• Save
Modelo Clínico de Orientação Vocacional - Rodolfo Bohoslavsky
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Modelo Clínico de Orientação Vocacional - Rodolfo Bohoslavsky

on

  • 6,834 views

Apresentação do modelo clínico de orientação vocacional ocupacional de Rodolfo Bohoslavsky. Aborda desde a primeira entrevista, diagnóstico, prognóstico até as intervenções que o psicólogo ...

Apresentação do modelo clínico de orientação vocacional ocupacional de Rodolfo Bohoslavsky. Aborda desde a primeira entrevista, diagnóstico, prognóstico até as intervenções que o psicólogo faz para contribuir no processo de escolha de seu cliente.

Statistics

Views

Total Views
6,834
Views on SlideShare
6,579
Embed Views
255

Actions

Likes
6
Downloads
1
Comments
2

2 Embeds 255

http://www.linkedin.com 254
https://www.linkedin.com 1

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Modelo Clínico de Orientação Vocacional - Rodolfo Bohoslavsky Modelo Clínico de Orientação Vocacional - Rodolfo Bohoslavsky Presentation Transcript

  • Orientação vocacional ocupacional Rodolfo Bohoslavsky Setembro/2013
  • Ѱ Agenda 1. Modelos e objetivos de orientação vocacional 2. Primeira entrevista 3. Diagnóstico 4. Prognóstico 5. Intervenções do psicólogo Rodolfo Bohoslavsky
  • Rodolfo Bohoslavsky 1. MODELOS E OBJETIVOS: Modelo estatístico b) Instrumento principal: Testes psicológicos para se conhecer as aptidões e interesses. a) Objetivo: Encontrar entre as oportunidades existentes, aquelas que mais se ajustem às possibilidades e gostos do cliente. Modelo clínico b) Instrumento principal: Entrevista psicológica a) Objetivo: Conduzir o cliente a assumir e compreender a situação que enfrenta, para chegar a uma decisão pessoal e responsável. c) Influências: Escola Psicotécnica (EUA) ; Psicometria. c) Influências: Rogers (EUA) ; Psicanálise (Escola Inglesa) View slide
  • Rodolfo Bohoslavsky 1. MODELOS E OBJETIVOS: Modelo clínico Ajuda o jovem a conhecer A realidade do trabalho Social Econômica Política A si mesmo  Passado  Presente  Futuro As profissões O que é Como faz O que faz Decisão madura, pessoal e responsável View slide
  • Rodolfo Bohoslavsky 2. A PRIMEIRA ENTREVISTA Conhecer o cliente Entender sua demanda Mostrar ao cliente o método de trabalho Estar atento a primeira proposição, pois ela condensa toda a problemática vocacional Realizar testes psicométricos ou projetivos Estabelecer o contrato de trabalho Serve como base para elaboração do primeiro diagnóstico
  • Rodolfo Bohoslavsky 3. ELABORAÇÃO DO PRIMEIRO DIAGNÓSTICO Tem caráter funcional: A elaboração do prognóstico e intervenções a) Manejo do tempo b) Momento do processo de decisão c) Ansiedades predominantes d) Carreiras como objeto e características e) Identificações predominantes f) Situações que o adolescente atravessa g) Fantasias de resolução h) Deuteroescolha (Saber escolher) Fatores que devem ser alvo de atenção do psicólogo
  • Rodolfo Bohoslavsky 4. PROGNÓSTICO: Leva em consideração: a) Estrutura da personalidade b) Manejo da crise adolescente c) Histórico escolar d) História familiar e) Identidade vocacional f) Maturidade para escolher Para responder as perguntas: 1. Tem o adolescente, possibilidade de adquirir sua identidade ocupacional sem uma modificação substancial da estrutura de sua personalidade?
  • Rodolfo Bohoslavsky 4. PROGNÓSTICO: Leva em consideração: a) Estrutura da personalidade b) Manejo da crise adolescente c) Histórico escolar d) História familiar e) Identidade vocacional f) Maturidade para escolher 2.Tem maturidade para tomar uma decisão em relação ao seu futuro profissional? Para responder as perguntas:
  • Rodolfo Bohoslavsky 4. PROGNÓSTICO: Leva em consideração: a) Estrutura da personalidade b) Manejo da crise adolescente c) Histórico escolar d) História familiar e) Identidade vocacional f) Maturidade para escolher 3. Tem possibilidade de empregar sua percepção, pensamento e ação a serviço do princípio de realidade; de prever dificuldades, alcançar sínteses, tolerar frustrações, ter insight. Isto é, tem um ego, basicamente são? Para responder as perguntas:
  • Rodolfo Bohoslavsky 4. PROGNÓSTICO: Leva em consideração: a) Estrutura da personalidade b) Manejo da crise adolescente c) Histórico escolar d) História familiar e) Identidade vocacional f) Maturidade para escolher 4. Sou a pessoa mais indicada para ajuda-lo? Para responder as perguntas:
  • Rodolfo Bohoslavsky 4. PROGNÓSTICO: Leva em consideração: a) Estrutura da personalidade b) Manejo da crise adolescente c) Histórico escolar d) História familiar e) Identidade vocacional f) Maturidade para escolher 5. Este é o melhor momento para uma orientação vocacional? Para responder as perguntas:
  • Rodolfo Bohoslavsky 5. INTERVENÇÕES DO PSICÓLOGO: Visam o fornecimento de mais dados Assinalações Interpretações Síntese dos dados Transmissão de informação Fracasso na intervenção Ocorre quando se omite o ponto de urgência do adolescente, que é a definição de seu próprio futuro.
  • Rodolfo Bohoslavsky 5. INTERVENÇÕES DO PSICÓLOGO: O psicólogo também devolve informações sobre o comportamento do cliente, filtradas pela compreensão psicológica que teve. Existem 5 técnicas para se fazer isto: a) Reflexo b) Clarificação c) Reflexão d) Confrontação e) Interpretação
  • Rodolfo Bohoslavsky 5. INTERVENÇÕES DO PSICÓLOGO: a) REFLEXO Estive pensando que, toda vez que devo decidir alguma coisa, preocupo-me com o modo como meus colegas julgam o que decidi.
  • Rodolfo Bohoslavsky 5. INTERVENÇÕES DO PSICÓLOGO: a) REFLEXO Penso que se torna difícil, para você, desligar-se da atitude dos demais, quando deve decidir o que fazer.
  • Rodolfo Bohoslavsky 5. INTERVENÇÕES DO PSICÓLOGO: a) REFLEXO Se consulto os outros, sinto-me segura de que, se as coisas derem errado, a culpa será deles.
  • Rodolfo Bohoslavsky 5. INTERVENÇÕES DO PSICÓLOGO: a) REFLEXO O reflexo tem a utilidade de fazer com que o cliente experimente a sensação de ser compreendido e aceito pelo terapeuta. Por outro lado, o cliente pode não se sentir raro, excepcional, ao notar que o terapeuta não a estranha.
  • Rodolfo Bohoslavsky 5. INTERVENÇÕES DO PSICÓLOGO: b) CLARIFICAÇÃO Não lhe parece que devo, eu mesma, escolher e não levar em conta a opinião dos demais?
  • Rodolfo Bohoslavsky 5. INTERVENÇÕES DO PSICÓLOGO: b) CLARIFICAÇÃO Observe que, agora, está me perguntando se o que você pensa é certo, apesar de que opina que deve decidir por si mesma.
  • Rodolfo Bohoslavsky 5. INTERVENÇÕES DO PSICÓLOGO: b) CLARIFICAÇÃO Bem, mas isto é por que o senhor sabe mais do que eu. Só ao senhor é que vou dar atenção.
  • Rodolfo Bohoslavsky 5. INTERVENÇÕES DO PSICÓLOGO: b) CLARIFICAÇÃO Neste caso, o terapeuta congrega tudo que há de implícito na mensagem, porém, Não faz alusão a conteúdos inconscientes.
  • Rodolfo Bohoslavsky 5. INTERVENÇÕES DO PSICÓLOGO: c) REFLEXÃO Estou num beco sem saída, por que, se eu sigo a carreira que gosto e escolhi, meu pai vai ter um desgosto. Ele quer que eu estude arquitetura. Já não sei mais do que gosto.
  • Rodolfo Bohoslavsky 5. INTERVENÇÕES DO PSICÓLOGO: c) REFLEXÃO Você sente, por um lado, que já decidiu o que deve estudar, mas, por outro lado, acha que tem muitas dúvidas por que teme que o que você gosta desgoste a seu pai. Sente que fazer o que gosta é opor-se aos desejos de seu pai e não sabe o que prefere quanto a isto.
  • Rodolfo Bohoslavsky 5. INTERVENÇÕES DO PSICÓLOGO: c) REFLEXÃO Bem, talvez ele não desgostasse se eu estivesse bem segura da carreira a seguir. Pensando bem, isto lhe agradaria.
  • Rodolfo Bohoslavsky 5. INTERVENÇÕES DO PSICÓLOGO: c) REFLEXÃO Neste caso, o terapeuta acrescenta mais dados que os oferecidos pelo cliente e a função do psicólogo limita-se a discriminação e integração dos comportamentos do cliente e dos dados do campo.
  • Rodolfo Bohoslavsky 5. INTERVENÇÕES DO PSICÓLOGO: d) CONFRONTAÇÃO Quando se pensa na universidade, a gente fica arrepiado. Claro que depois a gente se acostuma. Realmente sentir medo é uma bobagem.
  • Rodolfo Bohoslavsky 5. INTERVENÇÕES DO PSICÓLOGO: d) CONFRONTAÇÃO Talvez você sinta que ter medo não tem sentido. Entretanto, tem medo, como quando entrou na escola de segundo grau e, possivelmente, o que a arrepia é o temor de que, até que se acostume com a universidade, seus colegas vão julgá-la uma boba,como me disse que aconteceu no 1º ano.
  • Rodolfo Bohoslavsky 5. INTERVENÇÕES DO PSICÓLOGO: d) CONFRONTAÇÃO Todos zoavam comigo... Não quero que na universidade façam a mesma coisa.
  • Rodolfo Bohoslavsky 5. INTERVENÇÕES DO PSICÓLOGO: d) CONFRONTAÇÃO Na confrontação o nível de penetração da mensagem do terapeuta chega ao implícito e ao inconsciente.
  • Rodolfo Bohoslavsky 5. INTERVENÇÕES DO PSICÓLOGO: e) INTERPRETAÇÃO A interpretação implica a verbalização dos conteúdos inconscientes, mas, alem disso, inclui a menção das defesas, das resistências a reconhecer como próprios, conscientemente, tais conteúdos e daquilo que se supõe que seja a origem do conflito.
  • Rodolfo Bohoslavsky Caminhante, não há caminhos; faz-se o caminho ao andar.
  • Obrigado por ler o material!  Bibliografia no próximo slide. Sobre mim: Estudante de psicologia com formação prevista para 2016 e profissional de marketing e vendas . Com o objetivo de estudar mais e ao mesmo tempo desenvolver melhor a habilidade de montar apresentações, decidiu compartilhar os assuntos que estuda na faculdade através do slideshare, facebook, linkedin para explicar as fascinantes teorias psicológicas. Claro, tudo com base em uma bibliografia, que você encontra sempre no último slide. Obrigado, Eduardo Manfré
  • Bibliografia BOHOSLAVSKY, Rodolfo; Orientação Vocacional. A estratégia clínica Martins Fontes 2003.