Bioética em centro cirúrgico e projeto minerva princípio da enfermagem 3 g - apresentação

  • 2,858 views
Uploaded on

APRESENTAÇÃO DA MONOGRAFIA PARA OBTENÇÃO DO TITULO DE ESPECIALISTA EM ENFERMAGEM EM CENTRO CIRÚRGICO.

APRESENTAÇÃO DA MONOGRAFIA PARA OBTENÇÃO DO TITULO DE ESPECIALISTA EM ENFERMAGEM EM CENTRO CIRÚRGICO.

  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
No Downloads

Views

Total Views
2,858
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0

Actions

Shares
Downloads
53
Comments
0
Likes
1

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide
  • Conhecimento: o alimento mais saudável, seja para o corpo, seja para o espírito

Transcript

  • 1. Curso de Especialização em Centro Cirúrgico TEMA BIOÉTICA EM CENTRO CIRÚRGICO E PROJETO MINERVA “ PRINCIPIO DA ENFERMAGEM 3G” Trabalho de Conclusão de Curso 2010 UNIVERSIDADE NOVE DE JULHO
  • 2.
    • AUTOR
    • Emilton dos Santos Oliveira ORIENTADOR
    • Profº. Ms. João Victor Fornari CO-ORIENTADOR
    • Profª. Ms. Jéssia Oliveira dos Santos Fernandes
  • 3.
    • Neste trabalho sobre Bioética em Centro Cirúrgico e Projeto Minerva “Princípio da Enfermagem Terceira Geração (3G)”, quero elucidar situações do comportamento humano que contrariam os princípios da vida saudável no âmbito cultural, social e profissional.
  • 4.
    • Em primeiro lugar , quero dizer que nem todo profissional conhece e respeita o código de ética da sua profissão;
    • Em segundo, vejo a necessidade de evolução da enfermagem empírica e moderna para enfermagem sociopolítica trabalhando a favor da saúde, devido há grande proliferação das doenças em pessoas com idade cada vez mais jovem;
    • Em terceiro, apresento o projeto que atende a necessidade da população no século vinte e um.
  • 5.
    • RECOMENDAÇÕES DA SOBECC/2009: um enfermeiro a cada três salas operatórias e um auxiliar ou técnico de enfermagem por sala operatória;
    • RESOLUÇÃO COFEN 293/2004: para o dimensionamento profissional deve ser considerado a variação da gravidade do paciente com fundamentação legal do exercício profissional da enfermagem LEI 7498/86 e DECRETO 94.406/87.
    • RESOLUÇÃO COFEN 146/1992 art. 1º: É obrigatório haver enfermeiro, em todas as unidades de serviço onde são desenvolvidas ações de enfermagem durante todo o período de funcionamento da instituição de saúde.
    • LEI 7.498/86 Art. 11: ( I ) Função privativa do enfermeiro: (L) cuidados diretos de enfermagem a pacientes graves com risco de vida; (G) assistência de enfermagem à gestante, parturiente, puérpera e recém nascido.
  • 6. 1º 2º 6º 4º 3º 5º ENFERMAGEM ADMINISTRATIVA ENFERMAGEM ASSISTENCIAL 1 - ENF. GERENTE 2 - ENF.COORDENADOR 3 – ENF. SUPERVISOR 4 – ENF. AUDITOR 1 - ENFERMEIRO ASSISTENCIAL : assume o CC, SRPA, CME; nas folgas do enf. do CPN, assume também o CPN e AC; vice versa. Uma vez por mês assume também a gerência de enfermagem. CONSCIÊNCIA ADMINISTRATIVA Nossa, quanta incompetência; SAE/SAEP incompleto, caiu dois pacientes, demorou para disponibilizar sala para emergência; paciente, cirurgião e família reclamaram por falta de informação, prescrição medica sem horário e o paciente sem receber a medicação. ENFERMEIRO ASSISTENCIAL DO CC: Atende: Programação Cirúrgica, Conferencia de Material Consignado, Sala para Emergência, SAE/SAEP, Cirurgia de Grande Porte, Esclarece duvidas com a Equipe Multiprofissional, Orienta a Família e Cliente, Permanece na Sala Durante Cesariana e durante as Emergências. AÇÃO ADM. ADVERTENCIA E DESLIGAMENTO DA EMPRESA ENF. ASSIST. OMISSO: NÃO COMUNICA O COREN/SP.
  • 7.
    • SAE/SAEP incompleto;
    • Funções privativas assistenciais e administrativas executadas pelos subordinados;
    • Ausência do enfermeiro na recepção do paciente no trans/op. e também no inicio e termino das cirurgias;
    • Ausência do enfermeiro na transferência do paciente da maca para mesa operatória e vice versa;
    • Ausência do enfermeiro na conferência dos artigos hospitalares e na montagem das salas para cirurgia de grande porte;
    • Ausência do enfermeiro na assistência há gestante em T/PC e RN;
    • Limpeza concorrente e terminal do mobiliário da sala operatória realizada pelo auxiliar de limpeza.
  • 8. HOSPITAL ENFERMEIRO ASSISTENCIAL PACIENTE MERCADO DE TRABALHO FALTA PROFISSIONAIS DA ENFERMAGEM PARA ATENDER A DEMANDA. O NUMERO DE PROFISSIONAIS É INFERIOR A DETERMINAÇÃO DA RESOLUÇÃO COFEN 293/2004. É PENALIZADO PELOS ACIDENTES DE TRABALHO DEVIDO OMISSÃO, UMA VEZ QUE AS CAUSAS SÃO ADMINISTRATIVAS. SOFRE DEVIDO A FALTA DE ASSISTENCIA HÁ QUE TEM DIREITO, DECORRENTE DA FALTA DE RECURSO HUMANO. SOBRA PROFISSIONAL TÉCNICO QUALIFICADO. (POR QUE NÃO CONTRATAM)?
  • 9.
    • F rente a condição exaustiva em que se encontram os enfermeiros e a falta de respeito ético no tratamento dado aos pacientes, faço lembrar que a idéia de modernização da enfermagem se deu em tempos difíceis para enfermagem empírica, graças a nobre enfermeira “Florence Nightingale”, e que este pode ser o momento de evoluir para Terceira Geração de Enfermeiros (Enfermagem 3G), cuja missão é promover saúde, justiça e humanização.
  • 10.
    • A Enfermagem 3G é a ecceidade sociopolítica da
    • Enfermagem Empírica e
    • Moderna no combate
    • as ecdemias;
    • É a essência que se
    • individualizou da
    • Enfermagem Empírica e
    • da Enfermagem Moderna
    • para atuar sócio e
    • politicamente na luta contra
    • as doenças de origem estranha.
  • 11.
    • Convidar você mulher brasileira:
    • Para uma luta constante pela igualdade social;
    • Pela recuperação dos valores ético e moral;
    • Pela valorização dos direitos e deveres do cidadão;
    • Por mais respeito a nova constituição brasileira;
    • Por mais consciência e cuidados preventivos com a saúde;
    • Por uma sociedade mais justa e mais humana.
  • 12.
    • A Enfermagem 3G vai atuar trabalhando
    • para materializar os quatro seguimentos do Projeto Minerva.
  • 13.
    • É a superestrutura presidida pela mulher brasileira. Constituído por quatro seguimentos indispensáveis: PDF, GATEM, MCP e ICAR.
    • PDF: Partido Democrático Feminista;
    • GATEM: Grupo de Apoio Técnico Mediador;
    • MCP: Mediador Científico Preventivo;
    • ICAR: Igreja Católica Apostólica Revelável.
  • 14.
    • Reunir e conscientizar o povo e principalmente a mulher brasileira sobre a necessidade humana de substanciar plenamente seu papel profissional dentro de um espaço já conquistado por direito na sociedade.
    • Despertar nos profissionais de enfermagem no Brasil e na mulher brasileira o desejo de participar integralmente na vida social, política, profissional e cultural.
    • Introduzir a mulher na sociedade trabalhando e exercendo funções de vital importância para a preservação dos direitos e deveres do ser humano dentro do sistema democrático e segundo a Nova Constituição Brasileira.
    • Prover subsídios aos profissionais da saúde e também a população brasileira na prevenção, proteção e promoção da saúde.
  • 15. CONSIDERAÇÃO FINAL A Enfermagem nasceu a partir de um Sentimento Humano; A Enfermagem 3G pode ser o Fruto colhido deste Sentimento.
  • 16. G A T E M Obrigado a Todos!!!
  • 17.
    • Carvalho ARS, Pinho MCV, Matsuda LM, Scochi MJ. Cuidado e Humanização na
    • Enfermagem: Reflexão Necessária.
    • 2. Gil AC. Métodos e Técnicas de Pesquisa Social. 6 ed. São Paulo; 2009
    • 3. Correia FA. In: Pessini L, Barchifontaine CP, organizadores. Fundamentos da
    • Bioética. 3ª ed. São Paulo: Paulus; 1996.
    • 4. Segre M, Cohen C. Bioética. 3ª ed. São Paulo: USP; 2002.
    • 5. Sbaraini MG. O Consentimento Livre e Esclarecido do Paciente: Análise de
    • Decisões Judiciais Brasileiras.
    • 6. Backes DS, Lunardi VL, Filho WDL. A Humanização Hospitalar Como Expressão
    • da Ética. Artigo de Revisão. Ribeirão Preto; 2006.
    • Junior CAFS, Cordovil DC, Santos SC, Santos KRO, Santana ME. A Ética da
    • Equipe de Saúde no Centro Cirúrgico: Relato de Experiência. 59ª Reunião da SBPC.
    • Leite AIT , Claudino HG, Santos SR. A Importância de Ser Ético: Da Teoria à
    • Prática na Enfermagem. Jan./março 2009.
    • Trevisan MA, Mendes IAC, Lourenço MR, Shinyashiki GT. Aspectos Éticos na
    • Ação Gerencial do Enfermeiro. Ribeirão Preto, janeiro de 2002.
    • 10. Segre M, Cohen C. Bioética. 3ª ed. São Paulo: USP; 2002.
    • 11. Gelain I. Deontologia e Enfermagem. 2ª ed. São Paulo: EPU; 1987.