Your SlideShare is downloading. ×
0
Estética
Estética
Estética
Estética
Estética
Estética
Estética
Estética
Estética
Estética
Estética
Estética
Estética
Estética
Estética
Estética
Estética
Estética
Estética
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply
0 Comments
2 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
666
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
22
Comments
0
Likes
2
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. ESTÉTICA 14/10/11
  • 2. O que é estética?
    • Quando falamos em estética, geralmente vem à nossa mente a noção de arte ou de gosto (belo ou feio).
    • Realmente a estética envolve tudo isso.
    • Podemos dizer que a estética é o campo da filosofia que discute as noções de belo, feio e o gosto das pessoas.
    14/10/11
  • 3. 14/10/11
  • 4. A Educação da Sensibilidade
    • A educação da sensibilidade requer o contato com muitas obras de arte.
    • Por isso os museus são tão importantes.
    14/10/11
  • 5. Sobre a estética: o belo
    • Já vimos que a estética é o ramo da filosofia que estuda racionalmente o belo.
    • Mas afinal o que é o belo?
    • Beleza é algo objetivo?
    • Muda de acordo com o tempo?
    • Muda de acordo com o lugar?
    • Muda de pessoa para pessoa?
    • A essas e outras questões que muitos filósofos se dedicaram a responder ao longo da história.
    14/10/11
  • 6. O belo para Platão (Séc. V a.c.)
    • Para Platão, o belo está ligado a uma essência universal.
    • O belo não depende de quem observa, pois está contido no próprio objeto.
    • Esse é o ideal das Academias de Arte.
    • Elas tentam fixar regras para a produção artística a partir de uma determinada concepção de belo.
    14/10/11
  • 7. 14/10/11
  • 8. O belo para David Hume (Séc. XVII)
    • A Beleza é algo pessoal.
    • Portanto, não pode ser discutido racionalmente.
    • Como diz o ditado popular: “Gosto não se discute”.
    14/10/11
  • 9. O belo para Immanuel Kant (Séc. XVIII)
    • O Belo é universal porque julgar algo é uma faculdade de qualquer ser humano.
    • Todavia o critério de avaliação não é a razão, mas os sentimentos.
    14/10/11
  • 10. O belo para Georg Hegel (Séc. XIX)
    • Para Hegel a arte, o gosto e a noção do que é belo muda de acordo com o tempo (dialética).
    • Portanto, a produção de uma obra ou a definição de algo como belo depende mais da cultura de uma determinada época.
    • O que é considerado feio em certo período pode ser belo em outro.
    14/10/11
  • 11. 14/10/11
  • 12. O belo para a fenomenologia (Séc. XX)
    • A fenomenologia é uma corrente filosófica atual.
    • Para os fenomenólogos a obra é única e pode ser entendida por meio da experiência estética.
    • Cada coisa tem uma forma singular de beleza.
    • Não existe único de estética para se avaliar tudo.
    14/10/11
  • 13. 14/10/11
  • 14. Mas... e o feio?
    • A discussão sobre o que é o feio se coloca junto com a discussão do que seja o belo.
    • O feio pode aparecer em uma obra de arte de duas maneiras.
    • Em uma primeira, pode surgir como forma (estilo artístico feio).
    • De outra maneira, pode aparecer como tema retratado (algo que não seja bonito de ser apreciado).
    14/10/11
  • 15. 14/10/11
  • 16. Isso significa que uma obra de arte pode ser feia?
    • A resposta é NÃO .
    • Não é nesses termos que se avalia uma obra de arte.
    • Elas são avaliadas de acordo com a sua originalidade e capacidade de mexer com nossas sensibilidades.
    • Uma obra somente é feia se o artista não atingir os objetivos a que se propôs ao criá-la.
    14/10/11
  • 17. 14/10/11
  • 18. Para finalizar...
    • A vida humana possui diferentes dimensões, especialmente no nosso tempo, que é caracterizado pela fragmentação.
    • A filosofia se ocupa em entender profundamente a totalidade da vida humana, tentando unir essa diversidade em um todo coerente.
    • A estética e arte, nesse sentido, são setores de grande importância para nossas vidas, pois estão presentes em nossos julgamentos.
    • Em especial, o nosso tempo requer uma educação e conseqüente valorização das artes, em detrimento de um mundo dominado pela técnica e pela ciência.
    14/10/11
  • 19. Obrigado ... 14/10/11

×