Lucro líquido da petrobras foi de r$ 7 bilhões e 693 milhões
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Lucro líquido da petrobras foi de r$ 7 bilhões e 693 milhões

on

  • 746 views

 

Statistics

Views

Total Views
746
Views on SlideShare
662
Embed Views
84

Actions

Likes
0
Downloads
0
Comments
0

2 Embeds 84

http://jfabioripardo.blogspot.com.br 76
http://jfabioripardo.blogspot.com 8

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

CC Attribution License

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Lucro líquido da petrobras foi de r$ 7 bilhões e 693 milhões Lucro líquido da petrobras foi de r$ 7 bilhões e 693 milhões Document Transcript

  • 1Nota à Imprensa26 de abril de 2013Lucro líquido da Petrobras foi de R$ 7 bilhões e 693 milhõesno 1º trimestre de 2013• O lucro operacional alcançou R$ 9 bilhões 849 milhões, representando um aumento de 72% em relação aotrimestre anterior, devido aos reajustes de preços do diesel e da gasolina, menores custos de importação eredução das despesas operacionais;• O lucro líquido ficou estável em relação ao trimestre anterior, em função do maior resultado operacionalter sido compensado pelos menores ganhos financeiros e maior imposto sobre o lucro;• Na comparação com o 1º trimestre de 2012, o resultado operacional foi 16% inferior, refletindo maioresvolumes de importação, o efeito da depreciação cambial (13%) e maiores despesas operacionais. O lucrolíquido ficou 17% menor, em função do menor resultado operacional e ausência de benefício fiscal;• A produção total de petróleo e gás natural totalizou 2 milhões 552 mil barris/dia na média do trimestre,ficando 2% inferior ao 4º trimestre de 2012. Conforme esperado, a produção diminuiu devido ao declínionatural dos campos e ao maior número de paradas para manutenção, concentradas no 1º semestre do ano;• Dois sistemas de produção iniciaram operação na Bacia de Santos: FPSO Cidade de São Paulo, no campo deSapinhoá, no pré-sal, e FPSO Cidade de Itajaí, no campo de Baúna, no pós-sal. O terceiro sistema – FPSOCidade de Paraty já se encontra em processo de ancoragem no campo de Lula Nordeste e começará aproduzir no final de maio de 2013;• Novo recorde de produção do pré-sal de 311 mil barris por dia em 17 de abril;• As novas descobertas foram: Sul de Tupi e Florim em áreas da Cessão Onerosa; Sagitário no pré-sal da Baciade Santos; e Mandarim, no pós-sal do campo de Marlim Sul na Bacia de Campos;• O Programa de Recuperação da Eficiência Operacional da Bacia de Campos (PROEF) apresentou ganhos de34 mil barris por dia na produção de óleo e LGN do 1º trimestre de 2013;• O Programa de Otimização dos Custos Operacionais (PROCOP) gerou resultados globais acima do previstopara o trimestre, resultando em economia de R$ 1 bilhão 260 milhões (1/3 da meta para o ano);• A Petrobras bateu recorde de processamento de petróleo em 7 de abril (2 milhões 149 mil barris/dia). Notrimestre houve crescimento do mercado interno (+9%) atendido principalmente pelo aumento da produçãode derivados (+10%) em comparação ao mesmo período de 2012;• Realização de dois reajustes de preços do diesel (totalizando 10,7%) e um de gasolina (6,6%);• Investimentos totalizaram R$ 19 bilhões 769 milhões, sendo 54% nas atividades de Exploração e Produção.EBITDA Ajustado(R$ milhões)Produção Total de Óleo, LGN e Gás Natural(mil boed)Lucro Líquido(R$ milhões)9.2147.747 7.6931T12 4T12 1T13246 2362.430 2.378 2.3102421T12 4T12 1T13Brasil InternacionalInvestimento Total – 1T13(R$ 19 bilhões 769 milhões)2.676 2.614 2.55222910.6846.8816961.0512253Exploração e ProduçãoAbastecimentoGás e EnergiaInternacionalDistribuiçãoBiocombustívelCorporativo16.52111.94416.2311T12 4T12 1T13
  • 2Lucro líquido atingiu R$ 7 bilhões 693 milhões no primeiro trimestre de 2013 – O resultado líquido daCompanhia ficou estável em relação ao 4º trimestre de 2012. O aumento de 72% no lucro operacional foicompensado pelo menor resultado financeiro e a maiores despesas com tributação sobre o lucro. A geraçãode caixa operacional medida pelo EBITDA ajustado atingiu R$ 16 bilhões 231 milhões, 36% superior ao 4ºtrimestre de 2012.O resultado operacional foi beneficiado pelos reajustes do diesel (5,4% em janeiro e 5% em março) e dagasolina (6,6% em janeiro) e pela menor participação de derivados importados nas vendas, refletindo aredução de 3% do volume vendido devido à sazonalidade do mercado interno e o aumento da produçãonacional de derivados. Também contribuiu para o resultado a redução em 17% das despesas operacionais,com destaque para as menores baixas de poços secos e subcomerciais no Brasil e a ausência de perdas narecuperação de ativos (impairment) que havia impactado o trimestre anterior.O crescimento do lucro operacional foi compensado pelo menor resultado financeiro, devido à ausência deitens extraordinários ocorridos no 4º trimestre como a venda de Notas do Tesouro Nacional e rendimentossobre depósitos judiciais. A maior tributação sobre o lucro em função da ausência de provisionamento dejuros sobre o capital próprio também impactou o lucro líquido do trimestre.Na comparação com o 1º trimestre de 2012, o lucro líquido reduziu 17% e o EBITDA ficou estável - Oprincipal fator para redução do resultado líquido foi o menor lucro operacional, que refletiu as maioresimportações, o efeito da depreciação cambial (+13%) e o aumento das despesas operacionais em função demaiores custos exploratórios. Esses efeitos foram parcialmente compensados pelo crescimento da receitade vendas.O resultado financeiro (R$ 1 bilhão 390 milhões) foi R$ 925 milhões superior ao 1º trimestre de 2012,devido ao efeito cambial sobre a dívida em dólares, o que contribuiu positivamente para o lucro. Aausência de benefício fiscal do provisionamento de juros sobre capital próprio, no entanto, teve impactooposto.Apesar da redução do lucro líquido, a geração de caixa operacional medida pelo EBITDA ajustado semanteve estável. O esforço que a Companhia vem fazendo na busca pela melhoria de eficiência nasatividades operacionais e nos dispêndios com projetos de investimento, assim como pela excelência emcustos, trazem melhora ao fluxo de caixa.INDICADORES ECONÔMICOS CONSOLIDADOSR$ milhões 1T13 1T12 1T13/1T12 4T12 1T13/4T12Receita de Vendas 72.535 66.134 10% 73.405 -1%Custo dos Produtos Vendidos (53.679) (45.890) 17% (56.843) -6%Lucro Bruto 18.856 20.244 -7% 16.562 14%Despesas Operacionais (9.007) (8.473) 6% (10.823) -17%Lucro Operacional(1)9.849 11.771 -16% 5.739 72%Resultado Financeiro Líquido 1.390 465 199% 2.788 -50%Imposto de Renda/Contribuição Social (3.560) (2.944) 21% (942) 278%Lucro Líquido 7.693 9.214 -17% 7.747 -1%EBITDA ajustado(2)16.231 16.521 -2% 11.944 36%(1) Lucro antes do resultado financeiro, das participações e dos impostos.(2) EBITDA ajustado = EBITDA excluindo a participação em investimentos e a perda na recuperação de ativos.Produção de petróleo e gás natural – A produção total de petróleo e gás natural da Petrobras no Brasil eno exterior no 1º trimestre de 2013 atingiu a média diária de 2 milhões 552 mil barris de óleo equivalente(boe), 2% inferior ao volume produzido no trimestre anterior e 5% menor que o produzido no 1º trimestrede 2012. Esta redução está de acordo com o planejado pela Companhia e a meta de produção para o anode 2013 continua mantida (estável em relação a 2012).No Brasil, a produção total de óleo e gás natural alcançou 2 milhões 310 mil boed. A produção de petróleoatingiu a média de 1 milhão 910 mil barris por dia, 4% inferior ao 4º trimestre de 2012 e 8% menor que ado 1º trimestre de 2012. A menor produção se deve ao declínio natural dos reservatórios e à maiorconcentração de paradas programadas para manutenção, conforme planejado, parcialmente compensados
  • 3pelos novos sistemas de produção, que contribuíram com 107 mil barris por dia para a produção média dotrimestre.A produção de gás natural no país cresceu 1% em relação ao trimestre anterior e 10% em relação aomesmo período de 2012. As principais contribuições para o acréscimo foram o aumento da eficiência deMexilhão e a entrada em operação do FPSO Cidade de Santos no campo de Uruguá.No trimestre entraram em operação dois sistemas de produção: FPSO Cidade de São Paulo e FPSO Cidadede Itajaí, adicionando 200 mil barris de óleo por dia de capacidade instalada. O FPSO Cidade de Paraty jáestá em sua locação no campo de Lula NE, em processo de ancoragem, e deverá iniciar operação no finalde maio. Ao longo do ano entrarão mais quatro unidades (P-63, P-55, P-58 e P-61), contribuindo para aelevação da produção sustentada a partir do segundo semestre.A produção do pré-sal contribuiu com 12% na produção do trimestre, atingindo o patamar de 300 mil barrispor dia a partir de fevereiro.PRODUÇÃO DE PETRÓLEO E GÁS NATURALMil boed 1T13 1T12 1T13/1T12 4T12 1T13/4T12Produção Nacional 2.310 2.430 -5% 2.378 -3%Petróleo e LGN 1.910 2.066 -8% 1.980 -4%Gás Natural(1)400 364 10% 398 1%Produção Internacional Consolidada 236 239 -1% 230 3%Petróleo e LGN 143 141 1% 133 8%Gás Natural 93 98 -5% 97 -4%Produção Internacional não consolidada 6 7 -14% 6 -Produção Internacional Total 242 246 -2% 236 3%Produção Total 2.552 2.676 -5% 2.614 -2%(1) Não inclui gás liquefeito e inclui gás reinjetadoInvestimentos priorizaram a capacidade de produção – Os investimentos totalizaram R$ 19 bilhões 769milhões, um crescimento de 10% em relação ao mesmo período do ano anterior. Através doacompanhamento físico e financeiro individualizado de 160 projetos com Curvas S de desempenhoobtivemos realização física média de 99% e financeira de 98%. A maior parte dos recursos foi aplicada nosegmento de Exploração e Produção no Brasil (54%) com prioridade para os projetos de desenvolvimentoda produção.No segmento de Abastecimento, investimos 35% do total dando continuidade aos investimentos paramodernização e ampliação do parque de refino.R$ milhões 1T13 1T12 1T13/1T12Exploração e Produção 10.684 9.376 14%Abastecimento 6.881 6.421 7%Gás e Energia 696 738 -6%Internacional 1.051 690 52%Distribuição 225 284 -21%Biocombustível 3 18 -83%Corporativo 229 493 -54%Total de Investimentos 19.769 18.020 10%INVESTIMENTOSPreços dos Produtos – O preço médio dos derivados no mercado interno (para as distribuidoras) cresceu15%, em reais, em comparação ao 1º trimestre de 2012. Nos últimos 10 meses, houve 4 reajustes no preçodo diesel (+21,9%) e 2 na gasolina (+14,9%). Dentre eles, os realizados no 1º trimestre de 2013, queocorreram em 30 de janeiro, com aumento de 5,4% do diesel e 6,6% da gasolina e, em 6 de março, commais um aumento de 5% no preço do diesel.O preço do petróleo Brent caiu 5% em dólares (US$ 113/bbl no 1T13 vs US$ 118/bbl no 1T12). Porém,devido à desvalorização cambial de 13%, o preço do petróleo calculado em Reais aumentou 7%.
  • 4INDICADORES DE PREÇOSR$/bbl 1T13 1T12 1T13/1T12 4T12 1T13/4T12Derivados - Mercado Interno 203,74 176,72 15% 196,33 4%US$/bblPetróleo Nacional - Venda 102,91 111,56 -8% 100,56 2%Petróleo Internacional - Venda 94,26 99,99 -6% 93,43 1%Petróleo Brent 112,55 118,49 -5% 110,02 2%Nível recorde de processamento do óleo nacional e da utilização da capacidade nominal das refinarias– O esforço da Companhia para maximizar a produção de derivados no Brasil resultou no recorde deprocessamento de petróleo nas refinarias de 2 milhões 149 mil bpd no dia 7 de abril. No trimestre, houveum aumento de 185 mil barris diários na produção de derivados, representando um crescimento de 10% emrelação ao mesmo período do ano anterior. O aumento da produção de gasolina (+ 22 mil bpd) possibilitoua redução do volume importado deste produto e o aumento da produção de diesel (+82 mil bpd) resultouem um crescimento mais suave de sua importação. A utilização da capacidade nominal das refinariastambém bateu recorde, chegando a 98%, um aumento de 5 pontos percentuais em relação ao 1º trimestrede 2012. Do volume total do petróleo processado, 83% vieram de campos brasileiros.PRODUÇÃO DE DERIVADOSMil barris por dia 1T13 1T12 1T13/1T12 4T12 1T13/4T12Produção de Derivados 2.312 2.151 7% 2.187 6%Nacional 2.127 1.942 10% 2.010 6%Internacional 185 209 -11% 177 5%Utilização (%) da Capacidade NominalNacional 98% 93% +5 p.p. 97% +1 p.p.Internacional 72% 75% -3 p.p. 65% +7 p.p.Participação do óleo nacional (%) 83% 81% +2 p.p. 83% -Aumento das vendas de derivados e gás natural no mercado interno – O volume de vendas de derivadosno mercado interno no 1º trimestre de 2013 foi 7% superior ao mesmo período do ano passado,destacando-se o diesel (+7%), a gasolina (+6%) e o óleo combustível (+57%).As vendas de gasolina aumentaram 6%, devido ao crescimento da frota de veículos e do consumo no país.O volume vendido de diesel subiu 7%, devido ao crescimento da economia e aumento do consumo dasusinas termelétricas, que também impactou o consumo de óleo combustível que cresceu 57%.As vendas de gás natural aumentaram 29% (+29 milhões de m3por dia), em função da maior demandatermelétrica, como resultado do menor nível dos reservatórios das hidrelétricas.VOLUME DE VENDAS - MERCADO INTERNOMil barris por dia 1T13 1T12 1T13/1T12 4T12 1T13/4T12Gás Natural 417 323 29% 408 2%Derivados 2.313 2.168 7% 2.391 -3%Diesel 921 864 7% 986 -7%Gasolina 580 545 6% 610 -5%Óleo Combustível 118 75 57% 108 9%Nafta 180 173 4% 156 15%GLP 213 214 - 223 -4%QAV 105 106 -1% 106 -1%Outros 196 191 3% 202 -3%Alcóois, Nitrogenados, Renováveis e Outros 81 80 1% 91 -11%Total Mercado Interno 2.811 2.571 9% 2.890 -3%Balança Comercial da Petrobras impactada pela redução na exportação de petróleo – No 1º trimestrede 2013 houve inversão no saldo líquido da balança comercial de petróleo da Petrobras. O déficit foiresultado de um aumento nas importações (+126 mil bpd) associado a uma redução das exportações (-282mil bpd), devido à menor produção e ao maior processamento de óleo nacional nas refinarias, com o
  • 5objetivo de maximizar a produção de derivados para atendimento ao mercado interno. A balançacomercial de derivados (déficit de 185 mil bpd) teve uma redução de 2% em relação ao ano anterior, como crescimento da demanda interna sendo suprido majoritariamente através do aumento da produção dederivados. O déficit comercial de petróleo e derivados da Petrobras no 1º trimestre de 2013 alcançou 454mil bpd.Mil barris por dia 1T13 1T12 1T13/1T12 4T12 1T13/4T12Importação Total de Petróleo e Derivados 860 764 13% 806 7%Petróleo 484 358 35% 301 61%Derivados 376 406 -7% 505 -26%Exportação Total de Petróleo e Derivados 406 714 -43% 377 8%Petróleo 215 497 -57% 236 -9%Derivados 191 217 -12% 141 35%Importação Líquida de Petróleo e Derivados -454 -50 -808% -429 -6%BALANÇA COMERCIALCusto de extração e de refino – O custo de extração sem participações governamentais no país, em Reais,aumentou R$ 6,92 por barril em relação ao 1º trimestre de 2012, atingindo R$ 29,49/bbl. As principaisrazões para este crescimento foram os maiores custos operacionais, resultantes do aumento deintervenções e manutenções em poços decorrentes do PROEF, e de maiores gastos com pessoal. Alémdisso, a desvalorização do real frente ao dólar, no ano, também influenciou para o aumento. A elevação dopreço de referência do petróleo nacional em Reais contribuiu para o acréscimo de R$ 5,48 por barril nocusto de extração com participações governamentais, que foi de R$ 67,08/bbl.O custo de refino no país (R$ 6,24/bbl) foi 5% menor, em relação ao 1º trimestre de 2012, em função demenores gastos com paradas programadas e aumento da carga processada.CUSTO DE EXTRAÇÃO E REFINOR$/bbl 1T13 1T12 1T13/1T12 4T12 1T13/4T12Custo de Extração (sem Part. Govern.) País 29,49 22,57 31% 28,33 4%Custo de Extração (com Part. Govern.) País 67,08 61,60 9% 67,87 -1%Custo de Refino - País 6,24 6,60 -5% 6,98 -11%US$/bblCusto de Extração (sem Part. Govern.) País 14,76 12,91 14% 13,80 7%Custo de Extração (com Part. Govern.) País 33,56 35,61 -6% 33,11 1%Custo de Extração - Internacional 8,50 7,47 14% 10,06 -16%Custo de Refino - País 3,14 3,74 -16% 3,37 -7%Custo de Refino - Internacional 3,79 3,24 17% 4,78 -21%Endividamento – O endividamento líquido da Petrobras aumentou 2% em relação a 31.12.2012principalmente devido a uma geração de caixa inferior aos investimentos. O indicador DívidaLíquida/EBITDA ajustado fechou em 2,32 vezes e a alavancagem (Endividamento Líquido/(EndividamentoLíquido + Patrimônio Líquido)) ficou estável na comparação com o trimestre anterior.
  • 6R$ milhões 31/03/2013 31/12/2012 Var (%)Endividamento Total 196.935 196.314 -Endividamento Curto Prazo 14.565 15.320 -5%Endividamento Longo Prazo 182.370 180.994 1%Disponibilidades Ajustadas 46.262 48.497 -5%Disponibilidades 27.235 27.628 -1%Títulos Públicos Federais - (vencimento superior a 90 dias) 19.027 20.869 -9%Endividamento Líquido 150.673 147.817 2%Dívida Líquida / EBITDA ajustado(1)2,32 2,77 -16%Endiv. Líquido / (Endiv. Líquido + Patrimônio Líquido) 31% 31% -(1) EBITDA ajustado = EBITDA excluindo a participação em investimentos e a perda na recuperação de ativos.ENDIVIDAMENTOContribuição econômica da Petrobras – A contribuição econômica da Petrobras, medida por meio dageração de impostos, taxas e contribuições sociais correntes, totalizou R$ 20 bilhões 380 milhões.As participações governamentais no país reduziram 10% em relação ao 1º trimestre de 2012 em função damenor produção nos grandes campos pagadores de participação especial.CONTRIBUIÇÕES E IMPOSTOSR$ milhões 1T13 1T12 1T13/1T12 4T12 1T13/4T12Contribuição Econômica - País 18.881 17.215 10% 15.700 20%ICMS 10.181 9.254 10% 9.936 2%CIDE - 1.037 - - -PIS/COFINS 4.392 3.467 27% 4.058 8%Imposto de Renda e C.S. s/Lucro 3.178 2.389 33% 432 636%Outros 1.130 1.068 6% 1.274 -11%Contribuição Econômica - Exterior 1.499 1.446 4% 1.784 -16%Total 20.380 18.661 9% 17.484 17%PARTICIPAÇÕES GOVERNAMENTAISR$ milhões 1T13 1T12 1T13/1T12 4T12 1T13/4T12País 7.064 7.847 -10% 7.839 -10%Royalties 3.522 3.629 -3% 3.814 -8%Participação Especial 3.496 4.180 -16% 3.986 -12%Retenção de Área 46 38 21% 39 18%Exterior 234 219 7% 235 -Total 7.298 8.066 -10% 8.074 -10%Gerência de ImprensaTelefone: 55 (21) 3224-1306/ 3224-2312Fax: 55 (21) 2220-5052/ 3224-4903E-mail: imprensa@petrobras.com.br