Your SlideShare is downloading. ×
0
As Comunidades de Prática Virtuais
As Comunidades de Prática Virtuais
As Comunidades de Prática Virtuais
As Comunidades de Prática Virtuais
As Comunidades de Prática Virtuais
As Comunidades de Prática Virtuais
As Comunidades de Prática Virtuais
As Comunidades de Prática Virtuais
As Comunidades de Prática Virtuais
As Comunidades de Prática Virtuais
As Comunidades de Prática Virtuais
As Comunidades de Prática Virtuais
As Comunidades de Prática Virtuais
As Comunidades de Prática Virtuais
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

As Comunidades de Prática Virtuais

1,376

Published on

Comunicação apresentada por Rogério Costa no I Fórum Ibérico de ´Úlceras e Feridas - 12 a 13 de Março 2010

Comunicação apresentada por Rogério Costa no I Fórum Ibérico de ´Úlceras e Feridas - 12 a 13 de Março 2010

0 Comments
5 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
1,376
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
0
Comments
0
Likes
5
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Comunidades de Prática Virtuais Rogério Costa
  • 2. Comunidades de Prática Virtuais Lave e Wenger (1991) Comunidades de Prática “ set of relations among persons, activity, and world, over time and in relation with other tangencial and overlapping communities of practice ” A aprendizagem, entendida como uma actividade situada, tem a sua característica definidora central num processo a que chamam Participação Periférica Legitima. Este conceito não é mais do que a participação de novatos (elementos recém chegados à comunidade) em tarefas simples ou de baixo risco, embora significativas para que a comunidade atinja os seus objectivos.
  • 3. Comunidades de Prática Virtuais Comunidades de Prática (1998) (…)grupo que se mantém agregado e coeso por meio de compromissos mútuos, acerca de assuntos ou temas comuns e criando um repertório comum. Fonte: Adaptado Wenger (1998) Fig.1- Componentes de uma teoria social da aprendizagem
  • 4. Comunidades de Prática Virtuais Wenger (1998) Comunidades de Prática Fonte: Adaptado Wenger (1998) Fig.2- Dimensões da Prática em Comunidades
  • 5. Comunidades de Prática Virtuais Wenger , McDermott e Snyder (2002) Comunidades de Prática (…) grupo de pessoas que partilham um interesse comum, um problema, ou uma paixão por determinado assunto, e que aprofundam os seus conhecimentos sobre o mesmo interagindo entre si ao longo do tempo. Estas comunidades encontram-se estruturadas em torno de três pilares: o domínio , a comunidade e a prática .
  • 6. Comunidades de Prática Virtuais Wenger , McDermott e Snyder (2002) Comunidades de Prática Domínio: assunto que une o grupo, dando-lhe um sentido identitário e a sua razão de ser. que aproxima as pessoas e que orienta a sua aprendizagem partilhada
  • 7. Comunidades de Prática Virtuais Wenger , McDermott e Snyder (2002) Comunidades de Prática Domínio : assunto que une o grupo, dando-lhe um sentido identitário e a sua razão de ser. Aquilo que aproxima as pessoas e que orienta a sua aprendizagem partilhada Comunidade : é um grupo de pessoas que interagem, aprendem em conjunto, criam relações, e que, ao fazê-lo, desenvolvem um sentido de pertença e de comprometimento mútuo
  • 8. Comunidades de Prática Virtuais Wenger , McDermott e Snyder (2002) Comunidades de Prática Domínio : assunto que une o grupo, dando-lhe um sentido identitário e a sua razão de ser. Aquilo que aproxima as pessoas e que orienta a sua aprendizagem partilhada Comunidade : é um grupo de pessoas que interagem, aprendem em conjunto, criam relações, e que, ao fazê-lo, desenvolvem um sentido de pertença e de comprometimento mútuo Prática : conjunto de estruturas mentais, ferramentas, informação, estilos, linguagem, histórias e documentos, partilhados pelos membros da comunidade. Conhecimento específico que a comunidade desenvolve, partilha e alimenta.
  • 9. Comunidades de Prática Virtuais Wenger , McDermott e Snyder (2002) Comunidades de Prática
  • 10. Comunidades de Prática Virtuais As TIC e as Comunidades de Prática As tecnologias permitem que as comunidades se formem e actuem de novas formas, oferecendo interactividade e conectividade. Ao mesmo tempo, as comunidades têm desempenhado um papel crucial na invenção de novas tecnologias (Wenger et al ., 2009).
  • 11. Comunidades de Prática Virtuais As TIC e as Comunidades de Prática (Wenger, 2001)
  • 12. Comunidades de Prática Virtuais Comunidades de Prática no Âmbito da Saúde Num mundo cada vez mais competitivo e apressado, as comunidades de prática proporcionam oportunidades para um reforço da eficiência e efectividade das práticas dos profissionais de saúde bem como na geração de capital social, humano, organizacional e profissional (Le May, 2009). A sua natureza dinâmica oferece-lhes oportunidades para criar aprendizagem e desenvolver cuidados de saúde através da análise, pensamento criativo e na partilha de ideias ( Le May, 2009). Uma comunidade de prática pode servir de complemento ao ensino formal, permitindo aos seus membros a partilha de conhecimentos tácitos, numa situação pedagógica não formal (Andrew et al., 2009)
  • 13. Comunidades de Prática Virtuais Comunidades de Prática no Âmbito da Saúde - Potencialidades Melhorar os cuidados Fornecer oportunidades de aprendizagem Disponibilizar oportunidades de encontro/reunião Reconstruir /reconfigurar ideias/ Comunidade de Práticas Disponibilizar fóruns para análise prática / simulação de ideias Resolução de problemas – dar respostas Partilha de conhecimento Gerar Ideias
  • 14. Comunidades de Prática Virtuais Rogério Costa Obrigado! [email_address] www.sociedadeferidas.pt

×