Your SlideShare is downloading. ×

MPI 2010 - Perspectivas 2011 - Paulo Francini, Depecon/Fiesp

1,559

Published on

Perspectivas 2011 para as Micro e Pequenas …

Perspectivas 2011 para as Micro e Pequenas
Empresas.
Paulo Francini, Diretor Titular do Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos da Fiesp/Ciesp.

V Congresso da Micro e Pequena Indústria

Realização: Departamento da Micro, Pequena e Média Indústria.(Dempi/Fiesp)

14 de outubro de 2010.

Hotel Renaissance
São Paulo - SP


http://www.fiesp.com.br/congressompis

http://twitter.com/dempifiesp

Published in: Business
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
1,559
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
33
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Perspectivas 2011 para as Micro e Pequenas Empresas. DEPECON 1
  • 2. Micro e Pequenas Indústrias representam 88,5% das Indústrias do Estado (2009) Em 2009, existiam 84,5 mil Micro e Pequenas Indústrias no Estado de SP. Essas empresas representam 88,5% dos empreendimentos industriais e 9,2% dos empreendimentos totais do Estado. As MPIs empregam 1,1 milhão de trabalhadores, ou 41,6% do emprego industrial e 8,7% do emprego total do Estado. Nos últimos anos, verificou-se perda de participação da Indústria no emprego nacional. Em São Paulo, MPIs perderam 1,22 p.p. de participação nos últimos 8 anos. 2
  • 3. Dos 22 setores, apenas 5 concentram mais de metade do emprego Industrial das MPIs Quantidade Empregados das MPIs de São Paulo (2009): Principais Setores de Atividade. Emprego MPI / MPI no Micro e Pequenas Indústrias Setores Total do Total da Total do Setor Ind. (%) Setor Empregados Part. (%) Acumulada Produtos de metal (excl. máquinas) 134.796 12,8% 207.449 5,3% 65,0% Confecção de vestuário 125.574 11,9% 166.620 5,0% 75,4% Máquinas e Equipamentos 99.985 9,5% 51,9% 224.039 3,9% 44,6% Produtos Alímentícios e bebidas 93.542 8,9% 377.729 3,7% 24,8% Artigos de borracha e plástico 92.951 8,8% 196.448 3,7% 47,3% Móveis e indústrias diversas 60.647 5,8% 94.498 2,4% 64,2% Produtos Químicos 60.369 5,7% 187.014 2,4% 32,3% Minerais não metálicos 55.480 5,3% 102.942 2,2% 53,9% Edição e impressão 50.450 4,8% 48,1% 93.104 2,0% 54,2% Têxteis 47.931 4,5% 121.956 1,9% 39,3% Outros 232.347 22,0% 759.842 9,2% 30,6% Total da Indústria 1.054.072 100,0% 100,0% 2.531.641 41,6% 41,6% Total de empregos em SP 12.079.131 Fonte: RAIS - MTE. 3
  • 4. Emprego das Micro e Pequenas Indústrias nas DR-CIESP (Continua) EMPREGO nas Micro e pequenas indústrias - Abertura por DR Ciesp (2009) Emprego nas Micros Part. Da Região nas Part. Das Micro e Diretorias Regionais e Pequenas Micro e Pequenas Pequenas na Indústrias Indústrias Indústria Total SÃO PAULO 295.284 28,0% 11,66% CAMPINAS 58.987 5,6% 2,33% GUARULHOS 49.207 4,7% 1,94% SÃO JOSÉ DO RIO PRETO 40.371 3,8% 1,59% OSASCO 37.955 3,6% 1,50% INDAIATUBA 36.909 3,5% 1,46% JUNDIAÍ 36.547 3,5% 1,44% SOROCABA 35.862 3,4% 1,42% MOGI DAS CRUZES 27.924 2,6% 1,10% SANTO ANDRÉ 26.926 2,6% 1,06% RIBEIRÃO PRETO 26.042 2,5% 1,03% DIADEMA 25.862 2,5% 1,02% COTIA 24.295 2,3% 0,96% FRANCA 23.199 2,2% 0,92% SÃO BERNARDO DO CAMPO 21.150 2,0% 0,84% ARAÇATUBA 19.241 1,8% 0,76% PIRACICABA 18.738 1,8% 0,74% 4
  • 5. Emprego das Micro e Pequenas Indústrias nas DR-CIESP Continuação) EMPREGO nas Micro e pequenas indústrias - Abertura por DR Ciesp (2009) Emprego nas Micros Part. Da Região nas Part. Das Micro e Diretorias Regionais e Pequenas Micro e Pequenas Pequenas na Indústrias Indústrias Indústria Total AMERICANA 18.085 1,7% 0,71% RIO CLARO 16.898 1,6% 0,67% BOTUCATU 16.647 1,6% 0,66% LIMEIRA 16.633 1,6% 0,66% JAÚ 16.316 1,5% 0,64% TAUBATÉ 15.463 1,5% 0,61% PRESIDENTE PRUDENTE 15.285 1,5% 0,60% BRAGANÇA PAULISTA 14.433 1,4% 0,57% SÃO CARLOS 13.542 1,3% 0,53% SÃO JOSÉ DOS CAMPOS 11.769 1,1% 0,46% SÃO JOÃO DA BOA VISTA 11.544 1,1% 0,46% SANTA BÁRBARA D'OESTE 10.981 1,0% 0,43% MARÍLIA 10.657 1,0% 0,42% BAURU 10.468 1,0% 0,41% SÃO CAETANO DO SUL 8.164 0,8% 0,32% SANTOS 7.071 0,7% 0,28% SERTÃOZINHO 6.862 0,7% 0,27% JACAREÍ 3.859 0,4% 0,15% MATÃO 2.478 0,2% 0,10% VALE DO RIBEIRA 2.252 0,2% 0,09% CUBATÃO 1.839 0,2% 0,07% TOTAL 1.054.072 100,0% 41,6% 5
  • 6. Conjuntura Econômica para as Micro e Pequenas Indústrias. 6
  • 7. OPORTUNIDADES Os fundamentos da Demanda garantem mercado interno aquecido. 7
  • 8. Estimamos geração de 2,5 milhões de empregos formais em 2010 e de 1,4 milhões em 2011 Geração Líquida de Emprego com Carteira Assinada - CAGED 3,000,000 Previsão 2,500,000 2,500,000 2,000,000 1,613,601 1,465,362 1,444,000 1,500,000 1,268,734 1,233,880 1,009,064 1,000,000 500,000 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Fonte: MTE; Elaboração Fiesp/Ciesp 8
  • 9. A taxa de desemprego permanecerá em patamar reduzido Taxa de Desemprego - em % 12.0 10.9 11.0 10.5 10.0 9.6 9.0 8.4 8.4 Previsão 8.0 7.5 7.0 6.8 6.8 6.7 6.5 6.0 5.0 4.0 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Fonte: IBGE; Valores de fim de período 9
  • 10. Massa real de rendimentos desenha um quadro favorável para o consumo MSA = massa salarial do trabalho + benef. previdenciários + prog. de proteção social Taxa de Crescimento da Massa Salarial Ampliada Real (MSA) - em % 8.0 Previsão 6.8 6.9 7.0 6.2 6.1 6.0 5.8 5.6 5.4 4.9 5.0 4.0 3.0 2.7 2.0 semestre/10 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 1º Fonte: IBGE; Elaboração Fiesp/Ciesp 10
  • 11. Acreditamos que a evolução do crédito continuará a apresentar um comportamento favorável ao consumo Variação Anual do Estoque de Crédito Total - (%) Preços Constantes 30 25 23.8 Previsão 22.3 21.0 20 17.0 16.9 15 10.5 10 5 0 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Fonte: Bacen 11
  • 12. Os índices de expectativas do consumidor se encontram em patamares historicamente elevados Índice de Expectativas do Consumidor 175 Série Dessazonalizada 165 155 145 135 125 115 105 95 85 jan/96 mai/98 jul/99 set/00 jan/03 mai/05 jul/06 set/07 jan/10 mar/97 out/97 abr/01 mar/04 out/04 abr/08 dez/98 dez/05 nov/94 jun/95 ago/96 nov/01 jun/02 ago/03 nov/08 jun/09 ago/10 fev/00 fev/07 12 Fonte: Fecomércio
  • 13. AMEAÇAS SETOR EXTERNO 13
  • 14. Conjuntura atual impõe desafios às Micro e Pequenas Indústrias: Forte competição dos Importados Principais Setores de atuação das MPIs como, por exemplo, produtos diversos de metal, confecção de vestuário e máquinas e equipamentos sofrem forte competição de produtos importados. Maiores causas de perda de competitividade são: Sobrevalorização da taxa de câmbio, prejudicando exportações e barateando produto estrangeiro Carga tributária excessiva, que encarece produto nacional e não é equiparada aos produtos importados. Elevadas taxas de juros comparativamente às praticadas fora do país. Crescimento das Importações pode afetar mercados das MPIs. Não há sinais de reversão desse quadro no curto prazo. 14
  • 15. Acelerada deterioração do saldo comercial de manufaturas. Saldo da Balança Comercial de Manufaturas (US$ Bilhões) 2006 2007 2008 2009 2010* 5,1 -9,2 -36,5 -39,8 -59,0 *Projeção Fonte: FIESP/DEREX 15
  • 16. Participação das Importações no Consumo se ampliando rapidamente. Fonte: FIESP - DEREX 16
  • 17. Principais Setores em termos de emprego, passam por elevada ampliação das importações nos 2 últimos anos. Importações Importações - US$ mi Var. % (Jan-Ago) Setores da Indústria de Transformação 2008 2009 2010* 2009/2008 2010/09 2010/08 Confecção Vestuário 710,9 762,0 897,4 17,6 25,9 48,0 Minerais Não Metálicos 1.188,5 960,3 1.295,0 -20,5 55,0 23,3 Produtos Têxteis 2.457,0 2.158,2 2.894,7 -22,4 57,4 22,1 Móveis e Indústrias Diversas 1.180,6 1.044,7 1.299,6 -12,9 40,2 22,0 Artigos de Borracha e Plástico 4.601,4 3.510,9 4.825,4 -27,7 61,3 16,5 Produtos Alimentícios e Bebidas 4.439,6 4.323,3 5.005,0 -7,6 26,0 16,4 Produtos de Metal (Excl. Máquinas e Equips.) 2.954,4 2.551,3 2.988,1 -13,1 26,0 9,5 Máquinas e Equipamentos 17.676,2 14.320,6 17.390,7 -20,0 32,9 6,3 Produtos Químicos 35.146,5 25.751,4 30.625,5 -30,3 31,0 -8,7 Edição e Impressão 215,8 183,8 195,8 -19,4 11,2 -10,4 Demais 74.504,9 55.014,7 53.907,2 -31,9 63,6 11,4 Fonte: Funcex *2010: Acumulado Jan/10-Ago/10 17
  • 18. Ampliação da Demanda no Mercado Interno levou maior penetração do produto importado. Indústria Geral (2º Trim/10 - 2º Trim/09) 47,9% 20,6% 14,3% Consumo Produção Importações Aparente Industrial Forte crescimento do consumo gerou ampliação das importações em relação ao mesmo tri de 2009. Fonte: FIESP/DEREX 18
  • 19. Setores importantes para MPIs apresentaram fortes elevações de importações em 2010. Máqs. e Equips. para Fins Industriais e Comerciais Artigos do vestuário e acessórios (2º Trim/10 - 2º Trim/09) (2º Trim/10 - 2º Trim/09) 45,0% 36,7% 43,5% 38,7% 13,4% 11,9% Consumo Produção Importações Consumo Produção Importações Aparente Industrial Aparente Industrial Alimentos e bebidas (2º Trim/10 - 2º Trim/09) 34,8% 11,7% 7,8% Consumo Produção Importações Aparente Industrial Fonte: FIESP/DEREX 19
  • 20. CONCLUSÕES 20
  • 21. Crescimento do mercado interno favorece MPIs. Mas cambio desfavorável pode dificultar crescimento. Forte crescimento do PIB em 2010 (7,7%) e 2011 (5,1%), puxado pela demanda interna favorece pequenas indústrias empresas Por outro lado, valorização excessiva do Real combinada com outros fatores prejudica competitividade interna e externa. Alguns setores que possuem forte presença de MPIs estão mais sensíveis ao cenário externo: calçados, máquinas e equipamentos, produtos de metal, artigos de plástico/borracha e têxteis. 21
  • 22. Efetivo Projeção INDICADORES 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Crescimento do PIB (% ) 3,2 4,0 6,1 5,1 -0,2 7,7 5,1 PIB Indústria (% ) 2,1 2,2 5,3 4,4 -5,5 11,6 6,2 Extrativa Mineral (%) 9,3 4,4 3,7 4,9 -0,2 12,3 7,7 Ótica da Oferta Transformação (%) 1,3 1,0 5,6 3,2 -7,0 11,1 5,0 Construção Civil (%) 1,8 4,7 4,9 8,2 -6,3 14,4 10,9 Serviços Industriais de Utilidade 3,0 3,5 5,4 4,8 -2,4 9,4 4,6 Pública (SIUP) (%) PIB Agropecuária (% ) 0,3 4,8 4,8 5,7 -5,2 8,8 7,8 PIB Serviços (% ) 3,7 4,2 6,1 4,8 2,6 5,2 4,5 Impostos Líquidos sobre Produtos (%4,4 ) 5,7 7,7 7,4 -0,8 11,2 6,2 Consumo das Famílias (%) 4,5 5,2 6,1 7,0 4,1 6,3 5,5 Demanda Ótica da Consumo do Governo (%) 2,3 2,6 5,1 1,6 3,7 4,1 4,3 Formação Bruta de Capital Fixo (%) 3,6 9,8 13,9 13,4 -9,9 22,3 14,0 Exportações de Bens e Serviços (%) 9,3 5,0 6,2 -0,6 -10,3 9,8 5,8 Importações de Bens e Serviços (%) 8,5 18,4 19,9 18,0 -11,4 38,6 18,6 Exportações (US$ bilhões) 118,5 137,8 160,6 197,9 153,0 200,9 232,5 Setor Externo Importações (US$ bilhões) 73,6 91,4 120,6 173,0 127,6 184,6 223,6 Saldo da Balança Comercial (US$ 44,9 46,5 40,0 24,9 25,4 16,3 8,9 bilhões) Exportações (%) 22,6 16,3 16,6 23,2 -22,7 31,3 15,7 Importações (%) 17,2 24,1 32,0 43,4 -26,3 44,7 21,1 Saldo da Balança Comercial (%) 32,7 3,4 -13,8 -37,7 2,0 -35,9 -45,4 PIM - IBGE/Produção Física Brasil (%) 3,1 2,8 6,0 3,1 -7,4 11,4 4,7 INA - FIESP (%) 3,8 2,6 6,1 4,2 -8,6 10,1 5,3 Emprego Industrial São Paulo - FIESP (%) - -0,1 4,6 -0,3 -4,3 5,0 3,9 Emprego Industrial Brasil - IBGE (%) -0,7 0,8 3,3 -1,2 -2,7 4,9 2,9 22

×