. Eles finalmente me deixaram usar o meu telefone, então eu estou teligando. Você tem que fazer ela ligar para casa." “Ela não está aqui.” "Ela não foi com você?" "Não. Você está com os pais dela?" “Eu estou com o pai dela, em Bruxelas. Tem sido um super barril de risadas,deixe-me te dizer." "Desculpe. Ela não ligou para aí? Isso tem sido tudo o que se fala nasemissoras de televisão aqui." "Aqui, também. Todos pensam que ela está com você, mas eles não sabemquem você é. Continuam te chamando de "jovem norte-americano".
  • 216. Minha irmã Meryl entra. Ela está carregando algo em sua mão, duas coisas. Aprimeira é a caixa de joias de Talia. Sua caixa de joias! Ela nunca iria sair sem isso,então ela deve estar voltando. Eu não posso ver o que o outro objeto é, na parte superior da caixa. Eu andopara mais perto. “Jack? Jack, você está ai?” “Sim, estou aqui. Ela não está comigo, Trav, verdade.” Eu paro em frente na Meryl agora. Eu pego o objeto no topo da caixa. É longoe fino e parece ter centenas de anos, e mesmo que eu nunca tenha visto um antes, eusei exatamente o que é. É um fuso. "Eu tenho que ir, Trav. Eu te ligo mais tarde." Eu fechei o telefone. "O que é isso?" Meryl exige. "Ela não ligou para casa," eu digo. Agora mamãe se juntou a Meryl na cozinha."Eu acho que ela foi raptada.” "Raptada?" Mamãe diz. "É impossível. Olhei pela janela na sala, e não estãoquebradas. Elas nem sequer foram desbloqueadas. E nós temos alarmes nas portas." "Uma bruxa não precisa quebrar uma janela ou se ela o fez, ela poderiaconsertá-la." "Uma bruxa?" diz Meryl. Eu aceno, confirmando. "Seu pai e seus capangas não serão capaz deencontrá-la. Temos que ir para Euphrasia."
  • 217. Capítulo 32: Talia Quando eu acordo de novo, é de dia, e eu estou sozinha. Eu sinto o colchãoem baixo de mim. Não é feito de borracha nem de ar. Enquanto eu corro minha mãopela superfície pobre (porque não há nenhum lençol), eu sinto uma pequena, doraguda. Uma pena! O colchão é feito de peninhas! Eu olho pela janela. Primeiro, tudo que eu vejo é um céu azul e uma grandecastanheira fazendo sombra na grama. Então meus olhos ficam acostumados com aluz, e eu reconheço as formas — um arbusto sagrado, a palha do telhado de umacabana penduradas, e abaixo à distancia, a torre de um castelo. Eu estou em casa! Eu estou em Euphrasia!
  • 218. Capítulo 33: Jack "Eufrásia?" Minha mãe diz. Nós estamos de volta da cozinha, falando commeu pai. "É de onde ela vem. Seu país." Lembro-me das palavras de Talia: Ela me levoupara sua casa de campo na colina mais alta de Euphrasia, onde eu costumava fazer umpiquenique com Senhora Brooke. "Mas não há nenhuma maneira de ela poder ter voltado para a Europa," diz amãe. "Ela não poderia ter pegado um voo tão tarde, mesmo se ela tivesse saído nosegundo que você foi dormir." Meus pais ainda não estão acreditando que na coisa de princesa encantada."Eu sei. Eu sei que soa louco. Mas eu não estou dizendo que ela tomou uma linhaaérea comercial." "O que você está dizendo, filho?" Meu pai perguntou. Eu me sinto completamente idiota dizendo o que eu estou pensando. Éestúpido pensar que Malvolia a levou por algum portal para Euphrasia. É mais do queestúpido - é uma loucura. Mas isso é sobre uma princesa que dorme durante trezentos anos apenas paraser despertada por um idiota como eu. Coisas loucas acontecem. Apenas não é assim com o meu pai. Ainda assim, eu tenho que tentar e fazê-lo entender. "Ela disse que a bruxa estava levando-a para Euphrasia, ontem, quandodesmaiou em Fairchild. Eu pensei que ela estava louca. Eu disse isso a ela. Mas agoraela se foi. Ela se foi, e é minha culpa por não acreditar nela." "Jack..." Minha mãe esfrega meu ombro. "Nós podemos olhar em torno davizinhança. Ela não pode ter ido muito longe sem um carro. Mas se não encontrá-la, euacho que você tem que aceitar que ela fugiu de novo." "Ela não fugiu," eu digo. "Ela não iria fugir, e ela especialmente não iria fugir edeixar isso." Eu aponto na direção do fuso. "E todas as joias dela, também." "Ei, aqui está o que eu estava procurando," diz Meryl em frente aocomputador. Ela aponta para um artigo da Wikipédia que ela está lendo.
  • 219. "Não agora, Meryl," diz meu pai. Ele pegou um dos colares de tália e estáanalisando-o. "Não, escute de uma vez!" Ela lê, "‘Carlo Maratti foi chamado de ridículo nofinal de sua vida por afirmar ter sido o mestre de arte da princesa Talia em Euphrasia,um país inexistente. E então, um dia, ele perdeu a memória completamente. Esse erao mestre da arte de Talia." "Eu não entendo," diz o pai. Ele levanta uma safira para a luz. "Então, Carlo Maratti morreu em 1713. Jack estava dizendo a verdade, papai.Ela é realmente do século dezessete. Ela é realmente uma princesa, também! Se vocêtivesse falado com ela, você saberia que é verdade." Papai olha para a tela do computador, então para o colar. "Dana, talvezdevêssemos ouvir o menino." "O quê?", eu digo. "O quê?" Minha mãe repete. "Ele parece muito seguro de si e, além disso, eu não me importaria de ver olugar." "Que lugar?" Mãe pergunta. "Euphrasia. Soa fascinante." "Então você realmente acredita em mim?" Eu esqueço por um segundo comoeu estou chateado por Talia. Estou contente por meu pai não saber como a Wikipédiafunciona, que qualquer um pode simplesmente adicionar coisas, que Meryl poderia tercolocado essas frases no artigo. "Você acredita no que você está dizendo, não é?" Papai pergunta. Eu afirmo. "Talia me disse que Malvolia iria levá-la para uma casa na colinamais alta em Euphrasia". "Mas por que nós não podemos simplesmente ligar para seus pais e dizer-lhespara verificar lá?" Mãe pergunta. Eu penso no colchão de ar vazio, o travesseiro com o apoio de cabeça de Talia.O fuso. "Porque eu preciso estar lá para salvá-la."
  • 220. Capítulo34: Talia “O que você quer de mim?” As palavras são um choro para o quarto, paraninguém, para Malvolia, quem eu sei que está lá fora em algum lugar, assombrandocomo um morcego preto. Mas não há nenhuma reposta. Ela já se foi? Ela iria me trazer aqui, todo o caminho para Euphrasia, esimplesmente me deixar aqui, livre para ir e vir como eu desejar? É impossível. É muitosimples. E ainda eu não escuto nenhum sinal de Malvalia. Na verdade o quarto estáperfeitamente silencioso, silencioso apenas como os quartos de Euphrasia são. Quartosamericanos sempre tinham barulho, o retumbar da televisão, ou mesmo na mortameia noite, pequenos sons, como o tique-taque de um relógio, o zumbido de umcomputador, ou o constante barulho do ar condicionado. Não há ar condicionado nessa cabana, a cabana de Malvolia, mas no entanto éfrio, porque é no alto das Colinas de Euphrasia e é sombreada por um castanheiro. Eurespiro o ar fresco, o ar de Euphrasia que não foi processado ou filtrado de nenhumjeito. Tem o cheiro da minha infância, e eu suspiro enquanto eu lembro a minha mãe emeu pai. Depois do suspiro é o verdadeiro silêncio Euphrasiano. A cabana pode estarvazia? Eu posso ter uma chance de andar por ai? O que eu teria a perder? E a cabana é pequena. Certamente, se ela estivesse aespreita eu a escutaria. Ela me escutaria. Eu levanto. Eu ainda estou vestida como ontem a noite, em um par de calças azuis paradormir e uma camiseta. Meu pés estão descalços, e eu piso suavemente no chão deMadeira sem polimento. Eu vou na pontas dos pés até a porta, que tem uma janelanela, então paro em frente daquela janela, olhando para fora. Ninguém à vista, nemmesmo um garoto pastor com seu rebanho. Eu vou sair. Eu vou para minha família. Eu olho atrás de mim. Ninguém. Eu abro a porta. “Indo para algum lugar, Princesa?”
  • 221. Capítulo35: Jack Mesmo que eu diga que não é necessário, mamãe insiste que nós deveríamosdirigir ao redor do bairro, à procura de Talia. Nós nem sequer olhamos nas estações deônibus Trailways* mais próximas e perguntamos se eles a viram. "Eu nem sabia queexistia uma estação de ônibus Trailways," eu digo a minha mãe. "Quais são as chancesde que Talia iria encontrá-la?" Mas mamãe diz que não devemos deixar pedra sobrepedra. *Trailways é um sistema de transporte interligado de várias companhias. Seriacomo uma rodoviária. Então, quando nós finalmente viramos todas as pedras (e não encontramosTalia), nós voltamos para casa e fomos para a internet para comprar uma passagem deavião. "Compre duas," disse meu pai. "Duas?" "Uma para mim, uma para você." Eu ouvi meu pai antes, quando ele disse que queria ver Euphrasia, mas eu nãotinha pensado que ele estava falando sério. O pensamento em mais de dez horas noavião com o pai não faz isso por mim. "Você não tem trabalho ou algo assim?" Eu pergunto-lhe. Ele sempre tem quetrabalhar. Ele dá de ombros. "Eu posso mudar algumas coisas." "Mas eu posso ir sozinho. Eu fui sozinho antes." "A última vez que você foi a uma viagem sozinho," minha querida irmã diz,"você fugiu para longe do grupo da excursão, foi para um país inexistente, esequestrou a herdeira do trono. Por isso, compreensivelmente, meu pai estápreocupado com o que vai acontecer se ele te enviar de volta." "Cale-se," eu digo. "Não é isso," diz meu pai. "O que é então?"
  • 222. Papai pensa um minuto. "Eu quero ver essa Euphrasia. Além disso, se érealmente como você diz, com bruxas e maldições e sequestros, isso pode serperigoso. Se essa Malvolia está realmente conspirando contra Talia por trezentos anos,ela não vai desistir facilmente.” Wow. Ele realemente ouviu e acreditou em mim. "Tudo bem. Então eu acho que devemos ir." E é assim que eu começo a gastar as próximas vinte e quatro horas a sós commeu pai, voando para Bruxelas e depois em direção a Euphrasia.
  • 223. Capítulo36: Talia Capturada! Eu sinto os dedos gelados de Malvolia sobre meu braço nu. “Indo para algum lugar?” ela diz. “Somente para casa. Eu lhe agradeço por gentilmente me trazer tão longe.” “Eu acho que não.” Com a garra dela, ela me gira, então me leva para oquarto. “Que roupa... interessante,” ela diz, os olhos pretos dela escaneando meupijama. “Você não pode ir para casa assim. É dificilmente o que uma pessoa esperariade uma princesa.” “Você vai me torturar? Me acorrentar na parede?” Então eu percebo que euposso meramente estar dando ideias que ela ainda não tinha considerado. Então eufico quieta. “Não, Princesa. Você não fez nada de mal pra mim.” “Então você vai me deixar ir embora?” Ela balança a cabeça dela. “É para o seu pai que eu procuro vingança. Você foimeramente um peão.” Eu, que tinha estudado o jogo xadrez, sei que não é uma boa coisa ser umpeão. Peões são eliminados rapidamente enquanto reis e rainha ficavam para lutar nabatalha. “Então você planeja… me matar? Mas certamente isso não é necessário. Meupai me adora, e ele vai pagar qualquer coisa que você deseje para meu retorno emsegurança.” “Qualquer coisa que eu deseje?” Malvolia olha para o espaço, considerando.“O que eu desejo é ver seu pai miserável e de coração partido, como ele me fezcomigo.” Ela me leva para uma mesa feita para costurar. Pedaços de tecidos estão emtodo lugar, e eu percebo que ele foram feitos para ser pedaços de um vestido, umvestido da cor exata dos meus olhos. O vestido não está terminado, partes nãocosturadas, botões ao lado dele na mesa.
  • 224. “Nós vamos fazer um bonito vestido para você, Princesa. Isso é a coisa maisimportante para você, não é? Ter o vestido mais bonito? Agora, você deve costurarvocê mesma. E então eu vou entregá-lo para o seu pai, enrolado no seu corpo morto.” “Meu corpo morto!” “Vingança não é uma coisa bonita, Princesa.” Ela não quer só me matar, mas primeiro me usar para costurar a minhaprópria mortalha. Eu olho dentro dos olhos pretos da velha mulher e vejo algo que eununca tinha visto antes: ódio. Isso é o que minha mãe e meu pai me esconderamantes, me protegeram. Eu percebo muito tarde que meu pai e minha mãe estavam certos. Elesestavam certos, e eu nunca vou ser capaz de falar isso para eles. Eu nunca mais vou verou falar com eles de novo. No lado de fora da janela estão as colinas verdes de Euphrasia. Eu nunca ireipara casa. Não. Isso é impossível! É impossível que tenha vivido trezentos anos apenaspara morrer dessa maneira. Talvez fosse o meu destino - minha vida acabar dessejeito, mas eu devo aceitar esse destino? “Não foi o suficiente me fazer dormir por trezentos anos?” Eu pergunto.“Você não pode se considerar vingada e me deixar ir?” “Venha agora princesa.” A voz de Malvolia era como pedra sob as rodas deuma carruagem. “É a hora de costurar seu adorável vestido.” Por que eu deveria costurar? Eu quero perguntar para ela. Por que deveria eu,uma princesa, destinada a virar uma rainha, costurar um vestido para mim mesma sópara que eu possa ser morta? Mas então eu olho para o vestido. São pedaços, apenas pedaços, o quedeveria levar dias, talvez uma semana, para mesmo uma costureira habilidosacosturar. Eu nunca costurei nada na minha vida, e se minha habilidade em pintura éalguma indicação, às minhas mãos faltam destreza. Vai levar um longo tempo — longoo suficiente para alguém me resgatar? Jack. Eu não ouso esperar que Jack... e ainda, eu disse para ele a exatalocalização da cabana da Malvolia. Claro, ele achou que eu era uma tonta naquelahora, mas agora talvez ele se lembre. Talvez ele venha aqui a tempo de me resgatarantes que Malvolia...
  • 225. “Hora de costurar,” a bruxa repete. “Eu não sei como costurar,” eu digo, doce como uma torta para essa velhasenhora que iria me matar. “Você vai precisar me ensinar.” "Era a minha intenção." "Mas, por favor..." Lembro-me da história de Sherazade, em Mil e Uma Noites(que Senhora Brooke tentou me impedir de ler), que evitou sua morte noite após noitepor continuar sua narração até que o seu captor mudou de ideia. "Posso tomar caféprimeiro? Vou costurar melhor com o estômago cheio." Os olhos da velha mulher me avaliam, tentando pegar uma mentira. Mas,finalmente, ela diz, "Você parece magra, Sua Alteza. Vou fazer um café da manhã paravocê. Você pode arrumar a mesa." Eu olho pela janela novamente. Não há ninguém à distância, sem chance deresgate. Nenhuma chance a não ser por Jack.
  • 226. Capítulo 37: Jack Depois que reservamos as passagens de avião, eu ligo para Travis e peço-lheque diga ao pai de Talia para olhar a colina mais alta de Euphrasia, onde Talia e aSenhora Brooke costumavam ir para piqueniques. Ele diz que vai falar com eles. “Mas…” Eu digo. “O quê?” “Seja cuidadoso, ok, quando você for lá. Talia estava realmente com medodessa mulher Malvolia. Ela pode ser perigosa.” “O que ela pode ter — um rifle?” “Pior,” eu digo. “Ela tem poderes mágicos.” Em toda a preparação, eu tento não pensar no fato de que Talia se foi, que euposso nunca mais vê-la, que ela pode estar morta, que se eu tivesse escutado-a daprimeira vez, eu talvez fosse capaz de impedir isso. Mas eu terei muito tempo para pensar sobre isso no avião. Eu me pergunto quantas vezes em minha vida eu tinha sido capaz de impediralgo, mudar algo, fazer algo diferente, se eu tivesse ouvido alguém. Eu não sei, masquando isso acabar, eu vou tentar ouvir muito mais. Eu gasto cerca de três horas sentado no assento do avião (uma das coisas boasde ir com meu pai — ele pulou para a primeira classe), ouvindo o meu iPod econtemplando a vida. Isso é muita contemplação para mim, mas eu não consigodormir. Eu estou muito preocupado com Talia. Eu gostaria de usar o meu telefone eligar para Travis. Eu me pergunto se ele realmente interfere no sinal do avião. Mas,seria uma droga se o avião caísse, e se Travis voltou para Euphrasia, seu telefone nãofunciona, de toda maneira. Papai está sentado fazendo algum trabalho, sem prestar atenção em mim,que é o que eu estou acostumado, de qualquer forma. Então eu pego o projeto dojardim e começo a trabalhar nele. Mas mesmo assim eu não consigo me concentrar,por que quando eu tento decidir quais os tipos de flores que crescem em volta dasárvores de em frente ao castelo, isso me faz pensar em Euphrasia e na colina. Ondeserá que fica? E Talia está realmente lá?
  • 227. Papai bate em meu ombro. “O que é isso em que você está trabalhando?” “Hum?” instintivamente, eu cubro o desenho com a manga do meu moletom. “Isso.” Ele aponta. “O que é isso?” “Oh.” Eu tento parecer normal. “Dever de casa. Matemática.” Essa é a melhormaneira de se livrar de seus pais, que eu encontrei. Eles nunca querem ficar presoscom você ajudando com matemática. “Nas férias?” Estúpido. “Eu tentando adiantar. ” Ele deveria gostar dessa. Ele concorda. “Isso não separece com matemática. Isso parece mais com um desenho de alguma coisa.” “Geometria. Eles nos fazem desenhar mapas e planos.” Eu tive geometria na nona série, mas eu duvido que o meu Pai se lembredisso. “Eu pensei que você tivesse tido geometria na nona série.” Fui pego. “Eh, mas no próximo ano eu vou ter trigonometria, e tem um montede geometria nisso, por isso você tem que recordar —” “Você teve trigonometria no ano passado,” disse papai. “Deixa para lá.” Elevoltou para o seu trabalho. Eu tentei voltar para o meu, mas agora eu me sinto mal por Talia e mal pordeixar o meu pai de fora. Eu apenas pensei que ele iria achar isso estúpido. De fato, eusei que ele iria. Ele já disse que jardinagem era estúpido. Mas, por outro lado, eureclamo tanto por meu pai me deixar de lado. E ele parecia feliz quando eu disse queeu estava esperando por um conselho seu. E eu estou surpreso por ele saber tantosobre as matérias que eu já tive. Eu começo a virar o papel em direção a ele, para lhe mostrar, então eu mudode ideia. Eu não posso lhe dar a chance de dizer que é estúpido. Ele está finalmentecomeçando a acreditar em mim sobre essas coisas, de me tratar como se eu não fosseapenas algum idiota preguiçoso. Mas se eu começar a falar sobre jardinagem de novo,eu poderia estragar tudo. Eu continuo trabalhando até eles apagarem as luzes. Eu poderia ligar a luzsobre a minha cabeça, mas eu decidi que deveria ao menos tentar dormir assim eu vou
  • 228. estar descansado para amanhã. Eu me pergunto o que Talia está fazendo agora.
  • 229. Capítulo 38: Talia A velha mulher me fez café da manhã. Eu imagino primeiro, se eu deveriacomer isso, mas então eu percebo que se ela desejasse me matar agora, ela nãoprecisaria me envenenar. Na verdade, ela poderia facilmente já ter me matado. Depois do café da manhã, eu vagueio, limpando as louças, olhando pela janelapara a castanheira. Eu poderia escalá-la, ser livre mais uma vez. Malvolia se aproximade mim. “Eu deveria saber que não deveria esperar muito trabalho de você.” Considerando que ela pretende me matar, isso apenas parece razoável. Maseu termino com as louças, e então Malvolia começar a tarefa de me ensinar a costurar. O café da manhã foi uma refeição silenciosa, mas depois, enquanto estamossentando juntas na mesa, me ocorre que eu deveria usar as habilidades diplomáticasque foram trabalhadas por anos. Depois de tudo, talvez se eu falasse com ela, elacomeçasse a gostar de mim, ao invés de me ver meramente como uma extensãomimada do meu odiado pai. Então ela pudesse ficar com menas vontade de me matar.Pelo menos, vale a pena uma tentativa. “Você costura extremamente bem,” eu digo enquanto ela me mostra comoencaixar os pedaços juntos. “Eu não estou costurando, Princesa. Você está.” “Não, mas eu queria dizer os vestidos que você fez pra mim naquele dia.Talvez você não se lembre disso, porque foi há trezentos anos, mas eles eram os maisadoráveis que eu já tinha visto. Eles foram feitos com mágica?” Ela balança a cabeça dela. “Não. Mágica pode costurar vestido, mas ela nãopode fazer o design de um. Para fazer um vestido bonito, a pessoa precisa dehabilidade, não meramente arte.” Há uma dica inconfundível de orgulho na voz dela. “Bem, você certamente tem habilidade.” Eu consegui colocar a linha na agulhae agora eu estou tentando fazer um nó na linha. “Eu tenho nenhuma.” “Eu era uma costureira, antes que seu pai me destruiu.” “Meu pai?” “Oh, droga!” A velha mulher olha passando por mim para a janela. “Como elesme encontraram?”
  • 230. Eu viro, olhando para o que ela está falando. Primeiro, eu não vejo nada.Então, longe na distancia, eu espio um homem em um cavalo, então outro. Eureconheço a forma do mais largo. É Pleasant, um dos guardas do castelo, o bêbado quevigiou Jack aquela noite no calabouço. Eles se dirigem para a cabana. Eu estou salva! Euestou salva! “Eles estão vindo por mim!” Eu choro. “Silêncio!” E então, quando eu tento falar algo de novo, eu percebo que eu não posso.Minha boca não vai fazer nenhum som. “E fique parada.” Tão logo ela fala, eu não posso me mover. “Muito melhor.Eu não sei como eles me acharam. O local tem sido secreto desde antes o seunascimento. Mas eles não devem me impedir.” Eu sei como eles descobriram. Jack! Jack acreditou em mim, e ele lembrou —a colina mais alta de Euphrasia. Jack tinha contatado meu pai de algum jeito. Eles estãovindo por mim. Mas eles não vão me achar, porque a velha mulher está agora, com umasurpreendente força para alguém com mais de quinhentos anos, levando meu corpoduro pela sala. Ela chuta de lado um tapete de pano, e eu vejo um alçapão sob ele. Elaabre a porta, e começa a me puxar para baixo pelas escadas do porão. A escadaria élonga e íngreme, e eu tenho medo que possa ter ratos no final dela. Eu suponho que eudeveria estar feliz que Malvolia pelo menos me carrega pelo braço, e minha cabeçanão bate contra cada degrau. Mas esse conforto é pequeno quando o resgate está tãoperto. Finalmente, nós alcançamos o fim das escadas. Está muito escuro, e Malvoliame carrega para o canto, jogando um cobertor sobre minha forma imóvel. “Descanse, Princesa,” ela diz. Os passos dela se movem para longe, mas eu não podia vê-la. Eu posso ver umpouco através de um buraco no cobertor, e só quando ela alcança o topo que eu espioo rosto dela. Ela tinha mudado para outra pessoa, não Malvolia, não a velha coisa quemostrou os vestidos no castelo aquele dia, também, mas uma velha dama totalmentediferente, uma que perece doce e gentil, uma que eu nunca vi antes. Ela fecha o alçapão, e eu sou deixada na escuridão.
  • 231. Eu escuto Malvolia andando em volta no andar de cima, talvez puxando otapete sobre o alçapão ou talvez, mesmo encantando a porta. Então há silêncio eescuridão e nada. Eu luto para me mover, luto para falar, mas não há nenhum jeito.Finalmente, eu paro. Eu vou ficar desse jeito para sempre? Ela vai remover o feitiçodepois que eles forem embora? E o que isso importa, se ela quer me matar, dequalquer jeito? Em cima, eu escuto os dois homens entrarem. “Nós temos que procurar pela casa.” Eu reconheço a voz de Pleasant. “Oh, Deus!” Uma voz estridente de uma velha senhora. “Vocês devem? Estoucom medo que eu não tenha limpado muito bem.” “Ordens do Rei,” outra voz — o guarda do meu pai, Cuthbert, que não éconhecido por sua sagacidade — diz. “Não levaremos um minuto, madame.” “Ah, Deus. Posso pegar uma xícara de chá para vocês, cavalheiros?” “Não, madame. Nós vamos apenas olhar em volta.” Eu escuto os dois imbecis desajeitados andando, virando as coisas, e tudo queeu posso fazer é esperar — apenas esperar — que eles vejam o alçapão. “Isso é sobre o que, então?” Malvolia pergunta. “A filha do rei,” Cuthbert diz. “A bonita com uma maldição sobre ela? Como ela está?” “Ela desapareceu, madame. O rei acredita que foi algo feito pela bruxaMalvolia.” Malvolia ri. “Eu pareço com a bruxa Malvolia, então? Se eu fosse uma bruxa,eu seria capaz de me livrar desse reumatismo.” Cuthbert ri, também. “Ordens do rei. Existe uma adega aqui?” “Não. É uma cabana pequena, e eu quase não posso mantê-la.” “Nós devemos olhar em volta, entretanto. O rei exige isso.” Eu os escuto andando na direção da porta. Eu estou salva! Eu estou salva —embora possivelmente uma muda paralítica para o resto da minha vida.
  • 232. “Vocês parecem secos,” Malvolia diz. “Você não se importariam por um golede vinho do porto?” “Nós não deveríamos,” Cuthbert diz, que está é claramente o detentor dopensamento dos dois. “Não deveríamos, idiota,” Pleasant diz. “Foi uma longa cavalgada e um diaquente—e uma insensatez se você me perguntar. Não há nada aqui.” “Verdade.” Malvolia diz. “Nada a não ser uma velha dama oferecendo umbom gole de vinho do porto. Por favor, se juntem a mim, porque eu odeio bebersozinha." Algo — uma mosca ou mesmo pior — rasteja pela minha bochecha sob ocobertor. Eu desejo gritar, me agitar, mas eu não posso fazer nada. É como se eu jáestivesse morta, e larvas estão mastigando sobre meu rosto. “Ah, nós deveríamos beber um pouco,” Pleasant continua. “Não há nada parabeber no castelo.” Os mortos podem escutar os vivos? Eu imagino. E, se sim, seria um confortoou uma maldição? “Verdade,” Cuthbert diz. Então eu ouço o tilintar de uma garrafa e copo e a raspagem das cadeiras. “Você sabia,” Malvolia diz, “que Malvolia trabalhou no castelo uma vez?” “Sério?” Pleasant diz. “Eu acho que me lembro de escutar algo sobre isso,” Cuthbert diz. “Ela erauma costureira. Isso foi antes desse negócio todo de fuso.” Malvolia era empregada no castelo? Que estranho. E mais estranho ainda quemeu pai nunca mencionou isso para mim. A mosca saiu do meu nariz e pousou na minha mão. Não, são duas moscasdiferentes. “Você quer mais?” Malvolia pergunta. “Você é muito generosa, madame.” “Nada. Eu sou agradecida a vocês que estão ai fora, protegendo todos nós.”
  • 233. Eu escuto o tilintar de vidro de novo. Eu sei como vai ser. O vinho seráderramado e a garrafa drenada, e os guardas vão embora, dizendo que não viramnada. Eles não vão voltar. E eu — eu devo gastar o resto dos meus dias (os poucos querestam) costurando meu vestido e esperando pela morte. Onde está Jack?
  • 234. Capítulo 39: Jack Quando nós chegamos ao aeroporto de Londres, eu ligo para Travis, que tinhapassado a noite fora, em Euphrasia a fim de nos encontrar quando chegássemos lá. “Será que eles a encontraram?” Eu pergunto. “Foi lá que ela me disse queseria?” “Não, cara. Eles enviaram dois caras lá para cima, mas eles disseram que tudoo que eles encontraram foi uma velha senhora.” Então Talia estava errada. Eu não tinha pensado nisso. “Talvez fosse outra colina, outra casa.” “Eles estão verificando cada cabana na colina, mas deixe eu te dizer, não é umgrupo de investigadores.” Eu me lembro como foi fácil fugir do calabouço e levar Talia comigo. “Achoque não. Eles têm que checar cada cabana no reino.” Quando eu desligo o telefone, meu pai diz, “Sem sorte?” “Não.” Eu olho para ele, desafiando-o a dizer que foi um desperdício de tempovir aqui. Mas ele apenas diz, “Eles vão embarcar em poucos minutos. É melhor pegar asnossas coisas juntos.” Eu faço, e quando estou sentado no voo de Londres para Bruxelas, eu pensoem uma coisa: se Malvolia é uma bruxa, ela provavelmente pode se disfarçar.
  • 235. Capítulo 40: Talia Passaram vinte minutos desde que Cuthbert e Pleasant tropeçaram para forada cabana, antes que Malvolia me liberasse do porão e dos feitiços dela. Eu tive vinteminutos, portanto, que eu imaginei o que seria de mim. Eu seria assassinadaviciosamente, violentamente, ou meramente seria deixada aqui até morrer de fome? Por uma coisa eu estou agradecida, por Malvolia pretender me entregar parao meu pai. Pelo menos ele vai saber o que aconteceu comigo, que eu não meramentefugi com um jovem homem. Embora, na verdade, eu tenha feito isso. Mas eu não posso me resignar a esse destino. Eu devo retornar para o meupai para fazer a pazes. Se eu não vou ser salva, eu devo persuadir Malvolia a me liberarpor sua própria vontade. Então quando eu sou liberada dos feitiços, eu não reclamo como eu estouinclinada a fazer. Em vez disso, eu simplesmente me estico e digo, “Obrigado, madame,por me liberar. Depois de não me mover por tanto tempo, é maravilhoso poder moverum pé.” Eu dou a ela meu sorriso mais doce. Mas a velha bruxa não está encantada com a minha gratidão. Não, elameramente diz, “Aprecie seus movimentos enquanto você pode. Você não vai termuito disso. Agora, continue com sua costura.” Tanto para que ela me visse como uma pessoa, mas eu começo a costurarcom uma vontade que eu nunca senti por nada parecido a um trabalho na minha vida.Eu amo sentir a seda fria entre meus dedos, e na verdade, aprecio ver isso se tornandoum vestido. Se não fosse pela minha situação, eu iria achar muito satisfatório aprendera costurar, porque eu nunca fiz nada tão útil antes. Isso eu conto para Malvolia, que grunhe, “Eu não estou fazendo isso para oseu entretenimento, mas aprecie se você quiser.” Pelas próximas horas, eu costuro em silêncio, o único som é o ritmo continuoda agulha no tecido. Finalmente, a velha mulher, parecendo feliz com o comprimentodos meus pontos, que eu fiz propositalmente minúsculos, para levar mais tempo, medeixa tomar uma pequena refeição de sopa de feijão. Eu espero que ela não me mandecosturar mais hoje. Eu desejo estender o trabalho o máximo de dias que eu puder.
  • 236. Sobre a refeição, eu olho para o sol de partida e brinco com uma tira de sedano meu colo. Eu roubei das sobras porque eu amo a sensação da seda. “Essa é umaexcelente sopa,” eu digo. Eu como lentamente, um feijão por vez. “Claramente não é o que você está acostumada no castelo,” ela late. “Com certeza, não. Senhor Pyrtle, o cozinheiro, não era nenhum artista comsopas. Muito salgado. Mas você deve lembrar disso?” Nenhuma resposta. Eu tento de novo. “Eu escutei você falando para os homens que vieram aqui que você trabalhavano castelo. Isso é verdade?” Os olhos pretos de Malvolia se estreitam. “Você sabe que é.” “Eu não sei de nada do tipo. Não me contaram nada.” “Verdade?” Ela pensa sobre isso um pouco, encarando o horizonte. “Não, eunão estou surpresa com isso. Por que seu pai contaria pra você outra coisa se não queeu era má, procurando a sua destruição?” E isso não é a verdade? Mas eu digo, “Na maioria das vezes, nós discutíamos o que eu deveria evitar— fusos — algo que eu não fiz muito bem. Nós discutíamos isso… frequentemente.” Malvolia ri. “A picada com o fuso era inevitável. Com meu feitiço, eu assegureique era. Eu tive muita diversão vendo os esforços patéticos do seu pai para prevenirisso.” Para me proteger. Eu imagino por que, se era tão inevitável, a velha mulher seincomodou em vim para o castelo ela mesma na festa dos meus dezesseis anos, parame presentear como fuso. Ela estava nervosa? Como se ouvindo meus pensamentos, Malvolia diz, “Eu trouxe o fuso eumesma porque eu queria ver que tinha sido feito, então eu fiz isso eu mesma.” Legal. Mas eu digo, “Eu estou feliz por ter me dito que isso era inevitável,porque eu tenho estado me culpando, ou melhor, meu pai tem estado me culpando.” Malvolia ri. “Isso não me surpreende. Olha, ele era sempre alguém paracolocar a culpa em outro lugar.” “O que ele te culpou que você não merecia?” Eu choro. “Você me amaldiçoou.Você me fez dormir por trezentos anos! E agora, quando eu fui acordada, você está
  • 237. criando desculpas, dizendo que a maldição não foi propriamente quebrada, entãoassim você pode me trazer de volta.” Eu não deveria explodir assim. Agora que as palavras quentes saíram, éimpossível trazê-las de volta. “Eu estou falando de antes disso, Princesa, quando eu não era nada a não seruma costureira no castelo, e ele era um rei todo poderoso.” “O que aconteceu?” Pode haver uma razão pela animosidade de Malvolia anão ser meramente não ser convidada para uma festa? “’Não é importante.” Ela faz um gesto na direção da mesa. “Lave as louças, ese você puder fazer sem mais perguntas impertinentes, eu vou deixar você ler paramim ao invés de costurar pela noite. Minha visão é muito pobre para ver os pontos naluz da lua, e eu não confio em suas mãos desajeitadas.” Eu suspeito que a visão dela esteja perfeita. Ainda assim, eu sigo as instruçõesdela, então leio para ela o único livro na casa, a Bíblia, até que a luz diminui e eu nãoposso ver, mesmo com uma vela. Capítulo 41:Jack O voo para Bruxelas durou apenas uma hora. Travis nos encontrou noaeroporto. “Cara!” Eu digo quando o vejo no local dos carros alugados. “Obrigado porvir.” “Não se preocupe, cara. Eu queria sair do castelo antes que o rei resolvesseme jogar no calabouço como se fosse um acessório.” Meu pai termina de alugar o carro e fala para Travis, “Então você acredita emtudo isso, também, no reino e na maldição, e que há uma princesa presa por umabruxa?” Travis balança a cabeça. “Eu sei que isso soa como se estivéssemos fumandoerva, Sr. O’Neill, mas pela honra dos Scout, eu vi isso com os meus próprios olhos. E eutinha que ajudar por que eu me sinto meio que responsável, vendo como nós osacordamos e tudo o mais.”
  • 238. Meu pai concorda. “É importante cumprir com as responsabilidades.” Ele olhapara mim. “Podemos ir?” Eu digo. “Talia poderia estar sendo esfaqueada até a mortecom um fuso exatamente agora.” Eu não estou falando realmente sério quando eu digo isso, mas depois que aspalavras saíram, eu meio que fico. Eu quero ver Talia de novo. Eu quero que ela estejabem. E eu quero que isso seja agora.
  • 239. Capítulo 42: Talia Malvolia não me prendeu ou me colocou sob um feitiço durante a noite. Aoinvés disso, ela encantou as fechaduras das portas e as janelas então eu não possoescapar sem o conhecimento dela. A família de Jack tinha uma invenção similar noséculo vinte e um, um sistema de alarme, era chamado. Quando a manhã chega, eu retorno a costurar. O corpete está quase acabado,só faltam os buracos dos botões. A saia deve ser pouco trabalhosa. Eu espero viveroutra noite. Eu paro para admirar meu trabalho. “Continue,” Malvolia fala. Ela tem estado em um humor particularmenteazedo hoje. “Eu sinto muito. É apenas tão… adorável.” Eu devo tentar de novo continuar aconversa com ela. É minha única esperança de sobrevivência. “Você tem sido gentilcomigo. Se fosse para você me libertar, eu iria falar com o meu pai ao seu favor. Eu iriapersuadi-lo a fazer as pazes... por não convidar você para o meu batizado.” “Seu batizado? Você acredita que tudo isso é por sua causa?” “Isso é o que me contaram, e você não me contou outra coisa. Não é esse ocaso?” Eu faço um ponto pequeno, então pauso, esperando a resposta dela. “Não. Não é.” Ela olha para os pontos, e eu acredito que ela vai me fazer irmais rápido, mas ao invés disso ela diz, “Se eu fosse você, eu não estaria tãodeterminada para ir embora. Seu pai está com raiva pelo que você fez. Você destruiu oreino dele. Na verdade, pode não ser mais um reino, e ele pode não ser um rei. Equanto as perspectivas de casamento, qualquer príncipe que você poderia ter secasado está morto. O que você tem para viver?” Parece que se eu não tivesse nada para viver, me permitir viver seria umpunimento muito pior do que me matar. Mas eu digo, “Eu estou apaixonada.” “Impossível.” Mas a velha senhora se inclina na minha direção. “Por quemvocê poderia estar apaixonada?” “O nome dele é Jack.” Eu abandono minha costura totalmente. “Ele é o garotoque me beijou e me acordou.”
  • 240. “Um plebeu que te acordou sob falsos pretextos. Ele não era seu amorverdadeiro — apenas algum jovem que tropeçou em cima de você e te achou bonita.” “Isso pode ter sido verdade. Mas enquanto o tempo passou, nós nosapaixonamos. Ele era gentil, e ele cuidou de mim.” Malvolia não tentou me silenciar,então eu continuo, contanto para ela sobre Jack, de quando nós fugimos, do avião e afesta e os pais de Jack e, finalmente, do momento que ele disse que me amava. “Vocêestava lá,” eu falo para ela. “Pelo menos, eu acho que vi seu rosto em cima da VitóriaRégia.” “Sim. Eu estava lá. E você diz que você está apaixonada por esse garoto?” “Sim. Eu não estava antes, quando ele me acordou. Mas enquanto eu fuiconhecendo-o melhor, vendo como ele era gentil, não meramente porque eu era umaprincesa, mas porque ele gostava de mim, eu comecei a amá-lo.” O rosto de Malvolia está pensativo. “Verdade. E qual você disse que era onome desse garoto?” “Jack.” A silaba saiu como um soluço, não devido a minha tristeza por não verJack mais, mas por outra razão. “Ele cuidou de mim, e eu tenho medo de que ele sejadestruído se eu morrer. Ele é inocente nisso.” “E ele te ama, também?” Eu aceno. Há algo nos olhos pretos da Malvolia, uma humanidade que eu nãotinha visto antes. Mas então ela diz, “Nós gastamos tempo suficiente. Volte para sua costura.” Eu começo lentamente de novo, admirando a beleza de cada e todos ospontos. Depois de algum tempo, eu digo, “Por favor, Malvolia. Você não vai me contarporque você odeia tanto meu pai? Você pretende me matar. Pelo menos você poderiaexplicar por quê.” “Pelo menos eu poderia fazer nada.” Ela faz um gesto para eu retornar acosturar. “E é melhor você perguntar por que ele me odeia tanto, porque foi com eleque a animosidade começou.” Eu aceno. “Então me conte isso. Meus pais eram muitos inclinados a memanter no escuro, e eu tenho medo que haja muito sobre o que eu não sei.” “Verdade. O que você não sabe iria preencher livros.”
  • 241. Por um longo momento, o único som na sala é a suave seda contra arugosidade das minhas calças de dormir de algodão. Mas finalmente ela diz, “Vocêsabia que sua família teve outro bebê antes de você?” “Isso é mentira!” Eu digo, e eu tenho certeza disso. Não me contaram que euera a única filha dos meus pais? Que eles tinham sonhando em ter um bebê? Que euera a respostas das orações deles — a única resposta? “Verdade, então, eles não te contaram muito. Dois anos antes do seunascimento, seus pais tiveram outro filho, um menino chamado George.” Um menino! E nomeado para o meu avô George. Quão feliz meu pai estariatendo um herdeiro masculino. Ainda, isso não poderia ser verdade. “Eu trabalhava como uma costureira no castelo, como muitas das fadas doreino.” Eu sei que Malvolia é uma bruxa, não uma fada, mas eu escolho nãopressionar esse ponto. Ao invés, eu abaixo minha costura e ouço a história dela. “Como depois do seu próprio nascimento, seus pais planejaram uma festa debatizado também, e eu — como a melhor costureira do reino — fui escolhida parafazer a roupa para a ocasião, um vestido de batizado para o seu irmão, e um vestidopara sua mãe. “O vestido de batizado foi o trabalho por muitas semanas. Foi feito de algodãoimportado do Egito, e a saia tinha mais de um metro. A parte de cima foi franzida ebordada, e a saia foi costurada com centenas de pérolas. “O dia antes do batizado, eu entrei no berçário, então eu poderiaexperimentar no bebê para ter certeza que caberia na sua forma pequena.” Os olhosda velha mulher ficam nebulosos com a memória. “A Senhora Brooke estava com ele,mas ele dormia. Ele parecia tão em paz, deitando sobre o estômago dele, dedão naboca. Senhora Brooke perguntou para mim se eu podia dar uma olhada nele enquantoela ia checar o banho dele. Ela era muito nova e estúpida então, e eu suspeitei que oobjetivo dela tinha mais a ver com flertar com um dos cavalheiros da corte do que como banho do bebê. Ainda assim, eu concordei. No berçário, eu poderia costurar sem aSenhora Brooke me atrapalhando.” Eu sorrio com a ideia da imperiosa senhora Brooke alguma vez sendo umagarota boba. Malvolia não me vê, embora, tão absorta em seu próprio conto. “Além do mais, eu gostava de ver o bebê dormindo,” ela diz. “Ele era bonito.Então ela me deixou lá. O bebê dormia, então eu me empenhei em costurar as pérolas
  • 242. mais e mais para a cauda do traje. Fiquei uma hora, e quando eu costurei o último,Senhora Brooke não tinha retornado, e o bebê ainda não tinha despertado. Irritadacom este desperdício do meu tempo (porque eu ainda tinha o vestido da sua mãe paraterminar), eu me aproximei do berço para verificar o bebê." Lágrimas preenchem os olhos dela, e eu sei o que está vindo, sei por que meuspais nunca falaram do meu irmão. “Eu esperei ver o bebê dormindo pacificamente. Ao invés, eu vi um bebê, azule parado. Morto.” O tecido desliza do meu colo para o chão. “Eu tentei muito revivê-lo, balançando-o, mesmo batendo nas bochechinhasdele. Então, falhando nisso, eu tentei mágica. Foi então que a Senhora Brooke entrouno berçário. Vendo o bebê morto, e eu sobre ele recitando encantos, e talvez commedo de repercussões por deixar o posto dela, ela começou a gritar. Ela gritou tão altoque todos vieram, e quando eles vieram, inventou uma história de como eu tinhacolocado um feitiço sobre ela para removê-la do quarto, o melhor para sufocar o bebê. “Todos que vieram acreditaram nela, porque eu era um ser solitário, nãomuito querida pelos outros. E logo o rei ouviu sobre isso, e na sua dor, ele tinha meremovido do castelo. Ele queria me matar, mas eu era muito inteligente, comconhecimento das minhas centenas de anos de existência. Eu o enganei. Eu deslizeipara o meu domínio, e depois eu me disfarcei para que ele não pudesse me achar.Ainda assim, ele declarou que, cada vez mais, eu deveria ser conhecida como umabruxa e não uma fada, e eu fui banida por um e por todos.” “Mas não foi sua culpa!” eu digo. “Não. Eu amava o bebê. Seria o meu orgulho e a minha felicidade ver umpríncipe vestindo um vestido feito por mim. Mas ninguém queria me escutar, e eu mesenti sortuda por escapar com vida. Daquele momento, eu fui banida como umaassassina de crianças.” Eu me lembro do meu medo com a raiva do pai. Eu toco ombro dela vestidode preto. “Não. Não foi justo.” “Mas eu vou fazer isso justo,” ela diz. “Eu fui acusada de matar umas dascrianças do Rei Louis, quando eu não tinha matado. Se eu matar a outra, vai ser avingança perfeita.” Eu olho para longe, olhos se enchendo com lágrimas. Ela vai me matar. Estátudo acabado. Mas eu não posso deixar isso acontecer. Eu engulo minhas lágrimas e
  • 243. viro para ela. “Boa fada, eu sinto muito pelo seu infortúnio. Meu pai foi, de verdade,errado de te acusar desse jeito. Foi cruel.” A velha mulher acena. “Ah, foi. E é por essa razão que eu devo buscar justiça.” “Mas me matar pela crueldade do meu pai não é justiça. Você não vê isso?”Eu permito as lágrimas correrem pelas minhas bochechas e imploro para ela. “Eu nãosou meu pai. Me matar seria uma injustiça tão grande quanto a injustiça feita comvocê. Por favor, não faça isso.” Eu espero pela resposta dela. Ela começa a falar, então para e olha para baixo.Finalmente, depois de um longo tempo, ela diz, “É melhor você voltar para suacostura.” Eu retorno, desejando que eu pudesse ter uma quantidade de pérolas paracosturar, para prolongar o trabalho. Mas, claro, eu não peço. Não adianta. Nãoadianta.
  • 244. Capítulo 43: Jack Nós entramos em Euphrasia ao meio dia, com papai calçando tênis ecarregando uma mala e um laptop. A cerca está um pouco menor, por isso é mais fácilpassar. Mas eu vejo os olhos de pai ficar maiores quando ele vê o lugar. Está maisparecida com a Colônia de Williamsburg* do que antes. Agora há um monte de gentecom roupas antiquadas, fazendo coisas à moda antiga, como molhar cavalos. Asplantas ainda estão mortas e a tinta ainda está fraca, mas as pessoas estão vivas.*Colônia Williamsburg é um distrito histórico com o objetivo de reconstituir os edifíciosdo período da fundação da cidade da Virgínia. “Eu não tinha acreditado em você,” Papai diz. “Eu pensei que eu estava sendocondescendente com você.” “Eu sei.” “É incrível. Tudo isso... de trezentos anos.” Nós andamos mais até chegarmos perto do castelo. Meu pai está tentandochecar o seu BlackBerry quando eu ouço uma voz gritar. “Lá está ele!” E outra. “Prendam-no!” E logo, duas mãos estavam apertando em volta do meu pescoço, enquantouma outra segurava os meus braços. “Ei!” meu pai grita. “Ei! O que está acontecendo aqui?” “Este é o vilão que tomou a minha filha de mim,” o rei fala. “Fale-me onde elaestá.” Lá vamos nós de novo. “Eu não estou com ela. Por favor! Eu vim para te ajudara procurar por ela.” “Nós já fomos à cabana na colina mais alta. Ela não estava lá.” “Você já foi? Você sabe, é meio difícil falar com esse gorila segurando o meupescoço. Há alguma chance de que ele não precisasse fazer isso?” O rei acena para que o guarda me solte, o que ele faz – lentamente.
  • 245. Eu digo, “Você foi à cabana de Malvolia você mesmo?” “Claro que não. Eu não posso escalar montanhas. Eu tenho escudeiros parafazer isso por mim.” Eu olho para o escudeiro. “Ei, não é você o mesmo cara que estavaprotegendo o calabouço no dia em que eu fugi?” O cara acena timidamente. “Você fez um ótimo trabalho lá. É possível que você tenha perdido algumacoisa quando você foi para a cabana?” “Não. Cuthbert estava comigo, e ele vai dizer que não havia nada naquelacabana. Certo, Cuthbert?” Eles trocaram um olhar. “Certo.” “E você procurou na casa inteira, Pleasant?” o rei perguntou. Pleasant? (Agradável) “Sim, claro,” Pleasant disse. “De cima a baixo?” “Sim,” o menor, Cuthbert, disse. “Até mesmo na adega?” o rei perguntou. “Não, não havia uma adega,” Pleasant disse. “Mas nós olhamos em todos osarmários.” “Eles olharam,” o rei disse. “E agora há outros homens lá fora, visitando cadacasa em Euphrasia. Eu não vou deixar pedra sobre pedra na busca por minha filha.” “Então deixe-me ir, também. Eu quero procurar por Talia. Você poderia enviaresses caras comigo.” Os dois guardas não pareceram muito felizes com a ideia de ir lá outra vez,mas eles não podem dizer exatamente isso, então eles apenas grunem. O rei olha para mim e para Travis, obviamente vendo dois rapazes saldáveis ehábeis que poderiam ajudara a encontrar a sua filha, e diz, “Muito bem. Se existealguma coisa que você possa fazer, eu não vou impedir você. Eu só quero ver Talianovamente. Eu disse...” Ele desvia o olhar. “Eu disse coisas horríveis para ela. Eu não
  • 246. posso continuar vivendo se eu não puder corrigir as coisas. E você...” Ele olha para omeu Pai. “Você vai ficar comigo, como garantia de que ele vai voltar.” E assim, Travis, Cuthbert, Pleasant, e eu fomos procurar por Talia.
  • 247. Capítulo 44: Talia O corpete está terminado, e o design de Malvolia para a saia é muito simples.Vai ser pouco trabalhoso. Minha vida pode acabar amanhã, ou nessa noite. Eu olhopara fora da janela no céu da noite, para as estrelas que são mais brilhantes emEuphrasia do que em qualquer lugar com luz elétrica. Eu tento costurar mais devagar.Uma lágrima cai do meu olho. Eu uso a faixa de seda que eu tenho secretamente naminha cintura para tirá-la. É difícil de acreditar que eu uma vez queria tanto um vestidocomo esse. Agora eu devo ter ele, mas a que preço? “Continue trabalhando,” Malvolia diz. Eu suspiro, então coloco de volta o tecido na linha da cintura das minhascalças para futuras lágrimas. E começo a costurar a saia, usando pontos ainda menores. “Eu decidi algo,” Malvolia diz depois de um tempo. “O que você decidiu?” eu digo, embora eu não ouse esperar que ela tenhadecidido me deixar ir. “Eu decidi não te matar. Não é sua culpa que seu pai foi injusto comigo, nãomais do que a morte do Bebê George foi minha culpa. Seria errado eu te matar.” “Então eu posso ir?” Eu quase derrubo minha agulha com a minha felicidade.“Obrigada!” “Não. Não vai funcionar deixar você ir. Mas eu vou dar para você uma chancede viver.” “Uma chance?” “Você quase completou os termos da minha maldição. Você dormiu trezentosanos, e você foi acordada por um beijo. Mas eu estou menos certa do que você que foium primeiro beijo de amor. Depois de tudo, o jovem homem não queria casar comvocê.” “As pessoas não desejam se casar com dezesseis anos no século vinte e um.” “Ah, isso é verdade,” Malvolia diz. “Nesse século, todos pensam que eles vãoser algo chamado estrela do rock. Mas isso faz mais difícil de dizer, ‘Eles viveram felizespara sempre.’ Então eu decidi fazer um teste.”
  • 248. “Um teste?” “Ai. Eu vou terminar esse vestido, porque você é a costureira mais devagarque eu já encontrei” “Eu fui devagar de propósito, então você não iria me matar!” “...e depois que eu terminar, você vai vesti-lo, e eu vou picar seu dedo comum fuso.” “De novo?” Eu não estou feliz com essa reviravolta dos eventos. “De novo. Você vai dormir, e eu vou colocar um encantamento sobre você quevai ultrapassar o feitiço doente de Flavia. Você vai acordar apenas se beijada por umjovem homem que é verdadeiramente seu amor, verdadeiramente seu destino, umque andaria milhas e enfrentaria testes torturantes para te achar. Se ele te achar, vocêfica livre.” “Mas... Mas os guardas do castelo já estiveram aqui. Você disse para eles queeu não estava aqui dentro. Como ele vai me encontrar?” “Eu disse que era um teste difícil. Um amor verdadeiro iria olhar uma segundavez. Amor verdadeiro não desistiria. Amor verdadeiro não iria aceitar não comoresposta. Ele iria procurar pelo mundo e certamente olhar de novo em todas ascabanas em Euphrasia até ele te achar.” “E se ele não me achar?” “Então você deve dormir para sempre.” Uma segunda lágrima cai sobre a saia verde. Eu amo Jack. Eu amo. Masinvocar a sua vontade parece uma tarefa difícil. “Pare de chorar nesse vestido,” Malvolia late. “Vai manchar.” Então ela pega de mim e começa a costurar. Eu sento bobamente por um momento, chorando, olhando para a árvore logodo lado de fora da janela. É um dia com vento. Eu vou puxar o pedaço de tecido daminha cintura para secar minhas lágrimas. Eu paro. Com licença,” eu digo. “O quê agora?” a velha mulher murmura. “Eu imagino se eu posso talvez ir lá fora.” A velha mulher ri. “E escapar? Não é provável.” Ela continua a costura dela.
  • 249. “Mas eu pensei...” Eu sinto a protuberância do tecido na minha cintura. “Euquero dizer, eu sei que você é uma fada poderosa. Certamente, há algum feitiço quevocê poderia fazer para prevenir minha fuga. É meramente porque eu queria respirar oar fresco de Euphrasia antes de você me colocar para dormir de novo. Pode ser minhaúltima chance.” Malvolia ri alto. “Não tão confiante no seu amor, então?” Eu encolho os ombros. “Eu estou. Mas você fez uma tarefa difícil para ele.” Ela pensa sobre isso por um momento. “Muito bem. Eu suponho que não hánenhum perigo nisso. Mas se você se aventurar depois daqueles pinheiros, vai ser aúltima coisa que você faz.” Eu aceno, olhando para a castanheira, que está mais perto. “Eu apenas desejosentir o ventos nos meus pulmões.” Então, antes que ela possa protestar mais, eu levanto e ando para a porta,esperando que ela não veja a protuberância do pedaço de tecido na minha cintura.
  • 250. Capítulo 45: Jack Eu fui a mais cabanas do que eu jamais imaginei ver na minha vida. Coisaestranha sobre estar em um lugar sem comunicação em massa - de onde eu venho, seuma celebridade for fotografada entrando em um carro com roupa de baixo, todos nomundo ficam sabendo disso em quinze minutos. Mas aqui, as pessoas não sabemcoisas realmente básicas, como: 1. A princesa está desaparecida; 2. Eles estiveram dormindo por trezentos anos; 3. Este é o século XXI. Então temos que continuar a explicar-lhes mais e mais. Devemos ter andadovinte milhas. O sol está se pondo, e não há nenhum sinal de Talia. A estrada meio que acabava em uma colina. "Devemos voltar," diz Pleasant. "Nós podemos procurar mais amanhã." "Nós podemos procurar mais hoje", eu digo. "Não," Cuthbert diz. "Não há casas aqui perto. Levaria uma hora para chegar auma." "Que tal aquela?" Travis apontou para uma cabana solitária no alto da colina. "Nós já estivemos lá. Essa foi a primeira onde olhamos,” diz Pleasant. "Essa é a cabana na colina mais alta?" digo. Sinto um açoite frio de vento emmeu peito. "Sim. Nós tivemos que subir todo o caminho a serviço de um tolo." Eu olho para cima para a casa de campo. Tudo em volta parece coberto devegetação, até mesmo mais coberto do que o resto da Eufrásia. Meus pés doem, e euquero parar de andar tanto quanto o outro cara. Talvez Talia estivesse errada sobre acabana. Afinal, era apenas um sonho que ela teve. Talvez ela nem mesmo esteja emEuphrasia. Talvez eu nunca a veja novamente. "Ok". Começo a voltar, tentando não pensar muito sobre o que significavoltar, que eu estou desistindo. Não, eu não estou desistindo. Veremos mais amanhã.
  • 251. Eu olho para trás para a cabana pela última vez. As árvores estão balançando parafrente e para trás, quase como em um furacão. Algo chama a minha atenção, algo no alto da castanheira não muito longe daporta de cabana. Eu aceno para Travis. "Você vê aquilo?" "O quê?" "Olha," eu digo, "naquela árvore grande." Lembro-me da descrição de Talia sobre a velha senhora no quarto cheio devestidos de verdes. Havia uma senhora, uma velha mulher. Foi ela quem trouxe osvestidos de verdes. A cor dos olhos dela. Finalmente, Travis vê. "Você vê isso?" eu digo. Ele concorda. "Mas isso não quer dizer... É apenas um velho pedaçoesfarrapado...” "Isso significa alguma coisa. Temos que ir lá em cima. "
  • 252. Capítulo 46: Talia Malvolia costura com uma velocidade alarmante. Mas afinal, ela é uma fada— ou uma bruxa, dependendo de para quem você perguntar. Dentro de duas horas, asaia está terminada e atada no corpete. “Vista isso,” ela diz. Deveria? Mas eu não digo isso, porque eu sei que eu devo. Eu sei que Malvoliaacredita que ela está me fazendo um favor não me matando, um favor em nome doamor verdadeiro, então duvidar que Jack irá vir por mim seria como dizer que nossoamor não é forte o suficiente para justificar a chance que ela está me dando. É forte o suficiente. Minha dúvida é fundamentada meramente naimaturidade de Jack. Eu sei que Jack me ama, mas ele é jovem e nem sempre sério,propenso a erros. Em suas próprias palavras, ele é um trapalhão. Então enquanto eusei até as pontas dos meus dedos que ele me ama, eu não estou tão confiante com ahabilidade dele de ir contra Malvolia... ou meu pai. E ainda, por eu não poder dizer isso, eu experimento vestido. É bonito. Se eu devo dormir outros trezentos anos, pelo menos eu devo seruma visão adorável. “Obrigado,” eu digo, “por me dar essa chance.” “Você não a deseja, eu posso dizer.” “Isso não é verdade. Eu sou muito grata a você. Se — quando — meu amadome acordar, eu vou falar com meu pai sobre você, vou persuadi-lo a te perdoar.” “Isso é gentil. Eu sei que você teme que seu jovem homem não vá teencontrar. Mas se ele te ama, ele vai.” Eu concordo. “E quem não te amaria, Princesa? Mesmo eu, doida por vingança nãoconsegui te matar. Você está muito longe daquela pirralha insolente que eu encontreitrezentos anos atrás. Você pensa nos outros ao invés de você: seu pais, Jack, mesmoeu.” Eu concordo de novo.
  • 253. “E agora, minha querida, eu devo te pedir para se deitar.” Ela me leva para apequena cama de penas no canto. Eu olho para fora da janela para o castanheiro. “O que você vai fazer comigo?” Eu digo. “Vai doer?” “Não.” Ela olha para fora como se para algo distante. “Vai ser apenas como naúltima vez que você dormiu, só que dessa vez eu suspeito que não será por trezentosanos. Agora, nós devemos nos apressar.” Com aquilo, ela puxa um fuso de trás das suas costas. “Faça um desejo.” A vozdela está hipnótica. “Então toque o fuso.” Eu desejo que o amor de Jack seja forte o suficiente... “Toque, minha queria...”
  • 254. Capítulo 47: Jack Estivemos subindo a montanha por uma hora, e a cabana não parecia maispróxima do que antes. Na verdade, parecia mais distante. O vento está empurrando-nos a cada passo, e Pleasant não está sendo muito agradável a respeito. Tão poucoTravis. "Eu quero cerveja!" lamenta Pleasant. "Nós já estivemos nesta cabana!" "Eu aposto que eles estão servindo o jantar no castelo agora," diz Travis. "Enão é como se nós pudéssemos apenas ir a um drive-thru ou algo assim, se operdemos." Eu olho para ele, e ele diz: "Eu só estou dizendo...” "Apenas não diga," eu digo a ele. Mas está ficando escuro, e logo não seremoscapazes de ver o caminho. "Ei," diz Travis. "Você poderia olhar isso?" "O quê?", eu digo. "Eu cuspi o meu chiclete em uma árvore de carvalho antes. Lá está ele." Ele aponta para a árvore. "O que você quer dizer? Que você cuspiu o seu chiclete agora?" Ele sacode a cabeça. "Tipo, há uns vinte minutos atrás. Eu o cuspi, e agora eleestá lá. É como se estivéssemos andado em círculo." Eu olho. Ele está certo. Há um pedaço de chiclete verde. "Provavelmente é o chiclete de outra pessoa." "Você está brincando? Eles nem sequer têm chicletes neste lugar. Esse é omeu chiclete. Nós estivemos aqui antes." "Mas isso é impossível. Nós não podemos estar indo em um círculo. Estivemosandando para cima." Mas um monte de coisas me parece familiar, como aquela pedraengraçada com o formato de uma fatia de queijo. Travis dá de ombros. "Estranho, né?"
  • 255. Eu olho para a cabana. É de pedra, como Talia disse, e no topo da colina. Eainda mais longe do que nunca. Eu tremo com outra rajada de vento. "Nós temos que continuar andando," eu digo. Depois de mais cinco minutos, está quase completamente escuro. Eu ouço oestômago de Travis rosnar. "Eu estou voltando," Cuthbert diz. "Não há nenhuma maneira de chegar láhoje à noite. Olhe." Ele gesticula para baixo do morro. Eu olho. Estamos perto do pé domorro, como se tivéssemos deslizado para trás. Alguém colocou um feitiço sobre estemonte? Não é impossível, não aqui. Mas se alguém fez isso, esse alguém deve serMalvolia. Isso significa que estou no caminho certo, que Talia está aqui. Eu olho para o alto do morro, na casa de campo tão distante. Uma luzqueimava em uma das janelas. Talia está lá? Eu me lembro do que eu vi nocastanheiro. Era ela. Eu tomo uma decisão. Viro-me para Pleasant, Cuthbert, e Travis."Olha, gente, por que vocês não voltam para o castelo e jantam?" Isso é tudo que Pleasant e Cuthbert tiveram que ouvir. Eles se despediram eforam embora. Travis tenta protestar. "Cara, se você quer que eu fique..." "Eu não quero. Eu tenho um pressentimento de que isso é algo que é precisofazer eu mesmo. Tudo sozinho." "Bem, se você tem certeza..." eu poderia dizer que ele está morrendo devontade de ir. "Tenho certeza," eu digo. "Ok." Ele se vira e vai embora antes que eu possa mudar de opinião. Eu continuo a subir o morro. O sol está baixo agora, a lua é apenas uma faixano céu. A única luz é a luz na janela da casa. Eu posso ver alguém que semovimentando dentro. Será Talia? Eu passo pela rocha em forma de fatia novamente. "Você está brincando comigo?" Eu grito em direção à cabana. Sem resposta além do vento nas árvores. Não é tão tarde. Meu corpo aindaestá no horário de Miami, portanto, realmente não é. Mas eu estou com fome ecansado de andar a pé até agora. Eu olho para o meu relógio. Estive subindo porquatro horas, gastando solado, chegando a lugar nenhum.
  • 256. Uma hora mais. E outra na escuridão profunda. Eu não consigo ver por ondeeu estou andando, mas uma vez, eu sinto algo pegajoso no fundo do meu sapato. Ochiclete de Travis. Eu olho para a cabana, ainda tão distante. Esta é a tarefa mais difícilem que eu já trabalhei, o mais exaustivo em que eu já estive. Mas, ainda assim, eucontinuo caminhando contra o vento. Se Talia não estiver aqui, então onde ela está? Ela fugiu em Miami porque nãoqueria ir para casa? Ela poderia estar na rua em algum lugar? Será que ela está morta? Uma hora depois, eu passo pela mesma rocha em forma de fatia. Mas algoestá diferente. Pela luz fraca da fina lua, eu posso ver uma forma deitada ao lado dela.Eu me aproximo e chego a tocá-la. É um cobertor e um travesseiro. Há algo pregado no cobertor: um pedaço depapel. Eu pego o meu celular para usar como uma luz. Durma, está escrito. Embora eu queira resistir, eu não posso. Eu caio quase como se eu fossedesmaiar e rapidamente caio no sono. Mas eu não durmo bem. Eu tenho esse sonho estranho onde eu estoubrincando de Jeopardy*, e a anfitriã é essa velha mulher estranha de preto. Eu sei peladescrição de Talia que é Malvolia. Nós estamos na final de Jeopardy, e a categoria é"Princessa Talia.” * Jeopardy é um programa de televisão. É um show de perguntas erespostas (quiz) variando história, literatura, cultura e ciências. A velha senhora lê a pergunta. "Qual era o nome do professor de arte de Talia?" Eu olho para ela. "E se eu não me lembrar?" Ela fixa em mim com um olhar sombrio. "O verdadeiro amor tem que selembrar." Os outros concorrentes, Pleasant e Cuthbert, já estão escrevendo. A músicado Jeopardy começa a tocar. Quando está quase no fim, eu me lembro de repente deMeryl mostrando-me o Wikipédia ontem. Eu escrevo, Carlo Maratti. Eu acordo de uma vez antes que eu pudesse saber se eu respondi direito, seeu ganhei o jogo.
  • 257. O sol se levantou, e talvez ele esteja entrando nos meus olhos, porque agoraparece que eu estou a um quarto do caminho até a colina. Como é que eu chego lá? Será que Malvolia realmente pareceu no meu sonho,da maneira que ela fez com Talia? Será que ela me fez essa pergunta, e fez eu meaproximar, porque eu respondi certo? Ao meu lado está um bocado de pão, uma fatia de queijo, uma maçã e umjarro com água. Embora fosse nojento comer algo que apareceu no chão, eu não tinhaescolha. Eu estava com muita fome. Eu comi um pouco do pão e do queijo, bebi aágua, e guardei o restante para mais tarde. Eu não levo o cobertor ou o travesseirocomigo. Eles são muito pesados, e eu espero não precisar deles. Eu começo acaminhar. Assim que eu começo, o vento, que tinha estado silencioso, começou a uivaroutra vez. É como ontem, só que agora estou mais perto da cabana. Parece uma cabananormal, como qualquer outra cabana em Euphrasia. E se fosse apenas uma miragem?Estou claramente alucinando. Mas a plenitude do meu estômago me diz que eu não imaginei o pão e oqueijo. Eu continuo andando. Eu não vejo o chiclete ou a pedra em forma de queijo.Em vez disso, há uma linha de arbustos que se parece com um dinossauro e umamontoado de flores azuis. Vejo-os mais e mais, como se eu estivesse em uma esteira. Mais uma vez, no final do dia, torna-se escuro. Mais uma vez, eu encontro ocobertor e travesseiro. Novamente, eu durmo. Desta vez, eu estou jogando Quem quer ser um Milionário. Eu estou napergunta de um milhão de dólares, e é de múltipla escolha. "Qual é o maior desejo da princesa Talia?” Malvolia lê. "A - se apaixonar? B - viajar? C – tornar-se uma grande rainha? D – reconciliar-se com o seu pai." Todas as opções me parecem como respostas muito boas. Ela quer todasessas coisas. "Eu não posso decidir." "Então, você irá falhar." Malvolia parece muito feliz com isso como oapresentador do Milionário normalmente fica. "Claro, você pode levar o prêmio quevocê já ganhou." "O que é isso?" Eu pergunto.
  • 258. "Uma passagem de primeira classe de volta a Miami... com o seu paiquestionando porque você o fez perder o tempo dele desta maneira!" Eu dou um gemido. "Ei, espere!" Tento me lembrar de quando eu assisti essejogo. Quais foram as regras? "Não tenho nenhuma ajuda sobrando?" Pergunto aMalvolia. Ela me olha irritada. "Você pode telefonar para um amigo." Telefonar para um amigo. Telefonar para um amigo. Mas para quem eu vouligar? Travis está aqui em Euphrasia, e meus outros amigos não mesmo conhecemTalia. Então eu tenho uma inspiração. "Posso telefonar para Talia? Malvolia suspirou. "Ela está na sua lista." Eu ouço o som de um telefone tocando, então Talia atende. Graças a Deus ela se lembrava de como atender um telefone. Mas onde elahavia conseguido um telefone? Oh, sim. Sonho. "Olá?" "Trinta segundos," diz Malvolia. "Ei, Talia, estou tentando subir essa colina para salvar você, e eu precisosaber: Qual é o seu maior desejo? "A - se apaixonar? B - viajar? C – tornar-se umagrande rainha? D – reconciliar-se com o seu pai." Talia ri. "Oh, bobo, você sabe a resposta para essa pergunta." "Não, eu não. É por isso que eu te liguei." "Mas você sabe. Eu falei para você sobre isso, lembra?" "Não. Não! Apenas me diga!" Ela é enlouquecedora. Mas essa é Talia. "Quando fomos pegar o passaporte, Jack. Pense." A campainha tocou, e Malvolia disse, "Tempo esgotado. Qual é a suaresposta?"
  • 259. E de repente eu me lembro de Talia, naquele dia na loja do cara dopassaporte. Ela estava tão animada a respeito do avião. Ela bateu palmas e disse: "Omeu maior desejo é viajar!" Então é isso que eu digo Malvolia. B. Resposta definitiva. Novamente, euacordo antes que eu possa saber se eu respondi corretamente à pergunta, se eu ganheio milhão de dólares. Novamente, eu olho em volta e acho que eu subi o morro. Agoraeu estou no meio do caminho. Há comida e água. Eu como e bebo. Eu me pergunto sevale mesmo a pena andar para cima, porque agora eu tenho certeza que a maneira dechegar lá está mais ligada a responder perguntas em meus sonhos. Mas eu tenho umpressentimento de que Malvolia quer que eu ande. Estou cansado e tenho doresmusculares onde eu nem sabia que eu tinha músculos. Eu preciso de algumBengay.(um tipo de analgésico para dores musculares. Tipo Gelol.) Mas eu caminho.Tudo está nadando na minha cabeça e eu me pergunto o que vai ser perguntado napróxima. Eu mal consigo me concentrar nisso. Ainda assim, eu forço para cima, contrao vento. Quando eu desmaio sobre o cobertor pela terceira vez, eu sonho que estoujogando Trivial Pursuit (jogo de perguntas, conhecido também como MASTER) comMalvolia. Estamos sentados na casa dos meus pais, e eu estou olhando através dotabuleiro do jogo para ela. Nós dois temos todos os marcadores, e eu estou no centrodo tabuleiro. Malvolia lê seu cartão. "Qual é o nome completo da Princesa Talia?” "O nome completo? Ela tinha sete ou oito deles!" Malvolia levanta as mãos. "Esta é difícil de vencer. Ah, e você deve recitá-losna ordem correta." "Espere um segundo," eu digo. "Eu costumava jogar este jogo com Meryl otempo todo. Não é assim que isso funciona. Eu posso escolher a categoria para apergunta final." Malvolia encolhe os ombros. "Tudo bem, então. Escolha." "Eu quero uma questão sobre esportes." Ela ri. "Não há nenhuma categoria de esportes nessa versão do jogo." "Então isso é, como o quê, a Silver Screen Edition (edição de prata, nívelavançado)?" Ela me entregou a caixa.
  • 260. Eu li, Trivial Pursuit: Insanely Difficult Edition. (edição insanamente difícil). Euolho nas instruções para a lista de categorias: Amarelo – Civilizações Neolíticas Verde – Teorias de Física Rosa – Grandes compositores Azul – Idioma sino tibetano Marrom - A Saga nórdica na Literatura Laranja – Princesa Talia. "Uh-huh," eu digo. Malvolia bate seus dedos sobre a mesa. Suas unhas são longas e roxas. "Qualcategoria você gostaria de tentar, então?" "Essas são impossíveis." "Não se você for inteligente." Bem, isso mata tudo. "Vou ficar com a pergunta sobre a Princesa Talia. Dá-meum minuto." "Muito bem". Ela continuou a rufar os dedos sobre a mesa. Eu olho para ela, e ela para, mascomeça a cantar a música tema Jeopardy, como Meryl costumava fazer quando euestava tentando pensar nas respostas. Eu coloquei minhas mãos sobre meus ouvidos.Talia Aurora. Lembro-me de Aurora por causa da sua a avó. Então, havia nomes de trêsreis, em ordem alfabética. Quais eram eles? "Eu vou ven-cer,” cantarolou Malvolia. "Não, você não vai," eu respondo. "Eu acho que eu vou." Eu coloquei os dedos nos meus ouvidos e comecei a cantarolar. Talia AuroraAugusta... Três reis, em seguida, três rainhas. "Há um limite de tempo para isso," Malvolia diz, em voz alta o suficiente paraser ouvida mesmo com os ouvidos tapados.
  • 261. "Não, não existe." "Sim, há." Ela soa exatamente como Meryl. Eu jogo as regras para ela."Encontre isso, então.” "Você perde pontos por sua grosseria." "Eu seria capaz de pensar melhor se você ficasse quieta." Ela fica, por um segundo enquanto ela examina as regras e, nesse tempo, euouço a voz de Talia. "Talia Aurora," eu reito depois dela. "Augusta Ludwiga Wilhelmina AgnesMarie Rose... de Euphrasia.” Em um instante eu estou acordado e a três quartos do caminho até o topo dacolina. Não há comida perto de mim desta vez, o vento uiva mais alto do que nunca.Será Malvolia raivosa por eu ter respondido a pergunta difícil corretamente? Nãoimporta. Eu estou quase lá, e eu preciso continuar. Desta vez, quando eu ando, eu chego mais perto da cabana. Eu vejo adistância se fechando, e eu posso analisar tudo com mais cuidado. É apenas umasimples casa de campo feita de pedra, com telhado de palha e grandes janelas nosótão. Não deveria ser um castelo escuro como em O Mágico de Oz ou talvez serguardado por um cão de três cabeças, como em Harry Potter? Mas é especial, porqueagora eu tenho certeza que Talia está lá dentro.
  • 262. Capítulo 48: Jack Eu cheguei ao topo da colina, na porta da cabana. Um vento frio passou pormim. A porta estava aberta. Mas como poderia estar aberta? Era fácil de mais. Eu entrei. Talia não estava lá. Nada de Talia. Em vez disso, há apenas Malvolia,Malvolia em carne e osso. Eu nunca a tinha visto, mas eu a reconheço por seuspenetrantes olhos negros. "Onde está Talia?" eu pergunto. A velha mulher balança a cabeça. "Ela está aqui, se você puder pegá-la." "Pegá-la? Eu atravessei a sua interminável ladeira. Eu respondi as suasperguntas." Ela ri. “Apenas trivialidades. Para ser digno de uma princesa, você deveenfrentar um dragão." "Um dragão? Eu não posso... " Eu me imagino sendo frito por um dragão. Masentão eu penso sobre isso. Eu poderia não ter respondido a qualquer destas questões,tão pouco, e ainda assim eu respondi. Eu não teria pensado que eu seria capaz deandar para cima por três dias, mas eu fiz. Eu estava motivado, talvez pela primeira vezna minha vida. Então, se eu tiver que matar um dragão, talvez eu possa fazer isso,também. "Eu, pelo menos, posso ter uma espada?" eu digo. "Não é esse tipo de dragão," ela responde. "Então o quê...?" Ela se afasta para revelar uma parte da sala eu não tinha visto. É uma espéciede instalação de escritório com uma mesa e cadeira. Na cadeira está sentado o meupai. Ele tem uma pilha de papel de cerca de três pés de altura na frente dele e outra,marcada como urgente, ao seu lado. "Isso pode esperar, Jack?" Ele gesticula para seu trabalho. "Estou um poucoocupado."
  • 263. "Eu não... Eu vim para encontrar a princesa. Você sabe disso. " "Para ser digno de uma princesa, você deve enfrentar o dragão," Malvoliadisse. “Seu grande medo.” Ela aponta em direção às minhas mãos. Eu olho para baixoe vejo que eu estou segurando o caderno onde estive desenho meu design de jardim.Eu olho para meu pai, então para Malvolia. "Você quer dizer que eu tenho que mostrara ele?" Malvolia acena. "Seu maior medo." Lá fora, o vento assobia por entre as árvores. Eu dei um passo em direção amesa. Em seguida, outro. "Pai? Eu tenho que lhe dizer algo." Papai tirou os olhos de seu trabalho. "O que é isso?" Ele olha para trás paraseus papéis. Seu telefone e seu celular começam a tocar os dois ao mesmo tempo. Mas eu seguro o livro. "Eu... é apenas algo com que eu venho passandotempo." Malvolia limpa a garganta, e quando me viro, vejo sua desaprovação. "Não, isso é errado," eu digo. "Eu venho trabalhando nisso. É um projeto. Meuprojeto para um jardim." Meu pai abre. Por um longo momento, só posso ouvir as páginas e o vento láfora. Eu não posso olhar para meu pai, então eu olho pela janela para o castanheiro,aquele em que eu vi a serpentina de tecido verde soprando no topo. Tenho certezaagora que Talia está aqui. Ela subiu na árvore, como eu ensinei a ela, e amarrou otecido verde no galho, assim eu poderia vê-lo, assim eu poderia vir resgatá-la. "Então?" diz o pai. "Então eu quero fazer isso," eu digo, "fazer projetos de paisagem. Eu sou bomnisso." Pai revira os olhos. "Você acha isso?" Eu posso dizer que não, mas eu digo, "Sim, eu sou." E então o dragão faz a coisa que eu mais temia. Ele não assopra fogo. Ele ri.Ruidosamente, como se ele nunca tivesse ouvido falar de alguma coisa mais hilária emsua vida. Havia lágrimas escorrendo pelo seu rosto, e entre as gargalhadas, ele diz:"Você, um projetista de paisagem? Você!"
  • 264. "O que há de errado com ele?" Eu lutar contra o desejo de bater o meu pé.Estou voltando à infância ao redor do meu pai, mas eu sei que tenho que segurar meusnervos. Papai segura suas bochechas para conter sua alegria. "Eu pago a um caracinquenta dólares por mês que tem mais talento do que você!" Ele segura algunsfolhetos de escolas de negócios, folhetos que parecem ter se materializado em umaterceira pilha grande em sua mesa. "Aqui está o que você precisa, uma educação, umdiploma de uma boa escola - eu vou pagar a alguém fora para me certificar que vocêentrar e passar. E então, depois disso, eu vou te arranjar um emprego." "Você vai me arrumar um emprego? Por quê?" "Você não percebeu, Jack? Você é um perdedor, um vagabundo. Você nuncaconseguiu nada em sua vida, não importa o quanto podemos fazer por você. Nóstemos alguma esperança em Meryl, mas a única maneira de você não se tornar umembaraço completo para sua mãe e para mim é se você nos deixar controlar cadaaspecto de sua vida." "Isso mesmo... " Eu me sinto o calor úmido por trás dos meus olhos, e eutento controlá-lo. Eu tenho que ficar calmo. "Isso não é verdade." "Perdedor. Festeiro. Você não pode nem mesmo fazer Amber ficar com você." "Amber?" Isto está tão para escanteio que eu não compreendo as suaspalavras por um segundo. "Eu nem mesmo quero Amber." “Mas você vê, é isso o que você faz. Sempre que alguma coisa fica difícil paravocê, você se afasta, você desiste. Você não conseguiu manter Amber, então agoravocê quer que essa menina. Quando você falhar em salvá-la e ela morrer, você vaidecidir que não gostava dela, tão pouco. Isso é apenas sua maneira. Você nunca foisério sobre alguma coisa em sua vida. Você é um trapalhão." Eu mal posso ver seu rosto através das nuvens de raiva dentro de mim. Comoele se atreve a dizer isso sobre Talia? Como ele ousa até mesmo compará-la a Amber?"Isso não é verdade. Eu amo Talia. Estou falando sério sobre ela." Pai começa a rir de novo, tão alto que eu tenho que levantar minha voz paraser ouvido acima dele. "E eu estou falando sério sobre isso também, sobre os projetos de paisagem.Isto é o que eu vou fazer com minha vida. Se eu for para a faculdade, será por isso queeu estarei indo."
  • 265. Papai para de rir, e eu acho que ele finalmente vai me ouvir. "Ouça-me, Jack.Se você está sendo sério, eu vou falar sério com você. Para fazer isso em um campocomo o design de paisagem, você tem que ter talento. E o fato é que, você não tem."Ele se vira para o meu desenho, que está sob uma pilha de panfletos de faculdades."Isso não é bom. É uma merda." "Isso é...” Eu paro. "O quê?" "É uma merda." Merda? Papai nunca diria merda. E é quando percebo que este não é meu pairealmente. Ele é apenas uma coisa falsa, um teste de Malvolia que surgiu como, comotodos os jogos. Na verdade, talvez este pai esteja completamente na minha cabeça,meus piores temores do meu pai. Nesse caso, a maneira de passar no teste é ficaracima dele. Eu tomo uma respiração profunda. "Lamento que você ache que meu projeto é uma merda... Pai. Mas isso é oque eu estou pensando em fazer com minha vida. E a outra coisa que eu estouplanejando fazer é resgatar Talia. Então, se você pudesse, por favor, sair do meucaminho, eu realmente iria ficar contente." "Você não pode falar assim comigo. Você não pode mostrar tal desrespeito."Ele está arrancando o pouco cabelo que ele tem com uma mão enquanto empurra ospapéis para o chão com a outra. "Eu sei que você realmente não se sente dessa forma. Você veio por todo ocaminho para Euphrasia. Você não teria feito isso se você pensasse que eu era apenasum preguiçoso estúpido. E quando eu encontrar com o verdadeiro você, eu vou ter acerteza e vou mostrar meus desenhos. Estou animado com eles, e eu aposto que vocêvai gostar deles também. Mas agora..." Eu faço um gesto na direção dele, e ele desaparece no ar. Eu estava certo. Eu olho para Malvolia, que ainda está lá. "Eu fiz isso? Eu passei no teste?" Ela aponta em direção a alguma coisa no canto. "Só mais um." E então eu a vejo. Lá, em um colchão no chão, é Talia. Ou, pelo menos, ocorpo de Talia. Ela está morta? Ou simplesmente dormindo? Corro para ajoelhar-meao lado dela. Tomo sua mão. Há pulso. Ela mexe um pouco. Ela está respirando. Eu a sacudo. Chamo o seu nome. Nada.
  • 266. Mas então eu sei que eu tenho que fazer. Eu não sei se o meu beijo será osuficiente, se ela me ama o suficiente também, mas eu preciso tentar. Debruço-me epenso em Talia, em como a conheci, em estar na Europa com ela, então na América,como ela era com Meryl, com meus pais, como ela realmente se preocupava com ascoisas que eu me importava e não acho que isso foi estúpido. Como eu a amava. Eu aamo. "Eu te amo, Talia", eu sussurro. Coloquei meus lábios nos dela. Ela se mexe. Ela acorda. "Você está aqui!" Talia diz. Ela olha ao redor da sala. "Mas por quanto tempo eu dormi? Um ano? Ou vinte anos? Você é um velho?Deixe-me ver seu rosto." Eu ri. "Levei três dias para subir a colina." "Dias? Apenas dias? Mas de onde...?" Ela olha ao redor. "Onde estáMalvolia?" Eu olho atrás de mim. Está bem claro, ela se foi. "Ela foi embora." "Oh, não," Talia diz. "Mas ela foi gentil comigo. Ela me mostrou como fazereste vestido." "É lindo. Você é linda." Estendo a minha mão para Talia. Eu quero tocá-la e não quero parar de tocá-la, para provar a mim mesmo que ela é real e está viva e aqui. "Eu acho que nós temosque ir." "Em um momento." Ela me puxa em sua direção e me beija um monte vezesmais, em meu rosto, meu cabelo, até os meus olhos. Eu lanço os meus braços emtorno dela e seguro-a um bom tempo até que finalmente a porta da casa começa abater com o vento, e o barulho me lembra que todos estão esperando por nós, os paisde Talia e as pessoas no castelo. E o pai também. "Nós devemos ir," eu digo.
  • 267. Ela concorda e me permite ajudá-la a levantar. Com um último olhar ao redorda sala, nós saímos, fechando a porta atrás de nós. À medida que descíamos a colina,ela diz, "Você sabe que eu estava pensando, Jack?" "O quê?" Eu paro para beijá-la novamente. Eu salvei a princesa, então eudeveria ser capaz de beijá-la sempre que eu quiser, contanto que ela queira, também.O vento, que tinha estado a rugir em nossos ouvidos, parou. Depois, ela diz, "Eu acho que você era o meu verdadeiro amor o tempo todo.Deve ser por isso que eu acordei. Malvolia estava errada." "Você acha?" "Sim, mas ela tinha suas razões. Eu gostaria de saber aonde ela foi. Talvez senós voltássemos outro dia..." Ela apontou para cima, para a cabana, e em suspirou. Euolho para o quê ela está olhando, mas não vejo nada. A cabana tinha desaparecido. "Bem, isso é o fim," eu digo. "Ei, talvez nós possamos caminhar um poucomais rápido? Eu estou com fome, e como eu disse, demorei três dias para subir atéaqui." "Sim," Talia diz. "E eu preciso ver o meu pai. Precisamos conversar.” Ela começa a correr, e por estamos de mãos dadas, eu corro, também. Nóscorremos pelo monte abaixo tão rápido que parecia que estávamos voando.
  • 268. Capítulo49: Talia Quando nós alcançamos o terreno do castelo, eu aperto a mão de Jack. “O que está errado?” ele diz. “Estou assustada.” “Por quê?” “Por quê? Vamos ver... Meu pai já estava com raiva de mim uma semana atráspor destruir o reino dele. Agora acrescentando a isso a ofensa de fugir, pegar umavião, deixar o país, perder minhas joias—” “Oh, eu me esqueci de te contar, Meryl achou as joias. Eu as trouxe comigo.” “Tudo certo. Não as joias. Mas mesmo assim... e a ofensa de me apaixonar porum plebeu.” Eu olho para cima para ele “Não que isso seja uma ofensa para mim, meuquerido.” Ele rola os olhos. “Claro que não.” “Mas meu pai pode possivelmente discordar comigo.” “Entendo. Ele tem estado em um humor ruim.” “Então eu não tenho razão de estar assustada?” Mas naquele momento, a porta do castelo se abre e uma multidão desce, —não apenas as pessoas, embora cada copeira, cozinheira, dama-de-companhia, lacaio,e guarda está ali, mas também os animais, os cães do palácio e gatos e galinhas, vacase cavalos e até as cinco fadas, Flavia, Celia, Violet, Leila, e Xanthe, todos saindo docastelo para me ver, para me cumprimentar, a amada princesa deles. Na cabeça do grupo estão meu pai e minha mãe. Eu solto a mão de Jack e — elevai me perdoar — e corro gritando para os braços deles. “Você não está com raiva de mim, Pai?” Eu pergunto tão logo quanto eu possorespirar facilmente sob o abraço dele. “Não, não, minha querida.”
  • 269. Mãe diz, “Seu pai perdeu a paciência, querida. Mas agora, ele percebe que vocênão poderia ter evitado o que aconteceu. Você estava lidando, depois de tudo, comforças do mal.” Eu me lembro da historia de Malvolia do bebê, e eu sei que eu deveriaprotestar. Mas por outro lado, Malvolia se foi, e minha mãe e meu pai pararam de ficarcom raiva de mim. Vai haver tempo para arrumar esse problema no futuro. E eu vouarrumá-lo. “Eu estou tão feliz de estar em casa!” Eu digo, e nós nos abraçamos um poucomais. Atrás de mim, eu escuto uma voz pequena — a voz de Flavia — dizendo, “Eleera o amor verdadeiro dela depois de tudo!” “Além do mais,” meu Pai diz, “eu acredito que nós temos tudo arrumado agora,como Euphrasia vai sobreviver no século vinte e um.” “Você tem?” Eu digo. “Sim. Talvez nós devêssemos discutir isso com o café da manhã.” Nós vamos para o castelo. A mesa de jantar está feita para um grupo pequeno,uma dúzia ou mais, e minha Mãe está toda sorrisos. “Você sabia,” ela diz, “que elestem algo chamado caminhão agora, que se move tão rápido que é possível trazercomida e outras necessidades da Bélgica e mesmo da França?” Eu sorrio. Eu sabia daquilo. Eu me movo mais perto de Jack, porque ocorreu amim que — amor verdadeiro ou não — nós podemos não estar por muito tempo nacompanhia um do outro. Ele deve voltar para a America, para escola, e eu vou ficar emEuphrasia com meu Pai e minha Mãe. Mas nós estamos juntos agora, e eu devoaproveitar a maioria disso. “Evan.” Meu pai vira para o pai de Jack. “Fale para eles sobre Royal Euphrasia.” “O que é Royal Euphrasia?” Jack e eu falamos juntos. “Bem, é uma ideia que o Rei Louis e eu tivemos, uma parceria entre o governode Euphrasia e minha empresa. Rei Louis estava preocupado que agora que Euphrasiaestá visível de novo — agora que a cerca viva se foi — o reino pode ser vulnerável aalgum tipo de aquisição de fora. Rei Louis pode ser destronado. Ele não queria isso,então nós tivemos que pensar em um jeito que Euphrasia poderia se manter.”
  • 270. “Se manter?” Eu penso no mundo que eu vi, uma mundo de aviões ecomputadores, fotografias e televisões. Como Euphrasia pode possivelmentecompetir? Mas o pai de Jack continua. “Veja, quando meus filhos eram pequenos, minhaesposa e eu gostávamos de ir para essas atrações turísticas— Colônia Williamsburg,Tempos Medievais... Lembra, Jack?” Jack acena. “Era legal.” “Então quando eu vi esse lugar, eu pensei que boa ideia seria desenvolverEuphrasia como atração turística. Seria apenas como Williamsburg, só que real, compessoas de verdade do século dezessete, e talvez nós pudéssemos abris alguns hotéispequenos e fofos onde pessoas poderiam realmente viver como eles viviam no tempodeles.” “Sem banheiros?” Jack diz. “Eu tenho que admitir, eu realmente gosto de banheiros,” eu digo, embora euesteja pronta para dizer que eu gosto de qualquer coisa se isso for fazer meu Pai feliz.“Talvez nos pudéssemos ter alguns banheiros.” “Mas você vê, Talia,” meu Pai diz, “desse jeito, as pessoas de Euphrasiapoderiam continuar a viver como estão acostumados. E eu seria capaz de continuarsendo um rei, e você uma princesa. A maldição fez o mundo esquecer-se de nós. Masuma vez que eles descobrirem que nós estamos aqui, que nós estamos de volta, podehaver algum movimento para mudar as coisas.” Eu aceno. Eu me lembro de ver Euphrasia do avião. Era pequena, mas estava lá. “Claro, nós precisaríamos fazer algumas pinturas e reparos antes da poderabrir,” Sr. O’Neill diz, “e talvez conseguir algumas fantasias melhores para as pessoas.” “Mas o que eles estão vestindo é autentico,” eu digo. “Oh, eu sei,” minha Mãe diz. “Mas o Sr. O’Neill explicou que há o autêntico e háo autêntico. As pessoas querem que as coisas sejam mais coloridas, e não ter aspessoas da cidade correndo por ai parecendo cogumelos.” E em um segundo eu penso, Eu poderia costurar as roupas. Eles me deixariamcosturar? “E nós precisamos fazer algum paisagismo melhor, também,” Sr. O’Neill diz. “Euacabei de achar esse design que meu filho tem trabalhado.”
  • 271. Eu escuto Jack segurar a respiração. “Você achou isso?” Eu seguro minha respiração também. Jack me disse, no caminho de volta, comoele mostrou o design de paisagismo para o pai dragão que Malvolia criou. Ele mecontou que, naquela visão, o pai dele riu dele, o ridicularizou. Eu rezo que ele sejaforte. Eu realmente espero que o pai dele não o machuque. “Então...” Jack chuta o chão com o sapato, não fazendo contato visual com opai dele. “Você gostou?” Por favor, deixe-o gostar. O pai dele acena, sorrindo. “Foi a inspiração para tudo isso. Quando nósachamos isto, nos ajudou a visualizar, e foi assim que todo o plano começou. Você temtalento, Jack. Você pode trabalhar com os projetos de paisagismo para nos ajudar aalcançar uma ótima aparência para o Royal Euphrasia.” “Mas...” Jack gagueja. “Mas eu achei que você queria que eu fosse para aescola de negócios.” “Isso foi antes de eu ver o talento que você tinha para isso. Sua mãe e eu nãotínhamos percebido que você tinha talento para paisagismo. Por um tempo, nósficamos preocupados que você não estivesse interessado em nada. Mas agora...” Era como Meryl disse. Os pais de Jack estavam preocupados com ele, como osmeus estavam comigo. “Jack tem talento para jardinagem,” eu digo, “uma grande afinidade com aterra.” O pai de Jack acena. “Você pode nos ajudar com o Royal Euphrasia nos verões.” “Sério? Eu poderia ficar aqui e trabalhar nisso?” Jack pergunta. “Bem, pelo resto do verão... e então você poderia voltar para o intervalo deNatal e o intervalo de primavera, e claro faculdade.” Eu sei que Jack detesta falar sobre faculdade, mas agora ele diz, “Sim, isso serialegal. Eu poderia ir para faculdade na Europa e talvez pegar como matéria principaldesign de paisagismo.” Ele olha para o pai dele, cuja face está incompreensível. “Eupoderia pegar negócios também, então eu vou poder te ajudar com isso.” “Mas é melhor você melhorar suas notas, se você quer se capaz de fazer isso,”o pai dele diz. “E talvez estudar francês.”
  • 272. “Isso vai ser fácil,” Jack diz. “Com minha namorada aqui, e eu lá, eu vou termuito tempo para estudar.” “Então você aprova Jack... Jack e eu?” Eu digo para o meu Pai. Meu Pai ri. “Claro que eu aprovo. Claramente, ele era seu destino. E ele e o paidele estão salvando... como você diria isso, Travis?” Ele olha para ele. “...nossostraseiros Euphrasianos.” Eu olho para os olhos de Jack. Eu gostaria de beijá-lo de novo, mas isso seriaimpossível, com os nossos pais aqui. Ainda, eu me movo na direção dele e pego a suamão. Eu não tinha percebido Travis antes, mas agora ele interrompe. “Ei, eu posso cuidar da comida? Talvez nós pudéssemos abrir a primeira barracade cachorro-quente Euphrasiana.” Eu bato minhas mãos. “Sim! Eu amo cachorros quentes! Você pode fazê-los,então?” Nós todos rimos, e eu sei que vai ficar tudo certo. Está finalmente tudo certo.
  • 273. Dois Anos Depois
  • 274. Talia “Você está pronta?” Jack pergunta. Eu estudo a roupa dele. Ele não está vestido exatamente como ele estava naprimeira vez que nós nos encontramos. Eu sei muito bem o que são pessoas domarketing agora, e eles e o pai de Jack tiveram ideias sobre o traje. Então ao invés decalções de banho em baixo dos jeans, Jack usa calça jeans habilmente “destruídas”, e acamiseta de flanela é substituída por uma plana e limpa. Eu escolhi branca, o melhorpara mostrar a boa aparência bronzeada dele. Ele é ainda tão bonito quanto ele eranaquele dia. “Como sempre, meu amor,” eu digo, arrumando meu vestido verde. “Mas háum pouco de tempo, não há? Nós poderíamos olhar pela janela?” “Nós podemos.” Jack oferece a mão dele, e nós andamos para a janela. É trêsandares acima, e abaixo, onde o fosso estava uma vez, uma longa fila se formoudentro das cordas de veludo. Há tantas garotinhas na fila. Algumas usam coroas, eoutras estão vestidas até igual a mim, em vestidos de cetim verde que custam muitoseuros! Em um lado, uma mulher circula, vendendo doces com a forma de fusoscobertos com açúcar rosa e azul. Várias fadas flutuam em volta nas árvores, assistindode uma distancia segura da multidão. “Tudo para nos ver?” Eu pergunto para Jack. “Eu te disse, essa coisa é realmente popular. Na Disney, eles reencenam O ReiArthur todo dia.” Eu sei muito bem disso. No ultimo verão, Jack e eu fomos a um tour em todasas Disneys (Florida, Califórnia, Paris, e Tókio) e também na Colônia Williamsburg ePlimoth Plantation*, na preparação para a abertura da Royal Euphrasia. Eu sei tudosobre atrações turísticas e filas de pessoas. Na verdade, nós tivemos que mudar o localdo meu primeiro beijo com Jack do quarto da torre para um local maior, (formado porderrubar várias paredes entre os quartos dos convidados e adicionando umaarquibancada de assentos), o melhor para acomodar a multidão. *museu vivo, ondeeles mostram como as pessoas moravam nos tempos coloniais dos EUA “Por que você acha que eles estão todos aqui?” Eu pergunto. “Eles querem mágica na vida deles, eu acho,” Jack diz. “Mágica como nós temos?” Eu olho para os olhos dele.
  • 275. “Vai ser ainda maior, quando o filme sair,” Jack diz. “Sim, mas nós não vamos estar aqui então.” É verdade. No outono, Jack vai estar na Inglaterra para estudar ArquiteturaPaisagista em Manchester, enquanto eu vou estar em Paris, estudando moda. É meuobjetivo desenhar roupas elegantes para jovens damas — roupas para fazê-las sesentirem como princesas e não mostrar suas barrigas. Atores vão encenar as partes deJack e Talia no Royal Euphrasia depois de nós formos embora. Mas por agora, e todoverão e intervalo de inverno depois, Jack e eu vamos nos encontrar em Euphrasia. Ealgum dia, nós podemos viver juntos aqui no castelo. Quando foi remodelado, muitodos quartos foram bloqueados então minha Mãe meu Pai, Jack, e eu, e mesmo nossosfuturos filhos, poderiam ter um lugar para ficar. Mas primeiro, deve ter uma aventura. E viagens. E quando eu retornar paraEuphrasia, será porque eu desejo me estabelecer, não porque eu tenho. “Querido Jack,” eu digo, “tudo funcionou tão perfeitamente!” Ele me levanta em seus braços para um beijo, um longo que me faz esquecertudo que veio antes disso, e na verdade, todas as pessoas lá fora. O beijo continua atéque nós somos interrompidos pela limpeza de uma garganta velha. “Aham. Talvez vocês devessem guardar isso para a sua audiência.” É Malvolia. Jack eu nos separamos... Culpadamente. “A cena do batizado foi bem, então?” Eu pergunto para ela. “Foi.” Ela esfrega as mãos dela juntas. “Eu tive aqueles pequeninos com maismedo de mim do que eles estariam de qualquer montanha-russa.” Ela sorri. “Você é, na verdade, bem assustadora,” eu digo. Eu falei com meu pai sobre Malvolia. Foi uma grande quantidade de trabalhopersuadi-lo de que ele pode ter cometido um erro exilando-a. Mas eu mostrei que aSenhora Brooke não tinha sido nem um pouco cuidadosa me olhando naquele diafatal. Quando ele mandou a Senhora Brooke discutir a alegação de que ela tinhamentido sobre o Príncipe George, foi achado que ela tinha desaparecido de Euphrasiatotalmente. A contra gosto, depois, meu Pai concordou relutantemente que uma fadacostureira poderia ser de algum uso no castelo, numa fase experimental, desde quenão havia nenhuma criança por ai para ela fazer mal. As outras fadas nos ajudaram aprocurar por ela no reino. Uma vez que ela escutou a possibilidade de perdão, elapermitiu ser encontrada. Ela provou tanta boa vontade que ele permitiu-a continuar,encenando ela mesma nos shows diários. Nos ensaios, quando ela desapareceu emuma nuvem de fumaça, os espectadores ficaram maravilhados com o efeito especial.
  • 276. Eles procuraram por todos os lugares e não puderam achar um alçapão. Eu espero queela fique por muito tempo conosco. Agora, ela começa a rir e faz o truque dela de novo. Em um instante, ela se foi. Travis aparece na porta. “Nós estamos prontos?” ele pergunta. Eu posso ouvir o som de muitos pés subindo nas escadas do castelo. Eu deitoem um bonito sofá de veludo sob um papel de parede de flores com o design edesenho feito pela Meryl depois que a tapeçaria original foi destruída na remodelação.Eu começo a fingir dormir. Eu posso ouvir o publico preenchendo os seus lugares. Umempregado da Royal Euphrasia da as boas vindas para o show. Então, Jack e Travisentram à direita do palco. “Wow, ela é gostosa,” Travis diz. “Eu sei,” Jack diz, e eu posso sentir ele se inclinando mais perto de mim. “Masela está dormindo, como o resto deles.” Eles vão por um diálogo escrito, Travis tentando persuadir Jack a me beijar, Jackresistindo. Finalmente, Jack diz, “Olha eu quero beijá-la, mas não na sua frente. Porque você não vai lá em baixo e olha em volta? A princesa e eu precisamos de algumtempo sozinhos.” Travis vai embora, e Jack se inclina ainda mais. Ele me beija. Eu levanto do meusono. É mágico! A audiência aplaude, e nós estamos no nosso caminho para o felizpara sempre. De novo. Fim

×