Produção Integrada de Banana
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Produção Integrada de Banana

on

  • 1,855 views

Palestra criada para implantação do modelo de produção integrada para banana.

Palestra criada para implantação do modelo de produção integrada para banana.

Statistics

Views

Total Views
1,855
Views on SlideShare
1,855
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
43
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Produção Integrada de Banana Produção Integrada de Banana Presentation Transcript

  • PRODUÇÃO INTEGRADA DE FRUTAS Ernane Nogueira Nunes Tecnólogo em Alimentos Especializando em Fruticultura Irrigada Supervisor Técnico Frutacor
  • É um programa criado pelo governofederal, com participação do Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento em parceria com o INMETRO, que visa a padronização emelhoria dos processos produtivos de frutas, preservando o meio ambiente, oferecendo produtos de qualidade e seguros aos consumidores.
  • CONCEITO “A produção integrada é um sistema de exploração agrária que produz alimentos eoutros produtos de alta qualidade mediante o uso de recursos naturais e de mecanismosreguladores para minimizar o uso de insumos e contaminantes e para assegurar umaprodução agrária sustentável” (Titi el. al, 1995)
  • FRUTAS PARTICIPANTES
  • OBJETIVO ESPECÍFICOGarantir a qualidade das frutas até que chegueao consumidor final;
  • OBJETIVOS GERAISOrganização e padronização das basesprodutivas;Aplicação de novas tecnologias;Rastreabilidade do processo produtivo;Alcançar um desenvolvimento sustentável;
  • PADRONIZAÇÃODiversas empresas produzindo com qualidadee com segurança;Cabe ao consumidor escolher aquela queinveste mais em marketing e que respeita cadavez mais o meio ambiente;
  • NOVAS TECNOLOGIASAs empresas estão cada vez maisinformatizadas;Comunicação cada vez mais rápida e melhor;As pesquisas avançando rapidamente, ainterdisciplinaridade sendo cada vez maior,novos produtos, novas técnicas, novosmodelos de gestão;
  • DESENVOLVIMENTO SUSTENTAVEL Toda atividade econômica que visa reduzir os impactos ambientais; Planejar e executar cada etapa do processo, afim de que cause o menor impacto ambiental possível (do preparo das mudas até o consumidor final); Ex: Monitoramento de pragas, produtos com maiores intervalos de aplicação, para reduzir o numero de aplicações; Substituição de insumos poluentes; Diminuem custos e agregam valor ao produto, aumentando o lucro da atividade, sendo um diferencial competitivo no mercado;
  • RASTREABILIDADEÉ a identificação, acompanhamento e registro detodas as fases operacionaisdo processo produtivo,da fonte até acomercialização;Em caso de algumafalha no processo, ficafácil identificar em queetapa aconteceue corrigi-la;
  • MERCADO CONSUMIDORSempre exigindo mais e mais;Dando preferência a empresas amigas danatureza;Produtos com maiorvida de prateleira,podendo chegar amercados maisdistantes;
  • ADESÃOSempre é voluntaria;Basta cumprir as exigências e diretrizes contidas nasnormas e regulamentos;MINISTERIO DA AGRICULTURA PECUÁRIA EABASTECIMENTO – MAPA;INMETRO – INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIAE NORMALIZAÇÃO DA QUALIDADEAuditorias;
  • BENEFÍCIOSSegurança e saúde alimentar para os consumidores etrabalhadores;Respeito e proteção ao meio ambiente;Novos mercados internos e externos, devido aprodução sustentável;Estímulo e melhoria da qualidade das frutas e dosseus processos produtivos;Credibilidade e confiabilidade dos processosprodutivos, o que gera um excelente positividadeperante a sociedade;
  • BRASILInício da PIF – maçãs em Vacaria (RS) eFraiburgo (SC);Empresas e produtores perceberam queficariam fora do mercado internacional;Posteriormente: regiões como vale do Rio SãoFrancisco (uva, melão....);Só frutas com selo – acesso ao mercadointernacional
  • CAPACITAÇÃO PRÁTICAS AGRÍCOLAS Capacitação técnica continuada do(s) produtor(es) e do(s) responsável(is) técnico(s) da(s) propriedade(s) em práticas agrícolas, conforme requisitos da PIF em:i) manejo cultural;ii) identificação de pragas e inimigos naturais e manejo de pragas;iii) operação e calibragem de equipamentos e máquinas de aplicação de defensivos agrícolas;iv) coleta e preparo de material para monitoramento nutricional;v) técnicas de colheita, pós-colheita, transporte, armazenagem e maturação da fruta;vi) irrigação, drenagem e fertirrigação de bananais em propriedades com cultivos irrigados.
  • CAPACITAÇÃOPROCESSOS DE EMPACOTADORAS ESEGURANÇA ALIMENTARCapacitação técnica em processos deembalagem e identificação dos tipos de danosem frutos;Capacitação técnica em segurança alimentar,higiene pessoal e do ambiente, práticas deprofilaxia e controle de doenças;
  • CAPACITAÇÃOSEGURANÇA DO TRABALHOCapacitação técnica emsegurança humana;Capacitação em recomendaçõestécnicas de Segurança e Saúde noTrabalho;Capacitação em Prevenção deAcidentes com Agrotóxicos;
  • CAPACITAÇÃOEDUCAÇÃO AMBIENTALCapacitação técnica em conservação e manejode solo e água e proteção ambiental.
  • ORGANIZAÇÃO DE PRODUTORESSistema de organização e integração dosprodutores;Participar de associações de produtores ougrupos de discussões sobre o assunto;Inserção em um grupo ou estação demonitoramento de pragas da bananeira;
  • ORGANIZAÇÃO DE PRODUTORESDEFINIÇÃO DO TAMANHO DA PEQUENAPROPRIEDADEConsidera-se pequenapropriedade aquela quepossui área igual oumenor que 50 hectares.
  • RECURSOS NATURAISPLANEJAMENTO E TÉCNICAS DECONSERVAÇÃO AMBIENTALConservação do ecossistema ao redor e nointerior dos bananais;Manutenção de, no mínimo, 1% da área, comcobertura vegetal, para abrigo de organismosbenéficos;Proteção com edificação de residências ruraisdistantes a menos 30 metros do bananal;
  • RECURSOS NATURAIS PROCESSO DE MONITORAMENTO AMBIENTAL Monitorar os íons, principalmente nitratos a profundidade superior a 1,0m para áreas irrigadas.
  • MATERIAL PROPAGATIVOMUDASUtilizar material de propagação isento depatógenos da bananeira, com registro deprocedência credenciada e comcertificado fitossanitário, conformelegislação vigente.
  • IMPLANTAÇÃO DE POMARESLOCALIZAÇÃOPlantar em solos drenados e adequados às exigênciasda cultura.Não instalar bananais em áreas de preservaçãopermanente.CULTIVARUtilizar cultivares recomendadas ou indicadas por umórgão de pesquisa oficial, de âmbito local, regional ounacional.Observar as condições de produtividade, resistênciacontra pragas e adaptabilidade devidamente atestadas,em conformidade com a legislação vigente.
  • IMPLANTAÇÃO DE POMARESSISTEMA DE PLANTIOObservar as recomendações de arranjosespaciais e densidade de plantio para acultivar e a sua compatibilidade comrequisitos de controle de pragas,produtividade e qualidade do produto. FONTE: EMBRAPA – Mandioca e
  • NUTRIÇÃO DE PLANTASCORREÇÃO DE SOLO EM ÁREAS PLANAS EMECANIZÁVEISRealizar prévia coleta e análise química desolo, à profundidade de 0-20cm e de 20-40cm,para quantificação de corretivos de acidez e defósforo e da adubação de plantio.ADUBAÇÃO DE PLANTIOFazer as adubações baseadas em análise desolo e recomendação do técnico responsável.Não utilizar adubos químicos nitrogenados.
  • NUTRIÇÃO DE PLANTASTÉCNICAS DE ADUBAÇÃO DE FORMAÇÃOE MANUTENÇÃOBasear a adubação de manutenção nosresultados das análises de solo e foliares, naprodutividade do bananal (exportação denutrientes), nas perdas do ciclo, na variedadeplantada e na ocorrência de sintomas dedeficiências nutricionais, segundo asrecomendações do técnico responsável.Adotar técnicas que minimizem perdas porlixiviação, volatilização, erosão e outras.
  • NUTRIÇÃO DE PLANTASANÁLISES PARA A ADUBAÇÃO DEFORMAÇÃO E MANUTENÇÃORealizar a coleta e análise periódica deamostras foliares a cada 6 (seis) meses.Realizar a coleta e análise periódica deamostras de solo a cada 12 (doze) meses.
  • NUTRIÇÃO DE PLANTASCUIDADOS PARA REDUZIR O IMPACTOAMBIENTAL DAS ADUBAÇÕES DEFORMAÇÃO E MANUTENÇÃOParcelar a adubação química em, pelo menos,6 (seis) vezes ao ano.
  • MANEJO DO SOLOMANEJO DA COBERTURA DO SOLOControlar processo de erosão do solo dosbananais. Realizar o manejo integrado de plantas,invasoras. COBERTURA MORTA E PLANTIO DIRETO.pdfCONTROLE DE PLANTAS INVASORASMinimizar uso de herbicidas no ciclo agrícola paraevitar resíduos e garantir a biodiversidade. MANEJO E CONTROLE DE ERVAS INVASORAS.pdfMANEJO E CONSERVAÇÃO DE SOLOControlar o processo de erosão nas estradas.
  • IRRIGAÇÃOMANEJO DA IRRIGAÇÃOAdministrar a quantidade da água em funçãodos dados climáticos e da demanda da cultura;Monitorar a aplicação, controlar o nível desalinidade e a presença de substânciaspoluentes.Registrar as datas e volume das irrigações nocaderno de campo, por um período mínimo deseis meses.Avaliar anualmente a eficiência do sistema deirrigaçãoAVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE SISTEMAS DE IRRIGAÇÃO.pdf
  • MANEJO DA PARTE AÉREADESBASTEDesbastar as touceiras, mantendo uma populaçãode plantas que permita uma boa produtividade,qualidade e que favoreça o controle de pragas.DESFOLHAEliminar folhas secas, partes de folhas comsintomas de “mal-de-sigatoka” e “cordana”, folhastotalmente amarelas e folhas que deformem oufiram os frutos.Eliminar as folhas com um corte de baixo paracima, rente ao pseudocaule.
  • MANEJO DA PARTE AÉREAESCORAMENTO E AMARRIORecolher fitilhos utilizados parasustentação das plantas, retirando-os daárea de cultivo e destinando-os àreciclagem.MANEJO DO PSEUDOCAULESeccionar e espalhar na área ospseudocaules de plantas colhidas, após asua eliminação.
  • MANEJO DA PARTE AÉREAELIMINAÇÃO DO CORAÇÃO OU MANGARÁEliminar o coração do cacho logo após aabertura da última penca, quando houver 10a 20cm de ráquis.ENSACOLAMENTOColeta e reciclagem dos sacos e/ou tubosde polietileno.No ensacamento precoce, fazer a limpezados cachos a cada dois dias.
  • PROTEÇÃO INTEGRADA DA PLANTACONTROLE DE PRAGASUtilizar as técnicas de controlepreconizadas no MANEJOINTEGRADO DE PRAGAS.Priorizar o uso de métodosnaturais, biológicos ebiotecnológicos.Monitorar e registrarperiodicamente a incidência depragas. MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS.pdf
  • PROTEÇÃO INTEGRADA DA PLANTA EQUIPAMENTOS DE APLICAÇÃO DE AGROTÓXICOS Fazer a manutenção periódica; Fazer uma calibração anual no início do ciclo de tratamentos; Utilizar EPI e os demais requisitos de proteção nos operadores, nos equipamentos e nas áreas a serem tratadas, conforme o manual “Normas da Medicina e Segurança do Trabalho”.
  • PROTEÇÃO INTEGRADA DA PLANTAAGROTÓXICOSUtilizar produtos químicos registrados,mediante receituário agronômico;Utilizar os indicadores de monitoramento depragas para definir a necessidade deaplicação de agrotóxicos, conforme normastécnicas;Utilizar de mão de obra devidamentetreinada e qualificada.
  • PROTEÇÃO INTEGRADA DA PLANTAPREPARO E APLICAÇÃO DE AGROTÓXICOSExecutar pulverizações com base nomonitoramento e avisos fitossanitários e/ouexclusivamente em áreas de risco deepidemias e/ou quando atingir níveis críticosde infestação.Manipular agrotóxicos em local adequado e deacordo com as recomendações técnicas sobremanipulação e operação de equipamentos
  • PROTEÇÃO INTEGRADA DA PLANTAARMAZENAGEM E MANIPULAÇÃO DEEMBALAGENS DE PRODUTOS QUÍMICOSFazer a tríplice lavagem, conforme o tipo deembalagem e, após a inutilização,encaminhar aos centros de reciclagem e/oudestruição;Armazenar os produtos em local adequado,conforme manuais de treinamento elegislação vigente.
  • COLHEITA E PÓS COLHEITATÉCNICAS DE COLHEITA E TRASLADOSINTERNOSRealizar a colheita, em equipe, com cortadorese carregadores.Fazer a colheita com proteção de Ombro, ouberços almofadados para traslados doscachos.Evitar danos no transporte até a casa deembalagem;Não amontoar cachos deitados no solo nem nopé da planta.
  • COLHEITA E PÓS COLHEITATÉCNICAS DE PÓS-COLHEITAUtilizar os regulamentos e técnicas demanejo, armazenagem, conservação etratamentos pós-colheita específicos para abanana. PERDAS PÓS COLHEITA.pdfUtilizar casas de embalagem comprocessamento em linha.Realizar a seleção, despistilagem,despenca, lavagem, confecção de buquês,classificação e pesagem das frutas.
  • COLHEITA E PÓS COLHEITALAVAGEM DA FRUTA E DESTINO DOSEFLUENTESObedecer às recomendações técnicas paraos processos de lavagem da fruta edescarte de efluentes.Realizar a coleta de amostras para análisesquímicas e biológicas na água de lavagemantes e depois do seu uso constantemente.Utilizar decantadores e/ou filtros paraefluentes de lavagem e tratamento dasfrutas
  • COLHEITA E PÓS COLHEITADESTINO DE RESÍDUOS SÓLIDOSDestinar engaços, pistilos, brácteas efrutas rachadas, quebradas oudeterioradas para a compostagem ouaplicação direta nas plantações, comoadubo.Separar resíduos plásticos,destinandoos à reciclagem.
  • COLHEITA E PÓS COLHEITAÁGUA DE LAVAGEM DOS FRUTOSUsar água potável para a lavagem das frutas;Prever sistema de armazenagem e desinfecção da água;Localizar as bombas de circulação de água e os filtrosfora do ambiente de embalagem;Manter a fruta por cerca de 20 minutos, nos tanques delavagem, para estancar a exsudação de seiva dos cortese promover o pré-resfriamento das frutas;Instalar sistema de tratamento do efluente líquidogerado no processo de lavação;Prever um destino adequado dos resíduos sólidosgerados na lavação da fruta (LÔDO ATIVADO);
  • COLHEITA E PÓS COLHEITASAÚDE, INDUMENTÁRIA E HIGIENE PESSOALUtilizar roupas adequadas e limpas.Lavar as mãos antes do início de qualqueratividade.Realizar exames médicos periódicos.Usar uniformes.Não trabalhar com ferimentos nas mãos oucom doenças infecto-contagiosas.Usar avental e calçados impermeáveis, quandoem serviço em áreas úmidas.
  • COLHEITA E PÓS COLHEITAEMBALAGEM E ETIQUETAGEMProceder à identificação no rótulo do produto,conforme as normas para banana, do“Programa Brasileiro para a Melhoria dosPadrões Comerciais e Embalagens deHortigranjeiros” e o destaque ao SistemaIntegrado de Produção;Utilizar embalagens, conforme as normas doMAPA; PADRÕES DE EMBALAGENS PARA HORTIGRANJEIROS.pdf
  • COLHEITA E PÓS COLHEITAGALPÃO DA CASA DE EMBALAGEMManter uma distância mínima de 30 metros de depósitosde defensivos, garagens de equipamentos de pulverizaçãoe abrigos de animais;Construir galpões com pé-direito mínimo de 3 metros;Instalar vestiários com banheiros e duchas;Utilizar material de construção que não apresenterachaduras e frestas;Pintar as paredes de alvernaria com tinta epóxi, acrílica ouplástica.Manter as paredes, tanques de lavagem e outrosequipamentos e utensílios de pós-colheita limpos ehigienizados.Limpar a casa de embalagem após cada operação e, no
  • COLHEITA E PÓS COLHEITAPISO DE CASAS DE EMBALAGEMDeve ser construído com cimento liso;Drenagem, coleta e canalização da águapara a linha central da casa de embalagem.Canalização da água para local destinado àcoleta de efluentes.
  • COLHEITA E PÓS COLHEITATANQUES DE LAVAGEM DA FRUTAUsar um tanque de lavagem para pencas e outro parabuquês, por linha de processamento.Construir tanques com superfície mínima de 8m², noprimeiro, e de 12m² no segundo.Usar, no mínimo, 6m³ de água no primeiro tanque e 9m³no segundo tanque.Manter, no mínimo, a profundidade de 60cm de água notanque, quando em operação.Revestir internamente e externamente os tanques comcerâmica PI 5 ou 6, lisa, de cor clara.Manter a distância mínima de 1m dos tanques até asparedes do galpão.
  • COLHEITA E PÓS COLHEITAEQUIPAMENTOS E UTENSÍLIOS DE PÓS-COLHEITAProceder à higienização dos equipamentos eutensílios de trabalho;Utilizar equipamentos e utensílios adequados eem condições de uso;Usar distanciadores de cachos até o momentoda despenca;Utilizar mesas de embalagem metálicas ouplásticas (PVC);Usar balanças para a pesagem de frutos.
  • COLHEITA E PÓS COLHEITATRANSPORTE E ARMAZENAGEMUtilizar carrocerias sem resíduos deprodutos químicos ou orgânicos, limpas ehigienizadas.Emissão do CFO para a comercialização etransporte da fruta.
  • ANÁLISES DE RESÍDUOSAMOSTRAGEM PARA ANÁLISE DE RESÍDUOSRealizar análises de resíduos no mínimo acada 12 meses;Não se pode comercializar produtos comresíduos acima do permitido pela ANVISA;
  • PARA - Programa de Análise de Resíduos de Agrotóxicos em Alimentos - 2008
  • 1 5 9 64,36% 19,80% 9,47%2 6 10 36,05% 18,27% 8,82%3 7 16 32,67% 17,31% 1,03%4 8 30,39% 14,85%
  • PROGRAMA DE ANÁLISES DE RESÍDUOS DE AGROTÓXICOS – PARA – 2009
  • 1 2 3 4 80% 56,4% 54,6% 50,8%5 6 7 8 44,2% 44,1% 38,8% 38,4%9 10 11 12 32,6% 32% 27,2% 24,8%13 14 15 16 20,5% 16,3% 10,3% 8,1%17 18 19 20 5,3% 3,5% 3,0% 1,2%
  • PROCESSOS NA EMPACOTADEIRAORIGEM DA FRUTARegistrar a origem da fruta de produçãointegrada no caderno de pós-colheita.RECEPÇÃO DA EMPACOTADEIRARegistrar no caderno de pós-colheita onúmero da carga/ partida de cachos, comdata, hora, nome do produtor,/ empresa,parcela do bananal, variedade de banana,número de cachos e peso bruto.
  • PROCESSOS NA EMPACOTADEIRAOPERAÇÕES NA EMPACOTADEIRARegistrar no caderno de pós-colheita todosos processos e tratamentos utilizados naempacotadora;LIMPEZA DOS CACHOSRealizar a seleção e a limpeza dos cachosna área de recepção e estacionamento.
  • PROCESSOS NA EMPACOTADEIRACLASSIFICAÇÃOEstabelecer padrões de classificaçãorespeitando as legislações vigentes, ou daregião;Organizar em lotes frutas de uma mesmaclassificação;EMBALAGEMUsar embalagens de acordo com a legislaçãode embalagens e com a legislação trabalhistavigente no Brasil.
  • PROCESSOS NA EMPACOTADEIRA PESAGEM Pesar e anotar númeroe peso dos cachosna área de recepçãoe estacionamento.PALETIZAÇÃO Montar pallets somente com frutas oriundas da PIF;
  • PROCESSOS NA EMPACOTADEIRA EXPEDIÇÃO, TRANSPORTE E LOGÍSTICA Registrar no caderno de pós-colheita o lote e o seu destino para manter a rastreabilidade do produto, registrando também o número do lote na embalagem do produto. Utilizar um sistema deidentificação que assegurea rastreabilidade do produtoe dos processos adotadosna sua geração;
  • PROCESSOS NA EMPACOTADEIRASANITIZAÇÃOManter a casa de embalagem, suas paredes,tanques de lavagem e outros equipamentose utensílios de pós-colheita limpos ehigienizados;Fazer a desinfecção das instalaçõesperiodicamente com acompanhamentotécnico;
  • SISTEMA DE RASTREABILIDADERASTREABILIDADEAnotar todos os procedimentos de limpeza edesinfecção do ambiente de trabalho;Anotar todos os controles de recepção, produtosutilizados, classificação da fruta e armazenagem;Anotar todos os dados de expedição da mercadoria,de forma a permitir o rastreamento de todo oprocesso de póscolheita;Anotar os resultados de análises nas frutas;
  • SISTEMA DE RASTREABILIDADECADERNOS DE CAMPOInstituir cadernos de campo para registro de dadossobre técnicas de manejo, irrigação, fitossanidade,fertilização, controle de pragas e de resíduosquímicos, produção, monitoramento ambiental edemais dados necessário à adequada gestão da PIF.Manter o registro de dados para possibilitarrastreamento de todas as etapas do processo deprodução.Atualizar com fidelidade, em conformidade comobservações do ciclo agrícola e dos procedimentostécnicos adotados, as ocorrências fitossanitárias,climáticas e ambientais. CADERNO DE CAMPO.pdf
  • SISTEMA DE RASTREABILIDADECADERNOS DE PÓS COLHEITAInstituir cadernos de campo para registrode dados sobre técnicas de póscolheita,tais como processos e embalagem. CADERNO PÓS COLHEITA.pdf
  • SISTEMA DE RASTREABILIDADE Auditorias de Campo e de Pós-Colheita;Permitir, no mínimo,03 (três) auditorias anuaisno pomar e na empacotadora,sempre que solicitadospelos Organismos deAvaliação daConformidade - OAC.
  • ASSISTÊNCIA TÉCNICAManter os serviços de assistência técnicatreinada, conforme requisitos técnicosespecíficos da PIB;Realizar cursos de atualização e capacitaçãoem manejo da cultura e em pós-colheita;
  • VAMOS COLHER BONS FRUTOS... OBRIGADO! E-mail: ernanenn@gmail.com Tel. 88 92341422 ou 83 99080650