MONITORAMENTO BIOCLIMÁTICO  PARA SIGATOKA AMARELAErnane Nogueira NunesTecnólogo em AlimentosEspecialista em Fruticultura I...
INTRODUÇÃO          O     sistema     consiste    naavaliação semanal de dez plantas, emquantos pontos forem necessários  ...
Para estabelecer a taxa de emissão foliar anota-se o estádio de desenvolvimento davela, de acordo com uma escala de notas ...
De posse de um desses dados, constrói-se a curva de progresso da doença. A soma brutae/ou estado de evolução obtido e a an...
NÚMERO DE MÓDULOS    O número de módulos de observação a seremimplantados para o sistema de monitoramento serádefinido em ...
TOMADA DE DECISÃO     A recomendação do controle químico é feita com base nos valores de soma bruta e/ou no estádio de evo...
FICHA DE MONITORAMENTO BIOCLIMÁTICO DA SIGATOKA AMARELA - FRUTACORCIDADE:PROPRIEDADELOTE:                                D...
MONITORAMENTO BIOCLIMÁTICO  PARA SIGATOKA AMARELAObrigado!Ernane Nogueira NunesTecnólogo em AlimentosEspecialista em Fruti...
Monitoramento bioclimático para sigatoka amarela
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Monitoramento bioclimático para sigatoka amarela

649
-1

Published on

Apresentação de como se implantar um monitoramento bioclimático na cultura da bananeira para sigatoka amarela.

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
649
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
14
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Monitoramento bioclimático para sigatoka amarela

  1. 1. MONITORAMENTO BIOCLIMÁTICO PARA SIGATOKA AMARELAErnane Nogueira NunesTecnólogo em AlimentosEspecialista em Fruticultura Irrigada
  2. 2. INTRODUÇÃO O sistema consiste naavaliação semanal de dez plantas, emquantos pontos forem necessários FOLHA VELApara a cobertura da área. Anotando-se a intensidade e o FOLHA 2estádio mais avançado da lesão nasfolhas 2, 3 e 4 da planta, comotambém o estádio da folhavela, jogando em gráficos ecomparando com dados de umidade FOLHA 3 FOLHA 4relativa, temperatura e pluviosidade. A anotação dodesenvolvimento da Sigatoka-amarelaé feita com base na identificação doestádio mais evoluído da lesão e nasua intensidade sobre afolha, tomando-se como referência onúmero de 50 lesões no estádioidentificado. Quando a folhaavaliada apresentar mais de cinqüentalesões no estádio maisevoluído, assinala-se com (+) equando for menos decinqüenta, assinala-se com (-).
  3. 3. Para estabelecer a taxa de emissão foliar anota-se o estádio de desenvolvimento davela, de acordo com uma escala de notas que varia de 0 a 8. É importante conhecer a taxade emissão foliar, para monitorar os aspectos ligados ao crescimento da planta além doque o item permite trabalhar com a correção do crescimento do hospedeiro na obtenção dodado de estado de evolução. Os dados coletados conforme descrito poderão ser repassados para uma planilhaeletrônica, para geração dos valores de soma bruta e estádio de evolução. Em caso deutilizar se apenas o valor de soma bruta, os cálculos são facilmente realizados utilizando-seas informações de pesos estabelecidos para cada nota atribuída.
  4. 4. De posse de um desses dados, constrói-se a curva de progresso da doença. A soma brutae/ou estado de evolução obtido e a análise da curva de progresso da Sigatoka são as ferramentaspara a tomada de decisão em relação ao momento de se fazer o controle químico.
  5. 5. NÚMERO DE MÓDULOS O número de módulos de observação a seremimplantados para o sistema de monitoramento serádefinido em função da variação ambiental observada napropriedade. Assim, em ambientes climaticamentehomogêneos, pode-se trabalhar com a relação de ummódulo para cada 100 ha. Em condições de topografia variável, ondeclaramente se observam variações climáticassignificativas, esta relação deve reduzir de modo aatender, da melhor forma possível, a realidade local.
  6. 6. TOMADA DE DECISÃO A recomendação do controle químico é feita com base nos valores de soma bruta e/ou no estádio de evolução, mas é importante que o técnico responsável pela tomada de decisão não fique preso unicamente ao número que for definido para disparar o alarme de controle. É importante estar atento ao progresso da doença, que será medido semanalmente. Os números que são gerados a partir das leituras são indicadores de severidade, portanto, quanto maior o valor, maior a severidade. Dessa forma, é preciso estar atento aos acréscimos semanais que, a depender da seqüência de saltos observados, pode não ser recomendável aguardar a aproximação do número utilizado.
  7. 7. FICHA DE MONITORAMENTO BIOCLIMÁTICO DA SIGATOKA AMARELA - FRUTACORCIDADE:PROPRIEDADELOTE: DATA: Emissão Emissão Folha Mais Plantas Estádio da Pontos de Foliar Foliar Grau da Doença JovemAvaliadas Lesão Lesão/Folha Anterior Atual Necrosada 2 3 4 2 3 41 -1 60 40 202 1 80 60 403 -2 100 80 604 2 120 100 805 -3 140 120 1006 3 160 140 1207 -4 180 160 1408 4 200 180 1609 -5 220 200 18010 5 240 220 200 SOMA BRUTASOMA BRUTA TOTAL:
  8. 8. MONITORAMENTO BIOCLIMÁTICO PARA SIGATOKA AMARELAObrigado!Ernane Nogueira NunesTecnólogo em AlimentosEspecialista em Fruticultura IrrigadaEmail: ernanenn@gmail.comTel.: 88 92341422 ou 83 99080650
  1. A particular slide catching your eye?

    Clipping is a handy way to collect important slides you want to go back to later.

×