Prontuários, para que servem?
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Prontuários, para que servem?

on

  • 2,136 views

 

Statistics

Views

Total Views
2,136
Views on SlideShare
2,108
Embed Views
28

Actions

Likes
1
Downloads
12
Comments
0

4 Embeds 28

http://pepparacaps.blogspot.com 15
http://pepparacaps.wordpress.com 7
http://www.blogger.com 5
http://pepparacaps.blogspot.com.br 1

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Prontuários, para que servem? Prontuários, para que servem? Document Transcript

  • Prontuários, para que servem? Rev Bras PESQUISA ORIGINALRev Bras Crescimento Desenvolvimento Hum. 2009; 19(3): 383-392 Crescimento Desenvolvimento Hum. 2009; 19(3): 383-392 ORIGINAL RESEARCH PRONTUÁRIOS, PARA QUE SERVEM? REPRESENTAÇÃO DOS COORDENADORES DE EQUIPE DOS CAPSi A RESPEITO DO VALOR E DA UTILIDADE DOS PRONTUÁRIOS PATIENTS RECORDS, WHAT ARE THEY USED FOR? REPRESENTATION OF CAPSis´ TEAM COORDINATORS ABOUT THE VALUE AND USE OF PATIENTS RECORDS Alberto Olavo Advincula Reis 1 Caroline Dombi-Barbosa 2 Moacyr Miniussi Bertolino Neto 3 Maria Margarida Licursi Prates 4 Patrícia Santos de Souza Delfini 5 Felipe Lessa Fonseca 6 Ariana Queiroz de Oliveira 7 Reis AOA et al. Prontuários, para que servem? Representação dos coordenadores de equipe dos CAPSI a respeito do valor e da utilidade dos prontuários. Rev Bras Crescimento Desenvolv Hum. 2009; 19(3): 383-392. Resumo: Introdução: o artigo procura compreender como os Coordenadores dos Centros de Atenção Psicossocial Infantojuvenil (CAPSi) do Estado de São Paulo percebem o valor e a utilidade dos prontuários do usuários do serviço. Atualmente, os prontuários obedecem a claros princípios éticos. São muitas as pesquisas que se utilizam de prontuários e vários os estudos que se propõem a aperfeiçoá-los uma vez que são considerados ferramenta de primeira importância no âmbito da saúde. Cabe, entretanto, indagar se esses instrumentos são valorizados e se suas utilidades percebidas pelas equipes de saúde mental no exercício real de suas práticas. O trabalho descreve e analisa as percepções dos Coordenadores dos CAPSi-SP a respeito da utilidade dos prontuários para a equipe de saúde e para os usuários. Método: foi entrevistado um Coordenador de cada um dos 19 dos CAPSi do Estado de São Paulo. As respostas foram analisadas de acordo com os procedimentos clássicos da Análise de Conteúdo. Resultados: os prontuários são percebidos como valiosos instrumentos de trabalho e sua importância destacada como instrumento de intervenção e de acompanhamento clínicos. Sua relevância é assinalada como dispositivo que possibilita a articulação e a comunicação dos membros das equipes técnicas dos CAPSi. Por outro lado, não é percebida qual a utilidade que eles teriam para o usuário. A contradição nos níveis de importância alocada à utilidade dos prontuários quando se trata da equipe técnica ou dos usuários enseja uma discussão aprofundada sobre a natureza da clínica em saúde mental praticada nos CAPSi. Palavras-chave: CAPSi; prontuários; criança/adolescente; saúde mental. Trabalho resultante de processo FAPESP nº 2006/06902-2, realizado pelo Laboratório de Saúde Mental Coletiva (LASAMEC), da Faculdade de Saúde Pública da USP.1 Professor Doutor do Dept. de saúde materno-infantil da Faculdade de Saúde Pública da USP, orientador de Pós-graduação do Programa de Saúde Pública da Faculdade de Saúde Pública da USP. Coordenador do grupo de pesquisa CNPq do Laboratório de Saúde Mental Coletiva - LASAMEC. E-mail: albereis@usp.br2 Psicóloga. Mestre em Saúde Pública. do depto. de Saúde Materno-Infantil da Faculdade de Saúde Pública da USP. Pesquisadora do LASAMEC. E-mail: caroldombi@usp.br3 Psicólogo, pesquisador, membro do LASAMEC. E-mail:4 Terapeuta Ocupacional, pesquisadora, membro do LASAMEC.5 Psicóloga. Mestranda do Depto. de Saúde Materno-Infantil da Faculdade de Saúde Pública da USP. Pesquisadora do LASAMEC. Bolsista CNPq - Brasil. E-mail: patriciadelfini@usp.br6 Psicólogo. Doutor pela Pontifícia Universidade Católica/SP. Pesquisador do LASAMEC. E-mail: flessaf@uol.com.br7 Psicóloga, Mestranda da UNIFESP, membro do LASAMEC. E-mail: arianapsi@uol.com.br – 383 –
  • Prontuários, para que servem? Rev Bras Crescimento Desenvolvimento Hum. 2009; 19(3): 383-392 Abstract: Introduction: the article aims to understand how the coordinators of Psychosocial Care Centres for Children and Adolescents (CAPSi) from the state of São Paulo perceive the value and use of patients records. Nowadays, patients records obey clear ethical principles. There are several studies that collect data from patients records and others proposed to provide their improvement, because they are considered important tools in health system. However, it is important to ask if these tools are valuable and if their use is perceived by mental health teams in their everyday practices. The article describes and analyses the perception of CAPSi´s coordinators about the use of records for teams and patients. Method: One coordinator from each of the 19 CAPSi from the state of São Paulo were interviewed. The answers were analysed according to the classic procedures of content analysis. Results: the records are perceived as valuable work tools and they are considered important as intervention and clinical follow-up tools. Their relevance is also related as a tool that makes the articulation and communication among workers from CAPSi possible. On the other hand, the use they should have for patients is not perceived. The contradiction between levels of importance of the tool for workers and patients may point to the importance of a discussion about the mental health clinic practiced in CAPSi. Key words: CAPSi; patients records; children/adolescent; mental health.INTRODUÇÃO Goffman1-3, das asserções antipsiquiátricas oriundas diretamente das obras de Laing4 e Nem sempre a existência de prontuários, Cooper5 ou de sua recuperação pela psicanáli-que acompanham a trajetória dos usuários dos se lacaniana na versão de Maud Mannoni6. Deequipamentos de saúde mental e nos quais se acordo com essa perspectiva, a dinâmica dainscrevem os diversos dados, ações, cuidados saúde mental, em virtude da natureza específi-e medidas atinentes a esses sujeitos, foi reco- ca do transtorno mental, prescindiria do recur-nhecida como sendo de real utilidade para eles, so de prontuários.nem sua existência representou um valor posi- Atualmente, com a saúde mental funda-tivo por parte de setores de trabalhadores da da em outras bases e que em parte se inspira-saúde mental. Já se argumentou criticamente, ram dessas críticas, os prontuários e seus usosnum momento histórico em que as instituições obedecem a claros princípios que fazem dode saúde mental respondiam maciçamente ao usuário seu proprietário e das instituições seumodelo médico-hospitalar, que prontuários guardião, consoante a princípios éticos bemcristalizavam a vida e enrijeciam a dinâmica delineados. Exemplo disso é o que reza o arti-da situação dos sujeitos que neles tinham suas go 70 do Código de Ética Médico7, e de acor-vicissitudes inscritas e, assim, contribuíam para do com o qual se torna vedado ao médico “Ne-a reificação e estigmatização dos processos que gar ao paciente acesso a seu prontuárioos afetavam. A existência dessa modalidade de médico, ficha clínica ou similar, bem comoregistro prender-se-ia tão exclusivamente a deixar de dar explicações necessárias à suamedidas burocrático-administrativas, não raro compreensão, salvo quando ocasionar riscosideológicas e derivadas mimeticamente de pro- para o paciente ou para terceiros.” Este direi-cedimentos próprios da área que se ocupa das to é geralmente denominado de “habeas data”.doenças físicas. Parte dessas críticas foi deri- Dessa forma, mesmo que ainda não totalmentevada dos estudos interacionista-simbólicos de compreendido por alguns profissionais, o pron- – 384 –
  • Prontuários, para que servem? Rev Bras Crescimento Desenvolvimento Hum. 2009; 19(3): 383-392tuário é de total propriedade do paciente, ten- O presente trabalho, em face de tais in-do este o direito de acessá-lo, a qualquer mo- terrogações, descreve e analisa as percepçõesmento, bem como o paciente tem o direito de que os Coordenadores dos CAPSi do Estadonegar o acesso ao seu prontuário por qualquer de São Paulo têm a respeito da utilidade dosprofissional desde que assim o deseje”8 (Cos- prontuários. A pergunta indutora e as respos-ta, 2001:55). tas que dela decorreram permitiram que se ex- Dentre os elementos que participaram plorassem as percepções a respeito das diver-dessa inflexão destacam-se a transformação da sas modalidades de utilidades que osnatureza do sistema de saúde mental, a emer- prontuários encerram. Essas percepções foramgência de novos equipamentos sociais de aten- estudadas a partir de duas perspectivas: a utili-ção tais como os Centros de Atenção dade para os usuários e a utilidade para a equi-Psicossocial e as Residências Terapêuticas, ali- pe técnica.ados a uma compreensão baseada em princípi-os éticos de natureza democrático-cidadã dosprontuários. MÉTODO Nesses termos, parece existir consensosobre a importância dos prontuários seja para Os resultados apresentados nesse artigoseguimento, segurança e respaldo do usuário e remetem-se à análise das respostas a uma ques-suas utilizações são diversas. Assim, são mui- tão (subdividida em duas perguntas) de um to-tas as pesquisas que se utilizam de prontuários tal de sete questões abertas que compuserame são vários os estudos e ensaios que se pro- uma entrevista estruturada aplicada aos Coor-põem a aperfeiçoar e modernizar os prontuá- denadores dos 19 CAPSi do Estado de Sãorios considerados então como uma ferramenta Paulo, cadastrados há pelo menos um ano atéde primeira importância no âmbito da saúde 2006. A entrevista constitui parte da pesquisamental pública9,10. Nas resoluções do Conse- “Caracterização Epidemiológica e Sócio-lho Federal de Medicina referente ao prontuá- demográfica dos Centros de Atençãorio, definido como “conjunto de documentos Psicossocial Infanto-juvenis (CAPSi) no Esta-padronizados e ordenados, destinados ao re- do de São Paulo”, processo Fapesp nº 2006/gistro dos cuidados profissionais ao paciente 06902-2, aprovada pelo Comitê de Ética dapelos serviços de saúde públicos ou privados”11 Faculdade de Saúde Pública da USP (protoco-existe o reconhecimento do valor do prontuá- lo nº 1616 de 20 de abril de 2007).rio para o paciente, a instituição que o atende, Escolheu-se os Coordenadores de Equi-bem como para o médico, o ensino, a pesquisa pe como sujeitos da investigação pelo fato de-e os serviços de saúde pública. les assumirem função de liderança tanto nas À luz dessas considerações, poder-se-ia atividades atinentes aos projetos terapêuticosperguntar se os princípios éticos que regem os como de responsabilidade na manutenção deprontuários não se constituiriam apenas como registro de produtividade e de interlocução comsuperestruturas desconectadas do saber comum os diferentes atores que atuam junto aos CAPSi.que organiza, de fato, a realidade das práticas As respostas foram gravadas e transcritas, sen-dos serviços de saúde mental. Se assim for, do, então, objeto de análise e categorização dequal seria então o valor que as equipes de saú- acordo com os procedimentos clássicos da aná-de mental alocam aos prontuários no exercício lise de conteúdo12-14. Um treinamento cuidado-real de suas práticas cotidianas? Quais são as so da equipe de entrevistadores, formada porutilidades percebidas por essas equipes no tan- mestrandos, doutorandos, profissionais da áreagente aos prontuários? da psicologia, terapia ocupacional, educação e – 385 –
  • Prontuários, para que servem? Rev Bras Crescimento Desenvolvimento Hum. 2009; 19(3): 383-392enfermagem, aliado a um número conciso de a) utilidade para a equipe eperguntas permitiu que se reduzisse ao míni- b) utilidade para os usuários.mo o viés de entrevistador, eventualmente ca- As unidades de significação, uma vezpaz de afetar a qualidade das respostas. associadas por nexos lógicos de similaridade A estrutura do instrumento voltado à semântica, deram origem a diversas categori-coleta de informações comportou três temas, as. O procedimento que, em seguida, permitiu 1. Inserção dos usuários no CAPSI [1ª a construção e a hierarquização das categorias questão] foi pautado por dois critérios: 2. Processo de estabelecimento de di- 1. aproximação das subcategorias que agnóstico [2ª questão e subquestões] encerravam maior ou menor freqüên- 3. Processo de registro e utilização dos cia de unidades de significação de prontuários [da 3ª a 7ª questão e respostas (critério quantitativo); subquestões]. 2. relação de significação que cada uma As entrevistas foram agendadas e reali- da subcategoria mantém com as ou-zadas nos próprios CAPSi consoante à dispo- tras (critério qualitativo).nibilidade dos sujeitos. A questão nº4 foi retidapara o presente trabalho e consistiu na seguin-te formulação: RESULTADOS E DISCUSSÃO Questão 4 - Qual a utilidade dos pron-tuários para: Valor dos prontuários a. Equipe Técnica O valor dos prontuários foi considerado b. Usuário positivo para os Coordenadores, não havendo Para a análise das respostas foi realiza- sido registrada nenhuma expressão, idéia ouda uma leitura geral (envolvendo as duas per- menção a respeito de qualquer qualidade ne-guntas) tendo por crivo o valor do prontuá- gativa a eles alocada. O conjunto das respos-rio, uma vez que se observou que todas as tas indica a enorme importância que o prontu-respostas sobre a utilidade dos prontuários ário encerra para as Equipes dos CAPSi. Frasestraziam consigo referências ao valor desses e expressões, produzidas por representante deinstrumentos. Assim, decidiu-se por reter to- um CAPSi do Interior e outro da Grande Sãodas as unidades de significações que, na per- Paulo, como as abaixo transcritas retratam ocepção dos Coordenadores, se remetiam ao conjunto das falas dos entrevistados:valor representado pelos prontuários para os “Ah! Eu acho que é de uma riqueza ím-CAPSi. Por último, foram sorteados aleatori- par né? Porque cada um tem uma ação, entãoamente dois CAPSi, um do Interior e outro da é só quem for atender aquele caso, seja a fa-Capital do Estado de São Paulo para que se mília, seja a escola; então é subsídio assim,extraíssem as expressões mais ilustrativas a importantíssimo, né? Você ter a fotografia da-respeito do valor dos prontuários emitidas por quele paciente, a dinâmica da família, todo diaseus Coordenadores. Para o tratamento espe- dele, né? Muito importante.” (CAPSi 12 -cífico das respostas das duas perguntas pro- Grande São Paulo)cedeu-se a uma análise temática categorial. “Para a Equipe é fundamental: é o ins-Para tanto, a totalidade das respostas foi lida, trumento de trabalho. Aqui a gente zela porefetuando-se nesse processo ao recorte e es- um bom registro. Imagina só, esses dias veiotabelecimento de unidades de significação que uma mãe aqui, que a filha fez atendimentose remetiam a duas categorias maiores defi- em 2004, e veja bem, se eu não tive um bomnidas de antemão: registro como é que eu vou poder fazer um – 386 –
  • Prontuários, para que servem? Rev Bras Crescimento Desenvolvimento Hum. 2009; 19(3): 383-392bom relatório? A gente faz o registro de tudo, INSTRUMENTO DE INTERVENÇÃOtudo mesmo, é bem elaborado e sobre todas E DIAGNÓSTICO.as consultas, cada atividade. É o meio de co- As referentes ao “canal de troca de in-municação da equipe, se a referência não tá formação entre os membros da equipe técni-aqui e alguma pessoa precisa de alguma in- ca”, “lugar de aglutinação e ampliação da vi-formação vai recorrer ao prontuário.” são da Equipe” deram lugar à categoria: BASE(CAPSi 9 - Interior) DE TROCAS DE INFORMAÇÃO. A coincidência de percepção acerca do Quando se tratava de falas que aponta-valor dos prontuários presente nas falas dos vam para o fato do prontuário “inscrever a his-Coordenadores oriundos de duas realidades tória da criança ou do adolescente nos CAPSi”geodemográficas distintas indica que os pron- ou de ser “o lugar de apropriação da históriatuários são considerados como instrumento de do sujeito”, elas foram organizadas sob atrabalho e de cidadania importante para os subcategoria SEDIMENTAÇÃO DA HISTÓ-CAPSi. RIA DO SUJEITO” e, finalmente, quando fi- zeram menção de que o prontuário é um ins- trumento com o qual a equipe pode contar para A. Utilidade dos prontuários para responder a alguma demanda ou as Equipes questionamento vindo de fora do CAPSi ou As primeiras Categorias obtidas a par- quando é percebido como “referência para atir das Unidades de Significação acerca da per- equipe”, “recurso de memória”, elas foramcepção da utilidade dos prontuários para a colocadas sob a subcategoria SEGURANÇAEQUIPE foram: PARA EQUIPE. • Instrumento de orientação de condu- ta; Deste modo, pôde-se construir 4 • Base de atendimento; subcategorias maiores: • Canal de troca de informação entre 1. Base de troca de informação entre os os membros da equipe técnica; membros da equipe técnica; • Lugar de aglutinação e ampliação da 2. Instrumento de intervenção e diagnós- visão da Equipe; tico junto à criança/adolescente; • Inscrição da história da criança ou do 3. Sedimentação da história do sujeito; adolescente nos CAPSi; 4. Fator de segurança para a equipe. • Lugar de apropriação da história do Essas quatro subcategorias foram por sua sujeito; vez aglutinadas em duas categorias mais ge- • Instrumento com o qual a equipe rais. pode contar para responder a alguma 1. INTERVENÇÃO INTEGRAL en- demanda ou questionamento vindo globou as subcategorias: de fora do CAPSi; a. Base de troca de informação; • Referência para a equipe; b. Instrumento de intervenção e diag- • Recurso de memória. nóstico. As Unidades de Significação que fize- 2. DOCUMENTO IDENTITÁRIO queram menção ao fato dos prontuários serem per- associou as subcategorias:cebidos como “instrumento de avaliação do a. Sedimentação da História do Sujei-estado da criança ou do adolescente”, como to;“instrumento de orientação de conduta” e “base b. Segurança para a Equipe e o Pacien-de atendimento” definiram a subcategoria: te. – 387 –
  • Prontuários, para que servem? Rev Bras Crescimento Desenvolvimento Hum. 2009; 19(3): 383-392Figura 1: Percepção da utilidade dos prontuários para a equipe segundo os Coordenadores dosCAPSi, Estado de São Paulo, 2009.Equipe Intervenção Integral Base de Troca de Informações Intervenção Integral Instrumento de Intervenção e Diagnóstico Equipe Sedimentação da História do Sujeito Documento Identitário Segurança para a Equipe e o PacienteFonte: REIS AOA. Pesquisa Caracterização Epidemiológica e Sócio-demográfica dos Centros deAtenção Psicossociais Infantojuvenis do Estado de São Paulo, processo FAPESP 06/06902-2. A principal utilidade do prontuário é a Resulta então poder afirmar que ode ser um Instrumento de Intervenção e Di- prontuário tem sua maior importância comoagnóstico, representando 41,9% das respostas. função operatória clínica. Outra utilidadeEm seguida, situam-se as respostas que indi- percebida é a de assumir uma funçãocam ser os prontuários um Lugar de Troca de psicossocial ao possibilitar encontro,Informação entre os membros da Equipes interação, comunicação da equipe cujos(22,6,0%) Sedimentação da História do Su- membros pouco discutem ou nem sempre sejeito (25,8%) e, por último, Lugar de Segu- encontram entre si.rança (9,7%). A freqüência acumulada dos doistipos de respostas, “Instrumento de Interven- A segunda categoria denominada DO-ção e Diagnóstico” e “Lugar de Troca de In- CUMENTO IDENTITÁRIO foi formada aformação entre os membros da Equipe” evi- partir da associação das duas últimasdencia a importância desse conjunto (64,5%). subcategorias:Além, disso essas duas subcategorias entretêm 1. Lugar de sedimentação da históriaentre si um nexo lógico que possibilita que for- 2. Lugar de segurançamem juntas uma categoria maior. A associação entre as subcategorias As duas subcategorias articuladas entre Lugar de Sedimentação da história do sujei-si, sob a denominação Intervenção Integral, to e Lugar de Segurança para a equipe e odefinem o núcleo central da significação rela- paciente permitiu a formação da categoriativa à utilidade do questionário para a equipe Documento Identitário. A freqüência dastécnica. Considerando que a orientação e a in- unidades de significação que deram origemtervenção diagnóstica devam ser, de acordo à primeira representa 25,9% enquanto as quecom os princípios dos CAPS e do SUS, formaram a segunda. Lugar de Segurançaconduzidas sob a lógica da integralidade e, con- representaram 9,7% das respostas. O conjun-sequentemente, da multidisciplinaridade que to das duas subcategorias responde porcaracteriza o trabalho de uma equipe de saúde 35,5% do total de todas as respostas. A sig-mental da rede pública, o fato do prontuário nificação comum entre elas se mostra no fatoter uma função integradora no âmbito da co- de que é pela apropriação e sedimentação damunicação e da troca de informação entre os história do sujeito é que se pode responder amembros da equipe faz com que a articulação qualquer demanda ou questionamento oriun-dessas duas subcategorias mostre, nesses ter- dos da família, da justiça ou de diversas ou-mos, seu nexo lógico. tras instituições ou grupos. – 388 –
  • Prontuários, para que servem? Rev Bras Crescimento Desenvolvimento Hum. 2009; 19(3): 383-392Tabela 1: Distribuição do número e proporção das Unidades de Significação para as Categoriasreferentes à Utilidade dos Prontuários para a Equipe na percepção dos Coordenadores dos CAPSi.São Paulo, 2009. frequência frequência frequência relativaCATEGORIAS SUBCATEGORIAS frequência relativa acumulada acu]mulada Base de Troca de 22,6 7 22,6 7INTERVENÇÃO Informações INTEGRAL Instrumento de Intervenção e 13 41,9 20 64,5 Diagnóstico Sedimentação da 90,3 8 25,8 28 DOCUMENTO História do Sujeito IDENTITÁRIO Segurança para a Equipe e o Paciente 3 9,7 31 100,0 TOTAL 31* 100,0 31 100,0Fonte: REIS AOA. Pesquisa Caracterização Epidemiológica e Sócio-demográfica dos Centros deAtenção Psicossociais Infantojuvenis do Estado de São Paulo, processo FAPESP 06/06902-2.*O número de unidades de significação supera o número de entrevistados posto que um sujeitopode produzir mais de uma unidade de significaçãoB Utilidade dos prontuários para os • Ética; usuários • Nenhuma utilidade. As primeiras Categorias obtidas a partir As categorias INFORMAÇÃO OFI-das Unidades de Significação acerca da per- CIAL OU INSTITUCIONAL e INFORMA-cepção da utilidade dos prontuários para os ÇÃO PESSOAL puderam ser associadas dan-USUÁRIOS foram: do origem à categoria maior INFORMAÇÃO • Informação oficial ou institucional; (o prontuário é útil para o usuário porque é • Informação pessoal; fonte de informação para ele). As outras 4 ca- • Segurança; tegorias não responderam a nenhum critério • Benefícios; que lhes permitissem associação.Figura 2: Percepção da utilidade dos prontuários para os usuários de acordo com os Coordena-dores dos CAPSi. Estado de São Paulo. 2009. INFORMAÇÃO PESSOAL INSTITUCIONAL Segurança Usuário Benefícios Ética NenhumaFonte: REIS AOA. Pesquisa Caracterização Epidemiológica e Sócio-demográfica dos Centros deAtenção Psicossociais Infantojuvenis do Estado de São Paulo, processo FAPESP 06/06902-2. – 389 –
  • Prontuários, para que servem? Rev Bras Crescimento Desenvolvimento Hum. 2009; 19(3): 383-392 Foram estabelecidas cinco categorias teresse de ordem não institucional e que inte-sem que se apreendesse um nexo lógico entre ressa de maneira direta e imediata ao sujeitoelas que permitisse suas associações mais par- tal como “a mãe quer informação sobre a ques-ticulares capazes de formar, desta sorte, cate- tão medicamentosa” ou ainda, “a mãe conse-gorias maiores. De modo similar, as freqüên- gue os atestados que precisa”.cias de Unidades de Significação sob cada uma Optou-se por distinguir Informação dasdas subcategorias foram praticamente equiva- respostas que foram organizadas sob a rubricalentes. A única subcategoria que se diferenciou “Benefícios” pelo fato desses últimos repre-em significações diversificadas foi a denomi- sentarem uma situação muito específica em quenada INFORMAÇÃO. Nesse caso, ela se a informação constitui um meio ou instrumen-bipartiu em “informação institucional” e “in- to para obter alguma vantagem, tal como umaformação pessoal”. ajuda financeira ou algo concreto assemelha- Informação Institucional encerra unida- do. A categoria Segurança é da mesma ordemdes de significação que fazem referência à uti- da categoria de mesmo nome e que se reportalidade do prontuário para o usuário quando à “utilidade para a equipe”. Ética se refere aopercebida como um veículo de comunicação fato de que as respostas, de caráter geral, res-para a Vara da Família, para o Conselho Tute- pondem essencialmente, a um principio ético,lar ou para situações em que a criança ou o sem mencionar nenhum benefício imediato eadolescente são objeto de transferência para tangível, como por exemplo, “O Prontuário éuma outra instituição. do usuário”. Finalmente, as respostas “não sei” O segundo tipo, Informação Pessoal, re- ou “nenhuma” foram consideradas de mesmafere-se às respostas conectadas com algum in- significação.Figura 3: Percepção da utilidade dos prontuários para as equipes e os usuários de acordo com osCoordenadores dos CAPSI. Estado de São Paulo, 2009. Base de Troca de Informações Intervenção Integral Instrumento de Intervenção e Diagnóstico Sedimentação da História do Sujeito Equipe Documento Identitário Segurança para a Equipe e o Paciente Pessoal Informação InstitucionalUtilidade Segurança Usuário Benefícios Ética NenhumaFonte: REIS AOA. Pesquisa Caracterização Epidemiológica e Sócio-demográfica dos Centros deAtenção Psicossociais Infantojuvenis do Estado de São Paulo, processo FAPESP 06/06902-2 – 390 –
  • Prontuários, para que servem? Rev Bras Crescimento Desenvolvimento Hum. 2009; 19(3): 383-392Tabela 2: Distribuição do número e proporção das Unidades de Significação para as Categoriasreferentes à utilidade dos Prontuários na percepção dos Coordenadores dos CAPSi. São Paulo,2009. CATEGORIA n % Informação 2 10,5 Pessoal Institucional 2 10,5 Segurança 3 15,8 Benefício 3 15,8 Ética 2 10,5 Nenhuma 7 36,9 Total 19 100Fonte: REIS AOA. Pesquisa Caracterização Epidemiológica e Sócio-demográfica dos Centros deAtenção Psicossociais Infantojuvenis do Estado de São Paulo, processo FAPESP 06/06902-2. As respostas em suas unidades de signi- Psicossocial do Estado de São Paulo comoficação se distribuíram com freqüências apro- essenciais para o processo de intervenção clí-ximadamente assemelhadas pelas diversas ca- nica e acompanhamento das crianças e ado-tegorias. A categoria NENHUMA, significando lescentes. São, igualmente, vistos como dis-que o prontuário não representa utilidade al- positivo que possibilita a articulação dosguma para o usuário é a única que se destaca membros das equipes técnicas dos CAPSi.com 36,9% (n=7). Não deixa de ser surpreen- Deste modo, eles são apreendidos como ins-dente o fato de que o prontuário, percebido trumentos cujos sentidos de intervençãocomo tendo uma importância “fundamental”, apontam tanto para o “interior” do CAPSiconsiderado como o “lugar da história do pa- quanto para o “exterior”. No primeiro senti-ciente” ou ainda visto como “chave mestra” se do, eles aparecem como ferramentas de su-tratando de sua utilidade para a equipe técni- porte clínico que asseguram a continuidadeca, seja quando se refere ao usuário, estimado da atenção dispensada às crianças e adoles-como não tendo utilidade alguma. A assimetria centes em seus contextos. No segundo sen-entre esses dois pólos merece destaque e, pos- tido, o prontuário é encarado como uma fer-sivelmente, aponta para a natureza da clínica ramenta de articulação da equipe. Por outroque neles se processa. Poder-se-ia ainda dizer lado, não são percebidas quais ou qual a uti-que a despeito dos imensos avanços realiza- lidade que o prontuário teria para o usuário,dos no plano ético e político no tangente aos muito embora se compreenda que ele seja oprontuários, persiste uma certa inércia ideoló- lugar de inscrição da história dos sujeitos quegica que perpetua na prática o entendimento são atendidos no CAPSi. A contradição dede que esses instrumentos são voltados, no pla- níveis de importância alocada à utilidade dosno clínico, exclusivamente para a equipe téc- prontuários, ou seja, o desbalanço de sua uti-nica ou para o setor administrativo. lidade quando se considera ora a equipe téc- nica ora os usuários do CAPSi enseja uma profunda discussão sobre os vieses da clíni-CONSIDERAÇÕES FINAIS ca praticada nos equipamentos de saúde men- tal. Provavelmente, uma visão legalista ou, Os prontuários são percebidos pelos no pior dos casos, decorrente de uma inérciaCoordenadores dos Centros de Atenção conceitual que ainda percebe, a despeito da – 391 –
  • Prontuários, para que servem? Rev Bras Crescimento Desenvolvimento Hum. 2009; 19(3): 383-392nova realidade da saúde mental, o prontuá- passa pelo fato de fazer dos pacientes ele-rio como um instrumento da equipe técnica mentos ativos de seu contexto.dos serviços de saúde impede que ele sejautilizado como um eficaz meio de diálogo, AGRADECIMENTOSapetrecho clínico interativo entre a equipe eo usuário 15. A reflexão, tendo por referência Agradecemos o apoio financeiro da Fun-a utilidade e o valor dos prontuários, pode- dação de Amparo à Pesquisa do Estado de Sãoria não só realçar a importância de seu bom Paulo (FAPESP) no projeto 2006/06902-2,preenchimento como constituir-se como ele- intitulado Caracterização Epidemiológica emento de aprimoramento dos instrumentos Sócio-Demográfica dos Centros de Atençãoque os CAPSi têm à disposição para perse- Psicossocial Infantojuvenis do Estado de Sãoguir sua finalidade de inclusão social que Paulo, relacionado a esse artigo.REFERÊNCIAS qualidade do prontuário do paciente na atenção básica. Rio de Janeiro. Cadernos1. Goffman E. Manicômios, prisões e de Saúde Pública. 2008; 24 (1 conventos. São Paulo: Ed. Perspectiva; Supl):173-182. 1974. 10. Novaes HMD. Pesquisa em, sobre e2. Goffman E. A representação do Eu na para os serviços de saúde: panorama vida cotidiana. Petrópolis: Ed. Vozes; internacional e questões para a pesquisa 1975. em saúde no Brasil. Cad. Saúde Publica Rio de Janeiro. 2004; 20 (2 Supl): 147-3. Goffman E. Estigma.Rio de Janeiro: Ed. 157. Zahar; 1975. 11. Conselho Regional de Medicina do4. Laing D. Psiquiatria e Antipsiquitria. Distrito Federal. Prontuário médico do São Paulo: Perspectiva, 1967. paciente: guia para uso prático/Conselho5. Cooper RD. The divided Self. London: Regional de Medicina do Distrito Harmondsworth;1960. Federal. – Brasília: Conselho Regional de Medicina, 2006.6. Mannoni M. Le Psychiatre, son “fou” et 12. Bardin L. Análise de Conteúdo. Lisboa: la psychanalyse. Paris: Ed. Du Seuil; Ed.70; 1979. 1970. 13. Creswell JW. Research design:7. Código de Ética Médico. Acesso em 02/ Qualitative and quantitative approaches. 03/2001. Online. Disponível na Thousand Oaks, USA; London,UK; New Internet:http://www.cfm.org.br/ Delhi,India: Sage Publications; 1994. codetic.htm. 14. Franco MLPB. Análise do Conteúdo.8. Costa CGA. Desenvolvimento e Brasília: Plano editorial; 2004. avaliação tecnológica de um sistema de 15. Moreno DMFC, Reis AOA. O momento prontuário eletrônico do paciente, da comunicação do resultado sorológico baseado nos paradigmas da World Wide para o HIV sob a ótica winnicottiana. Web e da Engenharia de Software Pulsional Rev de Psicanálise. 2002; 156: [dissertação de mestrado]. Campinas: 20-5. Universidade Estadual de Campinas; 2001. Recebido em 22 de fevereiro de 2009.9. Vasconcellos MM., Gribel EB, Moraes Modificado em 10 de julho de 2009. IHS. Registros em saúde: avaliação da Aceito em 12 de agosto de 2009. – 392 –