• Save
CRP0357-2014-08
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 
  • 397 views

Aula 8 de Produção gráfica: silk-screen e off-set.

Aula 8 de Produção gráfica: silk-screen e off-set.

Statistics

Views

Total Views
397
Views on SlideShare
267
Embed Views
130

Actions

Likes
1
Downloads
9
Comments
0

1 Embed 130

http://www.luli.com.br 130

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

CRP0357-2014-08 CRP0357-2014-08 Presentation Transcript

  • CRP-0357 Produção Gráfica
  • Aula 7 Processos de impressão:
 silk-screen, off-set, policromias
  • O processo gráfico Carimbos, gravuras, telas,
 fotolitos e computadores
  • Tipos de impressos • Tipografia • Flexografia • Rotogravura • Silk-screen • Litografia • Off-set • Impressão a laser • Gráfica rápida
  • Silk-screen
 ou Serigrafia Começou como marcação de peças industriais, 
 foi adotada por artistas gráficos
 no começo do século 20.

  • SILK SCREEN • Pode imprimir sobre tecido, cerâmica, vidro, plástico, papel, metal, cortiça, madeira etc. Em qualquer formato, cor ou tamanho. • Usa um matriz feita de material poroso ou finamente perfurado, como uma tela de nylon ou aço, montada em uma moldura rígida. • O custo é alto para pequenas tiragens e varia na proporção direta com a qualidade que se exige da impressão. • O processo está associado a camisetas porque foi, por muitos anos, a única forma de imprimir em tecido. Também é o principal método usado para imprimir bonés, rótulos de CDs e DVDs, banners, materiais promocionais e painéis.
  • SILK SCREEN: processo • A tela é feita de um material poroso, de textura bem fina. Originalmente usava-se seda (daí o nome), mas desde os anos 40 usa-se uma tela de poliéster presa a uma moldura rígida, de alumínio ou madeira. • A matriz (estêncil) é um negativo do material final. 
 Ela bloqueia algumas áreas da tela com material impermeável. • A tela é colocada sobre o material a ser impresso e a tinta, sobre a tela. Uma espécie de rodo força a tinta através dos poros para o suporte final.
  • SILK SCREEN: processo • A precisão da impressão é diretamente relacionada à precisão do estêncil, delicadeza dos poros da tela, espessura da tinta e textura do suporte. • Terminado o processo, a tela pode ser guardada ou lavada para remover qualquer obstrução de poros e reutilizar. • Quando surgiu a impressão off-set, a diferença em qualidade e velocidade entre os dois processos era tão grande que muitos passaram a acreditar que silk screen era sinônimo de impressão em baixa qualidade. 
 Não é verdade.
  • SILK SCREEN: fotolito e estêncil O método mais simples é recortar uma máscara em material impermeável, como plástico ou borracha, e colá-lo à tela. Outra forma simples é pintar a própria tela com tinta impermeável.
  • SILK SCREEN: emulsão fotográfica • Tornou o processo mais prático, preciso e menos artesanal. • A imagem original é criada em um suporte transparente (fotolito) – ela pode ser desenhada, fotocopiada ou impressa, contanto que seja monocromática e opaca. O melhor é usar preto. • Um negativo de filme PB também pode ser usado, mas é importante lembrar que a matriz de impressão é uma imagem invertida do material final (preto onde deve ser transparente e vice-versa). • O fotolito é colocado sobre uma tela coberta de emulsão fotográfica. Ela é exposta à luz e se polimeriza, criando uma superfície impermeável. O processo gera imagens de alta fidelidade, que podem reproduzir dezenas de milhares de exemplares.
  • SILK SCREEN: vantagens • Silk screen é mais versátil: • Pode imprimir em uma grande variedade de materiais • O suporte de impressão não precisa ser planos • Ele nem precisa ser móvel (pode-se imprimir em paredes ou postes) • A superfície não precisa ser impressa sob pressão, como em tipografia, litografia, gravura ou até mesmo off-set • Por isso variações dessa forma de impressão continuam a ser utilizadas para marcação de produtos industriais, tecidos e até placas de circuitos eletrônicos.
  • SILK SCREEN: vantagens • O processo é acessível. Material rudimentar para sua execução é barato e fácil de se achar. Por isso é freqüentemente usado em manifestações de arte underground, independente e amadora. • Impressões coloridas podem ser feitas ao usar quatro telas para CMYK (cyan, magenta, yellow and black). Conforme o processo e o suporte, pode-se chegar a um material de altíssima qualidade. • O custo adicional para cada cor de impressão depende, quase que exclusivamente, de telas e pigmentos. • Assim pode-se imprimir em cores especiais ou em um grande número de cores (o que garante maior vividez e fidelidade cromática) sem que o custo fique proibitivo.
  • OFF-SET: Processo de impressão mais popular atualmente.
  • OFF-SET • É uma revolução completa na impressão, derivada da litografia: • Não há incisão, cortes ou relevos, mas um método chamado “planográfico”, em que os espaços em branco e as áreas de impressão estão praticamente no mesmo plano da matriz. • A matriz é feita com uma folha de alumínio coberta de uma emulsão fotosensível. • A separação entre as áreas de impressão é feita através de um processo químico, não mecânico: a repulsão entre a tinta off-set, que é oleosa, e a água.
  • OFF-SET • Atualmente é o processo de impressão mais popular. • Seu princípio marca uma revolução completa na forma de se imprimir: off-set difere dos outros processos gráficos convencionais: • Não há incisão, cortes ou relevos, mas um método chamado “planográfico”, em que os espaços em branco e as áreas de impressão estão praticamente no mesmo plano da matriz. • A matriz é feita com uma folha de alumínio coberta de uma emulsão fotosensível. • A separação entre as áreas de impressão é feita através de um processo químico, não mecânico: a repulsão entre a tinta off-set, que é oleosa, e a água.
  • OFF-SET: processo • Como no silk-screen, usa-se emulsão fotográfica e fotolitos, mas há várias diferenças: • O fotolito é positivo, não negativo: ele marca as áreas que serão impressas, não as protege da tinta. • A emulsão fotográfica aplicada na chapa de impressão não se polimeriza, mas cria um material gorduroso, repelente à água e receptivo à tinta. • A tinta não é aplicada diretamente: ela é transferida da matriz para um cilindro de borracha e desse cilindro para o papel.
  • OFF-SET: processo • A chapa é montada em rolo de impressão que, ao rodar, a coloca em contato sucessivo com rolos umedecidos com água e com tinta. • A água adere às áreas que não serão impressas; a tinta faz o mesmo nas áreas a serem impressas. Cada uma repele a outra. • A imagem com tinta (entintada) é transferida para um cilindro de borracha que a transfere para o papel, por pressão.
  • OFF-SET: processo • Esse processo se repete por tantas cores quantas forem necessárias. As máquinas antigas eram de uma ou duas cores. Hoje é comum encontrar impressoras de quatro a sete cores, que fazem até acabamento (verniz). • A técnica de transferir a imagem da matriz para um cilindro de borracha antes de transferi-la para o papel é chamada off-set. Ela também pode ser utilizada em Tipografia, Rotogravura e Litografia. • Ou seja, é possível ter Tipografia, Rotogravura ou Litografia offset.
  • OFF-SET: castelos • Máquinas de impressão off-set são compostas de unidades autônomas (“castelos”), interligadas em uma linha de produção. • As máquinas mais antigas tinham apenas uma ou duas dessas unidades – uma impressão em quatro cores demandava duas ou mais passagens pela máquina, o que costumava causar imprecisões e perdas por defeitos. Impressões de cores especiais e vernizes sofriam os mesmos problemas. • As máquinas mais modernas têm cinco ou seis “castelos”, o que permite a impressão com maior precisão e velocidade.
  • OFF-SET: castelos • Por demandar várias matrizes, é um processo que tem alto custo fixo e baixo custo variável. É por isso que algumas gráficas têm tiragens mínimas e suas faixas de orçamento variam em patamares. • Essas máquinas também permitem a impressão em processos mais modernos e de maior qualidade, como a impressão em seis cores (Hexacromia) ou sete cores (Hi-Fi Color).
  • Acerto de máquina:
  • Facas especiais e processos:
  • OFF-SET: vantagens • A matriz não entra em contato direto com o papel. Isso permite: • Maior detalhe: como não há pressão, não há bordas irregulares ou manchadas; • Maior consistência: o material praticamente não se desgasta,por isso a diferença entre o primeiro e o último impressos de um lote é desprezível; • Maior velocidade: a maioria dos impressos conhecidos usam essa técnica; • Materiais de menor espessura: usa menos tinta, por isso é menos visível no verso;
  • OFF-SET: vantagens (cont) • A matriz não entra em contato direto com o papel. Isso permite: • Maior durabilidade da matriz: que pode ser lavada e reciclada; • Custo variável baixo: impressão “mais barata” à medida que aumenta em volume; • Variedade: possibilidade de impressão em uma grande variedade de papéis e superfícies absorventes lisas ou rugosas com um mínimo de pressão; e • Melhor controle da impressão em frente-e-verso: há equipamentos que imprimem as duas faces do papel simultaneamente.
  • Policromias • Duotones: duas ou mais tintas simulam meios-tons • Monotone: impressão em uma só cor, qualquer cor, inclusive C, M, Y ou K. • Duotone: impressão monocromática com base em duas cores. • Tritone, Quadtone: idem para três ou mais cores. ! • Cor especial: qualquer uma que não seja CMYK.
  • RGB vs. CMY tem espaços cromáticos diferentes. É preciso converter a imagem para que a qualidade de cores não fique comprometida. Mesmo assim certas cores não imprimem bem.
  • HEXACROMIA Pantone:
 mais dois tons saturados de laranja e verde! Dá uma tonalidade mais viva e cores que a escala Europa (CMYK) não alcança
  • Hi-Fi color: mais vermelho, verde e azul-violeta. Só imprime em retícula estocástica.
  • Retícula estocástica Também chamada de Freqüência Modulada Os tons são condensados de acordo com a cor Melhor definição de detalhes - Cores mais vívidas Melhor simulação de tons contínuos O processo é parecido a impressora inkjet,
 só que em pontos microscópicos
 (7 a 40 milésimos de mm).
  • Registro • Problema: as cores escuras sempre aparecem • Se a área só for cavada, pode ocorrer um erro de registro • É preciso “cavar um buraco” para que as cores não se misturem e sobrepor uma área para não aparecer o erro de registro. • Cuidado com áreas pequenas
  • Para evitar erros de registro: • Knock-out: a imagem a ser impressa “por cima” na verdade é impressa sobre fundo branco, como se “cavasse” um buraco sobre o fundo. • Overprint: uma imagem é impressa sobre a outra. O resultado cromático pode ser imprevisível. Pode ser usado para compensar erros de registro em molduras de fotos ou em textos. • Trap: avanço de uma cor sobre a outra para se precaver quanto a erros de registro. • Textos e áreas pequenas: knock-out ou overprint.
  • Calçamento • Preto transparente: 100% K. • Preto neutro: 100%K, 40%C, 30%M, 20%Y. • Preto calçado (ou frio): 100%K, 40%C. • Preto quente: 100%K, 40%M. • Preto para marcas de corte e registro: 100%C, 100%M, 100%Y, 100%K • Para evitar problemas de secagem e de decalque (a imagem aparecer no verso), a soma dos percentuais não deve ultrapassar 320%.
 Recomenda-se que a área mais escura não ultrapasse 240%.
  • Provas de fotolito: • Utilizadas para ver se a impressão se aproxima do layout. As mais antigas eram as provas de prelo, que, apesar de poderem ser feitas em qualquer papel, podiam ter os pigmentos facilmente alterados. ! • Provas automáticas são chamadas por seus nomes comerciais: Cromalin (DuPont) e Match-Print (3M). ! • Falsas provas: provas de pré-impressão.
  • Anatomia de uma prova • Marcas de corte • Marcas de registro • Marcas de dobras e facas especiais • Tiras de cor • Tiras de tonalidade
  • OFF-SET DIGITAL:
 impressão a seco • A indústria gráfica é um grande poluidor e consumidor de água, produtos químicos e energia. Novas formas de impressão estão sendo desenvolvidas para minimizar o impacto ambiental. • A “impressão a seco” usa a tecnologia de CTP (Computer to plate) para criar chapas eletrostáticas que eliminam os produtos químicos para a marcação de matrizes e a água para impressão.
  • FIMpg.eca.luli.com.br
  • Para casa: Nada. Semana de JUCA.