Musicas cifradas mpb 6

9,260 views

Published on

Published in: Education
0 Comments
3 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
9,260
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
6
Actions
Shares
0
Downloads
547
Comments
0
Likes
3
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Musicas cifradas mpb 6

  1. 1. ParalelasBelchiorE ADentro do carro, sobre o trevo a cem por hora, ó meu amor E7/9 ASó tens agora os carinhos do motor E7/9E no escritório em que eu trabalho A D7/9 EE fico rico, quanto mais eu multiplico diminui o meu amorE E° EEm cada luz de mercúrio vejo a luz do seu olhar E° Bm7 E7 E/D APassas praças, viadutos, nem te lembras de voltar, de voltar, de voltar A A° (C°)No corcovado quem abre os braços sou euB7 E E/DCopacabana esta semana o mar sou eu F#/C# A/BComo é perversa a juventude do meu coração E F7M/5- EQue só entende o que é cruel e o que é paixão E/D A/C#E as paralelas dos pneus nágua das ruas A Bm7 A/C#São duas estradas nuas em que foges do que é teu Bm7 E7 ANo apartamento, oitavo andar, abro a vidraça e grito C° EGrito quando o carro passa: teu infinito sou eu E/D A/C#Sou eu, sou eu, sou eu
  2. 2. Galos, Noites e QuintaisBelchiorIntr.: A E (A F#m) E4/7 E EQuando eu não tinha o olhar lacrimoso F#Que hoje eu trago e tenho AQuando adoçava o meu pranto e o meu sono E D ANo bagaço de cana de engenhoQuando eu ganhava esse mundo de meu DeusFazendo eu mesmo o meu caminhoPor entre as fileiras do milho verde que ondeiam ECom saudades do verde marinho AEu era alegre como um rio F#mUm bicho, um bando de pardais DComo um galo, quando havia EQuando havia galos, noites e quintais AMas veio o tempo negro e a força fez F#mComigo o mal que a força sempre faz D ENão sou feliz, mas não sou mudo AHoje eu canto muito mais
  3. 3. Hora do AlmoçoBelchiorIntr.: ( D D/C G/B Bb° )No centro da sala, diante da mesaNo fundo do prato comida e tristezaA gente se olha, se toca e se calaE se desentende no instante em que falaMedo, medo, medo, medo, medo, medoCada um guarda mais o seu segredo,A sua mão fechada, a sua boca aberta,O seu peito deserto, a sua mão parada,Lacrada, selada, molhada de medoPai na cabeceira, é hora do almoçoMinha mãe me chama, é hora do almoçoMinha irmã mais nova, negra cabeleiraMinha avó reclama, é hora do almoçoMoço, moço, moço, moço, moço, moçoQue eu ainda sou bem moço prá tanta tristezaDeixemos de coisa, cuidemos da vidaPois se não chega a morte ou coisa parecidaQue nos arrasta moço sem termos visto a vida
  4. 4. Quando Te ViBeto Guedes Colaboração Erro! Indicador não definido.Intr.: E F° F#m B7 E F° F#m AmNem o sol, nem o mar, nem o brilho das estrelas E G#m F#m B7 E F° F#m B7Tudo isso não tem valor sem ter você E F° F#m AmSem você, nem o som, da mais linda melodia E G#m F#m B7 E E7Nem os versos desta canção, iam valer A Am E C#7Nem o perfume, de todas as rosas é igual F#m B7 B7/5+A doce presença, do seu amor E Bm E7 A AmO amor estava aqui, mas eu nunca saberia E G#m F#m B7 E E7O que um dia se revelou, quando te vi(Repete última estrofe)
  5. 5. Amor de ÍndioIntr.: (A7M D7M)(A7M D7M)Tudo que move é sagradoE remove as montanhas com todo cuidado, meu amorEnquanto a chama arder, todo dia te ver passarTudo viver ao teu ladoCom o arco da promessa no azul pintado prá durarAbelha fazendo o mel vale o tempo que não voou A7M D7MA estrela caiu do céu, o pedido que se pensou (F#m E Bm E)O destino que se cumpriu de sentir seu calor e ser todoTodo dia é de viver para ser o que for e ser tudo(A7M D7M)Sim, todo amor é sagradoE o fruto do trabalho é mais que sagrado, meu amorA massa que faz o pão vale a luz do teu suorLembra que o sono é sagradoE alimenta de horizontes o tempo acordado de viverNo inverno te proteger, no verão sair prá pescarNo outono te conhecer, primavera poder gostarNo estio de derreter prá na chuva dançar e andar juntoO destino que se cumpriu de sentir teu calor e ser tudo
  6. 6. Maria SolidáriaC F G7 CEu choro de cara suja, meu papagaio o vento carregou G7 C A7 Dm G7 Bb CE lá se foi prá nunca mais, linha nova que pai comprouDança Maria, MariaLança seu corpo jovem pelo arEla já vem, ela viráSolidária nos ajudarNão fique triste, meninoA linha é tão fácil de arranjarVenha aqui, venha escolherPapagaio de toda corA casa estava escuraNo vento forte a chuva desabouA luz não vem, eu aqui estouA rezar na escuridão e sóD G A7 DVenho no vento da noite, na luz do novo dia cantarei A7 D B7 Em A7 C DBrilha o sol, brilha luar, brilha a vida de quem dançar
  7. 7. Sol de PrimaveraIntr.: D7M A7M D7M E F# A B7 E E C#m G#m C#m A7MQuando entrar setembro e a boa nova andar nos camposB7 A B7 A B7 EQuero ver brotar o perdão onde a gente plantou juntos outra vez C#m G#m C#m A7MJá sonhamos juntos semeando as canções no ventoB7 A B7 A B7Quero ver crescer nossa voz no que falta sonharE C#m G#m C#m A7MJá choramos muito, muitos se perderam no caminhoB7 A B7 A B7 EMesmo assim não custa inventar uma nova canção que venha nos trazer C#m G#m C#m A7MSol de primavera abre as janelas do meu peitoB7 A B7 A A/B EA lição sabemos de cor, só nos resta aprender
  8. 8. LumiarBeto Guedes - Ronaldo BastosIntr.: A G/A C/A F#m/A D/A Am F/A Bm/A G/AA7M E/G# A/G D/F# Dm/FAnda, vem jantar, vem comer, vem beber A7M/E F#m7Farrear até chegar Lumiar(Dm Am)E depois deitar no sereno só prá poder dormir e sonharPrá passar a noite caçando sapo, contando casoDe como deve ser LumiarAcordar, Lumiar, sem chorar, sem falarSem querer acordar e lumiarLevantar e fazer café só prá sair, caçar e pescarE passar o dia moendo cana, caçando luaClarear de vez LumiarAmor, Lumiar, prá viver, prá encostarPrá chover, prá tratar de vadiarDescansar os olhos, olhar e ver, e respirar, só prá não ver o tempo passarPrá passar o tempo até chover, até lembrarDe como deve ser LumiarAnda, vem jantar, vem dormir, vem sonharPrá viver, até chegar LumiarEstender o sol na varanda, até queimar só prá não ter mais nada a perderPrá perder o medo, mudar de céu, mudar de arClarear de vez Lumiar
  9. 9. O Sal da TerraBeto Guedes - Ronaldo BastosA A7M D7MAnda, quero te dizer nenhum segredoG7 F#m G/D D7MFalo desse chão, da nossa casa, vem que tá na hora de arrumarTempo, quero viver mais duzentos anosQuero não ferir meu semelhante, nem por isso quero me ferirC7M G C7M GVamos precisar de todo mundo prá banir do mundo a opressãoEm A/B C/E C GPara construir a vida nova vamos precisar de muito amorEm A/B C (Bm A/B)A felicidade mora ao lado e quem não é tolo pode verA paz na Terra, amor, o pé na terraA paz na Terra, amor, o sal da...Terra, és o mais bonito dos planetasTão te maltratando por dinheiro, tu que és a nave nossa irmãCanta, leva tua vida em harmoniaE nos alimenta com teus frutos, tu que és do homem a maçãVamos precisar de todo mundo, um mais um é sempre mais que doisPrá melhor juntar as nossas forças é só repartir melhor o pãoRecriar o paraíso agora para merecer quem vem depoisDeixa nascer o amorDeixa fluir o amorDeixa crescer o amorDeixa viver o amorO sal da Terra
  10. 10. O Medo de Amar é o Medo de Ser LivreBeto Guedes - Fernando BrantIntr.: Am7 Am7 G7MO medo de amar é o medo de ser F/GLivre para o que der e vier C7M F7M E4Livre para sempre estar onde o justo estiverAm7 G7MO medo de amar é o medo de ter F/GDe a todo momento escolher C7M Am F7M E4Com acerto e precisão a melhor direçãoF/C C7M Bb/C C7O sol levantou mais cedo e quisF/C Fm/C C7M D/C F/G Am7Em nossa casa fechada entrar prá ficar G7MO medo de amar é não arriscar F/GEsperando que façam por nós C7M F7M E4O que é nosso dever: recusar o poderF/C C7M Bb/C C7O sol levantou mais cedo e cegouF/C Fm/C C7M D/C F/G F/C Fm/C C7M O medo nos olhos de quem foi ver tanta luz
  11. 11. AguardenteBiafra - Paulo CirandaIntr.: C F/G F#7/4 F7M G#/A#C C/E F7M Fm7 C/E Eb°Quando você me encontrar sem medoDm7 G7 C C/ENada do que passou vai ferirF7M Fm7 C/E Eb° Dm7 G7 CNem mudar de novo tudo que sentimosC C/E F7M Fm7 C/E Eb°Quando você entender, meu amorDm7 G7 C C/EQue a força da nossa paixãoF7M Fm7 C/E Eb° Dm7 G7 CÉ maior que tudo vai ser tão bonitoF EmUm gosto forte de coisa quenteDm7 F/G CAmor vadio que me deixa doenteF EmE faz sentir que o mal é breve Dm Em F F/GSe o corpo é firme, a alma é leveUm gosto forte de aguardenteAmor vadio que me deixa doenteE faz sentir que o mal é breveSe o corpo é firme, a alma é leve
  12. 12. NenémMaurício Maestro C7M F/GSe você quer pode sentar no meu colinho, neném C7M Gm7 C9Eu sou santinho, juro pela minha avó F7M E7MQue eu ia só cobrir você com mil beijinhos Em7/9 A7 Dm7 F/GE dizer baixinho eu tenho estado tão só C7M F/GMas se você desse um sorriso engraçadinho, neném C7M Gm7 C7/9Eu te puxava com jeitinho prá mim F7M Bm5-/7 E7 D9E começava a te fazer carinho, neném Em7/9 Dm7/9 C7MDevagarinho prá não ter mais fim
  13. 13. ToadaZé Renato - Claudio Nucci - JucaG Am7Vem, morena, ouvir comigo essa cantigaF G C7MSair por essa vida aventureira A7 D G/B Gm/Bb C GTanta toada eu trago na viola prá ver você mais feliz Am7Escuta o trem de ferro alegre a cantarF G C7MNa reta da chegada prá descansar A7 D C GO coração sereno da toada, bem querer F# BmTanta saudade eu já senti, morena A D F# Bm C GMas foi coisa tão bonita da vida, nunca vou me arrepender Am7Morena, ouve comigo essa cantigaF G C7MSair por essa vida aventureira A7 D G/B Gm/Bb C GTanta toada eu trago na viola prá ver você mais fe...liz
  14. 14. Quem Tem a ViolaJuca - Zé Renato - Xico Chaves - C. NucciD G/A E G/AQuem tem a viola prá se acompanhar D7MNão vive sozinho nem pode penarDm7 G7 Bb CTem som de rio numa corda de metal Em7 A7 D G/ATem o mar no acorde finalQuem tem a viola prá se acompanharNão vive sozinho nem pode penarDm7 G7 Bb CTem tom de roupa quando seca no varal Em7 A7 DLuz do sol quando cai no cristalG D/F# Em Ab7 D E7Faz o luar brilhar, e o coração vazioG7M Bb Em7 A4/7 DVoa vadio feito uma pipa no ar
  15. 15. TigresaCaetano VelosoIntr.: BmBm Em Bm GUma tigresa de unhas negras e íris cor de mel Bm Em A7 D EUma mulher, uma beleza que me aconteceu Bm E Bm F#mEsfregando sua pele de ouro marrom do seu corpo contra o meu G A7 BmMe falou que o mal é bom e o bem cruelEnquanto os pelos dessa deusa tremem ao vento ateuEla me conta, sem certeza, tudo que viveuQue gostava de política em mil novecentos e setenta e seisE hoje dança no Frenetic Dancing DaysEla me conta que era atriz e trabalhou no "Hair"Com alguns homens foi feliz, com outros foi mulherQue tem muito ódio no coração, que tem dado muito amorE espalhado muito prazer e muita dorMas ela ao mesmo tempo diz que tudo vai mudarPorque ela vai ser o que quis, inventando um lugarOnde a gente e a natureza feliz vivam sempre em comunhãoE a tigresa possa mais do que um leãoAs garras da felina me marcaram o coraçãoMas as besteiras de menina que ela disse nãoE eu corri para o violão, num lamento, e a manhã nasceu azulComo é bom poder tocar um instrumento
  16. 16. SampaCaetano VelosoIntr.: Dm G5+/7 G7 C G5+/7C Bm5-/7 E7 Am Am7M Am7 C7Alguma coisa acontece no meu coração F A7 DmQue só quando cruza a Ipiranga com a avenida São João G7 G#° AmÉ que quando eu cheguei por aqui eu nada entendi D7/9Da dura poesia concreta de tuas esquinas Dm G7Da deselegância discreta de tuas meninas C C7 F7M F#°Ainda não havia para mim Rita Lee, a tua mais completa traduçãoC/G A5+/7 Dm G7/6 E7 A5+/7Alguma coisa acontece no meu coração Dm G5+/7 G7 C G5+/7Que só quando cruza a Ipiranga e a avenida São JoãoQuando eu te encarei frente a frente não vi o meu rostoChamei de mau gosto o que vi, de mau gosto o mau gostoÉ que Narciso acha feio o que não é espelhoE a mente apavora o que ainda não é mesmo velhoNada do que não era antes quando não somos mutantesE foste um difícil começo, afasta o que não conheçoE quem vem de outro sonho feliz de cidadeAprende depressa a chamar-te de realidadePorque és o avesso do avesso do avesso do avessoDo povo oprimido nas filas, nas vilas, favelasDa força da grana que ergue e destrói coisas belasDa feia fumaça que sobe apagando as estrelasEu vejo surgir teus poetas e campos e espaçosTuas oficinas de florestas, teus deuses da chuvaPanaméricas de áfricas utópicas, túmulo do sambaMais possível novo quilombo de ZumbiE os novos baianos passeiam na tua garoaE os novos baianos te podem curtir numa boa
  17. 17. Alegria, AlegriaCaetano VelosoIntr.: D G B7 E A B7 ECaminhando contra o vento, sem lenço, sem documento A D B7No sol de quase dezembro, eu vouE A B7 EO sol se reparte em crimes, espaçonaves, guerrilhas A D B7 EEm Cardinales bonitas, eu vou A B7 E A B7 A EEm caras de presidentes, em grandes beijos de amor A B7 A E A B7 A C#m7Em dentes, pernas, bandeiras, bomba e Brigite Bardot F#m C#m7 F# C#m7O sol nas bancas de revista me enche de alegria e preguiça B7Quem lê tanta notíciaD A D E7 AEu vou por entre fotos e nomes os olhos cheios de cores D GO peito cheio de amores vãosB7 E A EEu vou, por que não? Por que não? A B7 EEla pensa em casamento, e eu nunca mais fui à escola A D B7Sem lenço, sem documento, eu vouE A B7 EEu tomo uma coca-cola, ela pensa em casamento A D E7E uma canção me consola, eu vouE A B7 A E A B7 A EPor entre fotos e nomes, sem livros e sem fuzil A B7 A E A B7 A C#m7Sem fone e sem telefone no coração do Brasil F# C#m7 F# C#m7Ela nem sabe, até pensei em cantar na televisão B7O sol é tão bonitoD A D E7 AEu vou sem lenço, sem documento, nada no bolso ou nas mãos D G B7Eu quero seguir vivendo, amor E A EEu vou, por que não? Por que não? E A EPor que não? Por que não? Por que não?
  18. 18. London, LondonCaetano VelosoIntr.: D A/C# Bm A D A DIm wondering round and round, nowhere to go G A DIm lonely in London, London, is lovely so G A D BmI cross the streets without fear, everybody keeps the way clear G A DI know theres no one here to say helloI know they keep the way clear, I am lonely in London without fearIm wondering round and round, nowhere to go G A G A DWhile my eyes, go looking for flying soucers in the skyBut my eyes, go looking for flying soucers in the skyOh, Sunday, Monday, Autumn pass by meAnd people hurry on so peacefullyA group approach the policeman, he seems so pleased to please themIts good to live at least and I agreeHe seemed so pleased at least and its so good to live in peaceAnd Sunday, Monday years and I agreeREFRÃOI choose no face to look at, choose no wayI just happen to be here and its okGreen grass, blue eyes, gray sky, God bless, silent, pain and happinessI came around to say yes, and I sayGreen grass, blue eyes, gray sky, God bless, silent, pain and happinessI came around to say yes, and I sayREFRÃO
  19. 19. Partido AltoE A E A E A E ADiz que deu, diz que dá, diz que Deus dará, não vou duvidar, ô nega E A G#7 C#m A EE se Deus não dá, como é que vai ficar, ô nega ?, Deus dará, Deus daráDiz que deu, diz que dá, diz que Deus dará, não vou duvidar, ô negaE se Deus negar, eu vou me indignar e chegar, Deus dará, Deus daráEDeus é um cara gozador, adora brincadeira Bm7 E7 APois prá me jogar no mundo, tinha o mundo inteiro A#° EMas achou muito engraçado me botar cabreiro C#m F#m BNa barriga da miséria nasci batuqueiroEEu sou do Rio de JaneiroJesus Cristo ainda me paga, um dia ainda me explicaComo é que pôs no mundo essa pobre coisicaVou correr o mundo afora, dar uma canjicaQue prá ver se alguém me amarra ao ronco da cuícaE aquele abraço prá quem ficaDeus me deu mão de veludo prá fazer caríciaDeus me deu muita saudade e muita preguiçaDeus me deu perna cumprida e muita malíciaPrá correr atrás da bola e fugir da políciaUm dia ainda sou notíciaDeus me fez um cara fraco, desdentado e feioPele e osso simplesmente, quase sem recheioMas se alguém me desafia e bota a mãe no meioDou paulada a três por quatro e nem me despenteioQue eu já tô de saco cheio
  20. 20. Você Não Entende NadaCaetano VelosoE A C#m F#m B7 E A EQuando eu chego em casa nada me consola, você está sempre aflitaLágrimas nos olhos de cortar cebola, você é tão bonitaA D Bm7Você traz a coca-cola, eu tomo E7 A D G#m C#7 F#mVocê bota a mesa, eu como, eu como, eu como, eu como, eu como B7 E A C#m F#m B7Você não tá entendendo quase nada do que eu digoE A C#m F#m B7 E E7Eu quero é ir-me embora, eu quero dar o fora A B7 E E7 (1ª vez)E quero que você venha comigo (2x)Eu me sento, eu fumo, eu como, eu não agüento, você está tão curtidaEu quero é tocar fogo neste apartamento, você não acreditaTraz meu café com suita, eu tomoBota a sobremesa, eu como, eu como, eu como, eu como, eu comoVocê tem que saber que eu quero é correr mundo, correr perigoEu quero é ir-me embora, eu quero é dar o foraE quero que você venha comigo (2x)
  21. 21. Rapte-me, CamaleoaCaetano VelosoA GRapte-me, camaleoa, adapte-me a uma cama boa(F#m B)Capte-me uma mensagem à toaDe um quasar pulsando loaInterestelar canoa(E D)Leitos perfeitos, seus peitos direitos me olham assimFino menino me inclino pro lado do simRapte-me, adapte-me, capte-me, its up to me, coraçãoSem querer ser merecer ser um camaleãoA G A (G A)Rapte-me, camaleoa, adapte-me ao seu ne me quitte pas
  22. 22. FelicidadeLupicínio Rodrigues G7M Am7Felicidade foi se embora D9 G7ME a saudade no meu peito ainda mora E7 Am7E é por isso que eu gosto lá de fora D9 G7MPorque sei que a falsidade não vigora G7M Am7A minha casa fica lá de traz do mundo D9Onde eu vou em um segundo quando começo a cantarO pensamento parece uma coisa à toaMas como é que a gente voa quando começa a pensar
  23. 23. Qualquer CoisaCaetano VelosoBm7 E7Esse papo já tá qualquer coisa A C#7 F#7Você já tá prá lá de MarraqueshMexe qualquer coisa dentro doidaJá qualquer coisa doida dentro mexeG7M F#7Não se avexe não, baião de dois, deixe de manha, deixe de manha G7MPois sem essa aranha, sem essa aranha, sem essa aranha F#7Nem a sanha arranha o carro, nem o sarro arranha a Espanha G7M B7MNessa tamanha, nessa tamanha, esse papo seu já tá de manhãC#m F#7 C#m F#7Berro pelo aterro, pelo desterroB7M E7M B7M D°Berro por seu berro, pelo seu erroC#m F#7 C#m F#7Quero que você ganhe, que você me apanheG#7Sou o seu bezerro gritando mamãeE7M Em7Esse papo seu tá qualquer coisa Bm7E você tá prá lá de Teerã E7Qualquer coisa...
  24. 24. Menino DeusCaetano VelosoD A/C# BmMenino Deus, um corpo azul-douradoEm BmUm porto alegre é bem mais que um seguro E7 A4/7Na rota das nossas viagens no escuroD A/C# BmMenino Deus, quando tua luz se acendaEm BmA minha voz comporá tua lenda E7 A4/7 Am B7 C°E por um momento haverá mais futuro do que jamais houve B7 Em Gm F#mMas ouve a nossa harmonia, a eletricidade ligada no dia B7 BbEm que brilharias por sobre a cidadeMenino Deus, quando a flor do teu sexoAbrir as pétalas para o universoE então, por um lapso, se encontrar no anexoLigando os breus, dando sentido aos mundos E7 A4/7E aos corações sentimentos profundos de terna alegria no dia (D G/D)Do menino DeusDo menino Deus DDo menino Deus A7 G F DNo dia do menino Deus
  25. 25. Podres PoderesCaetano VelosoIntr.: AAEnquanto os homens exercem seus podres poderesB/AMotos e fuscas avançam os sinais vermelhosD E7 F F#mE perdem os verdes, somos uns boçaisQueria querer cantar setecentas mil vezesComo são ricos, como são ricos os burguesesE os japoneses, mas tudo é muito maisC E7Será que nunca faremos senão confirmar a incompetência da América CatólicaF7M Bb7Que sempre precisará de ridículos tiranos?Será, que será, que será, que será, será que esta minha estúpida retóricaTerá que soar, terá que se ouvir por mais zil anos?Enquanto os homens exercem seus podres poderesÍndios e padres e bichas, negros e mulheresE adolescentes fazem o carnavalQueria querer cantar afinados com elesSilenciar em respeito ao seu transe, num êxtaseSer indecente, mas tudo é muito mauOu então cada paisano e cada capatazCom sua burrice fará jorrar sangue demaisNos pantanais, nas cidades, caatingas e nos geraisSerá que apenas os hermetismos pascoaisE os tons e os mil tons, seus sons e seus dons geniaisNos salvam, nos salvarão dessas trevas e nada mais?Enquanto os homens exercem seus podres poderesMorrer e matar de fome, de raiva e de sedeSão tantas vezes gestos naturaisEu quero aproximar o meu cantar vagabundoDaqueles de velam pela alegria do mundoIndo mais fundo, tins e bens e tais, tudo mais fundo, tins e bens e tais
  26. 26. Eclipse OcultoCaetano VelosoIntr.: (A E)E A ENosso amor não deu certo, gargalhadas e lágrimas A EDe perto fomos quase nada Bm F#m GTipo de amor que não pode dar certo na luz da manhã F# F EE desperdiçamos os blues do DjavanDemasiadas palavras, fraco impulso de vidaTravada a mente na ideologiaE o corpo não agia como se o coração tivesse antes que optarEntre o inseto e o inseticidaA E A ENão me queixo, eu não soube te amar A E A EMas não deixo de querer conquistarA F# F A EUma coisa qualquer em você, o que será?Como nunca se mostra o outro lado da luaEu desejo viajar do outro lado da suaMeu coração galinha de leão não quer maisamarrar frustraçãoÓ eclipse oculto na luz do verãoMas bem que nós fomos muito felizes só durante oprelúdioGargalhadas e lágrimas até irmos pro estúdioMas na hora da cama nada pintou direitoÉ, minha cara, falar, não sou proveito sou purafamaREFRÃONada tem que dar certo, nosso amor é bonitoSó não disse ao que veio, atrasado e aflitoE paramos no meio sem saber os desejos aondeé que iam darE aquele projeto ainda estará no ar?Não quero que você fique fera comigoQuero ser seu amor, quero ser seu amigoQuero que tudo saia como som de Tim Maia, semgrilos de mimSem desespero, sem tédio, sem fim
  27. 27. O LeãozinhoCaetano VelosoIntr.: C C7M(C C7M) GGosto muito de te ver, leãozinhoAm EmCaminhando sob o solF7M Bb (C C7M)Gosto muito de você, leãozinhoPara desentristecer, leãozinhoO meu coração tão sóBasta eu encontrar você no caminhoAm Ab C/G F#m5-/7Um filhote de leão, raio da manhãF7M Em Dm G7Arrastando o meu olhar como um imãAm Ab C/G F#m5-/7O meu coração é o sol, pai de toda corF7M Em Dm G7Quando ele lhe doura a pele ao léuGosto de te ver ao sol, leãozinhoDe te ver entrar no marTua pele, tua luz, tua jubaGosto de ficar ao sol, leãozinhoDe molhar minha jubaDe estar perto de você e entrar numa
  28. 28. Não IdentificadoCaetano VelosoD G BmEu vou fazer uma canção prá elaEm A4/7 A7 DUma canção singela, brasileiraG D GPara lançar depois do carnavalD G BmEu vou fazer um iê-iê-iê romântico Em A4/7 A7 DUm anticomputador sentimentalG CEu vou fazer uma canção de amorCm7 Em Cm7 (A7)Para gravar num disco voadorUma canção dizendo tudo a elaQue ainda estou sozinho, apaixonadoPara lançar no espaço sideralMinha paixão há de brilhar na noiteNo céu de uma cidade do interiorG CComo um objeto não identificadoCm7 G CQue ainda estou sozinho e apaixonadoComo um objeto não identificadoPara gravar num disco voadorEu vou fazer uma canção de amorComo um objeto não identificado
  29. 29. Lua de São JorgeCaetano VelosoD B7 E7Lua de São Jorge, lua deslumbranteA7 D A7Azul verdejante, cauda de pavãoD B7 E7Lua de São Jorge cheia, branca, inteiraA7 Bm F#mÓ minha bandeira solta na amplidãoG Gm D B7 E7 A7 DLua de São Jorge, lua brasileira, lua do meu coraçãoA F#7 B7Lua de São Jorge, lua deslumbranteE7 A E7Azul verdejante, cauda de pavãoA F#7 B7Lua de São Jorge, cheia, branca, inteiraE7 F#m C#mÓ minha bandeira solta na amplidãoD Dm A F#7 B7 E7 A E7Lua de São Jorge, lua brasileira, lua do meu coraçãoLua de São Jorge, lua maravilhaMãe, irmã e filha de todo esplendorLua de São Jorge brilha nos altaresBrilha nos lugares onde estou e vouLua de São Jorge brilha sobre os mares, brilha sobre o meu amorLua de São Jorge, lua soberanaNobre porcelana sobre a seda azulLua de São Jorge, lua da alegriaNão se vê um dia claro como tuLua de São Jorge serás minha guia no Brasil de Norte a Sul
  30. 30. Força EstranhaCaetano Veloso G Dm E7Eu vi o menino correndo, eu vi o tempo AmBrincando ao redor do caminho daquele menino F#° EmEu pus os meus pés no riacho e acho que nunca os tirei C D7O sol ainda brilha na estrada e eu nunca passeiEu vi a mulher preparando outra pessoaO tempo parou para eu olhar para aquela barrigaA vida é amiga da arte, é a parte que o sol me ensinouO sol que atravessa essa estrada que nunca passou G B7Por isso uma força me leva a cantar Em Dm G7Por isso essa força estranhaC C#° G/D EmPor isso é que eu canto, não posso pararA7 D7Por isso essa voz tamanhaEu vi muitos cabelos brancos na fronte do artistaO tempo não pára e no entanto ele nunca envelheceAquele que conhece o jogo do fogo, das coisas que sãoÉ o sol, é o tempo, é a estrada, é o pé e é o chãoEu vi muitos homens brigando, ouvi seus gritosEstive no fundo de cada vontade encobertaE a coisa mais certa de todas as coisas não vale um caminho sob o solÉ o sol sobre a estrada, é o sol sobre a estrada, é o sol
  31. 31. BabyCaetano VelosoIntr.: ( D G )D G DVocê precisa saber da piscina G D G DDa margarina, da Carolina, da gasolina G D GVocê precisa saber de mimD Bm Em A7Baby, baby, eu sei que é assimBaby, baby, eu sei que é assimVocê precisa tomar um sorveteNa lanchonete, andar com a gente, me ver de pertoOuvir aquela canção do RobertoBaby, baby, há quanto tempoBaby, baby, há quanto tempoVocê precisa aprender inglêsPrecisa aprender o que eu seiE o que eu não sei mais, e o que eu não sei maisNão sei, comigo vai tudo azulContigo vai tudo em pazVivemos na melhor cidade da América do Sul, da América do SulVocê precisa, você precisaNão sei, leia na minha camisaBaby, baby, I love youBaby, baby, I love you
  32. 32. Meu Bem, Meu MalCaetano VelosoIntr.: G/A A7/9-/11+ D6/9 C6/7 B6/7 B5+/7 G/A A7/9-/11+ D7M C#m5-/7 F#5+/7Você é meu caminho Bm7 E7 Am7Meu vinho, meu vícioD7/9 G7M C7/9Desde o início estava você D7M C#m5-/7 F#5+/7Meu bálsamo benigno Bm7 E7 Am7Meu signo, meu guruG#5-/7 G7M C7/9Porto seguro onde eu vou ter F#m5-/7 B5+/7Meu mar e minha mãe E7 A6/7 A/GMeu medo e meu champagne F#5-/7 B5+/7 Em7Visão do espaço sideralGm7Onde o que eu sou se afoga F#m7 B7Meu fumo e minha ioga Em7 A6/7Você é minha droga D7M G#5-/7Paixão e carnaval G/A A7/9-/11+ D6/9Meu zen, meu bem, meu mal
  33. 33. SorteCelso Fonseca - Ronaldo BastosIntr.: (D7M G#7/5- G7M C7/9) D7M G#7/5- G7M G/AD A7 Bb°Tudo de bom que você me fizerBm G7M A7Faz minha rima ficar mais raraD A7 Bb°O que você faz me ajuda a cantarBm G7M A7Põe um sorriso na minha cara D G#7/5- G7M C7/9Meu amor, você me dá sorteMeu amor, você me dá sorte D7MMeu amor, você me dá sorte na vidaD A7 Bb°Quando te vejo não saio do tomBm G7M A7Mas meu desejo já se reparaD A7 Bb°Me dá um beijo com tudo de bomBm G7M A7E acende a noite na GuanabaraMeu amor, você me dá sorteMeu amor, você me dá sorteMeu amor, você me dá sorte de cara
  34. 34. Vaca ProfanaCaetano VelosoIntr.: Am F G F CC F C AmRespeito muito minhas lágrimas, mas ainda mais minha risadaDm F CEscrevo assim minhas palavras na voz de uma mulher sagradaC D C# CVaca profana põe teus cornos prá fora e acima da manada 2x C D FÊ, dona de divinas tetas, derrama o leite bom na minha cara C F C F C FE o leite mau na cara dos caretasSegue a "movida Madrileña", também te mata BarcelonaNapoli Pino, Pí, Pau, punks, picassos movem-se por LondresBahia onipresentemente, Rio e belíssimo horizonte 2xÊ, vaca de divinas tetas, la leche buena toda em mi gargantaLa mala leche para los "puretas"Quero que pinte amor Bethânia, Stevie Wonder, AndaluzMais do que tive em Tel Aviv, perto do mar, longe da cruzMas em composição cubista, meu mundo Thelonius Monks blues 2xÊ, dona das divinas tetas, quero teu leite todo em minha almaNada de leite mau para os caretasSou tímido e espalhafatoso, torre traçada por GaudiSão Paulo é como um mundo todo, no mundo um grande amor perdiCaretas de Paris e New York, sem mágoas estamos aí 2xÊ, vaca das divinas tetas, teu bom só para o oco, minha faltaE o resto inunde as almas dos caretasMas eu também sei ser careta, de perto ninguém é normalÀs vezes segue em linha reta, a vida que é meu bem, meu malNo mais, as "ramblas" do planeta, "Orchata de chufa, si us plau"2xÊ, deusa de assombrosas tetas, gotas de leite bom na minha caraChuva do mesmo bom sobre os caretas, la mala leche para los "puretas"Nada de leite mau para os caretas, e o leite mal na cara dos caretasChuva do mesmo bom sobre os caretas, e o resto inunde as almas dos caretas
  35. 35. Você é LindaCaetano Veloso Colaboração Erro! Indicador não definido.F#m7 C#m7 D7M G#m7 C#7(b9)Fontes de mel nuns olhos de gueixa, Kabuki máscaraD7M D#m7(b5) G#7 C#m7 F#7 Bm7 E7Choque entre o azul, e o cacho de acácias, luz das acácias Você é mãe do solA Tua coisa é toda tão certa, beleza espertaVocê me deixa a rua deserta, quado atravessa E não olha pra trasA C#m7 D7M Bm7Linda e sabe viver, você me faz felizDm7 G7 A7MEssa canção é só pra dizer e dizVocê é linda mais que demais Você é linda simOndas do mar do amor que bateu em mimVocê é forte dentes e músculos, peitos e lábiosVocê é forte letras e músicas, todas as músicas que ainda ei de ouvirNo Abaeté areias e estrelas, não são mais belasDo que você mulher da sestrelas, minas de estrelasDiga o que você querGosto de ver voê no seu ritmo, dona do carnavalGosto de ter, sentir seu estilo, ir no seu íntimo Nunca me faça mal
  36. 36. Desde Que o Samba é SambaCaetano Veloso Colaboração Erro! Indicador não definido.Intr.: (D7M - A7) x2 D7M A7 D7M D7/9 G7M C7/9 F#7/13 B7/9A tristeza é senhora, Desde que o samba é samba é assim Em7 A7 Bm7 E7/9 A7A lágrima clara sobre a pele escura, a noite e a chuva que cai lá fora D7M A7 D7M D7/9 G7M C7/9 F#7/13 B7/9Solidão apavora, tudo demorando em ser tão ruim Em7 A7/13 Bm7 E7/9Mas alguma coisa acontece, no quando agora em mim Em7 A7 D7M A7Cantando eu mando a tristeza embora(Repete tudo acima) Em7 F#7 Bm7 C#7O samba ainda vai nascer, O samba ainda não chegou F#m7 B7/9 Bm7 E7/9O samba não vai morrer, veja o dia ainda não raiou Em7 F#7 Bm7 C#7O samba é o pai do prazer, o samba é o filho da dor F#m7 B7 E7/13 E7/5M Em7O grande poder transformador
  37. 37. Menino do RioCaetano Veloso Colaboração Erro! Indicador não definido. C7M Eb°Menino do Rio, calor que provoca arrepio Dm G7 Dm G7Dragão tatuado no braço, calção corpo aberto no espaço C C7 F FmCoração de eterno flerte, adoro ver-teC7M Eb°Menino vadio, tensão flutuante do rioDm G7 CEu canto para Deus proteger-teA7 Dm7 G7 C7MO Havaí, seja aqui, tudo o que sonharesA7 Dm7 Eb° EmTodos os lugares, as ondas dos mares AbPois quando eu te vejo eu desejo o teu desejoC7M Eb°Menino do Rio, calor que provoca arrepioDm G7 C7MToma esta canção como um beijo
  38. 38. Lua e EstrelaCaetano Veloso Colaboração Erro! Indicador não definido.Intr.: C7M Fm C7M Am Fm C7M AmMenina do anel, de lua e estrela, raio de sol, no céu da cidade,Gm7 C7 F7M Dm7 G7Quem é você, qual o seu nome, conta pra mim, diz como eu te encontro, Fm C7M Am Fm C7M AmMas deixo ao destino, deixo ao acaso, quem sabe eu te encontro, de noite nobaixo Gm7 C7 F7M Dm7 G7Brilho da lua, noite é bem tarde, penso em você, fico com saudade, Fm C7M Am Fm C7M AmManhã chegando, luzes morrendo, neste espelho, que é nossa cidadeQuem é você...
  39. 39. Faz Parte do Meu ShowLadeira - CazuzaIntr.: C7M F7M ( C7M Bb7M )Te pego na escola e encho tua bola com todo meu amorTe levo prá festa e testo teu sexo com ar de professor ( Ab7M Db7M )Faço promessas malucas tão curtas quanto um sonho bomSe eu te escondo a verdade, baby, é prá te proteger da solidão C7M Ab7M C7M F7MFaz parte do meu show, faz parte do meu show, meu amor 1Confundo as tuas coxas com as de outras moças, te mostro toda a dorTe faço um filho, te dou outra vida prá te mostrar quem souVago na lua deserta das pedras do ArpoadorDigo alô ao inimigo, encontro um abrigo no peito do meu traidorREPETE 1Invento desculpas, provoco uma briga, digo que não estouVivo num clip sem nexo, um pierrot-retrocesso, meio bossa nova e rockn roll C7M Ab7M C7MFaz parte do meu show, faz parte do meu show, meu amor Ab7M C7MMeu amor, meu amor
  40. 40. Codinome Beija-FlorArias - Cazuza - EzequielIntr.: A7M F#m7 D9 E4/7A A7M A A7MPrá que mentir, fingir que perdoou D7M E/D D7MTentar ficar amigos sem rancor E7 D7M E/DA emoção acabou, que coincidência é o amor Bm7 C#m7 D7M D/E F7MA nossa música nunca mais tocouA A7M A A7MPrá que usar de tanta educação D7M E/D F#m7Prá destilar terceiras intenções D7M E/D D7M E/DDesperdiçando o meu mel devagarinho, flor em florBm7 C#m7 D7M D/E F/GEntre os meus inimigos, Beija-florC7M Bm7 E7 Am Em9/7 A7MEu protegi teu nome por amor em um codinome Beija-florC7M E4/7 F7M G A7MNão responda nunca meu amor, nunca, prá qualquer um na rua, Beija-florF7M G F7M GQue só eu que podia dentro da tua orelha friaF7M G A7MDizer segredos de liqüidificadorF7M G F7M GVocê sonhava acordada, um jeito de não sentir dorF7M G A7MPrendia o choro e aguava o bom do amorF7M G7M A7MPrendia o choro e aguava o bom do amor
  41. 41. O Que Será ? (à flor da pele)Chico BuarqueIntr.: Gm* Dm* Cm* Ebm Ebm7M Am5-/7 D7/9-Obs : * = m7M m7 m6Gm Gm*O que será que me dá Dm Dm*Que me bole por dentro, será que me dá Cm Cm*Que brota à flor da pele, será que me dá Ebm Am5-/7E que me sobe às faces e me faz chorar D7/9- Gm Gm*E que me salta os olhos a me atraiçoar Dm Dm*E que me aperta o peito e me faz confessar Cm Cm*O que não tem mais jeito de dissimular Ebm Am5-/7E que nem é direito ninguém recusar D7/9- Gm Gm*E que me faz mendigo, me faz suplicar Ebm Ebm*O que não tem medida nem nunca terá Bb/D C#° CmO que não tem remédio nem nunca terá D7/9- Gm A5-/7 DmO que não tem receita Dm* Am Am*O que será que será, que dá dentro da gente e não devia B7/Eb Gm Gm*Que desconcerta a gente, que é revelia Cm Em5-/7Que é feito uma aguardente que não sacia A7 Dm Dm*Que é feito estar doente de uma folia Am Am*Que nem dez mandamentos vão conciliar Gm Gm*Nem todos os ungüentos vão aliviar Cm Em5-/7Nem todos os quebrantos, toda alquimia A7 Dm Dm*Que nem todos os santos, será que será Bbm Bbm*O que não tem descanso nem nunca terá F/A Ab Gm A7 Dm B7O que não tem cansaço nem nunca terá, o que não tem limite Em Em* Bm Bm*O que será que me dá, que me queima por dentro, será que me dá Am Am*Que me perturba o sono, será que me dá Cm F#m5-/7Que todos os temores me vem agitar B7 Em Em*Que todos os ardores me vem atiçar Bm Bm*Que todos os suores me vem encharcar Am Am*
  42. 42. Que todos os meus nervos estão a rogar Cm F#m5-/7Que todos os meus órgãos estão a chamar B7 Em Em*E uma aflição medonha me faz implorar CmO que não tem vergonha nem nunca terá G/B Bb° Am7 B7 EmO que não tem governo nem nunca terá, o que não tem juízo
  43. 43. Roda VivaChico BuarqueAm7 F7M E4Tem dias que a gente se sente como quem partiu ou morreu F/G C7M F#m4/7 E7A gente estancou de repente, ou foi o mundo então que cresceu A7 Dm7 G7 CA gente quer ter voz ativa, no nosso destino mandar B° Am7 F7M E4/7 E7Mas eis que chega a roda viva e carrega o destino prá lá Am7 F6 G7Roda mundo, roda gigante, roda moinho, roda peão Gm4/7 F#7/5- F6 E4/7 E7 Am7O tempo rodou num instante nas voltas do meu coraçãoA gente vai contra a corrente até não poder resistirNa volta do barco é que sente o quanto deixou de cumprirFaz tempo que a gente cultiva a mais linda roseira que háMas eis que chega a roda viva e carrega a roseira prá láA roda da saia, a mulata, não quer mais rodar, não senhorNão posso fazer serenata, a roda de samba acabouA gente toma a iniciativa, viola na rua a cantarMas eis que chega a roda viva e carrega a viola prá láO samba, a viola, a roseira, um dia a fogueira queimouFoi tudo ilusão passageira que a brisa primeira levouNo peito a saudade cativa, faz força pro tempo pararMas eis que chega a roda viva e carrega a saudade prá lá
  44. 44. João e MariaChico Buarque - SivucaIntr.: ( Am G )Am Dm G CAgora eu era o herói e o meu cavalo só falava inglêsAm Dm G7 CA noiva do coubói era você além das outras três B7 EmEu enfrentava os batalhões, os alemães e seus canhões C7 F E7Guardava o meu bodoque e ensaiava um rock para as matinêsAm Dm G CAgora eu era o rei, era bedel e era também juizAm Dm G7 Gm A7E pela minha lei a gente era obrigado a ser feliz Dm G7 CE você era a princesa que eu fiz coroar F A#7 E7 AmQue era tão linda de se admirar e andava nua pelo meu paísAm E A7 DmNão, não fuja não, finja que agora eu era o seu brinquedoG C A#7 E7Eu era o seu peão, o seu bicho preferidoAm E7 A DmVem, me dê a mão, a gente agora já não tinha medoG C Dm E7 AmNo tempo da maldade acho que a gente nem tinha nascidoAgora era fatal que o faz de conta terminasse assimPrá lá desse quintal era uma noite que não tem mais fimPois você sumiu no mundo sem me avisarE agora eu era um louco a perguntarO que é que a vida vai fazer de mim
  45. 45. ValsinhaChico BuarqueIntr.: Dm A#° A7 DmUm dia ele chegou tão diferente do seu jeito de sempre chegar A#° A7 DmOlhou-a dum jeito muito mais quente do que sempre costumava olhar D7 GmE não maldisse a vida tanto quanto era seu jeito de sempre falar E7 E7/G#E nem deixou-a só num canto, A7Prá seu grande espanto, convidou-a prá rodar.Então ela se fez bonita como há muito tempo não queria ousarCom seu vestido decotado, cheirando a guardado de tanto esperarDepois os dois deram-se os braços como há muito tempo não se usava darE cheios de ternura e graça foram para praça e começaram a se abraçarE ali dançaram tanta dança que a vizinhança toda despertouE foi tanta felicidade que toda cidade se iluminouE foram tantos beijos loucos, tantos gritos roucosComo não se ouvia mais Dm A#° A7 DmQue o mundo compreendeu e o dia amanheceu em paz
  46. 46. Mulheres de AtenasChico BuarqueIntr.: D E/D G/D A/D DD E7 G A7Mirem-se no exemplo daquelas mulheres de AtenasD E7 Gm/Bb D/AVivem pros seus maridos, orgulho e raça de AtenasG7M A F#/A# Bm7 A7 D D7Quando amadas se perfumam, se banham com leite, se arrumam, suas melenasG7M A C#m5-/7 Bm7Quando fustigadas não choram, se ajoelham, pedem, imploramA7 DMais duras penas, cadenasMirem-se no exemplo daquelas mulheres de AtenasSofrem por seus maridos, poder e força de AtenasQuando eles embarcam, soldados, elas tecem longos bordados, mil quarentenasE quando eles voltam, sedentos, querem arrancar violentosCarícias plenas, obcenasMirem-se no exemplo daquelas mulheres de AtenasDespem-se pros seus maridos, bravos guerreiros de AtenasQuando eles se entopem de vinho costumam buscar os carinhos de suas falenasMas no fim da noite, aos pedaços, quase sempre voltam pros braçosDe suas pequenas HelenasMirem-se no exemplo daquelas mulheres de AtenasGeram pros seus maridos os novos filhos de AtenasElas não têm gosto ou vontade, nem defeito, nem qualidade, tem medo apenasNão têm sonhos, só têm presságios, o seu homem, mares, naufrágiosLindas sirenas, morenasMirem-se no exemplo daquelas mulheres de AtenasTemem por seus maridos, heróis e amantes de AtenasAs jovens viúvas marcadas e as gestantes abandonadas não fazem cenasVestem-se de negro, se encolhem, se conformam e se recolhemÀs suas novenas, serenasMirem-se no exemplo daquelas mulheres de AtenasSecam por seus maridos, orgulho e raça de Atenas
  47. 47. Tanto AmarChico BuarqueC G/B Gm/Bb F/A A7Amo tanto, e de tanto amar acho que ela é bonita D7 F/A G/BTem um olho sempre a boiar, e outro que agitaTem um olho que não está, meus olhares evitaE outro olho a me arregalar sua pepitaC E7 Am7 C7 FA metade do seu olhar está chamando prá luta aflita G7 F G7E a metade quer madrugar na bodeguitaSe seus olhos eu for cantar, um seu olho me aturaE outro olho vai desmanchar toda a pinturaEla pode rodopiar e mudar de figura,A paloma do seu mirar virar miúraÉ na soma do seu olhar que eu vou me conhecer inteiroSe nasci prá enfrentar o mar, ou faroleiroAmo tanto, e de tanto amar acho que ela acreditaTem um olho sempre a pestanejar e outro me fitaSuas pernas vão se enroscar num balé esquisitoSeus dois olhos vão se encontrar no infinitoAmo tanto, e de tanto amar em Manáqua temos um chicoJá pensamos em nos casar em Porto Rico
  48. 48. CotidianoChico BuarqueD°Todo dia ela faz tudo sempre igualDmMe sacode às seis horas da manhã CMe sorri um sorriso pontual Bb A7 D°E me beija com a boca de hortelãTodo dia ela diz que é pra eu me cuidarE essas coisas que diz toda mulherDiz que está me esperando pro jantarE me beija com a boca de caféTodo dia eu só penso em poder pararMeio-dia eu só penso em dizer nãoDepois penso na vida prá levarE me calo com a boca de feijãoSeis da tarde, como era de se esperarEla pega e me espera no portãoDiz que está muito louca prá beijarE me beija com a boca de paixãoToda noite ela diz prá eu não me afastarMeia-noite ela jura eterno amorMe aperta prá eu quase sufocarE me morde com a boca de pavorREPETE 1ª ESTROFE
  49. 49. CáliceChico Buarque - Gilberto GilE G# APai, afasta de mim esse cálice, Pai, afasta de mim esse cálice F#7 E/B B7 EPai, afasta de mim esse cálice de vinho tinto de sangue C#m C#m7M C#m7 F#7/C#Como beber dessa bebida amarga, tragar a dor, engolir a labuta A7M F#7/C# B7/6 B7/5+ EMesmo calada a boca resta o peito, silêncio na cidade não se escutaDe que me vale ser filho da santa, melhor seria ser filho da outraOutra realidade menos morta, tanta mentira, tanta força bruta C#m C5M E/B F#/A#Como é difícil acordar calado, se na calada da noite eu me dano A7M F#/A# B7/6 B7/5+ EQuero lançar um grito desumano que é uma maneira de ser escutadoEsse silêncio todo me atordoa, atordoado eu permaneço atentoNa arquibancada, prá qualquer momento, ver emergir o monstro da lagoaDe muito gorda a porca já não anda, de muito usada a faca já não cortaComo é difícil, pai, abrir a porta, essa palavra presa na gargantaEsse pileque homérico no mundo, de que adianta ter boa vontadeMesmo calado o peito, resta a cuca dos bêbados do centro da cidadeTalvez o mundo não seja pequeno, nem seja a vida um fato consumadoQuero inventar o meu próprio pecado, quero morrer do meu próprio venenoQuero perder de vez tua cabeça, minha cabeça perder teu juízoQuero cheirar fumaça de óleo diesel, me embriagar até que alguém me esqueça
  50. 50. IolandaChico Buarque - Pablo MilanesIntr.: ( G ) C/E D/F#G C/GEsta canção não é mais que mais que uma cançãoD/F# G C DQuem dera fosse uma declaração de amorG CRomântica, sem procurar a justa formaD GDo que me vem de forma assim tão caudalosaG C D G C/GTe amo, te amo, eternamente, te amoG C/G D/F# G C/GDSe me faltares nem por isso eu morro, se é prá morrer quero morrer contigoG C D GMinha solidão se sente acompanhada, por isso às vezes sei que necessitoTeu colo, teu colo, eternamente, teu coloG C/G D/F# G C/G DQuando te vi eu bem que estava certo de que me sentiria descobertoG C D GA minha pele vai despindo aos poucos, me abres o peito quando me acumulasDe amores, de amores, eternamente, de amoresG C/G D/F# G C/G DSe alguma vez me sinto derrotado eu abro mão do sol de cada diaG C D GRezando o credo que tu me ensinaste, olho teu rosto e digo à ventaniaG C D GIolanda, Iolanda, eternamente, IolandaC/G D G Eternamente, Iolanda
  51. 51. Flash BackDaltoIntr.: ( G G5+ G G5+ )G G5+ G6 G7Quando seu rosto aparecer à minha portaC Bm7 EmE seu olhar simplesmente encontrarAm7 Bm7 Cm7 D7/9O meu sorriso dizendo bem-vinda, pode chegarQuase parada você vai entrar encabuladaVendo que aqui pouca coisa mudouNós sentaremos sentindo que agora tudo, tudo passouC G/B AmAcho que eu mereço ganhar Am7/G D7O prêmio Nobel da pazC G/B AmAcho que eu preciso brindar Am7/G F C/E D7 D/CO nosso amorMas de repente eu me vejo sozinhoE minha porta fechada pro amorFoi só um flash backPorque meu cigarro nesse instante apagou
  52. 52. Muito EstranhoDalto - Claudio RabelloIntr.: G/D F/C E/B D# G Em C A7 D7 CG CHum! Mas se um dia eu chegar muito estranhoD7 G C/DDeixa essa água no corpo lembrar nosso banhoG G7 CHum! Mas se um dia eu chegar muito loucoD7 G G7Deixa essa noite saber que um dia foi pouco C G/B AmCuida bem de mim D7 A CEntão misture tudo dentro de nós D7 G C/DPorque ninguém vai dormir nosso sonhoG C G/BHum! Minha cara prá que tantos planos Am D7 G C/DSe quero te amar e te amar e te amar muitos anosG C G/BHum! Tantas vezes eu quis ficar soltoAm D7 G G7Como se fosse uma lua a brincar no teu rostoCuida bem de mimEntão misture tudo dentro de nósPorque ninguém vai dormir nosso sonho
  53. 53. O Canto da CidadeTote Gira - Daniela MercuryIntr.: D C/D (D C/D)A cor dessa cidade sou eu, o canto dessa cidade é meu BIS DO gueto, a rua, a fé C GEu vou andando a pé D F#m C GPela cidade bonita D F#mO toque do afoxé C GE a força de onde vem D F#mNinguém explica C GEla é bonita Bm EmÔ ô, verdadeiro amor Bm EmÔ ô, você vai onde eu vou BIS D F#mNão diga que não me quer C GNão diga que não quer mais D F#mEu sou o silêncio da noite C GO sol da manhã D F#mMil voltas o mundo tem C GMas tem um ponto final D F#mEu sou o primeiro que canta C GEu sou o carnaval
  54. 54. Meu Bem QuererDjavanIntr.: ( C7M Dm/C )(C7M Dm/C)Meu bem querer, é segredo, é sagradoEstá sacramentado em meu coração C7M B°Meu bem querer, tem um quê de pecado acariciado pela emoçãoAm7 Em7 F7M E/GMeu bem querer, meu encanto, tô sofrendo tantoEm7 Ab° G° D7/F# Fm6 C/E F/G E/G C7MAmor, e o que é o sofrer para mim que estou jurado prá morrer de amor
  55. 55. SinaDjavanIntr.: ( A D/A )A D/APai e mãe, ouro de minaA E7/G#Coração, desejo e sinaF#m7 C#m7 D7MTudo mais, pura rotina, jazzD#° ATocarei seu nome prá poder falar de amorD/A AMinha princesa, art-nuveauE7/G# F#m7Da natureza, tudo o maisC#m7 D7M D#°Pura beleza, jazz D/E C/D F#m7A luz de um grande prazer é irremediável neon D/E D7/9 E7Quando o grito do prazer açoitar o ar, reveillonA D/AO luar, estrela do mar A E7/G#O sol e o dom, quiçá, um dia a fúria F#m7 C#m7Desse front virá lapidar D7MO sonho até gerar o som E7 AComo querer caetanear o que há de bom
  56. 56. OceanoDjavanIntr.: D9 D7M G7M G/AAssim que o dia amanheceu Bb° Bm Bm7M Bm7Lá no mar alto da paixão Bm6 Am7 D7/9Dava prá ver o tempo ruirGm7 C7/9 F#m7Cadê você, que solidãoB7/9- E7/9 G/AEsquecerá de mim D7M G7M G/AEnfim, de tudo que há na terra Bb° Bm Bm7M Bm7Não há nada em lugar nenhum Bm6 Am7 D7/9Que vá crescer sem você chegarGm7 C7/9 F#m7Longe de ti tudo parouB7/9- E7/9 G/ANinguém sabe o que eu sofriDm C7/9 F7M Em7/5- A7/5+Amar é um deserto e seus temoresDm7 C7/9 F7MVida que vai na sela dessas dores Gm7 Am7 Bb7M Em7/9 A7/5+Não sabe voltar, me dá teu calorDm C7/9 F7M Em7/5- A7/5+Vem me fazer feliz porque eu te amoDm7 C7/9 F7MVocê deságua em mim e eu oceano Gm7 Am7 Bb7M Em7/5- A7/5+Esqueço que amar é quase uma dorD9 F7M G6/9 C D9 F7M G6/9 C D7MSó sei vi...ver se for por vo...cê
  57. 57. Flor de LisDjavanIntr.: ( C7M Fm7M/A ) C7M Bm4/7 E7Valei-me Deus, é o fim do nosso amor Am7 D7/9 Gm7 C7/9Perdoa por favor, eu sei que o erro aconteceu F#m5-/7 B7/9- F7M Am7Mas não sei o que fez tudo mudar de vez F#m5-/7Onde foi que eu errei B7/9- Em7 A7/5+ D7/9 G5+/7Eu só sei que amei, que amei, que amei, que amei C7M Bm7/4 E7Será, talvez, que minha ilusão Am7 D7/9 Gm7Foi dar meu coração com toda força C7/9 F#m7/5-Prá essa moça me fazer felizB7/9- F7ME o destino não quis Am7 F#m7/5- B7/9- Em7 Am7Me ver como raiz de uma flor de lis Dm7 Fm7 C7ME foi assim que eu vi nosso amor na poeira, poeiraF/A Fm/Ab C7MMorto na beleza fria de Maria C7 F7M Bb7/9 Em7E o meu jardim da vida ressecou, morreu A5+/7 D7/9 G5+/7 C7M (G5+/7)Do pé que brotou Maria nem Margarida nasceu
  58. 58. Pavão MysteriozoEdnardoIntr.: A A G D A EPavão mysteriozo, pássaro formoso, tudo é mistério nesse teu voar A G DAh, se eu corresse assim, tantos céus assim A E AMuita história eu tinha prá contar F#m B F#mPavão mysteriozo nessa cauda aberta em lequeDm Am E7Me guarda moleque de eterno brincar Am DmMe poupa do vexame de morrer tão moçoAm E A A4 A5- A4Muita coisa ainda quero olharREFRÃO F#m Am Am/GPavão mysteriozo, meu pássaro formoso G CNo escuro desta noite me ajuda a cantarAm DmDerrama essas faíscas, despeja esse trovãoAm E A A4 A5- A4Desmancha isso tudo que não é certo não A G DPavão mysteriozo, pássaro formosoA EUm conde raivoso não tarda a chegar A A7 D DmNão temas minha donzela, nossa sorte nessa guerraA E AEles são muitos mas não podem voar
  59. 59. FascinaçãoF. D. Marchetti - M. Feraudy G7M F#7M G7MOs sonhos mais lin...dos sonhei G/B Bb° Am7 D7De quimeras mil um castelo ergui Am7 D7E no seu olhar, tonto de emoção, Am7 A7/6 D#9 D9Com sofreguidão mil venturas previO teu corpo é luz, seduçãoPoema divino, cheio de esplendor C Bm7 A7/6Teu sorriso prende, inebria, entontece Am7 D7 G7MÉs fascinação, amor
  60. 60. RomariaRenato TeixeiraIntr.: (D/F# Gm6) (D G)D G D GÉ de sonho e de pó o destino de um só D F# Bm F# F#4 F#Feito eu perdido em pensamentos sobre o meu cavaloBm E Bm EÉ de laço e de nó, de gibeira e jiló Bm F# BmDessa vida comprida a sol G D/F# Em A D F# BmSou caipira, Pira...pora, Nossa Senhora de AparecidaBm/A G D/F# Em A D (D4 D D9) (D4/7)Ilu...mina a mina escura e funda o trem da minha vidaO meu pai foi peão, minha mãe, solidãoMeus irmãos perderam-se na vida à custa de aventuraDescasei, joguei, investi, desistiSe há sorte, eu não sei, nunca viREFRÃOMe disseram, porém, que eu viesse aquiPrá pedir de romaria e prece paz nos desaventosComo eu não sei rezar, só queria mostrar meu olharMeu olhar, meu olharREFRÃO
  61. 61. MadalenaIvan Lins - Vitor MartinsIntr.: ( C7M Dm7 ) C7M (Dm7 C7M)Madalena, o meu peito percebeu que o mar é uma gota Gm7 C9comparado ao pranto meu F7M (Bb/C F7M)Fique certa, quando o nosso amor desperta logo o sol se desespera Em A7e se esconde lá na serra Dm Dm/C Bm7Madalena, o que é meu não se divide E7 Am7Nem tão pouco se admite Am7/G F#m7 B7Quem do nosso amor duvide E7M F#m7 G#m7Até a lua se arrisca num palpite G7MQue o nosso amor existe C/D F/GForte ou fraco, alegre ou triste
  62. 62. Casa no CampoZé Rodrix - TavitoAEu quero uma casa no campoA7M F#7Onde eu possa compor muitos rocks ruraisG Am7 Bm7E tenha somente a certezaC7M F A G/ADos amigos do peito e nada maisEu quero uma casa no campoOnde eu possa ficar do tamanho da pazE tenha somente a certeza DDos limites do corpo de nada maisBm F#7Eu quero carneiros e cabras pastando solenes no meu jardimBm D E7Eu quero o silêncio das línguas cansadasA A7 D D#°Eu quero a esperança de óculos e um filho de cuca legalA F#m G D E7Eu quero plantar e colher com a mão a pimenta e o salEu quero uma casa no campoDo tamanho ideal, pau-a-pique e sapêBm D BOnde eu possa plantar meus amigos E7 AMeus discos e livros, e nada mais
  63. 63. Como Nossos PaisBelchiorBm7 E7Não quero lhe falar meu grande amor das coisas que aprendi nos discosA7 DQuero lhe contar como vivi e tudo que aconteceu comigo Bm7 E7Viver é melhor que sonhar, eu sei que o amor é uma coisa boaA7 DMas também sei que qualquer canto é menor do que a vida de qualquer pessoa A7 GPor isso cuidado meu bem, há perigo na esquinaA7 D A4/7 A7Eles venceram e o sinal está fechado prá nós que somos jovensD D7 GPara abraçar seu irmão e beijar sua menina na ruaA7 DÉ que se fez o seu braço, o seu lábio e a sua voz G C7 DVocê me pergunta pela minha paixão B7 Em A7 DDigo que estou encantada com uma nova invenção F#m G C7 DEu vou ficar nesta cidade, não vou voltar pro sertão B7 Em A7 DPois vejo vir vindo no vento o cheiro da nova estação F#m G E/G# A4/7 A7Eu sei de tudo na ferida viva do meu coração D F#m G D F#m DJá faz tempo que eu vi você na rua, cabelo ao vento, gente jovem reunida D F#m G E/G# A4/7 A7Na parede da memória essa lembrança é o quadro que dói mais D G D GMinha dor é perceber que apesar de termos feito tudo que fizemos D F#m G E/G# A4/7 A7Ainda somos os mesmos e vivemos como nossos pais D F#m G D F#m GNossos ídolos ainda são os mesmos e as aparências não enganam não D F#m G E/G# A7Você diz que depois deles não apareceu mais ninguém D G D GVocê pode até dizer que eu tô por fora, ou então que eu tô inventando D F#m G E/G# AMas é você que ama o passado e que não vê D F#m GÉ você que ama o passado e que não vê E/G# A7Que o novo sempre vem D G D F#m GHoje eu sei que quem me deu a idéia de uma nova consciência e juventude D F#m G E/G# A4/7 A7Tá em casa guardado por Deus contando vil metal D G D GMinha dor é perceber que apesar de termos feito tudo, tudo que fizemos D F#m G E/G# A7Ainda somos os mesmos e vivemos D F#m G E/G# A4/7 A7Ainda somos os mesmos e vivemos como nossos pais
  64. 64. O Bêbado e a EquilibristaJoão Bosco - Aldir Blanc A A7M A7M/6Caía a tarde feito um viaduto Em/C# F#7 Bm7E um bêbado trajando luto me lembrou Carlitos Bm Bm7M Bm7A lua tal qual a dona do bordel E7 Bm7 E7 A7M F#7/5+ Bm7Pedia a cada estrela fria um brilho de a...lu...guelE7 A Bm7 C#m7 D7M A7M/6E nuvens lá no mata-borrão do céu Em/G F#7 Em/C# F#7 Bm7 Dm7 G7/6Chupavam manchas torturadas, que sufoco louco C#m7 F#m7 B7/6 B7/6-O bêbado com chapéu coco fazia irreverências mil Bm7 Em7/9 A7M E7Prá noite do Bra...sil, meu Brasil A A7M A7M/6Que sonha com a volta do irmão do Henfil Em/C# F7M Bm7MCom tanta gente que partiu num rabo de fogueteBm7 Bm7M Bm7Chora a nossa pátria mãe gentil E7 Bm7 E7 A7M F#7/5+ Bm7 E7Choram marias e clarisses no solo do Brasil A Bm7 C#m7 D7M A7M/6 Em/G F#7Mas sei que uma dor assim pungente não há de ser inutilmenteEm/C# F#7 Bm7 Dm7 G7/6 C#m7A espe...rança dança na corda bamba de sombrinha F#m7 B7/6 B7/6- Bm7 Em7/9 C#° E°E em cada passo dessa linha pode se ma...chu...carDm7 G7/6 C#m7Azar, a esperança equilibristaF#m7 B7/6 B7/6- Bm7 E7 A7MSabe que o show de todo artista tem que conti...nu...ar
  65. 65. CanteirosFagner - Cecília MeirelesIntr.: D GD A Bm Bm/A G DQuando penso em você fecho os olhos de saudade A G F# A/B A7Tenho tido muita coisa, menos a felicidadeD A Bm Bm/A G DCorrem os meus dedos longos em versos tristes que invento A F# A/BNem aquilo a que me entrego já me traz contentamento D7 G C7 FPode ser até manhã, cedo claro feito dia Gm A DmMas nada do que me dizem me faz sentir alegria D7 Gm C7 FEu só queria ter no mato um gosto de framboesa Gm A DmPrá correr entre os canteiros e esconder minha tristeza(Dm Dm/C Dm/B Dm/Bb)Que eu ainda sou bem moço prá tanta tristezaE deixemos de coisa, cuidemos da vida,Pois se não chega a morte ou coisa parecidaE nos arrasta moço, sem ter visto a vida
  66. 66. RevelaçãoClodô - ClésioIntr.: ( Am Am/G F7M E4 E7 )Am Am/G F7MUm dia vestido de saudade vivaG E4 E7Faz ressuscitarAm Am/G F7MCasas mal vividas, camas repartidasG E F#m G° E7/G#Faz se revelarA C#m Em7 A7 D DmQuando a gente tenta de toda maneira dele se guardar A F#m B4/7 B7Sentimento ilhado, morto, amordaçadoBm E7 A (Am)Volta a incomodar
  67. 67. Eternas OndasZé Ramalho Colaboração Erro! Indicador não definido.Tom: C#mC#m D#m7/5- G# C#m Quanto tempo temos antes de voltarem aquelas ondasF#m B7 G# C#mQue vieram como gotas de silêncio tão furioso;E G#Derrubando homens entre outros animais,D#m7/5- G# C#mDevastando a sede desses matagais (bis);F#m G#Derrubando árvores, pensamentos seguindo C#m F#m B7 G# C#mA linha do que foi escrito pelo mesmo lado tão furioso,E G# D#m7/5-E se teu amigo vento não te procurar G# C#mÉ porque multidões ele foi arrastar (bis).
  68. 68. Canção da DespedidaGeraldo Azevedo - Geraldo Vandré Colaboração Erro! Indicador não definido.Intr.: C G/B F/A Fm/Ab C/G C/E F Fm/Ab Am Am/G D/F# Fm C D/F# F C F/G C Bb7/F C F/C C Bb Bm5-/7 E7Já vou embora, mas sei que vou voltar, Am Am/G D/F# F7M E7 Am7 F/GAmor não chora se eu volto é pra ficar C F/C C Bb Bm5-/7 E7Amor não chora, que a hora é de deixar, Am Am/G D/F# F7M E7 Am7 G7O amor de agora, pra sempre ele ficar C G/B Am7 G F G C G/BEu quis ficar aqui, mas não podia Am7 G F G CO meu caminho a ti, não conduzia A° Em7 A7 DmUm rei mal coroado, não queria, Bm7 Bb7 Am7 F7M D/F#O amor em seu reinado, pois sabia, G CNão ia ser amado, G/B Am G F G C G/BAmor não chora, eu volto um dia, Am G F G CUm rei velho e cansado, já morria, A° Em7 A7 DmPerdido em seu reinado, sem Maria, Bm7 Bb7 Am7Quando eu me despedia, F D/F# G C F/GE no meu canto lhe dizia(REFRÃO)
  69. 69. DisparadaGeraldo Vandré - Théo D G D GPrepare o seu coração prás coisas que eu vou contar C Bm C Am D GEu venho lá do sertão, eu venho lá do sertão B7 Em C Am D GEu venho lá do sertão e posso não lhe agradar D G D GAprendi a dizer não, ver a morte sem chorar C Bm C Am D GE a morte, o destino, tudo, a morte e o destino, tudo B7 Em C Am D GEstava fora do lugar, eu vivo prá consertar G7 C A7 DNa boiada já fui boi, mas um dia me montei B7 Em C D GNão por um motivo meu, ou de quem comigo houvesse B7 Em B7 CQue qualquer querer tivesse, porém por necessidade Am D G C Am D GDo dono de uma boiada cujo vaqueiro morreu D G D GBoiadeiro muito tempo, laço firme e braço forte C Bm C Am D GMuito gado, muita gente, pela vida segurei B7 Em C Am D GSeguia como num sonho, e boiadeiro era um rei D G D GMas o mundo foi rodando nas patas do meu cavalo C Bm C Am D GE nos sonhos que fui sonhando, as visões se clareando B7 Em C Am D GAs visões se clareando, até que um dia acordei D G D GEntão não pude seguir valente em lugar tenente C Bm C Am D GE dono de gado e gente, porque gado a gente marca B7 Em C Am D GTange, ferra, engorda e mata, mas com gente é diferente D G D GSe você não concordar não posso me desculpar C Bm C Am D GNão canto prá enganar, vou pegar minha viola B7 Em C Am D GVou deixar você de lado, vou cantar noutro lugar G7 C A DNa boiada já fui boi, boiadeiro já fui rei B7 Em C Am D GNão por mim nem por ninguém, que junto comigo houvesse B7 C B7 CQue quisesse ou que pudesse, por qualquer coisa de seu B7 C Am D GPor qualquer coisa de seu querer ir mais longe do que eu D G D GMas o mundo foi rodando nas patas do meu cavalo C Bm C GE já que um dia montei agora sou cavaleiro B7 Em C Am D G
  70. 70. Laço firme e braço forte num reino que não tem rei(G7 C D G)
  71. 71. Prá Não Dizer que Não Falei das FloresGeraldo VandréIntr.: Am GCaminhando e cantando e seguindo a cançãoSomos todos iguais, braços dados ou nãoNas escolas, nas ruas, campos, construçõesCaminhando e cantando e seguindo a cançãoVem, vamos embora que esperar não é saberQuem sabe faz a hora não espera acontecerPelos campos a fome em grandes plantaçõesPelas ruas marchando indecisos cordõesAinda fazem da flor seu mais forte refrãoE acreditam nas flores vencendo canhãoREFRÃOHá soldados armados, amados ou nãoQuase todos perdidos de armas na mãoNos quartéis lhes ensinam uma antiga liçãoDe morrer pela pátria e viver sem razãoREFRÃONas escolas, nas ruas, campos, construçõesSomos todos soldados, armados ou nãoCaminhando e cantando e seguindo a cançãoSomos todos iguais, braços dados ou nãoOs amores na mente, as flores no chãoA certeza na frente, a história na mãoCaminhando e cantando e seguindo a cançãoAprendendo e ensinando uma nova liçãoREFRÃO
  72. 72. Não Chores MaisGilberto Gil (versão)Intr.: G7 C G/B Am F C G C G7C G/B Am FNo woman, no cryC G C G7No woman, no cry BISC G/B Am F C G C G7Bem que eu me lembro a gente sentado ali na grama do aterro sob o solObservando hipócritas disfarçados, rondando ao redorAmigos presos, amigos sumindo assim, prá nunca maisNas recordações, retratos do mal em si, melhor é deixar prá trásNão, não chore maisNão, não chore maisBem que eu me lembro a gente sentado ali na grama do aterro sob o céuObservando estrelas junto à fogueirinha de papelQuentar o frio, requentar o pão e comer com vocêOs pés, de manhã, pisar o chão, eu sei a garra de viverC F CMas, se Deus quiserC G/B Am FTudo, tudo, tudo vai dar pé, tudo, tudo, tudo vai dar péTudo, tudo, tudo vai dar pé, tudo, tudo, tudo vai dar péTudo, tudo, tudo vai dar pé, tudo, tudo, tudo vai dar péNão, não chore maisNão, não chore mais
  73. 73. XodóGilberto GilIntr.: ( D G D A7 ) D Bm F#mQue falta eu sinto de um bem G A7 D A7Que falta me faz um xodó D Bm F#mMas como eu não tenho ninguém G A7 DEu levo a vida assim tão só Am7 D7Eu só quero um amor Am7 EQue acabe o meu sofrer Bm Em Bm EmUm xodó prá mim do meu jeito assim G F#m Em A7 DQue alegre o meu viver
  74. 74. MarinaDorival Caymmi D7M B7 Em B7 B7/5+Marina, morena, Marina, você se pintou Em A7 D7MMarina você faça tudo mas faça o favor Bm Bm7 F#m B7Não pinte esse rosto que eu gosto e que é só meu E7 Em A7/5+Marina você já é bonita com que Deus lhe deu D7M B7 Em B7 B7/5+Me aborreci, me zanguei, já não posso falar Em A7 F#7/6 F#5+ B7E quando eu me zango, Marina, não sei perdoar G7M C7/9Eu já desculpei tanta coisa D7M B7/6 B7/5+Você não arranjava outro igual Em A7Desculpe, morena Marina D7M G7MMas eu tô de mal C7/9 D7M G7MDe mal com você C7/9 D7MDe mal com você
  75. 75. Se Eu Quiser Falar com DeusGilberto GilIntr.: ( F#m7 F7M D/E )A7M G#m4/7 C#7/9- F#m7 A7 D7M Dm6 A7MSe eu quiser falar com Deus tenho que ficar a sós G#m4/7 C#7/9- F#m7 A7 D7M Dm6 A7M Bm5/7- Ab°Tenho que apagar a luz, tenho que calar a vozA7M G#m4/7 C#7/9- F#m7+ F#m7 Em7 Eb5-/7 D7M Dm6 Em6Tenho que encontrar a paz, tenho que folgar os nós D7M C#7/9- F#m7 G7MDos sapatos, da gravata, dos desejos, dos receios G#m5-/7 C#7/9- F#m7 D#° A7MTenho que esquecer a data, tenho que perder a conta F° F#m7 F7M D/E A7MTenho que ter mãos vazias, ter a alma e o corpo nusA7M G#m4/7 C#7/9- F#m7 A7 D7M Dm6 A7MSe eu quiser falar com Deus tenho que aceitar a dor G#m4/7 C#7/9- F#m7 A7 D7M Dm6 A7M Bm5/7- Ab°Tenho que comer o pão que o diabo amassouA7M G#m4/7 C#7/9- F#m7+ F#m7 Em7 Eb5-/7 D7M Dm6 Em6Tenho que virar um cão, tenho que lamber o chão D7M C#7/9- F#m7 G7MDos palácios, dos castelos suntuosos do meu sonho G#m5-/7 C#7/9- F#m7 D#° A7MTenho que me ver tristonho, tenho que me achar medonho F° F#m7 F7M D/E A7ME apesar de um mal tamanho alegrar meu coraçãoA7M G#m4/7 C#7/9- F#m7 A7 D7M Dm6 A7MSe eu quiser falar com Deus tenho que me aventurar G#m4/7 C#7/9- F#m7 A7 D7M Dm6 A7M Bm5/7- Ab°Tenho que subir aos céus sem cordas prá segurarA7M G#m4/7 C#7/9- F#m7+ F#m7 Em7 Eb5-/7 D7M Dm6 Em6Tenho que dizer adeus, dar as costas, caminhar D7M C#7/9- F#m7 G7MDecidido pela estrada que ao findar vai dar em nada G#m5-/7 C#7/9- F#m7 D#° A7MNada, nada, nada, nada, nada, nada, nada, nada, F° F#m7 F7M D/E A7MNada, nada, nada, nada do que eu pensava encontrar
  76. 76. Super-Homem, a CançãoGilberto GilIntr.: A7M Aº A7M A° A7M Aº A7MUm dia vivi a ilusão de que ser homem bastariaAº G#m7Que o mundo masculino tudo me dariaC#7/9- F#7MDo que eu quisesse ter A7M Aº A7MQue nada, minha porção mulher que até então se resguardaraAº G#m7É a porção melhor que trago em mim agoraC#7/9- F#7M Em7 A7É o que me faz viver D7M D#º C#m7 F#7/9-Quem dera pudesse todo homem compreender, ó mãe, quem dera Bm7Ser o verão no apogeu da primavera F#7/9- B7/9 Bm7 E7/9-E só por ela ser A7M Aº A7MQuem sabe o super-homem venha nos restituir a glóriaAº BmMudando como um Deus o curso da históriaE7/9 A Dm7 G7 C C° C C° Bm7 E7/9-Por causa da mulherQuem sabe o super-homem venha nos restituir a glóriaMudando como um Deus o curso da históriaPor causa da mulher
  77. 77. EsotéricoGilberto GilIntr.: G F#m Em A Bm D G F#m Em A (D Bm G)D Bm E/DNão adianta nem me abandonar DPorque mistério sempre há de pintar por aí Bm E/D GPessoas até muito mais vão lhe amar DAté muito mais difíceis que eu prá você G DQue eu, que dois, que dez, que dez milhões, todos iguaisF#7 BmAté que nem tanto esotérico assim E7 A7 Ab5-/7 GSe eu sou algo incompreensível, meu Deus é maisGm DMistério sempre há de pintar por aíD Bm E/D GNão adianta nem me abandonar (não adianta não)Nem ficar tão apaixonada, que nadaQue não sabe nada DQue morre afogada por mim
  78. 78. Vamos FugirGilberto Gil - LiminhaIntr.: D E7 F#m A E7 F#mVamos fugir deste lugar, baby, vamos fugir D E7 F#mTô cansado de esperar que você me carregueVamos fugir proutro lugar, babyVamos fugirPronde quer que você vá, que você me carregue A E7 DPois diga que irá, Irajá, Irajá A E7 DPrá onde eu só veja você, você veja mim só, Marajó, MarajóQualquer outro lugar comum, outro lugar qualquer, Guaporé, GuaporéQualquer outro lugar ao sol, outro lugar ao sul, céu azul, céu azul E D E DOnde haja só o meu corpo nu junto ao seu corpo nuVamos fugir proutro lugar, babyVamos fugirPronde haja um tobogã onde a gente escorregueREPETE D E7 F#mTodo dia de manhã flores que a gente regueUma banda de maçã, outra banda de reggaeTô cansado de esperar que você me carreguePrá onde quer que você vá, que você me carreguePrá onde haja um tobogã onde a gente escorregue
  79. 79. Tempo ReiGilberto GilIntr.: Em D C G G4 G G4 G BmNão me iludo, tudo permanecerá de um jeito AQue tem sido, transcorrendo, transformandoAm D7/9Tempo e espaço navegando todos os sentidosG BmPães de Açúcar, CorcovadosA E7 A D4/7Fustigados pela chuva e pelo eterno vento G BmÁgua mole, pedra duraA E7 A D4/7Tanto bate que não restará nem pensamento G D G D G D Em DTempo rei, ó tempo rei, ó tempo rei, transformai as velhas formas do viver G D G D G D EmF7MEnsinai, ó Pai, o que eu ainda não sei, mãe senhora do Perpétuo socorrei G BmPensamento, mesmo fundamento singular ADo ser humano, de um momento para o outro Am D4/7Poderá não mais fundar nem gregos nem baianos G BmMães zelosas, pais corujasA E7 A D4/7Vejam como as águas de repente ficam sujas G BmNão se iludam, não me iludoA E7 A D4/7Tudo agora mesmo pode estar por um segundo
  80. 80. A PazJoão Donato - Gilberto Gil Colaboração Erro! Indicador não definido.Intr.: Bm Am C D7 G AmA paz invadindo meu coração D7 GDe repente me encheu de paz AmComo se o vento de um tufão D7 Bb7MArrancasse meus pés do chão Am7Onde um dia não me enterro mais G AmA paz fez um mar da revolução D7 GInvadir meu destino a paz AmComo aquela grande explosão D7 Bb7MUm bomba sobre o Japão AmFez nascer um Japão na paz Bb7M GmEu pensei em mim eu pensei em ti Am7 D7/4 D7Eu chorei por nós Bbm7 GmQue contradição só a guerra faz Am7 D7/4 D7Nosso amor em paz G AmEu vim vim para na beira do cais D7 GOnde a estrada chegou ao fim AmOnde o fim da tarde é lilás D7 Bbm7Onde o mar arrebenta em mim D7/4 D7O lamento de tantos ais
  81. 81. Meu Mundo e Nada MaisGuilherme ArantesIntr.: E° G E° G E° Am7 D7 GG E° G BmQuando eu fui ferido vi tudo mudarDm G C F CDas verdades que eu sabiaSó sobraram restos que eu não esqueciToda aquela paz que eu tinhaC G D GEu que tinha tudo hoje estou mudo, estou mudado Em Am DÀ meia-noite, à meia luz, pensando G C D GDaria tudo por um modo de esquecerC G D GEu queria tanto estar no escuro do meu quarto Em Am DÀ meia-noite, à meia luz, sonhando G C D G (E° G) Am D GDaria tudo por meu mundo e nada maisNão estou bem certo se ainda vou sorrirSem um traço de amarguraComo ser mais livre, como ser capazDe enfrentar um novo dia
  82. 82. Brincar de ViverGuilherme ArantesIntr.: A C#m7 D7M DmA A7M DQuem me chamou não vai querer voltar pro ninhoA A7M D DmE redescobrir seu lugarA A7M DPrá retornar e enfrentar o dia-a-diaA A7M D E/G#Reaprender a sonhar E7 Em/G A7 D/F#Você verá que é mesmo assim, que a história não tem fimD Bm7 E7 A7M D7MContinua sempre o que você responde sim à sua imaginação Bm7 E7 A7M C#m7 D7M D/EA arte de sorrir cada vez que o mundo diz nãoVocê verá que a emoção começa agoraAgora é brincar de viverNão esquecer, ninguém é o centro do universoAssim é maior o prazer A7M C#m D7MVocê verá ... o mundo diz nãoC Em7 Dm Fm C Dm7 G7E eu desejo amar todos que eu cruzar pelo meu caminhoC Em7 Dm E7 Am7Como sou feliz, eu quero ver felizAm/G F E7 A C#m7 DQuem andar comi...go, vem

×