Your SlideShare is downloading. ×
0
Diagnóstico setorial agronegócio
Diagnóstico setorial agronegócio
Diagnóstico setorial agronegócio
Diagnóstico setorial agronegócio
Diagnóstico setorial agronegócio
Diagnóstico setorial agronegócio
Diagnóstico setorial agronegócio
Diagnóstico setorial agronegócio
Diagnóstico setorial agronegócio
Diagnóstico setorial agronegócio
Diagnóstico setorial agronegócio
Diagnóstico setorial agronegócio
Diagnóstico setorial agronegócio
Diagnóstico setorial agronegócio
Diagnóstico setorial agronegócio
Diagnóstico setorial agronegócio
Diagnóstico setorial agronegócio
Diagnóstico setorial agronegócio
Diagnóstico setorial agronegócio
Diagnóstico setorial agronegócio
Diagnóstico setorial agronegócio
Diagnóstico setorial agronegócio
Diagnóstico setorial agronegócio
Diagnóstico setorial agronegócio
Diagnóstico setorial agronegócio
Diagnóstico setorial agronegócio
Diagnóstico setorial agronegócio
Diagnóstico setorial agronegócio
Diagnóstico setorial agronegócio
Diagnóstico setorial agronegócio
Diagnóstico setorial agronegócio
Diagnóstico setorial agronegócio
Diagnóstico setorial agronegócio
Diagnóstico setorial agronegócio
Diagnóstico setorial agronegócio
Diagnóstico setorial agronegócio
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Diagnóstico setorial agronegócio

2,029

Published on

Published in: Sports, Health & Medicine
0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
2,029
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
0
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Encontro de Inovação: Diagnóstico Setorial – Agronegócio: Embalagens Sustentáveis
  • 2. Diagnóstico Setorial – Agronegócios Contextualização Desafios tecnológicos e de mercado Metodologia de Solução de Problemas
  • 3. Contextualização Setor de Agronegócios: panorama geral Participação Mineira no PIB de Agronegócios •Participação do agronegócio nas exportações totais do Estado: 28,8% (em 2008, a participação foi de 23,3%) •Fazendas de pecuária do Estado aprovadas pela UE: 635 (35% do país) •Agricultores familiares assistidos pela Emater em MG: 450 mil •Número de fazendas de café credenciadas internacionalmente pelo Programa Certifica Minas: 800 fazendas •Projetos de pesquisa em execução em MG: 326 projetos, Minas Gerais ocupa posição de destaque no cenário do R$ 21,7 milhões agronegócio brasileiro. Em 2009, Minas Gerais apresentou melhor desempenho Outro fator de desenvolvimento do agronegócio em Minas que o resto do país. Gerais é o nível de excelência das instituições de pesquisa, públicas e privadas, voltadas para o segmento. Distribuição por Segmento do Agronegócio em MG Fonte:www.agricultura.mg.gov.br
  • 4. Contextualização Setor de Leite: panorama geral Cenário Interno Cenário Externo Minas é o maior produtor de Leite do Brasil! O Brasil está em 5º lugar no ranking dos maiores produtores de Leite do mundo! Principais Produtores Mundiais de Leite 1º Estados Unidos 86,1 mi T 2º Índia 44,1 mi T 3º China 36,7 mi T 4º Rússia 32,5 mi T 6º Brasil 28,8 mi T Exportação de Laticínios – Até Out/2009 (FOB US$) Fonte:www.ipeadata.gov.br
  • 5. Contextualização Setor de Mel: panorama geral Cenário Interno Cenário Externo O Brasil ocupa a 5ª posição no ranking mundial de exportação de mel e é o 11º maior produtor mundial. Destino das exportações brasileiras de mel Ano 2009 Países US$ Kg Alemanha 1.593.543 547.715 Canada 225.641 79.149 EUA 2.776.436 1.039.692 Hong Kong 4.096 811 Japão 2.160 24 Reino Unido 188.960 64.547 Exportação brasileira de mel Ano 2008 2009 US$ Kg US$ Kg Total 43.571.114,00 18.271.294,00 65.791.416,00 25.987.193,00 Fonte:www.ipeadata.gov.br / www.sebrae.com.br
  • 6. Contextualização Setor de Café: panorama geral Cenário Interno Cenário Externo Minas é o maior produtor de café do Brasil! O Brasil é o maior produtor e exportador, e um dos maiores consumidor de café do mundo! Produção Mundial de Café 2009 2008 Países Produção Part. (%) Produção Part. (%) *Brasil 39.470 31,90 45.992 35,88 Vietnan 18.000 14,55 18.500 14,43 Colômbia 9.500 7,68 8.664 6,76 Indonésia 9.350 7,56 9.350 7,29 Etiópia 4.850 3,92 4.350 3,39 Exportação de Café 2009 2008 Países Exportação Part. (%) Exportação Part. (%) *Brasil 30.481 32,09 29.728 30,51 Vietnan 15.000 15,79 16.101 16,52 Colômbia 10.200 10,74 8.696 8,92 Indonésia 4.250 4,47 4.250 4,36 Etiópia 4.300 4,53 4.300 4,41 Fonte: www.agricultura.gov.br
  • 7. Contextualização Setor de Leite: Embalagens A embalagem longa vida é a mais recomendada para aumentar a resistência ao calor, à luz, à ruptura, aos vapores e aos gases. Na dimensão funcional, há diversidade de opções de abertura e fechamento das embalagens de leite. A lata é a embalagem mais ecológica que existe pois é 100% reciclável. Fonte: www.revistadelaticinios.com.br
  • 8. Contextualização Setor de Café: Embalagens As embalagens desempenham papel importante não só na proteção do café, como na apresentação e no processo de comunicação dos valores naturais. Os materiais mais utilizados nas embalagens são: vidro; alumínio poliacoplado; cartão combinado com alumínio; multicamadas flexíveis de polímeros As embalagens desempenham papel importante não só na proteção dos traços do café e de seu aroma, como na apresentação e no processo de comunicação dos valores naturais. A almofada ainda é a embalagem preferida do consumidor, com 53% de aceitação, seguida pela embalagem a vácuo (38%), de plástico e de vidro. Já os sachês e as cápsulas apresentam baixa aceitação entre os brasileiros. Fonte: www.sebrae.com.br
  • 9. Contextualização Setor de Mel: Emabalgens O mel e outros derivados da colméia são altamente higroscópios, portanto, as embalagens devem ser hermeticamente fechadas. As embalagens de mel mais utilizadas são: baldes de plástico; tambores de aço; garrafas/potes de vidro; garrafas/potes de plástico e sachês. Os baldes de plástico têm relação custo-benefício superior ao da lata de metal, além de proporcionar facilidade no transporte. Quanto às embalagens para o varejo, tanto o plástico, específico para alimentos, quanto o vidro são recomendáveis, embora o vidro seja o material ideal para o acondicionamento do mel. Fonte: www.sebrae.com.br
  • 10. Contextualização Cadeia de Valor do Agronegócio MERCADO EXTERNO Varejistas Indústria de Alimentos INDÚSTRIA DE PRODUÇÃO PRIMEIRO INDÚSTRIA Bares e INSUMOS RURAL PROCESSAMENTO * PROCESSADORA Restaurantes Genética animal Produtores integrados Cooperativas Medicamentos Pecuaristas especializados Maquinistas Pecuaristas não MERCADO Alimentação Defensivos e especializados INTERNO fertilizantes Produtores de café Varejistas Sementes e mudas Bares e Restaurantes Ind. alimentos * Somente para Café Mercado Institucional Fonte: www.agricultura.mg.gov.br
  • 11. Contextualização Setor de Agronegócios: Embalagens O Setor de Embalagens Embalagens Sustentáveis O Brasil foi o 4º país que mais lançou embalagens no mundo O design com orientação sustentável, ou ecodesign, tem o em 2009! objetivo de diminuir o impacto ambiental de produtos e embalagens. No total, os lançamentos cresceram 18% em relação a 2008, com 274.273 novas embalagens lançadas. O ecodesign avalia o efeito que um produto tem sobre o meio ambiente em todos os estágios do seu ciclo de Faturamento da Indústria de Embalagem vida, ou seja, desde a escolha da matéria prima, produção e distribuição até o seu uso e pós-uso. 2007 32,0 Bilhões de Reais 2008 34,7 Bilhões de Reais 2009 33,2* Bilhões de Reais *Valor estimado Os tipos de embalagens e materiais mais adotados nos lançamentos, foram frascos, embalagens flexíveis e bisnagas, seguidos pelo plástico, vidro e cartão. Um posicionamento ético/ambiental pela primeira vez entra no quadro dos TOP10 posicionamentos mais adotados nas embalagens lançadas. Fonte:www.agricultura.mg.gov.br
  • 12. Contextualização Padrão de inovação de Agronegócios Novas tendências do Agronegócio A indústria do milho em Minas Gerais Criação de massa crítica e desenvolvimento de O Setor de Agronegócios pesquisas e produtos nas áreas da atual fronteira do conhecimento, tais como nanotecnologia, CARACTERÍSTICAS GERAIS DO SETOR biotecnologia, agricultura de precisão, agroenergia e agroecologia. Setor intensivo em mão-de-obra Em MG: Melhoramento de mecanismos de garantia de qualidade, segurança e rastreabilidade Utilização de tecnologias mecânica, bioquímica e de alimentos, e estabelecimento de massa crítica biotecnologia. para lidar com a redução dos impactos ambientais, e mitigação e convivência com as alterações O setor é representado principalmente por empresas de climáticas. micro e pequeno porte. Esforço para o desenvolvimento de fontes Setor com grande investimento em tecnologia. alternativas de insumos agrícolas, fixação biológica de nitrogênio, mobilização de fósforo, controle biológico e criação de defensivos não-químicos. Fonte: Análise SIMI
  • 13. Contextualização Linhas de Pesquisa no setor de Embalagens Sustentáveis Embalagens Pesquisas desenvolvidas Ecodesign Embalagens Inteligentes Desenvolvimento Portabilidade de Embalagens de Biomateriais Tecnologia de Celulose e Papel Produtos e Embalagens Étnicos Robótica Polímeros Fonte: SPTME/SECTES
  • 14. Diagnóstico Setorial – Agronegócios Contextualização Desafios tecnológicos e de mercado Metodologia de Solução de Problemas
  • 15. Desafios tecnológicos e de mercado A partir do contexto apresentado do setor de milho em Minas Gerais, quais poderiam ser as alternativas de inovação? DESAFIOS GERAIS – Embalagens Leite: Pouca exploração que integra forma e conteúdo; pouquíssimas inovações no sentido da oferta de embalagens para consumo single ou on-the-go. A portabilidade das embalagens é um valor ainda inexplorado. Café: Embalagens que mantenham o sabor , o aroma e evitem exposição à umidade. Mel: Necessidade de novo design das embalagens, novas propostas de tipo e material das embalagens. Fontes renováveis Utilização de novos de insumos materiais Desenvolvimento Melhoria de Desenvolvimento Redução de custos de embalagens processos de produtos menores Aproveitamento de Novos designs de rejeitos embalagens Fonte: Análise SIMI/
  • 16. Diagnóstico Setorial – Agronegócios Contextualização Desafios tecnológicos e de mercado Metodologia de Solução de Problemas Introdução Definição do Problema Brainstorming de Causas Diagrama de Espinha de Peixe Consolidação Priorização das Causas 5 Porquês – Causa Raiz Discussão das Soluções Possíveis Registro das Propostas de Solução
  • 17. Metodologia de Solução de Problemas Introdução Participantes Objetivos Empresários Reunir de forma presencial, empresários, entidades de apoio ao Pesquisadores setor produtivo, especialistas e Instituições de membros do governo para debater apoio problemas tecnológicos. Resultados Esperados Integrar agentes envolvidos na cadeia de inovação, buscando soluções para problemas tecnológicos encontrados nos setores tradicionais. Foco em setores tradicionais com menor grau tecnológico.
  • 18. Diagnóstico Setorial – Agronegócios Contextualização Desafios tecnológicos e de mercado Metodologia de Solução de Problemas Introdução Definição do Problema Brainstorming de Causas Diagrama de Espinha de Peixe Consolidação Priorização das Causas 5 Porquês – Causa Raiz Discussão das Soluções Possíveis Registro das Propostas de Solução
  • 19. Metodologia de Solução de Problemas Definição do Problema Análise da Conjuntura Definição do Problema • Problema a • Problema b • Problema c • Problema n
  • 20. Metodologia de Solução de Problemas Matriz RAB Exemplo – Matriz RAB Rapidez Autoridade Benefício R apidez Problema Falta de mão de obra A utoridade qualificada Taxa elevada de juros no mercado x    x  B enefício Precariedade do ambiente de trabalho   x
  • 21. Diagnóstico Setorial – Agronegócios Contextualização Desafios tecnológicos e de mercado Metodologia de Solução de Problemas Introdução Definição do Problema Brainstorming de Causas Diagrama de Espinha de Peixe Consolidação Priorização das Causas 5 Porquês – Causa Raiz Discussão das Soluções Possíveis Registro das Propostas de Solução
  • 22. Metodologia de Solução de Problemas Brainstorming de Causas Brainstorming das causas Regras do jogo Causa w • Ter mente aberta Causa y • Sem pré-julgamentos • Não ter medos de dar idéias • Sem censura. • Evitar frases como: – “Vamos adiar isso...” – “Já tentamos isso...” Causa z Causa n – “Não vai se ajustar...” Causa x Escrever individualmente x causas nos post-it’s.
  • 23. Diagnóstico Setorial – Agronegócios Contextualização Desafios tecnológicos e de mercado Metodologia de Solução de Problemas Introdução Definição do Problema Brainstorming de Causas Diagrama de Espinha de Peixe Consolidação Priorização das Causas 5 Porquês – Causa Raiz Discussão das Soluções Possíveis Registro das Propostas de Solução
  • 24. Metodologia de Solução de Problemas Diagrama de Espinha de Peixe Matéria - prima Mão de obra Medição PROBLEMA Meio ambiente Máquinas Método Organizar as causas num diagrama espinha de peixe.
  • 25. Diagnóstico Setorial – Agronegócios Contextualização Desafios tecnológicos e de mercado Metodologia de Solução de Problemas Introdução Definição do Problema Brainstorming de Causas Diagrama de Espinha de Peixe Consolidação Priorização das Causas 5 Porquês – Causa Raiz Discussão das Soluções Possíveis Registro das Propostas de Solução
  • 26. Metodologia de Solução de Problemas Consolidação Espinha de Peixe Consolidar • Eliminar repetições • Ver relacionamentos entre as causas • Esclarecer idéias • Condensar
  • 27. Diagnóstico Setorial – Agronegócios Contextualização Desafios tecnológicos e de mercado Metodologia de Solução de Problemas Introdução Definição do Problema Brainstorming de Causas Diagrama de Espinha de Peixe Consolidação Priorização das Causas 5 Porquês – Causa Raiz Discussão das Soluções Possíveis Registro das Propostas de Solução
  • 28. Metodologia de Solução de Problemas Priorização das Causas Votação Critérios • Priorizar mais importantes • Apurar • Escolher 2 a 4 causas principais
  • 29. Metodologia de Solução de Problemas Priorização das Causas Votação Critério • X causas priorizadas • X notas a serem dadas 5 1 3 5 por cada participante: – 50% das notas serão notas 1, ou seja “pouca importância”. – 30% das notas serão notas 3, ou seja “média importância”. – 20% das notas serão notas 5, ou seja “muita importância”.
  • 30. Diagnóstico Setorial – Agronegócios Contextualização Desafios tecnológicos e de mercado Metodologia de Solução de Problemas Introdução Definição do Problema Brainstorming de Causas Diagrama de Espinha de Peixe Consolidação Priorização das Causas 5 Porquês – Causa Raiz Discussão das Soluções Possíveis Registro das Propostas de Solução
  • 31. Metodologia de Solução de Problemas 5 Porquês – Causa Raiz Pergunte 5 Porquês! Exemplo • Por que a máquina parou? – Porque está sem óleo. • Por que está sem óleo? – Porque a mangueira está furada. • Por que a mangueira está furada. – Porque ela está ressecada. • Por que a mangueira está ressecada. – Porque este insumo fica estocado no sol.
  • 32. Diagnóstico Setorial – Agronegócios Contextualização Desafios tecnológicos e de mercado Metodologia de Solução de Problemas Introdução Definição do Problema Brainstorming de Causas Diagrama de Espinha de Peixe Consolidação Priorização das Causas 5 Porquês – Causa Raiz Discussão das Soluções Possíveis Registro das Propostas de Solução
  • 33. Metodologia de Solução de Problemas Discussão das Soluções Possíveis Brainstorming das soluções Regras do jogo Solução Solução • Ter mente aberta w y • Sem pré-julgamentos • Não ter medos de dar idéias • Sem censura. • Evitar frases como: – “Vamos adiar isso...” – “Já tentamos isso...” Solução Solução Solução – “Não vai se ajustar...” z n x Discutir abertamente as possíveis soluções para eliminar a causa raiz.
  • 34. Diagnóstico Setorial – Agronegócios Contextualização Desafios tecnológicos e de mercado Metodologia de Solução de Problemas Introdução Definição do Problema Brainstorming de Causas Diagrama de Espinha de Peixe Consolidação Priorização das Causas 5 Porquês – Causa Raiz Discussão das Soluções Possíveis Registro das Propostas de Solução
  • 35. Metodologia de Solução de Problemas Registro das Propostas de Solução O QUÊ QUEM QUANDO COMO (Observações opcionais) Mudar o local de Fulano Fim do mês Disponibilizando espaço no galpão. estocagem das Registrando mudança dos padrões de mangueiras para o estocagem. galpão fechado Treinando almoxarifes. ... ... ... ... Registrar a conclusão das discussões num formulário simples. Após a finalização, o grupo apresentará para todos os demais.
  • 36. As soluções propostas se efetivamente implementadas terão um impacto relevante sob o problema?

×