Inovação em Tribologia
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Inovação em Tribologia

on

  • 3,202 views

Aula 8 do curso Introdução ao estudo do atrito e do desgaste. Realizado por INES, UCS e Simecs, na UCS em junho de 2009.

Aula 8 do curso Introdução ao estudo do atrito e do desgaste. Realizado por INES, UCS e Simecs, na UCS em junho de 2009.

Statistics

Views

Total Views
3,202
Views on SlideShare
3,179
Embed Views
23

Actions

Likes
0
Downloads
67
Comments
0

3 Embeds 23

http://www.engenhariadesuperficies.com.br 9
http://www.slideshare.net 8
http://static.slidesharecdn.com 6

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

CC Attribution License

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Inovação em Tribologia Inovação em Tribologia Presentation Transcript

  • 1) Visão global ex biotribologia)‏ 2) Oportunidades no brasil CGEE, Lei do bem 3) Estratégia empresarial x inovação exemplo CDC e equalizer Rede de contatos em tribologia Literatura 08 – Inovação em tribologia Inovação em tribologia. Perspectivas técnicas, requisitos legais, meio ambiente, competitividade. Estratégia empresarial e inovação. Incentivos para a inovação. Rede de contatos e literatura em tribologia. Avaliação final do atendimento das expectativas e da ampliação dos conhecimentos prévios.
  •  
  •  
  • Visão global retomada visão economica, 1% do PNB = 17.000.000.000 R$ 6% do PNB = 104. 000.000.000 R$ Brasil/Estimativa 2004 (PNB) 1.700 bi R$ Conhecimento existente: 20% redução 3.400.000.000 R$ 20.800.000.000 R$ Retorno sobre investimento na indústria [ JOST, 1990 ] China Carvão 1: 40 China Siderurgia 1: 76 EUA Carvão 1: 64 Villares: 18 meses
  • Impactos sociais e ambientais O presidente Obama, agora que tomou controle da GM, necessita converter as fábricas aos novos e necessários usos imediatamente. 2. Não enfie outros US$ 30 bilhões nos cofres da GM para fabricar carros. Ao invés disso, use o dinheiro para manter a atual força de trabalho – e a maioria daqueles que foram demitidos – empregados de forma que possam construir os novos modos de transporte do século XXI. Permita que eles comecem o trabalho da conversão agora. ...... 7. Transforme algumas das fábricas vazias da GM em instalações que produzam moinhos eólicos, painéis solares e outros meios de formas alternativas de energia. Necessitamos de dezenas de milhões de painéis solares já. E há uma força de trabalho zelosa e habilitada que pode fabricá-los. -Adeus, GM MICHAEL MOORE*- 08 – Inovação em tribologia
  • Requisitos legais (ambientais e de consumo) Imposição de prazos e valores para emissão e consumo de combustível por 100km rodado. CALENDÀRIO AFETADOS: Setor automotivo e naval (montadoras, autopeças, serviços)‏ Setor de geração de energia (térmica, especialmente)‏ Sociais – envelhecimento - biotribologia‏ 08 – Inovação em tribologia
  • 08 – Inovação em tribologia
    • 1 milhão de próteses por ano
      • ~ 2.000.000.000 Euros
    • Custo das operações
      • ~ 10.000.000.000 Euros
    • 10% Retorno devido ao desgaste
    • ~1.000.000.000 Euros/ano
    Ex. Biotribologia
  • 08 – Inovação em tribologia Ex. Biotribologia
    • Estudos preliminares em simuladores
      • ~ 200 Tipos de próteses
    • ~ 5 –10 configurações
    • ~ 5 –10 réplicas (1 ano!)‏
    • EUROPA 2002: 6 instituições com capacidade (10 estações de teste)‏
    European Cooperation in the field of Scientific and Technological Research –COST – COST 246/02 Brussel 06/2002
  • 08 – Inovação em tribologia Ex. Biotribologia
    • Fatores limitantes do desenvolvimento de novos materiais (2002):
      • Limitado conhecimento de biotribologia
      • Baixa capacidade de reproduzir condições in vivo nos testes pré-clínicos
      • Falta de conhecimento fundamental sobre as reações biológicas e bio-compatibilidade dos debris no corpo
  • Tópicos para desenvolvimento European Cooperation in the field of Scientific and Technological Research –COST – COST 246/02 Brussel 06/2002
  • Oportunidades no Brasil Contexto de P & D CGEE, Lei do bem. 08 – Inovação em tribologia
  • 08 – Inovação em tribologia
  • CGEE 08 – Inovação em tribologia
  • CGEE 08 – Inovação em tribologia Biossistemas 5 2 7 Novos fluídos lubrificantes 4 1 7 Mat. Tribologica/ avançados set. Primários 5 4-6 5-7 Revestimentos tribológicos 5 3-5 8 Pavimentos 4 3-5 8 Texturização 5 3 6 Lubrificação sólida 5 5 7 Tribologia Manufatura 5 4 5
  • 08 – Inovação em tribologia
  • CGEE 08 – Inovação em tribologia
  • CGEE 08 – Inovação em tribologia
  • CGEE 08 – Inovação em tribologia
  • CGEE 08 – Inovação em tribologia
  • CGEE 08 – Inovação em tribologia
  • CGEE 08 – Inovação em tribologia
  • 08 – Inovação em tribologia
    • COMO ALAVANCAR PROJETOS DE PESQUISA CIENTÍFICA E INOVAÇÃO EM EMPRESAS PRIVADAS, APOIADOS PELAS LEIS 10.973, 11.196 E 11.487 (Lei do Bem)‏
    • Artigo 17 - § 1º:
    • Considera-se inovação tecnológica a concepção de novo produto ou processo de fabricação, bem como a agregação de novas funcionalidades ou características ao produto ou processo que implique melhorias incrementais e efetivo ganho de qualidade ou produtividade, resultando maior competitividade no mercado.
  • Estratégia empresarial x inovação 08 – Inovação em tribologia Três tipos básicos de empresas 'puras” a) Liderança por custo (excelência operacional) (VALE)‏ b) Liderança em produtos (NOKIA)‏ c) Relacionamento com os clientes (NATURA)‏
  • Estratégia empresarial x inovação 08 – Inovação em tribologia Foco de P & D Excelência operacional Seguidor de tecnologia. Engenharia de valor. Melhoria nos processos e métodos de produção e da cadeia de suprimentos Relacionamento com o cliente Seguidor de tecnologia. Adequação da oferta de produtos e serviços ás necessidades do cliente Liderança em produtos Melhora contínua na qualidade Inovação constante. Canibalização. First to market Sempre considerar o tipo de empresa......entretanto..... Nem todas as empresas do mesmo tipo são iguais
  • Estratégia empresarial x inovação 08 – Inovação em tribologia Considerações no contato com empresas....
    • A empresa deve saber fazer bem o que tem que ser bem feito
        • Processos e produtos com gerenciamento
    • Deve haver uma estratégia que requeira consistentemente inovação
        • A estratégia é comunicada. Há alinhamento? E se não houver?
    • A inovação não faz parte da cultura das empresas nem do país
        • Copiamos e “adaptamos” explorando outras vantagens competitivas. Não há tradição de contexto capacitante.
    • Inovação incomoda as pessoas
        • “ Sempre foi assim”. “Outra moda”. “Desestabiliza a produção”.
        • A idade.
        • A formação de nossos engenheiros.
    • Referência no mercado mundial....
    • Fornecer xxx e soluções
    • Ser inovadora
    • Criar valor para os clientes
    • Ter qualidade e atendimento
    • Atrair, reter e desenvolver pessoas de alto desempenho
    • Meio-ambiente
    • Responsabilidade social.
    • Remunerar o capital do acionista de forma sustentada.
    08 – Inovação em tribologia Aspectos a procurar na descrição da missão e visão das empresas....
  • 08 – Inovação em tribologia
  • Exemplo: Centro de Desenvolvimento de Cilindros
  • Exemplo: Centro de Desenvolvimento de Cilindros Estrutura funcional do projeto CDC Aços Villares Aços Villares IPT IPT Diretor Gerência Inovação Supervisão Técnica Gerentes de Projetos Reitor da Universidade de São Paulo Diretor da Escola Politécnica da USP Chefe do Depto. De Eng. Mecânica Docentes USP / LFS USP / LFS Presidente Diretor de Operações e Negócios Diretor do Centro de Tecnologia de Processos e Produtos - CTPP Chefe Laboratório de Metalurgia e Materiais Cerâmicos - LMMC Pesquisadores e Técnicos Alunos de Pós - Graduação Alunos de Graduação Funcionários Pós - doutorandos Equipe de Coordenação
  • Estratégias do CDC Exemplo: Centro de Desenvolvimento de Cilindros Distribuição dos projetos Inventos Renovação de Produtos Impacto na Produtividade Melhorias Continuadas Longo Prazo: vantagem tecnológica competitiva Médio Prazo: renovação de produtos e processos em 2/5 anos Curto Prazo: melhorias incrementais de produtos e processos Resultados esperados Demanda /Oferta Novos produtos/processos inovadores. Antecipar tendências tecnológicas de concorrentes e clientes Criar barreiras tecnológicas Produtos/ Processos compatíveis com o que existe no mercado (benchmark). Acompanhar tendências tecnológicas. Otimização de processos /produtos, redução de custos, ganhos incrementais de qualidade e desempenho
  • Tabela 2 – Recursos de órgãos de fomento (milhões de reais)‏ Exemplo: Centro de Desenvolvimento de Cilindros 93,4 2.186,8 540,8 557,8 642,7 93,4 445,5 TOTAL 278,7 34,8 243,8 PROCAD CAPES 105,1 39,4 52,6 13,1 RHAE CNPQ 275,8 103,4 137,9 34,5 Materiais Avançados II CNPQ 30,0 12,5 15,0 2,5 PROSUL CNPQ 19,6 19,6 Materiais Avançados I CNPQ 540,8 540,8 CILALDE FINEP 651,4 325,7 325,7 HIPERROLL FINEP 46,8 0,00 46,8 RECOPE FINEP 804,8 402,4 402,4 Ação Transversal FINEP 43,8 19,6 43,8 19,6 AUX. PESQUISA FAPESP 71,7 71,7 INFRAESTRUTURA FAPESP 2,9 40,7 2,9 40,7 PITE FAPESP Total (U$)‏ Total (R$)‏ 2007 (R$)‏ 2006 (R$)‏ 2005 (R$)‏ 2000-2004 (U$)‏ 2000-2004 (R$)‏ PROJETO AGÊNCIA
  • Divórcio entre ciência pura e industria - aproximação Impacto dos projetos CDC na Receita líquida de Cilindros [xR$1.000] 0 50.000 100.000 150.000 200.000 250.000 300.000 350.000 Linha 100948 132234 202939 221246 188496 218902 CDC 1438 2279 2743 18258 108108 123873 Gastos CDC 1597 1903 2119 1893 2410 2350 2001 2002 2003 2004 2005 2006
  • Tabela 1 – Impostos e remuneração do trabalho (milhões de reais)‏ Exemplo: Centro de Desenvolvimento de Cilindros
  • Rede de contatos em tribologia O mais antigo , mais estruturado e mais representativo pesquisador. Prof. Dr. José Daniel Biasoli de Mello do Laboratório de Tribologia e Materiais UFU. [email_address] Laboratório de Fundição do IPT – Eduardo Albertin - [email_address] ; Mario Boccalini Jr - mbj@ipt.br Laboratório de Superfícies e Contato. LASC. UTFPr - Giuseppe Pintaude [email_address] - Julio Cesar Klein das Neves&quot; [email_address] Departamento de Metalúrgia e Materiais – EPUSP ; &quot;André Paulo Tschiptschin&quot; < [email_address] > UFRN – Prof. Clodomiro Alves Jr. Prof. João Telésforo da Nobrega. Atividades tribológicas na UFES, UDESC Literatura Além dos livros mencionados no curso são importantes as revistas. WEAR, Tribology international e o Metals Handbook vol 18. 08 – Inovação em tribologia
  • Agenda “ Não dá tempo” Mudanças mais e mais rápidas X Fundamentos, repertório, múltiplas aplicações Ciclista de estrada Ciclista de x games 08 – Inovação em tribologia
  • Agradecimientos Aos que assistiram ao curso pela atenção . Agradecimentos . Aos meus alunos pelos materiais e trabahlos produzidos A UCS pela acolhida Ao Prof. Israel Baumvol pelo convite A Verónica Savignano pelo apoio “ Raindrops causing ripples On placid sand” Haiku         by         Hatamoto
  • Referências NEVES, J.C.K. ÂNGELO, C.M., SOUZA, R.M. SINATORA A. Effect of mechanically imposed stresses on the contact fatigue resistnac of two cast irons with high hardness matrix. Wear 263 (2007) 700-706 CORONADO J.J. SINATORA A Particle size effect on wear of white cast iron with austenitic and martensitic matrix . Wear of Materials 2009, poster. 06 – Inovação em tribologia