Your SlideShare is downloading. ×
0
História 9ºano
História 9ºano
História 9ºano
História 9ºano
História 9ºano
História 9ºano
História 9ºano
História 9ºano
História 9ºano
História 9ºano
História 9ºano
História 9ºano
História 9ºano
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

História 9ºano

11,389

Published on

Published in: Education, Technology, Business
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
11,389
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
2
Actions
Shares
0
Downloads
85
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Conteúdos do PowerPoint: I. Objectivos da criação deste PowerPoint II. Revolução Industrial – Expansão III. Economia Portuguesa do Século XIX IV. Imperialismo e colonialismo V. Conferência de Berlim VI. Mapa Cor-de-Rosa VII. I Guerra Mundial (1914 – 1918)
  • 2. Este PowerPoint foi criado com o objectivo de estudar de uma forma mais dinâmica e de partilhar o meu conhecimento com outras pessoas. Todas as informações aqui inseridas foram expressamente retiradas de livros, cadernos diários e sites fiáveis. Depois de verem este PowerPoint, agradecia que deixassem um comentário com sugestões de melhoramento e opiniões. Obrigado pela vossa visualização e espero de gostem!
  • 3. A partir do último terço do século XVIII, certo número de países conheceu a mais profunda mutação que jamais afectou os homens a partir do Neolítico: a revolução industrial. Pela primeira vez na história, o poder humano de produção fica desobstruído; as economias podem doravante fornecer, multiplicando-os incessantemente até aos nossos dias, bens e serviços colocados à disposição de um número cada vez maior de homens. Passa-se, por vezes brutalmente, mas quase sempre através de transições lentas e dificilmente captadas, do velho mundo rural para o das cidades «tentaculares», do trabalho manual para a máquina-ferramenta, da oficina ou manufactura para a fábrica. Camponeses exilam-se para os novos centros industriais, o artífice anda aflito ou desaparece, surgem os profissionais, os promotores, os engenheiros, os técnicos; uma elite burguesa suplanta as pessoas tradicionalmente importantes do campo, um proletariado nasce e combate. Pouco a pouco, todos os domínios da vida são atingidos e transformados: trabalho quotidiano, mentalidades, culturas.
  • 4. Perante a amplidão do fenómeno, facilmente se percebe que os contemporâneos tenham ficado desorientados e surpreendidos pelas suas consequências imediatas e brutais. Por isso, muito naturalmente, foi-se criando um vocabulário novo para designar o conjunto das transformações, por parte daqueles que analisam a sorte dos trabalhadores, primeiras vítimas destas novidades. Decerto por confronto com a Revolução Francesa de 1789, sobre a qual todos eles meditaram, os socialistas ingleses e franceses de meados do século XIX falam com naturalidade de uma «revolução industrial». (…)
  • 5. Por volta de 1900, a revolução industrial é ainda um fenómeno largamento europeu (será preciso esperar pela guerra de 1914 – 1918 para que o poderio industrial dos Estados Unidos seja revelado a todos.) Quase só se conhece os seus efeitos mais evidentes (incremento das produções, crises, progresso técnico, novidades sociais, sem pensar em analisar as condições em que se produziu o seu arranque e o seu sucesso. A Europa domina com segurança o mundo, pelos seus capitais, pelos seus homens, pelas suas técnicas. Faltava explicar o crescimento económico, através das depressões e das crises (…). O crescimento prossegue porque conta periodicamente com uma revolução nas técnicas, graças em particular à utilização de novas fontes de energia. À primeira revolução industrial, a do carvão e do vapor, sucede um segunda, a da electricidade, do petróleo e do motor de explosão. Há mesmo alguns, muito mais tarde que falarão de uma terceira revolução industrial, a da energia nuclear e a da informática. (…)
  • 6. Descobre-se que é o domínio, por meio do comércio colonial, de um mercado internacional mais homogéneo que permite o arranque da indústria europeia: a revolução industrial foi alimentada pelo empobrecimento da Ásia, da África e da América do Sul, a partir do século XVIII. Os mesmos desequilíbrios se verificam no interior das nações que se industrializam: aumentam as desigualdades sociais, esboçam-se especializações regionais, regiões menos favorecidas afundam-se num apagado subdesenvolvimento.
  • 7. Desenvolvimento dos transportes Comboio Barco a vapor Política Liberalismo económico (livre iniciativa e economia de mercado) Grupos Sociais Empresários (burgueses) Operários Grandes desigualdades económicas e no modo de vida Reivindicações sociais dos operários Sindicatos Ideias socialistas (Karl Marx) Conquista de Direitos Sociais Tudo isto levou ao Êxodo Rural (deslocação das populações do campo para as cidades), e por isso houve um Crescimento Urbano.
  • 8. A economia portuguesa no século XIX era caracterizada por uma agricultura de sobrevivência e uma indústria pouco desenvolvida. Só a partir das reformas liberais de Mouzinho da Silveira e da Regeneração de 1851 se procurou modernizar as infra-estruturas de comunicação e de transportes que irão permitir o arranque de alguma industrialização. Esta modernização feita sobre o impulso de Fontes Pereira de Melo levou a uma dívida externa devido aos empréstimos solicitados ao estrangeiro. Deste modo houve um fraco dinamismo da sociedade portuguesa e por isso a burguesia e o operariado cresceram de uma forma lenta.
  • 9. Imperialismo  tendência para a expansão de um Estado através da conquista de novas terras. Colonialismo  tendência de uma metrópole (terra-mãe) para a conquista de terras além-mar. A Europa no século XIX concentrava as principais potências económicas, técnicas e populacionais desta época. Por esta razão houve uma expansão imperial das principais potências industriais europeias. Contudo os EUA e o Japão ascenderam como potências industriais nesta altura. Todo o crescimento industrial levou os europeus à corrida a África procurando conquistar colónias para aceder a matérias-primas e conquistar novos mercados de consumo.
  • 10. Para regular as conquistas coloniais reuniu-se em Berlim uma conferência de diplomatas europeus em 1884/1885 em que se decidiu que a pertença de colónias dependeria da ocupação territorial com tropas e com autoridades administrativas, o que prejudicava os países mais fracos, incluindo Portugal, pois não possuía meios para uma ocupação efectiva das colónias.
  • 11. Portugal para responder a esta decisão da Conferência de Berlim, projectou a conquista do Império entre as costas de Angola e Moçambique (projecto do mapa cor-de-rosa, onde esta cor correspondia à região que Portugal deveria ocupar), no entanto o ultimato Inglês de 1890 levou ao abandono deste projecto colonial.
  • 12. Expansão demográfica Europeia Necessidades de matérias-primas e mercados para as indústrias Sentimentos patrióticas Imperialismo Colonial Corrida ao Continente Africano Conferência de Berlim 1884/1885 (ocupação efectiva) Rivalidades económicas, industriais, imperiais e patrióticas Corrida ás armas Política de alianças 1ª Guerra Mundial Devastação da Europa com a Guerra das Trincheiras Participação de Portugal na guerra Vitória dos Aliados Queda dos grandes impérios e aparecimento de novas nações Crise económica na Europa

×