Futurismo Italiano

28,235 views
27,821 views

Published on

Published in: Education, News & Politics
0 Comments
6 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
28,235
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
361
Actions
Shares
0
Downloads
505
Comments
0
Likes
6
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Futurismo Italiano

  1. 1. Futurismo Italiano ANNA VÍRGÍNIA ALBUQUERQUE RIBEIRO DARSHANY DE LOYOLA VIEIRA ELTON LYRIO MORATI JÚLIA SACRAMENTO FERNANDES PATRÍCIA TORRES PEREIRA CARRION RAFAEL DE ARAÚJO GOMES COELHO THAÍSA DANIEL PEREIRA
  2. 2. <ul><li>Movimento artístico e literário de vanguarda, anterior à 1ª Guerra Mundial. Iniciado em 1909 com a publicação do Manifesto Futurista , do poeta italiano Filippo Marinetti, no jornal francês Le Figaro . </li></ul><ul><li>Contexto histórico </li></ul><ul><li>Apogeu da ciência - novas descobertas causam fascínio </li></ul><ul><li>Paris - centro cultural do mundo </li></ul><ul><li>Invenção do automóvel </li></ul><ul><li>2ª Revolução Industrial (1860 até 1ª GM) </li></ul><ul><li>“ Os anos loucos” – pré-Guerra: rebeldia </li></ul>
  3. 3. Primeira página do jornal francês Le Figaro do dia 20 de fevereiro de 1909, onde foi publicado o Manifesto Futurista de Marinetti
  4. 4. O Manifesto Futurista de Marinetti <ul><li>Queremos cantar o amor do perigo, o hábito da energia e da temeridade. </li></ul><ul><li>A coragem, a audácia e a rebelião serão elementos essenciais da nossa poesia. </li></ul><ul><li>Até hoje a literatura tem exaltado a imobilidade pensativa, o êxtase e o sono. Queremos exaltar o movimento agressivo, a insônia febril, a velocidade, o salto mortal, a bofetada e o murro. </li></ul>
  5. 5. 4. Afirmamos que a magnificência do mundo se enriqueceu de uma beleza nova: a beleza da velocidade. Um carro de corrida adornado de grossos tubos semelhantes a serpentes de hálito explosivo... um automóvel rugidor, que parece correr sobre a metralha, é mais belo que a Vitória de Samotrácia. (...) 7. Já não há beleza senão na luta. Nenhuma obra que não tenha um caráter agressivo pode ser uma obra-prima. A poesia deve ser concebida como um violento assalto contra as forças ignotas para obrigá-las a prostrar-se ante o homem.
  6. 6. 8. Estamos no promontório extremo dos séculos!... Por que haveremos de olhar para trás, se queremos arrombar as misteriosas portas do Impossível? O Tempo e o Espaço morreram ontem. Vivemos já o absoluto, pois criamos a eterna velocidade onipresente. 9. Queremos glorificar a guerra - única higiene do mundo -, o militarismo, o patriotismo, o gesto destruidor dos anarquistas, as belas idéias pelas quais se morre e o desprezo da mulher. 10. Queremos destruir os museus, as bibliotecas, as academias de todo tipo, e combater o moralismo, o feminismo e toda vileza oportunista e utilitária.
  7. 7. Em verdade eu vos digo que a freqüentarão cotidiana dos museus, das bibliotecas e das academias (cemitérios de esforços vãos, calvários de sonhos crucificados, registros de lances truncados!...) é, para os artistas, tão ruinosa quanto a tutela prolongada dos pais para certos jovens embriagados por seu os prisioneiros, vá lá: o admirável passado é talvez um bálsamo para tantos os seus males, já que para eles o futuro está barrado... Mas nós não queremos saber dele, do passado, nós, jovens e fortes futuristas! (...)
  8. 8. Ponham fogo nas estantes das bibliotecas!... Desviem o curso dos canais para inundar os museus!... Oh, a alegria de ver flutuar à deriva, rasgadas e descoradas sobre as águas, as velhas telas gloriosas!... Empunhem as picaretas, os machados, os martelos e destruam sem piedade as cidades veneradas! (...) A arte, de fato, não pode ser senão violência, crueldade e injustiça. (...) Cabeça erguida!... Eretos sobre o pináculo do mundo, mais uma vez lançamos o nosso desafio às estrelas.
  9. 9. Perfil ideológico <ul><li>Guerra – forma de “higienizar&quot; o mundo – sobrevivência dos fortes eliminação dos fracos – identificação fascista </li></ul><ul><li>Passado – desprendimento total – sugere a destruição dos museus e das obras literárias de movimentos anteriores – oposição às regras </li></ul><ul><li>Mulher – menosprezada, considerada casta – não qualificada física e mentalmente aos trabalhos do futuro </li></ul>
  10. 10. <ul><li>Nacionalismo – exaltação da industrialização, visa fortalecer a sociedade italiana através de uma pregação patriótica – ligado à questão bélica </li></ul><ul><li>Natureza – imperfeita, precisa da intervenção humana e da guerra para sua significação e beleza. </li></ul><ul><li>Humanidade – caminha em direção ao individualismo anárquico, meta e sonho de todo espírito forte – caráter oposto ao comunismo. </li></ul>
  11. 11. Literatura <ul><li>1912 – publicação da primeira antologia, a serviço de causas políticas </li></ul><ul><li>Destruição da sintaxe e dos conectivos – pontuação substituída por símbolos matemáticos e musicais – linguagem espontânea e frases fragmentadas expressando velocidade . </li></ul><ul><li>Abolição de temas líricos e incorporação de palavras ligadas à tecnologia. </li></ul><ul><li>Rússia – autores se aliam à esquerda – ao contrário dos italianos – aproximando a poesia do povo. </li></ul>
  12. 12. Filippo Marinetti (1876-1944) <ul><li>Nascido em 22 de dezembro de 1876, em Alexandria, Egito. </li></ul><ul><li>Lá criou-se, indo para Paris aos 17 anos. </li></ul><ul><li>Em 1905 funda a revista Poesia , em Milão - um marco revolucionário na literatura italiana. </li></ul><ul><li>Em 20 de fevereiro de 1909 publica no jornal Le Figaro , de Paris, o primeiro Manifesto Futurista , em que expunha a necessidade de abandonar as velhas fórmulas e criar uma arte livre e anárquica, capaz de expressar o dinamismo e a energia da moderna sociedade industrial. </li></ul>
  13. 13. <ul><li>Idéias foram adotadas por artistas como Umberto Boccioni, Giacomo Balla e Gino Severini. </li></ul><ul><li>Obra teatral Le Roi bombance (1909) e romance Mafarka le futuriste (1910) - constituíram a expressão literária das teorias de Marinetti, modeladas na estrutura caótica da trama e no emprego de livres associações lingüísticas. </li></ul><ul><li>Em Guerra sola igiene del mondo (1915) - defende a intervenção italiana na I Guerra Mundial. </li></ul><ul><li>Torna-se ativo militante fascista, chegando a afirmar que tal ideologia representa uma extensão natural das idéias futuristas. </li></ul>
  14. 14. Artes plásticas Pintura <ul><li>Objetos não se esgotam no contorno aparente e seus aspectos se interpenetram continuamente a um só tempo. </li></ul><ul><li>Expressão do movimento real, registrando a velocidade – para refleti-la recorre-se à repetição dos traços das figuras. </li></ul><ul><li>Interesse em captar a forma plástica descrita pela velocidade dos objetos no espaço, criando obras que exprimem o mesmo ritmo da sociedade industrial . </li></ul>
  15. 15. O Luto (1910)
  16. 16. Noite estrelada (1889) – Van Gogh Ponte de Argenteuil (1874) – Claude Monet Influência neo-impressionista
  17. 17. A cidade que sobe (1910/1911) – Umberto Boccioni
  18. 18. O carro passou – Giacomo Balla Cores complementares que produziam “cinzas oprimentes”.
  19. 19. Dinamismo de um jogador de futebol (1913) Dinamismo de um ciclista (1913)
  20. 20. <ul><li>A sensação dinâmica é o principal valor de sua arte – técnicas neo-impressionistas, associadas aos princípios do Cubismo, mostram vários acontecimentos ao mesmo tempo. </li></ul>Dinâmica da cabeça de um homem – Boccioni Femme en Vert – Picasso
  21. 21. A carga de lanceiros – Boccioni Le Portugais – Picasso
  22. 22. Escultura <ul><li>Trabalhos experimentais com vidro, madeira, couro, papel, planos transparentes, lâminas de metal, fios e etc. - tendências, tons e semitons de uma nova realidade. </li></ul><ul><li>Tendência a arquitetura espacial. </li></ul><ul><li>Tornará dispensável o uso de luzes, de bases abolindo toda distância, determinando o prolongamento de um corpo no raio de luz. </li></ul><ul><li>Ritmo plástico , quase abstrato - afasta o artista da busca pela forma. </li></ul><ul><li>Completa abolição da linha acabada e da estátua fechada e fusão de blocos atmosféricos com elementos de realidade mais concretos. </li></ul>
  23. 23. Umberto Boccioni (1882-1916) “ (...) Sinto que quero pintar o novo, o fruto de nosso tempo industrial. Estou nauseado de velhos muros, de velhos palácios, de velhos motivos de reminiscência: quero ter sobre os olhos a vida de hoje. Os campos, a quietude, as casinhas, o bosque, os rostos vermelhos e fortes, os membros dos trabalhadores, os cavalos cansados e etc., todo esse empório de sentimentalismo moderno me cansou. Aliás, toda a arte moderna me parece velha. Quero o novo, o expressivo, o formidável! (...) Todo o passado, maravilhosamente grande, me oprime, eu quero o novo!” Boccioni - 1907
  24. 24. <ul><li>Mais importante teórico do Futurismo, formou-se em Roma, no ateliê de Giacomo Balla. </li></ul><ul><li>Aprende a pintura neo-impressionista, torna-se mestre menor do divisionismo italiano. </li></ul><ul><li>1908 – Fixa-se em Milão, onde conhece Marinetti. </li></ul><ul><li>1909 – Adere ao Futurismo, com Balla, Carlo Carrà e Luigi Russolo, assinando com eles O Manifesto dos pintores futuristas (1910) . </li></ul><ul><li>1910 – redige O Manifesto técnico da pintura futurista . </li></ul>
  25. 25. <ul><li>Luta na I Grande Guerra, morrendo após uma queda de cavalo durante exercícios militares. </li></ul><ul><li>1916 – Tem publicado O Manifesto dos Pintores Meridionais . </li></ul><ul><li>Expõe em Paris, Londres, Roma e Estados Unidos. </li></ul><ul><li>Aborda temas político-anarquistas , cenas de grande movimentação de figuras e composições quase abstratas. </li></ul>
  26. 26. <ul><li>Na escultura – linguagem tridimensional – ultrapassa a questão do movimento absoluto para um movimento relativo, estabelecendo uma tensão e fusão da forma e do espaço, que se interpenetram. </li></ul><ul><li>Experiências com materiais não tradicionais – vidro, madeira e couro, em trabalhos que chamou de polimaterici . </li></ul>Antigrazia Cavalo + Cavaleiro + Casas
  27. 27. Desenvolvimento de uma garrafa no espaço (1912) é a melhor resolução de suas teorias. Estrutura-se em torno da forma de um cilindro <ul><li>Princípio da decomposição – articula os fragmentos da forma da garrafa, fundindo-os numa síntese. </li></ul><ul><li>Movimento espiralado – estabelece uma integração de tempo, espaço e forma . </li></ul>
  28. 28. <ul><li>Formas Únicas da Continuidade no Espaço (1913) – movimento dinâmico de um corpo humano no espaço. </li></ul><ul><li>Envolve todos os aspectos da forma dinâmica – rebordos sinuosos, côncavos e convexos – interpenetração mútua da matéria e do espaço. </li></ul><ul><li>Materialização do movimento relativo e absoluto. </li></ul>
  29. 30. Giacomo Balla (1871-1958) <ul><li>1910 – Admissão pública ao movimento futurista – propõe representar a tendência futurista como símbolo da dinâmica modernista. </li></ul><ul><li>Dinamismo da imagem – simultaneidade , a repetição de formas desintegradas em ritmo seqüencial, dando idéia de movimento. </li></ul><ul><li>Propõe conceitos de velocidade e de impressão ininterrupta e constante do processo rítmico – uso de elementos geométricos. </li></ul>
  30. 31. A mão do violinista
  31. 32. Vôo das andorinhas
  32. 33. Dinamismo de um cão na coleira (1912) – utilização de aspirais em desagregação cromática – indicativo do movimento.
  33. 34. Automóvel correndo (1913) – abstração total do veículo, distintamente das obras de Boccioni, onde se pode identificar a imagem. <ul><li>Automóvel – design favorece o movimento que se integra ao dinamismo do espaço, como uma flecha – velocidade impossibilita identificar as cores no tempo e espaço. </li></ul><ul><li>Rodas prolongadas com intuito de apresentar concomitância da roda em dois pontos do espaço – espirais sugerem movimento e impressão do veículo precipitar-se no espaço. </li></ul>
  34. 35. Compenetrações iridescentes (1912) – decomposição minuciosa do ritmo da cor referente à medida de variação da luminosidade - pintura analítica.
  35. 36. Carlo Carrà (1881-1966) <ul><li>Dedica seus primeiros anos ao ofício de decorador mural. </li></ul><ul><li>1900 – Vai a Paris, contratado para a decoração da Exposição Mundial - muda-se para Londres. </li></ul><ul><li>1906/08 – Na Itália, estuda na Academia de Belas Artes de Brera, período em que conhece Boccioni e Marinetti. </li></ul>Retrato de Marinetti
  36. 37. <ul><li>Signatário do Manifesto Técnico de Marinetti junto com Boccioni, Russolo, Balla e Severini. </li></ul><ul><li>“ Por força da persistência de uma imagem na retina, os objetos em movimentos se multiplicam constantemente; suas formas se alteram como rápidas vibrações em enlouquecida disparada. </li></ul><ul><li>Assim, um cavalo a galope não tem quatro patas, e sim vinte, e seus movimentos são triangulares [...] </li></ul><ul><li>Os pintores nos mostravam os objetos e as pessoas colocados diante de nós. </li></ul><ul><li>Nós, daqui por diante, poremos o observador no centro do quadro.” </li></ul>
  37. 38. <ul><li>1911/13 – Interpretação pessoal dos conceitos futuristas de simultaneidade e dinamismo apresenta recortes e rebatimentos de vários planos sobre vários eixos. </li></ul>O funeral do anarquista Galli (1911)
  38. 39. Saindo do teatro (1911)
  39. 40. <ul><li>1913 – Manifesto De Cézanne a nós, os futuristas : </li></ul><ul><li>&quot;Se acusamos os cubistas, como antes os impressionistas, de não criar obras, mas apenas fragmentos, é porque em seus quadros se sente a necessidade de um desenvolvimento ulterior e mais vasto. (...) Nossos quadros não são mais acidentais e transitórios, limitados a uma hora do dia, ou a um dia, ou a uma estação. Nós, futuristas, destruindo a unidade de tempo e lugar, trazemos à pintura uma integração de sensações que é a síntese do plástico universal&quot;. </li></ul>
  40. 41. <ul><li>1914 – Começa a se afastar do futurismo. </li></ul><ul><li>1917 – Conhece Giorgio De Chirico e entusiasma-se com as novas possibilidades que a pintura metafísica pode lhe proporcionar. </li></ul>A musa metafísica (1917)
  41. 42. <ul><li>1924 – o artista se afasta da pintura metafísica e passou para a pintura realista. </li></ul><ul><li>Em suas últimas obras retorna ao cubismo. </li></ul><ul><li>Publica vários trabalhos, entre eles os livros La Pittura Metafísica (1919) e La Mia Vita (1943) . </li></ul><ul><li>1966 – morre em Milão. </li></ul>
  42. 43. Gino Severini (1883-1966) <ul><li>Signatário dos manifestos inaugurais dos pintores futuristas. </li></ul><ul><li>Um dos principais canais entre seus colegas italianos e os novos desenvolvimentos em Paris. </li></ul><ul><li>1912/13 – Auto-retrato mostra técnica cubista - veículo de um novo estilo futurista. </li></ul><ul><li>1913 – Manifesto As Analogias Plásticas do Dinamismo – reiteração dos pontos do programa futurista – princípio da simultaneidade de várias impressões sensoriais (sons, odores, tons, calor e velocidade) – meios adequados para a representação artística das mudanças trazidas pelo progresso tecnológico. </li></ul>
  43. 44. A Dançarina Azul (1912) – obra mais importante – Severini concentra-se numa única figura – uso do azul e branco-acinzentado – quadro dotado de uma composição dominante triangular que culmina na cabeça da dançarina até a zona do vestido – no quarto inferior do quadro, há a divisão em incontáveis segmentos de formas geométricas (arcos, ângulos, parábolas).
  44. 45. Uso de passagens de cor a fim de misturar a figura feminina ao plano de fundo - braços e cabeça aparecem multiplicados e em várias perspectivas - apenas pequenos adereços e figuras sugerem a localização da cena – Severini utiliza os meios da estética futurista para criar correspondências plásticas para o movimento e a energia da dança.
  45. 46. L'hiéroglyphe dynamique du bal Tabarin (1912)
  46. 47. Danseuse + Mer (1913)
  47. 48. Synthèse visuelle de l'idée guerre (1914)
  48. 49. Teatro <ul><li>Introdução de tecnologia nos espetáculos. </li></ul><ul><li>Tentativa de interação com o público. </li></ul><ul><li>1915 – Manifesto de Marinetti sobre teatro defende representações de apenas 2 ou 3 minutos, com pequeno ou nenhum texto, poucos atores e vários objetos em cena. </li></ul><ul><li>1920 – Marinetti publica a obra dramática Elettricità Sensuale , mesmo título de peça escrita pelo próprio em 1909. </li></ul><ul><li>1922 – Teatro experimental fundado pelo italiano Anton Giulio Bragaglia. </li></ul>
  49. 50. Música <ul><li>Representada por Luigi Russolo – pintor e compositor italiano futurista, autor do manifesto L'Arte dei Rumori (1913) . </li></ul><ul><li>Manifesto reflete sobre a necessidade de se questionar o papel que os instrumentos desempenhavam na música da época – resulta na criação de novos instrumentos. </li></ul><ul><li>Russolo acreditava que a vida contemporânea é muito ruidosa e que tais ruídos devem ser utilizados para a música. </li></ul><ul><li>Inventou e construiu instrumentos por ele chamados de intonarumori – exemplares originais destruídos na II Guerra Mundial. </li></ul>
  50. 51. Cinema <ul><li>História do cinema – influência decisiva do Futurismo Italiano. </li></ul><ul><li>1912 – Manifesto – Cinema Abstrato: Música Cromática </li></ul><ul><li>Bruno Corra – primeiras experiências cinematográficas </li></ul><ul><li>Dois filmes que desaparecem na 2ª Guerra Mundial – O Arco-íris e A Dança . </li></ul><ul><li>11/09/1916 – Manifesto coletivo A Cinematografia Futurista, assinado por Marinetti, Balla, Corrà, Emilio Settimelli, Arnaldo Ginna e Remo Chiti. </li></ul>
  51. 52. <ul><li>“ É preciso libertar o cinema como meio de expressão para fazer dele o instrumento ideal de uma nova arte muito mais vasta e ágil que todas aquelas existentes”. </li></ul><ul><li>Equação do Manifesto: pintura + escultura + dinamismo plástico + palavras em liberdade + intonarumori + arquitetura + teatro sintético = cinematografia futurista . </li></ul><ul><li>Influencia os cineastas franceses dos anos 20 – algumas idéias estiveram presentes na fase áurea do cinema soviético. </li></ul>
  52. 53. Arquitetura <ul><li>Inspiração da arte futurista – cidades de Milão e Turim. </li></ul><ul><li>Destruição da paisagem urbana. </li></ul><ul><li>Panfletos ‘contra a Veneza passadista’: </li></ul><ul><li>“ Queimemos a gôndolas, essas cadeiras de balanço dos cretinos, e ergamos aos céus a imponente geometria das pontes pontes de metal e dos howitzers empenachados de fumaça, a fim de abolir as curvas cadentes da velha arquitetura. Que venha, enfm, o reino da Luz Elétrica libertar Veneza de seu luar luar venal de salar mobiliadas.” </li></ul>
  53. 54. <ul><li>Próximo passo – criação das cidades futuristas – arquiteto: Antonio Sant’Elia. </li></ul><ul><li>Formou o grupo Nuove Tendenza. </li></ul><ul><li>Marinetti exigia uma arquitetura renovável. </li></ul><ul><li>Manifesto da Arquitetura Futurista: </li></ul><ul><li>“ Devemos inventar e reconstruir a cidade futurista como um imenso e tumultuoso estaleiro, ágil, móvel e dinâmico em todos os detalhes; e a casa futurista deve ser como uma máquina gigantesca”. </li></ul>
  54. 55. <ul><li>Os desenhos raramente incluíam figuras humanas e apresentavam um mundo mecanizado. </li></ul>Aeroporto e estação ferroviária com elevadores e funiculares sobre rua de três níveis (1914)
  55. 56. Studio per la Città Nuova (1914) Costruzione terrazzata con elevatori esterni (1915)
  56. 57. La città nuova - Casamento con ascensori esterni (1914 )

×