Angola IN 05

7,462 views
7,137 views

Published on

EMRC in the news in preparation for the Africa Finance & Investment Forum.

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
7,462
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
14
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Angola IN 05

  1. 1. · Nº05 · 2012 ECONOMIA & NEGÓCIOS · MARCAS ID · SOCIEDADE · FOTOREPORTAGEM · ARQUITETURA & CONSTRUÇÃO · INOVAÇÃO & DESENVOLVIMENTO · DESPORTO · LIFE & STYLE · CULTURA & LAZER · PERSONALIDADES ANO IV - SÉRIE II REVISTA Nº05 - 2012 — 3,50 EUR 450 KWZ 5,00 USD — ISSN 1647-3574 Micaela Reis Sedução e beleza a toda a prova Criação de Valor Inovação não é um ‘nice have’, mas um imperativo. Conheça a proposta da COTEC Portugal Perfil dos jovens Principais tendências de consumo em destaque — Um dia com… fernando Teles do BIC Presidente fala sobre a bolsa,asil a compra do BPN de Br e a estratégia liderança — josé severino Acesso ao crédito internacional Presidente da AIA defende projetos dos setores público e privado na Europa. Fórum Africano de Finanças & Investimento apoia soluções de financiamento para PME’s.
  2. 2. 2012 03
  3. 3. SUMÁRIO 28 Espaço Leitor — Adorei as fotos do Fredy. Sou fã dele e acompanho há muitos anos o seu percurso, como modelo e ator. Lindo e charmoso. Adoro as roupas. Angola em beleza. Yolanda Costa — Simplesmente de best! O Fredy Costa volta a provar que é um grande profissional e que mantém a humildade. Tem charme, pausa e estilo. Parabéns Fredy e à equipa de produção! Neuza Ribeiro — Mais uma edição super completa. Temas diversos e interessantes, gostei particularmente dos artigos sobre o setor dos seguros e a matéria de ECONOMIA & NEGÓCIOS África, por empreendedorismo é muito útil para qualquer empresário. Os casos de fraudes são sem dúvida um setor um problema que ainda precisa de muitas medidas para ser resolvido e que deve ter todos os responsáveis envolvidos na criação de legislação adequada. Continuem a mostrar o que melhor privado forte — se faz no nosso país. São esses exemplos que nos motivam a continuar empenhados em construir A Angola’in foi conhecer os bastidores do Fórum África Finanças uma sociedade cada vez melhor. & Investimento (AFIF), um evento que reúne os principais especialistas, governantes e empresários da região africana. João Fernandes Falamos com os organizadores, a EMRC, e descobrimos quais os — investimentos para este ano que se coadunam ao setor privado O Fredy Costa será sempre o modelo da 52 juventude. Desejo-lhe uma carreira cheia de sucesso. Hélder Cruz — É com orgulho que vejo o sucesso internacional de um dos nossos artistas mais queridos. Na banca onde compro a Angola’in, a revista esgotou rapidamente. Fico feliz por ver que os portugueses conhecem o talento e o trabalho do nosso ícone. Não podiam ter escolhido melhor figura para SOCIEDADE ilustrar a nova geração angolana. Tânia Cardoso Gestão sustentável de resíduos — envie as suas para o seguinte endereço Benguela acolhe, em julho, a primeira Conferência leitor@revistaangolain.com Internacional de África sobre Gestão Sustentável de Resíduos. Um evento que assume extrema importância numa altura em que o país prepara legislação específica para regular o Esta revista é escrita ao abrigo do novo Acordo Ortográfico saneamento e a gestão de resíduos04 2012
  4. 4. 18IN FOCOInovaçãocria valor—João Bento está à frente da COTEC – AssociaçãoEmpresarial para a Inovação há pouco mais deum mês, mas já definiu a linha de orientação daorganização. Uma entrevista que traz uma novaabordagem empresarial e uma visão sobre osresultados da inovação ao serviço da economia.O exemplo é português e tem todos osingredientes para motivar a emergência deentidades semelhantes em países da lusofonia22 08 ECONOMIA & NEGÓCIOS MOSAICO Política monetária elogiada O Fundo Monetário Internacional (FMI) divulgou o mais recente relatório sobre Angola. Conheça as suas previsões e saiba em que áreas o país se 10 INSIDE 14 destaca, com enfoque para o crescimento da sua economia e os investimentos públicos em linha MUNDO68 INOVAÇÃO & DESENVOLVMENTO Spray contra a malária 54 UM DIA COM... Erradicar o paludismo, a malária ou a febre de dengue 60 poderá ser mais eficaz no futuro. Investigadores portugueses desenvolveram um material que FOTOREPORTAGEM liberta repelente em contato com a luz solar. A Angola’in falou com o cientista português 6474 ARQUITECTURA DESPORTO & CONSTRUÇÃO MÊS DO EUROPEU 90 O Campeonato Europeu de Futebol já arrancou. Nesta edição, fazemos a antevisão do evento que reúne os LIFE&STYLE principais craques mundiais e que vão disputar de 8 de junho a 1 de julho a taça europeia na Ucrânia e Polónia 2012 05
  5. 5. EDITORIAL www.comunicare.pt Angola Rua Rainha Ginga, nº 228 – 2º andar Mutamba – Luanda TEL 923 416 175 / 923 602 924 Portugal Parque Tecnológico Inova.Gaia Avenida Manuel Violas, nº 476 – Sala 21 4410-136 São Félix da Marinha Alimento Vila Nova de Gaia TEL 00 351 222 431 902 para o mundo www.revistaangolain.com Diretor Geral Daniel Mota danielmota@comunicare.pt Direção Editorial Manuela Bártolo manuelabartolo@comunicare.pt Na entrevista à diretora executiva da O Programa Integrado para o Desenvolvi- Direção de Research EMRC, publicada nesta edição, ficamos mento da Agricultura em África (CAADP) ANGOLA - Lisete Pote ‘presos’ à seguinte afirmação: ‘os EUA, a lançado pela UA e a Nova Parceria para o lisetepote@comunicare.pt PORTUGAL - Jorge Saboga India e a Europa conseguem produzir em Desenvolvimento de África (NEPAD) tem jorgesaboga@comunicare.pt duas semanas a mesma quantidade de ali- como prioridades vários domínios: Direção Comercial mentos que a África produz num ano’. Um Isabel Azevedo indicador que, segundo a própria, deve ser- · integração da agricultura nos progra- Isabel.azevedo@interpublishing.pt vir para ‘incentivar o continente a resolver mas de desenvolvimento a nível nacional, Coordenador de projetos especiais a situação, de forma a começar a cooperar regional e continental, no intuito de elabo- Tiago Vidal Pinheiro no sentido de alcançar uma balança co- rar políticas, estratégias e orçamentos de Coordenação Editorial mercial mais equilibrada a nível regional desenvolvimento coerentes; Patrícia Alves Tavares e a contribuir a nível internacional para o · reforço da governação do setor agrí- patriciatavares@comunicare.pt fornecimento de alimentos necessários a cola, para facilitar a transição de uma agri- Gestão de Conteúdos Life & Style nível global’. Conseguirá África desenvol- cultura baseada em pequenas explorações Carla Marques lifestyle@comunicare.pt ver-se ao ponto de dar o seu contributo a agrícolas para uma agricultura familiar, esta escala? comercialmente viável e sustentável. As Gestão de Conteúdos Desporto medidas previstas visam assegurar a coe- Luís Freitas Lobo desporto@comunicare.pt A sua potencialidade é indesmentível, di- rência entre as políticas agrícolas regionais zem, e a União Europeia (UE) propõe-se ir e nacionais, bem como a promoção de par- Redação Isabel Santos · Maria Sá mais longe, interessada que está em apoiar cerias entre os setores público e privado. o desenvolvimento agrícola no continente, · desenvolvimento da investigação agrí- Arte Bruno Tavares · Patrícia Ferreira num quadro de cooperação a longo prazo. cola e dos sistemas de conhecimento, design@comunicare.pt As iniciativas previstas apontam para um promovendo uma maior utilização das ino- Fotografia maior crescimento do setor, nomeadamen- vações existentes. Este desenvolvimento Paulo Costa Dias [editor] te, graças à melhoria das políticas agrícolas permitirá melhorar a produtividade rural Carlos Rodrigues · Shutterstock e de governação. Segundo informação dis- duradoura e aumentar o valor nutritivo Serviços Administrativos e Agenda ponível, a cooperação centra-se na África dos produtos agrícolas; Patrícia Silva Subsaariana, na qual Angola se inclui, em · melhoria do funcionamento dos mer- agenda@revistaangolain.com que o desenvolvimento agrícola assumirá cados regionais dos produtos agrícolas maior importância para a realização dos para permitir o acesso a mercados remune- Publicidade Objetivos de Desenvolvimento do Milénio. radores e garantir aos consumidores a segu- Interpublishing Rua Sanches Coelho, nº 03 – 10º andar rança dos produtos; 1600-201 Lisboa Facto é que a agricultura desempenha um · reforço da gestão eficaz dos recursos Tlf:. 00 351 217 937 205 papel crucial para o crescimento económi- naturais para assegurar uma utilização Impressão co do continente, contribuindo para um simultaneamente duradoura e rentável dos Peres-Soctip Indústrias Gráficas S.A terço do PIB. Por ser um setor em que se recursos fundiários, haliêuticos e flores- Distribuição concentra maioritariamente o emprego, ga- tais; Green Line de sconto nha ainda maior relevo. · redução dos riscos associados às oscila- A UE está, por isso, em negociações com a ções de preços, à insegurança do mercado, Tiragem 10.000 exemplares 30% ! União Africana para uma cooperação mais às alterações climáticas e às catástrofes ASSINE JÁ ras2 estreita a nível continental e regional, co- naturais. i atu Ass0n 1 222 431 9ngolain.com 0 locando a tónica no desenvolvimento das 35 a TEL: 0 ras@revista 30€ tu capacidades e no reforço institucional das Resta-nos esperar que o continente assuma assina 2€ organizações. De modo geral, o setor pú- este desafio e os países desenvolvam um 1 ano 12 núm eros - 4 4€ 60€ eros - 8 blico deverá desempenhar um papel mais setor que será determinante para o futuro s2 4 nú m 2 ano eficaz no domínio da agricultura, assegu- da humanidade. rando um quadro normativo adequado e — ISSN 1647-3574 intervindo em caso de mau funcionamen- DEPÓSITO LEGAL Nº 297695/09 to do mercado. A Direção — Interdita a reprodução, mesmo que parcial, de textos, fotografias e ilustrações, sob quaisquer meios e para quaisquer fins, inclusive comerciais Esta revista utiliza papel produzido e impresso por empresa certificada segundo a norma ISO 9001:2000 (Certificação do06 2012 Sistema de Gestão da Qualidade)
  6. 6. 2012 07
  7. 7. MOSAICO Patrícia Alves Tavares—Impulso solar uneEuropa a África—Pode parecer um avião idêntico a tantos outros. Mas, até ao momento, é único. Porquê? A resposta é simples:percorreu mais de 2500 quilómetros sem uma gota de combustível. O Solar Impulse, o primeiro avião solarsuíço, fez a travessia entre a Suíça e Marrocos (com uma paragem em Madrid) movido apenas a energia dosol. A viagem começou a 24 de maio e terminou a 5 de junho. Com a envergadura de um Airbus A340, o SolarImpulse pesa mais de 1600 quilos e as asas estão cobertas por 12 mil células fotovoltaicas, sendo alimentadopor quatro motores elétricos. Foram necessários sete anos de trabalho para chegar ao produto final.Os africanos podem orgulhar-se de terem sido os escolhidos para a viagem inaugural.08 2012
  8. 8. 2012 09
  9. 9. INSIDE Patrícia Alves Tavares África ruma contra a crise — Angola e Gâmbia assinaram um acordo geral de cooperação que identifica uma estratégia de atuação conjunta em setores como as pescas, petróleos, agricultura e turismo. O documento marca uma nova etapa no relacionamento entre os dois países. As áreas da reconstrução, cultura e justiça também mereceram atenção dos Chefes de Estado, que rubricaram acordos que se destinam a essas áreas. No encontro, os líderes realçaram a importância de trabalharem em conjunto para conseguir uma Temperatura sobe evolução generalizada de todas as — nações africanas. “África jamais vai A suspeita é antiga. Porém, é agora confirmada pela ministra do Ensino Superior e da vencer se os Chefes de Estado não Ciência e Tecnologia, Maria Cândida Teixeira. O continente africano vai registar um trabalharem juntos para resolverem aumento da temperatura média (cinco graus centígrados) nos próximos 100 anos. A os problemas do continente. Temos situação irá refletir-se na diminuição das precipitações na maioria das regiões africanas. de ser nós, os africanos, a resolver os Até ao momento, Angola, Botswana, Namíbia, África do Sul e Zâmbia assinaram uma nossos problemas”, sustentou Alhaji declaração que implica a implementação do Centro da África Austral para Ciências e Jammeh, presidente da Gâmbia. Serviços para a Adaptação às Alterações Climáticas e Gestão Sustentável dos Solos, a construir na capital namibiana. A infraestrutura, que é uma iniciativa da Alemanha, tem como finalidade a criação de mecanismos que atenuem as consequências de eventuais calamidades climáticas. Reforço legislativo — A Procuradoria-Geral da República, na Huíla, está empenhada em divulgar o conteúdo das leis vigentes, de forma a contribuir para a formação cívica das suas populações. O procurador-geral adjunto, Germano Patrício, referiu na semana da legalidade que o seu pelouro No topo do voluntariado pretende implementar um conjunto de — atividades que facilitem a divulgação Um estudo indica que Angola e Moçambique são os países preferidos pelos das leis que vão sendo aprovadas e voluntários portugueses. Segundo a pesquisa promovida pela Fundação Fé e do seu papel na consciencialização Cooperação (FEC), em parceria com a Escola Superior de Educação Paula Frassinetti jurídica da população. A nível e com o apoio da Fundação Calouste Gulbenkian, em Portugal, há um maior provincial, o responsável contará com investimento nos Palop. Por outro lado, a maioria dos voluntários lusos são mulheres, o apoio de magistrados do Ministério jovens, solteiras e detentoras de cursos superiores. Embora o voluntariado abranja Público, de órgãos de administração da várias naturezas, a maior parte desloca-se ao serviço de instituições de cariz justiça e de membros da corporação da religioso, sobretudo católico. A maioria das organizações dedica-se a áreas como a polícia. educação, alfabetização e formação. Lubango terá Palácio da Justiça — As obras do futuro Palácio da Justiça, no Lubango, arrancam ainda este ano. A garantia é do vice-governador da Huíla para o setor económico, Ségio da Cunha Velho, que anunciou empreitadas semelhantes em municípios que serão identificados posteriormente. A infraestrutura vai suprir algumas dificuldades dos magistrados e funcionários judiciais, nomeadamente no âmbito da acomodação dos serviços em espaços adequados e a criação de estruturas administrativas.10 2012
  10. 10. Pesca fiscalizada em Benguela — Está para breve a entrada em funcionamento do Centro Regional de Fiscalização Pesqueira, em Benguela, na zona litoral. A infraestrutura tem como principal mais-valia o sistema satélite, que vai permitir a visualização em tempo real de todas as embarcações que estão dentro da área de jurisdição marítima da região. O projeto do Namibe está igualmente na fase final e o Governo quer criar centros regionais em Luanda, Kwanza Sul e Zaire, de modo a montar oito postos de observação ao longo da costa. O investimento ronda os 18 milhões de dólares.Bons ambientalistas O fim da malária?— —Dois estudantes nacionais conquistaram As previsões apontam 2015 como o ano em que tudo muda.a medalha de prata na VI Olimpíada De acordo com o coordenador do Programa da Luta ContraAmbiental, que decorreu em Baku, a Malária, Filomeno Fortes, dentro de dois anos poderáAzerbaijão, e onde estiveram a concurso 400 iniciar-se o processo de pré-eliminação da pandemia. Osjovens oriundos de 42 países. Ray Bragança dados indicam que há dez o país registava 20 mil óbitose Víctor Nogueira, ambos com 16 anos, por ano, valor que atualmente se situa nos seis mil/ano.alunos do Colégio Esperança Internacional, O responsável está confiante de que no próximo ano seem Luanda, desenvolveram um projeto de registará uma diminuição da mortalidade para quatro mil/fertilização de terras que recorre à água ano, graças ao trabalho desenvolvido junto das populações.proveniente do ar condicionado. A invenção Recorde-se que a erradicação da malária e outras doençasvaleu-lhes o segundo lugar, sendo apenas que assolam o país constam das metas para atingir osultrapassados pela equipa dos criadores objetivos do desenvolvimento do milénio.romenos, que apresentaram um softwareque deteta furacões e engarrafamentos, viasatélite. A medalha de bronze também foipara Angola, para um projeto de produção 4G Luanda apostade eletricidade através de matéria orgânica. — A Movicel é a primeira operadora nacional nos artistas — a lançar a rede de quarta geração. A LTE/ O Instituto de FormaçãoServiços 4G vai permitir navegar na Internet a uma velocidade até 120 Mbps, garantindo Artística de Luanda já estámunicipais serviços de voz, dados e vídeos cada vez concluído, mas as atividades apenas começarão no próximode saúde mais rápidos. Destina-se a particulares e ano letivo. A instituição, que— empresas e representa um investimento de abre portas em 2013, destina-O Ministério da Saúde 100 milhões de dólares. O acesso será possível se à formação especializadalançou um programa através de um modem ou de telefones que nas áreas da música, teatro,para reforçar os serviços estejam equipados com a tecnologia. Cabinda cinema, artes plásticas e dança.municipais de saúde. O é a primeira província a ter esta novidade. Está ainda prevista a criação deprojeto deverá contribuir voluntariamente as devidas licenças. cursos de formadores, de modopara a redução da a garantir a edificação futuramortalidade materno- de escolas em mais províncias.infantil e conta com A intenção do Ministério daa parceria do Banco Cultura passa por implementarMundial e da Total EP uma aprendizagem ao nível doAngola. Melhorar a oferta ensino elementar e superior.dos cuidados e serviços Por outro lado, está em cursode saúde municipal e um levantamento dos locaisprovincial, sobretudo onde existam infraestruturasnas especialidades de culturais a necessitar de obras.obstetrícia e pediatria, O Governo está a estudar asão algumas das metas implantação de uma rededo projeto que deverá nacional de bibliotecas,beneficiar 1,5 milhões de unindo instituições, públicashabitantes. O período de e privadas, bem comoatuação será de cinco anos. universidades e escolas.O programa, que custará91,8 milhões de dólares,destina-se a incentivar oparto institucional. 2012 11
  11. 11. INSIDE Língua portuguesa em expansão — A língua portuguesa está em crescimento, podendo estar para breve uma nacionalização do idioma em Angola. Esta é a principal conclusão de uma tese de doutoramento apresentada na Universidade da Beira Interior, em Portugal. “A língua portuguesa em Angola – um contributo Bom impacto para o estudo da sua nacionalização”, da autoria no PIB do professor Domingos Nzau, tem como base uma “abordagem sociolinguística”. O autor — O presidente da Associação espera que “as conclusões desta investigação Industrial de Angola (AIA), possam trazer elementos passíveis de ajudar José Severino, defendeu os decisores a definir uma política assente na que as micro-empresas têm 700 Mil ligações real situação de Angola, um país etnicamente um impacto positivo no de água potável heterogéneo”. “Estima-se, em consequência, que, num futuro breve, o português se possa colocar Produto Interno Bruto (PIB) — e na criação de emprego. A EPAL (Empresa Pública de Águas de na posição de uma das línguas maternas mais O projeto está a cargo do Luanda) prevê instalar 700 mil ligações importantes de Angola a nível global e mesmo Ministério do Emprego de água potável durante os próximos dois quantitativamente”, acrescentou, afirmando que e Segurança Social tem anos e meio. O Governo está a investir n número de falantes não maternos tem vindo a incentivado o aparecimento mais de 300 milhões de kwanzas para “conhecer uma expansão territorial”. de novos empreendedores. chegar a 40 mil consumidores nas zonas Com o programa a classe de Benfica, Samba, Kifica e Zona Verde. A empresarial tem emergido maioria da população do Benfica já está a e a sua atuação começa a beneficiar do projeto que inclui o reforço ter impacto na produção da capacidade de produção e a criação nacional, especialmente no de novos centros. A primeira fase ficará que concerne a criação de concluída até junho e está já em curso a novos postos de trabalho. atividade no município da Samba. Pólo de Okavango para dinamizar turismo — No Kuando Kubango vai nascer o maior pólo de crescimento do país. O Pólo de Desenvolvimento Turístico da Bacia do Okavango terá mais de 11 mil hectares e começará a ser implementado assim que o respetivo plano diretor estiver concluído. O Governo vai criar igualmente mais dois centros dedicados ao incremento do setor do turismo. São os espaços da Calandula, em Malanje, e o de Cabo Ledo, em Kissama. A escolha das áreas está relacionada com as especificidades das regiões que agregam paisagens com potencial para a dinamização do turismo. Cada pólo terá como missão o incremento desta área de atividade, que nos primeiros anos estará vocacionada para o turismo interno. 10 anos Do IFAL — O Instituto de Formação da Administração Local completou duas décadas de existência em maio. O organismo é um dos primeiros mecanismos criados já no período da paz e tem como principal finalidade a formação dos administradores locais, contribuindo para uma melhoria na prestação dos serviços governamentais nas comunidades.12 2012
  12. 12. 2012 13
  13. 13. MUNDO Patrícia Alves Tavares Testemunhos de Mandela — Está acessível a qualquer pessoa que utilize a Internet. Os primeiros episódios do início da democracia na África do Sul ainda não eram conhecidos. A partir de agora, as notas de Nelson Mandela escritas durante a negociação do fim do 5 Prémios para apartheid e as fotografias da sua azeite português cela em Robben Island podem ser consultados no Arquivo Digital — A sétima edição do China International Nelson Mandela. São milhares Olive Oil Competition, que decorreu de documentos, entre eles, em finais de abril, em Pequim, premiou manuscritos, fotografias e vídeos. os azeites portugueses. O projeto é da autoria do Centro Os produtos lusos levaram para casa de Memória Nelson Mandela que cinco distinções, quatro Menções trabalhou em parceria com o Honrosas e uma medalha de prata. Os Instituto Cultural do Google. azeites espanhóis voltaram a dominar Em março de 2011 foram doados a competição, mas os de Portugal 1,25 milhões de dólares ao parceiro estiveram em destaque. Recorde-se sul-africano para que o arquivo que o consumo de azeite na China tem fosse digitalizado e preservado. crescido cerca de 60% desde 2004. Ex-primeiro- ministro irlandês culpado pela bancarrota — Geir Haarde, ex-primeiro-ministro irlandês, foi condenado pela justiça do seu país, sendo considerado culpado Japão sem nuclear pelo crime de neglicência que conduziu a Irlanda à bancarrota. Porém, não será Holanda sem — O último reator ativo no Japão será punido com pena de prisão efetiva, primeiro-ministro suspenso para uma avaliação de que poderia chegar a dois anos. Apesar — segurança. Com esta medida, o país de estar acusado de quatro crimes, o Em causa está a redução do défice vai ficar pela primeira vez em 40 ano tribunal apenas deu como provado o público para 3% até 2013. As negociações sem energia nuclear. O trabalho de facto de não ter reunido com o Conselho com a extrema-direita para atingir esta manutenção do reator número três da de Ministros para analisar a grave meta falharam e o primeiro-ministro central de Tomari (Hokkaido, norte) situação financeira em que o país se holandês, Mark Rutte, demitiu-se. De deverá prolongar-se por mais de 70 encontrava e que levou ao seu colapso em acordo com o gabinete de imprensa, dias. Assim, o Japão ficará sem as 2008. O tribunal decretou ainda que o réu “todos os ministros e secretários de 54 unidades atómicas que estavam não terá que pagar os custos do processo. Estado” abandonaram o Governo “com a funcionar antes do desastre de Este foi o primeiro caso de um político a efeitos imediatos”. As eleições, que Fukushima Daiichi, em março de 2011. ser julgado por responsabilidade na crise deveriam decorrer apenas em 2015, Após o incidente, o Governo tem estado económica mundial.Marítimo de Ílhavo, foram antecipadas para 12 de setembro, a testar a resistência dos equipamentos ao Museu Municipal de Portimão e aos deixando o país com um Governo para evitar outra catástrofe natural. passeios de barco no rio Tejo. provisório durante quatro meses.14 2012
  14. 14. Eliseu tem novo líder Primavera—François Hollande sucede a Sarkozy nos destinos de França. Há 17 anos com neve —que nenhum candidato do Partido Socialista Francês conseguia mandar O nordeste dos Estadosno Eliseu. Hollande venceu as duas voltas das eleições presidenciais e Unidos da Américaimpediu a reeleição de Sarkozy, que apostou durante a campanha na política tem assistido a umade austeridade e no relacionamento com a Alemanha. Os franceses primavera invulgar. Apóspreferiram o socialista, que sempre contestou a disciplina alemã e que um inverno ameno, asnão tem experiência governativa. Para o futuro próximo, o novo regiões do norte de Novapresidente promete tirar o país da estagnação e “reorientar a Iorque, Pensilvânia,Europa para um caminho de crescimento”. “Austeridade já não Virgínia ocidental e deé uma fatalidade”, anunciou o novo líder. Resta saber como irá Maryland estiveram sobdecorrer a parceria Alemanha/ França a partir de agora. uma forte tempestade de neve. O gelo deixou milhares de casas semCesária Évora dá energia elétrica.nome a aeroporto—O Governo cabo-verdiano batizou o Aeroportode São Vicente com o nome de CesáriaÉvora. Segundo o primeiro-ministro do paísde origem da cantora, a malograda artista“tornou mais plena e mais melodiosa” acultura cabo-verdiana, mostrando-a umpouco por todo o mundo. Considerada a“estrela mais brilhante da constelação dacultura” de Cabo Verde, Cesária Évora ganhouainda uma estátua, da autoria de DomingosLuísa, que foi colocada na entrada principaldo aeroporto. Esta foi ahomenagem efetuadopelos governantese populares àcantora que Mundo ao contráriofaleceu em —dezembro do É uma casa igual a tantas. Mas tem uma Timor criaano passado.foram particularidade: está de pernas para o ar. O edifício foi construído na Áustria e é sistema dedistribuídos uma criação dos arquitetos polacos Irek segurançapanfletosjunto ao Glowacki e Rozhanski Marek. Inserida na vila de Terfens, a habitação bizarra, que tem social —estádio do objetos, brinquedos, carros e candeeiros ao Timor-Leste vai criar umMaracanã. contrário, pretende assumir-se como a nova sistema contributivo de atração turística da região. segurança social e contará com a ajuda e experiência de Portugal para desenvolver o mecanismo. O ministro luso da Solidariedade e Segurança Social, Pedro Mota Soares, assinou com a homóloga timorense, Maria Domingas Alves, um protocolo de cooperação. O documento define queCarros sem condutor testados os portugueses vão dar— ajudas técnicas, queA Google obteve licença junto do Departamento de Veículos Automóveis (DVA) para testar na vão desde a formaçãovia pública os primeiros carros que são guiados sem condutor. A autorização foi emitida após de recursos humanos àos testes que decorreram em Las Vegas e Carson, indicando que este carro é tão seguro como criação de estudos, apoioaqueles que são conduzidos por uma pessoa. O veículo é um Toyota Prius, que dispõe de uma à gestão e administração,tecnologia assente em piloto automático. O radar a laser, colocado no topo e na grelha, deteta entre outros. O objetivopeões, ciclistas e outros veículos. A experiência vai decorrer no estado do Nevada, EUA, e exige consiste em desenvolver umduas pessoas no interior da viatura, uma para o volante e outra para monitorizar um ecrã de sistema bem “alicerçado” ecomputador. A Google pediu licenças para testar três carros. sustentável. 2012 15
  15. 15. MUNDO Putin segue no comando — Vladimir Putin venceu as eleições presidenciais na Rússia com 64% dos votos, derrotando Dmitri Medvedev. O até então primeiro-ministro sobe agora a presidente e promete uma “nova etapa de desenvolvimento nacional”. No discurso de tomada de posse defendeu que o mandato de seis anos irá determinar os destinos do país para “as próximas décadas”. “Queremos e iremos viver numa Rússia bem-sucedida, que seja respeitada no mundo como sendo de confiança, aberta, honesta e previsível como parceiro”, sustentou. “O Grito” mais caro O novo dirigente referiu estar de sempre empenhado em reforçar a democracia. Putin foi presidente até 2008, altura — A célebre obra do pintor norueguês em que deixou o cargo para ser Edvard Munch foi a mais cara de sempre a primeiro-ministro, pois não podia ir a leilão. Foi arrematada por 91 milhões cumprir três mandatos seguidos. de euros (119,9 milhões de dólares), na leiloeira Sotheby’s de Nova Iorque. Era a única das quatro versões que ainda estava nas mãos de privados. Até ao momento, o quadro mais caro vendido em leilão era da autoria de Pablo Picasso, “Nu, folhas verdes e busto”. Bureau de Estudantes Europeus de Tecnologia — Lula da Silva Mário Firmino Nzualo, moçambicano e estudante elogia UA do Instituto Superior — Técnico de Lisboa (IST), foi O ex-presidente do Brasil, Lula da Silva, eleito presidente do Bureau elogiou a atuação da União Africana (UA), de Estudantes Europeus nomeadamente ao nível do Programa para o Desenvolvimento de Infraestruturas de Tecnologia (BEST). A organização é a maior da Gorongosa arrecada (Pida). O político acredita que o projeto é Europa, contando com três prémio de cinema uma lufada de ar fresco num período de mil membros de 30 países — crise mundial e que não se move “pela e mais de um milhão de O filme da National Geographic, intitulado mesma lógica que gerou a crise”. “Daí a estudantes de tecnologia. “Elefantes com futuro”, que retrata Gongorosa importância extraordinária do programa O novo líder toma posse em (Moçambique), recebeu o primeiro prémio “One de desenvolvimento que 54 países da junho e o mandato durará in a Million” do Sun Valley Film Festival, nos África aprovaram recentemente, apostando um ano. O jovem já tinha EUA. O melhor filme-documentário foi exibido no crescimento”, revelou Lula Silva. “A desempenhado funções pela primeira vez na televisão em finais de União Africana está certa, o momento é de presidente da BEST de abril e destaca-se pelo orçamento reduzido. de ousadia, de união, e não de divisão, Lisboa e foi embaixador A produção custou menos de um milhão de de solidariedade, e não de opressão dos continental em 2011. dólares. O filme retrata a história de Bob Poole mais fortes sobre os mais necessitados”, Mário Firmino Nzualo é o e da sua irmã, Joyce Poole, que trabalharam acrescentou durante um seminário primeiro africano a ocupar arduamente para acalmar uma manada de sobre oportunidades de investimento no a liderança do organismo elefantes traumatizados e que sobreviveram a continente africano. estudantil europeu. um conflito civil.16 2012
  16. 16. 2012 17
  17. 17. IN FOCO Patrícia Alves Tavares · Fotografia Paulo Costa Dias “Inovação é imperativo das empresas” crescer de forma sustentada e ciente da mais-valia da inovação no sucesso das empresas e das economias faz, cada vez mais, parte do dia-a-dia dos gestores e até dos governos. a angola’in foi conhecer a cotec, uma associação empresarial para a inovação, que nasceu em portugal, há quase uma década. em entrevista, joão bento, presidente da organização fala da importância da entidade no contexto económico português e do grau de desenvolvimento africano. um exemplo a seguir por outros países lusófonos.Da inovação COTEC claramente introduziu a quais os setores primordiais? criação de valor. Inovar não écriamos valor inovação na agenda mediática e Haverá certamente setores em inventar. Inovar é criar valor a das empresas, não só nos cerca que por uma razão ou outra o propósito de uma mudança qual-Assumiu recentemente a dire- de 120 associados, mas também tema da inovação empresarial quer, que pode ser social, técni-ção da COTEC. Quais os proje- nas mais de 100 PMEs (Pequenas faz mais sentido. Mas é algo ca ou política. Há setores paratos para este mandato? e Médias Empresas) inovadoras transversal. A questão é impe- quem inovar é mais importanteA COTEC foi criada em torno do no âmbito da rede PME inova- rativa nas empresas, quer seja justamente para se manteremPresidente da República e das ção. Obviamente que a mesma para inovar e reduzir custos, pa- no mercado, como os que estãoexperiências muito positivas enfrenta o desafio de se renovar ra aumentar a oferta de produ- dirigidos ao grande público e aoque existiam em Espanha e Itá- e de, num contexto de crise como tos, para conseguir ganhos de ‘mass market’. Hoje, é consensu-lia. O objetivo genérico consiste o atual, contribuir com temas de eficiência face à concorrência al que as organizações que nãoem trazer a inovação empresa- inovação empresarial para o re- ou para inovar na dimensão or- inovam não são sustentáveis erial para a agenda das empresas lançamento da economia portu- ganizativa. Queremos introdu- acabam por perder competitivi-e dar maior visibilidade ao tema. guesa. zir na rotina de funcionamento dade e clientes, conduzindo porA nossa grande missão é chamar das grandes, médias e pequenas diferentes razões à sua extinção.a atenção para a importância da Defende mais inovação na empresas a ideia de que da ino- Claro que há setores muito maisinovação empresarial no contex- economia. De que forma essa vação criamos valor. Na minha expostos à necessidade de reno-to de atividade das empresas. A ideia pode ser aplicada e em opinião, não há inovação sem var, como o das tecnologias, da18 2012
  18. 18. “ Para as elites angolanas que se estão a formar no exterior é muito importante que levem a ideia de que desenvolver a inovação nas empresas, na sociedade e no Estado não é um ‘nice have’, é absolutamente imprescindível ”farmácia, da biotecnologia, da des alavancas que são: a necessi- nes- O que é a COTEC?química e os industriais. Mas dade de austeridade e de reduzir ta di-é fundamental que estejamos os custos de funcionamento (em men- A COTEC – Associação Empresarialconvictos que inovar é um im- particular do Estado), por um la- são.perativo para qualquer setor de do, e de introduzir reformas es- São para a Inovação nasceu em 2003,qualquer dimensão. truturais que contribuam para con- em Portugal, partindo de uma iniciativa um Estado mais saudável e uma di- da Presidência da República lusa.Austeridade é a palavra mais economia sustentável, por outro. ções Trata-se de uma organização sem finsvezes proferida pelo Gover- Temos depois uma outra dimen- neces- lucrativos, destinada a promover ono português. Considera que são que é pan-europeia, que é a sárias pa-falta criatividade e mais po- necessidade de a economia fun- ra crescer, empreendedorismo das empresas,líticas voltadas para o cresci- cionar com mais capitais pró- mas não são através da práticamento económico? prios e menos financiamento. suficientes. Pa- da inovaçãoA superação do momento que vi- Se fizermos tudo isto, teremos ra desenvolvervemos passa por voltar a crescer as condições para talvez voltar temos que ter tam-e fazer crescer a economia. Esta- a crescer. A meu ver o ênfase do bém medidas do lado domos sob ação de um programa de programa e a forma como este Go- crescimento e atrevo-me a suge-ajustamento que tem duas gran- verno tem concretizado é muito rir duas vias que são complemen- 2012 19
  19. 19. IN FOCOtares destas medidas. Uma delassão as políticas setoriais, que pos- “ Valorizar o conhecimento do estado de maturidade e inova- ção de uma determinada empre-sam acelerar o crescimento de universitário, transportá-lo sa. Depois temos um conjuntoalgumas áreas da economia que para a indústria e ajudar a criar de prémios em que a COTEC pro-em Portugal têm expressão. Acho cura trazer à agenda a inovação.que estas deviam desenvolver-se empresas. Queremos desenvolver Neste momento, estamos a ten-a propósito de ideias, de uma vi- tar ajustar-nos às preocupaçõessão para o país que fosse tornada mais a forma de entrosamento do dia-a-dia e a equacionar qualconsensual e que não estivesse entre as grandes empresas e as deve ser a vocação da COTECsujeita à variação do ciclo políti- porque algumas destas iniciati-co. Por outro lado, sabemos que PMEs, em que o contributo de vas geraram frutos, outras por-isto só se vai resolver se houver cada uma crie ecossistemas de ventura não fazem sentido serum aumento significativo do con- a COTEC a sedeá-las. Estamos atributo das exportações e aí o pa- inovação aberta tentar reencontrar o rumo para ”pel da inovação é fundamental. a associação, que permita deixarPara exportarmos mais, temos cada vez mais claro para os seusque ter mais empresas a fazê-lo e associados que faz sentido estara exportar mais coisas. Uma po- na COTEC e que traz benefícios.lítica de austeridade séria não é Precisamos de ter uma relação bi-incompatível com políticas seto- direcional em que os associadosriais para áreas que podem ser de- sintam que estão a contribuir pa-cisivas para Portugal. ra o país por estarem na COTEC e que estão a receber contributosQual o papel da COTEC num para o seu desenvolvimento.período como este, em que asempresas atravessam múlti- É esse o posicionamento pre-plas dificuldades? tendido?Temos obviamente a preocupa- Será porventura uma agênciação de atender às preocupações mais focada em problemas dedos associados e a forma como natureza setorial que sejam con-olham o desenvolvimento na as- sensuais, prementes para a socie-sociação e noutras organizações dade portuguesa e em que hajaneste momento de crise. Temos uma dimensão de inovação queum conjunto de pilares de atua- justifique ser na COTEC que va-ção que passam pela valorização mos resolver esses problemas.do conhecimento, assentes em Por outro lado, procuramos serpontos-chave da nossa missão, a sede em que se vai discutir umcomo, por exemplo, acelerar a conjunto de lacunas de naturezaligação entre as universidades e mais transversal no processo dea formação de valor económico. inovação. Em particular, defen-Valorizar o conhecimento uni- do a ligação entre as universida-versitário, transportá-lo para a des e as empresas, a inovação nasindústria e ajudar a criar empre- PMEs e nas grandes empresas.sas. Temos uma dimensão impor- Queremos desenvolver mais atante na área das PMEs (Pequenas forma de entrosamento entre ase Médias Empresas) e a PME Ino- grandes empresas e as PMEs, emvação, porque somos capazes de que o contributo de cada umaalargar o ecossistema que gira em crie ecossistemas de inovaçãotorno da inovação empresarial aberta, em que quer as univer-para um número muito maior sidades, quer as PMEs, quer asdo que as grandes empresas que grandes empresas tenham ini-são o núcleo da COTEC. Criamos ciativas que envolvem todas es-instrumentos, fizemos manuais tas partes e se criem culturas,de boas práticas, contribuímos equipas de projeto e temas depara as normas portuguesas de pesquisa que gerem como resul-gestão da inovação (foram aliás tados negócios, produtos, siste-das primeiras da europa a serem mas, coisas de valor. Somos umapublicadas), construímos uma sede em que se discute como éferramenta que chamamos de que podemos influenciar políti-‘inovation scoring’, que permi- cas públicas, promover e acele-te de forma muito simplificada, rar os processos de inovação ecom apenas 41 questões fazer torna-los mais sustentáveis.uma análise bastante razoável20 2012
  20. 20. “A COTEC comemora dez anos hoje a oportunidade de perceber Não temos nenhuma linha aber-no próximo ano. Será institu- desde o princípio que está a for- ta de cooperação com os PALOP,ído o Ano da Inovação. É uma mar o seu tecido económico, que mas à medida que a presença dasação que está em preparação? Quanto mais cedo a dimensão de inovação é fun- empresas portuguesas nos paí-Temos uma situação muito pe- os empresários damental. Aliás, é patente a pre- ses de língua portuguesa passaculiar: somos uma associação sença de alguns investimentos a ser mais importante, é naturalcuja assembleia geral preside o e a economia angolanos em áreas de economia que os tópicos que estão na agen-senhor Presidente da Repúbli- angolana inovadoras. da da COTEC sejam temas queca, que está muito empenhado passam por esses países. Mas ho-em fazer da celebração dos 10 assimilarem a É uma sociedade atenta a essa je não temos nada de ativo na re-anos da COTEC o ano da inova- importância da necessidade de inovação devi- lação com estes países, tambémção em Portugal. E fá-lo porque do à participação crescente de por razões históricas, pois surgi-há a convicção de que a inovação inovação na forma empresas estrangeiras nos in- mos na sequência de iniciativasé um dos caminhos para poder- vestimentos nacionais? de países como Itália e Espanha.mos relançar a economia portu- como as empresas Sem dúvida. É uma sociedadeguesa. Temos o encontro COTEC se organizam, que estará muito mais alerta para Faz falta uma associação idên-Europa nesse ano. Estamos a co- o contributo da inovação e para a tica à COTEC?meçar a preparar aquilo que será mais rapidamente necessidade de ter esta dimensão Há uma rapidez na forma comoa agenda do Ano da Inovação em irão tirar partido presente. Há aqui uma oportuni- a economia angolana se está a de-Portugal. dade de não perder o tempo que senvolver que tornará mais cedo desta dimensão outros perderam, incluindo Por- ou mais tarde óbvio que esta di- ”Dez anos depois como está tugal, para trazer esta dimensão mensão tem que ser tratada.Portugal em matéria de ino- para o dia-a-dia das empresas.vação? Portugal pode servir de exem-O país tem feito ao longo dos úl- Os jovens que estão a fazer plo em matéria de inovação etimos anos um progresso extra- a formação no estrangeiro e desenvolvimento?ordinário do lado da afetação pretendem regressar, pode- Nós crescemos muito no domí-de recursos, dos facilitadores da rão levar esse know-how? nio dos recursos afetados. Ain-inovação. Temos crescido acima O mais importante é levarem a da vamos ter que crescer nosde praticamente todos os países habitualmente se desenvolvem convicção de que no futuro só resultados. O que recomendariacomparáveis no número de dou- naquela região do globo. Tem re- haverá empresas que hoje sejam a quem esteja ligeiramente maistorados, na forma como hoje me- cursos que lhe permite financiar inovadoras. Para a massa da po- atrás neste processo é que se con-dimos o esforço de investimento esse crescimento e tem uma so- pulação, do conhecimento an- centre não só em afetar recursosem Investigação, Desenvolvi- ciedade jovem, muito ativa, em- golano e das elites que se estão para a dimensão da inovação,mento e Inovação. Todo este es- preendedora e que irá permitir a formar no exterior é muito im- mas também em garantir que es-forço, que é muito significativo, concretizar as ambições que têm. portante que levem a ideia de tes recursos vão dar resultados,vai ter que ter como contrapar- É natural que nesta fase dos países que desenvolver a inovação nas que é certamente o que vai acon-tida do lado dos resultados da hajam prioridades nas preocupa- empresas, na sociedade, no Esta- tecer em Portugal, dado o esforçoinovação sermos capazes de nos ções que se desenvolvem. Num do, na forma como se organizam, do lado dos inputs. Olhar para osaproximarmos da média dos pa- país com necessidades de infraes- não é um ‘nice have’, é absoluta- outros para seguir os bons exem-íses comparáveis. Há ainda in- truturação muito significativas, mente imprescindível. plos e evitar os maus é algo quesuficiências na maneira como como é o caso de Angola, a ênfa- é irrecusável. Considero que An-medimos o retorno do investi- se está em construir, desenvol- A realidade dos países lusófo- gola irá certamente fazê-lo e es-mento que fazemos na inovação ver e restabelecer estruturas que nos é acompanhada pela CO- tamos cá para ajudar no que fore estamos a trabalhar para tornar permitam acompanhar e apoiar TEC? preciso e para sermos auxiliados.claro que é imperioso inovar. Há o brutal crescimento económi-resultados que só se obtêm dessa co. A meu ver, existe também amaneira e temos que ser capazes enorme vantagem que o país iráde medir isso. aproveitar como oportunidade de cortar caminho a propósito “Falando de inovação, Angola daquilo que é o processo de ama-tem registado índices histó- durecimento da economia. Quan-ricos de desenvolvimento e to mais cedo os empresários e acrescimento. O país tem acom- economia angolanas assimila- Não há inovação sem criação depanhado as tendências da ino- rem a importância da inovação valor. É consensual que as empresasvação? na forma como as empresas se or-Angola tem uma situação fasci- ganizam, mais rapidamente irão que não inovam acabam por perdernante que ocorre poucas vezes tirar partido desta dimensão. Ao competitividade e clientes e, por isso,na vida dos países. Tem tido um contrário de culturas mais enve-crescimento acelerado, uma con- lhecidas, como a Europa, em que por desaparecer ”vergência muito rápida com ní- foi preciso um grande esforçoveis de maturidade de economias para se chamar a atenção para osmais avançadas do que as que temas da inovação. Angola tem 2012 21
  21. 21. ECONOMIANEGÓCIOS Manuela Bártolo Previsões FMI Política macroeconómica em alta O Fundo Monetário Internacional (FMI) esteve, no passado mês de maio, em Angola, e anunciou a previsão de um crescimento de 8% da sua economia para este ano. O aumento da procura petrolífera e os programas de investimento público serão os principais responsáveis pelo desenvolvimento da atividade económica, em 2012. Quem o refere é Mauro Mecagni, líder da primeira missão do organismo ao país desde que terminou, em finais de março, o Acordo de Stand-By com Angola, ao abrigo do qual o fundo concedeu um financiamento de 1,4 mil milhões de dólares (cerca de 1,1 mil milhões de euros).22 2012
  22. 22. CASH-FLOWBaseado no documento apresenta- Fatores positivos cas fiscais e incluir no orçamento as A terceira área tem por base os es-do, a taxa global de crescimento real O documento do FMI faz uma avalia- operações quasi-fiscais, anteriormen- forços já existentes, ou seja, ‘as po-da economia foi de 4%, bastante aci- ção bastante positiva do desempe- te realizadas pela empresa estatal do líticas económicas devem continuarma dos 3,4% inscritos no seu relatório nho da economia nacional. Segundo petróleo, justificar adequadamente o a facultar a transformação estrutu-anual de abril deste ano (World Econo- o responsável máximo da delegação considerável saldo residual nas contas ral e diversificação da economia. Pa-mic Outlook). Apesar do desempenho ‘o programa de estabilização eco- orçamentais de 2007-2010 e moder- ra desencadear o enorme potencialmacroeconómico do último ano ter si- nómica das autoridades angolanas, nizar o quadro de política monetária económico de Angola e impulsionardo afetado por dificuldades na produ- apoiado pelo Acordo Stand-By do FMI e de estabilidade do setor financeiro’. um crescimento inclusivo, as autori-ção de petróleo, devido a problemas 2009-2012, atingiu os seus objetivos As perspetivas económicas para os dades são incentivadas a prosseguirtécnicos em alguns poços, as mesmas principais. Três anos após a repenti- anos vindouros permanecem positi- políticas que facultem: melhoria noforam compensadas pela ‘forte expan- na queda dos preços mundiais do pe- vas em função das atuais projeções capital humano e físico, ao continu-são’ do setor não petrolífero, o que sig- tróleo, o que afetou severamente a relativas aos preços petrolíferos e da ar a reequilibrar o orçamento paranifica que a diversificação económica economia angolana, o país conseguiu forte dinâmica das reformas previstas programas sociais e investimentoregistada em 2011 foi alvo de um signi- alcançar uma posição fiscal melhora- nos planos de médio prazo das auto- em infraestruturas; um decréscimoficativo impulso. da, um nível mais confortável de re- ridades. continuado da inflação e uma quali- servas internacionais, uma taxa de dade decisiva no ambiente empresa-O facto de a previsão para o cresci- câmbio estável e uma taxa de inflação Mario Mecagni explicou que os res- rial, bem como custos reduzidos demento económico ter sido revista em mais reduzida. Além disso, os atrasos ponsáveis políticos do país estão ‘ade- produção e distribuição, de modo aalta demonstra que as estimativas de de pagamento internos foram regu- quadamente focados em três áreas permitir uma maior contribuição porevolução do produto para o corrente larizados. Registou-se também uma fundamentais para o seu desenvol- parte do setor privado no desenvol-ano sejam atualmente mais modera- melhoria signifi- vimento’. Primeiro, da- vimento económico’. O fundo alerta ‘‘das. Tratando-se de uma variação em cativa na trans- do o caso da economia que ‘ao longo dos próximos anos, asrelação ao ano precedente é consen- parência fiscal e angolana ‘estar sujeita a autoridades terão de abordar estassual que aumentando a base da varia- na prestação de incertezas que decorrem questões num contexto global, queção ela se reduza. O FMI apontava, em contas’, salienta. A inflação dos preços do petróleo, apesar de demonstrar melhorias,abril, para que o PIB angolano cresces- continuou da produção petrolífe- proporciona ainda elevados riscos dese 9,7%, em 2012, considerando agoraque o crescimento da economia nacio- Para Mauro Me- cagni, a forte ex- a recuar ra e de uma conjuntura institucional ainda em recaída’.nal este ano se deverá situar em 8%. No pansão do setor gradualmente, evolução, - fontes de vo- Neste aspeto o organismo deixouOGE para 2012 o Executivo estimava não petrolífero até cerca de 11% latilidade que afetam a uma mensagem clara: ‘múltiplasque a economia crescesse 12,8% este soube compensar execução do orçamen-ano. No balanço apresentado recente- o declínio do setor no final do ano to e podem amplificar economias avançadas registam um crescimento menor devido à consoli- “mente pela ministra do Planeamento, petrolífero, o que os efeitos negativos de dação fiscal e à desalavancagem ban-Ana Dias Lourenço, a mesma situou o resultou numa ta- repetidos arranques e cária. Tais desenvolvimentos poderãocrescimento para este ano entre 8% e xa global de cres- suspensões dos proje- indiretamente vir a afetar Angola, por10%. O relatório de balanço do Exe- cimento real de cerca de 4 por cento. tos de investimento público na eco- via de uma menor demanda pelas su-cutivo projeta para 2012uma taxa de ‘A inflação continuou a recuar gradu- nomia -’, as autoridades têm vindo as exportações e uma maior aversãocrescimento do PIB de cerca de 8,9%, almente, até cerca de 11% no final do ‘a reforçar os mecanismos fiscais, de ao risco por parte dos investidores.com contribuições do setor petrolífero ano. O superávit fiscal aumentou pa- modo a manter os ganhos dificilmen- Neste contexto, as autoridades ango-e não petrolífero de 8,5% e 9,1%, res- ra aproximadamente 10% do PIB, au- te logrados na estabilidade macroe- lanas reconhecem a necessidade depetivamente. Segundo o FMI, também xiliado parcialmente pelos elevados conómica e apoiar a implementação equilibrar uma ampliação prudenteo excedente terá aumentado para 10% preços petrolíferos’, explica. Quanto dos seus planos de desenvolvimento e criteriosa dos investimentos públi-do PIB (Produto Interno Bruto). O OGE às atividades económicas, o organis- ambiciosos’. cos e uma acumulação aconselhávelpara 2011 previa um saldo corrente de mo prevê uma aceleração este ano, Segundo, ‘a nova lei cambial para as de mecanismos de proteção fiscais e13,3% do PIB, um saldo global na óti- à medida que a produção petrolífera empresas petrolíferas requererá que das reservas’.ca do compromisso de 3,5% do PIB e recuperar. Este organismo está positi- uma grande parte das transações fi-um saldo global de caixa da ordem dos vo quanto à evolução devido ao facto nanceiras das empresas petrolíferas, No final, a mensagem foi de elogio2,4% do PIB. da atividade económica em diversos anteriormente efetuada offshore, para a implementação das reformas setores estar a ser beneficiada pela passe pelos bancos domésticos’. As- no âmbito da política monetária doDe acordo com o FMI, as reservas in- intensificação e aceleração dos pro- sim, o FMI prevê que ‘esta medida país, com destaque para os esforçosternacionais lograram ultrapassar os gramas de investimento público e aumente as possibilidades de inter- que têm sido realizados no sentidoUSD 27 mil milhões até ao final de 2011, pela regularização dos atrasos gover- mediação financeira doméstica e sir- de atingir políticas macroeconómicascorrespondendo a 6 meses de impor- namentais de exercícios anteriores. va para promover maior concorrência sólidas com vista a um maior sucessotações em 2012. De acordo com o Rela- Contudo, o documento apresentado e inovação financeira’. Porém, informa nos processos de redução da inflaçãotório de Desempenho da Atividade do refere que o crescimento da produ- que ‘esta medida pode também resul- e de crescimento da moeda nacional –Executivo as reservas internacionais lí- ção agrícola está a ser prejudicado tar numa rápida expansão nos balan- o kwanza. O último conselho centrou-quidas situavam-se, em dezembro de pela estiagem persistente. ços dos bancos’. Nesse sentido, ‘para se na continuidade de uma melhor2011, em USD 25.907,79, passando pa- que o processo de aprofundamento fi- governança, transparência e quali-ra USD 26.924,98 milhões, em março Já no domínio das políticas, o relató- nanceiro seja sustentável’, aconselha dade do ambiente de negócios, dede 2012. Já as reservas cambiais atin- rio explica que ‘as autoridades estão ‘a reforçar significativamente a super- forma a estabelecer bases para uma,giram os USD 28,4 mil milhões no final a trabalhar no sentido de reforçar o visão prudencial, mesmo antes da im- cada vez maior, diversificação econó-de abril. ambiente institucional para as políti- plementação paulatina da lei’. mica e crescimento inclusivo. 2012 23

×