PNAIC - Direitos de aprendizagem em história

25,525 views
24,805 views

Published on

4 Comments
6 Likes
Statistics
Notes
No Downloads
Views
Total views
25,525
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
4,127
Actions
Shares
0
Downloads
603
Comments
4
Likes
6
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

PNAIC - Direitos de aprendizagem em história

  1. 1. PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA II ENCONTRO - FORMAÇÃO DE ORIENTADORES DE ESTUDO 20 A 22 DE MARÇO/2013 – UNIMONTES   Temáticas abordadas: - Rotina no ciclo de alfabetização;.Direitos gerais de aprendizagem em História no ciclo de alfabetização; - Materiais no ciclo inicial de alfabetização;
  2. 2. Rotina no ciclo inicial de alfabetização
  3. 3. Retomando: Rotina no ciclo de alfabetização Vimos que a rotina também é formativa. Na organização do trabalho pedagógico é fundamental entender que as diversas dimensões do ensino são interligadas, que há especificidades a serem contempladas e também que os diferentes componentes curriculares se articulam. Por exemplo: Em língua Portuguesa, os direitos de aprendizagem são organizados em 4 eixos: leitura, produção de textos escritos, linguagem oral e análise linguística, sendo que cada eixo contempla diversas dimensões.
  4. 4.  A organização das aprendizagens na rotina deve priorizar as atividades permanentes e dos jogos na alfabetização como atividades diárias importantes que proporcionam reflexões sobre o Sistema de Escrita Alfabética (SEA) contemplando diferentes unidades linguísticas.
  5. 5. Organização do  Atividades permanentes são mais repetitivas natrabalho organização, mas não podem ser na realização.pedagógico  As sequências didáticas são situações em que as atividades são dependentes umas das outras e aFormas de ordem das atividades é importante. Um mesmoorganização mais conteúdo pode ser revisitado em diferentes aulas, derecorrentes: modo articulado e integrado.- atividades  Os projetos didáticos surgem da problematização,permanentes; algo que precisa ser resolvido pelo grupo e para isso- sequências diferentes atividades são desenvolvidas. A culminância com a socialização das produções édidáticas; outra característica que marca esse trabalho.- projetosdidáticos.
  6. 6. Rotina: diversificação de estratégias e recursos Organização do TrabalhoInteração/ reflexão/ registro Aprendizagem
  7. 7. Refletindo... Quando as aulas são bem planejadas, os estudantes se envolvem mais. A melhoria da prática pedagógica por meio dos princípios didáticos dizem respeito ao tipo de atividade planejada, às posturas, aos modos de mediação/interação, à capacidade de explicar e dialogar com as crianças.Fundamental é que sejam contemplados princípios que motivem osestudantes e favoreçam apropriações de modo reflexivo e problematizador.
  8. 8. Rotina possível em uma turma de terceiro ano doEnsino Fundamental: SEGUNDA TERÇA QUARTA QUINTA SEXTA -Leitura para -Leitura para -Leitura para -Leitura para -Sequência deleite deleite deleite deleite Didática -Chamada -Chamada -Chamada -Chamada -Contemplando -Retomada da -Retomada da -Retomada da -Retomada da diferentes Tarefa do dia tarefa do dia tarefa do dia tarefa do dia componentes Anterior anterior Anterior Anterior curriculares -Sequência -Hora da Arte -Sequência -Hora da Arte -Hora da -Didática (situações de Didática (situações de biblioteca contemplando apreciação, contemplando apreciação, diferentes reflexão e diferentes reflexão e componentes produção) componentes produção) curriculares curriculares -Hora dos jogos -Projeto didático -Hora dos jogos -Projeto didático -Hora dos jogos (apropriação do contemplando (apropriação do contemplando (apropriação do sistema diferentes sistema diferentes sistema alfabético, Componentes alfabético, componentes alfabético, ortografia, curriculares ortografia, curriculares ortografia, matemática) matemática) matemática)
  9. 9. Finalizando...Em uma rotina, temas e conteúdos dassequências didáticas e os projetos sãodefinidos em função dos direitos deaprendizagem que se pretende contemplar emdeterminado período escolar. As fronteiras do tempo e espaço podem ser rompidas em planejamentos mais flexíveis, contanto que se tenha clareza do que se deve ensinar, considerando as necessidades, conhecimentos e desejos dos estudantes.
  10. 10. Direitos de aprendizagem em História no ciclo inicial de alfabetização
  11. 11. Direitos de aprendizagem em História no ciclo de alfabetização A escola é obrigatória, tem papel relevante na formação do aluno e no seu modo de agir na sociedade. Dentre outros direitos, a compreensão do ambiente natural e social é necessária. Alguns direitos de aprendizagem podem servir como pontos de partida para o debate acerca do ensino de História nos anos iniciais do Ensino Fundamental. A disciplina História: esse componente curricular é contemplado na perspectiva dos direitos de aprendizagem considerando: fatos, sujeitos e tempo histórico.
  12. 12. Conceitos fundamentais da disciplina nos anos iniciais FATO HISTÓRICO: práticas/eventos passados, que causaram implicações na vida das sociedades e grupos de convívio (familiares, étnico-culturais, profissionais, escolares, vizinhança, religiosos, recreativos, artísticos, esportivos, políticos etc.) ou dos sujeitos históricos. SUJEITO HISTÓRICO: indivíduos ou grupos de convívio que, ao longo do tempo, promovem e realizam (individual ou coletivamente) as ações sociais produtoras de fatos históricos. TEMPO HISTÓRICO: maneira como indivíduos, grupos e as sociedades sequenciam e ordenam as experiências diariamente vivenciadas por seus membros, com base nas quais organizam suas memórias e projetam suas ações, tanto de forma individual quanto coletiva. Atenção aos quadros dos direitos de aprendizagem em História.
  13. 13. Direitos gerais de aprendizagem: HistóriaAlguns direitos gerais de aprendizagem: História Ano 1 Ano Ano 3Identificar-se, a si, e as demais pessoas como I/A I/A/Cmembros de vários grupos de convívio (familiares,culturais, profissionais, escolares, religiosos, etc).Distinguir as práticas sociais, políticas, econômicas e I/A I/A I/A/Cculturais específicas dos seus grupos de convívio edos demais grupos de convívio locais, regionais enacionais, na atualidade e do passado.Identificar e utilizar os diferentes instrumentos I/A I/A/C A/C(individuais e coletivos) destinados à organização dotempo na nossa sociedade, no tempo presente:calendários, folhinhas, relógios, agendas,quadros de horários (horário comum e comercial,horários escolares), dentre outros.Vivenciar os eventos rememorativos (locais, I/A A/C A/Cregionais e/ou nacionais), identificar os fatoshistóricos aos quais se referem.
  14. 14.  Direito: Identificar e comparar os diferentes tipos de registros documentais utilizados para a construção, descrição ou rememoração dos fatos históricos: textos manuscritos e impressos, imagens estáticas ou em movimento, mapas, registros orais, monumentos históricos, obras de arte, registros familiares, objetos materiais, dentre outros. Atividade: Solicitar às crianças que tragam cópia de registros e certidões de sua família (recentes e antigos), pesquisar outros modelos desses documentos, analisar a utilidade e função social, as informações, as diferenças e semelhanças encontradas, elaborar problemas integrando os diferentes componentes curriculares, socializar oralmente, fazer registros e organizar uma exposição. Elaborar um roteiro de visita. Atividade de campo: Visitar um cartório da cidade
  15. 15. DIREITO: Sujeito Histórico Direito: Identificar as diferentes instituições existentes na localidade, na atualidade e no passado. Atividade: após ter estudado em sala, fazer uma pesquisa sobre as instituições existentes na comunidade. Elaborar com as crianças um roteiro de entrevista. Entrevistar os moradores mais próximos de sua casa, os mais antigos da comunidade para identificarem as instituições existentes na atualidade e no passado. Fazer o registro das informações e discutir as descobertas.
  16. 16. DIREITO: Tempo Histórico Direito: Situar-se com relação ao “ontem” (o que já ocorreu), com relação ao “hoje” (que está ocorrendo) e com relação ao “amanhã” (a expectativa do porvir). Atividade: Promover a identificação do tempo histórico através de leitura de textos. Solicitar que encontrem e destaquem marcadores temporais como "depois de", "antes de", "durante", "enquanto isso” e outros. Elaboração de uma linha do tempo (é útil nas 3 dimensões). Sugestão: História do Estado de Minas Gerais, do Município, da família, de si mesmo.
  17. 17. Direito: Fatos Históricos Direito: Identificar dados governamentais sobre a história da localidade (rua, bairro e/ou município): origem do nome, data de criação, localização geográfica e extensão territorial, produção econômica, população etc. Atividade: Realizar pesquisa documental (leitura de mapas e imagens) acerca do surgimento da comunidade e outros dados , levantar dados com moradores antigos. Comparar dados antigos com os atuais. Construir uma maquete de forma que registre os dados mais relevantes da região.
  18. 18. COMO ENSINAR O USO DE MARCADORES TEMPORAIS NA PRODUÇÃO DE TEXTOS (Revista Nova Escola on line)Ajuda a identificar/compreender: ordem dos acontecimentos numahistória, produzir textos com indicações de passado, presente e futuro.Para quem domina a língua, pode parecer simples situar osacontecimentos no tempo e utilizar o tempo verbal no passado. Mastrata-se de uma competência a ser adquirida e aprimorada nosprimeiros anos do Ensino Fundamental. Recomenda-se utilizar textos de diferentes gêneros.Para Jaime Baratz – UNEB, nas séries iniciais o trabalho deve envolver ouso de advérbios como "hoje", "amanhã" e "ontem". No 4º e no 5º ano, éesperado que os alunos já tenham domínio dessas expressões e utilizemoutras mais elaboradas, que indiquem sucessão, duração esimultaneidade, como "depois disso", "durante" e "enquanto isso". 
  19. 19. Alguns marcadores temporais são representados por palavras de diversas classese funções sintáticas, como: - Advérbios "Ontem", "hoje", "amanhã", "já", "agora", "logo", "cedo", "tarde","outrora", "breve", "nunca", "sempre", "jamais". - Locuções adverbiais Duas ou mais palavras com valor de advérbio, como "àsvezes", "em breve", "à noite", "à tarde", "de manhã", "de quando em quando". - Conjunções Aquelas que dão a ideia de progressão na história que está sendocontada, como "enquanto isso", "depois disso", "logo que", "assim que". - Preposições "Durante", "após" etc. É preciso utilizar-se da Leitura coletiva e organização das informaçõescolhidas e Boas atividades em sequência: planejamento, escrita e revisão.Os autores sugerem uma sequencia, mas use também a sua criatividade:1.Leitura dos textos;2.Seleção de termos;3.Planejamento da escrita;  4.Produção de textos;5.Revisão final. 
  20. 20. Ao lado das datas e dos tempos verbais, essas expressões dãopistas sobre quando aconteceram os eventos relatados.Na sala de aula, a análise dessas expressões costumaerroneamente ficar restrita aos momentos de revisão daescrita da criança, quando o texto está sendo finalizado.Quando essa atividade faz parte de etapas anteriores - doplanejamento, dos momentos de reescrita e de escrita deautoria, e ainda é objeto de reflexão durante a leitura deproduções de outros autores -, os textos ficam mais coesos erecheados de termos apropriados para transmitir informaçõessobre o tempo das coisas.Esse trabalho ajuda os alunos a organizarem o discurso ecolabora para o aperfeiçoamento da escrita e a compreensãode textos como fábulas, contos de fadas.
  21. 21. História:Trabalhando com textosComo ensinar o uso de marcadores temporais naprodução de textos Texto: Branca de Neve (turmas do ciclo inicial)
  22. 22. História: Trabalhando com textos Como ensinar o uso de marcadores temporais na produção de textos Texto: Branca de Neve1. Leitura de textos - Com a análise de contos de fadas, a turma reconheceuque "num instante" indicava algo que ocorria depressa e que "depois de umtempo" apontava uma sucessão de eventos. 2. Seleção de termos - As palavras que indicam a ordem dos fatos foramorganizadas - primeiro coletivamente e depois em duplas - em forma de listas.Os termos inspiraram as produções dos alunos. 3. Planejamento da escrita - Antes de escrever, as alunas autoras do texto,elegeram as informações que deveriam aparecer e em que ordem. Essaorganização ajudou a contar a história. 4. Produção de textos - Ao analisar os marcadores temporais, os alunoscompreenderam melhor as histórias contadas, originando produções mais ricas. 5. Revisão final - O que não tinha sido modificado até então foi alterado. Aspalavras "aí" e "daí", usadas na linguagem oral, deram lugar a expressões como"depois disso", "enfim" e "finalmente".
  23. 23. História: Trabalhando com textosComo ensinar o uso de marcadores temporais na produção de textosTexto: Os alimentos dos povos egípcios (mais para turmas de 4º/5º ano) produção de textos
  24. 24. História: Trabalhando com textos Como ensinar o uso de marcadores temporais na produção de textos Texto: Os alimentos dos povos egípcios1. Leitura de textos - A análise de enciclopédias e livros que contavam ahistória do Egito antigo foi essencial para a turma compreender que a históriaestudada é muito anterior ao momento atual. 2. Seleção de termos - Os alunos destacaram informações dos textos, anotaramas expressões usadas, o tipo de alimento consumido e como ele era preparado. 3. Planejamento da escrita – os alunos autores do texto, acharam importantefalar sobre os tipos de alimentos consumidos e ressaltar as diferenças entre elese os de hoje em dia. 4. Produção de textos - O novo vocabulário foi incorporado pela turma –utilizando novos termos como "naquele tempo" - e os verbos no passado. 5. Revisão final Depois de rever as produções feitas ao longo da sequência -primeiro pequenos trechos e depois verbetes completos -, as criançaselaboraram a última versão do texto.
  25. 25. - CRIAR ATIVIDADES A PARTIR DE LEITURAS DE DELEITE:- SUGESTÃO:- Romeu e Julieta - Ruth Rocha-www.youtube.com/watch?v=Y0gcGyVxSTo- Nicolau tinha uma idéia – Ruth Rocha- www.youtube.com/watch?v=fOzbadwvnZs- Desenvolver uma seqüência didáticaTexto: Chico Bento. Confecção de um relógio, manipulação ereconhecimento das horas e trabalhar (explorar de várias formas) amúsica dança das caveiras- www.youtube.com/watch?v=_lr9B5nBUJg
  26. 26. Direito: identificar instrumentos emarcadores de tempo elaborados e/ouutilizados por sociedades ou grupos deconvívio locais e regionais, que existiramno passado.Direito: Identificar e comparar a duraçãodos fatos históricos vivenciadosfamiliarmente, localmente, regionalmentee nacionalmente.
  27. 27. Clique no quadro parareproduzir o vídeo da música
  28. 28. Materiais didáticosno ciclo de alfabetização
  29. 29. Materiais didáticos no ciclo de alfabetização - Telma FerrazLeal /Juliana de Melo LimaNo bojo da ação de planejar, está a ação de selecionar os recursos didáticos adequados. É preciso refletir para escolher e ter clareza sobre as finalidades do ensino e da escola e atentar que, nessa instituição, além dos conceitos e teorias, estamos influenciando a construção de identidades,de subjetividades. (Leal e Rodrigues, 2011)Ao situarmos o debate nos direitos de aprendizagem e nos princípios didáticos discutidos, consideramos que alguns tipos de recursos didáticos são essenciais no ciclo de alfabetização:
  30. 30. 1 - Livros e materiais que aproximem as crianças do universo literário,ampliem contato com diferentes gêneros e espaços sociais e conhecimentossobre o Sistema de Escrita Alfabética e convenções ortográficas;2 - Revistas e jornais variados para diversão e acesso a informações;3 - Livros didáticos, que agrupam textos e atividades variadas;4 - Materiais que circulam nas ruas, comércio e residências;5 - Materiais cotidianos para organização no tempo/espaço: calendários,relógios, agendas, quadros de horários, catálogos, mapas;6 - Registros materiais da vida da criança e seus grupos de convívio: registrode nascimento/casamento, boletim escolar, cartões de saúde, fotografias,cartas/e-mails, contas, carnês, cheque, cartões de crédito;7 - Recursos sociais que inserem as crianças em ambientes virtuais e quepromovem o contato com outras linguagens: televisão, rádio, computador.
  31. 31. Materiais que fazem parte de Programas de Distribuição de RecursosDidáticos do Ministério da Educação: Programa Nacional do Livro Didático (PNLD) - assegura a distribuição de livros didáticos. Programa Nacional do Livro Didático (PNLD - Obras Complementares) - distribui livros variados para ampliar o universo cultural de alunos e dar suporte ao trabalho pedagógico. Programa Nacional da Biblioteca da Escola (PNBE) – distribui obras de literatura, de pesquisa e de referência, promovendo acesso à cultura e incentivo à leitura nos alunos e professores. Programa Nacional da Biblioteca da Escola – Especial (PNBE Especial) - distribuiu livros em formato acessível aos alunos com necessidades educacionais especiais. Programa Nacional do Livro Didático – Dicionários - obra de consulta que, se não for introduzido no mundo da criança de forma lúdica, dinâmica, tende a ser rejeitado. Jogos de Alfabetização - conjunto de jogos destinados à alfabetização. Programa Nacional Biblioteca da Escola (PNBE) - distribui obras que dão apoio teórico e metodológico para o trabalho em sala de aula. O objetivo é dar suporte à formação do professor, de modo a contribuir como ferramenta para o planejamento das aulas. Coleção Explorando o Ensino – obras pedagógicas de aprofundamento de estudos dos professores, discute teorias/práticas voltadas para o ensino em diversas áreas do saber.
  32. 32. Oito tipos de obras são encontrados nos acervos:1. Livros de divulgação do saber científico / obras didáticas;2. Biografias;3. Livros: instrucionais;4. Livros de cantigas, parlendas, trava-línguas, jogo de palavras;5. Livros de palavras;6. Livros de imagens;7. Livros de histórias, com foco em conteúdos curriculares;8. Livros literários.
  33. 33. O acervo Instrumento eficaz de apoio: - ao processo de alfabetização e de formação do leitor; - ao acesso do aluno ao mundo da escrita e à cultura letrada; - ao ensino-aprendizagem de conteúdos curriculares. Os livros selecionados: - abordam os conteúdos de forma lúdica, despertando o interesse e envolvimento dos alunos com os assuntos neles abordados; - recorrem a projetos editoriais capazes de motivar o interesse e despertar a curiosidade de crianças dessa etapa de escolarização; - usam linguagem verbal e recursos gráficos adequados a alunos do 1º, 2º e 3º anos do ensino fundamental; - configuram-se como obras capazes de colaborar com o processo de ensino aprendizagem.
  34. 34. Finalizando...Além desses materiais descritos há, na internet, vários livros que podem ser acessados no Portal do MEC no link “Publicações”.Em suma, há muitos livros e recursos acessíveis a professores e estudantes que circulam nos espaços escolares e devem ser objeto de exploração, leitura, discussão.O importante é que o professor tenha autonomia para selecionar os que podem ser mais favoráveis aos seus estudantes e planejar boas situações didáticas.
  35. 35. Referencias: BRASIL, Ministério da Educação. Pacto Nacional Pela Alfabetização na Idade Certa. Planejamento e organização da rotina na alfabetização. MEC/SEB: Brasília, 2012. (Caderno: Ano 3, Unidade 2) LOPES, Noêmia. Como ensinar o uso de marcadores temporais na produção de textos. Acesso: 14/03/2013 Disponível em: http://revistaescola.abril.com.br/fundamental-1/como-ensinar-uso-marcadores-te - Vídeos do youtube e imagens da internet selecionadas pelo Google.

×