Conexoes com a Fisica - EJA - Planejamento Interativo
 

Conexoes com a Fisica - EJA - Planejamento Interativo

on

  • 12,794 views

 

Statistics

Views

Total Views
12,794
Views on SlideShare
12,794
Embed Views
0

Actions

Likes
2
Downloads
78
Comments
1

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Conexoes com a Fisica - EJA - Planejamento Interativo Conexoes com a Fisica - EJA - Planejamento Interativo Document Transcript

  • EDUCAÇÃO DE EJAPLANEJAMENTO JOVENS E ADULTOS CONEXÕES COM AINTERATIVO FÍSICAPROFESSORESCOLA CÓDIGO DA COLEÇÃOANO TURMA 25050COL22 Material de Divulgação da Editora Moderna
  • EDUCAÇÃO DEJOVENS E ADULTOSCONHEÇA NOSSA PROPOSTA COMPLETA PARA EJA CÓDIGO DA COLEÇÃO CÓDIGO DA COLEÇÃO 25050COL22 25052COL22 CONEXÕES COM A FÍSICA FÍSICA CIÊNCIA E TECNOLOGIA Blaidi Sant’Anna Carlos Magno A. Torres Gloria Martini Nicolau Gilberto Ferraro Hugo Carneiro Reis Paulo Antonio de Toledo Soares Walter Spinelli A dinâmica perfeita entre Autores que são fenômenos ciência e cotidiano. em sala de aula e no Enem. CÓDIGO DA COLEÇÃO CÓDIGO DA COLEÇÃO CÓDIGO DA COLEÇÃO CÓDIGO DA COLEÇÃO 25035COL20 25073COL21 25047COL06 25022COL06BIOLOGIA QUÍMICA CONEXÕES COM A HISTÓRIAJosé Mariano Amabis NA ABORDAGEM HISTÓRIA DAS CAVERNAS AOGilberto Rodrigues Martho DO COTIDIANO Alexandre Alves TERCEIRO MILÊNIOA seleção natural é clara: Francisco Miragaia Peruzzo Letícia Fagundes de Oliveira Patrícia Ramos Braicksó as obras mais adaptadas Eduardo Leite do Canto Mais que uma fonte histórica, Myriam Becho Motase destacam no atual A mistura de grandes talentos um registro indispensável Uma viagem pela históriamundo dos jovens. em uma coleção que é um para suas aulas. com passaporte para o futuro. laboratório para a vida.
  • AMPLIAR PERSPECTIVAS, CONSTRUIR UM NOVO MUNDO. CÓDIGO DA COLEÇÃO CÓDIGO DA COLEÇÃO CÓDIGO DA COLEÇÃO CÓDIGO DA COLEÇÃO 25142COL01 25143COL01 25042COL02 25117COL02PORTUGUÊS PORTUGUÊS CONEXÕES COM A MATEMÁTICACONTEXTO, INTERLOCUÇÃO E LITERATURA • GRAMÁTICA MATEMÁTICA PAIVASENTIDO • PRODUÇÃO DE TEXTO Editora responsável: Manoel PaivaMaria Luiza M. Abaurre Leila Lauar Sarmento Juliane Matsubara Barroso A Matemática a toda prova.Maria Bernadete M. Abaurre Douglas Tufano A soma de experiências vistaMarcela Pontara por um ângulo inovador. Uma coleção com osUm trio de autoras que virou melhores predicados dasinônimo de educação. Língua Portuguesa. CÓDIGO DA COLEÇÃO CÓDIGO DO LIVRO CÓDIGO DA COLEÇÃO CÓDIGO DA COLEÇÃO 25058COL05 28886L2928 25074COL33 25185COL33CONEXÕES FILOSOFANDO FREEWAY UPGRADEESTUDOS DE GEOGRAFIA INTRODUÇÃO À FILOSOFIA Editora responsável: Editora responsável:GERAL E DO BRASIL Maria Lúcia de Arruda Aranha Veronica Teodorov Gisele AgaLygia Terra Maria Helena Pires Martins Richmond é a marca de Richmond é a marca deRegina Araújo Um novo olhar para Inglês da Editora Moderna. Inglês da Editora Moderna.Raul Borges Guimarães construir identidades eUma inovação que ultrapassa exercer a cidadania.a fronteira da sala de aula. PNLD 2012
  • EDUCAÇÃO DEJOVENS E ADULTOS CONEXÕES COM A BLAIDI SANT’ANNA FÍSICA GLORIA MARTINI HUGO CARNEIRO REIS WALTER SPINELLI ENTRAR EM SALA DE AULA E FAZER ACONTECER: NOSSAS OBRAS E AUTORES PENSAM COMO VOCÊ. Caro professor, O Planejamento interativo da coleção Conexões com a Nesse sentido, o Planejamento interativo é uma importante Física foi elaborado para a Educação de Jovens e Adultos contribuição para o desenvolvimento da capacidade de (EJA) com o objetivo de orientar e apoiar o educador aprender e de continuar aprendendo, já que estimula a no desenvolvimento de um trabalho rico, completo e autonomia intelectual e o pensamento crítico. especializado. Nossa proposta é transformar cada aula em uma Conhecendo o desafio dessa modalidade escolar, que oportunidade de diálogo com a Ciência e com o mundo, prevê que todo o conteúdo do Ensino Médio seja suscitada pela compreensão dos fundamentos científico- explorado em um período letivo mais curto, foram -tecnológicos dos processos produtivos, por meio da selecionados os pontos que merecem atenção especial investigação e da contextualização sociocultural. Outro para, assim, sugerir procedimentos pedagógicos objetivo é tornar o aluno capaz de relacionar com facilidade específicos. Lembramos que esse material foi desenvolvido teoria e prática, trabalhando o estabelecimento de conexões para se adaptar ao seu estilo de trabalho; por isso, se você entre os fenômenos do dia a dia e suas explicações. considerar os demais tópicos igualmente fundamentais, Esse plano de aulas visa também ao desenvolvimento das basta incluí-los no planejamento. competências necessárias para um bom desempenho no Desssa forma, esse material sugere uma prática Exame Nacional do Ensino Médio (Enem); por isso, explora o pedagógica que estimule o estudante a pensar sobre conhecimento científico em suas aplicações no cotidiano. o mundo e nele atuar de forma cidadã, a partir da Para o desenvolvimento das competências pessoais apropriação dos conhecimentos. propostas pelos Parâmetros Curriculares Nacionais para o Cada aluno de EJA possui um motivo para retomar seus Ensino Médio (PCNEM), o Planejamento interativo propõe estudos e, a partir dessas intenções, o educador poderá uma visão orgânica do processo educativo, abrangendo as resgatar o interesse de sua turma pelo saber. conexões entre as disciplinas do currículo, as relações entre o aprendido e o observado, a utilização das linguagens como formas de constituição do saber e a construção coletiva do conhecimento, apresentando a disciplina de forma global. A intenção é o aluno contribuir com uma formação sólida, para que, assim, o aluno possa valorizar o estudo da Física e utilizar o aprendizado na interação com o mundo à sua volta. A seguir, são indicados alguns sites em que o estudante poderá assistir a vídeos, ler artigos interessantes, como também analisar simulações. www.modernadigital.com.br www.laboratoriodefisica.com.br http://cienciahoje.uol.com.br http://pontociencia.org.br www.cienciamao.if.usp.br www.feiradeciencias.com.br Bom trabalho!
  • ORGANIZAÇÃO DO MATERIALCONTEÚDO OBJETIVOS ORIENTAÇÕES DIDÁTICASApresenta os eixos essenciais Define as principais Traz indicações de uso dosque devem ser abordados em competências exigidas recursos propostos, comcada capítulo para orientar o para a assimilação dos base nas sugestões doseu planejamento pedagógico. conteúdos do capítulo. Suplemento para o professor e na vivência VOLUME 1 ESTUDO DOS MOVIMENTOS, LEIS DE NEWTON em sala de aula. UNIDADE 1 ELEMENTOS E DESCRIÇÃO DOS MOVIMENTOS CAPÍTULO 2 CINEMÁTICA: PRINCIPAIS CONCEITOS CONTEÚDO OBJETIVOS METODOLOGIA AVALIAÇÃO ORIENTAÇÕES DIDÁTICAS • Referencial e trajetória Reconhecer a importância Enfatizar a importância Exercícios 1 a 4 da Veja no Suplemento para • Posição, distância da definição de do referencial no estudo seção Para continuar o Professor orientações percorrida e referencial. dos movimentos. aprendendo (p. 49 e 50). para trabalhar a questão deslocamento escalar Calcular a distância Destacar diferenças entre Exercícios 19 e 20 da seção introdutória (p. 36). • Velocidade escalar percorrida e o distância percorrida e Questões propostas, em Peça aos alunos exemplos média deslocamento de um deslocamento. duplas (p. 48). sobre movimento e corpo. Verificar a importância Para complementar a repouso. Demonstre o • Gráficos da velocidade conceito de referencial, a em função do tempo Calcular a velocidade da linguagem gráfica aprendizagem do estudo escalar média e a como ferramenta dos movimentos, peça partir da diversidade das aceleração escalar média. na interpretação de aos alunos que realizem respostas. Representar graficamente fenômenos. pesquisas sobre os Interprete com eles os a posição, a velocidade e MODERNA DIGITAL: trabalhos de Galileu. gráficos. Proponha a a aceleração em função leitura da seção Você Animação: precisa saber! (p. 46). do tempo. Movimento, repouso e Calcular o deslocamento referencial. Convide os alunos a fazer de um corpo a partir do os demais exercícios da gráfico da velocidade em seção Para continuar função do tempo. aprendendo. METODOLOGIA AVALIAÇÃO Aborda os processos Seleciona textos, questões indicados para a e atividades para promover exposição dos conteúdos. o acompanhamento do aprendizado dos estudantes. CALENDÁRIO 2012 JANEIRO FEVEREIRO MARÇO ABRIL MAIO JUNHO D S T Q Q S S D S T Q Q S S D S T Q Q S S D S T Q Q S S D S T Q Q S S D S T Q Q S S 1 2 3 4 5 6 7 1 2 3 4 1 2 3 1 2 3 4 5 6 7 1 2 3 4 5 1 2 8 9 10 11 12 13 14 5 6 7 8 9 10 11 4 5 6 7 8 9 10 8 9 10 11 12 13 14 6 7 8 9 10 11 12 3 4 5 6 7 8 9 15 16 17 18 19 20 21 12 13 14 15 16 17 18 11 12 13 14 15 16 17 15 16 17 18 19 20 21 13 14 15 16 17 18 19 10 11 12 13 14 15 1622 23 24 25 26 27 28 19 20 21 22 23 24 25 18 19 20 21 22 23 24 22 23 24 25 26 27 28 20 21 22 23 24 25 26 17 18 19 20 21 22 2329 30 31 26 27 28 29 25 26 27 28 29 30 31 29 30 27 28 29 30 31 24 25 26 27 28 29 301 CONFRATERNIZAÇÃO UNIVERSAL 21 CARNAVAL 6 PAIXÃO DE CRISTO 1 DIA DO TRABALHO 7 CORPUS CHRISTI 8 PÁSCOA 21 TIRADENTES JULHO AGOSTO SETEMBRO OUTUBRO NOVEMBRO DEZEMBRO D S T Q Q S S D S T Q Q S S D S T Q Q S S D S T Q Q S S D S T Q Q S S D S T Q Q S S 1 2 3 4 5 6 7 1 2 3 4 1 1 2 3 4 5 6 1 2 3 1 8 9 10 11 12 13 14 5 6 7 8 9 10 11 2 3 4 5 6 7 8 7 8 9 10 11 12 13 4 5 6 7 8 9 10 2 3 4 5 6 7 8 15 16 17 18 19 20 21 12 13 14 15 16 17 18 9 10 11 12 13 14 15 14 15 16 17 18 19 20 11 12 13 14 15 16 17 9 10 11 12 13 14 1522 23 24 25 26 27 28 19 20 21 22 23 24 25 16 17 18 19 20 21 22 21 22 23 24 25 26 27 18 19 20 21 22 23 24 16 17 18 19 20 21 2229 30 31 26 27 28 29 30 31 23 24 25 26 27 28 29 28 29 30 31 25 26 27 28 29 30 23 24 25 26 27 28 29 30 12 N. SRA. APARECIDA 2 FINADOS 30 31 15 PROCLAMAÇÃO DA REPÚBLICA 7 INDEPENDÊNCIA DO BRASIL 25 NATAL Física • PNLD 2012
  • EDUCAÇÃO DEJOVENS E ADULTOS PLANEJAMENTO 2012JANEIRO FEVEREIRO MARÇO 1 D 1 Q 1 Q 2 S 2 Q 2 S 3 T 3 S 3 S 4 Q 4 S 4 D 5 Q 5 D 5 S 6 S 6 S 6 T 7 S 7 T 7 Q 8 D 8 Q 8 Q 9 S 9 Q 9 S 10 T 10 S 10 S 11 Q 11 S 11 D 12 Q 12 D 12 S 13 S 13 S 13 T 14 S 14 T 14 Q 15 D 15 Q 15 Q 16 S 16 Q 16 S 17 T 17 S 17 S 18 Q 18 S 18 D 19 Q 19 D 19 S20 S 20 S 20 T 21 S 21 T 21 Q22 D 22 Q 22 Q23 S 23 Q 23 S24 T 24 S 24 S25 Q 25 S 25 D26 Q 26 D 26 S 27 S 27 S 27 T28 S 28 T 28 Q29 D 29 Q 29 Q30 S 21 CARNAVAL 30 S 31 T 31 S 1 CONFRATERNIZAÇÃO UNIVERSALABRIL MAIO JUNHO 1 D 1 T 1 S 2 S 2 Q 2 S 3 T 3 Q 3 D 4 Q 4 S 4 S 5 Q 5 S 5 T 6 S 6 D 6 Q 7 S 7 S 7 Q 8 D 8 T 8 S 9 S 9 Q 9 S10 T 10 Q 10 D 11 Q 11 S 11 S12 Q 12 S 12 T13 S 13 D 13 Q14 S 14 S 14 Q 15 D 15 T 15 S16 S 16 Q 16 S 17 T 17 Q 17 D18 Q 18 S 18 S19 Q 19 S 19 T20 S 20 D 20 Q21 S 21 S 21 Q22 D 22 T 22 S23 S 23 Q 23 S24 T 24 Q 24 D25 Q 25 S 25 S26 Q 26 S 26 T27 S 27 D 27 Q28 S 28 S 28 Q29 D 29 T 29 S30 S 30 Q 30 S 6 PAIXÃO DE CRISTO 31 Q 7 CORPUS CHRISTI 8 PÁSCOA 1 DIA DO TRABALHO 21 TIRADENTES 6
  • PLANEJAMENTO 2012JULHO AGOSTO SETEMBRO 1 D 1 Q 1 S 2 S 2 Q 2 D 3 T 3 S 3 S 4 Q 4 S 4 T 5 Q 5 D 5 Q 6 S 6 S 6 Q 7 S 7 T 7 S 8 D 8 Q 8 S 9 S 9 Q 9 D10 T 10 S 10 S 11 Q 11 S 11 T 12 Q 12 D 12 Q 13 S 13 S 13 Q 14 S 14 T 14 S 15 D 15 Q 15 S 16 S 16 Q 16 D 17 T 17 S 17 S 18 Q 18 S 18 T 19 Q 19 D 19 Q20 S 20 S 20 Q 21 S 21 T 21 S22 D 22 Q 22 S23 S 23 Q 23 D24 T 24 S 24 S25 Q 25 S 25 T26 Q 26 D 26 Q27 S 27 S 27 Q28 S 28 T 28 S29 D 29 Q 29 S30 S 30 Q 30 D 31 T 31 S 7 INDEPENDÊNCIA DO BRASILOUTUBRO NOVEMBRO DEZEMBRO 1 S 1 Q 1 S 2 T 2 S 2 D 3 Q 3 S 3 S 4 Q 4 D 4 T 5 S 5 S 5 Q 6 S 6 T 6 Q 7 D 7 Q 7 S 8 S 8 Q 8 S 9 T 9 S 9 D10 Q 10 S 10 S 11 Q 11 D 11 T12 S 12 S 12 Q13 S 13 T 13 Q14 D 14 Q 14 S 15 S 15 Q 15 S16 T 16 S 16 D 17 Q 17 S 17 S18 Q 18 D 18 T19 S 19 S 19 Q20 S 20 T 20 Q21 D 21 Q 21 S22 S 22 Q 22 S23 T 23 S 23 D24 Q 24 S 24 S25 Q 25 D 25 T26 S 26 S 26 Q27 S 27 T 27 Q28 D 28 Q 28 S29 S 29 Q 29 S30 T 30 S 30 D31 Q 2 FINADOS 31 S 12 N. SRA. APARECIDA 15 PROCLAMAÇÃO DA REPÚBLICA 25 NATAL 7 Física • PNLD 2012
  • EDUCAÇÃO DEJOVENS E ADULTOS CONHEÇA NOSSOS RECURSOS PEDAGÓGICOS NO PORTAL: PLANEJAMENTO INTERATIVO www.modernadigital.com.br VOLUME 1 ESTUDO DOS MOVIMENTOS, LEIS DE NEWTON, LEIS DA CONSERVAÇÃO UNIDADE 1 ELEMENTOS E DESCRIÇÃO DOS MOVIMENTOS CAPÍTULO 2 CINEMÁTICA: PRINCIPAIS CONCEITOS CONTEÚDO OBJETIVOS METODOLOGIA AVALIAÇÃO ORIENTAÇÕES DIDÁTICAS • Referencial e trajetória Reconhecer a importância Enfatizar a importância do Exercícios 1 a 4 da seção Veja no Suplemento para • Posição, distância da definição de referencial. referencial no estudo dos Para continuar aprendendo o Professor orientações percorrida e Calcular a distância movimentos. (p. 49 e 50). para trabalhar a questão deslocamento escalar percorrida e o Destacar diferenças entre Exercícios 19 e 20 da seção introdutória (p. 36). • Velocidade escalar média deslocamento de um corpo. distância percorrida e Questões propostas, em Peça aos alunos exemplos Calcular a velocidade deslocamento. duplas (p. 48). sobre movimento e • Gráficos da velocidade em repouso. Demonstre o função do tempo escalar média e a Verificar a importância Para complementar a aceleração escalar média. da linguagem gráfica aprendizagem do estudo conceito de referencial, a como ferramenta dos movimentos, peça partir da diversidade das Representar graficamente respostas. a posição, a velocidade e a na interpretação de aos alunos que realizem aceleração em função do fenômenos. pesquisas sobre os Interprete com eles os tempo. MODERNA DIGITAL: trabalhos de Galileu. gráficos. Proponha a leitura da seção Você precisa saber! Calcular o deslocamento Animação: (p. 46). de um corpo a partir do Movimento, repouso e gráfico da velocidade em referencial. Convide os alunos a fazer os função do tempo. demais exercícios da seção Para continuar aprendendo. CAPÍTULO 3 MOVIMENTO UNIFORME (MU) CONTEÚDO OBJETIVOS METODOLOGIA AVALIAÇÃO ORIENTAÇÕES DIDÁTICAS • Velocidade constante Reconhecer as Discutir as características Seção Para investigar em Discuta a necessidade • Função horária de um características do do movimento uniforme. grupo (p. 62). de eliminar o atrito corpo no movimento movimento retilíneo Motivar os alunos a para tornar possível o retilíneo uniforme (MRU) uniforme. imaginar situações sem movimento uniforme. Escrever a equação horária atrito, embora tal situação Mostre que, na prática, da posição de um corpo não exista na prática. situações sem atrito não no MRU. MODERNA DIGITAL: existem. Associar a equação horária Simuladores: Proponha para os alunos da posição de um corpo ao MRU. a leitura coletiva da seção gráfico representativo da MRUV. Para saber mais (p. 55). situação. Aproveite para falar sobre Para simular o MRU, selecione 0 (zero) para o respeito ao limite de aceleração. velocidade e incentive a reflexão sobre os acidentes de trânsito. Indique o acesso ao site: www. chegadeacidentes.com.brProfessor, leia as sugestões de avaliação desta coleção no Suplemento para o Professor.Consulte tabela com indicações de slides em Powerpoint nas páginas 21 a 25. Todos os slides podem ser encontrados no site www.modernadigital.com.br 8
  • Confira indicações de vídeos no final do Planejamento PLANEJAMENTO INTERATIVO UNIDADE 2 MOVIMENTOS COM VELOCIDADE VARIÁVEL CAPÍTULO 4 MOVIMENTO UNIFORMEMENTE VARIADO (MUV) CONTEÚDO OBJETIVOS METODOLOGIA AVALIAÇÃO ORIENTAÇÕES DIDÁTICAS• Aceleração escalar Reconhecer a característica Enfatizar, no estudo dos Proponha a atividade da Desenvolva, durante as média de um corpo em da grandeza “aceleração movimentos, a necessidade seção Para saber mais (p. 77). explicações e correções movimento retilíneo escalar média” como taxa de dimensionar o valor Os alunos deverão realizá-la de exercícios, uma• Movimento retilíneo de variação do módulo da obtido nos cálculos, bem em duplas. abordagem que privilegie uniformemente variado velocidade. como a interpretação dos a compreensão conceitual (MRUV) Classificar um movimento resultados. do movimento à resolução como acelerado ou Sublinhar que, matemática dos exercícios.• Deslocamento e gráfico v versus t no MRUV retardado, e como na construção do Alguns alunos de EJA progressivo ou retrógrado. conhecimento físico, a podem apresentar Representar graficamente Matemática não pode ser dificuldades na resolução a velocidade de um corpo sobreposta à compreensão de problemas. Oriente os em MRUV em função conceitual. que têm maior facilidade do tempo, bem como MODERNA DIGITAL: para auxiliar os demais. extrair informações do Simuladores: gráfico para a resolução de MRU. situações-problema. MRUV. CAPÍTULO 5 O ESPAÇO NO MOVIMENTO RETILÍNEO UNIFORMEMENTE VARIADO CONTEÚDO OBJETIVOS METODOLOGIA AVALIAÇÃO ORIENTAÇÕES DIDÁTICAS• Deslocamento no MRUV Reconhecer os conceitos Demonstrar como é o Leitura em grupo da seção Reforce a necessidade da• A função horária do de velocidade média e de deslocamento de um corpo Para saber mais e posterior compreensão conceitual na espaço no MRUV média de velocidades para em MRUV. preenchimento da Tabela B, resolução dos problemas. um corpo em movimento. Apontar quais são conforme indicado no Aprofunde Calcular o deslocamento as diferenças entre o texto (p. 85 e 86). conceitualmente que a de um corpo em MRUV, a deslocamento no MRU e Propor aos alunos uma grandeza deslocamento partir da velocidade média no MRUV. pesquisa com o tema no MRUV é diretamente desenvolvida pelo corpo MODERNA DIGITAL: Educação no Trânsito. proporcional ao quadrado entre dois instantes de do tempo. tempo. Simuladores: MRU. Conduza as explicações Aplicar a equação horária MRUV. ilustrando-as com da posição no MRUV na exemplos do cotidiano dos resolução de situações- alunos. -problema. Sugira a resolução de outros exercícios da seção Questões propostas (p. 91). CAPÍTULO 7 LANÇAMENTO VERTICAL NO VÁCUO CONTEÚDO OBJETIVOS METODOLOGIA AVALIAÇÃO ORIENTAÇÕES DIDÁTICAS• Queda livre Caracterizar o movimento Explorar os conhecimentos Exercícios 7, 8, 9 e 10 da Proponha uma atividade• Lançamento vertical para de queda livre de um prévios dos alunos sobre seção Questões propostas experimental em que os cima corpo a partir do valor aceleração da gravidade. para serem resolvidos em alunos possam observar a de sua aceleração, Explicar conceitualmente duplas (p. 110 e 111). queda de objetos. determinando velocidades o movimento vertical e Solicite a leitura, em voz e deslocamentos em estabelecer discussões, alta, do texto (p. 104) e instantes quaisquer. focando a gravidade. proponha um fórum Determinar valores de MODERNA DIGITAL: de discussão sobre a posição e velocidade aceleração da gravidade. de corpos lançados Simuladores: MRU. Explore a seção Para verticalmente para cima investigar em grupo e em situações em que é MRUV. proponha um seminário desprezada a resistência Utilizar a opção QUEDA sobre os direitos das do ar. LIVRE. pessoas com deficiência. 9 Física • PNLD 2012
  • EDUCAÇÃO DEJOVENS E ADULTOS CONHEÇA NOSSOS RECURSOS PEDAGÓGICOS NO PORTAL: PLANEJAMENTO INTERATIVO www.modernadigital.com.br UNIDADE 3 CINEMÁTICA VETORIAL CAPÍTULO 8 GRANDEZAS VETORIAIS CONTEÚDO OBJETIVOS METODOLOGIA AVALIAÇÃO ORIENTAÇÕES DIDÁTICAS • Vetores Reconhecer a necessidade Demonstrar que algumas Exercícios 5 e 6 da seção Utilize a seção Para começo • Operações com vetores de caracterizar a velocidade grandezas não precisam da Questões propostas, para de conversa para iniciar as de um corpo, por meio de definição da direção e do serem resolvidos em discussões sobre vetores sua direção, seu sentido e sentido. duplas (p. 127 e 128). (p. 120). seu módulo. Diferenciar grandeza Se possível, utilize o Diferenciar grandezas escalar de grandeza laboratório de informática escalares de grandezas vetorial. e peça aos alunos que vetoriais. Enfatizar a importância pesquisem mapas. Utilizar a notação de do domínio correto da Solicite que estabeleçam vetores para representar linguagem matemática a rota da residência até a situações em que um para interpretação escola e anotem a distância. corpo está sob a ação de e representação dos Oriente para que façam vetores de uma ou mais fenômenos físicos. o mesmo em linha reta direções. MODERNA DIGITAL: e identifiquem o caráter Calcular a resultante de vetorial do deslocamento. Simulador: uma adição vetorial. Cinemática vetorial. Incentive a participação de todos. CAPÍTULO 11 MOVIMENTO CIRCULAR UNIFORME (MCU) CONTEÚDO OBJETIVOS METODOLOGIA AVALIAÇÃO ORIENTAÇÕES DIDÁTICAS • Abordagem escalar do Identificar as grandezas Explorar os exemplos Exercícios 9 (p. 168) e 11 Utilize exemplos do movimento circular associadas ao movimento trazidos pelos alunos sobre (p. 171) da seção Questões cotidiano dos alunos para uniforme circular uniforme movimento circular, como propostas, para serem iniciar a discussão sobre • Vetor velocidade e desenvolvido por um o movimento das rodas de resolvidos em duplas. movimento circular. aceleração centrípeta corpo, calculando-as e uma bicicleta. Leve para sala de aula no movimento circular interpretando-as. Discutir o tema conversão rodas de bicicleta, que uniforme Calcular o módulo da de unidades, utilizando as são bem utilizadas no aceleração centrípeta de equações do movimento cotidiano, para ilustrar um corpo em movimento circular. suas explicações sobre uniforme. movimento circular. Proponha a leitura e a discussão da seção Para saber mais (p. 165 e 166). Discuta a resolução da questão R3 da seção Questões resolvidas (p. 170). UNIDADE 4 LEIS DE NEWTON CAPÍTULO 12 1a E 3a LEIS DE NEWTON CONTEÚDO OBJETIVOS METODOLOGIA AVALIAÇÃO ORIENTAÇÕES DIDÁTICAS • A lei da inércia Reconhecer o caráter Explorar o desenvolvimento Após a leitura da seção Utilize as imagens contidas • Massa e peso vetorial da grandeza força. do conhecimento sobre Para saber mais (p. 183), no capítulo para iniciar as Compreender a inércia as leis de Newton de solicitar que os alunos discussões sobre as leis de • Ação e reação forma conceitual e expliquem as situações Newton. como a tendência natural • Três forças importantes de permanecer em um fenomenológica. segundo as leis do Enfatize a explicação na Mecânica mesmo estado. Utilizar exemplos do movimento. conceitual e Diferenciar a grandeza cotidiano para demonstrar Questões 7 (p. 188), 10 fenomenológica ao corrigir massa da grandeza peso. as evidências das leis de (p. 194), 12 e 15 (p. 195) da as atividades com alunos. Newton. seção Questões propostas, Lembre-se de envolver Entender o princípio de para serem resolvidas em diferentes áreas para ação e reação. Contextualizar a 1a e a 3a leis de Newton com a duplas. explicar conceitos mais Identificar algumas forças, atividade Forças em ação, complexos. tais como normal, tração e disponível no site: Proponha para os alunos a força elástica. www.rived.mec.gov.br leitura da seção Para saber mais (p. 184).Professor, leia as sugestões de avaliação desta coleção no Suplemento para o Professor.Consulte tabela com indicações de slides em Powerpoint nas páginas 21 a 25. Todos os slides podem ser encontrados no site www.modernadigital.com.br 10
  • Confira indicações de vídeos no final do Planejamento PLANEJAMENTO INTERATIVO CAPÍTULO 13 FORÇAS DE ATRITO CONTEÚDO OBJETIVOS METODOLOGIA AVALIAÇÃO ORIENTAÇÕES DIDÁTICAS• Força de atrito Perceber a força de Explorar exemplos do Questões 4 (p. 205) e 8 Inicie o trabalho com a• Força de atrito estático atrito como uma força cotidiano para ilustrar a (p. 206) da seção Questões questão introdutória Por resistente ao movimento e força de atrito como força propostas, para serem que o piso das pistas de• Força de atrito dinâmico diferenciar atrito estático responsável pelo equilíbrio. resolvidas em duplas. atletismo é feito de material (cinético) de atrito dinâmico. emborrachado? (p. 199). Ao Discutir situações em que o Reconhecer a força de atrito dificulta o equilíbrio. final do capítulo, retomá- atrito como um dos -la para relacionar atrito e MODERNA DIGITAL: equilíbrio (p. 203). agentes responsáveis pelo equilíbrio. Vídeos de experimento: Enfatize as diferenças entre Atrito estático. atrito dinâmico e atrito Resolver problemas que Atrito dinâmico. contenham corpos em estático. situações de equilíbrio Proponha aos alunos a estático e dinâmico. leitura da seção Para saber mais (p. 202). Solicite a elaboração de quadros sintetizadores. CAPÍTULO 14 2a LEI DE NEWTON: CORPOS ACELERADOS CONTEÚDO OBJETIVOS METODOLOGIA AVALIAÇÃO ORIENTAÇÕES DIDÁTICAS• Corpos acelerados Estabelecer a equação Explorar exemplos do Questão 7 da seção Avalie Mostre para os alunos• Peso e gravidade fundamental da dinâmica, cotidiano para ilustrar sua aprendizagem, em situações em que não há a partir da compreensão da a existência de forças dupla (p. 225). mais equilíbrio e converse• Sistema de corpos 2a lei de Newton. responsáveis pela variação sobre elas. Explore o acelerados Seção Para investigar em Reconhecer situações em da velocidade de um corpo. grupo (p. 223). Avaliar a conhecimento dos alunos que a força resultante Verificar a importância participação do grupo na sobre esse assunto. Alguns provoca aceleração. do conceito de força na atividade e o conhecimento alunos de EJA precisam de descrição dos movimentos. utilizado para responder às incentivo para expor suas Perceber que o peso de ideias. um corpo depende da Contextualizar a 2a lei de questões. aceleração gravitacional do Newton com a atividade Proponha aos alunos a lugar onde ele está. Aprendendo as leis de realização do experimento Newton com os carrinhos da seção Para investigar Estabelecer as condições em grupo (p. 223). Essa de resolução de problemas de rolimã, disponível no site: atividade pode contribuir que apresentem situações para a avaliação. nas quais os corpos estão www. rived.mec.gov.br acelerados. UNIDADE 5 LEIS DE NEWTON: APLICAÇÕES E GRAVITAÇÃO UNIVERSAL CAPÍTULO 17 LEIS DE KEPLER CONTEÚDO OBJETIVOS METODOLOGIA AVALIAÇÃO ORIENTAÇÕES DIDÁTICAS• As leis de Kepler Descrever o movimento Explorar a visão dos alunos Questões 5 e 6 da seção Utilize as imagens contidas dos corpos celestes com sobre o movimento dos Questões propostas, em no capítulo para iniciar as base nas três leis de Kepler. planetas. duplas (p. 263). discussões sobre as leis de Aplicar as leis de Kepler Utilizar informações Propor uma pesquisa sobre Newton. em situações-problema, históricas para a evolução histórica dos Enfatize a explicação identificando a base compreender as leis de modelos cosmológicos. conceitual e fenomenológica que as Kepler. fenomenológica ao corrigir sustenta. Verificar a importância das as atividades com alunos. Perceber que os leis de Kepler para explicar Lembre-se de envolver movimentos de corpos em a mecânica celeste. diferentes áreas para órbita ao redor da Terra explicar conceitos mais são regidos pelas mesmas complexos. leis que atuam no Sistema Proponha para os alunos a Solar. leitura da seção Para saber mais (p. 184). 11 Física • PNLD 2012
  • EDUCAÇÃO DEJOVENS E ADULTOS CONHEÇA NOSSOS RECURSOS PEDAGÓGICOS NO PORTAL: PLANEJAMENTO INTERATIVO www.modernadigital.com.br UNIDADE 7 TRABALHO E ENERGIA MECÂNICA CAPÍTULO 22 TRABALHO, POTÊNCIA E ENERGIA CINÉTICA CONTEÚDO OBJETIVOS METODOLOGIA AVALIAÇÃO ORIENTAÇÕES DIDÁTICAS • Trabalho e potência Conhecer os conceitos Explorar conhecimentos Discutir, em grupos, o texto Peça aos alunos que falem • Energia cinética de trabalho e potência e prévios dos alunos sobre da seção Para saber mais sobre o tema Trabalho. associá-los aos processos trabalho e energia. (p. 374), elaborando Valorize as experiências • Trabalho e energia de transformação de hipóteses para as individuais. cinética Descrever e explicar os energia. fenômenos naturais, perguntas apresentadas no A partir das discussões, Explicar casos em que o relacionando-os ao último parágrafo. conceitue trabalho trabalho realizado por uma conceito de energia e sua Exercício 9 da seção segundo o conhecimento força é positivo, negativo conservação. Questões propostas, em físico e explique a relação ou nulo. Contextualizar o tema grupos (p. 376). entre energia e trabalho. Associar o movimento de trabalhado com a atividade Exercício 2 da seção Para Leia com a classe a seção um corpo a sua energia Fazem-se mudanças, continuar aprendendo Para saber mais e debata cinética. disponível no site: (p. 377). energia eólica (p. 372). Compreender a relação www.rived.mec.gov.br Proponha a construção entre trabalho realizado de maquetes com o uso e variação de energia de sucatas ou materiais cinética de um corpo. próprios da região, como, por exemplo, fibra de piaçava. CAPÍTULO 23 ENERGIA POTENCIAL CONTEÚDO OBJETIVOS METODOLOGIA AVALIAÇÃO ORIENTAÇÕES DIDÁTICAS • Energia potencial Associar energia potencial Demonstrar que os corpos Questões 1, 2 e 6 da seção Para iniciar discussões gravitacional gravitacional e elástica aos têm uma capacidade de Questões propostas, em sobre energia potencial, • Energia potencial elástica trabalhos das forças peso e entrar em movimento duplas (p. 384). pergunte aos alunos se é elástica. associada à altura ou à possível armazenar energia Reconhecer situações nas deformação elástica. escalando uma montanha. quais se pode associar ao Contextualizar a energia (p. 379). corpo certa quantidade de potencial com a atividade Utilize exemplos citados no energia potencial. Um salto radical, disponível capítulo para explicar que no site: o movimento dos corpos www.rived.mec.gov.br pode estar associado à altura em que estão ou à deformação do sistema elástico. Convide os alunos a montar um estilingue com sucatas. Indique a leitura da seção Para saber mais (p. 381). CAPÍTULO 24 TRANSFORMAÇÕES DE ENERGIA MECÂNICA CONTEÚDO OBJETIVOS METODOLOGIA AVALIAÇÃO ORIENTAÇÕES DIDÁTICAS • Energia mecânica Conceituar energia Enfatizar a importância do Seção Para investigar em Para iniciar a discussão • Conservação de energia mecânica e identificar tema energia no cotidiano. grupo (p. 401). conceitual deste capítulo, situações nas quais ela está Apresentar os processos Questões 1, 2 e 3 da seção pergunte aos alunos associada a um sistema. nos quais certa quantidade Questões de integração por que o carrinho da Identificar sistemas de energia mecânica se (p. 404). montanha-russa não conservativos e dissipativos, transforma em outras precisa de motor (p. 386). relacionando-os formas de energia. Incentive a formulação de com a conservação e a MODERNA DIGITAL: ideias para explicar esse dissipação de energia fenômeno. Valorize sempre mecânica e de outras Animação: a diversidade de opiniões formas de energia. Trabalho, potência e que os alunos de EJA energia. trazem para a sala de aula. Entender o princípio da conservação da energia Ao final do estudo, como uma lei geral e retome a pergunta (p. 394). reconhecê-lo em situações Peça que leiam a seção Para do cotidiano. saber mais (p. 391).Professor, leia as sugestões de avaliação desta coleção no Suplemento para o Professor.Consulte tabela com indicações de slides em Powerpoint nas páginas 21 a 25. Todos os slides podem ser encontrados no site www.modernadigital.com.br 12
  • Confira indicações de vídeos no final do Planejamento PLANEJAMENTO INTERATIVO UNIDADE 8 PRINCÍPIO DA CONSERVAÇÃO DA QUANTIDADE DE MOVIMENTO CAPÍTULO 25 QUANTIDADE DE MOVIMENTO E IMPULSO CONTEÚDO OBJETIVOS METODOLOGIA AVALIAÇÃO ORIENTAÇÕES DIDÁTICAS• Quantidade de Definir quantidade de Definir quantidade de Questões 1 (p. 412), 9 (p. 416) Motive os alunos a movimento ou momento movimento e impulso de movimento antes de e 14 (p. 423) da seção responder às questões linear uma força. apresentar a definição de Questões propostas, em (p. 409) para introduzir• Impulso Associar impulso de impulso. duplas. o tema quantidade de uma força à variação da Contextualizar impulso e movimento.• Relação entre impulso e quantidade de quantidade de movimento quantidade de movimento Utilize a seção Questões movimento de um corpo. com a atividade Resistência resolvidas (p. 412, 415, 420 Estabelecer o princípio x Segurança, disponível a 422), enfatizando a da conservação da no site: explicação conceitual e quantidade de movimento, www.rived.mec.gov.br fenomenológica. identificando-o em Proponha a leitura da seção situações-problema Para saber mais (p. 419). propostas. CAPÍTULO 26 CONSERVAÇÃO DA QUANTIDADE DE MOVIMENTO CONTEÚDO OBJETIVOS METODOLOGIA AVALIAÇÃO ORIENTAÇÕES DIDÁTICAS• Sistemas isolados de Identificar sistemas Discutir amplamente Exercícios 7 (p. 430), 8 Use situações do cotidiano forças externas isolados de forças externas o tema conservação da (p. 436) e 11 (p. 437) da seção dos alunos para iniciar• Análise da conservação e calcular a quantidade de quantidade de movimento, Questões propostas, em as discussões sobre da quantidade de movimento de um sistema enfatizando que é um dos duplas. conservação da quantidade movimento de corpos. princípios de conservação Seção Para investigar de movimento. Estabelecer o princípio mais fundamentais da em grupo (p. 440 e 441). Utilize a seção Questões• Colisões mecânicas Física. da conservação da Observe a participação dos resolvidas na explicação• Conservação da quantidade de movimento, MODERNA DIGITAL: alunos no desenvolvimento fenomenológica das quantidade de identificando sua aplicação da atividade, bem como colisões mecânicas movimento nas colisões Vídeo: em situações-problema. Tipos de colisão. os argumentos científicos (p. 435 e 436). Identificar os tipos de para responder às Questões Divida a sala em grupos choques mecânicos propostas. para realizar a atividade da e explicar suas seção Para investigar em características. grupo (p. 440). Proponha a realização de uma gincana de conhecimentos com as questões sugeridas nessa seção. VOLUME 2 ESTUDO DO CALOR, ÓPTICA GEOMÉTRICA, FENÔMENOS ONDULATÓRIOS UNIDADE 1 CALOR E TEMPERATURA CAPÍTULO 1 TEMPERATURA, CALOR E SUA PROPAGAÇÃO CONTEÚDO OBJETIVOS METODOLOGIA AVALIAÇÃO ORIENTAÇÕES DIDÁTICAS• Sensação térmica e Reconhecer o conceito de Diferenciar sensação Questões 1 (p. 21), 5, 6 e 9 Inicie as discussões, com energia térmica calor como energia em térmica do conceito de (p. 29) da seção Questões base em exemplos do• Temperatura trânsito, devido à diferença temperatura. propostas, para serem cotidiano trazidos pelos de temperatura entre Conceituar temperatura resolvidas em duplas. alunos.• Equilíbrio térmico corpos. e calor. Exercício 3 da seção Avalie Utilize a seção Questões• Calor Reconhecer o conceito sua aprendizagem, para ser resolvidas para diferenciar Abordar os processos• Processos de propagação de temperatura como de propagação de resolvido em duplas (p. 81). os conceitos de calor e de calor grandeza associada ao calor com um enfoque temperatura (p. 20, 21 e 27). grau de agitação térmica fenomenológico. Proponha a leitura da média das partículas de seção Demonstrar, discutir, um sistema. experimentar (p. 28). Diferenciar calor e Assista com os alunos temperatura. ao filme Uma Verdade Identificar situações Inconveniente e organize em que se estabelece o um fórum para que equilíbrio térmico. apresentem soluções para o problema visto na obra. 13 Física • PNLD 2012
  • EDUCAÇÃO DEJOVENS E ADULTOS PLANEJAMENTO INTERATIVO CAPÍTULO 2 TERMÔMETROS: GRANDEZAS E EQUAÇÕES DE CONVERSÃO CONTEÚDO OBJETIVOS METODOLOGIA AVALIAÇÃO ORIENTAÇÕES DIDÁTICAS • Grandezas termométricas Identificar a existência de Abordar historicamente Atividades 1, 5 e 9 da seção Solicite aos alunos que • Calibração ou graduação grandezas termométricas. a construção das escalas Questões propostas, para estimem o valor de de um termômetro Reconhecer a necessidade Celsius, Fahrenheit e Kelvin. serem resolvidas em temperaturas encontradas de calibração ou graduação Equacionar as conversões duplas (p. 42 e 43). em situações do cotidiano. • Escalas termométricas Celsius e Fahrenheit: de um termômetro para de escalas termométricas. Peça que tragam equação de conversão registro de valores em uma termômetros para fazer escala. medidas de temperatura, • Escala Kelvin: escala comparando-as com as absoluta Relacionar diferentes escalas termométricas. estimativas. • Equações de conversão Utilize a seção Demonstrar, Utilizar diagramas gráficos que expressem relações discutir, experimentar entre diferentes escalas. para analisar valores de temperatura (p. 35). Retome as reflexões que surgiram no fórum sobre o aquecimento global para ilustrar esse capítulo. CAPÍTULO 3 DILATAÇÃO DOS SÓLIDOS CONTEÚDO OBJETIVOS METODOLOGIA AVALIAÇÃO ORIENTAÇÕES DIDÁTICAS • Dilatações e contrações Reconhecer a dilatação e Explorar a visão cotidiana Seção Já sabe responder? Explore exemplos do a contração volumétrica dos alunos sobre dilatação (p. 62). Dividir os alunos em cotidiano para iniciar as dos sólidos como efeito térmica. duplas e pedir que utilizem discussões sobre dilatação das trocas de calor entre Introduzir as leis da os conhecimentos sobre térmica. corpos. dilatação térmica na dilatação para responder à Propicie situações para Identificar a dilatação e a resolução de problemas. questão. estabelecer relações contração volumétrica dos Enfatizar uma abordagem Exercícios 7 e 8 da seção abrangentes e mais sólidos em situações do fenomenológica da Avalie sua aprendizagem, próximas das teorias cotidiano. dilatação volumétrica do para serem resolvidos em apresentadas. Aplicar as leis da dilatação sólido. duplas (p. 81). Utilize a seção Questões linear, superficial e Contextualizar dilatação resolvidas para abordar volumétrica dos sólidos na dos sólidos utilizando fenomenologicamente a resolução de situações- a simulação A ferrovia, dilatação térmica (p. 53, 58 -problema. disponível no site: e 63). www.labvirt.fe.usp.br Proponha a leitura da seção Para saber mais (p. 52). CAPÍTULO 4 DILATAÇÃO DOS LÍQUIDOS CONTEÚDO OBJETIVOS METODOLOGIA AVALIAÇÃO ORIENTAÇÕES DIDÁTICAS • Comportamento de Reconhecer a dilatação e a Enfatizar, com Exercício 10 da seção Avalie Utilize a questão Por que líquidos e recipientes contração volumétrica dos exemplos, a observação sua aprendizagem, para ser uma garrafa de suco pode se durante a dilatação líquidos como um efeito fenomenológica da resolvido em duplas (p. 81). quebrar no congelador? • Dilatação anômala da das trocas de calor entre dilatação aparente e da (p. 68) para iniciar as água corpos. dilatação real dos líquidos. discussões sobre dilatação Identificar a dilatação e Considerar a dilatação do dos líquidos. Retome ao final a contração volumétrica sólido quando o líquido em do estudo (p. 73). dos líquidos nas situações estudo está dentro de um Use a seção Questões vivenciadas no cotidiano. recipiente. resolvidas para ressaltar a Compreender a dilatação questão fenomenológica real e aparente de um da dilatação real e aparente líquido. dos líquidos (p. 73). Aplicar as leis da dilatação Proponha a leitura volumétrica dos líquidos comentada da seção na resolução de situações- Demonstrar, discutir, -problema. experimentar (p. 72).Professor, leia as sugestões de avaliação desta coleção no Suplemento para o Professor.Consulte tabela com indicações de slides em Powerpoint nas páginas 21 a 25. Todos os slides podem ser encontrados no site www.modernadigital.com.br 14
  • PLANEJAMENTO INTERATIVO UNIDADE 2 CALOR E MUDANÇA DE ESTADO CAPÍTULO 5 EQUAÇÃO FUNDAMENTAL DA CALORIMETRIA CONTEÚDO OBJETIVOS METODOLOGIA AVALIAÇÃO ORIENTAÇÕES DIDÁTICAS• Fontes de calor Reconhecer a capacidade Explorar a visão Exercícios 1, 4 (p. 97), 11, Utilize a questão (p. 90)• Capacidade térmica térmica como grandeza cotidiana dos alunos 12 (p. 101) e 17 (p. 105) da para desenvolver o que representa a razão sobre aquecimento ou seção Questões propostas, estudo dos conceitos de• Calor específico entre quantidade de calor resfriamento de diversos para serem resolvidos em Capacidade térmica e• Calor específico e variação fornecida ou cedida por materiais. duplas. Calor específico. de temperatura um corpo e a variação Estabelecer a equação Pergunte aos alunos como• Calor e energia mecânica de sua temperatura, fundamental da eles preservam alimentos identificando-a como calorimetria, privilegiando em sua casa e se eles uma grandeza física a análise de fenômenos. conhecem outras opções. característica de cada A diversidade dos alunos corpo. Contextualizar utilizando o vídeo Calor específico, de EJA vai ilustrar esse Reconhecer o calor disponível no site: capítulo. específico como uma http://pion.sbfisica.org.br Proponha uma atividade grandeza física associada em conjunto com o à dificuldade/facilidade professor de Biologia sobre de uma substância em o tema caloria. receber ou ceder calor. UNIDADE 3 GASES E TERMODINÂMICA CAPÍTULO 9 PRIMEIRA LEI DA TERMODINÂMICA CONTEÚDO OBJETIVOS METODOLOGIA AVALIAÇÃO ORIENTAÇÕES DIDÁTICAS• Trabalho em uma Reconhecer a aplicação Expressar a primeira lei Propor a resolução dos Utilize a questão Por que o transformação gasosa do conceito de trabalho da Termodinâmica pelo problemas da seção Para desodorante aerosol parece• Energia interna aos sistemas que contêm princípio de conservação continuar aprendendo, em frio em contato com a pele? gases. da energia. trios (p. 176 e 177). para iniciar as explicações• Primeira lei da sobre a primeira lei da Termodinâmica Relacionar as grandezas Enfatizar a importância calor, trabalho e variação de da linguagem gráfica Termodinâmica (p. 160). energia interna como um como ferramenta Elabore com os alunos uma princípio de conservação na interpretação lista com o consumo de da energia. de fenômenos na calorias. Incentive a criação Aplicar a primeira lei transformação gasosa. de diferentes formatos para da Termodinâmica às MODERNA DIGITAL: coleta e análise dos dados. diferentes transformações Animação: Proponha a leitura gasosas. Primeira lei da comentada da seção Para Compreender a primeira lei Termodinâmica. saber mais (p. 161). da Termodinâmica como expressão do princípio da conservação da energia. CAPÍTULO 10 SEGUNDA LEI DA TERMODINÂMICA CONTEÚDO OBJETIVOS METODOLOGIA AVALIAÇÃO ORIENTAÇÕES DIDÁTICAS• Transformações cíclicas Interpretar e utilizar Discutir a história das Debater as questões da Discuta como o trabalho é• Segunda lei da diagramas e gráficos máquinas térmicas, de seção Para investigar em realizado pelos motores e Termodinâmica que representem sua invenção ao seu grupo (p. 199). como pode ser calculado. transformações gasosas aperfeiçoamento. Diferencie uma máquina• Máquinas térmicas cíclicas. Enfatizar a importância térmica de combustão• Ciclo de Carnot: Identificar o caráter da linguagem gráfica externa dos motores de rendimento máximo de irreversibilidade de como ferramenta na combustão interna. fenômenos e compreender interpretação das Peça aos alunos que falem a aplicação da segunda lei transformações cíclicas. sobre suas experiências da Termodinâmica a essas MODERNA DIGITAL: com motores (carros, motos, situações físicas. máquinas agrícolas etc.). Animação: Identificar máquinas Segunda lei da Durante as aulas, utilize os térmicas presentes no Termodinâmica. textos da seção Para saber cotidiano. mais (p. 184, 186, 187, 190, 193 e 194). 15 Física • PNLD 2012
  • EDUCAÇÃO DEJOVENS E ADULTOS PLANEJAMENTO INTERATIVO UNIDADE 4 PRINCÍPIOS DA ÓPTICA GEOMÉTRICA E REFLEXÃO DA LUZ CAPÍTULO 11 PRINCÍPIOS DA PROPAGAÇÃO DA LUZ CONTEÚDO OBJETIVOS METODOLOGIA AVALIAÇÃO ORIENTAÇÕES DIDÁTICAS • Luz em um modelo Identificar o modelo de Discutir que na abordagem Questões 1, 2 e 6 da seção Contextualize as imagens geométrico raio de luz característico dos fenômenos luminosos, Para continuar aprendendo do capítulo para falar • Princípios de óptica da óptica geométrica e tanto a explicação da (p. 227 e 228). sobre fenômenos da geométrica descrever como se dá a óptica geométrica como luminosidade. visão dos objetos. da óptica física são Proponha aos alunos a • Sombra e penumbra satisfatórias. Aplicar os princípios leitura comentada da seção • Câmara escura de orifício de propagação da luz a Enfatizar que o fato de a Para saber mais (p. 216). • Ano-luz situações nas quais há luz se propagar em linha Valorize a diversidade de formação de sombra e reta torna possível sua conhecimentos prévios que penumbra. representação geométrica. os alunos de EJA trazem Contextualizar os para a sala de aula. princípios de propagação Identifique o senso comum da luz, utilizando a e o conhecimento científico simulação A aposta, sobre eclipse. disponível no site Construa com os alunos uma www.labvirt.fe.usp.br câmara escura de orifício para ilustrar os princípios de propagação da luz. CAPÍTULO 12 REFLEXÃO DA LUZ CONTEÚDO OBJETIVOS METODOLOGIA AVALIAÇÃO ORIENTAÇÕES DIDÁTICAS • Reflexão da luz Relacionar os princípios Explorar a visão cotidiana Exercícios 6 e 8 da seção Providencie pequenos • Leis da reflexão da óptica geométrica dos alunos sobre a Questões propostas (p. 238 espelhos planos para a fenômenos simples formação de imagens. e 239). ilustrar as explicações sobre • Espelhos planos associados à reflexão da luz os fenômenos da reflexão Enunciar as leis da reflexão. e da visão. da luz. Contextualizar reflexão da Conhecer como ocorre a luz, utilizando a simulação Utilize a seção Questões reflexão da luz de maneira Reflexão e refração, resolvidas para explicar especular e difusa. disponível no site: a utilização das leis da Entender o que é uma www.labvirt.fe.usp.br reflexão (p. 235). imagem virtual. Os conceitos mais Construir imagens complexos devem ser formadas por reflexão em problematizados para que os espelhos planos, aplicando alunos identifiquem o que já as leis da reflexão. sabem e, assim, possam ser Perceber situações estabelecidas conexões com cotidianas que podem ser o novo conteúdo. explicadas pelas leis da Proponha a leitura da seção reflexão. Para saber mais (p. 234). UNIDADE 5 REFRAÇÃO DA LUZ CAPÍTULO 14 REFRAÇÃO DA LUZ CONTEÚDO OBJETIVOS METODOLOGIA AVALIAÇÃO ORIENTAÇÕES DIDÁTICAS • Refração da luz Conceituar o fenômeno Associar a apresentação Atividades 1, 4 (p. 274), 6, Antes de demonstrar a lei de • Leis da refração da refração da luz, dos conceitos e das 7, 8 (p. 282) e 12 (p. 283) da Snell-Descartes, conceitue identificando situações expressões algébricas seção Questões propostas, o fenômeno da refração e • Refração atmosférica do cotidiano que podem aos fenômenos ligados à para serem resolvidas em explique o índice de refração. • Reflexão total ser descritas a partir do refração da luz. duplas. Utilize a seção Questões • Determinação do ângulo conhecimento da refração. Enunciar as leis da reflexão. resolvidas para aplicar a limite Compreender o conceito de MODERNA DIGITAL: lei de Snell-Descartes na índice de refração absoluto resolução de problemas e reconhecer condições que Simulador: (p. 272, 273, 280 e 281). provocam sua variação. Refração da luz. A compreensão de Estabelecer a lei de fenômenos e a elaboração Snell-Descartes. de proposições são uma Determinar o ângulo limite exigência no Enem e Encceja. de refração. Proponha aos alunos a leitura comentada da seção Para saber mais (p. 279). 16
  • PLANEJAMENTO INTERATIVO VOLUME 3 ELETRICIDADE, FÍSICA DO SÉCULO XXI UNIDADE 1 ELETRIZAÇÃO; FORÇA E CAMPO ELÉTRICO; TRABALHO E POTENCIAL ELÉTRICO CAPÍTULO 1 PROCESSOS DE ELETRIZAÇÃO CONTEÚDO OBJETIVOS METODOLOGIA AVALIAÇÃO ORIENTAÇÕES DIDÁTICAS • Eletrização Identificar as maneiras de Explorar a compreensão Exercícios 1 a 5 da seção Inicie a apresentação do • Condutores, isolantes e eletrização. fenomenológica da Questões propostas, para tema eletrização com eletrização Caracterizar a eletrização eletrização. serem resolvidos em exemplos do cotidiano. dos corpos, do ponto de Diferenciar os processos de duplas (p. 24 e 25) Valorize o repertório dos vista microscópico. eletrização. alunos que trabalham com Descrever o processo de Contextualizar os processos manutenção de instalações eletrização de um corpo de eletrização utilizando a elétricas. Pontue aspectos por indução. atividade Cargas elétricas de segurança no trabalho. Diferenciar materiais e eletrização, disponível Utilize as imagens do isolantes de condutores no site: http://rived.mec. capítulo para ilustrar as elétricos e identificar suas gov.br explicações. respectivas aplicações em Proponha a leitura situações do cotidiano. comentada da seção Demonstrar, discutir, experimentar (p. 22). CAPÍTULO 2 FORÇA ENTRE CARGAS ELÉTRICAS: LEI DE COULOMB CONTEÚDO OBJETIVOS METODOLOGIA AVALIAÇÃO ORIENTAÇÕES DIDÁTICAS • Medidas de carga elétrica Escrever em coulombs Formalizar as equações Exercício 3 da seção Enfatize a relevância • Lei de Coulomb: força a quantidade de carga matemáticas no estudo da Questões propostas (p. 37). conceitual da lei de entre cargas elétricas elétrica de um corpo, eletrostática. Coulomb e estruture a aula relacionando-a ao excesso Enfatizar os conceitos para que não se restrinja ou à falta de elétrons. envolvidos para simplesmente à aplicação Identificar os fatores demonstrar as relações de fórmulas. determinantes da força de matemáticas entre as Aproxime os conceitos interação entre dois corpos grandezas. desse capítulo com o eletrizados. Contextualizar a força repertório dos alunos. Calcular a força de entre cargas elétricas Leve em consideração a interação entre dois corpos utilizando o vídeo pluralidade na resolução eletrizados, conhecendo Fenômenos eletrostáticos, das situações-problema. suas quantidades de carga disponível no site: Utilize a seção Questões elétrica e a distância entre http://pion.sbfisica.org.br resolvidas (p. 32 a 36) e eles. demonstre as relações matemáticas entre as grandezas. CAPÍTULO 3 CAMPO ELÉTRICO CONTEÚDO OBJETIVOS METODOLOGIA AVALIAÇÃO ORIENTAÇÕES DIDÁTICAS • O conceito de campo Reconhecer a existência Explorar a explicação Avaliar a argumentação Enfatize as causas dos elétrico de campo elétrico na fenomenológica da científica das respostas da fenômenos físicos para a • O vetor campo elétrico região próxima a um corpo eletrostática. seção Já sabe responder?. resolução das situações- eletrizado, detectando-o Contextualizar campo Atividade em duplas (p. 56). -problema. • Campo elétrico criado por por uma carga de prova. uma carga pontual elétrico utilizando a Ilustre as explicações Identificar os fatores atividade A experiência de sobre os fenômenos da • Linhas de força do campo determinantes do vetor Millikan, disponível no site: eletrostática com exemplos elétrico campo elétrico próximo a http://rived.mec.gov.br do cotidiano para • Campo elétrico uniforme um corpo eletrizado. exercitar a metacognição Calcular o módulo do vetor (conteúdo e processos da campo elétrico criado por memória) dos alunos que carga pontual. permaneceram muito tempo fora da escola. Proponha a leitura comentada da seção Para saber mais (p. 54 e 55).Professor, leia as sugestões de avaliação desta coleção no Suplemento para o Professor.Consulte tabela com indicações de slides em Powerpoint nas páginas 21 a 25. Todos os slides podem ser encontrados no site www.modernadigital.com.br 17 Física • PNLD 2012
  • EDUCAÇÃO DEJOVENS E ADULTOS PLANEJAMENTO INTERATIVO CAPÍTULO 4 POTENCIAL ELÉTRICO CONTEÚDO OBJETIVOS METODOLOGIA AVALIAÇÃO ORIENTAÇÕES DIDÁTICAS • Diferença de potencial Relacionar o movimento Conceituar potencial Solicitar aos alunos que, Explore os conhecimentos entre dois pontos de um de uma carga em região elétrico, utilizando por meio de pesquisa e prévios dos alunos sobre campo elétrico de campo elétrico a uma exemplos do cotidiano. discussão, realizem as voltagem para introduzir • Potencial em campo diferença de potencial Priorizar a compreensão questões 1 a 4 da seção o conceito de potencial elétrico uniforme elétrico entre dois pontos. conceitual de potencial Para investigar em grupo elétrico. Identificar a grandeza elétrico. (p. 79). Peça para que estimem a voltagem no Contextualizar potencial energia transportada por funcionamento de elétrico utilizando o um relâmpago. equipamentos elétricos de vídeo Gaiola de Faraday, Assista com eles ao filme uso cotidiano. disponível no site: Twister e depois organize Calcular a diferença de http://pion.sbfisica.org.br um fórum para que potencial entre dois pontos identifiquem a conexão distintos de um campo com o conteúdo desse elétrico. capítulo. Proponha aos alunos a leitura comentada da seção Para saber mais (p. 63). UNIDADE 2 CIRCUITOS ELÉTRICOS CAPÍTULO 5 TENSÃO E CORRENTE ELÉTRICA CONTEÚDO OBJETIVOS METODOLOGIA AVALIAÇÃO ORIENTAÇÕES DIDÁTICAS • Corrente elétrica Reconhecer as Destacar a explicação Apresentar um roteiro Inicie as discussões sobre • Pilhas secas características da corrente fenomenológica da de perguntas para que corrente elétrica e relacione elétrica que percorre um corrente elétrica. os alunos pesquisem, em ao movimento de cargas condutor. Relacionar corrente elétrica grupos, o tema Os efeitos elétricas em um condutor. Calcular a intensidade com o funcionamento de fisiológicos do choque Proponha para os alunos da corrente elétrica que aparelhos elétricos. elétrico relacionados à a leitura da seção Você percorre um condutor. intensidade da corrente. precisa saber! (p. 92). Esclarecer os limites das Sugerir uma apresentação Relacionar a diferença de ordens de grandeza das oral. Comente sobre os potencial entre dois pontos intensidades de corrente. valores das correntes que à corrente elétrica gerada percorrem aparelhos no condutor. elétricos. Peça aos alunos para desenvolver uma campanha sobre prevenção de acidentes domésticos. CAPÍTULO 6 RESISTÊNCIA ELÉTRICA: LEIS DE OHM CONTEÚDO OBJETIVOS METODOLOGIA AVALIAÇÃO ORIENTAÇÕES DIDÁTICAS • Tensão, corrente e Relacionar Introduzir as variáveis Exercícios 1 e 2 da seção Utilize a questão Como resistência elétrica matematicamente que interferem na Questões propostas, para um pedaço pequeno de • Resistividade de um voltagem, resistência determinação da serem resolvidos em um material pode ser material elétrica e corrente elétrica. resistência elétrica. duplas (p. 95 e 96). mais resistente do que um Aplicar as leis de Ohm na Contextualizar utilizando a pedaço maior do mesmo resolução de situações- atividade Experimentando material? (p. 97) para -problema. resistência elétrica, iniciar as discussões sobre disponível no site: http:// resistência elétrica. Retome Identificar o conceito ao final do estudo (p. 94). de resistividade de uma rived.mec.gov.br substância como sua Comente a resolução das propriedade característica. Questões resolvidas R1 e R2 (p. 99). Proponha a leitura da seção Você precisa saber! e incentive a expressão das opiniões (p. 104).Professor, leia as sugestões de avaliação desta coleção no Suplemento para o Professor.Consulte tabela com indicações de slides em Powerpoint nas páginas 21 a 25. Todos os slides podem ser encontrados no site www.modernadigital.com.br 18
  • PLANEJAMENTO INTERATIVO CAPÍTULO 7 POTÊNCIA ELÉTRICA CONTEÚDO OBJETIVOS METODOLOGIA AVALIAÇÃO ORIENTAÇÕES DIDÁTICAS• Potência elétrica Definir e quantificar Enfatizar que o consumo Questão 1 da seção Para Utilize os valores de de aparelhos em a potência de de energia elétrica está continuar aprendendo potência elétrica de funcionamento funcionamento de relacionado com a potência (p. 119). alguns aparelhos elétricos• Potência elétrica, corrente equipamentos elétricos. elétrica. Pedir aos alunos que residenciais para abordar e voltagem Calcular o consumo Relacionar potência, pesquisem em suas o tema. elétrico de equipamentos. corrente e voltagem. residências os valores de Enfatize que a potência Relacionar as grandezas Contextualizar potência potência dos aparelhos de um aparelho está potência, voltagem elétrica, utilizando a elétricos e, com esses diretamente relacionada e corrente elétrica, simulação Consumo de valores, efetuem o cálculo com seu consumo de aplicando-as na resolução energia, disponível no site: da energia elétrica gasta energia. de situações-problema. www.labvirt.fe.usp.br em cada aparelho por dia. Proponha aos alunos a leitura da seção Para saber mais (p. 110). Organize a apresentação das campanhas que os alunos criaram sobre prevenção de acidentes domésticos. CAPÍTULO 8 ASSOCIAÇÃO DE RESISTORES CONTEÚDO OBJETIVOS METODOLOGIA AVALIAÇÃO ORIENTAÇÕES DIDÁTICAS• Circuitos com ligações Reconhecer as Introduzir a associação de Exercícios 1 e 2 da seção Leve para a sala de aula em série características de circuitos resistores, analisando cada Questões propostas, para alguns tipos de resistor,• Circuitos com ligações em elétricos em que os elemento do circuito. serem resolvidos em para que os alunos possam paralelo elementos são ligados em Contextualizar associação duplas (p. 141). manusear. Utilize também série, em paralelo ou em de resistores utilizando a as imagens de resistores do• Associação de resistores associação mista. próprio capítulo. simulação Simulador de Calcular a resistência do circuito, disponível no site: Valorize o conhecimento resistor equivalente de um www.labvirt.fe.usp.br prévio dos seus alunos de circuito elétrico. EJA. Muitos trabalham e Aplicar as relações entre conhecem esses materiais. grandezas voltagem, Use a seção Questões resistência, potência resolvidas para ilustrar a e corrente elétrica na aplicação do conhecimento resolução de situações- físico à resolução de -problema envolvendo problemas (p. 126, 127, circuitos elétricos. 137 a 141 e 147 a 149). CAPÍTULO 9 GERADORES E RECEPTORES CONTEÚDO OBJETIVOS METODOLOGIA AVALIAÇÃO ORIENTAÇÕES DIDÁTICAS• Geradores elétricos Definir gerador elétrico Explorar os conhecimentos Sugerir que os alunos Apresente imagens com• Geradores em circuitos e reconhecer os diversos prévios dos alunos sobre pesquisem alguns tipos de diversos tipos de pilhas e elétricos tipos de gerador em uso geradores. usina geradora de energia baterias, comparando- atualmente. Discutir algumas das elétrica. Distribuí-los de -os com aquelas que são• Receptores elétricos modo que cada grupo familiares aos alunos. Definir receptor elétrico principais alternativas• Receptores em circuitos e reconhecê-lo nos para a geração de energia pesquise um tipo de usina Oriente os alunos quanto elétricos equipamentos de uso elétrica. e apresente-o aos demais. ao material de leitura para cotidiano. Contextualizar geradores a atividade de avaliação. utilizando o vídeo Gerador Proponha uma atividade elétrico, disponível no site: para conscientização sobre www.pion.sbfisica.org.br o devido descarte das pilhas e baterias usadas. Estimule uma ação para coleta desse material. Pesquise em sua região quem poderá receber essa coleta. 19 Física • PNLD 2012
  • EDUCAÇÃO DEJOVENS E ADULTOS PLANEJAMENTO INTERATIVO UNIDADE 3 MAGNETISMO CAPÍTULO 11 FENÔMENOS MAGNÉTICOS CONTEÚDO OBJETIVOS METODOLOGIA AVALIAÇÃO ORIENTAÇÕES DIDÁTICAS • Ímãs Reconhecer um ímã e Discutir a natureza do Exercícios 1, 2 e 4 da seção Se possível, leve para a sala • Propriedades dos ímãs identificar as propriedades magnetismo. Questões propostas, para um ímã e uma bússola dos corpos imantados. Fazer demonstrações de serem resolvidos em grupo para serem manuseados • Natureza do magnetismo (p. 220). pelos alunos. Entender o fenômenos magnéticos. comportamento de uma Contextualizar fenômenos Mostre imagens das linhas bússola e relacionar a magnéticos utilizando o do campo magnético. posição de sua agulha ao vídeo Campo magnético, Demonstre alguns magnetismo terrestre. disponível no site: fenômenos magnéticos. Compreender a natureza www.pion.sbfisica.org.br Utilize a seção Questões do magnetismo e suas resolvidas para discutir consequências. alguns fenômenos magnéticos e explorar o conhecimento dos alunos (p. 219 e 220). Proponha a leitura da seção Para saber mais – Conexões com o cotidiano (p. 217). UNIDADE 5 QUESTÕES DA FÍSICA DO SÉCULO XXI CAPÍTULO 18 ELEMENTOS DA MECÂNICA QUÂNTICA CONTEÚDO OBJETIVOS METODOLOGIA AVALIAÇÃO ORIENTAÇÕES DIDÁTICAS • O nascimento da Compreender o processo Realizar o estudo inicial Realizar uma leitura Apresente historicamente Mecânica Quântica de interpolação dos dados da Mecânica Quântica, comentada da seção Para os modelos para descrever • Um novo modelo para experimentais utilizados por meio de um enfoque saber mais (p. 371 e 372). a luz. a luz para a solução do histórico. Em seguida, cada aluno Explique o efeito problema da radiação de Relacionar efeito deverá escrever um fotoelétrico, relacionando-o • A explicação de Einstein um corpo negro. para o efeito fotoelétrico fotoelétrico com suas breve parágrafo sobre com suas aplicações. Reconhecer o modelo aplicações no cotidiano. uma aprendizagem Utilize a seção Questões corpuscular como o Contextualizar os proporcionada pela leitura. resolvidas para explorar adequado para explicar o elementos da Mecânica as equações do efeito efeito fotoelétrico. Quântica utilizando a fotoelétrico (p. 373). Relacionar a solução para atividade Efeito fotoelétrico, Peça aos alunos para que o efeito fotoelétrico com disponível no site: http:// pesquisem e produzam um a solução proposta por rived.mec.gov.br/ texto sobre Fusão Nuclear. Planck para o problema da radiação de um corpo Estimule a prática negro. autônoma da leitura e produção de textos, exigência de exames nacionais, como o Enem. VÍDEOS - CANAL FUTURA Globo Ciência – Epsódio 1.049 Energia na Cidade Globo Ciência – Epsódio 1.074 A cidade e a Física Globo Ciência – Epsódio 1.324 Por que as coisas caem? Globo Ciência – Epsódio 1.321 A lua do mundo CONFIRA ESTES E MAIS VÍDEOS NO SITE: Globo Ciência – Epsódio 1.135 A cidade e as embalagens www.futuratec.org.br 20
  • IMAGENS EM POWERPOINT (SLIDES) N0 CAPÍTULO 9 Página ESTUDO DOS MOVIMENTOS, 19 Composição de velocidades I (fig. 2) 137 VOLUME 1 LEIS DE NEWTON E LEIS 20 Composição de velocidades II (fig. 4) 138 DA CONSERVAÇÃO N0 CAPÍTULO 10 Página UNIDADE I 21 Lançamento horizontal no vácuo I (fig. 12) 151 22 Lançamento horizontal no vácuo II (fig. 14) 152 DESCRIÇÃO DA IMAGEM 23 Lançamento oblíquo no vácuo I (fig. 17) 155N0 CAPÍTULO 1 Página1 Gráfico de dependência linear (fig. 4) 18 24 Lançamento oblíquo no vácuo II (fig. 18) 155 N0 CAPÍTULO 11 Página2 Gráfico: diretamente proporcional ao quadrado (fig. 6) 19 25 Movimento circular I (fig. 4) 1643 Gráfico: inversamente proporcional (fig. 7) 20 26 Movimento circular II (fig. 7) 169N0 CAPÍTULO 2 Página4 Relatividade do movimento (figs. 1 e 2) 31 27 Movimento circular III (fig. 8) 1695 Espaço em uma trajetória (fig. 9) 336 Velocidade escalar média (fig. 12) 37 UNIDADE IVN0 CAPÍTULO 3 Página DESCRIÇÃO DA IMAGEM7 Movimento uniforme (fig. 2) 51 N0 CAPÍTULO 12 Página 28 Força elástica (fig. 23) 191 UNIDADE II N0 CAPÍTULO 13 Página 29 Força de atrito (figs. 3 e 4) 200 DESCRIÇÃO DA IMAGEMN0 CAPÍTULO 4 Página N0 CAPÍTULO 14 Página8 Movimento Acelerado e Retardado (figs. 4 e 5) 73 30 Relação vetorial entre força e massa 2119 MRUV (fig. 9) 7410 MRUV (fig. 10) 75 UNIDADE VN0 CAPÍTULO 5 Página DESCRIÇÃO DA IMAGEM10 Função horária do espaço no MRUV (fig. 8) 87 N0 CAPÍTULO 15 PáginaN0 CAPÍTULO 6 Página 31 Plano inclinado I (fig. 3) 23311 Velocidade e espaço no MRUV (tab. 1) 95 32 Plano inclinado II (fig. 4) 23312 Posição ao longo da trajetória (fig. 4) 95 33 Polia fixa (fig. 10) 23513 Gráficos da velocidade e espaço no MRUV (fig. 5) 96 34 Polia móvel (fig. 11) 235N0 CAPÍTULO 7 Página 35 Associação de polias (fig. 12) 23514 Queda livre (fig.5) 105 36 Força de resistência do ar (fig. 16) 23815 Lançamento vertical para cima (fig. 7) 107 N0 CAPÍTULO 16 Página 37 Resultante centrípeta I (fig. 3) 247UNIDADE III 38 Resultante centrípeta II (fig. 7) 249 DESCRIÇÃO DA IMAGEM 39 Resultante centrípeta III (fig. 8) 249N0 CAPÍTULO 8 Página 40 Resultante centrípeta IV (fig. 9) 24916 Vetores (fig. 4) 12317 Soma vetorial (fig. 12) 128 41 Resultante centrípeta V (fig. 10) 24918 Lei dos cossenos 132 42 Pêndulo cônico 249 21 Física • PNLD 2012
  • EDUCAÇÃO DEJOVENS E ADULTOS IMAGENS EM POWERPOINT (SLIDES) N0 CAPÍTULO 17 Página UNIDADE VIII 43 Modelo geocêntrico (fig. 1) 256 DESCRIÇÃO DA IMAGEM 44 Epiciclos (fig. 2) 256 N 0 CAPÍTULO 25 Página 45 Modelo heliocêntrico 257 67 Quantidade de movimento (fig. 2) 410 46 Leis de Kepler (fig. 5) 260 68 Impulso 414 N0 CAPÍTULO 18 Página N 0 CAPÍTULO 26 Página 47 Gravitação universal (fig. 2) 266 69 Colisões (fig. 9) 431 48 Campo gravitacional (fig. 5) 269 70 Impulso 414 UNIDADE VI DESCRIÇÃO DA IMAGEM N0 CAPÍTULO 19 Página ESTUDO DO CALOR, ÓPTICA 49 Equilíbrio estático do ponto material (fig. 6) 293 VOLUME 2 GEOMÉTRICA E FENÔMENOS 50 Momento de uma força (fig. 10) 297 ONDULATÓRIOS 51 Equilíbrio do corpo extenso (fig. 14) 305 UNIDADE I N0 CAPÍTULO 20 Página DESCRIÇÃO DA IMAGEM 52 Pressão exercida por uma força 315 N0 CAPÍTULO 1 Página 53 Pressão atmosférica (fig. 7) 318 1 Condução térmica (fig. 13) 23 54 Pressão exercida por um líquido (fig. 13) 325 2 Convecção térmica I (fig. 14 ) 24 55 Elevador hidráulico (fig. 18) 330 3 Convecção térmica II (fig. 15 ) 24 56 Vasos comunicantes (fig. 20) 331 N 0 CAPÍTULO 2 Página N0 CAPÍTULO 21 Página 4 Escalas termométricas I (fig. 6) 34 57 Empuxo I (fig. 8) 340 5 Escalas termométricas II (fig. 9) 35 58 Empuxo II (fig. 10) 341 6 Equações de conversão (fig. 11) 38 N0 CAPÍTULO 3 Página UNIDADE VII 7 Dilatação linear (fig. 6) 49 8 Dilatação superficial (fig. 10) 55 DESCRIÇÃO DA IMAGEM N0 CAPÍTULO 22 Página N 0 CAPÍTULO 4 Página 9 Dilatação de líquidos (fig. 4) 70 59 Trabalho de uma força 362 9 Dilatação da água (fig. 6) 71 60 Gráfico F versus S (fig. A) 363 10 MRUV (fig. 10) 75 61 Gráfico F versus S (fig. B) 363 62 Trabalho e energia cinética (fig. 11) 371 UNIDADE II N0 CAPÍTULO 23 Página DESCRIÇÃO DA IMAGEM 63 Energia potencial (fig. 2) 380 N0 CAPÍTULO 5 Página 64 Energia potencial elástica 382 11 Capacidade térmica e calor específico (fig. 8) 98 N0 CAPÍTULO 24 Página N 0 CAPÍTULO 6 Página 65 Energia mecânica (fig. 4) 388 12 Mudanças de fase (fig. 4) 112 66 Energia mecânica com loop (fig. 8) 389 13 Curvas de aquecimento (fig. 5) 112 22
  • IMAGENS EM POWERPOINT (SLIDES)N0 CAPÍTULO 7 Página 40 Reflexão especular (fig. 3) 23014 Trocas de calor (fig. 7) 128 41 Leis da reflexão (fig. 4) 231 42 Espelhos planos I (fig. 6) 232UNIDADE III 43 Espelhos planos II (fig. 8) 233 DESCRIÇÃO DA IMAGEM 44 Campo visual II (fig. 9) 233N0 CAPÍTULO 8 Página N0 CAPÍTULO 13 Página15 Transformação isotérmica (fig. 6) 147 45 Espelhos esféricos (fig. 4) 24316 Transformação isobárica (fig. 8) 148 46 Construção de imagens I (fig. 9) 24517 Transformação isovolumétrica (fig. 10) 149 47 Construção de imagens II (fig. 10) 24518 Lei geral dos gases ideais (fig. 15) 156 48 Construção de imagens III (fig. 11) 245N0 CAPÍTULO 9 Página 49 Construção de imagens IV (fig. 12) 24519 Trabalho em uma transformação gasosa 163 50 Imagem real (fig. 13) 24620 Primeira lei da termodinâmica (fig. 8) 167 51 Imagem virtual (fig. 14) 24621 Isobárica: gráfico P versus V (fig. 10) 168 52 Imagem imprópria (fig. 15) 24622 Isovolumétrica: gráfico P versus V (fig. 12) 169 53 Equação de Gauss (fig. 19) 25123 Isotérmica: gráfico P versus V (fig. 15) 17024 Adiabática: gráfico P versus V (fig. 18) 171 UNIDADE VN0 CAPÍTULO 10 Página DESCRIÇÃO DA IMAGEM25 Transformação cíclica (fig. 7) 180 N0 CAPÍTULO 14 Página26 Máquinas térmicas (fig. 9) 183 54 Refração da luz (fig. 5A) 27127 Ciclo de Carnot (fig 11) 185 55 Refração da luz I (fig. 5B) 27128 Máquina frigorífica (fig. 13) 189 56 Refração da luz II (fig. 5C) 271 57 Reflexão total (fig. 7) 275UNIDADE IV N0 CAPÍTULO 15 Página DESCRIÇÃO DA IMAGEM 58 Dioptro plano I (fig. 5) 288N0 CAPÍTULO 11 Página 59 Dioptro plano II (fig. 6) 28829 Óptica geométrica (fig. 2) 211 60 Lâmina de faces paralelas (fig. 8) 29030 Princípios I (fig. 3) 212 61 Prismas de reflexão total (fig. 12) 29631 Princípios II (fig. 4) 21232 Princípios III (fig. 5) 212 UNIDADE VI33 Sombra (fig. 6) 214 DESCRIÇÃO DA IMAGEM34 Penumbra (fig. 7) 214 N0 CAPÍTULO 16 Página35 Eclipse solar (fig. 8) 214 62 Lentes esféricas – nomenclatura (fig. 3) 31536 Eclipse anular (fig. 10) 215 63 Focos da lente convergente (fig. 4) 31537 Eclipse lunar (fig. 9) 215 64 Raios notáveis I (fig. 8) 31738 Câmara escura (fig. 11) 221 65 Raios notáveis II (fig. 9) 318N0 CAPÍTULO 12 Página 66 Raios notáveis III (fig. 10) 31839 Reflexão difusa (fig. 2) 230 67 Construção de imagens I (fig. 11) 318 23 Física • PNLD 2012
  • EDUCAÇÃO DEJOVENS E ADULTOS IMAGENS EM POWERPOINT (SLIDES) 68 Construção de imagens II (fig. 12) 319 ELETRICIDADE, FÍSICA 69 Construção de imagens III (fig. 13) 319 VOLUME 3 N0 CAPÍTULO 17 Página DO SÉCULO XXI 70 Equação de Gauss (fig. 4) 329 UNIDADE I N0 CAPÍTULO 18 Página DESCRIÇÃO DA IMAGEM 71 Microscópio composto (fig. 4) 339 N0 CAPÍTULO 1 Página 72 Luneta (fig. 5) 339 1 Eletrização por atrito (fig. 7) 18 73 Olho humano I (fig. 9) 346 2 Indução I (fig. 12) 20 74 Olho humano II (fig. 10) 347 3 Indução II (fig. 13) 21 75 Formação de imagens no olho I (fig. 12) 348 N 0 CAPÍTULO 2 Página 76 Formação de imagens no olho II (fig. 13) 348 4 Lei de Coulomb (fig. 3) 29 77 Miopia (fig. 14) 348 N 0 CAPÍTULO 3 Página 78 Correção da miopia (fig. 15) 348 5 Vetor campo elétrico I (fig. 7) 43 79 Hipermetropia (fig. 16) 349 6 Vetor campo elétrico II (fig. 8) 46 80 Correção da hipermetropia (fig. 17) 349 7 Linhas de força do campo I (fig. 15) 51 8 Linhas de força do campo II (fig. 17) 52 UNIDADE VII 9 Campo elétrico uniforme (fig. 19) 54 N 0 CAPÍTULO 4 Página DESCRIÇÃO DA IMAGEM 10 Potencial elétrico (fig. 5) 65 N0 CAPÍTULO 19 Página 81 Oscilador massa-mola (fig. 3) 371 UNIDADE II 82 Pêndulo simples (fig. 7) 375 N0 CAPÍTULO 20 Página DESCRIÇÃO DA IMAGEM 83 Pulso (fig. 2) 381 N0 CAPÍTULO 5 Página 84 Onda (fig. 3) 381 11 Corrente elétrica (fig. 4) 91 85 Comprimento de onda (fig. 5) 383 N 0 CAPÍTULO 6 Página 12 Circuito elétrico simples (fig. 2) 98 86 Refração de ondas (fig. 8) 385 13 Resistividade (fig. 5) 102 87 Interferência construtiva I (fig. 9) 385 N0 CAPÍTULO 7 Página 88 Interferência construtiva II (fig. 10) 386 14 Potência elétrica (fig. 2) 107 89 Interferência destrutiva (fig. 12) 386 N0 CAPÍTULO 8 Página 90 Reflexão de ondas I (fig. 14) 387 15 Associação em série I (fig. 4) 123 91 Refração de ondas II (fig. 17) 388 16 Associação em série II (fig. 13) 130 92 Difração (fig. 19) 390 17 Associação em paralelo I (fig. 6) 124 93 Espectro sonoro (fig. 24) 394 N0 CAPÍTULO 21 Página 18 Associação em paralelo II (fig. 16) 131 94 Timbre (fig. 4) 406 19 Associação mista (fig. 20) 133 95 Ondas em cordas (fig. 8) 411 N 0 CAPÍTULO 9 Página 96 Tubo fechado (fig. 10) 411 20 Gerador (fig. 4) 155 97 Tubo aberto (fig. 11) 411 21 Curva característica (fig. 8) 157 98 Efeito Doppler (fig. 12) 414 22 Geradores em série (fig. 10) 162 24
  • IMAGENS EM POWERPOINT (SLIDES)23 Geradores em paralelo (fig. 11 e 12) 163 UNIDADE IV24 Receptores (fig. 15) 168 DESCRIÇÃO DA IMAGEM25 Curva característica (fig. 17) 169 N0 CAPÍTULO 14 PáginaN0 CAPÍTULO 10 Página 43 Força eletromotriz induzida I (fig. 4) 27126 Capacitores (fig. 4) 183 44 Força eletromotriz induzida II (fig. 6) 27227 Capacitores em série (fig. 10) 190 45 Fluxo magnético (fig. 11) 27528 Capacitores em paralelo (fig. 11) 191 46 Lei de Lenz I (fig. 18) 28029 Máquina frigorífica (fig. 13) 189 47 Lei de Lenz II (fig. 19) 280 N0 CAPÍTULO 15 PáginaUNIDADE III 48 Ondas eletromagnéticas (fig. 3) 304 DESCRIÇÃO DA IMAGEM 49 Espectro eletromagnético (fig. 4) 305N0 CAPÍTULO 11 Página30 Ímãs I (fig. 6) 212 UNIDADE V31 Ímãs II (fig. 8) 212 DESCRIÇÃO DA IMAGEM32 Inseparabilidade (fig. 9) 212 N0 CAPÍTULO 16 Página33 Campo terrestre (fig. 10 e 11) 213 50 Experimento de Michelson-Morley (fig. 2) 33434 Campo magnético de ímã (fig. 19) 216 51 Radiação do corpo negro I (fig. 10) 339N0 CAPÍTULO 12 Página 52 Radiação do corpo negro II (fig. 13) 34135 Campo em torno do fio reto (fig. 6) 225 53 Efeito fotoelétrco (fig. 17) 34336 Campo no centro de uma espira circular (fig. 9) 231 N0 CAPÍTULO 17 Página37 Campo no interior de um solenoide (fig. 12) 234 54 Transformação de Galileu (fig. 6) 348N0 CAPÍTULO 13 Página 55 Relatividade do tempo I (fig. 9) 35138 Força magnética I (fig. 3) 242 56 Relatividade do tempo II (fig. 10) 35139 Força magnética II (fig. 6) 243 57 Paradoxo dos gêmeos (fig. 12) 35340 Espectrômetro de massa (fig. 11) 245 58 Gravidade de Einstein I (fig. 22) 6041 Força sobre o condutor reto (fig. 14) 251 59 Gravidade de Einstein II (fig. 23) 36042 Força entre fios (fig. 15) 251 60 Gravidade de Einstein III (fig. 24) 360 61 Desvio na luz da estrela (fig. 27) 361 N0 CAPÍTULO 18 Página 62 Modelo da mecânica quântica (fig. 2) 367 N0 CAPÍTULO 19 Página 63 Componentes da matéria I (fig. 3) 377 64 Componentes da matéria II (fig. 4) 377 25 Física • PNLD 2012
  • EDUCAÇÃO DEJOVENS E ADULTOSSERVIÇOS EDUCACIONAIS APOIO PEDAGÓGICO Oferecido por meio de diversos canais, o Apoio Pedagógico Moderna é um suporte especializado para cada disciplina que possibilita ao professor tirar dúvidas e receber materiais complementares. Encontre mais orientações no site: www.modernadigital.com.br EVENTOS Palestras, debates, mesas-redondas e seminários realizados por autores e profissionais da educação, de acordo com o calendário escolar. Acesse: www.modernadigital.com.br e confira os eventos disponíveis. PORTAL MODERNA DIGITAL O Moderna Digital é um portal que traz animações, vídeos, simuladores e outros objetos instrucionais, desenvolvido para dar suporte aos professores e ampliar as possibilidades de ensino. Ainda oferece um banco atualizado, com questões dos principais vestibulares do país para a elaboração de atividades e avaliações, de acordo com as necessidades de cada disciplina. Além disso, o portal apresenta detalhes das coleções, comentários de cada capítulo dos livros e oferece avaliações e atividades prontas para a aplicação em sala de aula.
  • INTERATIVIDADE MODERNA www.modernadigital.com.br CONFIRA OS RECURSOS - Planejamento interativo disponível para baixar e editar em seu computador. - Acesso à versão on-line das revistas Scientific American - Aula Aberta e O Correio da Unesco na escola. - Questões especiais para construção de atividades personalizadas. - Dicas sobre questões relacionadas ao Enem.REDES SOCIAISFique por dentro das novidades, tire dúvidas com uma equipepedagógica especializada, assista aos vídeos com autores, baixe slidesde palestras e aproveite os serviços exclusivos. Acesse:Sala dos Professores Moderna: um ambiente para troca deexperiências exclusivo para educadores da rede pública. Conheça,participe e amplie seus conhecimentos. saladosprofessores-gov.moderna.com.br Blog: redes.moderna.com.br Slideshare: www.slideshare.net/EdModerna Orkut: tinyurl.com/editoramoderna Youtube: www.youtube.com/EdModerna Twitter: www.twitter.com/editora_moderna Facebook: www.facebook.com/editoramoderna Física • PNLD 2012