Your SlideShare is downloading. ×
1.1 abimilho
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

1.1 abimilho

5,134

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
5,134
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
140
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. SITUAÇÃO ATUAL DA INDÚSTRIA DE MOAGEM DE MILHO PARA CONSUMO HUMANO Nelson Arnaldo Kowalski ABIMILHO MAIO/2010
  • 2. INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO Uma grande diversidade de produtos podem ser feitos a partir da Industrialização do Milho. Esses produtos podem ser destinados para a Alimentação Humana, para a Alimentação Animal e para Produtos Industriais. A Industrialização do Milho é baseada na separação do Grão do Milho em seus componentes básicos, ou seja, o Endosperma, o Germe e o Pericarpo, sendo que o Endosperma e o Germe podem ser separados ainda em Amido, Proteína e Óleo. Consumo direto in natura (milho verde, milho doce, pipoca) Desafio a sustentabilidade Responsabilidade social Segurança alimentar na cadeia produtiva – exigências do consumidor
  • 3. BALANÇO MUNDIAL DE MILHO 2007/2008 2008/2009* 2009/2010** Estoque Inicial 109,04 130,8 144,06 Produção 791,88 789,56 796,33 Suprimento Importação 98,32 78,27 81,43 TOTAL 999,24 998,63 1021,82 Rações 496 480,67 484,82 Outros 274,12 295,61 314,11 Utilização Exportação 98,61 79,47 84,32 TOTAL 868,73 855,75 883,25 ESTOQUE FINAL 130,51 142,88 138,57 (*) Dados Preliminares (**) Projeção Fonte: USDA Elaboração: ABIMILHO
  • 4. MILHO - BRASIL - ESTIMATIVA DE CONSUMO POR SEGMENTO (x 1000 toneladas) Consumo Segmento 2003/04 2004/05 2005/06 2006/07 2007/08 2008/09 2009/10* Avicultura 15.427,0 16.162,0 20.022,0 20.846,0 21.655,0 21.631,0 22.994,0 Suinocultura 8.471,0 8.852,0 11.097,0 12.429,0 12.972,0 12.668,0 13.169,0 Pecuária 1.911,0 2.198,0 2.479,0 2.374,0 2.427,0 2.406,0 2.414,0 Outros Animais 1.550,0 1.581,0 660,0 673,0 1.081,0 1.081,0 1.096,0 Consumo Industrial 4.152,0 4.256,0 4.159,0 4.369,0 4.888,0 4.728,0 4.812,0 Consumo Humano 1.530,0 1.568,0 700,0 705,0 760,0 756,0 756,0 Perdas/Sementes 1.660,0 1.429,0 310,0 432,0 476,0 458,0 453,0 Exportação 3.988,0 5.000,0 4.327,0 11.150,0 7.309,0 6.830,0 6.830,0 Outros 4.809,0 4.132,0 - - - Total 43.498,0 45.178,0 43.754,0 52.978,0 51.568,0 50.558,0 52.523,0 Fonte: Safras & Mercado Elaboração: ABIMILHO (*) Estimativa
  • 5. ESTIMATIVAS DE MILHO SAFRA 2009 Área plantada Produção Região Adoção GM % área (mil ha) (mil tons) NORTE 475 1.025 0,7 NORDESTE 2.677 3.886 4,3 SUDESTE 1.713 8.897 25,2 SUL 2.588 14.595 23,5 C-OESTE 612 3.795 31,2 BRASIL 8.066 32.198 16,7 SAFRINHA 2010* Área plantada Produção Região Adoção GM % área (mil ha) (mil tons) NORTE 32 85 1,7 NORDESTE 369 402 20 SUDESTE 273 777 40 SUL 1.574 6.001 55 C-OESTE 2.764 11.210 57,6 BRASIL 5.013 18.475 52,7 Fonte: Céleres (*) Estimativa
  • 6. MILHO - CONSUMO POR PROCESSO A SECO E A ÚMIDO (x 1000 toneladas) Ano Segmento 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010* Moagem a seco 1.588 1.585 1.592 1.670 1.540 1.619 1.820 1.748 1.800 Moagem úmida 1.180 1.182 1.184 1.300 1.269 1.300 1.550 1.500 1.500 Pequenos moinhos 1.384 1.385 1.385 1.450 1.350 1.450 1.518 1.480 1.512 Total 4.152 4.152 4.161 4.420 4.159 4.369 4.888 4.728 4.812 Fonte: ABIMILHO (*) Estimativa
  • 7. O Grão do Milho:
  • 8. Fracionamento do Grão Para o fracionamento do Milho em seus componentes básicos são principalmente os processos de: 1. Moagem de Milho a Seco 2. Moagem de Milho a Úmido 3. Nixtamalização 4. Produção de Etanol
  • 9. Recepção 1. Moagem de Milho a Seco Moagem Limpeza Resíduos Secagem Resíduos Armazenagem moídos Pós limpeza Água Condicionamento Vapor Degerminação Casca Refinação Separação Germe cascas Extração óleo Farinha Alta Fibra Canjica Farelo desengordurado FlaKing Grits Óleo Bruto Refino Moagem Óleo Refinado Classificação Grits Laminação Canjiquinhas Fubás Germe Milho Farinha Pré-cozida Farinhas Especiais para Cuzcuz Extrusão Farinhas Extrusadas
  • 10. CONSUMO DE PRODUTOS ENTRE AS PRINCIPAIS LINHAS DE APLICAÇÃO NO BRASIL. PRODUTOS % Produtos não instantâneos 27,5 Produtos instantâneos 19,3 Cervejarias 9,5 Salgadinhos (Snacks) 5,7 Mineração 2,2 Pipoca Doce 2,2 Massas e Biscoitos 2,2 Cereais Matinais 1,4 Gérmen 25 Quebra 5 TOTAL 100 Fonte: ABIMILHO Elaboração: ABIMILHO
  • 11. Ingredientes para as Indústrias Alimentícia e Cervejeira Flaking Grits para Corn Flakes Farinhas para produção de Corn Flakes extrusado Grits para Cervejaria Adjuntos especiais para Cervejaria Grits para produção de salgadinhos Farinhas de alta fibra de pericarpo de milho Farinhas para a produção de Baby-Food Farinhas para empanados
  • 12. Produtos alimentícios de varejo baseados em Milho Flocos de milho pré-cozido para Cuscuz Canjicas (Mugunzá, Canjica branca, Milho Picado, etc.) Canjiquinhas Xerém Farinhas finas, médias, grossas (Fubás) Corn flakes Produtos (principalmente farinhas) pré-cozidos (Baby Food) Farinhas extrusadas com alta absorção de água para produtos instantâneos Pipoca Doce Óleo refinado de milho
  • 13. Produtos para alimentação animal Germe de milho; Farelo de germe de milho desengordurado; Farinhas extrusadas com alta absorção de água para Pré-Mix; Flocos de milho para a indústria de Pet Food; Resíduo de milho moído.
  • 14. Produtos Industriais Farinhas pré-cozidas para fundição Farinhas modificadas para adesivos de placas divisórias Farinhas pré-cozidas para controle de lama de perfuração de petróleo Farinhas modificadas para adesivos de papel e papelão Industria Farmacêutica Veterinária
  • 15. Recepção 2. Moagem de Milho a Úmido Resíduos Limpeza Secagem Armazenagem Pós limpeza Água Maceração Concentrado Água Evaporação Maceração Evaporação SO2 Conc de Água de Evaporação Degerminação Germe Farelo Separação Hidrociclones Extração óleo Endosperma Moagem Refino Cornglutenfeed Óleo refinado Cascas Separação de cascas Secagem Centrifugação Glúten Secagem Separação Hidrociclones Amido Amido Amido Modificação Conversão Amido Cru Secagem Secagem Evaporação Dextrinização Amidos Modificados Dextrinas
  • 16. Ingredientes para as Indústrias Alimentícia e Cervejeira fabricados por Moagem a Úmido Amido cru Amidos modificados Ácido Cítrico Dextrinas Xarope de glucose Xarope de alta frutose Xarope de alta maltose para Cervejaria Corantes de caramelo Fibra de milho
  • 17. Produtos alimentícios de varejo fabricados por Moagem a Úmido Amido de milho Xarope de milho com açúcar invertido Óleo refinado de milho Cremes para alimentação infantil
  • 18. Produtos para alimentação animal fabricados por Moagem a Úmido Farelo com 21% de proteína (cornglutenfeed) Farelo com 60% de proteína (cornglutenmeal) Lisina Concentrado de água de maceração
  • 19. Produtos Industriais Para as Indústrias de Papel, Têxtil, Farmacêutica, Adesivos e Química fabricados por Moagem a Úmido Amido Cru Amidos Modificados Xarope de Glucose Dextrinas Óleo de Milho Concentrado de água de maceração
  • 20. 3. Nixtamalização Milho Água Cozimento Álcali Maceração Lavagem Pericarpo Moagem Amassamento Laminação e corte Cozimento Tortillas Extrusão Tempera Fritura Saborização Tortilla Chips Tacos Corn Chips
  • 21. Produtos alimentícios de varejo fabricados por Nixtamalização Nixtamalização Tortilhas Tortilhas Chips Corn chips
  • 22. 4. Etanol Milho Limpo Moagem Cozimento Sacarificação Fermentação DDG Distilação Retifição Etanol
  • 23. Segurança Alimentar • ISO 22000:2006 – Sistemas de Gestão da Segurança de Alimentos – Requisitos para qualquer organização na cadeia produtiva de alimentos – Segurança de alimentos: conceito que indica que o alimento não causará dano ao consumidor quando preparado e/ou consumido de acordo com seu uso pretendido
  • 24. Definição para assegurar o controle dos perigos na cadeia produtiva de alimentos
  • 25. • MICOTOXINAS • Consulta Pública n.º 100, de 21 de dezembro de 2009 – Proposta de Regulamento Limites Máximos de Micotoxinas em Alimentos. • Fumonisinas (B1 + B2): • Milho não processado 2000 ppb. • Farinha de milho 1000 ppb. • Outros produtos a base de milho 400 ppb. • Alimentos infantis a base de milho 200 ppb. Fonte: ANVISA – Agência Nacional de Vigilância Sanitária
  • 26. • CtnBio aprovou a comercialização de Milho geneticamente modificados. • 11 Eventos Liberados • 4 Eventos com Registro Nacional de Cultivares – TC 1507 – (Herculex I) – Dow Agroscience. – NK 603 – (Roundup Ready 2) – Monsanto. – MON 810 – (Guardian e MaizeGard ) – Monsanto. – Bt 11 – Agrisure CB e Advantage) – Syngenta.
  • 27. Continua em tramitação no Congresso, o projeto que visa a não obrigatoriedade de rotulagem dos produtos que contêm ingredientes geneticamente modificados. Diversos órgãos, principalmente ligados ao direito do consumidor, lutam para que a lei que exige essa informação no rótulo dos produtos, aprovada em 2004, continue em vigor.
  • 28. MILHO GMO •Mercado convencional 2.000.000 toneladas; •Custo x Benefício; •Dificuldade de segregação
  • 29. CONSULTA PÚBLICA PORTARIA N.º 4, de 6 de janeiro de 2010 Regulamento Técnico do Milho: Padrão oficial de classificação, com os requisitos de identidade e qualidade, a amostragem, o modo de apresentação e a marcação ou rotulagem.
  • 30. QUALIDADE DOS GRÃOS DE MILHO Necessidades de Matéria-Prima para desenvolvimento: •Grão Duro/Semiduro e Graúdo com Alto Teor de óleo; •Grão com baixa atividade de lipase – a mesma eleva acidez do óleo, gerando custos com neutralização e perca. •Grãos resistentes a infestação de insetos (pós- colheita).
  • 31. INOVAÇÃO • Melhorias na qualidade dos produtos finais; • Melhorias no processamento – degerminação; • Busca por produtos integrais com alto teor de fibras; • Aumento na oferta de produtos pré-cozidos

×