Franca Maristela Oliveira MS sem fronteiras governança

  • 315 views
Uploaded on

 

More in: Education
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
315
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0

Actions

Shares
Downloads
1
Comments
0
Likes
0

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. Integração Competitiva de Micro e Pequena Empresas em Ambiente de Fronteira Bolívia, Brasil e Paraguai (ATN ME 14148 RG)
  • 2. Limites Internacionais do Mato Grosso do Sul (em km)____________________________________ Total Secas NaturaisPaíses (fronteiras) 1.520,5 724,2 796,3Paraguai (74%) 1.128,0 432,5 695,5Bolívia (26%) 392,5 291,7 100,8
  • 3. Finalidade do projeto Promover o desenvolvimento econômico, sustentável e integrado dos territórios, aproveitando a ambiência da faixa de fronteira, como oportunidade da expansão produtiva e fortalecimento institucional. Governança MPEs e Iniciativas binacional empreendedores estratégicas Enfoque na competitividade territorial
  • 4. Rede de parceiros Consulado de Bolivia en Corumbá Governos Consulado do Brasil em Puerto Suarez Consulado de Brasil en Pedro Juan Caballero Federais Consulado do Paraguai em Ponta Porã Gobierno Autónomo Municipal de Puerto Suarez Agentes Gobierno Autónomo Municipal de Puerto Quijarro Gobierno Departamental autonomo de Santa Cruz públicos Prefeitura Municipal de Ladário Governos Prefeitura Municipal de Corumbá locais Prefeitura Municipal de Ponta Porã Governo do Estado de Mato Grosso do Sul Municipalidad de Pedro Juan Caballero Gobernación del XIII Departamento Amambay Fundo Multilateral de Investimentos/Banco Interamericano de Desenvolvimento financiadores Serviço Brasileiro de Apoio as Micro e Pequenas Empresas Instituições Fundación Trabajo Empresa (FTE) Centro de Información Y Recursos para el Desarrollo (CIRD) executoras Associação Comercial e Empresarial de Corumbá, Cámara de Industria Y Comercio de Germán Busch (CAINCO) Representações Agentes Empresariais Cámara de Exportadores de Santa Cruz de la Sierra (CADEX) Federação das Indústrias do Estado de Mato Grosso do Sul (FIEMS) privados Associação Comercial e Empresarial de Ponta Porã Cámara de Comercio de Pedro Juan Caballero Universidad René Moreno Universidades Universidade Católica Dom Bosco e centros de Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul Universidade Federal de Mato Grosso do Sul pesquisa Instituto federal de Tecnologia do Mato Grosso do Sul
  • 5. Coordenação das atividades Rede de Parceiros Escritórios locais CIRD – Unidade Executora Local Pedro Juan Caballero Comitê Gestor Local – Fronteira Brasil/Paraguai SEBRAE – Posto Avançado em Ponta Porã Unidade de Gestão do Projeto FTE – Unidade Executora Local Puerto Suarez Comitê Gestor Local – Fronteira Brasil/Bolívia SEBRAE – Escritório Regional Pantanal em Corumbá
  • 6. Coordenação de conhecimento Estruturação de diálogos produtivos;  Articulação de parcerias  Integração de iniciativas; Ambiente participativo e colaborativo no processo decisório  Atuação direta das instituições no Comitê Gestor Local do Projeto;  Contribuição no monitoramento e sistematização; Integração do conhecimento e aprendizagem entre as instituições  Incorporação de novas metodologias;  Absorção de melhores práticas entre os países;
  • 7. Visão de futuro compartilhada Apoio as instâncias de coordenação e diálogos produtivos Acelerar o processos Fomento de intercâmbios, de aprendizagem e integração de negócios e aumento do capital Cooperação redes de empresas social entre os agentes sociais, públicos e privados Desenvolvimento de Fortalecimento do serviços protagonismo e apoio técnicos, tecnológicos, a formação de alianças gestão empresarial e sustentáveis inovação
  • 8. Problemas na Governança  Interesses divergentes com objetivos convergentes;  Necessidade de implantação das Unidades Executoras Locais;  Baixo capital social dos territórios;  Estrutura de gestão do projeto hierárquica e não matricial;
  • 9. Vantagens na Governança  Apropriação do projeto pelo território – protagonismo local;  Atuação integrada da governança atrai novos projetos;  Maior envolvimento dos parceiros na execução das ações;  Oferta coordenada de soluções empresariais no território;  Ampliação da capacidade de atendimento – maior capilaridade.
  • 10. Desenvolvimento de competências  Seminários Locais de Desenvolvimento Territorial – Marco Dini/jornada  Training Course of Support for Small and Medium-sized Enterprises in Central and South America – JICA/IMF;  Gestão Integrada do Desenvolvimento Econômico Territorial – INDES/BID;  WEBINAR – BID/FUMIN;  5º Congresso Latino Americano de Clusters – TCI;  Capacitação em Gestão de Projetos Orientada para Resultados – SEBRAE;  Seminário Empretec - SEBRAE – participação dos atores locais;  Encontros de Fronteira (Jornalistas, Universidades e Núcleos) – SEBRAE;  Visitas técnicas para conhecimento de boas práticas – SEBRAE
  • 11. O que já fizemos Formação dos Comitês Gestores Locais do Projeto; Inauguração e início de operação das Unidades Executoras Locais de Puerto Suarez e Pedro Juan Caballero; Negociação de agendas conjuntas e oferta integrada de soluções; Estudos de fronteira e pesquisas de oportunidades; Repasses de metodologias e formação de consultores; Apoio a eventos locais e promoção de parcerias; Capacitação empreendedora e gestão empresarial; Participação em feiras, exposições e rodadas de negócios; Consultorias tecnológicas individuais e coletivas; Criação de ambiente WEB - Núcleo de Atendimento Integrado  http://semfronteiras.ms.sebrae.com.br
  • 12. Lições aprendidas Construção de capital relacional com entidades internacionais  Diálogos estruturados no ambiente transfronteiriço;  Integração de iniciativas com o setor privado. Elaboração de Termo de Referência em Desenvolvimento Territorial;  Definição de estratégia para atuação estadual;  Criação de uma metodologia replicável;  Mobilização e captação de recursos técnicos e financeiros;  Implantação do ProLocal – 21 municípios do Estado. Estudos para produção de informações estratégicas da fronteira;  Interação com redes de aprendizagem e conhecimento.
  • 13. Obrigada! Maristela França (55) 67 3389 5401diretoria@ms.sebrae.com.br