Your SlideShare is downloading. ×
Historia total
Historia total
Historia total
Historia total
Historia total
Historia total
Historia total
Historia total
Historia total
Historia total
Historia total
Historia total
Historia total
Historia total
Historia total
Historia total
Historia total
Historia total
Historia total
Historia total
Historia total
Historia total
Historia total
Historia total
Historia total
Historia total
Historia total
Historia total
Historia total
Historia total
Historia total
Historia total
Historia total
Historia total
Historia total
Historia total
Historia total
Historia total
Historia total
Historia total
Historia total
Historia total
Historia total
Historia total
Historia total
Historia total
Historia total
Historia total
Historia total
Historia total
Historia total
Historia total
Historia total
Historia total
Historia total
Historia total
Historia total
Historia total
Historia total
Historia total
Historia total
Historia total
Historia total
Historia total
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Historia total

557

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
557
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
14
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Professor: Franklin Emygdio História do Brasil
  • 2. A expansão Ultramarina Portuguesa dos séculos XV e XVI.
  • 3. MOTIVAÇÕES: • TERRAS PARA SUPRIR A SATURAÇÃO EUROPÉIA • METAIS PRECIOSOS PARA AS NECESSIDADES COMERCIAIS • ROTAS DE COMÉRCIO SEM INTERMEDIÁRIOS PARA O ORIENTE • A FORMAÇÃO DOS PRIMEIROS ESTADOS NACIONAIS NA EUROPA
  • 4. PRODUTOS ORIENTAIS PRATA COMÉRCIO MEDIEVAL APÓS O SÉCULO XII
  • 5. A crise dos preços $ DE MAIS PRODUTO DE MENOS = ALTA GERAL DE PREÇOS América Espanhola Europa em crise
  • 6. O COMÉRCIO ORIENTAL ESTAVA EM MÃOS DOS MERCADORES ÁRABES QUE SE RELACIONAVAM COM AS CIDADES ITALIANAS DE GÊNOVA E VENEZA, ALÉM DE CONSTANTINOPLA, ANTIÓQUIA E ALEXANDRIA
  • 7. EXPANSÃO PORTUGUESA A BURGUESIA CENTRALIZADA EM TORNO DO REI FAZ O FINANCIAMENTO PARA AS GRANDES NAVEGAÇÕES
  • 8. FIM DO PÉRIPLO AFRICANO • 1488- Bartolomeu Dias chega ao cabo da Boa Esperança • 1498- Vasco da Gama chega às Índias • 1500- Cabral chega ao Brasil
  • 9. 1) A respeito das grandes navegações (segunda metade do século XV e primeira metade do século XVI), pode-se afirmar que, além de mera expansão geográfica, elas: A) transformaram o Brasil, então Terra de Santa Cruz, em parada obrigatória para as rotas orientais. B) representaram a chegada, pela primeira vez, de mercadorias africanas ao mercado europeu. C) criaram uma rota comercial mais ágil e lucrativa para as índias através da Terra do Fogo. D) foram responsáveis pelo deslocamento do eixo econômico do Mar Mediterrâneo para o Oceano Atlântico. E) Causaram um processo inflacionário na Europa com a importação maciça de ouro e açúcar provenientes do sul da África.
  • 10. LETRA D
  • 11. 2) Entre as principais conseqüências da expansão marítima e comercial européia dos séculos XV e XVI, pode-se assinalar. A) A mudança do eixo da navegação do Atlântico Norte para o Atlântico Sul; a definitiva comprovação da esfericidade da Terra pelos navegantes e o deslocamento imediato das potências pioneiras (Portugal e Espanha) da posição de supremacia naval-militar pelas potências do norte europeu (França, Holanda e Inglaterra), de maior poderio econômico. B) mudança do eixo da navegação do Mar Mediterrâneo para o Oceano Atlântico; a definitiva comprovação da esfericidade da Terra pelos navegantes e a supremacia naval-militar das potências ibéricas (Portugal e Espanha) até a segunda metade do século XVI. C) A mudança do eixo da navegação do Mar Mediterrâneo para o Oceano Atlântico; a ratificação da tese da esfericidade da Terra (defendida por todos os sábios desde a Antiguidade) e o deslocamento imediato das potências pioneiras (Portugal e Espanha) da posição de supremacia naval-militar pelas potências do norte europeu (França, Holanda e Inglaterra), de maior poderio econômico. D) A mudança do eixo da navegação do Oceano Atlântico para o Oceano índico, em virtude do interesse de Portugal e Espanha em conquistar as regiões orientais produtoras de especiarias e metais preciosos, e a derrocada destas duas potências ibéricas na segunda metade do século XVI, por não conseguirem resistir ao maior poderio naval-rnilitar da França, Holanda e Inglaterra. E) A comprovação definitiva da tese da esfericidade da Terra e a mudança do eixo da navegação para os Oceanos índico e Pacífico, por serem áreas de acesso direto às regiões orientais produtoras de especiarias e metais preciosos, controlados por Portugal e Espanha até o século XVII.
  • 12. Letra B
  • 13. 3) Dispostos a participar do lucrativo comércio de especiarias, realizado pelos portos do levante mediterrâneo e controlado pelos venezianos, os portugueses buscaram um caminho alternativo. Em 1498, Vasco da Gama conseguiu chegar à Índia: A) através dos portos do poente mediterrâneo. B) utilizando as antigas rotas terrestres do Meio Oriente. C) utilizando o canal do Panamá. D) através do Estreito de Magalhães. E) circunavegando a África.
  • 14. Letra E
  • 15. 4) (...) As vias estão portanto abertas simultaneamente para sudoeste, logo para as Américas, e para sudeste, logo para o oceano Índico e para a Ásia. Os terrores que enchiam a alma dos marinheiros sobre as extremidades da Terra estão ultrapassados. O sistema dos ventos atlânticos está compreendido. A bússola, o astrolábio, as tabelas de navegação permitem localizar mais ou menos a posição do navio na imensidade marítima. A nau ou nave e a caravela substituem vantajosamente a galera e suas derivadas, frente às vagas do oceano. Os europeus estão ávidos de saber o que se passa além-oceano. Os Estados reencontraram uma paz e uma relativa prosperidade. Tudo está no seu lugar para os grandes descobrimentos. Frédéric Mauro A expansão européia Os “grandes descobrimentos” a que o trecho acima se refere: A) foram possíveis, no caso de Portugal, graças à combinação de vários fatores, destacadamente, a centralização do poder monárquico em 1385, que aproximou o poder real dos interesses dos comerciantes lusos. B) não despertaram, por todo o século XV, nenhum interesse nos “Reis Católicos” da Espanha, preocupados exclusivamente com as lutas contra os mouros que ainda ocupavam a Península Ibérica. C) permitiram o estabelecimento de amplas relações comerciais, pacíficas e mutuamente vantajosas, entre os povos europeus e os povos africanos e americanos. D) provocaram um enfraquecimento imediato das monarquias absolutistas (sobretudo as ibéricas), substituídas por repúblicas governadas daí em diante pelos grupos burgueses. E) ocorreram numa época de grande obscurantismo cultural e científico, de recusa sistemática a toda inovação técnica, e de desprezo pela herança artística e filosófica do mundo greco-romano.
  • 16. Letra A
  • 17. A FUNDAÇÃO DO BRASIL NO MODELO MERCANTILISTA
  • 18. - Colônia deveria produzir para o fornecimento de gêneros inexistentes na Europa). - Monocultura. - Agroexportação. - Latifúndio. - Escravismo. MODELO CHAMADO DE PLANTATION - Pacto Colonial ou Exclusivo Colonial (monopólio de comércio da metrópole sobre a colônia). CARACTERÍSTICAS GERAIS DO PERÍODO COLONIAL
  • 19. O PACTO COLONIAL COLÔNIA METRÓPOLEMONOPÓLIO Consumo de manufaturas Envio de matéria-prima
  • 20. 1) Leia o texto abaixo. Durante cerca de trinta anos após a chegada da esquadra comandada por Cabral, o Estado Português não iniciou a colonização de fato do Brasil, ficando o período conhecido como pré-colonial. Assinale a opção que apresenta características marcantes desse período. A) Intensa chegada de colonos de origem espanhola para o Brasil. B) Início da produção de café, principalmente na região Nordeste. C) Extração do pau-brasil e o uso da mão de obra indígena. D) Plantio sistemático de cana-de-açúcar, principalmente na região Centro- Oeste. E) Mecanização da produção e bens de serviços duráveis.
  • 21. Letra C
  • 22. 2) Os primitivos habitantes do Brasil foram vítimas do processo colonizador. O europeu, com visão de mundo calcada em preconceitos, menosprezou o indígena e sua cultura. A acreditar nos viajantes e missionários, a partir de meados do século XVI, há um decréscimo da população indígena, que se agrava nos séculos seguintes. Os fatores que mais contribuíram para o citado decréscimo foram: A) a captura e a venda do índio para o trabalho nas minas de prata do Potosí. B) as guerras permanentes entre as tribos indígenas e entre índios e brancos. C) o canibalismo, o sentido mítico das práticas rituais, o espírito sanguinário, cruel e vingativo dos naturais D) as missões jesuíticas do vale amazônico e a exploração do trabalho indígena na extração da borracha. E) as epidemias introduzidas pelo invasor europeu e a escravidão dos índios.
  • 23. Letra E
  • 24. 3) “A língua de que [os índios] usam, toda pela costa, é uma: ainda que em certos vocábulos difere em algumas partes; mas não de maneira que se deixem de entender. (...) Carece de três letras, convém a saber, não se acha nela F, nem L, nem R, coisa digna de espanto, porque assim não tem Fé, nem Lei, nem Rei, e desta maneira vivem desordenadamente (...)." (GANDAVO, Pero de Magalhães, História da Província de Santa Cruz, 1578.) A partir do texto, pode-se afirmar que todas as alternativas expressam a relação dos portugueses com a cultura indígena, exceto: A) A busca de compreensão da cultura indígena era uma preocupação do colonizador. B) A desorganização social dos indígenas se refletia no idioma C) A diferença cultural entre nativos e colonos era atribuída à inferioridade do indígena. D) A língua dos nativos era caracterizada pela limitação vocabular. E) Os signos e símbolos dos nativos da costa marítima eram homogêneos
  • 25. Letra A
  • 26. 4) A colonização portuguesa de suas terras americanas tinha com um dos objetivos a proteção, através da posse efetiva, pois elas estavam ameaçadas por invasões estrangeiras, no afã de usufruírem das riquezas naturais. A política, que vai nortear o processo de colonização, esteve inserida: A) No Mercantilismo Ibérico. B) No Mercantilismo Bullhônico. C) No Mercantilismo de Balança comercial favorável. D) No Mercantilismo Colbertista
  • 27. Letra A
  • 28. 5) São características das Colônias de Exploração implantadas no Continente Americano a partir do século XVII: A) trabalho compulsório, mercado interno, plantações de subsistência e Pacto Colonial. B) pequena propriedade familiar, manufaturas, policultura, autonomia econômica e mão-de-obra livre. C) grandes propriedades de terras, ação colonizadora em nada relacionada aos conflitos religiosos na Metrópole, monocultura e trabalho escravo. D) trabalho escravo, produção voltada para a exportação, economia limitada pelo Exclusivo Colonial e latifúndio monocultor. E) pequenas plantações de subsistência, monocultura, ação colonizadora baseada nas propostas mercantilistas e mão-de-obra livre.
  • 29. Letra D
  • 30. BRASIL COLONIAL
  • 31. • BRA em 2º plano: comércio com as Índias + ausência de metais preciosos. • Pau-Brasil – Fabricação de tintura para tecidos. – Exploração nômade e predatória. – Escambo com índios. – Incursões estrangeiras (ESP, INGL e FRA). • Expedições guarda-costas (fracasso). O PAU-BRASIL O PERÍODO PRÉ-COLONIAL (1500 – 1530):
  • 32. ÁREAS DE EXPLORAÇÃO DO PAU-BRASIL Sistema de Feitorias
  • 33. A Colonização: – Decadência do comércio com as Índias. – Medo de perder as terras para invasores. – Esperança de encontrar metais preciosos. OCUPAR A TERRA PARA NÃO PERDÊ-LA!
  • 34. ESTRUTURA ADMINISTRATIVA DO BRASIL COLÔNIA As Capitanias Hereditárias: – 15 lotes horizontais de terra entregues pelo rei a membros da corte de sua confiança. – Carta de Doação: documento que transferia a posse da terra. – Capitão Donatário – aquele que recebe um dos lotes de terra. – Carta Foral: direitos e deveres dos donatários. • Direitos – aplicar a justiça, escravizar índios e doar sesmarias. • Deveres – fundar povoados, cobrar impostos e defender o território. – Privilégios metropolitanos: • 100% sobre o Pau Brasil. • 100% sobre as drogas do sertão. • 20% sobre metais preciosos. • 10% sobre a produção agrícola.
  • 35. – Motivos para a aplicação deste tipo de organização: • POR já havia testado essa forma administração em suas ilhas do Atlântico. • Transferência de despesas para particulares (POR não gastava nada). – Fracasso: falta de recursos e de interesse dos donatários + distância excessiva da metrópole + invasões estrangeiras + ataques de indígenas. – Únicas Capitanias que deram certo: Pernambuco e São Vicente.
  • 36. GOVERNOS GERAIS • Os Governos Gerais: – Correção de erros das Capitanias . – Centralização Administrativa. – Cargos auxiliares: Ouvidor-mor (justiça), Provedor-mor (tesouro – cobrança de impostos), Capitão-mor (defesa).
  • 37. Tomé de Souza (1549 – 1553): – Salvador (capital), doação de sesmarias, criação de engenhos, criação do primeiro bispado do Brasil, vinda de jesuítas;
  • 38. Duarte da Costa (1553 – 1558): - atritos entre colonos e jesuítas, bispo e governador, atritos com índios, invasão de franceses ao RJ;
  • 39. Mem de Sá (1558 – 1572): restabelecimento da paz interna e expulsão de franceses do RJ.
  • 40. • As Câmaras Municipais: – Instâncias de poder local. – Homens bons (homens brancos e ricos proprietários de terra). Normalmente eram pessoas perseguidas pelos católicos que haviam se tornado cristãos. Cristãos Novos
  • 41. 1) A criação do Governo-Geral do Brasil pode ser encarada como uma tentativa do governo português para: a) Diminuir a intervenção do rei na administração colonial. b) Delegar maiores poderes aos Donatários. c) Centralizar a administração colonial. d) Dar maiores poderes aos Donatários.
  • 42. Letra C
  • 43. 2) O governo do Estado do Rio de Janeiro acusa o prefeito Cesar Maia de difamar a polícia em artigo. O procurador-geral do Estado do Rio, Francesco Conte, pediu ontem à Justiça agilidade no processo aberto na quarta-feira contra o prefeito Cesar Maia, que atacou a política de segurança do governo estadual em artigo publicado no dia 15 de agosto na seção “Tendências/Debates” da Folha. (Folha de São Paulo, 24/08/2001). Os conflitos entre várias instâncias político-administrativas não constituem um problema exclusivo dos dias de hoje. Desde a época colonial, cada instância administrativa desejava o poder para si, tornando-se cenário de disputas diversas. O seguinte órgão local de administração constituía-se como espaço de negociação política, no Brasil colonial: A) Câmara Municipal B) Tribunal de Relação C) Capitania Hereditária D) Conselho Ultramarino
  • 44. Letra A
  • 45. 3) Durante a maior parte do período colonial a participação nas câmaras das vilas era uma prerrogativa dos chamados "homens bons", excluindo-se desse privilégio os outros integrantes da sociedade. A expressão "homem bom" dizia respeito a: A) homens que recebiam a concessão da Coroa portuguesa para explorar minas de ouro e de diamantes; B) senhores de engenho e proprietários de escravos; C) funcionários nomeados pela Coroa portuguesa para exercerem altos cargos administrativos na colônia; D) homens considerados de bom caráter, independentemente do cargo ou da função que exerciam na colônia.
  • 46. Letra B
  • 47. 4) Um dos principais problemas brasileiros atuais é a questão da concentração da propriedade da terra. Os meios de comunicação de massa (rádio, televisão, jornal) trazem todos os dias, matérias sobre invasões promovidas por camponeses sem-terra, mas a falta de terra para quem realmente quer trabalhar nela não é um problema atual. Um instrumento de distribuição de terra do período colonial que comprova a longa duração deste problema no Brasil é: A) o Regimento Geral; B) a Carta de Sesmaria; C) o Tratado de Tordesilhas; D) as Feitorias.
  • 48. Letra B
  • 49. 5) Sobre a “Carta de Doação” e o “Foral”, documento referente ao uso e posse da terra, no Brasil Colonial, assinale a afirmativa correta: A) A Carta de Doação estabelecia os direitos e deveres dos colonos. B) O Foral estabelecia os direitos e deveres dos donatários. C) Pela Carta de Doação o donatário poderia conceder sesmarias a colonos – portugueses ou não – que professassem a fé católica. D) O Foral estabelecia que os atos dos donatários só poderiam ser julgados pelo rei. E) Pela Carta de Doação, o donatário podia fundar vilas e povoados e criar instrumentos administrativos, jurídicos, civis e criminais para regê-los.
  • 50. Letra B
  • 51. 6) Sobre o Governo Geral, instalado no Brasil pelo regimento de 1548, pode-se afirmar que: A) acabou, de imediato, com o sistema de capitanias hereditárias. B) teve total sucesso ao impor a centralização política em toda a colônia, como forma de facilitar a defesa do território. C) teve curta duração, pois foi dissolvido durante a ocupação francesa do Rio de Janeiro, em 1555. D) durou até 1808, apesar de, a partir de 1720, os governadores passarem a ser chamados de vice-reis. E) adotou, desde o início, o Rio de Janeiro como única capital, em virtude do grande sucesso da cultura canavieira nas províncias do Rio de Janeiro e São Paulo.
  • 52. Letra D
  • 53. INVASÕES ESTRANGEIRAS – Não reconhecimento do Tratado de Tordesilhas. – Contrabando e pirataria. – França Antártica (RJ – 1555 – 1567). • Fuga de huguenotes perseguidos. • Capitão Villegaignon (líder francês). • Estácio de Sá – sobrinho de Mem de Sá, responsável pela expulsão dos franceses do RJ, com a ajuda dos índios tamoios.
  • 54. França Equinocial (MA 1612 – 1615). • União Ibérica – enfraquecimento de POR. • Empreendimento oficial da coroa francesa. • Fundação de São Luís. • Expulsos por coligação luso-espanhola. • As invasões inglesas: – Ataques de piratas e corsários. – Cidades litorâneas (Santos e Recife).
  • 55. O BRASIL É ESPANHOL OU HOLANDÊS? UNIÃO IBÉRICA (1580-1640)
  • 56. União Ibérica (1580 – 1640): – Período em que POR e ESP foram governados pelos mesmos reis. POR foi dominada pela ESP. – D. Sebastião (POR) morre em 1578 sem deixar sucessores.Mito do Sebastianismo, em POR. – D. Henrique, seu tio já idoso assume o trono e falece em 1580, também sem sucessores. – Felipe II, rei da ESP invade o país e impõe governo conjunto, afinal, era da mesma família. – Possessões portuguesas passam a ser da ESP.
  • 57. A ENTRADA DOS HOLANDESES NO BRASIL – Acordo com nobreza portuguesa determina manutenção de órgãos administrativos portugueses nas colônias, portanto, internamente não houve alterações no Brasil. – Tratado de Tordesilhas começa a ser ultrapassado. – Inimigos da ESP na Europa invadem o BRA em represália ao governo espanhol. – HOL, um dos inimigos da ESP é impedida de fazer comércio em qualquer possessão espanhola. – Comércio do açúcar no BRA que tinha participação holandesa é atingido. – Holandeses invadem o BRA tentando romper o bloqueio espanhol ao comércio de açúcar.
  • 58. As invasões holandesas (1624 – 1654): –Tentativa de romper o bloqueio econômico imposto pelo governo espanhol ao comércio do açúcar. –1624 – Invasão da BA (fracasso). –Criação da Companhia das Índias Ocidentais – empresa holandesa responsável por viabilizar recursos para invadir novamente o Brasil. –1630 – 1654 – Invasão de PE (maior centro mundial de produção açucareira).
  • 59. Ares de modernidade
  • 60. Maurício de Nassau – governante holandês responsável pelo controle de PE e estabelecer um clima amistoso com os brasileiros. –Modernização e urbanização. –Embelezamento de cidades (com a vinda de artistas holandeses). –Financiamento para donos de engenho. –Liberdade de culto. –Demitido em 1644 pela CIA. das Índias Ocidentais. MAURÍCIO DE NASSAU
  • 61. - ESCRAVOS MAIS BARATOS - MAIORES PREÇOS AO PRODUTOR - MELHORIAS NOS ENGENHOS - MAIOR PRODUÇÃO
  • 62. COM O FIM DA UNIÃO IBÉRICA O CENÁRIO MUDA. PRESSIONADA, A HOLANDA MUDA SUA POLÍTICA COLONIAL PARA MEHORAR SUA ARRECADAÇÃO. - AUMENTA OS IMPOSTOS - SOBE O PREÇO DO ESCRAVO - REDUZ O QUE PAGA AO PRODUTOR
  • 63. Insurreição Pernambucana (1645 – 54): movimento luso- brasileiro que expulsou os holandeses do BRA. Conseqüência da expulsão dos holandeses: início da crise do ciclo do açúcar pois os holandeses ao saírem do BRA instalam-se nas Antilhas (América Central), produzindo lá um açúcar mais barato e de melhor qualidade que o nosso.

×