Your SlideShare is downloading. ×
0
Ira Irlanda do Norte
Ira Irlanda do Norte
Ira Irlanda do Norte
Ira Irlanda do Norte
Ira Irlanda do Norte
Ira Irlanda do Norte
Ira Irlanda do Norte
Ira Irlanda do Norte
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Ira Irlanda do Norte

481

Published on

Trabalho sobre o conflito na Irlanda do Norte e a atuação do IRA.

Trabalho sobre o conflito na Irlanda do Norte e a atuação do IRA.

Published in: Education
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
481
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
12
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. IRAIrish Republican Army
  • 2. Para entender o conflito é necessário voltar na história. No século XII, a ilha daIrlanda começou a ser conquistada pelos reis da Inglaterra. Desde então a região passou aser dominada pelo RU. Em 1534, após divergências contra a igreja católica, o rei HenriqueVIII deu inicio à Reforma Anglicana,estabelecendo uma religião protestante oficial em seusdomínios. A maioria dos ingleses e galeses submeteu-se ao anglicanismo; mas os irlandesespermaneceram inteiramente católicos, até mesmo como forma de preservar sua identidadenacional perante os dominadores ingleses. Desde então diversos líderes, como rainhaElizabeth e Oliver Cromwell, massacraram revoltas na Irlanda. Em 1905, os nacionalistas irlandeses fundaram o Sinn Fein (“Nós Sozinhos”), partidopolítico que lutaria pela independência do país utilizando meios legais. Em contrapartida,os protestantes afiaram a Força de Voluntários do Ulster – formação paramilitar destinada aapoiar as tropas britânicas na Irlanda. A essa altura, o Ulster já era uma regiãoindustrializada onde os protestantes haviam se tornado maioria, graças à forte imigração deoperários ingleses, escoceses e galeses. O conflito é basicamente religioso (anglicanos x católicos), com a apelação aunidade nacional. Para evidenciar o confronto basta observar a 2ª Grande Guerra, quando,diferentemente das outros estados da Commonwealth( comunidade britânica das nações), aIrlanda permaneceu neutra no grande conflito mundial. Em 1949, a Irlanda desligou-se da commonwealth e proclamou sua independência aoReino Unido, com o nome de República da Irlanda ou Eire (seu nome céltico original). Devido à grande deficiência econômica do novo país, muitos católicos do sul acabarammigrando para a Irlanda do Norte, compondo 40% da população da região.
  • 3. Em 1956, surgiu na Irlanda do Norte o IRA (Irish Republican Army ou ExércitoRepublicano Irlandês); organização terrorista cujo objetivo é promover a anexação daIrlandado Norte ao Eire. Desde então, essa entidade vem promovendo atentados contraautoridadesbritânicas e membros da comunidade protestante da Irlanda do Norte. Sua ação de maiorrepercussão ocorreu em 1979: a explosão da lancha pilotada pelo almirante lordeMountbatten,herói da Segunda Guerra Mundial e tio da rainha Elizabeth II. Entretanto, as forças britânicas também atacaram e causaram diversas morte,como noepisódio do "Dominngo Sangrento de 1972", quando soldados ingleses mataram 14 civiscatólicos em Belfast. Oficialmente, o governo do Eire repudia a atuação do IRA. Mas este conta coma simpatia de parte da população do Sul e tem o apoio de praticamente toda a comunidadecatólica do Norte. Além disso, o IRA utiliza o partido Sinn Fein como seu porta-voz erepresentante político (ou “braço político”, como se costuma dizer). Em 1972, o governo britânico suspendeu a autonomia administrativa da Irlandado Norte e colocou a região sob seu controle direto, em um regime quase de ocupaçãomilitar.
  • 4. A situação do conflito amenizou-se com um acordo firmado em 1998, cominiciativa de Tony Blair, ministro trabalhista do RU, e com a presença derepresentantes do Sinn Fein, com o primeiro-ministro do Eire; houve até umaintervenção do então presidente estadunidense Bill Clinton.
  • 5. Mesmo com o acordo ainda ocorreram confrontos recente, como: Irlanda do Norte, voltou a ser palco de confrontos entre a polícia e unionistas quecontestam a redução de dias em que a bandeira britânica deve ficar hasteada. Algumas horas depois do início das discussões entre representantes políticos ereligiosos para tentar colocar fim a esse período de violência, novos conflitos surgiram. Tijolos,garrafas e coquetéis molotov foram atirados contra a polícia, que respondeu com balas de borrachae jato de água. As revoltas começaram no dia 3 de dezembro quando os unionistas souberam que oConselho Municipal, onde os nacionalistas irlandeses são maioria, decidiram hastear a bandeiraapenas 17 dias por ano em datas especiais, por exemplo no dia do aniversário da rainha Elizabeth II. A comunidade protestante, que defende a bandeira como símbolo do domínio da Grã-Bretanha sobre o território da Irlanda do Norte, não gostou da decisão e, desde então, a violênciatomou conta das ruas de Belfast. O premiê da Irlanda do Norte, Peter Robinson, do Partido Unionista Democrático (DUP,protestante), que considera esse tipo de violência "injustificável" e "vergonhosa", afirmou: "Osresponsáveis prejudicam gravemente a causa que pretendem defender, e são manipulados pelosgrupos dissidentes que buscam aproveitar as menores oportunidades para fazer suas aspiraçõesterroristas avançarem". De acordo com um balanço da polícia, desde o início dos confrontos 52 policiais ficaramferidos, 70 pessoas foram detidas e 47 indiciadas.
  • 6. Em maio de 2008, um novo atentado à bomba ligado ao IRA feriu um policial. Esses doisepisódios acabaram confundindo a opinião pública. Afinal de contas, o IRA acabou ou continua sendouma ameaça latente? De fato, a grande maioria que engrossava as fileiras do movimento irlandêschegou à conclusão de que a via da luta armada não fazia mais sentido. Porém, a declaração decessar fogo de 2005 acabou estabelecendo um “racha” que dividiu o IRA em três diferentes facções. A primeira e a maior dessas facções é o chamado IRA Provisional. Entre 1969 e 1997, estegrupo foi responsável por uma série de ações terroristas, focos de guerrilha e atentados ocorridos naInglaterra e na própria Irlanda do Norte. Em seu auge, o IRA Provisional tornou-se a maior organizaçãodo continente europeu. No entanto, o início das negociações na década de 1990 desarticulou as açõesde assalto do grupo provisional. Os diálogos iniciais se deram entre os diversos grupos políticos norte-irlandeses e ogoverno do Reino Unido. Uma das mais expressivas vias de negociação foi estabelecida com o partidoSinn Fein, que representava politicamente as tendências separatistas irlandesas. No ano de 1996,grupos mais radicais negavam-se a reconhecer o esforço político britânico e, por isso, realizaram umasérie de pequenos ataques. No ano seguinte, esse mesmo grupo fundou o chamado IRA Real. O IRA Real estabeleceu um segundo momento de ruptura política interna dentro domovimento terrorista irlandês. No ano de 1986, disputas pelo controle político do Irish Republican Armyderam origem a um grupo dissidente anterior chamado de O grupo da Continuidade. Os dois recentesatentados atribuídos ao IRA foram arquitetados por esses dois grupos de ruptura. Em comunicado enviado ao diário "The Guardian", a nova organização terrorista assinalaque criou uma "estrutura unificada sob um só comando" para servir "como um Exército RepublicanoIrlandês". O grupo armado se nutre principalmente de membros do IRA Autêntico, separado do IRAem 1997 e responsável um ano depois pelo atentado de Omagh A coalizão se completa com voluntários da Ação Republicana Contra as Drogas , que operana cidade de Derry, e de um grupo de facções republicanas independentes localizadas em Belfast ezonas rurais, conhecido como Óglaigh na hÉireann. A nova organização, aponta o diário, deverá unir forças para aumentar o número deataques contra as forças de segurança e outros alvos britânicos na região.
  • 7. Os extremistas de ambos os lados ainda apostam em açõesviolentas, cujo impacto desestabilize o acordo conseguido. Em 2001, nem oIRA nem os unionistas entregaram suas armas às autoridades. Essa situação,somada a atos de violência mais ou menos endêmicos, tornam incerto o futuroda Irlanda do Norte.

×