Uploaded on

Aula 6 de Produção gráfica: visão geral dos processos de produção.

Aula 6 de Produção gráfica: visão geral dos processos de produção.

More in: Education
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
239
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1

Actions

Shares
Downloads
7
Comments
0
Likes
0

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. CRP-0357 Produção Gráfica
  • 2. Aula 5 Processos de impressão – parte I
  • 3. O processo gráfico Carimbos, gravuras, telas,
 fotolitos e computadores
  • 4. A vida como ela era:
  • 5. Agências de propaganda no passado: processo tradicional A única vantagem da época: o cliente também sabia que as coisas levavam mais tempo, por isso havia mais prazo. A qualidade gráfica da época era, na maior parte das vezes, bem ruim. Os estúdios tinham profissionais mais experientes, mas valorizavam um aspecto mais artesanal que criativo.
  • 6. Rascunho e layout • O diretor de arte rascunhava uma ideia enquanto o redator datilografava(!) o conteúdo. • Títulos, imagens e textos eram apresentados separadamente ao diretor de criação. • Aprovadas as peças, elas seguiam para o estúdio, que era cheio de pranchetas. • Lá a imagem era ilustrada, o título desenhado à mão e o texto, decalcado. • Enquanto isso uma secretária datilografava o texto em papel timbrado.
  • 7. Apresentação • Tudo era montado em papel cartão e coberto com papel-manteiga, para não se desfazer com a chuva.
 • O cliente via algo muito diferente do resultado final: ilustração em vez de fotografia, texto falso (às vezes não tinha o mesmo tamanho do texto real) e assim por diante.
  • 8. Fotocomposição • Uma vez aprovado, o texto ia para a fotocomposição, um processo em que era re-digitado em uma máquina (a composer) que produzia uma tripa de texto na tipografia correta, em alta definição, em papel fotográfico. • Depois ele seguia para a revisão, feita por um humano. • A fotografia, depois de aprovada, seguia para um processo de separação cromática, a quadricromia, que gerava quatro fotolitos. • Um deles era projetado em papel fotográfico no tamanho final, em um processo chamado de Bromuro.
  • 9. Paste-up • Todo esse material era levado para o profissional de paste-up, que recortava o Bromuro e a fotocomposição (linha a linha, se fosse necessário fazer o texto contornar a imagem) e as colava em um papel para fazer a arte final. • A cola usada para isso tinha Benzina e o estúdio tinha um cheiro forte que dava barato em muitos. • Com uma caneta nanquim, todos os splashes e linhas eram desenhados à mão. • Desnecessário dizer que todo esse processo não tinha Undo e qualquer etapa errada ou que demandasse alterações precisava recomeçar.
  • 10. Fotolito • Pronta, a arte-final era fotografada e formava o filme preto do fotolito. • As outras cores seguiam a indicação do bromuro na arte-final e eram, também, fotografadas. • Os quatro fotolitos eram retocados para eliminar quaisquer marcas de poeira, emendas e impurezas e seguiam para a prova de prelo, uma espécie de gráfica manual que queimava uma chapa especial e imprimia uma ou mais cópias, sempre poucas.
  • 11. Provas • As provas seguiam para o cliente, que fazia a aprovação final antes de mandar para a gráfica, onde as chapas definitivas eram gravadas e o material, finalmente impresso. • Em anúncios de revistas, várias dessas etapas eram feitas na própria editora, para poupar tempo. Todo o processo levava de uma a duas semanas, e chegava a envolver mais de 20 profissionais.
  • 12. Tipografia • A tipografia era um capítulo à parte. Ela poderia ser decalcada ou desenhada à mão, o que limitava bastante as opções. • As agências precisavam ter em seus estúdios pilhas de caixas de filme transferível. • Cada tipo, em cada estilo, de cada tamanho precisava de um filme diferente. • Helvetica Bold, corpo 12 era diferente de Helvetica Bold corpo 11 e de Helvetica Regular corpo 12. • Cada tipo específico era chamado de “fonte”. Helvetica era uma “família tipográfica”.
  • 13. Gráfica • Se a gráfica ainda não usasse modernidades como os fotolitos, precisaria de tipos de metal (uma liga de chumbo e antimônio) para cada fonte. No processo de fotocomposição, cada família tipográfica precisava de uma matriz especial. Desnecessário dizer que aberrações como “corpo 11,75″ não existiam nem em piadas. ! • Com isso tudo, propaganda e editoração eram processos muito caros, e não poderiam ser tocados por qualquer um. A pulverização das agências e editoras depois do surgimento da Editoração Eletrônica não é coincidência.
  • 14. Como vemos as cores
  • 15. CMYK ou Escala Europa Ângulos de impressão:
 K: 45º, M: 75º, Y: 90º, C: 105º
  • 16. Pontos, Pixels, Dots • PPI: Pixel: picture element – “ponto de tela”. • Tem cor própria • Depende da definição (resolução) do monitor • Normalmente 72 a 96 ppi • DPI: Dot: ponto de impressão • Não tem cor própria, simula a cor através de retícula. • LPI: Line: freqüência da tela
  • 17. LPI, PPI, DPI • Dois fatores básicos para a definição da LPI: • Suporte (porosidade) • Equipamento gráfico (capacidade) • LPI determina DPI que determina PPI • (resolução de saída / freqüência de tela)^2+1= número de tons de cinza. O máximo que pode produzir é 256, e deve ficar perto disso. • Relação scan: (altura da imagem final / altura do original) x LPI x 2 = PPI necessários.
  • 18. Moiré: • Se um dos filmes aparecer fora de seu ângulo previsto, pode “interferir” perceptualmente nos outros (Gestalt). • Pontos que não deveriam ser aglutinados são vistos e se formam padrões texturados sobre a imagem, um efeito normalmente conhecido como padrão Moiré. • O Moiré chama a atenção para seu padrão e atrapalha a percepção de transição suave de cor. • Uma forma comum de se reproduzi-lo é digitalizar imagens impressas e reimprimi-las, pois a sobreposição de retículas tenderá a causar o padrão Moiré.
  • 19. Moiré
  • 20. Moiré
  • 21. Moiré
  • 22. Moiré
  • 23. LPI > DPI > PPI (e não o contrário)
  • 24. Suporte > Processo > Ideia (e não o contrário)
  • 25. Tipos de impressos • Tipografia • Flexografia • Rotogravura • Silk-screen • Litografia • Off-set • Impressão a laser • Gráfica rápida
  • 26. Custo fixo vs. Variável • Qualquer processo de impressão deve considerá- los. • Tiragem: número de exemplares impressos. Alguns processos têm custo muito alto para pequenas tiragens, mas esse custo se dilui ao imprimir grandes volumes.
  • 27. Normalmente se calculam: • Custo fixo: matriz (fotolitos, chapas), mão de obra e perdas iniciais para regulagem do equipamento, especialmente quando o serviço envolve várias camadas de cores.
 • Custo variável: insumos (pigmentos), materiais (papel) e acabamento.
  • 28. Qual processo é mais adequado? • Vantagens • Deficiências • Custo • Tiragem • Oferta de materiais e disponibilidade
 (sazonalidade, matérias-primas) • Competência e experiência dos fornecedores
  • 29. Elementos a se considerar em um briefing de gráfica: • Suporte (e sua espessura) • Tipo de tinta • Tipografia • Imagens e sua resolução • Número de cores • Encadernação • Acabamento • Distribuição
  • 30. Contexto é essencial
  • 31. FIMpg.eca.luli.com.br
  • 32. Para casa: Nada. Aproveitem.