Your SlideShare is downloading. ×
Vunesp Conhecimento Específico Códigos e Linguagens
Vunesp Conhecimento Específico Códigos e Linguagens
Vunesp Conhecimento Específico Códigos e Linguagens
Vunesp Conhecimento Específico Códigos e Linguagens
Vunesp Conhecimento Específico Códigos e Linguagens
Vunesp Conhecimento Específico Códigos e Linguagens
Vunesp Conhecimento Específico Códigos e Linguagens
Vunesp Conhecimento Específico Códigos e Linguagens
Vunesp Conhecimento Específico Códigos e Linguagens
Vunesp Conhecimento Específico Códigos e Linguagens
Vunesp Conhecimento Específico Códigos e Linguagens
Vunesp Conhecimento Específico Códigos e Linguagens
Vunesp Conhecimento Específico Códigos e Linguagens
Vunesp Conhecimento Específico Códigos e Linguagens
Vunesp Conhecimento Específico Códigos e Linguagens
Vunesp Conhecimento Específico Códigos e Linguagens
Vunesp Conhecimento Específico Códigos e Linguagens
Vunesp Conhecimento Específico Códigos e Linguagens
Vunesp Conhecimento Específico Códigos e Linguagens
Vunesp Conhecimento Específico Códigos e Linguagens
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Vunesp Conhecimento Específico Códigos e Linguagens

280

Published on

Published in: Education
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
280
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
3
Actions
Shares
0
Downloads
3
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. AssinaturadoCandidato VESTIBULAR2012 VESTIBULAR 2012 Prova de Conhecimentos Específicos e Redação 19.12.2011 004. Linguagens e Códigos (Questões 25 - 36)   Confira seus dados impressos na capa deste caderno.   Assine com caneta de tinta azul ou preta apenas no local indicado. Qualquer identificação no corpo deste caderno acarreta- rá a anulação da prova.   Esta prova contém 12 questões discursivas e uma proposta de redação.   A prova terá a duração total de 4h30.   A prova deve ser feita com caneta de tinta azul ou preta.   A resolução e a resposta de cada questão devem ser apresentadas no espaço correspondente. Não serão consideradas questões resolvidas fora do local indicado.   Os rascunhos não serão considerados na correção.   O candidato somente poderá entregar este caderno e sair do prédio depois de transcorridas 2h15, contadas a partir do início da prova.
  • 2. NÃO ESCREVA NESTE ESPAÇO
  • 3. 3 VNSP1108/004-CE-LingCódigos-Redação Instrução:As questões de números 25 a 28 tomam por base uma passagem de um conto de Ignácio de Loyola Brandão (1936-) e parte de um artigo de Bernardo Jefferson de Oliveira. O homem que queria eliminar a memória (...) Estava na sala diante do doutor. Uma sala branca, anônima. Por que são sempre assim, derrotando a gente logo de entrada? O médico: — Sim? — Quero me operar. Quero que o senhor tire um pedaço do meu cérebro. — Um pedaço do cérebro? Por que vou tirar um pedaço do seu cérebro? — Porque eu quero. — Sim, mas precisa me explicar. Justificar. — Não basta eu querer? — Claro que não. — Não sou dono do meu corpo? — Em termos. — Como em termos? — Bem, o senhor é e não é. Há certas coisas que o senhor está impedido de fazer. Ou melhor; eu é que estou impedido de fazer no senhor. — Quem impede? — A ética, a lei. — A sua ética manda também no meu corpo? Se pago, se quero, é porque quero fazer do meu corpo aquilo que desejo. E se acabou. — Olha, a gente vai ficar o dia inteiro nesta discussão boba. E não tenho tempo a perder. Por que o senhor quer cortar um pedaço do cérebro? — Quero eliminar a minha memória. — Para quê? — Gozado, as pessoas só sabem perguntar: o quê? por quê? para quê? Falei com dezenas de pessoas e todos me pergun- taram: por quê? Não podem aceitar pura e simplesmente alguém que deseja eliminar a memória. — Já que o senhor veio a mim para fazer esta operação, tenho ao menos o direito dessa informação. — Não quero mais me lembrar de nada. Só isso. As coisas passaram, passaram. Fim! — Não é tão simples assim. Na vida diária, o senhor precisa da memória. Para lembrar pequenas coisas. Ou grandes. Compromissos, encontros, coisas a pagar, etc. — É tudo isso que vou eliminar. Marco numa agenda, olho ali e pronto. — Não dá para fazer isso, de qualquer modo. A medicina não está tão adiantada assim. — Em lugar nenhum posso eliminar a minha memória? — Que eu saiba não. — Seria muito melhor para os homens. O dia a dia. O dia de hoje para a frente. Entende o que eu quero dizer? Nenhuma lembrança ruim ou boa, nenhuma neurose. O passado fechado, encerrado. Definitivamente bloqueado. Não seria engraçado? Não se lembrar sequer do que se tomou no café da manhã? E para que quero me lembrar do que tomei no café da manhã? (Ignácio de Loyola Brandão. Cadeiras proibidas: contos. Rio de Janeiro: Codecri, 1984, p. 32-34.)
  • 4. 4VNSP1108/004-CE-LingCódigos-Redação Os avanços da genética nos filmes Uma boa forma de se pensar as possibilidades e riscos no avanço das ciências é se aventurar nas ficções literárias e cinematográficas. Enquanto os cientistas devem zelar para não fazer especulações infundadas, os autores de ficção tratam de dar asas à imaginação e projetar em histórias emocionantes as possíveis aplicações da ciência e alguns de seus efeitos inesperados. A possibilidade de recriação da vida humana ou do controle que poderíamos ter sobre seus corpos e destinos são alguns dos grandes temas que há muito tempo vêm sendo explorados. O que seria de nossa vida se soubéssemos como prolongá-la indefinidamente? Como ficariam nossos corpos se pudéssemos transformá-los à vontade ou se conseguíssemos fabricar seres para nos substituírem nas tarefas duras e chatas? Não seria uma maravilha se pudéssemos implantar ou fazer um download de memórias e conhecimentos que nos dispensassem de ter que aprender “na marra”, com muito estudo e algumas experiên- cias ruins? Que tal poder escolher e reconfigurar nossas características e as das pessoas com quem convivemos? Nosso imaginário é povoado por robôs, clones, artifícios fantásticos, instrumentos poderosos e tecnologias sofisticadas que aparecem sob variadas formas nos enredos de diversos filmes. Metrópolis, Frankenstein, Blade Runner, Inteligência Artificial, Eu Robô e Matrix são alguns que se tornaram clássicos, pois foram marcantes para gerações e continuam sendo referidos e revisitados. De maneira geral, retratam como boas ideias podem ter desdobramentos imprevistos e indesejáveis. É o que acontece, por exemplo, nas narrativas utópicas que descrevem sociedades ideais, mas que se revelam sombrias e nada atraentes quando conhecidas de perto, como nos filmes 1984 ou Brazil. Isto obviamente não invalida, nem deveria desestimular, os avanços do conhecimento. Pelo contrário! Juntamente com as dúvidas que essas histórias lançam sobre nossas certezas e expectativas, elas suscitam interrogações e recolocam questões fundamentais. Se a engenharia genética pode fazer as pessoas melhores, mais saudáveis, mais desejáveis, por que não seguir em frente? Quais seriam as implicações dessa seleção artificial? Assistir e conversar sobre o filme GATTACA é uma boa forma de entrar nessa discussão. O nome da produção e do local onde se passa vem das letras com que representamos as sequências do DNA (G, A, T, C). Mais precisamente, as iniciais das bases químicas dessas moléculas: Guanina, Adenina, Timina e Citosina. O filme retrata uma sociedade organizada e estra- tificada de forma racional, tomando como base o levantamento genético dos indivíduos. Aparentemente, uma forma de se aproveitar melhor, e para o bem comum, as características e o potencial de cada um. Acontece que um jovem, inconformado com o destino que seus genes “defeituosos” lhe reservara, falseia sua identidade genética para assumir a profissão com que sempre sonhara, a de espaçonauta. Boa parte da trama e do suspense do filme advém do fato de que sua verdadeira identi- dade biológica, inválida para aquela atividade, tinha que ser ocultada todo o tempo e com muita astúcia, pois a manutenção da ordem social se baseava em constantes escaneamentos genéticos. As situações enfrentadas pelo personagem nos levam a compartilhar sua percepção de injustiça, e torcer pela subversão ao sistema. (Bernardo Jefferson de Oliveira. Os avanços da genética nos filmes. pré-Univesp, edição 6, 15.11.2010: www.univesp.ensinosuperior.sp.gov)
  • 5. 5 VNSP1108/004-CE-LingCódigos-Redação RESolução e resposta correção Revisão Questão 25 A personagem do conto de Loyola Brandão, em suas tentativas de demonstrar ao médico que seria bom eliminar a memória, apresenta, entre seus argumentos, no último parágrafo, um de ordem emocional, sentimental. Identifique esse argumento e justifique-o do ponto de vista da personagem.
  • 6. 6VNSP1108/004-CE-LingCódigos-Redação RESolução e resposta correção Revisão Questão 26 Depois de comparar os dois textos, demonstre que, quanto à questão da memória, o homem do conto, que procura o médico, e o pesquisador Bernardo Jefferson de Oliveira manifestam opiniões bem distintas.
  • 7. 7 VNSP1108/004-CE-LingCódigos-Redação RESolução e resposta correção Revisão Questão 27 Segundo se depreende da síntese de Bernardo Jefferson de Oliveira, ao apresentar uma sociedade organizada e estratificada de forma racional, tomando como base o levantamento genético dos indivíduos, o filme GATTACA focaliza uma utopia cuja aplicação, como em todas as utopias, acaba não dando inteiramente certo. Indique qual o aspecto da natureza humana que a organização da sociedade de GATTACA ignorou e que acabou gerando toda complicação focalizada no enredo do filme.
  • 8. 8VNSP1108/004-CE-LingCódigos-Redação RESolução e resposta correção Revisão Questão 28 No primeiro parágrafo e em outras passagens do artigo, Bernardo Jefferson de Oliveira destaca que os literatos e os cineastas desfrutam de uma liberdade que os cientistas não têm ante suas próprias descobertas científicas. Que liberdade é essa?
  • 9. 9 VNSP1108/004-CE-LingCódigos-Redação Instrução: As questões de números 29 a 32 tomam por base uma passagem de um conto de Machado de Assis (1839-1908) e uma tira do cartunista Laerte (Laerte Coutinho, 1951-). Um homem superior Quis a desgraça de Medeiros [patrão de Clemente] que os negócios lhe corressem mal; duas ou três catástrofes comer- ciais o puseram às portas da morte. Clemente Soares fez quanto pôde para salvar a casa de que dependia o seu futuro, mas nenhum esforço era possível contra um desastre marcado pelo destino, que é o nome que se dá à tolice dos homens ou ao concurso das circunstâncias. Achou-se sem emprego nem dinheiro. (...) No pior da sua posição, recebeu Clemente uma carta em que o comendador o convidava a ir passar algum tempo na fazenda. Sabedor da catástrofe de Medeiros, queria o comendador naturalmente dar a mão ao rapaz. Este não esperou que repe- tisse o convite. Escreveu logo dizendo que daí a um mês se poria em marcha. Efetivamente um mês depois saía Clemente Soares em caminho do município de***, onde era a fazenda do comendador Brito. O comendador esperava-o ansioso. E não menos ansiosa estava a moça, não sei se porque já lhe tivesse amor, se porque ele fosse uma distração no meio da monótona vida rural. Recebido como amigo, tratou Clemente Soares de pagar a hospitalidade, fazendo-se conviva alegre e divertido. Ninguém o poderia melhor do que ele. Dotado de grande perspicácia, compreendeu em poucos dias como entendia o comendador a vida do campo, e tratou de o lisonjear por todos os modos. Infelizmente, dez dias depois da sua chegada à fazenda, adoeceu gravemente o comendador Brito, por maneira que o médico poucas esperanças deu à família. Era ver o zelo com que Clemente Soares servia de enfermeiro do doente, procurando por todos os meios suavizar-lhe os males. Passava noites em claro, ia aos povoados quando era necessário fazer alguma coisa mais importante, consolava o doente já com palavras de esperanças, já com animada conversa, cujo fim era distraí-lo de pensamentos lúgubres. — Ah! dizia o pobre velho, que pena que eu o não conhecesse há mais tempo! Bem vejo que é um verdadeiro amigo. — Não me elogie, comendador, dizia Clemente Soares, não me elogie, que é tirar o mérito, se o há, destes deveres agra- dáveis ao meu coração. O procedimento de Clemente influiu no ânimo de Carlotinha, que nesse desafio de solicitude soube mostrar-se esposa dedicada e reconhecida. Ao mesmo tempo fez com que em seu coração se desenvolvesse o gérmen de afeto que Clemente de novo lhe lançara. Carlotinha era uma moça frívola; mas a doença do marido, a perspectiva da viuvez, o desvelo do rapaz, tudo fez nela uma profunda revolução. E mais que tudo, a delicadeza de Clemente Soares, que, durante esse tempo de tão graves preocupações para ela, nenhu- ma palavra de amor lhe dirigiu. Era impossível que o comendador escapasse à morte. (Machado de Assis. Contos fluminenses, vol. II. São Paulo: Editora Mérito, 1962, p. 103-105.) Fagundes, um puxa-saco de mão-cheia (Laerte [Laerte Coutinho]. Fagundes: um puxa-saco de mão-cheia. Porto Alegre: L&PM, 2007, p.16.)
  • 10. 10VNSP1108/004-CE-LingCódigos-Redação RESolução e resposta correção Revisão Questão 29 Dotado de grande perspicácia, compreendeu em poucos dias como entendia o comendador a vida do campo, e tratou de o lisonjear por todos os modos. Explique em que medida o verbo “lisonjear”, empregado na frase, representa uma síntese da atitude de Clemente Soares ante o comendador, na passagem apresentada.
  • 11. 11 VNSP1108/004-CE-LingCódigos-Redação RESolução e resposta correção Revisão Questão 30 O que sugere com certa malícia o narrador, ao empregar a forma verbal soube no fragmento apresentado, dizendo que Car- lotinha soube mostrar-se esposa dedicada e reconhecida, quando poderia ter dito que ela “mostrou-se esposa dedicada e reconhecida”?
  • 12. 12VNSP1108/004-CE-LingCódigos-Redação RESolução e resposta correção Revisão Questão 31 Releia o segundo parágrafo do conto de Machado de Assis e explique o que deixa implícito o narrador a respeito da noção usual de destino.
  • 13. 13 VNSP1108/004-CE-LingCódigos-Redação RESolução e resposta correção Revisão Questão 32 Na tira de Laerte, aponte o que o aluno não percebeu de imediato como primeira lição de Fagundes.
  • 14. 14VNSP1108/004-CE-LingCódigos-Redação RESolução e resposta correção Revisão Instrução: Leia o texto para responder, em português, às questões de números 33 e 34. Gattaca Review by James Brundage (January 15th, 1999) Gattaca is a character drama in the guise of a thriller, the same way that The Truman Show was a drama in the guise of a comedy. Andrew Niccol works his beautiful charms with both of them. In Gattaca, he offers us a stunning vision of the not-so-distant future, a time where genetic engineering is so commonplace that it is common practice. The world, of course, has the drawback that anyone who was not genetically engineered is part of a new class of society, called an invalid. Vincent Freeman was born this way. He chooses, however, not to remain an invalid but to become what is known as a de-generate, someone who uses other people’s blood, urine, hair etc. to fake a genetic code superior to their own. His dream was to end up in space and being this particularly loathed thing is the only way he is able to do it. Lending his dream to the real Gerome Morrow, a suicidal cripple, the two band together to get him into space. Everything is going well, he is set to leave in a week. Then the mission director is murdered. This occurs, in my opinion, only to keep less intelligent viewers interested in the story, which contains enough pathos to warrant me watching it if it didn’t involve a murder at all. As Vincent tries to keep his secret, he is falling in love with Irene Cassini, another worker at Gattaca, the story’s equivalent of Cape Canaveral. The panic caused by the moment causes each person involved to examine themselves, society, and the state of the world. The sad thing about Gattaca is that so many people will hate this movie because of its utterly slow pace. It does not keep the interest of someone not intrigued by people, which encompasses most every viewer today. So that takes out studio fans, and its Star Trek target audience. (www.killermovies.com. Adaptado.) Quem era denominado pelo termo invalid no contexto da história do filme? O que significava ser um de-generate, no mesmo contexto? Questão 33
  • 15. 15 VNSP1108/004-CE-LingCódigos-Redação RESolução e resposta correção Revisão Questão 34 Segundo a crítica, por que o diretor da missão espacial foi assassinado? Havia realmente necessidade de esse fato ocorrer?
  • 16. 16VNSP1108/004-CE-LingCódigos-Redação RESolução e resposta correção Revisão Instrução: Leia o texto para responder, em português, às questões de números 35 e 36. Personal Marketing: Selling yourself Before you begin a job search campaign you must have a personal marketing strategy. A personal marketing strategy provides you with a game plan for your job search campaign. You should look at the job search as a marketing campaign, with you, the job seeker, as the product. Every product, even the best ones, won’t succeed without a strong marketing strategy. This begins with a comprehensive, yet flexible plan. First you must know to whom you are marketing. You must identify the types of employers who would be looking for an employee with your qualifications. Are they all within a certain industry? Are there many industries that hire employees with your background? You already know that personal marketing skills are important to your career and perhaps to find a better job, but the only problem is that the art of self marketing is difficult for a lot of people. Selling yourself well doesn’t mean talking just about yourself or arrogantly telling others how great you are. By selling yourself, in an interview or an informal networking meeting, I mean thinking first about the employer’s needs and expectations and figuring out how you can create value for their organization. What does the potential employer really need from a new employee? What specific technical skills, workplace competencies and personal qualities is the employer looking for? Now if you can ask those questions dispassionately, you should be able to identify your own strengths that match and gently weave them into every conversation you have in the world of good jobs and prospective careers. (Adaptado de http://careerplanning.about.com e www.your-career-change.com) Liste quatro aspectos importantes a serem considerados, segundo o texto, para se realizar uma propaganda de si mesmo com a finalidade de conseguir um emprego. Questão 35
  • 17. 17 VNSP1108/004-CE-LingCódigos-Redação RESolução e resposta correção Revisão Qual o significado da oração …if you can ask those questions dispassionately… no texto? A quais perguntas se faz referência nessa oração? Questão 36
  • 18. 18VNSP1108/004-CE-LingCódigos-Redação REDAÇÃO As reações do cérebro à bajulação Pesquisa mostra que se você for bajular alguém é melhor fazer elogios descarados Não é o que os meritocratas convictos gostariam de ouvir. Uma pesquisa da escola de negócios da Hong Kong University of Science and Technology indica que a bajulação tem um efeito marcante no cérebro da pessoa bajulada. Mais surpreendente do que isso é a conclusão do estudo de autoria de Elaine Chan e Jaideep Sengupta: quanto mais descarada a bajulação, mais eficiente ela é. A pesquisa deu origem a um artigo no Journal of Marketing Research, intitulado Insincere Flattery Actually Works (“Bajulação insincera de fato funciona”, numa tradução literal) e rapidamente chamou a atenção da imprensa científica mundial. Os autores são cautelosos ao afirmar que puxar o saco funciona, mas é nessa direção que sua pesquisa aponta. Elaine e Sengupta criaram situações nas quais os pesquisados foram expostos à bajulação insincera e oportunista. Numa delas, distribuíram um folder entre os pesquisados que detalhava o lançamento de uma nova rede de lojas. O material publicitário elogiava o “apurado senso estético” do consumidor. Apesar do evidente puxa-saquismo, o sentimento posterior das pessoas foi de simpatia em relação à rede. Entre os participantes, a medição da atividade cerebral no córtex pré-frontal (responsável pelo registro de satisfação) indicou um aumento de estímulos nessa região. O mesmo ocorreu em todas as situações envolvendo elogios. Segundo os pesquisadores, a bajulação funciona devido a um fenômeno cerebral conhecido como “comportamento de atraso”. A primeira reação ao elogio insincero é de rejeição e desconsideração. Apesar disso, a bajulação fica registrada, cria raízes e se estabelece no cérebro humano. A partir daí, passa a pesar subjetivamente no julgamento do elogiado, que tende, com o tempo, a formar uma imagem mais positiva do bajulador. Isso vale desde a agência de propaganda até o funcionário que leva um cafezinho para o chefe. “A suscetibilidade à bajulação nasce do arraigado desejo do ser humano de se sentir bem consigo mesmo”, diz Elaine Chan. A obviedade e o descaramento do elogio falso, paradoxalmente, conferem- lhe maior força. Segundo os pesquisadores, é a rapidez com que descartamos os elogios manipuladores que faz com que eles passem sem filtro pelo cérebro e assim se estabeleçam de forma mais duradoura. Segundo Elaine e Sengupta, outro fator contribui para a bajulação. É o “efeito acima da média”. Temos a tendência de nos achar um pouco melhor do que realmente somos, pelo menos em algum aspecto. Pesquisas com motoristas comprovam: se fôssemos nos fiar na autoimagem ao volante, não haveria barbeiros. Isso vale até para a pessoa com baixa autoestima. Em alguma coisa, ela vai se achar boa, nem que seja em bater figurinha. Mas se corremos o risco de autoengano com a ajuda do bajulador, como se prevenir? “Desenvolvendo uma autoestima autêntica”, diz Elaine. A pessoa equilibrada, que tem amor-próprio, é mais realista sobre si mesma, aceita-se melhor e se torna mais imune à bajulação. (As reações do cérebro à bajulação. Época Negócios, março de 2010, p. 71.) PROPOSIÇÃO Bajular, lisonjear, adular, puxar saco são atitudes consideradas, muitas vezes, defeitos de caráter ou deslizes de natureza ética; são, também, condenadas pelas próprias religiões, como vícios ou “pecados”. As ficções literárias, teatrais e cinemato- gráficas estão repletas de tipos bajuladores, lisonjeadores, aduladores, puxa-sacos, quase sempre sob o viés do ridículo e do desvio de caráter. Modernamente, porém, pelo menos em parte, essa condenação à bajulação e à lisonja tem sido atenuada, e até mesmo justificada por alguns como parte do marketing pessoal, ou como estratégia para atingir metas, dado o fato de que, como se informa no próprio artigo acima apresentado, até o elogio mais insincero pode encontrar eco na mente e no coração do elogiado. Na passagem do conto de Machado de Assis, apresentada nesta prova, Clemente Soares acabou atingindo seus objetivos por meio da bajulação, e a personagem Fagundes, de Laerte, parece viver sempre feliz em sua atividade preferencial de bajular. Reflita sobre o conteúdo dos três textos mencionados e elabore uma redação de gênero dissertativo, empregando a norma-padrão da língua portuguesa, sobre o tema: A bajulação: virtude ou defeito?
  • 19. RASCUNHO Os rascunhos não serão considerados na correção. NÃO ASSINE ESTA FOLHA 19 VNSP1108/004-CE-LingCódigos-Redação

×