• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
Revista eventos
 

Revista eventos

on

  • 249 views

 

Statistics

Views

Total Views
249
Views on SlideShare
249
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
0
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Revista eventos Revista eventos Document Transcript

    • Dossier temático - Entrevista Protocolo Protocolo – um bem necessário A vida sem regras seria, no mínimo, um autêntico caos. Em menor escala, esta constatação aplica-se com toda a certeza aos eventos sociais e profissionais. Na verdade, as regras, ou o protocolo, servem para poupar ao organizador de eventos muitos problemas e constrangimentos. O dossiê que se segue não pretende ser um manual de regras, mas sim potenciar a reflexão sobre estas matérias e dar algumas pistas Desafio Global para quem se inicia ou quer saber mais sobre protocolo e imagem. Protocolo, etiqueta e cortesia são conceitos diferentes, nariz e diga mal das regras particulares? Não se perceberá, podendo, muito embora, ter pontos coincidentes. Come- de uma vez por todas, que elas se destinam, por junto, a cemos pela definição dada pela Enciclopédia Verbo para ordenar e a tornar mais fácil e agradável o trânsito na so- protocolo: “normas de cerimonial e cortesia a observar quer ciedade e na vida? Não se perceberá que é para isso que o em relações diplomáticas, quer em certos actos públicos de Protocolo serve, para evitar choques, acidentes, problemas? carácter civil, militar ou religioso.” Para resolver – e não para criar – dificuldades?” Segundo Elisabete Andrade, em “Gestos, Cortesia, Etiqueta, E justamente para que a vida do organizador de eventos Protocolo”, este último pode ser definido como “uma lin- seja facilitada, torna-se vital que este conheça as regras es- guagem universal que tem por objectivo tornar as relações senciais do protocolo, bem como a sua aplicação prática. interpessoais mais fáceis e prazenteiras.” Esta linguagem Protocolo implica naturalmente cortesia. O primeiro não existe tem regras e a sua aplicação é estreita, sobretudo quando se sem o segundo, mas a inversa não é verdadeira. A cortesia fala em actos oficiais. Já Maria Rosa Marchesi em “O Livro sobrevive ao protocolo, sendo em traços gerais a aplicação das do Protocolo” refere que “em sentido estrito, protocolo é o regras da boa educação, a delicadeza, polidez, urbanidade. conjunto de regras precisas que regem o cerimonial.” Etiqueta, simplificando, tem que ver com boas maneiras. Isabel Amaral, no livro “Imagem e Sucesso”, brinda-nos A sua utilização acaba por definir a fronteira entre quem é com uma excelente analogia para melhor se entender o mais polido e quem é menos, quem é mais ou menos co- protocolo: “que outra coisa é o Código da Estrada do que nhecedor das regras de convivência em sociedade. Regras um Protocolo do Trânsito? E, se toda a gente aceita, sem essas que são importantes, e não inúteis, como eventual- fazer troça, o Código da Estrada, por que há quem torça o mente se possa pensar. www.festaseeventos.net 21
    • Dossier temático - Protocolo Imagem e sucesso A propósito de protocolo e imagem, fomos ouvir a maior especialista portuguesa nestas matérias, Isabel Amaral. Em discurso directo, a autora dos títulos “Imagem e Sucesso” e “Imagem e Internacionalização”, analisa, entre outras questões, a importância do protocolo e de uma imagem cuidada para o sucesso Desafio Global Desafio Global Luís Catarino de um evento. Festas & Eventos: De que forma a imagem do organiza- idênticos, por exemplo duas empresas organizadoras de dor influencia a imagem final do evento? eventos, ou marcas com igual notoriedade, o que faz Isabel Amaral: Um dos principais objectivos dos even- a diferença e o que leva o cliente a escolher uma delas tos é projectar publicamente a imagem de determinada são as pessoas que trabalham nessa empresa, as pessoas pessoa, empresa ou instituição. O organizador de eventos responsáveis pelos contactos comerciais mas também as tem de transmitir profissionalismo, calma e saber estar que trabalham e dão a cara no dia do evento, assistentes, para projectar essa imagem positiva, ao longo de todo empregados, etc.. A imagem empresarial é o conjunto das o evento. Um organizador enervado, inseguro ou agres- imagens de todas estas pessoas que lidam com o público. sivo pode estragar todo o trabalho preparatório. Perante Como a imagem pessoal se decompõe em três elementos os imprevistos, que surgem sempre, o organizador tem – aparência, atitude e comportamento –, há que investir na de responder como se eles fossem previsíveis. Não pode formação e na valorização pessoal e profissional de quantos haver improviso, a não ser para resolver os imprevistos. O trabalham neste sector. planeamento logístico de um evento é fundamental para o seu sucesso e o organizador deve estabelecer um guião F&E: Pela sua experiência, quais são as falhas mais frequen- que lhe permita não transigir no essencial mas adaptar-se tes em termos de protocolo na organização de um evento? às mudanças no que for acessório. IA: Um evento público deve assentar em três pilares: protocolo, comunicação e segurança. Quando não há F&E: Quais as características/elementos-chave que se reflectem numa imagem de sucesso? imagem projectada é um desastre. As falhas devem-se fre- IA: Três elementos constituem a imagem empresarial: os quentemente à ausência dos chamados três Bs, em que o produtos, a marca e as pessoas. Perante produtos quase 22 coordenação entre os responsáveis por estas três áreas, a protocolo deve assentar: bom senso, boa educação e bom www.festaseeventos.net
    • Dossier temático - Protocolo gosto. Organizar um evento é um trabalho de equipa. Um quanto o presidente de uma empresa quer relacionar-se evento público que não chega aos media ou que, quando adequadamente com os seus clientes, fornecedores ou chega, é pelas piores razões não atingiu o seu objectivo. colaboradores, ambicionando, sobretudo, que todos se Mas mesmo num evento privado como um casamento, se sintam bem tratados. E isto significa nomeadamente dar a reportagem fotográfica falha é quase como se o casa- a cada um o lugar que lhe compete, segundo as funções mento não tivesse acontecido. que exerce. Nisto consiste o protocolo. F&E: Qual a importância de ter um especialista de protoco- F&E: O protocolo simplifica ou complica um evento? lo na organização de um evento profissional? IA: O cidadão comum associa o protocolo a grandes e so- IA: O serviço de consultoria protocolar a grandes eventos, lenes cerimónias, um pouco teatrais, em que pessoas algo em que a minha empresa foi pioneira, consiste em for- pomposas e muito bem vestidas parecem obedecer a uma necer uma espécie de «rede» para os eventos em que o «marcação» preestabelecida, que evita, quando evita, atro- risco de «cair do trampolim» e cometer gafes protocolares pelos, precipitações ou confusões. E o protocolo é de facto é maior. Mas a pouco e pouco, sem que se tenha feito uma encenação do poder. qualquer publicidade, a empresa começou a ser solicita- Mas, nos tempos que correm, o protocolo não se limita às da também para eventos de menor dimensão, mas onde normas escritas que regem o cerimonial do Estado. Inclui estão presentes autoridades oficiais: inaugurações, lança- também as normas que facilitam a vida no mundo em- mentos de produtos, conferências, entregas de prémios e presarial e profissional. Assim como a cortesia serve para galardões, etc. O protocolo empresarial não ensina apenas tornar mais fácil e agradável a vida em sociedade, evitando a melhor forma de receber uma pessoa ou estabelecer o choques, melindres e problemas, também o protocolo serve lugar em que ela se deve sentar. Também ajuda muito para resolver –e não para criar – dificuldades. www.festaseeventos.net 23
    • Dossier temático - Protocolo Desafio Global F&E: No caso do nosso evento ter convidados estrangeiros, deve prever-se sempre a possibilidade de fazerem pergun- que cuidados devemos ter? tas, obterem esclarecimentos e informações privilegiadas, IA: Respeitar as diferenças e demonstrar consideração pe- etc. Por mim, entendo que devem também ter acesso prévio los outros deverá ser a preocupação de quem pretende criar ao guião da cerimónia ou evento para saberem, antes dos uma boa relação interpessoal entre todos os convidados. No outros, melhor do que os outros, o que se vai passar. caso de culturas diferentes, haverá que fazer uma pesquisa prévia sobre restrições alimentares, tabus e superstições, F&E: Como reagir a queixas e situações inesperadas? usos e costumes diferentes que possam criar uma situação IA: Com calma e bom senso. E de forma positiva. Dizendo de incomodidade para alguns convidados. Não levarão a sempre: «tem toda a razão, mas…», «vamos resolver essa mal que aconselhe a leitura do meu livro «Imagem e In- situação». E fazendo um esforço para a resolver, de facto… ternacionalização» (Verbo), em que são analisados usos e costumes de 30 países. F&E: Já começam a existir cursos de protocolo. Como avaliaria a qualidade dos cursos? Pela sua experiência, quem os procura? F&E: Que tratamento deve ser dado aos jornalistas? Colocá-los num grupo à parte? Misturá-los com os convidados? profissional na área da imagem, comunicação e protocolo, IA: Depende. Os jornalistas estão presentes para trabalhar respondendo a uma procura crescente de formação neste ou para conviver? Estão a cobrir o evento ou são parte dele? domínio. Em 2003 aceitei o desafio de coordenar uma pós Se assistem ao evento em funções, para assegurar a sua graduação em Imagem, Protocolo e Organização de Even- cobertura, é fundamental dar-lhes condições para trabalhar. tos no ISLA de Lisboa. Tem tido uma adesão impressionan- O que não quer dizer que devam poder perturbar o evento te, estando neste momento a decorrer a 8ª edição. Quero que é suposto cobrirem. Eles não são parte do evento. Se crer que, se não tivesse qualidade, não teria tanta procura. são participantes não podem ser espectadores. E o que os A maioria dos alunos trabalha por conta de outrém, mas jornalistas devem ser, nestes casos, é espectadores – privi- alguns acabaram de se licenciar e pretendem lançar-se na legiados, empenhados, comprometidos, mas espectadores. aventura de criar uma empresa de organização de eventos. Devem ter lugar reservado. E, para os ajudar, devem ser Todos estão conscientes de que só com conhecimentos fun- acompanhados por um dos elementos da organização. E 24 IA: Desde 1996 que venho dando cursos de formação damentados se consegue ter sucesso neste domínio www.festaseeventos.net
    • Dossier temático - Protocolo F&E: Essa procura parte de uma decisão pessoal ou são as de Protocolo, que se encarrega de tudo o que é cerimonial empresas que motivam /fomentam essa aprendizagem? do Estado, acompanhando todas as acções que envolvam IA: É evidente que a organização de eventos necessita de o Presidente da República, o Primeiro-Ministro e o corpo técnicos especializados neste domínio, que saibam utilizar diplomático, e que tem competência especifica para dar pa- os seus conhecimentos como um instrumento de comu- receres àcerca das normas a aplicar em matéria de etiqueta nicação. Muitas empresas fomentam esta aprendizagem. e de precedências. Desde 1996 que venho dando cursos internos de formação Para quem tiver interesse em actualizar, aplicar e aprofun- profissional na área da imagem, comunicação e protocolo dar os conhecimentos de protocolo, existe desde 2005 uma respondendo a uma procura crescente de formação nesta Associação Portuguesa de Estudos de Protocolo (APEP), temática por parte das empresas portuguesas. cujos objectivos são o estudo e a divulgação das normas de cerimonial e protocolo, no âmbito oficial e empresarial e a F&E: Que ajudas existem para quem pretende saber mais prestação de serviços de consultoria e formação profissional sobre privilégios e precedências? nesta área. IA: Há doutrina mas não há – ou quase não há – legisla- A APEP pretende ainda congregar pessoas que executem ção. Os recentes projectos de lei dos dois maiores partidos tarefas de protocolo ou actividades conexas e fomentar a portugueses, visando estabelecer com clareza as regras investigação e a partilha de informações, promovendo o fundamentais a que deve obedecer o protocolo de Estado, intercâmbio com instituições governamentais nacionais ou podem vir a resolver muitos dos problemas com que nos de- estrangeiras, em áreas de conhecimento pertinentes para o frontamos neste domínio. São questões importantes, como cerimonial e protocolo. Um primeiro passo será a organiza- se vê pela polémica que esses projectos provocaram. E não ção em Portugal das I Jornadas Internacionais de Protocolo, há razões para surpresas: o protocolo não é uma questão de no próximo dia 21 de Novembro, na Gulbenkian (Lisboa). boas maneiras – é, como mostram as reacções aos projectos Outro, é a criação de um site e de um núcleo bibliográfico de lei, uma questão de poder. especializado nestas matérias e que ficará sediado na Bi- Enquanto a Assembleia da República não delibera, temos blioteca Genealógica de Lisboa, recentemente inaugurada de nos continuar a socorrer do Ministério dos Negócios Es- (Calçada Marquês de Abrantes,102). trangeiros e, mais especificamente, da Direcção de Serviços Foto: Desafio Global www.festaseeventos.net 25
    • Dossier temático - Protocolo Protocolo transmite poder Numa época em que a imagem é tudo, e em que “pa- de, conversa de circunstância, cartões de visita, forma de recer” vale por vezes mais do que “ser”, a importância cumprimentar, o que oferecer, entre outras, cabem no âm- destas matérias ganha redobrado fôlego. Há que saber bito do protocolo. E, se quer saber mais sobre estas maté- utilizar todos os instrumentos de comunicação ao nosso rias, pode consultar os diversos livros da especialidade, ou, alcance para passar a mensagem de um evento com suces- se preferir, fazer uma formação acompanhada. Além de so e prestígio. Deve prestar-se atenção ao detalhe, a todo vários cursos de Organização e Gestão de Eventos, existem o instante, pois, e isto é um lugar comum, basta por vezes instituições que promovem cursos de protocolo. A saber: um descuido para arruinar uma imagem que se demora ISLA, CERTFORM, Garfos e Letras, IP-Imagem Protocolo, anos a construir. Questões como o que vestir, pontualida- para citar apenas algumas. Isabel Amaral – Breve curriculum a Porto 2001 – Capital Europeia da Cultura. Desde então, especialistas portu- foi convidada para inúmeras conferências em Portugal e no guesas em Protocolo Estrangeiro. A actividade académica tem estado sempre Empresarial, Comu- presente na carreira de Isabel Amaral, tendo leccionado nicação e Imagem. em diversas Universidades. É representante em Portugal da Nascida em Lisboa, li- OICP – Organização Internacional de Cerimonial e Protocolo cenciada em Relações e Presidente da APEP – Associação Portuguesa de Estudos Públicas, trabalhou de 1969 a 1986 em diversas empresas. de Protocolo. Mais recentemente, trabalhou na Coordena- Em 1989 foi nomeada assessora para assuntos culturais do ção das Relações Institucionais da candidatura à Presidência Primeiro-Ministro, Cavaco Silva. Em 1996 decide fundar a do Prof. Aníbal Cavaco Silva, tendo colaborado na organi- empresa Isabel Amaral – Consultoria, Formação e Comuni- zação de diversos eventos. É autora dos livros “Imagem e cação, Unipessoal Lda. que colaborou com entidades como Sucesso” e “Imagem e Internacionalização”. Desafio Global Isabel Amaral É uma das maiores 26 www.festaseeventos.net