Act

306 views

Published on

Published in: Technology, Design
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
306
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
2
Actions
Shares
0
Downloads
1
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Act

  1. 1. Escola E.B. 2,3/S Vieira de Araújo Área de Projecto Docente: Miguel Costa ETAR- Estamos Tramados com a Água do Rio. Blogue: http://www.etar- Discentes: Ana Nova, nº2 projecto.blogspot.com/ José Carvalho, nº10 Manuel Silva ,nº13 Marta Pereira,nº14. Ano lectivo 2009/2010 Vieira do Minho
  2. 2. Introdução  Apresentação de uma entrevista audiovisual.  Estudar as expressões não verbais (gestos e expressões) por parte do entrevistador e do entrevistado.  Análise temática e formal da entrevista
  3. 3. Entrevista Fig.2 – Logótipo do Grupo Ambiental O Grupo de Trabalho (GT) Meio Ambiente tem por objectivo, criar um fórum de construção permanente no Fig 1: Danielle Fig.3 -Eng. Agr. Jonas Dantas Confea acerca do assunto e Soares estabelecer directrizes para acções de curto, médio e longo prazo. O tema ganha destaque na sociedade e entre os profissionais do Sistema Confea/Crea, sobretudo diante do aquecimento global e o debate cada vez mais presente entre os sectores académicos, governamentais e não- governamentais e empresariais.
  4. 4. Aspectos Mais Relevantes  A entrevista refere-se ao GT Meio Ambiente;  A entrevistadora questiona o que é o GT Meio Ambiente;  Pergunta, também, quem são os seus membros;  Danielle questiona, de que maneira pode a sociedade contribuir para este grupo de trabalho;  Finaliza, interrogando Engº Jonas acerca da situação ambiental do Brasil;
  5. 5. Reflexão Crítica  Danielle Soares tem uma boa apresentação, a nível estético;  Possui uma dicção agradável, atribuindo a correcta entoação quando coloca as questões;  Apresenta uma postura correcta, na medida que revela interesse na resposta obtida, bem como através da comunicação gestual com o entrevistado;  Mantém o poder sobre o entrevistado, na forma como coloca as questões, garantindo um fio condutor ao longo da entrevista;
  6. 6.  Danielle Soares, assume portanto, o papel de um entrevistador conhecedor e praticante de uma autêntica formação jornalística;  A entrevista é directiva ou estruturada, visto que obedece a um conjunto de perguntas previamente seleccionadas, constituindo assim, um guião;
  7. 7. Conclusão
  8. 8. Bibliografia  Monteiro, Manuela Matos; Área de Projecto, 12ºano; 2ª edição; Porto Editora,2008;  In Internet: • http://www.confea.org.br/publique/media/Progra ma-SPeSorocaba.pdf • http://www.confea.org.br/publique/media/gt_ma_ sumula1.pdf • www.confea.org.br/publique/cgi/cgilua.exe/sys...  http://www.youtube.com/watch?v=VfLGGD9qX0A Consultados nos dias 18, 19 e 20 de Janeiro de 2010.
  9. 9. Membros do GT Meio Ambiente

×