Virtualização com Citrix XENSERVER

10,201 views
10,083 views

Published on

Published in: Education
1 Comment
8 Likes
Statistics
Notes
  • Olá pessoal, muito grato pela atenção dispensada, tenho vários servidores (total de 70-unidades) em rack´s 19” com processador DUAL Opteron (AMD) com 8-Gb. De RAM , 4-HD´s Hot-Swap de 250-Gb. cada, Modelo RIO-Works 2-Redes, etc. com sistema CITRIX XEN-Server instalado, equipamentos novos sem uso, adquiridos através de leilão da RF, veio através de uma importação, preciso vende-los para repor o investimento. Gostaria de maiores informações sobre o equipamentos e onde vende-los. Muito obrigado, contatos através do email luiz2100@hotmail.com
       Reply 
    Are you sure you want to  Yes  No
    Your message goes here
No Downloads
Views
Total views
10,201
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
4
Actions
Shares
0
Downloads
672
Comments
1
Likes
8
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Virtualização com Citrix XENSERVER

  1. 1. Virtualização com Citrix XenServer <ul><li>Apresentado por: Thiago Martins </li></ul><ul><li>Profissional de Linux desde 1996 </li></ul><ul><li>Especialista em Redes de Comunicação de Dados </li></ul><ul><li>Profissional de Xen desde 2006 </li></ul><ul><li>Autor do Xen Live CD v2.0 oficial </li></ul><ul><li>Ministrou palestra sobre o Xen Live CD na LinuxCon 2010 </li></ul>
  2. 2. Introdução à Virtualização <ul><li>Vamos usar uma simples equação, um único computador físico roda apenas um sistema operacional por vez. Virtualizando o computador, somos capazes de rodar vários sistemas operacionais (e todas as suas aplicações) ao mesmo tempo. Mágica? Praticamente. </li></ul><ul><li>A virtualização não é nova, já existe desde os anos 60 e 70 na IBM. Alguns de vocês podem se familiarizar com o termo &quot;emulação&quot;, ou QEmu, ou SNES9X (emulador do vídeo-game Super Nintendo para PC), que são formas de virtualização. Nesta palestra vamos falar sobre o Monitor de Máquinas Virtuais Xen (eu prefiro chamá-lo de hypervisor ), um projeto de software livre de virtualização para uma máquina próxima a você. </li></ul>
  3. 3. Introdução ao Xen <ul><li>O Xen é uma tecnologia de virtualização open source, a qual podemos usar para rodar paralelamente vários sistemas operacionais diferentes dentro de um único computador. </li></ul><ul><li>O Xen é uma camada de software, que cobre todo o hardware do computador, isolando-o completamente. O Xen de fato, substituí o sistema operacional por completo, no que se diz respeito ao acesso ao hardware. Ele reside entre o hardware e o sistema operacional propriamente dito. </li></ul>
  4. 4. Introdução ao Xen <ul><li>O Xen pode ser considerado um &quot;particionador&quot; de memória RAM e de CPU. Quase do mesmo modo que o &quot;fdisk&quot; particiona um &quot;storage&quot; ou que o módulo de rede &quot;bridge&quot; particiona uma interface de rede. O Xen particiona toda a memória RAM e a CPU e seus núcleos, em pedaços virtuais isolados. É muito importante conhecer o Xen, para poder configurá-lo corretamente. </li></ul>
  5. 5. Introdução ao Xen
  6. 6. Introdução ao Xen
  7. 7. Introdução ao Xen <ul><li>O Xen então, acaba por implementar um &quot;monitor&quot; (hypervisor - virtual machine monitor), o qual nos permite ver e usar as várias instâncias de Linux, Windows ou BSDs, que ele virtualiza. </li></ul><ul><li>Ao iniciar o Xen, este iniciará automaticamente um Linux. Este &quot;primeiro Linux&quot; já no topo do Xen, é conhecido como dom0 (Domain 0 / Domínio Privilegiado), apesar de este Linux estar separado do hardware pelo Xen, ele ainda consegue acessá-lo por completo, sem restrições. </li></ul><ul><li>Os demais Linuxes que o Xen iniciar, são chamados de domU (Umprivileged Domain), os quais não possuem acesso direto ao hardware e são dependentes da dom0 para algumas tarefas. </li></ul>
  8. 8. Por que virtualizar? <ul><li>Potencial para diminuir o impacto ambiental gerado pelo setor </li></ul><ul><li>Simplifica o gerenciamento das aplicações </li></ul><ul><li>Otimiza o uso do parque de máquinas de todo o mundo </li></ul><ul><li>Economiza espaço físico </li></ul><ul><li>Melhor aproveitamento de recursos computacionais </li></ul><ul><li>Economia de energia elétrica </li></ul><ul><li>Centraliza o gerenciamento de todo o ambiente de TI </li></ul><ul><li>Otimiza e simplifica a tarefa de dimensionamento do hardware </li></ul><ul><li>Facilita criação de ambientes de desenvolvimento, testes e produção </li></ul>
  9. 9. Características do Xen <ul><li>Open source hypervisor (aka virtual machine monitor), licenciado sob a GPL </li></ul><ul><li>Abordagem inovadora de virtualização, chamada ParaVirtualization, a qual dispensa completamente a emulação por software </li></ul><ul><li>Suporte a virtualização por emulação, chamada FullVirtualization, envolve emulação e depende de assistência por hardware para ser viável </li></ul><ul><li>Provê um isolamento seguro, controle de recursos e QoS </li></ul><ul><li>Requer mudanças mínimais nos sistemas operacionais e nenhuma nas aplicações </li></ul>
  10. 10. Características do Xen <ul><li>Suporta as arquiteturas x86, x86_64, ia64 e PPC em vários graus de maturidade </li></ul><ul><li>Suporta Linux, NetBSD, FreeBSD, OpenSolaris... </li></ul><ul><li>Performance quase nativa no modo PVM (como se virtualização não existisse) </li></ul><ul><li>Faz migração ao vivo (live-motion) das máquinas virtuais </li></ul><ul><li>Xen 4.0.1 recém lançado! </li></ul>
  11. 11. ParaVirtualization - PVM <ul><li>A ParaVirtualização é uma técnica diferenciada de virtualizar um sistema operacional, ela é a mais rápida. Ela consiste em modificar o sistema operacional, de modo a fazer com que ele saiba da existencia do hypervisor e funcione literalmente sobre ele, quase que do mesmo modo que ele [S.O.] funciona normalmente (sem o hypervisor / bare-metal) </li></ul><ul><li>Fácil de implementar quando você tem o código fonte do sistema operacional </li></ul>
  12. 12. ParaVirtualization - PVM <ul><li>Descarta a emulação </li></ul><ul><li>O Linux desde a versão 2.6.23, funciona por padrão sobre o Xen </li></ul><ul><li>Não esconde o ambiente virtualizado dos sistemas operacionais convidados </li></ul><ul><li>S.O. precisa ser portado para funcionar no modo PVM </li></ul>
  13. 13. FullVirtualization - HVM <ul><li>A &quot;Virtualização Cheia&quot; é a arte de rodar um sistema operacional não modificado em uma &quot;Máquina Virtual&quot;. Existem muitas implementações de como se fazer isso, por exemplo, QEmu, VMWare, VirtualBox, Paralels, etc </li></ul><ul><li>O suporte no hardware da CPU (Intel VT-x, AMD Pacifica) deixa a virtualização cheia muito mais rápida </li></ul>
  14. 14. FullVirtualization - HVM <ul><li>Depende do suporte na CPU para ser viável </li></ul><ul><li>Sem o suporte nativo na CPU, seria muito lento, se funcionasse </li></ul><ul><li>Possuí muitas camadas de software </li></ul><ul><li>Virtualiza sistemas operacionais fechados como o Windows </li></ul>
  15. 15. Arquitetura do Xen <ul><li>Quando o Xen inicia, ele roda o dom0, o primeiro sistema operacional </li></ul><ul><li>O dom0 é um domínio privilegiado, que pode tocar todo o hardware do sistema </li></ul><ul><li>O dom0 tem a capacidade de expor algumas partes do hardware para outros domínios </li></ul>
  16. 16. Arquitetura do Xen <ul><li>Os dispositivos são exportados como &quot;class devices&quot;, por exemplo, um disco rígido (block device) ou uma placa de rede (network device), não como um modelo de hardware virtual específico </li></ul><ul><li>Os sistemas operacionais convidados, dependem da dom0 para acessar o hardware. Para isso foi criado um esquema de backends e frontends </li></ul>
  17. 17. Arquitetura do Xen
  18. 18. Backends & Frontends <ul><li>O Xen exporta o hardware físico para os sistemas operacionais convidados através de um modelo conhecido como &quot;Backend e Frontend&quot;. Todos os backends funcionam no dom0, que é o único domínio que acessa o hardware diretamente e, os frontends, funcionam dentro dos demais domínios, conhecidos como domUs, ou máquinas virtuais. </li></ul>
  19. 19. Backends & Frontends <ul><li>O dom0 roda o backend do dispositivo, que é conectado em cada frontend dos domUs para aquele dispositivo </li></ul><ul><li>netback / netfront para dispositivos de rede (NICs) </li></ul><ul><li>blockback / blockfront para dispositivos de bloco (discos rígidos) </li></ul>
  20. 20. Virtualizando o seu CPD <ul><li>Muitos administradores de sistemas não sabem mas, é possível de se virtualizar 100% de todos os serviços de rede. Eles tem medo de perder a performance ou de trazer problemas para um ambiente &quot;estável&quot;. Mas a verdade é que quando se virtualiza um CPD, ou mesmo todo o ambiente de TI, o ganho é enorme. </li></ul><ul><li>Muitos também não sabem dimensionar corretamente o hardware, de fato, este é grande problema enfrentado pelos profissionais da área de TI, dimensionar o hardware. </li></ul>
  21. 21. Diagrama de Rede Física
  22. 22. Instalação do XenServer <ul><li>O XenServer possuí um CD de instalação, o qual transforma qualquer PC 64 bits em um hypervisor </li></ul><ul><li>O procedimento é simples, o particionamento do disco rígido é 100% automático e as poucas questões são objetivas e de fácil entendimento </li></ul><ul><li>A Citrix disponibiliza um segundo CD, contendo os templates de Linuxes pré-instalados. O CD de templates pode ser instalado posteriormente </li></ul>
  23. 23. Instalação do XenServer
  24. 24. Instalação do XenServer
  25. 25. Instalação do XenServer
  26. 26. Instalação do XenServer
  27. 27. Instalação do XenServer
  28. 28. Instalação do XenServer
  29. 29. Instalação do XenServer
  30. 30. Instalação do XenServer
  31. 31. Instalação do XenServer
  32. 32. Instalação do XenServer
  33. 33. Instalação do XenServer
  34. 34. Instalação do XenServer
  35. 35. Instalação do XenServer
  36. 36. Instalação do XenServer
  37. 37. Instalação do XenServer
  38. 38. Instalação do XenServer
  39. 39. Instalação do XenServer
  40. 40. Instalação do XenServer
  41. 41. Instalação do XenServer
  42. 42. Instalação do XenServer
  43. 43. Instalação do XenServer
  44. 44. Instalação do XenServer
  45. 45. Instalação do XenServer
  46. 46. Instalação do XenServer
  47. 47. Instalação do XenCenter <ul><li>Coloque o CD de instalação do XenServer em alguma estação Windows </li></ul><ul><li>Acesse: Computador -> Unidade de CD-R ( d: ) XenServer 5.6.10 -> client_install </li></ul><ul><li>Rode o programa de instalação: XenCenter </li></ul>
  48. 48. Instalação do XenCenter
  49. 49. Instalação do XenCenter
  50. 50. Instalação do XenCenter
  51. 51. Instalação do XenCenter
  52. 52. XenCenter
  53. 53. XenCenter
  54. 54. XenCenter
  55. 55. XenCenter
  56. 56. XenCenter
  57. 57. Criação de Pool
  58. 58. Criação de Pool
  59. 59. Tipos de Storage <ul><li>Local LVM </li></ul><ul><li>Local EXT3 VHD </li></ul><ul><li>ISO </li></ul><ul><li>Software iSCSI Support </li></ul><ul><li>Managing Hardware Host Bus Adapters (HBAs) </li></ul><ul><li>LVM over iSCSI </li></ul><ul><li>NFS VHD </li></ul><ul><li>LVM over hardware HBA </li></ul><ul><li>Citrix StorageLink Gateway (CSLG) SRs </li></ul>
  60. 60. High Availability (Alta Disponibilidade) <ul><li>O mecanismo do H.A. move automaticamente qualquer máquina virtual protegida para um hypervisor saudável se o hypervisor atual falhar </li></ul><ul><li>Quando um hypervisor subtamente falha, as máquinas virtuais que se encontravam nele são automaticamente religadas em outro(s) hypervisor(es) </li></ul>
  61. 61. Diagrama de Rede Virtual
  62. 62. Ciclo de vida <ul><li>Gerenciando as máquinas virtuais, os templates, snapshots e storages </li></ul><ul><li>Migrando uma máquina virtual </li></ul>
  63. 63. Máquinas Virtuais <ul><li>Criar </li></ul><ul><li>Ligar </li></ul><ul><li>Desligar </li></ul><ul><li>Live </li></ul><ul><li>Mover </li></ul><ul><li>Exportar </li></ul><ul><li>Importar </li></ul>
  64. 64. Os Templates <ul><li>Rápida criação de Máquinas Virtuais </li></ul><ul><li>Em alguns casos, ajuda a economizar espaço no storage </li></ul><ul><li>Criar template a partir de uma MV </li></ul><ul><li>Criar template a partir de snapshot </li></ul><ul><li>Manter cópias dos templates em cada um dos storages </li></ul>
  65. 65. Snapshots <ul><li>Forma de backup rápido </li></ul><ul><li>Permite fazer rápido rollback </li></ul><ul><li>Permite criar novas máquinas virtuais a partir dos snapshots </li></ul>
  66. 66. Conclusões <ul><li>O Xen entra no lugar do sistema operacional logo no boot da máquina </li></ul><ul><li>É o GRUB o responsável por iniciar o Xen </li></ul><ul><li>É o Xen dá boot no Linux privilegiado </li></ul><ul><li>É bom para o meio ambiente </li></ul><ul><li>De fácil gerenciamento </li></ul><ul><li>Estável </li></ul><ul><li>Escalável </li></ul><ul><li>E o mais importante, é Open Source ! </li></ul>

×