• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
Cronos rock-pop-mpb
 

Cronos rock-pop-mpb

on

  • 1,248 views

 

Statistics

Views

Total Views
1,248
Views on SlideShare
1,248
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
7
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Cronos rock-pop-mpb Cronos rock-pop-mpb Document Transcript

    • Cronologia Pop, Rock e MPB Renato Russo e o Aborto Elétrico, 1979.1870 No auge comercial do maior crime da humanidade a escravidão, nasce a misturacultural que serviria de molde e matriz para toda a cultura pop no século XX, ou pelomenos, as mais produtivas, nos países mais escravocratas do Novo Mundo, asAméricas. Estava pronto o caldeirão cultural com quase 15 milhões de africanos, de80 culturas diferentes, alguns muçulmanos, outros pré-históricos como os índiosamericanos. A Cultura dominante, Européia, emprestará seus talentos de engenharia, e umpouco de canções, modinhas, milongas, marchas, baladas, e outros pedacinhossaídos da Grande Música, a Erudita, com 700 anos, que nesta época vai altamentedesenvolvida à caminho das estruturas espaciais de Debussy, Mussorsky, e no séculoXX, Satie, Ravel, enfim, inatingíveis ao ouvido da plebe. Operetas e Vaudevilles são encenados em Nova York onde começam a crescer omercado de editoras musicais, embrião do mercado fonográfico que permitirá agrande expansão chamada música pop. Com o aumento das cidades, após a Guerra Civil Americana, e no Brasil, após aAbolição iriam os artistas aumentar seus públicos e os músicos populares tomarem oslugares das orchestras e quartetos da Grande Música. Principalmente para aindústria fonográfica, música com mais de 4 minutos, um lado da bolacha de 78rpms, nunca mais.
    • 1877 Invenção do fonógrafo de Thomas Edison . A primeira gravação foi "Mary Hada Little Lamb." Paul Macartney, noventa anos depois, fez um homenagem a essemomento, em canção do mesmo nome. Nas festas populares da Bahia, em clima de abolição, dança-se amesemba, um rebolado de tradição Sudanesa, acompanhado por tambores echocalhos. O fraseado dos escravos já imita frases melódicas tonais, copiadas dasfestas na Casa Grande. Na América Central o fenômeno se repete, maculelê e pontosde candomblé virando soca, calipso, ska e a futura música caribenha nascida tambémda música espanhola. 1900 O Blues, ritmo que nasceu com os negros americanos, é filho direto dos gospelsreligiosos e das worksongs , músicas de frases repetidas e notas longas, cantadasprimeiro por escravos e depois por menestréis negros, que viviam de tocar na ruas eestradas do Delta do Mississipi. Com a concentração nas cidades, surgem casas de Vaudeville, a night daépoca, onde a necessidade de dançar aumentou o ritmo e o fundiu com a tradição demúsica western e country. Nascia o Ritmn’blues, pai do Rock. No Brasil, do campo prá cidade, a mesemba torna-se maxixe com um empurrãodas modinhas européias, e das marchas militares. No Nordeste com o fim da revoltade Canudos, acontece a primeira migração de nordestinos para o Rio que inicia aprimeira favela, no Estácio. Novos ritmos que chegam, maracatu e caboclinho,tradições nordestinas de trezentos anos.
    • 1910 O Carnaval já é festa popular com ranchos e corsos cantando marchas e até a polca polonesa. Nesse ano nasce Noel Rosa, em família classe média, ouvindo Ernestro Nazareth e Chiquinha Gonzaga, pianistas que gravaram maxixes e marchas de carnaval e principalmente o Chôro, derivação instrumental da fusão do maxixe com a polca e as marchas. Em 1911 nasce Robert Johnson na localidade de Hazlehurst, estado rural e escravocrata do Mississippi. Viria a ser a maior lenda do Blues, por seu jeito único de tocar guitarra, com slides, e outros efeitos que viraram a própria linguagem do Blues. Em 1917, um sambista do Estácio, Donga, grava o que foi considerado o primeiro samba, Pelo Telefone, “ o chefe dapolícia pelo telefone mandou me avisar “. O parceiro de Donga, jornalista Mauro deAlmeida, popularizou a história do mineiro que comprou um bonde. Era amalandragem carioca a serviço da interpretação das injustiças dos ricos e poderosos,marca original do Samba.Ainda em 1917 acontece a primeira gravação nos EUA de uma música de jazz, estilonascido da fusão do blues com canções européias. A Nick LaRocca’s OriginalDixieland Jazz Band grava "The Dixieland Jazz Band One-Step." É algo parecido como Charleston, dançado aqui no Cabaret Assyrio, ao lado do Senado Brasileiro ainda nacapital Rio de Janeiro. A mistura é possível pela criação, também de Edison, do gravador de Vinil, avelha bolacha de 78 rpm. Os discos chegavam antes das lojas comprarem, pelaPraça Mauá, Cais do Porto de muita história do Samba na Gamboa, Mangue e Saúde.
    • 1920 A década de ouro dos americanos do jazz.Ragtime, Dixieland, Charleston eram nomes evariações ritmicas e de formação de bandas demúsicos brancos e pretos, sempre separados no Suldos Estados Unidos por conta de uma Lei deSegregação Racial ( Colored Act ) . Surge Louis Armstrong, pai do Jazz, músicoprofissional aos 18 anos, que era capaz de frasearlivremente durante uma cadência pré-determinada deacordes. Assim o improviso jazzístico começa comobrincadeira de um menino grande. Incrivelmenteparecido com a pessoa e a história de Pixinguinha,maior compositor do Chôro, e que estabeleceu amaioria dos arranjos modernos para variações de samba e chôro.1930 Já se vende quase 100 milhões de discos no Mundo, a música americana for export . Bing Crosby é o melhor cantor . No Rio de Janeiro a presença de Noel Rosa é maciça . Morto aos 26 anos, com 250 composições ele alertou os sambistas para as possibilidades de assunto ( com que roupa ? ) e de lirismo ( Três apitos – “ quando o apito da fábrica de tecidos vem ferir os meus ouvidos eu melembro de você ) . As Escolas de Samba do Estácio, Saúde, Gamboa, , Mangueira e Portelaconquistam a Praça Onze e trazem o samba para as massas. Francisco Reis, OrlandoSilva, Carmem Miranda são estrelas do Rádio, meio de difusão da nascente músicapopular brasileira, ainda sem o rótulo de MPB. Em 1936, Robert Johnson grava Terraplane Blues, considerado o primeirotrabalho de bluegrass a ser gravado. Seus ídolos e seguidores : Sonny BoyWilliamson, Elmore James, Howlin Wolf e Hacksaw Harney. Morreu antes dos 30anos, envenenado por um marido ciumento, com a fama de ter trocado sua almacom o Diabo, pelo talento que tinha ao violão.
    • 1940Les Paul O blues moderno se afirma com a forma clássica : I -IV- V- I, e solos contendo riffs e slides . Aparecem as primeiras guitarras da Rickenbacker, Fender e Gibson, usadas por blueseiros seguidores de Johnson, como C. Cristian e T Bone Walker. Woody Gutrie, artista rural, por outra vertente assimila o discursorebelde contra as instituições e a discriminação com os pobres na América.Influenciaria todo o espírito do rock, através da folk music de seu principal seguidor,Bob Dylan, nos anos 60. Do Recife pro Rio, Jackson do Pandeiro amarra toda a música nordestina e suasdezenas de ritmos e o tema nas suas composições e se torna, para o Nordeste, oque foi Noel Rosa para o Rio de Janeiro, um rio caudaloso de influências. As Grandes rádios Nacional e Tupi disputam os elencos milionários, LindaBatista, Carmem e Aurora Miranda, Orlando Silva, Mário Reis, que já começam aperceber nova influência estilística apurada : Dick Farney grava Copacabana com vozde veludo, emissão sem vibrato; Antônio Maria, outro pernambucano decisivo namúsica brasileira, apura o samba-canção, pai da Bossa Nova. No final da década uma estrela do Rádio brasileiro vira atriz de musicais deHollywood por dez anos, Carmem Miranda. Aloysio de Oliveira, seu produtor voltaráao Brasil para fazer a Bossa Nova decolar, nos anos 50. Os escritores americanos do movimento Beatnik, os pré-hippies, começam afermentar outra revolução cultural futura, que iria questionar valores sociais “limpose organizados “da América dos anos 50 . Os Beats se concentram na Califórnia esaem pelas estradas numa vida sem freios morais. Jack Kerouac, Allen Ginsberg,Bukowski e Burroughs vão ser a base intelectual dos rockeiros nos anos 60, e domovimento Hippie, que acabou com a guerra do Vietnam, em 72.
    • 1950 Carlos Lyra Começa o rock a tomar o lugar de seu pai, orhythm & blues e seu tio, o Jazz das big bands,no negócio das rádios e gravadoras. Nosprimórdios, Fats Domino, já em 1950, vendeumais de 1 milhão de cópias do primeiro singleThe Fat Man, Chucky Berry alucinava as platéiascom seus solos de guitarra e Little Richard era oresponsável por sucessos como Tutti Frutti eLong Tall Sally. No ano de 1954, Bill Haley lança o grande sucesso Shake, Rattle and Roll. Noano seguinte, surge no cenário musical o rei do rock Elvis Presley. Unindo a countrymusic e o rhythm & blues. O roqueiro de maior sucesso até então, Elvis Presleylançaria o disco, em 1956, Heartbreaker Hotel, atingindo 1,8 milhão de cópias. Nesta década ainda Chuck Berry, Little Richard, Jerry Lee Lewis, Buddy Hollyeram atrações numa América cheia de grupos vocais : The Orioles, o melhor. Elvisentrou no cinema e se tornou o primeiro grande artista do rock, popular no mundointeiro. Em 1957 Tom Jobim grava com Elizeth Cardoso, a Divina do Rádio, o LP Cançãodo Amor Demais, com letras de Vinícius Diplomata Poeta de Morais. Ao Violão, JoãoGilberto. Estava inaugurada a Bossa Nova na Rua Nascimento Silva, 107. Foi umnegócio entre o samba e o jazz onde o primeiro saiu ganhando. Jonhy Alf, BillyBlanco, Roberto Menescal, Ronaldo Bôscoli, Carlinhos Lyra, Elmir Deodato, JoãoDonato, que o digam. Em 59, o produtor Berry Gordy funda a Tamla Motown, gravadora queorganizou os melhores grupos vocais, como The Supremes, e outros artistasiniciantes, Marvin Gaye, Smokey Robinson, e nos anos 60, Steve Wonder, DonnaSummer e Jackson Five nos 70, Michael Jackson, nos 80. Começa o Rock nacional com Cauby Peixoto gravando o primeiro rock nacional,Rock n Roll em Copacabana , Celly Campello, e versões de grupos vocais de doowoop, modo americano de cantar em grupo. Em 59, para o programa Hoje é Dia deRock, Carlos Imperial descobre uma turma na Tijuca, com Tim Maia, Roberto eErasmo Carlos, e outros que formaram a Jovem Guarda, primeiro grande sucesso doRock no Brasil.
    • 1960Syd Barret The Beatles estouram nas paradas da Europa e Estados Unidos, em 1962, com a música Love me do. Mas em 1964, a canção Garota de Ipanema, com Astrud Gilberto e João, seu marido, ao violão, fica na frente de I Wanna Hold Your Hand, dos Beatles, por três semanas, na BillBoard, bíblia da audiência dos rádios americanos. A década de 1960 ficou conhecida graças aos grandes movimentos pacifistas contra a Guerra doVietnã. No Brasil as resistências políticas estavam na UNE União Nacional dosEstudantes, onde Carlinhos Lyra compõe subdesenvolvido, racha com a Bossa Nova esobe o morro com Nara Leão para gravar com artistas esquecidos do samba, tipoCartola e Zé Queti. Chico Buarque de Hollanda é unanimidade nacional, ganhafestivais e todos os corações femininos que continham cérebro entre as orelhas.Roberto Carlos ficou com as outras e saiu ganhando em audiência. O rock no mundo já tinha o caráter político e contestador dos escritoresBeatniks e das letras de Bob Dylan no meio da década. Outros grupos inglesestambém, the Who e The Rolling Stones, os anti-beatles que colocaram o sexofinalmente como tema do rock. Em 1965, quando Roberto Carlos emplaca "Quero que vá tudo pro inferno"nasceu o iê-iê-iê, ritmo resultante de uma mistura de rock e bolero, que passou acontagiar a juventude brasileira. Roberto e Erasmo, juntamente com Wanderlea, setornaram os expoentes daquele movimento musical que conseguiu, durante algunsanos, deixar o rock brasileiro um pouco esquecido. Em 66, Frank Albert Sinatra, o músico mais poderoso dos EUA, amigo dosKennedys, grava um LP com Antônio Carlos Jobim, que dias antes, ao recordar paraa irmã numa carta a sensação da espera, assinava, Antônio Claustro Fobim . ElisRegina lança o fino da Bossa, programa de TV com a nata da música brasileira, com ofim da Bossa Nova, virou O Fino e os jornalistas começaram a chamar aquela música,que ia de Jair Rodrigues e o Arrastão de Edu Lobo, até o samba jazz do Tamba Triode MPB – Música Popular Brasileira.
    • 1970 No final da década passada, em 1969, Woodstock torna-se o símbolo deste período novo e totalmente revolucionário, nos costumes. Sob o lema "paz e amor", meio milhão de jovens comparecem no concerto que contou com a presença de Jimi Hendrix, Janis Joplin, Crosby, Still, Nash and Young ,The Mamas & Papas, Jefferson Airplane, Pink Floyd, Led Zeppelin. O Rock se espalha em estilos com a debandada do movimento power-flower.Nasce o Heavy Metal, por influências dos agudos de Jimi Hendrix e dos temas de LedZeppelin. São o Black Sabbath, de Ozzy Osbourne, Judas Priest, Scorpions, IronMaiden, Kiss e Alice Cooper. O ACDC traz de volta a iconografia do Diabo para a música, seguido pelo IronMaiden e sua caveira Eddie. A exuberância de solos e agudos, contra bateriasalucinadas dão a marca do rock ao heavy metal. A Música eletrônica começa a sair dos primeiros sintetizadores e samplers doKrakfwerk, banda que coloca a Alemanha ao lado da Inglaterra como matrizes debandas da Europa até hoje. Mas a primeira banda considerada como industrialmusic foi a Throbbing Gristle que fundou a Industrial Records em 70. SeguiramCabaret Voltaire, SPK, Fad Gadget, e todos os DJs do mundo. Eles usavam metal, vidro, bombas mecânicas e ferramentas elétricas, além detelefones, radios e tvs, além de muita repetição ritmica, para representar amecanizaçã da sociedade, a despersonalização do homem natural diante datecnologia. Vai gerar na Inglaterra e EUA influências sobre bandas como a HappyMondays e toda a onda de raves presente até hoje. A pop music desponta com Frank Zappa, Creedence Clearwater, Carpenters,America, Elton John, Brian Ferry. No Rock a barra pesa: Morrison, do The Doorsmorre de overdose, aos 27 anos, em Paris. Em Londres, também com 27 anos,morre o gênio da guitarra, Jimi Hendrix. Outra revolução já nasce em Nova York, em 72 : Stooges, VelvetUnderground, New York Dolls fermentavam o punk de Nova York. Na Inglaterra,David Bowie, Iggy Pop e centenas de bandas nos pubs preparavam a nova virada nahistória do Rock. O movimento Lixo, ou Punk, em inglês.
    • No Brasil sujou também. O golpe militar gera a reação exterminadora decabeças pensantes, e Caetano Veloso vai fermentar a Tropicália na LondresPsicodélica do Hide Park. Gilberto Gil , egresso de Festivais da Canção com osMutantes, Secos e Molhados e Raul Seixas são destaques do Rock brasileiro.Primeira banda punk a fazer sucesso no Brasil, em São Paulo, a Meca do punk:Joelho de Porco . Gonzaguinha Na MPB Festivais ainda revelam forças como Taiguara e Ivan Lins . Os mineirosdo Clube da Esquina, dos irmãos Márcio, Telo e Lô Borges, com Milton, ToninhoHorta, Ronaldo Bastos, Flávio Venturinni, e depois Bôca Livre, revelam nova fusãocom o jazz mais moderno e oferecem novas temáticas, semelhantes à visão dosroqueiros progressivos. Wilson Simonal é talento do samba para divisão melódica emqualquer estilo. Chico Buarque e Tom Jobim marcam a década com Sabiá, a cançãoda anistia : “ Vou voltar sei que ainda vou voltar para o meu lugar ...”
    • 1980 O new wave do B’52 e o Talking Heads, de David Byrne faz sucesso no ritmo dançante , onde cérebro e melancolia se juntaram : The Smith, The Police, Supertramp, Men at Work. The Clash faz a ponte com o Reagge e Bob Marley já é lenda mundial por interferir, com sua popularidade na eleição de um presidente na Jamaica. Marley morreu em 81. Mas é a disco music, apoiada pelo filme Embalos de Sábado à Noite, quemdomina as paradas de sucesso, com Backman Turner e Overdrive, Roberta Flack, DeeDee Jackson, Chicago. De Manchester, na Inglaterra, vem o Joy Division, com toda aforça do pós-punk do vocalista Ian Curtis, que se enforca, aos 22 anos de idade. Oresto da banda formaria o New Order que já usa batidas eletrônicas. . Darks e góticostambém eram bem representados pelo Sister of Mercy, The Mission, The Cult eBauhaus. Surge em 86 a MTV e a linguagem videoclip. Aparece o U2 com letras deprotesto e forte caráter político. Seguindo um estilo pop e dançante, é a década deMadonna, clone de Cindy Lauper que foi bem mais longe, até Don’t Cry for meArgentina. Ou seja, Hollywood. Michael Jackson, principal atração da MTV emplacaThriller, de 1982, como o disco mais vendido da história da música, com mais de 40milhões de cópias. O Rock no Brasil assimila rockabilly com new wave e punk rock . Ganha temasmais urbanos : Ultraje a Rigor vai invadir sua praia, Legião Urbana fica um poucomais, Titãs não tá nem aí, Barão Vermelho pro dia nascer feliz, Kid Abelha como euquero, Engenheiros do Hawaii mas eles não dizem nada, Blitz só tem chopps, OsParalamas do Sucesso conselho de seu pai motocicleta é perigoso Vital e Lobão VidaBandida. O sonho não é mais mudar o mundo mas viver a revolução dentro dele, emilhas de estilos e comportamentos. Acontece o Rock in Rio I, na Barra. Correndo por fora, na linha do Samba e da balada romântica, Gonzaguinhasolta a voz e um talento único de falar tudo com a linguagem mais acessível. Djavansurge no Cinema no início da década, como o mendigo de Pobre Menina Rica, domusical de Vinícius e Carlinhos Lyra. No edifício da MPB, Tim Maia, expoente do Soul e Black Music, é o síndico edeixa entrar qualquer um. A Festa da Música Tupiniquim volta seus olhos ao campo,de onde o gênero guarânia e a modinha de viola se renovam em duplas sertanejascom vendagens superiores a dois milhões de cópias, marcas comuns à diva Simone,ou Roberto Carlos e Xuxa, fenômeno sexo-infantil de imbecilização da geração quefuturamente será prato feito para músicas de verão.
    • 1990Chico Science Esta década foi marcada por fusões de ritmos diferentes e do sucesso, em nível mundial, do rap e do reggae. Bandas como Red Hot Chili Peppers e Faith no More fundem o heavy metal e o funk, ganhando o gosto dos roqueiros e fazendo grande sucesso. Na Brasil, Gabriel O Pensador, com 18 anos grava Tô feliz matei o presidente e põe o hip-hop no gosto nacional. Outra matriz musical se firma, com gravadoras próprias, próprias festas , as raves que ganham o mundo, próprios ritmos derivados do eletrônico nos anos 70, próprias drogas, o ectasy, e de olho na evolução da Internet e da arte e ciência virtuais. Drum ‘n Bass, Trip Hop, Acid Jazz, abrigam centenas de nomesassociados a toda espécie de máquina, às vezes até instrumentos musicais,principalmente o teclado. A revolução no Rock vem um ano antes, da gravadora independente subpopque lança, em 89, o primeiro disco, Bleach, do Nirvana. Em menos de dois anos, abanda liderada por Kurt Cobain sai de Seattle para o mundo e, em 91, lançam oálbum mais importante da década: Nervermind. Surge o movimento grunge emSeattle, na California. R.E.M., Soundgarden, Pearl Jam e Alice In Chains tambémfazem sucesso no cenário grunge . Também começa-se a falar em cena tal, cena daquilo. À mídia parece que atribalização cultural é a resposta à globalização econômica. Enfim o hip hop, egressodo funk e do break, tocando a real do crime, da corrupção policial, das drogaspopulares. É o Miami Funk quer surge no Rio, funk da calcinha mandando a real prosalemão. Sues maiores incentivadores, DJ Malrboro e Furacão 2000, que já vinhamda Soul Music e do Break, nos anos 70. A cena do rock nacional : Raimundos, Charlie Brown Jr., Jota Quest, Pato Fu,Skank entre outros. No Metal , Sepultura leva em português e inglês suas letras atéas paradas norte-americanas. E hoje tem um vocalista americano. O Brit Rock selevanta com o Blur, de Dalman Albarn, o cultuado Radiohead, de Tom York, o Pulp,de Jarvis Cocker, e o Suede. Além do Oasis, dos hoolingans irmãos Gallagher. No Recife, o mangue beat, de Chico Science e Nação Zumbi, que assimilava asmisturas de Jackson do Pandeiro ( anos 50 ), as levadas eletrônicas do Drum n Basse Trip Hop ( anos 90 ) fundidas com maracatu ( 300 anos atrás ). O Velho Rock nRoll, visceral, voz de fúria, morreu bastante junto com Cássia Eller, sua melhorcondutora.2000
    • Luxúria O público consumidor é a marca da década 00. Ainda está se arranjando, como num terremoto, as novas formas de consumir e produzir música. Todos estão crescendo, gravadoras, artistas, público, gente antiga tá voltando mas o espaço é pequeno ainda para as massas de novas bandas e artistas que desejam a melhor profissão do mundo , como definiu Mick Jagger. Quanto ao conteúdo cultural, a arte musical, o caldeirão das almas vai fermentando uma bolha aquiou ali, por onde soltam seus gazes um movimento ou uma cena cultural. Osamericanos Strokes e White Stripes e os suecos The Hives conservam o vigor do bome velho rock in roll. Já na música pop, houve ma volta aos 60: os escoceses do Belle andSebastian, que até já fez escola, com Looper, Salako e Gentle Waves. Outra vertente: Travis, Coldplay e StarSailor. O Brit rock se mantém firme pelas mesmas razões,por exemplo, Oasis e Supergrass. São ótimas de ouvir, mas não ouve avanço. No Pop Rock Brasil, Los Hermanos foram gravados por George Harrison, AnaJúlia, megahit que nem por isso imobilizou a banda que pensa Beatles com Cartola.Mostram novas cadências, modulações românticas, como a maioria das letras. Assimcomo Chico Cézar, Paulinho Moska, Adriana Calcanhoto, Ana Carolina, Nando Reis,Vander Lee, uma chusma de talentos reinterpretando o momento, misturado amemórias brasileiras e universais. Nas gravadoras, o filét do investimento vai para o que sempre agrada,Sertanejo, Românticos Solitários, o Samba se fortalece entre os jovens, através doPagode e de uma volta às raízes, como Teresa Cristina e Grupo Semente , DuduNobre, Zeca Pagodinho. O cinema ajuda ainda a emplacar coisas distantes da nossacultura, como Celine Dion, Maria Carey, Jennifer Lopez, essa aí, pela bunda, já émais brasileirinha. E nas férias todos vão à Porto Seguro ver qual o novo ritmo do ano: a AxéMusic, variante do Calipso e do Frevo ganha cada vez mais espaços nas rádios egravadoras, e transformou os hábitos de carnaval de todo o país dos anos 90 emdiante. Axé Daniela, Axé Ivete. O próprio Calipso é o ritmo do momento, com abanda...Calipso ! Que imaginação notável ! É como se houvesse uma banda chamadaRock’n’Roll. Só rebolando muito eles chegaram lá.Fontes em Livros
    • Diários da Turma de Brasília - Paulo MarchettiPiero Scaruffi - A Rock HistoryRichard Carlin - Rock and RollRuy Castro - Biografia de Nelson Rodrigues Ela é Carioca