Ecologia geral parte 1

5,405 views
5,102 views

Published on

0 Comments
5 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
5,405
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
2
Actions
Shares
0
Downloads
240
Comments
0
Likes
5
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Ecologia geral parte 1

  1. 1. Ecologia Prof. Eduardo
  2. 2. DEFINIÇÕES MODERNAS DE ECOLOGIA <ul><li>Ernest Haeckel (1869): Okologie : oikos = casa e logie = estudo. </li></ul><ul><li>È uma soft science, (Sem uma fundamentação teórica rígida). </li></ul><ul><li>Estudo do meio ambiente enfocando as inter-relações entre organismos e entre os organismos e seu meio circulante. </li></ul>
  3. 3. <ul><li>Níveis de Organização em Ecologia </li></ul><ul><li>Espécie: Conjunto de indivíduos capazes de se reproduzirem, gerando prole fértil. </li></ul><ul><li>População: Conjunto de indivíduos da mesma espécie que vivem em um mesmo território. </li></ul><ul><li>Comunidade ou biocenose: Conjunto de todas as populações de uma determinada área. </li></ul><ul><li>Ecossistema: Fatores bióticos ( biocenose ) + fatores abióticos (ambiente físico) ou biótopo . </li></ul>
  4. 4. Níveis de organização
  5. 5. <ul><li>Conceitos Básicos </li></ul><ul><li>Biomas: Grandes áreas de mesmas características físicas, devido a umidade e temperatura. Apresentam equilíbrio ecológico (equilíbrio entre a produção e o gasto de energia entre as espécies) </li></ul><ul><li>Biosfera: Região do planeta que inclui todos organismos e ambientes sobre a Terra. </li></ul><ul><li>Habitat: Lugar onde uma espécie vive (endereço da espécie). </li></ul><ul><li>Nicho Ecológico: Papel ecológico da espécie na comunidade, tudo o que ele usa e interage com o meio. (profissão da espécie). </li></ul>
  6. 8. <ul><li>Cadeias alimentares: transferência de matéria e energia entre os seres vivos. </li></ul><ul><li>Níveis Tróficos: Posição de cada ser vivo a cadeia alimentar: </li></ul><ul><li>A) Produtores: Organismos fotossintetizantes ou autótrofos (algas, plantas, bactérias e cianobactérias). </li></ul><ul><li>B) Consumidores Primários: Organismos heterótrofos (animais, fungos e bactérias ) que se alimenta de um produtor. São geralmente herbívoros . </li></ul>
  7. 9. <ul><li>C) Consumidores Secundários: Organismos heterótrofos (animais, fungos e bactérias ) que se alimente de um consumidor primário. São geralmente carnívoros. </li></ul><ul><li>D) Consumidores terciários: Organismos heterótrofos (animais, fungos e bactérias ) que se alimente de um consumidor secundário. São geralmente grandes carnívoros (topo de cadeias). </li></ul><ul><li>Embora possam existir um 4º., 5º. ou 6º. nível,este último é raro, devido a diminuição da energia que se esvai ao longo da cadeia alimentar </li></ul>
  8. 10. Decompositores: Fazem a reciclagem da matérias, ciclos biogeoquímicos, (bactérias e fungos). Final das cadeias alimentares
  9. 13. Teias Alimentares: Na natureza os seres vivos de uma cadeia normalmente interagem com seres de outras cadeias, formando as teias alimentares.
  10. 16. <ul><li>Fluxo de Energia nas Cadeias Alimentares: </li></ul><ul><li>Todo ser vivo necessita de energia para realizar suas atividades metabólicas. </li></ul><ul><li>A energia que move os ecossistemas vem do sol (exceto nas fossas abissais onde ocorre quimiossíntese bacteriana). </li></ul><ul><li>A energia solar é convertida em energia química (glicose) através da fotossíntese . </li></ul><ul><li>Parte dessa energia é convertida em trabalho que move os seres vivos nos processos de fermentação ou de respiração celular, ( reação exotérmica ). </li></ul><ul><li>Parte da energia dos seres vivos se dissipa na forma de calor . </li></ul>
  11. 17. <ul><li>O fluxo de energia é unidirecional (do sol para os produtores e dos produtores para os consumidores, terminando nos decompositores. </li></ul><ul><li>A maior parte da energia está depositada nos produtores e diminui à medida que passa para outros níveis tróficos. </li></ul>
  12. 19. <ul><li>Produtividade Primária Bruta (PPB) : Total da energia química (glicose) produzida pelas plantas na fotossíntese. </li></ul><ul><li>Produtividade Primária Líquida (PPL): é a PPB menos o gasto com a respiração celular (R). </li></ul><ul><li>PPL = PPB – R </li></ul><ul><li>Produtividade Secundária Bruta (PSB ): energia que os consumidores primários obtém dos produtores. </li></ul><ul><li>Produtividade Secundária Líquida (PSL ): energia que sobra os consumidores primários após a respiração celular dos produtores: </li></ul><ul><li>PSL = PSB - R </li></ul>
  13. 20. <ul><li>Produtividade Terciária Bruta (PTB ): energia que os consumidores secundários obtém dos consumidores primários </li></ul><ul><li>Produtividade Terciária Líquida (PTL ): energia que sobra os consumidores secundários após a respiração celular dos consumidores primários: </li></ul><ul><li>PTL = PTB – R </li></ul><ul><li>Pirâmides Ecológicas: São representações gráfica das cadeias ecológicas, e podem se apresentar de três maneiras: </li></ul><ul><li>A) Pirâmides de Números: Representa o número absoluto de indivíduos presentes na cadeia ecológica. Nessa pirâmide, a base pode ser menor que o próximo nível trófico acima (pirâmide invertida): </li></ul>
  14. 23. B) Pirâmides de Biomassa: Representa o peso em Kg absoluto de indivíduos presentes na cadeia ecológica. Nessa pirâmide, a única possibilidade da base ser menor (pirâmide invertida) é no caso do fitoplâncton , pois este se reproduz com maior velocidade do que o zooplâncton consegue consumi-lo:
  15. 25. B) Pirâmides de Energia: Representa o valor da energia em Kg/calorias (K/cal) contida nos indivíduos da cadeia alimentar. Nessa pirâmide não existe a possibilidade da base ser menor (pirâmide invertida), porque os consumidores sempre concentram a maior quantidade de energia . Além disso é necessário que o nível trófico inferior tenha mais energia que o superior devido a perda de energia térmica que exista na respiração celular.
  16. 27. Ciclos Biogeoquímicos: Reciclagem dos elementos químicos que constituem os seres vivio: A) Ciclo da água:
  17. 28. <ul><li>B) ciclo do oxigênio: </li></ul>
  18. 29. Ciclos Biogeoquímicos Prof. Eduardo
  19. 30. <ul><li>C) ciclo do Fósforo: </li></ul>Micorrizas: associação mutualística de raízes de plantas e hifas de fungos
  20. 31. <ul><li>D) ciclo do Carbono (CO 2 Atmosférico) : </li></ul>a) Entrada: fotossíntese b) Retorno: Decompositores Respiração Queima de madeira e de combustíveis fósseis
  21. 32. <ul><li>E) Ciclo do Nitrogênio (N 2 Atmosférico) : </li></ul>a) Entrada: Bactérias Fixadoras de Nitrogênio (N 2 em NH 3 ) : - Rhizobium: nódulos radiculares de leguinosas Azotobacter Cianobactérias (ambientes aquáticos).
  22. 33. <ul><li>E) Ciclo do Nitrogênio (Nitrificção e Desnitrificação) : </li></ul>a) Bactérias nitrificantes: Nitrossomas: convertem amônia em nitritos Nitrobacter: convertem nitritos em nitratos b) Retorno: bactérias desnitrificantes: convertem compostos nitrogenados em (N 2 Atmosférico
  23. 37. Relações Ecológicas Prof. Eduardo
  24. 38. <ul><li>Relações Ecológicas </li></ul><ul><li>1) Relação intraespecífica ou homotípicas (mesma espécie) </li></ul><ul><li>1.1) Harmônicas: São aquelas onde os indivíduos não tem nenhuma espécie de prejuízo. Todos se beneficiam. </li></ul><ul><li>1.1.a) Colônias </li></ul><ul><li>União anatômica entre indivíduos da mesma espécie , formando uma unidade estrutural e funcional. Ex: Os corais e bactérias. </li></ul>Colônias homomorfas heteromorfas
  25. 39. <ul><li>1.1.b) Sociedades: Não há contato físico, com divisão de trabalho. Cada indivíduo contribui para o bem estar e desenvolvimento de outro. Ex: abelhas, os cupins, as formigas. </li></ul>
  26. 40. <ul><li>1.2) Desarmônicas ou negativas </li></ul><ul><li>São aquelas onde, pelo menos, um dos indivíduos acaba tendo prejuízo </li></ul><ul><li>1.2.a) Competição: Mesmo nicho ecológico. Animais competem pelo território, alimento, parceiros sexuais e os vegetais pelos nutrientes do solo , luz , água, etc. </li></ul>
  27. 41. <ul><li>1.2.b) Canibalismo: indivíduos da mesma espécie se alimentam de seus semelhantes. Ex crocodilos e aranhas (comem seus filhotes e o luva-deus (fêmea come o macho.) </li></ul>
  28. 42. <ul><li>2) Relação interespecífica (entre espécies diferentes) </li></ul><ul><li>2.1) Harmônicas </li></ul><ul><li>2.1.a) Mutualismo: Ambas são beneficiadas e não podem viver separadamente (antiga simbiose). Ex.: liquens (algas fornece glicose + fungos que fornecem água sais minerais). Formam comunidades pioneiras, sobrevivendo em lugares inóspitos </li></ul>
  29. 43. <ul><li>protozoários e bactérias que vivem no intestino de cupins e bois, respectivamente ( digerem a celulose). </li></ul>
  30. 44. <ul><li>Micorrizas (fungos + raiz de árvores) as arvores fornecem glicose da seiva elaborada e os fungos fornecem sais minerais,principalmente fosfatos. </li></ul>
  31. 45. <ul><li>Nódulos radiculares de leguminosas (fixação do nitrogênio) como as bactérias do genero Rhizobiun </li></ul>
  32. 46. <ul><li>2.1.b) Protocooperação: o s associados podem, eventualmente, viver separados, sem risco de sobrevivência. </li></ul>Bois + garças que se alimentam dos parasitas dos bois Paguro da mobilidade par a anêmona que protege o paguro de predadores
  33. 47. <ul><li>2.1.c) Comensalismo: Um deles se beneficia de outro, sem qualquer prejuízo para este . </li></ul>Rêmoras e tubarão Bromélia + árvore: Epifitismo ou Inquilinismo
  34. 48. <ul><li>Comensalismo: o peixe agulha se protege dentro do pepino do mar sem prejudicá-lo </li></ul>
  35. 49. <ul><li>2.2) Desarmônicas: </li></ul><ul><li>2.2.a) Predatismo : Relação entre o predador que mata e come a presa. </li></ul>carnivorismo herbivorismo
  36. 50. <ul><li>Mimetismo (imitar outros seres para espantar predadores) e a camuflagem (se confundir com o ambiente) são técnicas para se evitar a predação) </li></ul>mimetismo camuflagem
  37. 51. <ul><li>Predatismo mantém as espécies em equilíbrio dinâmico: </li></ul>
  38. 52. <ul><li>2.2 b) Escravismo: uma espécie escraviza outras: </li></ul>
  39. 53. <ul><li>2.2.c) Amensal ismo ou antibiose: : quando uma espécie libera substâncias que prejudicam outra como os antibióticos produzidos por fungos e as marés vermelhas causadas por algas: </li></ul>
  40. 54. <ul><li>2.2 d) Competição interespecífica : quando duas espécies diferentes competem pelo mesmo nicho ecológico. </li></ul>
  41. 55. Demoecologia ou Ecologia de Populações Prof. Eduardo
  42. 56. <ul><li>Populações : Conjunto de seres da mesma espécie que vivem em uma determinada área. </li></ul><ul><li>no. de indivíduos </li></ul><ul><li>Densidade populacional: --------------------------------------------- </li></ul><ul><li>tamanho da área </li></ul><ul><li>Fatores que determinam o tamanho das populações: </li></ul><ul><li>Taxa de natalidade (N) </li></ul><ul><li>Taxa de mortalidade (M) </li></ul><ul><li>Taxa de imigração, entrada (I) </li></ul><ul><li>Taxa de migração, saída (M) </li></ul>
  43. 57. <ul><li>Populações em crescimento: N + I > M + E </li></ul><ul><li>Populações estável: N + I > M + E </li></ul><ul><li>Populações em declínio: N + I < M + E </li></ul><ul><li>Potencial Biótico: Capacidade potencial de crescimento de uma população sob condições ideais. </li></ul><ul><li>Resistência ambiental: Conjunto de fatores ambientais que limitam o potencial biótico: </li></ul><ul><li>Falta de alimento </li></ul><ul><li>Clima </li></ul><ul><li>Espaço </li></ul><ul><li>Competição, predação e parasitismo. </li></ul>
  44. 59. <ul><li>Curva de Crescimento Normal de Populações: Fases </li></ul><ul><li>A ) Fase de Crescimento Lento : Adaptação ao novo meio </li></ul><ul><li>B) Fase de Crescimento Rápido : Adaptação máxima ao meio </li></ul><ul><li>C) Fase de Crescimento Retardado : Resistência do ambiente leva ao equilíbrio dinâmico . </li></ul>
  45. 60. <ul><li>Equilíbrio Dinâmico: Populações sujeita a flutuações: </li></ul><ul><li>Causas das Flutuações: </li></ul><ul><li>Competição </li></ul><ul><li>Parasitismo </li></ul><ul><li>Predatismo </li></ul><ul><li>Alimentação </li></ul><ul><li>Fatores climáticos </li></ul>
  46. 61. <ul><li>Causas das Flutuações: Competição: </li></ul>
  47. 62. <ul><li>Causas das Flutuações: Predatismo e Parasitismo </li></ul>
  48. 63. <ul><li>Curva de Sobrevivência (tempo de vida): Três tipos: </li></ul><ul><li>I) Mortalidade Elevada nos Jovens : muita prole e pouca sobrevivência. Peixes e Invertebrados </li></ul><ul><li>II) Mortalidade Constante durante toda vida. Hidra. </li></ul><ul><li>III) Maioria vive o mesmo período: cuidados com a prole. Mamíferos. </li></ul>

×