• Save
CRP0357-2014-07
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 
  • 567 views

Aula 7 de Produção gráfica: processos de produção.

Aula 7 de Produção gráfica: processos de produção.

Statistics

Views

Total Views
567
Views on SlideShare
251
Embed Views
316

Actions

Likes
1
Downloads
9
Comments
0

2 Embeds 316

http://www.luli.com.br 313
http://www.slideee.com 3

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

CRP0357-2014-07 CRP0357-2014-07 Presentation Transcript

  • CRP-0357 Produção Gráfica
  • Aula 6 Processos de impressão – parte 2
  • O processo gráfico Carimbos, gravuras, telas,
 fotolitos e computadores
  • Tipos de impressos • Tipografia • Flexografia • Rotogravura • Silk-screen • Litografia • Off-set • Impressão a laser • Gráfica rápida
  • Litografia Hoje é mais uma curiosidade histórica do que um processo. Ela deu origem ao que conhecemos como impressão off-set, embora esteja mais próxima de um carimbo sofisticado, feito de pedra.
  • Litografia (ou Litogravura) • Lithos – Graphos: impressão a partir de uma pedra lisa desenhada com tinta (cor) e goma (não-cor). • A goma impede a tinta de “vazar” para locais indesejados. • O processo de repulsão simultânea entre água e tinta inspirou e originou o off-set.
  • PEDRA LITOGRÁFICA
  • Tipografia Carimbos e clichês.
  • Tipografia • O livro mais antigo ainda existente é Chinês, de 868 AC, impresso com uma técnica sofisticada de blocos de madeira esculpida. • A impressora de tipos móveis de cerâmica também foi inventada na China, no século X. • A de tipos de metal três séculos mais tarde, na Coréia. • Entre os séculos XII e XIII, bibliotecas árabes e chinesas tinham dezenas de milhares de livros impressos.
  • Tipografia • Gutemberg a aprimorou com o uso de tipos reutilizáveis, para compor vários textos de forma mais econômica. 
 • A forma desenvolvida por ele foi a base da imprensa durante muitos séculos. Ela usa pequenas peças de metal com relevos de letras e símbolos – os “tipos móveis”.
  • TIPOGRAFIA
  • Tipografia • A matriz é composta de pequenos tipos, que funcionam como carimbos reaproveitáveis. Os tipos são famílias (tipográficas) inteiras. 
 • Como carimbos, ela precisa ser pressionada sobre o papel e não consegue gerar formas com alto nível de detalhe.
 • Tipos especiais são chamados de “clichês”, por isso esse processo também é chamado de “clicheria”.
  • Tipografia • Os tipos são colocados em uma grade que os mantém na ordem desejada, molhados na tinta e pressionados contra o papel. 
 • Mesmo com o surgimento dos computadores e da editoração eletrônica, a tipografia ainda permanece ativa. Ela é usada, por exemplo, em um processo chamado de Termografia, a impressão a quente para a formação de relevos.
  • Tipografia: problemas • Impressão sem definição – os caracteres ficam com bordas irregulares, quase como em carimbos comuns. • A pressão da sobre o papel e a grande quantidade de tinta fazem com que muitas vezes a impressão seja visível no verso. • Ainda é usada para entradas de shows, pequenos jornais sem fotos, notas fiscais, numeração, corte e vinco (usando tipos especiais com lâminas), alto e baixos relevos etc. • Depois da impressão a matriz é desfeita. Apesar de demandar muita mão-de-obra para sua confecção, mantê-la não é economicamente viável, pois os originais são caros e podem ser reaproveitados.
  • Flexografia Impressão com matriz flexível
  • Flexografia • É um tipo de tipografia que usa uma grade flexível para imprimir em superfícies curvas, como latas de refrigerante, copos ou materiais de formato não plano. • As tintas são de secagem rápida, podem ser aditivadas para se conseguir texturas, brilho ou aderência. • Recentemente a flexografia se tornou a principal técnica de impressão para embalagens, por dois motivos: • Baixa expectativa de qualidade por parte do público • Custo relativamente baixo (para grandes tiragens)
  • Rotogravura gravação em metal
  • Rotogravura • Oposto da tipografia: matrizes em baixo relevo. • Selos e cédulas usam esse processo, que também é indicado para a impressão em superfícies flexíveis. • Cada matriz é feita com os desenhos escavados para formar um negativo da imagem a imprimir. • Ela utiliza: • Bobinas ou cilindros: impressão em material contínuo. • Chapas: impressão em folhas soltas.
  • Rotogravura • É necessária uma tiragem mínima muito elevada, devido ao alto custo da matriz. • Ela funciona como a gravura de Artes Plásticas, porém com menor detalhe. • A superfície da matriz é embebida em tinta, uma lâmina retira o excesso, deixando tinta apenas nos pontos de baixo relevo, que é transferida para o papel por pressão.
  • Duplicação Digital
  • Mimeógrafos • Fazia-se manualmente, ou com a ajuda de uma máquina de escrever, uma matriz em papel impermeável que tinha perfurações para permitir a passagem da tinta, normalmente a base de álcool. • Estas máquinas ajudaram a alfabetizar a maioria da população mundial neste século e, durante a Guerra Fria, foram banidas da União Soviética. • O processo era bastante simples: a matriz era colocada em um pequeno cilindro poroso com tinta. • Ele tinha uma manivela e, ao ser movimentado, projetava a tinta através da matriz para o papel. • O mimeógrafo continuou praticamente o mesmo até a década de 80.
  • Duplicação Digital • Na década de 80 surgiram máquinas computadorizadas que, utilizando o mesmo princípio básico, mantiveram o custo extremamente baixo do estêncil mas com uma boa melhora na qualidade da impressão. • Nesses equipamentos, um scanner digitaliza o original e grava uma matriz em um papel especial, afixado automaticamente ao cilindro pelo qual flui a tinta , bombeada por meios mecânicos. • É uma solução barata para panfletos, apostilas e impressos sem retículas ou meios-tons, pois o duplicador digital não tem definição para tons de cinza. • Cópias Xerox a preço muito baixo costumam usar esse processo. O pigmento é de baixa qualidade e não suporta manuseio intenso.
  • Xerox
 e impressão a laser
  • Fotocópia (xerox)
 e impressões a laser • É um dos primeiros processos mecânicos de reprodução a usar um pigmento seco e eletricamente carregado (toner) para imprimir em papel. • Ao passar pela máquina, as folhas de papel são eletricamente carregadas para que o toner seja atraído para elas. • Até hoje muitas máquinas utilizam um processo analógico, com espelhos e lentes. Ele está rapidamente está sendo substituído por sistemas digitais, com leitura por CCDs (a célula fotoelétrica das câmeras digitais). • Os novos sistemas digitalizam a imagem e a projetam, com um laser, em um cilindro. Este se magnetiza e atrai as partículas de toner, que depois são transferidas para o papel. • A maior vantagem das máquinas digitais é que não há perda de qualidade na captação da imagem. • É o mesmo princípio das impressoras a laser e das gráficas rápidas de Impressão Digital.
  • Gráfica rápida
  • GRÁFICAS RÁPIDAS • Impressão digital derivada da Xerox. Impressão a laser usando 4 toners – sem fotolitos ou tinta. • Vantagens: não há custos fixos (o custo por cópia é sempre igual), trabalha com prazos menores, ajustes e correções podem ser feitos durante a impressão • Desvantagens: processo caro para tiragens grandes, a qualidade é baixa em áreas chapadas grandes, os tons são menos vivos (devido à rugosidade do toner) e há uma gama limitada de papéis, tanto em tipos quanto em formatos
  • GRÁFICA RÁPIDA
  • OFF-SET DIGITAL: impressão a seco • A indústria gráfica é um grande poluidor e consumidor de água, produtos químicos e energia. • Novas formas de impressão estão sendo desenvolvidas para minimizar o impacto ambiental. • A impressão digital é um deles, mas mesmo em off-set já se fala em “impressão a seco”. • Ela usa a tecnologia de CTP (Computer to plate) para criar chapas eletrostáticas que eliminam os produtos químicos para a marcação de matrizes e a água para impressão. • Usa as tecnologias digitais para tornar a impressão off-set ainda mais precisa e versátil.
  • Relevos
 e Hot-stamping
  • Relevos e Hot-stamping • Semelhantes à tipografia • O tipo ou clichê, matriz de impressão, é duro e plano.
 O grafismo a ser impresso está em alto-relevo. • Relevo: • o clichê é pressionado contra o papel, marcando-o. • Hot Stamping: • O clichê não recebe tinta, é apenas aquecido e pressionado sobre uma tira de material sintético revestida de uma fina camada metálica. • A camada se desprende da fita e adere à superfície impressa.
  • FIMpg.eca.luli.com.br
  • Para casa: Identifique um produto que seja impresso em qualquer uma das tecnologias explicadas em aula (ou qualquer uma que não seja silk-screen ou off-set) e justifique a escolha da técnica de impressão em seu GDocs.
  • vídeo
  • vídeo
  • Silk-screen
  • SILK SCREEN • Usa um matriz feita de material poroso ou finamente perfurado, como uma tela de nylon ou aço, montada em uma moldura rígida. • Começou como uma técnica de marcação de peças industriais, e foi adotada por artistas gráficos no começo do século XX. • Pode-se imprimir tecido, cerâmica, vidro, plástico, papel, metal, cortiça e madeira. Em qualquer formato, cor ou tamanho. • O processo está associado a camisetas porque foi, por muitos anos, a única forma de imprimir em tecido. Também é o principal método usado para imprimir bonés, rótulos de CDs e DVDs, banners, materiais promocionais, painéis e cartões de visitas com impressão em relevo. • O custo é alto para pequenas tiragens e a varia em proporção direta com a qualidade que se exige da impressão.
  • vídeo
  • vídeo
  • vídeo
  • SILK SCREEN: processo • A tela é feita de um material poroso, de textura bem fina. Originalmente usava-se seda (daí o nome), mas desde os anos 40 usa-se uma tela de poliéster presa a uma moldura rígida, de alumínio ou madeira. • A matriz (estêncil) é um negativo do material final. Ela bloqueia algumas áreas da tela com material impermeável. • A tela é colocada sobre o material a ser impresso e a tinta, sobre a tela. Uma espécie de rodo força a tinta através dos poros para o suporte final. • A precisão da impressão é diretamente relacionada à precisão do estêncil, delicadeza dos poros da tela, espessura da tinta e textura do suporte. • Terminado o processo, a tela pode ser guardada ou lavada para se remover qualquer obstrução de poros e, depois, reutilizada. • Quando surgiu o processo de impressão off-set, a diferença em qualidade e velocidade entre os dois processos era tão grande que muitos passaram a acreditar que silk screen era sinônimo de impressão em baixa qualidade. Não é verdade.
  • SILK SCREEN: fotolito e estêncil • O método mais simples é recortar uma máscara em material impermeável, como plástico ou borracha, e colá-lo à tela. Outra forma simples é pintar a própria tela com tinta impermeável. • A emulsão fotográfica tornou o processo mais prático, preciso e menos artesanal: • A imagem original ee criada em um suporte transparente (fotolito) – ela pode ser desenhada, fotocopiada ou impressa, contanto que seja monocromática e opaca. O melhor é usar preto. • Um negativo de filme PB também pode ser usado, mas é importante lembrar que a matriz de impressão é uma imagem invertida do material final (preto onde deve ser transparente e vice-versa). • O fotolito é colocado sobre uma tela coberta de emulsão fotográfica. Ela é exposta à luz e se polimeriza, criando uma superfície impermeável. O processo gera imagens de alta fidelidade, que podem reproduzir dezenas de milhares de exemplares.
  • SILK SCREEN: vantagens • Silk screen é mais versátil que a impressão convencional: • Pode imprimir em uma grande variedade de materiais • O suporte de impressão não precisa ser planos • Ele nem precisa ser móvel (pode-se imprimir em paredes ou postes) • A superfície não precisa ser impressa sob pressão, como em tipografia, litografia, gravura ou até mesmo off-set • Por isso variações dessa forma de impressão continuam a ser utilizadas para marcação de produtos industriais, tecidos e até placas de circuitos eletrônicos.
  • SILK SCREEN: vantagens • O processo é acessível. Material rudimentar para sua execução é barato e fácil de se achar. Por isso é freqüentemente usado em manifestações de arte underground, independente e amadora. • Impressões coloridas podem ser feitas ao usar quatro telas para CMYK (cyan, magenta, yellow and black). Conforme o processo e o suporte, pode-se chegar a um material de altíssima qualidade. • O custo adicional para cada cor de impressão depende, quase que exclusivamente, de telas e pigmentos. • Assim pode-se imprimir em cores especiais ou em um grande número de cores (o que garante maior vividez e fidelidade cromática) sem que o custo fique proibitivo.
  • Off-set
  • OFF-SET • Atualmente é o processo de impressão mais popular. • Seu princípio marca uma revolução completa na forma de se imprimir: off-set difere dos outros processos gráficos convencionais: • Não há incisão, cortes ou relevos, mas um método chamado “planográfico”, em que os espaços em branco e as áreas de impressão estão praticamente no mesmo plano da matriz. • A matriz é feita com uma folha de alumínio coberta de uma emulsão fotosensível. • A separação entre as áreas de impressão é feita através de um processo químico, não mecânico: a repulsão entre a tinta off-set, que é oleosa, e a água.
  • vídeo
  • vídeo
  • vídeo
  • OFF-SET: processo • Como no silk-screen, usa-se emulsão fotográfica e fotolitos, mas há várias diferenças: • O fotolito é positivo, não negativo: ele marca as áreas que serão impressas, não as protege da tinta. • A emulsão fotográfica aplicada na chapa de impressão não se polimeriza, mas cria um material gorduroso, repelente à água e receptivo à tinta. • A tinta não é aplicada diretamente: ela é transferida da matriz para um cilindro de borracha e desse cilindro para o papel.
  • OFF-SET: processo • A chapa é montada em rolo de impressão que, ao rodar, a coloca em contato sucessivo com rolos umedecidos com água e com tinta. • A água adere às áreas que não serão impressas; a tinta faz o mesmo nas áreas a serem impressas. Cada uma repele a outra. • A imagem com tinta (entintada) é transferida para um cilindro de borracha que a transfere para o papel, por pressão. • Esse processo se repete por tantas cores quantas forem necessárias. As máquinas antigas eram de uma ou duas cores. Hoje é comum encontrar impressoras de quatro a sete cores, que fazem até acabamento (verniz). • A técnica de transferir a imagem da matriz para um cilindro de borracha antes de transferi-la para o papel é chamada off-set. Ela também pode ser utilizada em Tipografia, Rotogravura e Litografia. • Ou seja, é possível ter Tipografia, Rotogravura ou Litografia offset.
  • OFF-SET: processo • Máquinas de impressão off-set são compostas de unidades autônomas (“castelos”), interligadas em uma linha de produção. • As máquinas mais antigas tinham apenas uma ou duas dessas unidades – uma impressão em quatro cores demandava duas ou mais passagens pela máquina, o que costumava causar imprecisões e perdas por defeitos. Impressões de cores especiais e vernizes sofriam os mesmos problemas. • As máquinas mais modernas têm cinco ou seis “castelos”, o que permite a impressão com maior precisão e velocidade. • Por demandar várias matrizes, é um processo que tem alto custo fixo e baixo custo variável. É por isso que algumas gráficas têm tiragens mínimas e suas faixas de orçamento variam em patamares. • Essas máquinas também permitem a impressão em processos mais modernos e de maior qualidade, como a impressão em seis cores (Hexacromia) ou sete cores (Hi-Fi Color).
  • OFF-SET: vantagens • A matriz não entra em contato direto com o papel. Isso permite: • Maior detalhe – como não há pressão, não há bordas irregulares ou manchadas; • Maior consistência – o material praticamente não se desgasta,por isso a diferença entre o primeiro e o último impressos de um lote é desprezível; • Maior velocidade – a maioria dos impressos conhecidos usam essa técnica; • Materiais de menor espessura – usa menos tinta, por isso é menos visível no verso; • Maior durabilidade da matriz – que pode ser lavada e reciclada; • Custo variável baixo – impressão “mais barata” à medida que aumenta em volume; • Possibilidade de impressão em uma grande variedade de papéis e superfícies absorventes lisas ou rugosas com um mínimo de pressão; e • Melhor controle da impressão em frente-e-verso – há equipamentos que imprimem as duas faces do papel simultaneamente.
  • Tarefa #2: WECA
 Analisar, segundo os tópicos de design abordados na aula, a obra de um dos seguintes designers – descrever o designer, • Alan Fletcher • Alexandr Rodchenko • Bob Gill • Bradbury Thompson • Bruce Mau • Bruno Munari • Cassandre • Clement Mok • David Carson • Dmitri Moor • Edward Tufte • El Lissitzky • Fortunato Depero • Frank Zachary Gene Federico George Lois George Nelson Fred Woodward Grapus Henry Wolf Herb Lubalin Ikko Tanaka Jack Stauffacher Jan Tschichold John Maeda Joseph Binder Karl Gertsner
  • Tarefa #2: WECA
 Analisar, segundo os tópicos de design abordados na aula, a obra de um dos seguintes designers – descrever o designer, • Laszlo Moholy-Nagy • Lester Beall • Lucian Bernhard • Ludwig Hohlwein • Matthew Carter • Max Bill • Michael Bierut • Milton Glaser • Neville Brody • Oskar Schlemmer • Otto Wagner • Paul Rand • Piet Zwart • Richard Saul Wurman Roman Cieslewicz Rudolph de Harak Saul Bass Seymour Chwast Shigeo Fukuda Steff Geissbuhler Stephan Sagmeister Steven Heller Theo Van Doesburg Tibor Kalman Waldemar Swierzy Walter Landor Will Bradley