Your SlideShare is downloading. ×
  • Like
História 9ºano
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×

Now you can save presentations on your phone or tablet

Available for both IPhone and Android

Text the download link to your phone

Standard text messaging rates apply
Published

 

Published in Education , Technology , Business
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
10,376
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
2

Actions

Shares
Downloads
80
Comments
0
Likes
0

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. Conteúdos do PowerPoint: I. Objectivos da criação deste PowerPoint II. Revolução Industrial – Expansão III. Economia Portuguesa do Século XIX IV. Imperialismo e colonialismo V. Conferência de Berlim VI. Mapa Cor-de-Rosa VII. I Guerra Mundial (1914 – 1918)
  • 2. Este PowerPoint foi criado com o objectivo de estudar de uma forma mais dinâmica e de partilhar o meu conhecimento com outras pessoas. Todas as informações aqui inseridas foram expressamente retiradas de livros, cadernos diários e sites fiáveis. Depois de verem este PowerPoint, agradecia que deixassem um comentário com sugestões de melhoramento e opiniões. Obrigado pela vossa visualização e espero de gostem!
  • 3. A partir do último terço do século XVIII, certo número de países conheceu a mais profunda mutação que jamais afectou os homens a partir do Neolítico: a revolução industrial. Pela primeira vez na história, o poder humano de produção fica desobstruído; as economias podem doravante fornecer, multiplicando-os incessantemente até aos nossos dias, bens e serviços colocados à disposição de um número cada vez maior de homens. Passa-se, por vezes brutalmente, mas quase sempre através de transições lentas e dificilmente captadas, do velho mundo rural para o das cidades «tentaculares», do trabalho manual para a máquina-ferramenta, da oficina ou manufactura para a fábrica. Camponeses exilam-se para os novos centros industriais, o artífice anda aflito ou desaparece, surgem os profissionais, os promotores, os engenheiros, os técnicos; uma elite burguesa suplanta as pessoas tradicionalmente importantes do campo, um proletariado nasce e combate. Pouco a pouco, todos os domínios da vida são atingidos e transformados: trabalho quotidiano, mentalidades, culturas.
  • 4. Perante a amplidão do fenómeno, facilmente se percebe que os contemporâneos tenham ficado desorientados e surpreendidos pelas suas consequências imediatas e brutais. Por isso, muito naturalmente, foi-se criando um vocabulário novo para designar o conjunto das transformações, por parte daqueles que analisam a sorte dos trabalhadores, primeiras vítimas destas novidades. Decerto por confronto com a Revolução Francesa de 1789, sobre a qual todos eles meditaram, os socialistas ingleses e franceses de meados do século XIX falam com naturalidade de uma «revolução industrial». (…)
  • 5. Por volta de 1900, a revolução industrial é ainda um fenómeno largamento europeu (será preciso esperar pela guerra de 1914 – 1918 para que o poderio industrial dos Estados Unidos seja revelado a todos.) Quase só se conhece os seus efeitos mais evidentes (incremento das produções, crises, progresso técnico, novidades sociais, sem pensar em analisar as condições em que se produziu o seu arranque e o seu sucesso. A Europa domina com segurança o mundo, pelos seus capitais, pelos seus homens, pelas suas técnicas. Faltava explicar o crescimento económico, através das depressões e das crises (…). O crescimento prossegue porque conta periodicamente com uma revolução nas técnicas, graças em particular à utilização de novas fontes de energia. À primeira revolução industrial, a do carvão e do vapor, sucede um segunda, a da electricidade, do petróleo e do motor de explosão. Há mesmo alguns, muito mais tarde que falarão de uma terceira revolução industrial, a da energia nuclear e a da informática. (…)
  • 6. Descobre-se que é o domínio, por meio do comércio colonial, de um mercado internacional mais homogéneo que permite o arranque da indústria europeia: a revolução industrial foi alimentada pelo empobrecimento da Ásia, da África e da América do Sul, a partir do século XVIII. Os mesmos desequilíbrios se verificam no interior das nações que se industrializam: aumentam as desigualdades sociais, esboçam-se especializações regionais, regiões menos favorecidas afundam-se num apagado subdesenvolvimento.
  • 7. Desenvolvimento dos transportes Comboio Barco a vapor Política Liberalismo económico (livre iniciativa e economia de mercado) Grupos Sociais Empresários (burgueses) Operários Grandes desigualdades económicas e no modo de vida Reivindicações sociais dos operários Sindicatos Ideias socialistas (Karl Marx) Conquista de Direitos Sociais Tudo isto levou ao Êxodo Rural (deslocação das populações do campo para as cidades), e por isso houve um Crescimento Urbano.
  • 8. A economia portuguesa no século XIX era caracterizada por uma agricultura de sobrevivência e uma indústria pouco desenvolvida. Só a partir das reformas liberais de Mouzinho da Silveira e da Regeneração de 1851 se procurou modernizar as infra-estruturas de comunicação e de transportes que irão permitir o arranque de alguma industrialização. Esta modernização feita sobre o impulso de Fontes Pereira de Melo levou a uma dívida externa devido aos empréstimos solicitados ao estrangeiro. Deste modo houve um fraco dinamismo da sociedade portuguesa e por isso a burguesia e o operariado cresceram de uma forma lenta.
  • 9. Imperialismo  tendência para a expansão de um Estado através da conquista de novas terras. Colonialismo  tendência de uma metrópole (terra-mãe) para a conquista de terras além-mar. A Europa no século XIX concentrava as principais potências económicas, técnicas e populacionais desta época. Por esta razão houve uma expansão imperial das principais potências industriais europeias. Contudo os EUA e o Japão ascenderam como potências industriais nesta altura. Todo o crescimento industrial levou os europeus à corrida a África procurando conquistar colónias para aceder a matérias-primas e conquistar novos mercados de consumo.
  • 10. Para regular as conquistas coloniais reuniu-se em Berlim uma conferência de diplomatas europeus em 1884/1885 em que se decidiu que a pertença de colónias dependeria da ocupação territorial com tropas e com autoridades administrativas, o que prejudicava os países mais fracos, incluindo Portugal, pois não possuía meios para uma ocupação efectiva das colónias.
  • 11. Portugal para responder a esta decisão da Conferência de Berlim, projectou a conquista do Império entre as costas de Angola e Moçambique (projecto do mapa cor-de-rosa, onde esta cor correspondia à região que Portugal deveria ocupar), no entanto o ultimato Inglês de 1890 levou ao abandono deste projecto colonial.
  • 12. Expansão demográfica Europeia Necessidades de matérias-primas e mercados para as indústrias Sentimentos patrióticas Imperialismo Colonial Corrida ao Continente Africano Conferência de Berlim 1884/1885 (ocupação efectiva) Rivalidades económicas, industriais, imperiais e patrióticas Corrida ás armas Política de alianças 1ª Guerra Mundial Devastação da Europa com a Guerra das Trincheiras Participação de Portugal na guerra Vitória dos Aliados Queda dos grandes impérios e aparecimento de novas nações Crise económica na Europa